Home Estaleiros MPF aponta superfaturamento de R$ 2,8 bilhões no Prosub

MPF aponta superfaturamento de R$ 2,8 bilhões no Prosub

4817
120
Itaguaí – Estaleiro e Base Naval

Obras do estaleiro para submarinos teriam sido superfaturadas, diz procurador

Leandro Prazeres Do UOL, em Brasília

Investigações conduzidas pela PR-DF (Procuradoria da República no Distrito Federal) encontraram indícios de superfaturamento de ao menos R$ 2,8 bilhões no Prosub (Programa de Desenvolvimento de Submarinos), projeto executado por uma subsidiária da Odebrecht e pela empresa francesa DCNS. Em nota, a Marinha disse desconhecer qualquer suspeita de superfaturamento na obra. A Odebrecht, até a última atualização desta reportagem, não havia se manifestado.

O Prosub é o maior programa da área de Defesa em andamento no Brasil. Orçado inicialmente em R$ 27 bilhões, a estimativa é que ele custe pelo menos R$ 31 bilhões. O projeto prevê a construção de um estaleiro em Itaguaí, no litoral fluminense, e de cinco submarinos, sendo quatro convencionais e um movido a propulsão nuclear. O primeiro submarino convencional do projeto deve ser entregue em 2020. O submarino nuclear ficaria pronto em 2029.

O superfaturamento identificado pelo procurador do caso, Ivan Cláudio Marx, estaria na obra do estaleiro onde os submarinos são construídos. A obra é executada pela Itaguaí Construções Navais, uma subsidiária da Odebrecht e, segundo a procuradoria, custou muito mais (R$ 7,8 bilhões) que o valor inicial (R$ 5 bilhões), além de ter ficado menor do que foi originalmente planejada.

Segundo as investigações, o orçamento inicial previa que o estaleiro custaria R$ 5 bilhões. Depois de iniciada a obra, a estimativa subiu para R$ 10 bilhões. O governo contestou os novos valores e a Odebrecht teria oferecido um novo valor: R$ 7,8 bilhões.

O montante, segundo o procurador, foi aceito pelo governo. O problema é que, de acordo com as investigações, para que a obra “coubesse” no novo valor, partes do projeto inicial foram excluídas.

Entre as partes excluídas estariam galpões destinados à utilização das Forças Armadas, principal interessada no programa.

“Quando a gente reavaliou os dados e foi ao local da obra, constatamos que uma boa parte do projeto inicial tinha sido eliminada para caber no novo preço. Ou seja, o governo vai pagar mais caro para ter menos obra”, disse.

As investigações sobre o suposto superfaturamento das obras do Prosub começaram no final de 2015 e ainda não foram concluídas. Ao final das apurações, a PR-DF poderá apresentar uma denúncia à Justiça Federal do DF. Atualmente, existe um procedimento investigatório criminal (conduzido por Ivan Marx) e um inquérito policial a cargo da Polícia Federal apurando o caso.

Projeto envolvido em suspeitas

A constatação de que houve superfaturamento nas obras do Prosub é a mais nova polêmica envolvendo o projeto e a Odebrecht.

No ano passado, as delações de executivos da companhia revelaram que a empresa pagou R$ 155,5 milhões em propina ao operador José Amaro Pinto Ramos para obter os contratos de construção dos submarinos.

Delatores como Benedicto Júnior e Hilberto Mascarenhas admitiram que a Odebrecht pagou propina a Ramos pela obtenção dos contratos. Segundo eles, o dinheiro foi repassado a Ramos por meio de depósitos em contas mantidas por ele no exterior ao longo da execução do projeto.

À época, a defesa de Ramos disse que ele teria recebido 17 milhões de euros da Odebrecht a título de pagamentos de honorários por ele ter aproximado a companhia brasileira da DCNS, empresa francesa responsável pela construção dos submarinos.

A apuração dessas suspeitas foi encaminhada à PR-RJ (Procuradoria da República no Rio de Janeiro).

Concepção em 3D da Base e Estaleiro de Submarinos em construção em Itaguaí, no Rio de Janeiro

Ainda segundo os delatores, o PT teria recebido R$ 17 milhões em propina relativa ao projeto. O partido nega as acusações.

Na França, o caso também é investigado. Por lá, procuradores investigam o envolvimento da DCNS no esquema delatado pela Odebrecht.

Até o momento, não há indícios de que o superfaturamento nas obras do Prosub, constatado pela investigação do procurador Ivan Marx, tenha sido utilizado para o pagamento de propinas. “Neste momento da investigação, não temos essa informação”, afirmou.

O procurador alega que as investigações sobre as suspeitas de irregularidades no Prosub têm sofrido por conta da burocracia. O procurador cita a demora da Marinha em fornecer documentos relativos ao caso. Ele diz que, em julho de 2017, solicitou a ata da sexta reunião do Comitê Conjunto Brasil-França para acompanhamento das obras do Prosub.

Segundo ele, as atas do comitê poderiam fornecer detalhes importantes sobre o andamento do projeto, mas até o momento, não foram fornecidas. “Eles não enviaram a ata e nem responderam quando eu pedi os documentos de novo”, disse.

Submarino Riachuelo na cerimônia de início da integração dos Submarinos da classe S-BR

Outro lado

Em nota, a Marinha disse que a suspeita de superfaturamento apontada pelas investigações é “improcedente”. “O que, na verdade, ocorreu foi que o preço previsto inicialmente no contrato foi estimado, a partir de um ‘projeto conceitual inicial’, ainda sem todas as informações necessárias.”

A nota continua e diz que, devido à “natureza, magnitude, ineditismo, complexidade e necessidade de transferência” inerentes ao projeto, não foi possível estabelecer um “projeto básico inicial único” e que a mudança no valor da obra ocorreu devido a adaptações do projeto básico inicial e a recomendações feitas por órgãos reguladores do setor de energia nuclear do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) e dos parceiros franceses.

A Marinha disse ainda que a obra é acompanhada pelo TCU (Tribunal de Contas da União) e que desconhece qualquer suspeita de superfaturamento relativa ao programa.

À reportagem, o ministro do TCU, André Carvalho, relator dos processos de fiscalização do Prosub no tribunal, confirmou que o órgão acompanha as obras. Ele disse, porém, que os autos estão sob sigilo e que informações sobre o caso não poderiam ser divulgadas.

Em relação ao não envio de documentos solicitados pela PR-DF, a Marinha disse que “atendeu a todas as demandas da Procuradoria da República no Distrito Federal” e que todos os documentos solicitados foram encaminhados em meio digital.

Inicialmente, a Odebrecht havia informado a reportagem que não iria se manifestar sobre o caso. Posteriormente, a companhia solicitou os trechos de delações que seriam mencionados na reportagem, que foram enviados. Até a última atualização deste texto, porém, a empresa não havia se manifestado.

FONTE: UOL

120 COMMENTS

  1. Passa , dias , semanas , meses e anos o assunto não muda. E ninguém consegue combater o problema antes de ser gerado !!!! Tem muita coisa errada.

  2. E lá vamos nós.

    O PROSUB vai terminar com 2 submarinos operacionais e 2 no papel. O Nuclear vai ficar apenas no “núcleo” da ideia.

    Vão ter que criar uma operação apenas para o PROSUB

    Operação Lava-Submarinos.

    • Concordo com o Mateus!
      A emenda constitucional nº 95/2016 impõe um teto rígido de gastos por 20 anos (há algumas exceções, mas a defesa não está inclusa).
      Este teto deve ser atingido já no ano que vem. Como algumas despesas, especialmente previdência (previdência dos militares idem), crescem naturalmente acima do PIB. Alguém vai pro sacrifício. Adivinhem!

  3. nenhuma novidade…
    isso nao vai mudar…
    no EB, pagamos um Piranha mas levamos um Guarani…
    na MB, pagamos um Barracuda mas levamos um Scorpene…
    na FAB, pagamos um SH mas levamos um Gripen…
    Se a corrupção nao fosse institucional, nossas Forcas teriam equipamentos bem melhores pelo mesmo preço que pagamos hj…

    • “no EB, pagamos um Piranha mas levamos um Guarani”

      É o preço que se paga por construir um projeto novo, nacional, e assim como aconteceu com o Piranha, em alguns anos os guarani vão estar mais baratos.

      “na MB, pagamos um Barracuda mas levamos um Scorpene…”

      Você prefere Barracudas de prateleira ao invés de Scorpenes nacionais, já eu prefiro o contrário, prefiro um PROJETO que gera empregos, tecnologia e soberania.

      “na FAB, pagamos um SH mas levamos um Gripen…”

      E isso é ótimo! Cada um tem seus prós e contras, o Gripen tem um custo geral menor, RCS menor, manobrabilidade superior, pesa menos, é mais rápido, sem contar toda a transferência de tecnologia, conhecimento, empregos e soberania, assim como no caso dos subs.

      Você está reclamando de barriga MUITO cheia! Percebe-se que é apenas um hater dos projetos nacionais…

      • ODST, tem gente que prefere comprar tudo “de prateleira” por ser mais barato… Mas isso implica em criar empregos qualificados nos países de origem desses equipamentos e não absorver tecnologia. Quando se fecha um contrato prevendo transferência de tecnologia, ocorre a qualificação de mão de obra nacional, criação de ferramental e uma infinidade de outras coisas que enriquecem o ambiente de negócios no país. Mas tem pessoas que acham que o “avinhauzinhu bunitinhu da gringa” é melhor que qualquer coisa que possamos fazer por aqui…

    • Sem contar que você está sendo muito inocente, pois em todos o mundo existe corrupção, dentro e fora das forças armadas, basta olhar o F-35, uma máquina de superfaturamentos corrupção.

      Airbus, Boeing, Bombardier, Lockheed, DCNS, Navantia, Fincantieri e etc, são todos corruptos com projetos superfaturados por todo o mundo!

  4. Tá.
    Orçamento inicial era de 5 bilhões.
    Ok, legal. De graça não sairia…
    Mas aqui é Brasil. Tudo atrasa e fica absurdamente mais caro. Não é nenhuma novidade. Estranho seria algo não atrasar é ficar abaixo do custo previsto.
    A questão é: o procurador do MPF levou isso em conta?
    O cronograma inicial foi para o espaço. Modificaram todo o acerto inicial, por mais de uma vez.
    Diversas obras já deveriam ter sido entregues, conforme o planejamento inicial.
    Até submarino já deveria ter sido entregue, anos atrás…
    .
    Atrasos, remanejamento de cronograma, correção monetária de custos de produção e etc, e etc…
    O procurador do MPF levou isso em conta, quando calculou tudo?
    O procurador do MPF calculou alguma coisa?
    Ou o procurador do MPF só olhou os preços e disse: Olha, deveria custar 5 bilhões, pq agora está custando 7,8 bilhões?

    • Vou na mesma linha. Claro que é mais do plausível que haja propina p/ os agentes públicos e ganhos elevados p/ empreiteira, afinal vimos isso em praticamente todos os outros negócios firmados pelo antigo governo, porém é preciso uma investigação bem criteriosa p/ que se punam os culpados, mas que esse projeto siga, c/ as devidas correções, até o final, sob pena que o prejuízo ( não apenas financeiro ) p/ a nação se torne muito maior. Que não se jogue o bebê fora junto c/ a água suja da bacia.

      • “O Procurador não é criança e conhece bem estas variáveis…”
        E certamente está embasado em pareceres de orgãos técnicos como CGU, TCU, auditorias e laudos técnicos, ….
        Neguinho pensa que o sujeito (Procurador) resolve implicar com alguém ou alguma coisa e sai dizendo e fazendo o que quer….surreal!

        • O procurador em questão pediu a condenação de um PRF por ter matado um bandido que, nas palavras dele, ainda não tinha atirado contra o policial, e ainda colocou como agravante a ~conduta temerária~ do policial ter atirado contra o carro do bandido que era movido a gás natural, o que, segundo ele, causaria uma explosão e feriria terceiros. Aí eu te pergunto, você acha que ele se embasa em laudos técnicos? É assim mesmo que funciona, no judiciário se condena, indicia ou absolve baseado no humor e no tamanho da ignorância do promotor ou juiz. Eu acho até estranho que mesmo hoje exista gente que acredita na capacidade do nosso judiciário.

    • Bardini, veja ele falou em indício justamente porque não levou nada disso em conta.
      Tivesse feito o trabalho direito não estava falando em indícios mas em superfaturamento comprovado. Todo mundo tá cansado de ver trabalho porco de órgão de acusação no Brasil. Tem que levar o trabalho na seriedade e botar a negada em cana, mas o que agente mais vê é procurador querendo aparecer. Saí do microfone procurador e vai pegar ladrão.

      • Mas a reportagem dá a entender isso.
        Era 5, a Odebrecht queria 10, saiu por 7,8, mas parte dos itens foram excluídos.
        A matéria é clara quanto a isso.
        Se há algo mais concreto não foi especificado na matéria.
        Algo muito complexo para a população, a imprensa e órgãos de controle é o orçamento de obras e similares.
        O preço de um veículo (e não seu custo) é fácil de calcular: é o preço que as concessionárias vendem.
        Ou o preço de um apartamento.
        Mas obras cada uma é diferente da outra e não dá para ter o preço de mercado de “prateleira”.
        O dono de uma construtora é só bater o olho em uma obra que diz o preço.
        Já os órgãos de controle não conseguem fazer isso. Precisam de planilhas etc.
        Com isso muita coisa passa batida ou se encontra problema onde não existe.
        Entendi a lógica de Bardini.
        Torçamos que não haja paralisação nesse projeto.

  5. Putz…..agora a salva rato do tio Sam parte para o ataque contra os submarinos. Vários programas estratégicos sob ataque. Inclusive os “perninha curta” da fab. Santa ingenuidade….”çei”….. Mentiras marteladas 500 horas por dia e muitos acreditam, nem se preocupam em procurar saber se realmente é fato verdadeiro. Pobre braZil. Bem….triste destino de colônia tipicamente apenas produtora e fornecedora de “commodities”… (nome bonito…inglesificado) para se referir a banana, cafe, manga, carne, niobio, ouro, prata, petróleo e etc e milhões mais de etc….pobre “diamante do do Sul”.

    • É realmente, é tudo mentira e o valor de mais 1 BILHÃO resgatado não foi de corrupção não, é dinheiro dado por Tio San p/ prejudicar os valorosos e honestos políticos brasileiros. Tem hora que é melhor ler certas coisas do que ser cego …

    • Ô inocente, perca 15 minutos pesquisando neste mesmo blog notícias da época, depois leia os comentários. Não digam que não foi avisado, agora a casa caiu (até que demorou) e os “inocentes” ficam criando teorias de conspiração.

      O próximo capítulo vai ser o da kombi voadora entubada também pelos queijos podres, aí você volta dizendo que é culpa do Tio Sam querendo colonizar a pobre banânia.

  6. Coisa de bandido.
    Não existe um so contrato do poder público firmado neste país que não tenha inoculado o vírus da maldita corrupção. Em todos os níveis. Federal, estadual e municipal. Oh caterva do inferno.

    • Santa inocência, em praticamente qualquer lugar do mundo é assim, em alguns lugares roubam menos, em outros roubam mais, em alguns lugares se rouba descaradamente, em outros não, em alguns lugares se investiga, em outros não, e por aí vai. Basta olhar a quantidade de empresas estrangeiras envolvidas com corrupção no Brasil e no mundo.

      E por favor não me venha dizer que aqui no Brasil a empresa só leva contrato se subornar alguém, pois basta denunciar e não aceitar esse tipo de coisa (que é o que elas geralmente fazem, tudo em nome do dinheiro). Se as empresas aceitam isso é sinal de que já possuem a pré-disposição de serem corruptas, bastando alguém oferecer ou pedir algo em troca.

  7. Neste país não dá para pôr a mão no fogo por ninguém.
    .
    Vamos ver se vão investigar isto a fundo mesmo. Afinal têm militares no negócio.
    .
    Quanto ao valor supefaturado, se for isto mesmo, é o preço do que se pretende pagar em 3 Tamandarés. Se somar o R$ 1 bilhão de aporte feito na Engepron, daria para comprar as 4 Tamandarés que se pretende.

  8. País rico é assim mesmo, dá gorjeta toda hora. A corrupção foi alçada no patamar do bilhão. O estádio do maracanã para a copa tinha um desembolso inicial previsto em 300 milhões. Ficou em 1,3 Bi. O trem bala (apenas o projeto) ficou em 1 Bi, e nunca ninguém viu o projeto. E la nave va…

  9. Mas isso é assim em todo mundo, todo o grande negócio tem comissões, agora bloquear o PROSUB por isso é falta de patriotismo, o PROSUB é maior do que isso, não se brinca com a soberania, não se brinca com a defesa da pátria, queremos ter o Submarino Nuclear, custe o que custar.

  10. Ah tá, o MPF cumprindo sua função é leviano, certos estão a MB, a Odebrechet e o Naval Group, herdeiro da DCNS.
    Afinal mexeram no sacro santo sonho do submarino nuclear!!!!
    Deveria haver uma mudança na lei para esses casos de corrupção, que não é possível com esse STF que está ai, não haveria a necessidade de pena de morte não, mas também não haveria mais a progressão de regime após o cumprimento de 1/6 da pena.
    Após a condenação em 2ª instância, ou o tramite em julgados após exauridos todos os recursos, o condenado simplesmente cumpriria a pena aplicada em sua totalidade.

  11. Como é bom ser empreiteiro num País corrupto, meu Deus!!! Eu participo de uma licitação, concordando em receber o valor da obra estipulado em contrato (R$ 5 bilhões); depois de vencida a disputa, eu simplesmente peço só um aumentinho de 100% (R$ 10 bilhões)!!! O governo faz um doce, dá uma choradinha, e aí concorda em pagar R$ 2,8 bilhões a mais!!! Mas pensam que a empreiteira vai aceitar receber esse valor que não queria?! De jeito nenhum!!! Ela simplesmente aplica o famoso jeitinho brasileiro, e não entrega as obras que estavam previstas no contrato!!! Desse jeito, através de uma manobra, consegue tirar do governo (na verdade, todos nós) os R$ 5 bilhões a mais que queria no começo. Não é uma coisa linda? VIVA O BRASIL!!!

    • Então me aponte outro lugar no mundo onde os Programas do tipo de médio e longo prazo e que custaram exatamente o que foi acordado lá no inicio. Veja como comparativo o Programa de desenvolvimento do DDG-1000. A expectativa era que cada unidades tivesse o custo de US$ 1,4 bilhões, mas no final cada belonave custará US$ 4,4 bilhoes de dólares.

      Não viagem na maionese. O PROSUB está correndo dentro do esperado, salvo atrasos por conta da própria MB em dispor de fundos o Riachuelo já estaria em provas de mar, mas assim o fará em 2018/2019.

  12. Olá Colegas. Uma coisa chama a minha atenção. A procuradoria mesmo diz que as investigações não foram concluídas. Por que então divulgar informações incompletas? Por que não esperar as conclusões serem concluídas? Caso haja denúncia, aí teríamos uma noticias. Aliás, isso só seria noticia se o juiz aceitasse a denúncia. Qual o prejuízo à imagem da MB se o MP apresentar uma denúncia e o juíz arquivar? Foi isso que ocorreu com a aquisição dos Gripen. O MP fez um estardalhaço, depois arquivou a investigação (ver nota oficial da FAB “Ministério Público Federal arquiva inquérito sobre a compra de caças”). Depois, o próprio MP reabre a investigação. O resultado disso é um enorme prejuízo para a imagem das forças armadas. Considerando o valor estratégico e militar destes programas, qual a razão para o MP não fazer as investigações em sigilo, preservando a imagem das forças armadas? Qual a razão do MP vazar estas notícias para a imprensa? Em que isso ajuda as investigações?

    • Boa tarde, qual o prejuízo a imagem da marinha ? Para mim ela é vítima, embora me chama atenção a demora em a Marinha não enviar os documentos solicitados.

      • Olá Romp. Segundo a MB, ela enviou os documentos. Também acho que a MB pode ser a vítima, mas acredito que o culpado será o MP e não a Odebredech. A postura do MP é de uma enorme irresponsabilidade.

        • Amigo, se existe segredo de justiça então alguém cometeu um crime. Agora muitos processos e investigações não estão cobertos por segredo de justiça. O próprio Lula reclamou com o Moro que estavam vazando informações do processo, e o juiz o informou que todos os dados eram públicos e estavam a disposição no site do tribunal.
          A luz do sol é o melhor desinfetante. A marinha tem só a se beneficiar ao remover “gestores” civis ou militares eventualmente envolvidos.

    • Alguém disse acima amigo Camargoer que o MP não tem crianças, pois com conhecimento de causa eu digo que o MPE, MPF e até mesmo a PGR são cobertos de criancinhas mimadas em busca da fama e da glória. Temos muitos Promotores sérios e que conduzem suas investigações de maneira sóbria e discreta, felizmente eles são a maioria, no entanto, existe uma minoria de oportunistas que ignoram os Peritos Judiciários que existem exatamente para lhes fornecer subsídios técnicos para as investigações em curso, mas não são utilizados ou quando os são e fazem apontamentos divergentes que o Procurador são ignorados.

      Com qual propriedade eu vos falo isto? Minha esposa é membro do MPF e sempre desabafa sobre as firulas de colegas que buscam a glória, custe o que custar, mesmo que tenham que manchar a reputação de alguém honesto ou de alguma instituição.

      Se existirem mesmo as divergências ditas nos apontamentos do MP, que então apresentem provas com base técnica e com dados claros após a finalização da investigação, caso contrário é coisa de moleque.

      • Olá Bezerra. Excelente comentário. São inúmeros os casos em que o MP causou prejuízos às instituições e danos à inocentes. Acredito até que estes poucos procuradores irresponsáveis também estão causando um imenso prejuízo à imagem do próprio MP. Contarei um caso…. SCarlos foi escolhida para uma reuniao da SBPC. o maior congresso científico do Brasil. A Universidade conseguiu recursos para construir um auditório onde ocorreria o evento e ficaria disponível para a cidade sediar outros congressos. O MP mandou paralisar a obra porque discordou do parecer ambiental que autorizava a derrubada de eucaliptos (não eram árvores nativas, eram eucaliptos) e pediu um novo parece ambiental. Como resultado, o prédio não ficou pronto para o evento e a universidade usou os recursos para alugar tendas para fazer o congresso. Agora, o MEC diz que não tem dinheiro para terminar o prédio porque o congresso já aconteceu e o prédio quase acabado está fechado. E o promotor foi promovido.

      • Para aqueles que estão curiosos, por favor procurem no google as seguintes coordenadas:
        -21.969311, -47.878637. Vocês verão um enorme auditório quase concludo cercado de eucaliptos que teve as obras paralisadas pelas suspeita do MP em relação ao laudo ambiental.

  13. E os oficiais da Marinha de Guerra pacturam com isso? Sei não. Acho um desvio muito grande pra ser verdade.

    Da mesma forma, também acho que o MPF tá procurando chifre em cabeça de cavalo com aquela ideia do superfaturamento/tráfico de influência na questão dos Gripen/Saab.

    Lembrando que em questões de estratégia e segurança nacional, a Lei de Licitações pode ser dispensada.

    • Nada mais falso! No caso de compra de material de defesa o que há é a dispensa de licitação e não a dispensa da lei de licitações afinal mesmo a dispensa se dá nos termos da lei 8.666/93

      No mais é o que já venho dizendo desde 2008 ou seja, o arranjo do PROSUB é completamente suspeito, especialmente pelo envolvimento da notória empreiteira “cúmpanhêra”

  14. “Olá Colegas. Uma coisa chama a minha atenção. A procuradoria mesmo diz que as investigações não foram concluídas. Por que então divulgar informações incompletas?”

    Elementar meu caro Watson, pq envolve o PT. A chamada da matéria também tem pouco a ver com o miolo dela.

  15. “Até o momento, não há indícios de que o superfaturamento nas obras do Prosub, constatado pela investigação do procurador Ivan Marx, tenha sido utilizado para o pagamento de propinas. “Neste momento da investigação, não temos essa informação”, afirmou.”

  16. em projetos militares sempre acaba rolando superfaturamento isso nao e so no brasil mas no mundo todo ou voçes acham mesmo que os departamentos responsaveis pela elaboraçao ,compra e licitaçao de material miilitar sao verdadeiros templos de honestidade ou que nao ha pressao politica ou pixulecos na hora da compra…

  17. Currículo
    Ivan Claudi Marx:
    .
    Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria (2001), especialização em em Derechos Humanos y Procesos de Democratización pelo Centro de Derechos Humanos da Universidad de Chile e doutorado em Doutorado – Ciências Jurídico-Sociais – Universidad del Museo Social Argentino (2012). Atualmente é procurador da república do Ministerio Publico Federal. Delegado de Polícia Federal no período de 03-06-2003 a 19-09-2006. Delegado-Chefe da Delegacia de Polícia Federal de Jaguarão – RS, no período de dezembro de 2004 a setembro de 2006. Membro do Grupo de Controle Externo da Atividade Policial (GCEAP) no Rio Grande do Sul, de 2007 a 2013 e no Distrito desde 2014. Membro da Força-Tarefa que investiga as fraudes no DETRAN no Estado do Rio Grande do Sul (denominada Operação Rodin), desde sua criação em 1º de outubro de 2007. Membro titular do Grupo de Trabalho denominado ?DIREITO À MEMÓRIA E À VERDADE?, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, desde sua criação em 24-09-2010. Coordenador do Grupo de Trabalho ?Justiça de Transição? da 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, responsável pelas primeiras ações penais contra os agentes do Estado por crimes cometidos durante a última ditadura militar no Brasil, desde sua criação em novembro de 2011. Representante do Ministério Público Federal, conforme Ofício PGR/GAB/Nº1307, de 10 de outubro de 2011) para acompanhar os trabalhos do Grupo de Trabalho Araguaia (GTA), bem como para atendimento do disposto na sentença do Processo nº 82.00.24682-5, da 1ª Vara Federal do Distrito Federal, e na Sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Caso Julia Gomes Lund vs Brasil ? tendo sido incluído na Portaria Interministerial Nº 1.102, de 5 de junho de 2012. Membro da Força-Tarefa criada para atuar nas investigações e nos atos de persecução penal relativos à Guerrilha do Araguaia, referidos na sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, no caso Gomes Lund vs. Brasil, desde dezembro de 2013. Integrante do Grupo de Trabalho com a finalidade de adotar medidas visando à exumação dos restos mortais do Ex-Presidente João Marques Belchior Goulart e à realização de exames e atividades periciais, de acordo com a Portaria nº 1.268, de 6 de novembro de 2013, da Ministra Chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Representante suplente do Ministério Público Federal na Comissão Nacional de Combate à Violência no Campo.
    .
    http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4762904A5

  18. voçes acham mesmo que os setrores de escolha ,compra e licitaçao de material e sistemas militares sao verdadeiros templos de honestidade no mercado militar mundial tudo e superfaturado com a desculpa de custo de desenvolvimento e “TOT”ou suporte logistico ainda mas se tratando de brasil

  19. Gente, não acredito que depois de tudo que vimos, que foi relatado, e que foi assumido pela Odebrecht, ainda tem gente que acha que não houve corrupção da brava no Prosub.
    Os caras roubavam descaradamente em obras bem menores, porque não iriam roubar nesse projeto. A forma como a Odebrecht foi escolhida já é um escândalo, e o Ministro Jobim tem tudo a ver com isso.

  20. Com 2,8 bi dava para comprar 280 MBT sul coreano, o K2 Black Panther, ele saindo a 10 milhões cada, apenas para se ter uma noção do que é isso.
    O Brasil não tem falta de dinheiro, tem é excesso de corrupção.
    Imagine onde esse país não estaria se não sofresse desse mal?!

  21. No final de tudo serão 15 SSK SBR e mais 6 SSN SNBR patrulhando o leito submarino de todo o Hemisfério Sul, esse juiz nem tem noção do que é isso, isso é um poder que muitas nações sonham, um poder apenas ao alcance de 5 nações (EUA,Russia,China,UK,França) por sinal as nações mais poderosas do Mundo.Não têm maior poder supremo do que esse, esses 2.8 Bilhões de Reais não são nada, comparando ao que esses 5 países já gastaram para deterem esse poder, só um submarino da classe Virgínia têm custo de 3 Bilhões de dólares.
    Com o PROSUB e o FX-2 (GRIPEN-NG) o Brasil teve a oportunidade de se inserir no concerto das grandes nações, temos aspirações legítimas não expansionistas, mas de soberania e dissuasão, não podemos deitar tudo o que já foi conquistado com o esforço do nosso almirantado, assim de brincadeira, DEFESA é assunto sério.

  22. Senhores,
    na Universidade Federal em que trabalho, um procurador do MPF entrou com um processo de superfaturamento na licitação de compra de telescópios refletores. A alegação é que havia similares com preços mais baratos. A equipe do laboratório de astronomia explicou que os espelhos refletores não poderiam ser escolhidos “pelo menor preço”, mas por especificações “apropriadas ao tipo de observação característica do projeto desenvolvido” e que o MPF “carecia de suporte técnico e conhecimento científico” para avaliar a decisão de compra.
    Digo isso porque tem muita gente se aproveitando dessa histeria anti-corrupção querendo holofotes e com interesses inconfessáveis.
    Acredito na seriedade da Marinha e do estratégico projeto do Prosub. Esse tipo de acusação beira à sabotagem!

  23. Vamos combinar que o MPF com sua portentosa sede espelhada, no meio do nada, em Brasília que custou milhões e milhões de reais, e mais diversas unidades espraiadas em municípios com demanda ministerial para lá de discutível, e mais gastos com iPad e iPhones, desnecessários para missão institucional, e frotas de veículos para que membros façam trajetos de poucos quilômetros, e gastos com mobiliários de altíssimo padrão para gabinetes, sem falar do famigerado auxílio-moradia para membros que possuem imóveis próprios nos melhores pontos de sua sede, não raro a ambos cônjuges, não possui moral administrativa que resista às mesmas ações institucionais em órgãos alheios …

    Por outro giro, uma instituição assim não pode conspurcar um projeto para lá de estratégico com assertivas conclusivas sem uma auditoria contábil-financeira muito apurada, que o MPF não possui, mas o tem o TCU, que acompanha a obra e não se manifestou.

    Ademais, sobrepreço em sede de licitações públicas, num objeto singular, com a complexidade de um projeto de engenharia, que não comporta alta concorrência, é um assunto altamente controverso para um Procurador da República, no 1° grau de jurisdição, com seu natural afã ministerial, firmar tamanha convicção de explosividade midiática.

    Até que prove o contrário, com números incontroversos e argumentos jurídicos sólidos, superado o trânsito em julgado, a afirmação primária num tema profundamente polêmico transparece uma masturbação ministerial para satisfação da libido institucional …

    • Prevejo algo semelhante ao que aconteceu com a compra dos Gripens, matéria de capa para denunciar e em letras miúdas o fato de a investigação não ter sido concluída, depois de não se provar nada, lançam uma pequena nota sobre o arquivamento e ideia que fica na cabeça dos menos cultos sobre o tema é que a MB também se corrompeu.

  24. Esse nao é aquele procurador que inocentou dilma rousseff e agora quer descontar nos militares? Tudo precisa e deve ser investigado. Aguardemos as investigações.

  25. Foi o modus operandi da Odebrecht e outras grandes construtoras nacionais vencer licitações por determinada quantia e depois aplicar o sobrepreço na execução do projeto. É o tal do “criar problemas para vender soluções” sempre presente nos canteiros de obras tocadas pelo Estado do nosso Brasil! Os envolvidos que mostrem que o aumento nos números são condizentes com a realidade do projeto. A Marinha pediu por isto. O PR-DF não agiu corretamente apontando o dedo antes do fim das investigações, mas SE provar superfaturamento… vai deixar a Marinha como cúmplice e não como vítima. Impossível o sobrepreço ter sido posto em prática de forma unilateral e sem o conhecimento de membros da Marinha. E com os valores envolvidos geralmente a passividade costuma dar lugar a participação ativa…

    • “Os envolvidos que mostrem que o aumento nos números são condizentes com a realidade do projeto.”
      Concordo na essência, alterando apenas “os envolvidos” para “a possível vítima” – no caso, a Marinha.
      A meu ver, considerando o histórico da empresa envolvida, as delações apontando para propinas e a fragilidade da formação do contrato (vide relatório do Acórdão nº 2952/2013 – TCU – Plenário), caberia à Marinha, se já não o fez, efetuar meticuloso levantamento dos custos do empreendimento, agregar a devida margem de lucro e, caso constatado superfaturamento, buscar a devida revisão contratual, fundamentada no interesse público, administrativa ou judicialmente. Seria a melhor forma de tratar o dinheiro público e um exemplo para o país. Não é fácil nem simples, mas quem tem a maior expertise é a própria Marinha, que conhece a fundo o projeto.
      .
      Tomara que se possa resolver administrativamente, evitando paralisação do projeto. Por que, se judicializar, pode haver prejuízo ao andamento (tomara que não haja!!).

  26. Há muito comentamos aqui sobre irregularidades no PROSUB, desde a contratação da DCNS justificada pela ToT do projeto do casco do SNB, a contratação pela mesma de determinada construtora por “indicação” do governo de plantão à época, os atrasos no cronograma de construção dos subs, o envolvimento da mesma construtora e um vice-almirante condenado (a maior autoridade em energia nuclear do país) por superfaturamento das obras de Angra 3, muita coincidência. Aguardemos o MPF abrir as caixas-pretas do BNDES e da Caixa para sentir como o “odor” vai piorar. Enquanto isso receberemos um estaleiro e uma base de submarinos mais cara e menor do que projetada, aposto que só três dos quatro SSK da classe Riachuelo (o último lá para 2018) e quanto ao SNB…o cronograma de estar estabelecido nas calendas gregas.

    • Caro Adriano. Comentar aqui ou ali sobre qualquer coisa não é base para escândalos. É preciso fatos e provas, essa é a base da própria democracia liberal. Em relação à Angra 3, o prejuizo pela paralisação das obras é maior do que qualquer suspeita de superfaturamento. Eu imagino que existam pelo menos 5 grupos interessados em interromper ou prejudicar o ProSub. (1) aqueles que não querem que a MB tenha submarinos modernos e até com propulsão nuclear. (2) aqueles que não querem o sucesso do Scorpene. (3) aqueles que não querem que as verbas da MB sigam para o ProSub, (4) aqueles fora da MB que não querem que as verbas sigam para a MB e (6) aqueles que preferem destruir qualquer coisa que tenha sido iniciada durante os anos 2002 e 2010.

      • Vou sugerir mais uma hipótese, satisfação pessoal através de mecanismos estatais. Observando o histórico de militância jurídica a favor dos “cumpanheros”, somando-se ao fato de Odebrecht ter dado com a língua nos dentes e estar envolvida com muita merda, é uma oportunidade boa de ele ganhar notoriedade chutando um cachorro morto como a Odebrecht que só a menção de seu nome em alguma obra já é suspeita de superfaturamento e de quebra manchar a imagem dos milicos, já que considerando seu coração vermelho, esta deve ser uma classe que ele não tenha muita simpatia.

  27. O pior é achar que é assim mesmo. Obras do governo em matéria etratégica podem custar qualquer preço. Só que o ex-presidente dessa empresa está preso, confessou os delitos de propinas e a diretoria atual pede desculpas, diz que está colaborando com as autoridades e segue gerindo seus bens, contratos e empresas mal havidas.

  28. Essa concorrência condicionou a Odebrecht como parceira nacional e ponto…. Só servia se a Odebrecht participasse…. O paizinho desgraçado…. E ainda me acusam de ter complexo de vira lata…. Como poderia ser diferente…. ???? Caso queriam fazer diferente, executem esses vagabundos lesa pátria com um tiro na cabeça… Eu pago as balas…. E se ninguém tiver coragem eu atiro…

  29. Se houve corrup, que se punam os responsáveis. O que é inadmissível é, como muitos aqui defendem, que rudo aiga em frente, mesmo tendo corrupção! É sério isso? É a ideologia do rouba, mas faz? Essa é a ideologia do brasileiro. É a visão que têm do uso que se faz do dinheiro público. Nada justifica corrupção e mau uso do dinheiro público. Mas, tudo no Brasil é relativo, pois depende de quem afeta e ee quem está envolvido. Basta olhar a lastimável açào do STF nessa semana, onde concedeu uma liminar evitando que o ladrão chamado Lula seja preso na próxima segunda-feira. E se não houver pressão popular, eles vão rasgar a própria jurisprudência do STF que permite a prisão após condenação em segunda instância. E eles ainda tem a desfassatez de falar em igualdade jurídica para todos! O cara que roubar uma galinha fica preso, mesmo antes da condenação em primeira instância. Todos os Poderes desse país estão podres, corrompidos e manipulados.
    Acima falaram em 15 SSK e 6 SSN……quando? Daqui 30, 40 anos! Com quanto superfaturamento?
    A Odebrecht está envolvida, pois é parceira da DCNS na construção da base e dos submarinos. Onde essa empreiteira se envolve, atolada até o pescoço com falcatruas desvendadas pela Lava-Jato, há corrupção.
    Enquanto não houver tolerância zero com todo e qualquer tipo de corrupção nesse país, não sairemos do atoleiro em que estamos metidos. Não pode haver relativização. Não podem existir sois pesos e duas medidas.
    Lula passou aqui pelo RS nessa semana. Foi escorraçado de praticamente todas as cidades em que esteve, ate que ontem foi impedido de entrar na cidade de Passo Fundo. Se o povo tivesse ciência do poder que tem, muito dessa canalhice que corre pelo país não teria acontecido, ou ao menos, os seus agentes pensariam duas vezes antes de roubar e desviar dinheiro público.

  30. Srs
    Vamos aos fatos:
    O contrato do PROSUB, inicialmente, era de 6,7 bilhões de euros (perto de 30 bilhóes de reais, hoje), sendo 1,8 bilhões de euros para o estaleiro. Teoricamente um pacote fechado, porém, no andar da carruagem, surgiram aumentos nos valores da obra e mudanças no seu escopo;
    Segundo os informes da época, a Odebrecht foi indicada pelo GF para participar como sócia no estaleiro e como construtora na obra;
    A Odebrecht não tinha nenhuma experiência na construção naval;
    No período houve N obras superfaturadas e farta distribuição de propinas envolvendo as maiores empreiteiras do país (Odebrecht inclusa), e partidos da base de apoio do governo que resultaram em uma série de processos e condenações dos donos e diretores de tais empreiteiras (Odebrecht inclusa);
    A própria Odebrecht revelou que pagou propina para entrar no PROSUB;
    A justiça francesa está investigando o PROSUB para verificar o comprometimento da DCNS;
    Pela fatos observados e considerando que a Odebrecht, no mínimo, colocaria um sobrepreço para cobrir as propinas, a questão não é se houve superfaturamento, mas sim o valor a mais que foi/será pago.
    Para o bem da sua imagem, a MB deveria estar fazendo pressão sobre o MPF/RJ e a PF para que haja um andamento célere nas investigações e que se determine as responsabilidades de todos os envolvidos, pois ficar fingindo que nada aconteceu não favorece em nada a imagem da MB.
    É importante lembrar que investigar os malfeitos não implica em parar o programa, particularmente o subnuc.
    Aliás, a parte realmente mais importante dele, que é o reator e o sistema de propulsão nem mesmo faz parte do PROSUB, portanto nem caberia entrar na história.
    Antes que discordem, os desavisados se cientifiquem, o PROSUB só trata do casco do subnuc, a parte crítica dele não faz parte do contrato com a DCNS.
    Sds

    • Caro Control. A Odebrech foi indicada pelao DCNS, não pelo governo federal. O sobrepreço que uma empresa coloca sobre o custo é o seu lucro.

      • Amigo camargoer, as verbas utilizadas no PROSUB são públicas e, portanto, seu emprego deve pautar-se pelos dispositivos da Lei 8.666/93. Mesmo nos casos de ente privado que recebe verbas públicas o TCU impõe que a mesma deve utilizar um procedimento simplificado para a escolha de contratados que venham a executar o contrato ou parcela dele. Ou seja, a DCNS não podia apenas e tão somente e de forma discricionária indicar a Odebrecht.

        Outrossim, não pode haver em hipótese alguma sobrepreço em contrato administrativo, nem mesmo sob a justificativa de lucro visto que todas as parcelas do mesmo precisam estar corretamente discriminadas.

        Por fim, e tendo em vista a sucessão de escândalos envolvendo a Odebrecht, quer no Brasil quer nos países vizinhos, é extremamente provável que o membro do MPF saiba o que está dizendo.

      • Srs
        Jovem Camargoer
        Não vamos ficar a brincar com falácias.
        É claro que, oficialmente, o GF não indicou a Odebrecht. Esta mesmo informou que sua parceria com a DCNS foi obtida através de um indicação regada a propinas. A Odebrecht informou que pagou propina para um “lobista” e para o PT, partido que estava no governo, para ser a contemplada com a parceria com a DCNS.
        Quanto ao sobrepreço, não entramos no seu mérito, mas sim lembramos que, se houve propina, esta precisaria ser coberta por um delta a mais no preço. A Odebrecht não iria, patrioticamente, pagar a propina do próprio bolso.
        Sds

  31. Mais não é possível, tem gente falando que vão parar o prosub, onde tá escrito isso no texto, pelo amor de deus, para d cogitar coisas que não vão acontecer, programas assim não param, podem ser investigados mais não param, já faz ums 2 ou 3 anos que investigam, já condenaram, prenderam e talicoisa, e o programa continua firme e forte, então param de sofrer e cogitar esse tipo de coisa.

  32. Que os responsaveis sejam punidos caso seja constatado que ouve superfaturamento. Tambem concordo com os colegas, uma informacao desse tipo deveria ser jogada nos braços da midia apenas quando as investigações ja estivessem sido concluídas ou com a presença de provas irrefutáveis pra evitar um ataque injusto da midia.

  33. É muito mimimi e desinformação mesmo, não sei se é desonestidade intelectual ou ignorância, os 5 submarinos, 50 helicópteros, e os 36 caças estão garantidos, o que pode mudar é o ritmo, mas são programas que não serão cancelados.

    Fizeram um terrorismo enorme nos últimos 2 anos dizendo que o atual governo cancelaria e nada aconteceu. O radar nacional foi entregue, os programas continuam em andamento, compras pontuais sendo feitas e etc.

    A economia em 2019 não estará mais em crise e as coisas tendem a melhorar, o resto é desinformação e ignorancia, crescemos pouco ano passado mas este ano será possível até 3% de crescimento.

    • Não há garantia nenhuma que a economia não estará em crise em 2019. Até mesmo porque a tentativa de se diminuir os gastos publicos não deu em nada. Aprovaram um teto de gastos mas não vão aprovar a reforma da previdência. O pequeno crescimento que vemos aí é reflexo de ações do empresariado e do mercado que acreditou que mais reformas viriam e que todas passariam no congresso. Os motivos que nos levaram a esta crise, continuam todos aí, mais fortes do que nunca. Os gastos públicos continuam crescendo mais que a arrecadação. Um crescimento anual do PIB 2%/3% mal absorve o crescimento da população.
      .
      E ainda temos eleições este ano. Sabe lá oque pode acontecer.

      • Olá Zorram. Ou isso que você disse ou o diagnóstico estava errado. Sobre o crescimento dos gastos públicos em relação ao PIB, o correto é dizer que o PIB caiu muito, por isso parece que os gastos públicos cresceram. Os gastos públicos não cresceram. O Gov.Federal não abriu novas vagas, os gastos com custeio foram cortados, investimentos foram cancelados. Os gastos públicos federais diminuiram muito.

    • É uma das novas táticas dos canalhas: esconder a corrupção em projetos militares e a qualquer ameaça de investigação começam a desacreditar o investigador espalhando que o mpf é contra os interesses estratégicos do país, está a serviço de outro país e blablabla. A maior ameaça ao país são eles mesmos com todo esse superfaturamento e propinas.

  34. Prezados, bom dia! Minha opinião, aponta apenas para a estranha resposta da MB. Salvo engano, ela disse que não havia projeto executivo fechado, daí a diferença de preço… Desde quando se faz uma licitação para a construção de um estaleiro, sem a existência de um projeto total da obra??? Cheira mal… ABS.

  35. Uma coisa é fato, o brasileiro é corrupto, uns mais outros menos. O ”inocente” jeitinho do dia a dia se torna a propina nas altas esferas do poder, isso já está arraigado na nossa cultura, só com muita educação (escolar e caseira) poderemos começar a reverter isso. Mas parece que quanto mais o povo estuda mais se corrompe?

  36. Perfeita análise Control. Juarez, gaucho como o procurador Marx, já cantava há anos essa pedra.
    Todos, rigorosamente todos, os contratos entre GF e Odebrecht nos últimos anos envolveram pagamento de propina a operadores, diretores de estatais e políticos. Porque achar que no Prosub, ainda mais sendo o maior dos contratos, a coisa seria diferente? Ficou mais do que evidente, pra não dizer esfregado na cara, de onde veio o interesse súbito que as grandes construtoras tiveram, de uma hora pra outra, no mercado Militar. Um fenômeno jabuticabense, porque só no Brasil empresas de defesa tiveram origem a partir do mercado da construção civil!!!
    O que me surpreende nesse enredo todo é o posicionamento da MB de negação, típico das instituições corporativistas como o judiciário e o congresso nacional. Virou PT? Vai negar até a morte? No caso das estatais, o tripé da corrupção (operador/executivo/político) tinha a participação dos diretores das estatais, o que na marinha seriam os almirantes. Partindo da lógica de funcionamento desses esquemas criminosos, há de se cogitar se não há a participação de militares de alta patente, o que explicaria facilmente o movimento corporativista da MB sobre o assunto. E curioso notar o desmonte das “novas empresas” de Defesa, bem como dos grandes programas, no mesmo tempo em que a lava jato avançava em suas investigações e prisões. Nem a Embraer Defesa quer continuar no mercado se for pra depender dos contratos de Defesa com o GF!

    • Prezado Corsario, recomendo ler o post colocado recentemente sobre a resposta da MB… talvez ajude a repensar a alcunha de “corporativista”… abraço…

  37. É por esse, entre outros motivos, que qualquer empreiteira que vencesse uma licitação de obra pública deveria ser obrigada a pagar um seguro que cobrisse eventuais atrasos ou custos adicionais. Aí sim, a própria seguradora, para não ter que pagar por isso, exerceria uma puta fiscalização nos projetos e na execução da obra, o que concorreria para que elas fossem finalizadas conforme especificadas, no preço e no prazo contratados.

  38. Gostaria de ressaltar 2 pontos:
    1- As investigações ainda estão em andamento;
    2- O Curriculum Vitae do promotor mostrado em post acima Bardini 24 de Março de 2018 at 14:44 mostra a cor da sua camisa.
    A partir desse ponto, pode-se tirar as conclusões…

  39. “Até que prove o contrário, com números incontroversos e argumentos jurídicos sólidos, superado o trânsito em julgado”

    Decepcionado pelas suas palavras Ozawa. Até “Emenda Lula” citou. Trânsito em julgado? Ele é um procurador, a função constitucional dele é essa, e pagamos a ele por isso. Se houve crime ou não, caberá ao Judiciário a sentença, que esta sim, superadas todas as instâncias, transitará em julgado. O procurador está oferecendo uma denúncia, e os elementos são substanciais para tal, pra não dizer cabais, visto que em sua delação, os próprios executivos da Odebrecht afirmaram terem pago propina para participar construção do estaleiro. E tal como em todos os projetos imaculados pela corrupção, houve sobrepreço da obra, de forma a “compensar” os gastos em propina.

  40. Cada um desses projetos “mais caro”, tem uma razao de ser!

    NNa decada de 80/90, era “piada” dizer q os AMX eram nossos “F-32” (pq custavam 2 F-16), Hj a Embraer (E a FAB), colhem os frutos desse investimento.

    Peço aos Senhores, que ao postarem, lembrem-se:
    1-Militares (em sua grande maioria!), nao sao corruptos, e em absoluto, nao aceitam desvios de conduta dessa natureza. Favor nao os olhar como olham para os politicos…

    2-O principal pensamento de um militar: Tudo pelo Pais! (Melhor material pelo menor preço, trara beneficios para o Pais?)

    3-Todo General, Brigadeiro ou Almirante, nao chegaram onde chegaram por “votinho de eleitor”, chegaram pq foram os melhores de sua turma, tem Pos, Mestrado e Doutorado em suas areas (Arte da Guerra-Militar eh profissao!), Ja foram chefes de secao, unidade, chefiaram uma unidade, foram ao exterior, etc…

    Ao contrario de “politicos”(sic!), q so pensam em causa propria, vao “aprendendo” conforme se elegem, so pensam em propinas e como esconder esses valores, nao pensam em seu povo muito menos no Pais!

    Politicos esses, q nem tem curso superior precisam para qualquer cargo!

    Entao, “me revolta”, ler de “especialistas de teclado” (e que se bobear, nunca serviram outiveram contato com um quartel), “insinuarem” coisas do tipo: “aaai, viu? Ate milicos se corrompendo”. Nao e por ai…

    Agradeço!

    Obs.: NAO SOU MILICO! Fui estagiario de TI no EB e agradeço muito pelos ensinamentos e principalmente pela Etica que me foram ensinados la!

  41. Até uma obra doméstica o pedreiro nos dá um orçamento e no meio da obra, geralmente o custo inicial quase dobra. O que tem que se apurar é se houve desvios, se o valor pago condiz com o requisitado para a obra,se o material empregado é o ideal. Se o que pagamos não foi o que recebemos determinado no projeto, que se apure até o fim e puna os envolvidos de forma exemplar. Mas no Brasil eu duvido que isto ocorra. Aqui só tem um jeito, é queda da Bastilha. ST4

  42. Já que o procurador que denuncia, segundo seu currículo, parece ser um vermelho da pior espécie, então que se deixem os políticos, empreiteiros e almirantes assaltarem impunemente o tesouro nacional.
    Argumento de amebas, não acham?

    “”Argumentum ad hominem (latim, argumento contra a pessoa) é uma falácia identificada quando alguém procura negar uma proposição com uma crítica ao seu autor e não ao seu conteúdo.[1][2][3]

    A falácia ocorre porque conclui sobre o valor da proposição sem examinar seu conteúdo, o que é absurdo.

    O argumento contra a pessoa é uma das falácias caracterizadas pelo elemento da irrelevância, por concluir sobre o valor de uma proposição através da introdução, dentro do contexto da discussão, de um elemento que não tem relevância para isso, que neste caso é um juízo sobre o autor da proposição.

    Pode ser agrupado também entre as falácias que usam o estratagema do desvio de atenção, ao levar o foco da discussão para um elemento externo a ela, que são as considerações pessoais sobre o autor da proposição.””

    • Muito verborragia quando o próprio MP admite que as investigações ainda estão em andamento e não houve condenação nem em primeira ibstância

  43. Para quem já atuou em projetos de montagens industriais, de tecnologia atual, sabe que os orçamntos não são de precisão milimetrica. É necessário o ajuste dos mesmos ao longo da execução. O volume dos ajustes vai depender da qualiade do projeto e de seu nivel de detalhamento. Para um projeto bem detalhado e feito por quem tem o conhecimento necessário, os custos eventuais (miscellaneous) se situam na faixa de 3 a 8 %. Para projetos de emergência, com pressões de prazos e carencias de detalhamentos, essa faixa pode subir para 12 a 15%. Acima disso signiofica que, ou aconteceram mudanças significativas no projeto, ou tem drenagem “suspeita” de recursos. Na iniciativa privada não é raro que “sobre” recuros por conta de orçamentos estimados com folga.

    • Transcrevo parágrafo constante no relatório do Acórdão TCU nº 2952/2013 – Plenário. A grande fragilidade da contratação do Estaleiro do ProSub (2009) foi ter sido feita com base em um mero projeto conceitual, com valores estimados. Somente no curso do contrato (2012) foi entregue o projeto básico, aí com o tão falado aumento de custos. E ainda há possibilidade de novo aumento, pois ainda não há definição precisa sobre o complexo radiológico, que continua estimado:

      “268. Os novos valores para o empreendimento completo constantes do projeto básico (entregue em novembro de 2012) são 58% superiores àqueles estimados no projeto conceitual, o que equivale a um acréscimo de R$ 2,89 bilhões aos R$ 4,99 bilhões originais. Ressaltamos, ainda com respeito ao projeto básico global recém concluído, que não há definição precisa dos custos de “equipamentos, obras e sistemas para o complexo radiológico”, estimado em R$ 897 milhões. Não se afasta, portanto, novos acréscimos ao custo global, dada a imprecisão dessa parte da obra”…
      .
      Ou seja, o bilionário projeto afastou-se completamente do que usualmente utilizamos nas contratações públicas mais simples, primeiro contratamos o projeto detalhado, depois contratamos a execução da obra. A forma utilizada na contratação do Estaleiro é permitida em determinadas situações, mas sempre leva a uma fragilidade contratual (que é o caso, essa fragilidade sempre vai permitir dúvidas e discussões, ainda mais envolvendo o histórico da empresa subcontratada – é um fardo que a Marinha vai ter que carregar, não tem escapatória).

  44. Assunto requentadíssimo no âmbito do MPF que, até agora, não conseguiu reunir elementos concretos para levar isso adiante, como tem acontecido em vários casos…
    Infelizmente condenamos hoje a partir da denúncia (ainda não acolhida e pela notícia da imprensa), e é o que se vê aqui em boa parte dos comentários.
    Continuo esperando sentado essa busca de irregularidades no PROSUB…
    Seguem as respostas da MB ao questionamento do UOL.

    http://www.naval.com.br/blog/2018/03/25/marinha-responde-ao-uol-sobre-suposto-superfaturamento-no-prosub/

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here