Home Marinha do Brasil PHM Atlântico zarpa do Reino Unido rumo ao Brasil

PHM Atlântico zarpa do Reino Unido rumo ao Brasil

17909
141

O porta-helicópteros multipropósito (PHM) Atlântico zarpou hoje da Base Naval de Devonport em Plymouth no Reino Unido rumo ao Brasil.

O navio fará escala em Lisboa e deverá chegar ao Brasil na segunda quinzena de agosto.

O PHM Atlântico (Ex-HMS Ocean), incorporado à MB no dia 29 de junho, foi adquirido por £ 84 milhões e adaptado e reparado pelas companhias Babcock e a BAE Systems para o serviço na Marinha do Brasil.

Após a incorporação, o navio passou por um intenso programa de treinamentos no porto e no mar com o reconhecido e rigoroso Centro de Instrução da Marinha do Reino Unido Flag Officer Sea Training.

Projetado para operar com até sete aeronaves em seu convoo e 12 no hangar, o PHM Atlântico pode transportar Grupamentos Operativos de 500 a 800 Fuzileiros Navais e projetá-los por movimentos helitransportados, ou por superfície, empregando suas quatro lanchas de desembarque, a partir de uma distância de até 200 milhas da costa (cerca de 321 km). Possui, ainda, diversas salas de planejamento para uso de Estado-Maior.

É dotado de um Sistema de Combate que integra o Sistema de Comando e Controle LPH CMS, quatro canhões de 30mm DS30M Mk2, dois Radares 1007, um Radar 1008 e do moderníssimo Radar Artisan 3D 997, com elevada capacidade de detecção e acompanhamento.

FOTOS: RFANostalgia/Barry Dixon

141 COMMENTS

    • Se fizerem o mesmo que fizeram durante a chegada do São Paulo, a esquadra deve se reunir com o Atlântico fora da barra do Rio de Janeiro e deve entrar na Baía de Guanabara perfilada atrás do Atlântico, com direito à salva de 21 disparos de canhão nas fortalezas na boca da Baía.

      Espero conseguir estar presente se isso ocorrer.

        • Foi belo mesmo. Eu estava na Fortaleza de Santa Cruz próximo da bateria. Foi realmente muito belo. Um amigo tirou diversas fotos, que inclusive nunca vi. É uma boa oportunidade para pegá-las e jogá-las no scanner.

  1. O navio não possui autonomia para vir direto de Devonport para o Rio, especialmente praticamente vazio como está ?

    Por que a parada em Lisboa ?

    • Há repórteres a bordo do navio cobrindo o evento.
      A parada em Lisboa é para deixa-los em terra pra voltarem ao Brasil de avião (não faz sentido ficar 30 dias a bordo pra cobrir o seu funcionamento).
      Chutaria também uma espécia de média com Portugal (sempre bom estreitar relações, mesmo que seja uma pequena parada no porto) e também, o último shakedown, dessa vez totalmente sozinhos (não há mais ingleses para nos assistir) antes da grande viagem.
      O comando deve acertar cada mínimo detalhe nessa curta viagem antes de vir pra cá.

      • Com certeza, o navio vai trazer um grupo de marinheiros e oficias Ingleses, o navio é novo para a marinha do Brasil. Vamos depender deles mais um pouco para navegarmos sozinhos. Não existe qualquer desmérito nisto, muito pelo contrário, até chutaria que vai ter oficiais Ingleses, fazendo intercambio com a MB no Atlântico, isto é de praxe.
        Temos muito do que aprender na operação e doutrina deste navio.

      • Um navio deste tamanho parar em Lisboa apenas para jornalistas que estão a bordo ,que ate onde sei ,não são muitos ,para poderem voltar de avião ??? Onde vc leu isso ?

        • Em um outro site de defesa.
          Um dos repórteres deles está a bordo cobrindo o evento. Quando chegar em Lisboa, vai ir a terra, pegar um avião e voltar pro Brasil a tempo de cobrir a chegada aqui também.

      • “Amassamos” quem, amigo ? Percebeu a posição da mossa em relação à linha d´água ? Reparou que a proa do rebocador está aparentemente no mesmo nível ? Aquilo ali foi fruto do contato do rebocador em manobra de desatracação… isso eventualmente acontece… um navio daquele porte emprega rebocadores na proa e popa, fazendo a manobra por meio de cabos de reboque, mas também faz uso de outro(s) literalmente empurrando, quando então há o contato no costado… e se houve barbeiragem, não foi da nossa parte… simples assim…

      • Esteves acabei de ver um vídeo do Ocean ainda em reparos pela Bae System antes da MB colocar as mãos nele e esse amassado já estava no lugar que você reparou, portanto você deveria ter no mínimo cautela antes de fazer tal afirmação

        • Lá com eles é uma coisa. Foi reparado e pintado. Se batemos no mesmo lugar de antes…tem piloto que é assim. Vê um amassado, bate no mesmo lugar.

          E ainda vai parar em Portugal. Só por Jesus.

          • Se você viu o vídeo que postei, esse amassado já estava no navio e não foi um dos itens reparados no mesmo, pare de falar que foi o pessoal da MB que fez esse amassado, pois não foi

          • Começou o viralatismo na base de achismo. E ainda errou feio. Esse “amassado” já existia bem antes das notícias sobre a compra do navio pela MB.

      • Para não restar nenhuma duvida, esse vídeo é do inicio de junho, quando a MB ainda não tinha colocado a mão nele para os testes de mar a partir de 2:39 da para perceber que esse amassado já estava ali

    • Sem comentários… legal seria ver um “amasso” abaixo da linha d’água!… a palavra é de prata, o silêncio de ouro…

    • Cara tu és detalhista hem, mas foi boa a observação, pelo menos sabemos que os flanelinhas de navio britânicos não são tão eficientes.
      abs

  2. Penso que pode parar em Portugal para comprar os viveres, ja que Portugal é conhecido por ser um país bem mais barato que a Inglaterra, meus amigos que moram lá dizem que alimentação é bem barata, comparado ao resto da europa.Dá aquele completada no tanque ..kkkk

  3. Aguardo ansiosamente a presença desse fantástico aqui no porto de Praia Mole no ES para visitação. O Nael Minas Gerais e o Nae São Paulo passaram por esse porto para visitações. Agora é a sua vez, PHM Atlântico. Os capixabas estão ansiosos para vê-lo de perto.

  4. Esse negócio de vir escoltado é besteira e gasto desnecesário de dinheiro, qual o país que vai atacar o navio? Piratas? Lembrar que ele têm 4 canhões de 30, fora que deve ter fuzileiros a bordo, pirata não ataca navio militar, estamos em guerra com quem mesmo?

    • Exato, escolta para que? Muita neura de alguns.
      Agora, não creio que deva ter fuzileiros a bordo, acho que foi enviado à Inglaterra, o mínimo de tripulantes necessários para conhecer o navio. Tempos bicudos.
      Quanto a Portugal, deve ser para mostrar bandeira.

    • Acho que neste caso, estavam falando como uma espécie de homenagem ou algo neste sentido.
      Não no sentido de dar segurança.
      Homenagem vai ser quando chegar, uma revoada de helicópteros e talvez um ou dois A-4.

      • Deve ser feito o mesmo quando da chegada do A12, nós suspendemos e fizemos o rendez-vous na altura do Cabo Frio… daí, formatura e navegação até a entrada na baía da Guanabara… abraço…

      • Vc entendeu. A escolta nao é para proteger o navio de um ataque, é uma questao simbolica.

        E nao é perda de dinheiro, as escoltas tem que ir ao mar para adestramento da tripulaçao.

  5. Seja bem vindo!
    .
    Agora tem de operar né? Arrumar helis pra ele, criar uma doutrina e dar utilidade ao navio. Se comprou, é pra usar.
    .
    Se for pra ficar parado no AMRJ, nem precisava ter vindo

      • Esse UH-15 “mostrando os dentes” com esse Exocet “debaixo do braço” é um “senhor de imponência”, que silhueta!

        • Galante
          Mesmo que tenha esses helicópteros fiquei na dúvida se tem em número suficiente para operar no Atlântico, Bahia e nas fragatas/corvetas simultaneamente. Seria interessante se o interesse da MB nos Cobras se concretizasse também.

    • Zorann, espere o mesmo processo que foi conduzido no Bahia… inspeções pelo CIAsA, qualificações para pouso a bordo etc… tenha certeza de que ele vai rodar bastante… abraço…

      • Olá XO e Galante!
        .
        Isto não é uma crítica. Eu torci pela compra. Compramos o navio pra ele ser útil. Então que seja útil. Que seja realmente importante para nossa defesa. Que não deixe de operar ou de fazer as comissões, missões por alegarem que não tem verba. E/ou Diminuir os dias de mar, deixar de treinar adequadamente a tripulação, para conseguir ‘cumprir o orçamento’ e/ou contingenciamentos.
        .
        Para isto aí existem outras opções.

        • Blz, entendi na boa seu comentário… o que você esperar em termos de limitação de dias de mar é o cumprimento do Índice de disponibilidade anual, o qual define quantos dias de mar um determinado meio pode fazer, vistas as necessidades de manutenção… fora isso, podes crer que essa criança vai empurrar água… abraço..

        • Zorann, não haverá dificuldades na operação do PHM Atlântico, ele é muito diferente do NAe São Paulo, a começar pela propulsão, muito mais simples. A operação do Atlântico é semelhante a de um navio mercante moderno, com a diferença que pode embarcar aeronaves e veículos.

          A operação é econômica, com custo anual equivalente ao de uma fragata Type 23.

    • Fabio, não que eu saiba… o foco agora é no processo de obtenção das Tamandarés e no lançamento do S Riachuelo em DEZ… abraço…

  6. Bons ventos, bons mares, valorosa tripulação!!!

    Quem deve estar gostando é o Bahia, capaz de após algum tempo poder ter uma folguinha, revezando missões com o Atlântico.

  7. Rodolfo Livio, constatei e ia comentar, mas dei-me conta que a marca é do trabalho de algum rebocador, bem como assinalou o XO.

    Lastima, mas nada que algum estaleiro nacional não possa arrumar…

  8. Seja muito bem vindo “Atlântico”!
    Creio que o Atlântico seria muito mais completo se tivéssemos alguns Heli de Ataque para compor o grupo embarcado.
    Alguém ai tem mais alguma informação sobre o lote de Super Cobra que a Marinha e o Exército estavam de olho nos EUA?

  9. Parabéns ao Brasil pelo excelente novo meio.
    Ele leva a bordo algum dos Lynx modernizados da MB no RU de volta ao Brasil?
    Estará previsto operações de voo com as forças armadas portuguesas? Lynx da Marinha ou Merlin da FAP?

  10. Pro pessoal que fala que a MB vai ter que “usar” o Atlântico, podem ter certeza que ele vai ter um uso muito intenso agora, pra começar nessa viagem onde devem aproveitar para melhorar ainda mais o adestramento da tripulação após o FOST. Devem tocar postos de combate e realizar fainas de controle de avarias, incêndio e alagamento e resgate de homem ao mar entre outros, quase diariamente.

    Fora isso, depois que chegar ao Brasil vai gastar um bom tempo realizando todas as certificações de voo de todas as aeronaves em serviço na MB, em diferentes condições meteorológicas, dia e noite, crash, além de desembarque anfíbio combinado usando aeronaves e as balsas, etc. Vai ser muito trabalho pra tripulação do Atlântico e pra todo pessoal da Força Aeronaval e pros FN.

    (Agora, se todo esse treinamento culminar com uma Missilex ‘19 ou ‘20 tendo como alvo o casco do “Mattosão” (e se um UH-15B fizer um disparo de Exocet, melhor ainda), seria um batismo muito interessante e apropriado na minha opinião)

      • Nem tanto os Skyhawk e seu raio de combate relativamente pequeno, mas se o Sea Gripen sair do papel e a Marinha comprar, essa função de posto de comando avançado da força aeronaval, desempenhando uma função normalmente exercida por um porta-aviões mas com os caças decolando em terra, pode se tornar uma combinação interessante visto que o raio de combate do Gripen é bem grande, 1300km.

        É um bom tapa-buraco até o próximo NAe ser comissionado.

      • Acho que seria muito legal vê-lo chegar no Rio no dia 07/09, coroando o desfile militar de comemoração da Independência. Será que a pausa em Lisboa seja pra iss: coordenar a chegada no dia 07/09?

        • Ele só deve chegar em Lisboa de hoje para amanhã, tendo ainda que ficar ancorado enquanto os repórteres vão para a terra. A não ser que reabasteçam lá e façam ele queimar mais diesel para vir acima dos 10 nós de cruzeiro, ele não chega a tempo.

  11. Compras de oportunidade como as do Atlântico e do Bahia são excelentes e necessárias. Infelizmente iremos precisar de escoltas para ontem, e compras de oportunidade para escoltas se tornará urgente para a próxima década. Imaginando um uso de dez ou quinze anos até que o PROSUPER gere frutos efetivamente.

    Saudações!

  12. Parabéns a MB, volto a dizer.foi a melhor compra da MB desde o M Gerais, que continuem descobrindo mais tesouros como este. Também li que estão preparando a fragata Liberal para ir rumo Líbano, fico preocupado, pois ouvi que a única escolta operando 100% era a corveta Barroso, será que a Liberal aguenta ir e voltar, sem apresentar problemas????

    • Cara, problemas só acontecem com quem está no mar… se a F43 foi indicada é porque está em condições de cumprir a missão… abraço…

  13. E a questão dos armamentos? Sei quê essa questão é polêmica aqui, e eu particularmente não acompanhei as outras matérias sobre, então se alguém que tiver informação, poder falar, ficaria agradecido, se não, tudo bém também.

  14. Humberto, o vídeo da entrada da tripulação no navio , na mostra de armamento eu vi uns 3 com aquele uniforme vermelho dos fuzileiros.

    • Mestre Parabellum,

      A pergunta é muito generica pois são tipos de navios diferentes…bem diferentes…

      Então a pergunta seria mais do tipo….o que uma asa fixa faz que uma rotativa não faz…., creio eu que apenas o CAP….pois não existiria ali um caça de defesa de frota….de resto, faz quase tudo com maior ou menor restrição ou ainda melhor outras coisas…

      Ataque de Superficie por vetor aereo embarcadado? Sim, faz….as fotos que o Nunão postou são provas disto….haverá lá a possibilidade do Penguin lançado pelos SH-16 e o exocet pelo UH-15…inclusive o UH-15 tem um alcance muito, muito bom para a categoria….o braço do Exocet ficara bem longo…

      Patrulha AEW? Pode tambem, embora sejam por caracteristica de cada tipo de vetos, a asa rotativa seja um pouco mais cara….será tambem mais lenta e com alcance tempo de patrulha/voo menor…mas executa bem a tarefa. A vantagem neste quesito fica para a asa fixa. Neste exato momento e para nosso caso, não haveria diferença entre uma ou outra, pois não temos caças embarcados que precisem ser acompanhados em seus pacotes de ataque ( ter velocidade para acompanhar o avanço/ir junto e monitorar)…em contrapartida, a asa rotativa em qualquer urgencia podera quando em seu retorno pousar em qualquer conves que aguente seu peso….ja na asa fixa, se o Nae afundar ou estiver sob ataque e o AEW precisar pousar , ira pro saco pousando nágua…

      Existe uma materia comparativa de um H225 AEW X Tracker S2T AEW aqui no Naval….

  15. Eita que ele tá chegando! Parabéns a MB e todos envolvidos. Não sei se já foi falado, se sim me perdoem, o PHM Atlântico também tem centro cirúrgico igual o Bahia? Parabéns a todos do site, abração.

  16. Gente,acho que esta dando algum problema no servidor do maritime traffic. O phm Atlântico aparece parado nas mesmas coordenadas do mapa( alguns quilômetros a oeste da cidade francesa de Brest), apesar de que segundo o site, a posição do navio esteja sendo atualizado a cada 10 minutos e que a velocidade do navio se mantém uma constante de 8.9 nos, alguém sabe explicar o que está ocorrendo? Porque pelos meus cálculos, a essa velocidade, ele já deveria estar próximo da Costa norte da Espanha.

    • Não conheço patavina, mas os navios também devem seguir um padrão de navegação igual aos aviões, você não voa direto e sim, pega as aerovias, de repente, existem rotas pré-determinadas que você tem que obedecer.
      Quanto a velocidade, o Atlântico navega a 10 nós em velocidade de cruzeiro. Não muito longe dos 8.9.
      De repente é isto.

  17. Uma bela aquisição para MB em tempos dificeis no orcamento, não perderia por nada assistir as salvas na entrada da Barra do Rio de Janeiro.
    Tenho certeza que o nosso pessoal vai dar um tratamento muito melhor que os ingleses.

  18. So acho q esses navio deveria tem uma defesa mais equipada. Canhao de 30mm so serve pra abater pirata. Cade a defesa anti -aerea com misseis pra 20km de altura e 400km de distancia ?

      • Dúvida.

        Na altura que os radares são instalados, a cobertura até a linha do horizonte = 25km? Essa seria a distância para a operação dos mísseis?

        • Esteves, tenho certeza que outros poderão explicar melhor, mas a grosso modo o fenômeno do horizonte radar só afeta alvos que estejam na superfície ou que estejam voando muito próxima dela.

          Já uma aeronave inimiga que estiver se aproximando a grande altitude será localizada pelo radar no alcance máximo do mesmo (no caso do Artisan é na casa dos 200km), o que permitiria também o engajamento com mísseis AA no limite do alcance dos mesmos (que no caso do Brasil são todos de curto pra médio alcance).

          Esse fato, causa em qualquer aeronave atacante um dilema, pois ela precisa voar o mais baixo possível para poder ficar “abaixo do radar” da força tarefa defensora e ao mesmo tempo voar o mais alto possível para poder usar seus próprios radares de busca de superfície no limite do seu alcance (pois se ela voar baixo seu próprio radar estará limitado também pelo horizonte radar). Para contornar esse problema, uma aeronave atacante tende a voar o mais baixo possível, rapidamente aumentando a sua altitude por curtos períodos na tentativa de localizar o alvo e depois retornando a baixa altitude.

          Já para uso de mísseis superfície-superfície, a limitação do horizonte radar realmente inviabiliza o uso dos mesmos a longa distância, a não ser que sejam direcionados por sensores de outros meios. Por isso que é tão importante que os navios tenham aeronaves embarcadas (mesmo que desarmadas, mas com bons radares de busca de superficie), capazes de fazer voos de esclarecimento e consequentemente permitir o uso dos mísseis do navio no seu alcance máximo.

  19. Como funciona o Marine traffic? O Navio atualiza sua localização ou é algo automático? Assim é fácil saber onde naves importantes estão, o que pode não ser interessante para as marinhas dessas belonaves!

    • Nunes-Neto, o navio só aparece no Marine Traffic se ativa o transponder AIS. Se o equipamento é desligado, o navio desaparece. É semelhante aos transponder usados nas aeronaves que aparecem no Flight Radar.

      Navios e aeronaves militares podem ligar e desligar o transponder de acordo com a missão.

  20. “Fernando 2 de agosto de 2018 at 1:16
    Reparei que há diversos remendos na lateral. Alguém sabe dizer o que são aquelas placas na lateral do navio??”
    Não vejo como remendos, mas também tenho curiosidade em saber o que são essas doze placas de tom marrom ou bege, a boreste. Devido à diferença de cor com o casco prateado, passam mesmo a sensação de serem algo improvisado.

    • Nilson e Fernando, essas “placas” devem ser algo como escotilhas ou “janelas” ou ainda painéis de inspeção ou para cobrir algum equipamento ou dar acesso a algum equipamento ou compartimento. O navio acabou de ser todo pintado. Se não estão pintadas da mesma cor do restante do navio é porque deve haver algum motivo. Falta de tinta é que não foi….muito menos improvisação. E esses painéis sempre estiveram ali, dessa mesma maneira.

  21. Meeeeeu Deus, como o povo tá crítico:
    “Tem um amassado ali, será que os nossos tripulantes já fizeram barbeiragem?”
    “Porque não vem com escolta?”
    “Porque vão parar em Portugal?”
    Gente, tá vindo o PHM, o nosso novo Nau (aliás, o Naval poderia substituir a Fragata Niterói, pelo PHM Atlântico na logo).
    Eu não sou entendedor, sou entusiasta, mas pelo tempo que acompanho a trilogia entendo que tudo tem o seu tempo, um processo todo a ser seguido, às vezes até burocrático demais, mas que é necessário, pois não dá para comprar um navio militar e sair já com ele testando e fazendo tudo que for possível como se fosse um carro que sai da concessionária!
    Por enquanto, vamos acompanhar sua viagem e torcer que os bons ventos o tragam…
    Nesse momento está na: Latitude / Longitude: 46.83136° / -7.42224°

  22. Obrigado Carvalho2008. Muito esclarecedor. Ao que tudo indica foi uma oportunidade não desperdiçada. Poderíamos até sonhar no A-12 sendo transformado num segundo porta-helicópteros.

    • Absolutamente.

      O Ocean foi uma oportunidade como poucas. Salvo alguma surpresa a qual esperamos que a avaliação tenha sido criteriosa, será quase um presente caido do ceu na hora certa e lugar certo.

      Bom, barato de comprar e barato de operar.

  23. Parabéns ao staff do poder naval, ao XO e aos comentaristas técnicos – pela paciência, cortesia e didática. Nunca vi tanto comentário esdrúxulo e achincalhador como nesta matéria. Nada contra leigo, sou um representante notável deles, mas ficar achando defeito para desmerecer o meio foi demais! Dúvida razoável se esclarece com pergunta não com afirmação negativa. E para finalizar, a aquisição do Atlântico foi um processo impecável – pode-se até discordar mas não se pode diminuir a avaliação técnica.
    SDS

  24. Como independente, penso diferente.

    O navio tá amassado. Quem entende explicou. Outro colega notou remendos. Tambem foi explicado. A bandeira do Brasil parecia rasgada. Foram conferir. O badge não está 100% alinhado. E o Artisan tá imundo, cheio de fumaça da chaminé.

    Teve marinheiro querendo empurrar helis pro lado e pra trás pra colocar canhão. A verdade é a que nossos olhos mostram.

    – Filho, vai buscar o carro na concessionária.

    Um hora depois.

    – Seu Renato, seu Renato, seu filho veio buscar o carro e subiu no canteiro.

    To de olho nesse navio. Se tiver grana, vou ver entrar na Baía.

  25. Realmente eu não entendo tanta crítica, teve um cara que no post passado falou que RN só empurra sucata para o Brasil, pois somos vassalos deles, assim ela é dona do Atlântico Sul e com isso não acordaria o “gigante vira lata adormecido” pois presenteia-nos com suas sobras..

    Cara é sério, os Moderadores liberaram um comentário com este nível de QI ?? Estou chocado por ter lido isso até hoje.

    RESPOSTA DOS EDITORES: LEIA AS REGRAS 1, 7 E 10 DO BLOG.

    https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

  26. Chegando na altura do mar de Portugal! Com uma velocidade de 15.5kn!
    Deve chegar entre hoje a noite e a madrugada de sábado em Lisboa.
    Sinceramente, gostaria muito de saber o que um Português dos antigos, sente ao ver a Marinha do país que colonizou por séculos receber um grande navio assim, com nossa bandeira tremulando ao alto…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here