Home Estratégia Atividade submarina russa é a maior desde a Guerra Fria

Atividade submarina russa é a maior desde a Guerra Fria

7424
51
Submarino russo Severodvinsk, Projeto 885 ou classe Yasen

O Pentágono e as forças armadas da Otan emitiram novas advertências sobre o aumento da atividade naval russa no Atlântico Norte e no Mar Mediterrâneo, com o almirante da Marinha dos EUA de mais alta patente dizendo nesta semana que as operações de submarinos russos estão atualmente em níveis não vistos desde a Guerra Fria.

Essa é uma razão pela qual a Marinha dos EUA planeja criar um novo comando no final deste mês para lidar com o retorno de um velho inimigo.

A noite de 7 de agosto forneceu o mais recente exemplo da nova demonstração de força da Rússia. Um destróier britânico de mísseis guiados Type 45 escoltou dois navios de guerra russos pelo Canal da Mancha.

A Marinha Real Britânica postou um vídeo do HMS Diamond ao lado do destróier russo Severomorsk e do cruzador Marshal Ustinov no Canal da Mancha. Interações como essa tornaram-se tão comuns que a Marinha Real tem navios de guerra em alerta 24 horas no porto.

O incidente ocorreu um dia depois que o secretário da Defesa, Jim Mattis, encontrou-se com seu colega britânico, Gavin Williamson, no Pentágono. Isso marcou a segunda vez que o mesmo navio de guerra britânico reagiu à aproximação dos navios de guerra da Marinha russa, segundo o comandante do navio de guerra.

 Cruzador russo Marshal Ustinov e destróier Severomorsk
Cruzador russo Marshal Ustinov e destróier Severomorsk
HMS Diamond e acompanha os navios russos
HMS Diamond e acompanha os navios russos

Na semana passada, o oficial de maior patente da Marinha dos EUA, o almirante John Richardson, chefe de operações navais, disse que a atividade submarina russa no Atlântico Norte é “a maior em 25 anos”.

Mas um dia depois, Mattis minimizou a ameaça percebida da Marinha Russa.

“Sempre observamos os submarinos no mar e prefiro não dizer mais do que isso”, disse Mattis a repórteres nos degraus do Pentágono antes da visita de Williamson.

Um recente teste de míssil russo forneceu outro exemplo do ressurgimento da Rússia no mar.

Dois meses antes da cúpula de Helsinque, um submarino de mísseis balísticos russos lançou quatro mísseis nucleares de longo alcance em rápida sucessão ao largo da costa da Rússia, no Mar Branco, cada um com um alcance de 6.000 milhas – colocando Washington, D.C. ao alcance. Os satélites espiões dos EUA tomaram nota do teste, que marcou a primeira vez que a Rússia disparou vários mísseis de uma vez de sua mais nova classe de submarinos de mísseis balísticos.

Observadores disseram que as tensões estão altas agora entre Moscou e Washington, apesar da cúpula em Helsinque no mês passado. No dia 8 de agosto, os EUA disseram que imporiam sanções à Rússia por um ataque de um agente nervoso.

“Acho que a Rússia está sinalizando para nós que o Urso está de volta. Provavelmente veremos mais operações intimidadoras e ameaçadoras por parte da frota russa”, disse Peter Brookes, membro sênior de assuntos de segurança nacional da Heritage Foundation. “Esta é uma expressão da política externa do presidente Putin e é direcionada para os Estados Unidos”.

Autoridades dos EUA dizem que submarinos russos especiais podem espionar cabos submarinos de comunicações.

Dias antes da cúpula histórica entre os inimigos da Guerra Fria, o presidente Trump sinalizou a disposição de aliviar as tensões, apesar de suas principais autoridades de inteligência acusarem a Rússia de se intrometer nas eleições de 2016.

“Talvez nos daremos bem com a Rússia”, disse o presidente em entrevista coletiva em 12 de julho. “Acho que provavelmente conseguiremos.”

Uma semana depois da cúpula de Helsinque, Trump disse à CNBC que se as coisas não derem certo: “Eu serei o pior inimigo que ele já teve”, falando sobre o presidente russo, Vladimir Putin.

Desde que as forças russas foram enviadas para a Síria, há três anos, os submarinos russos no Mediterrâneo lançaram mísseis para ajudar a esmagar a rebelião que lutava contra o regime de Assad.

A crescente ameaça russa é uma das razões pelas quais a Marinha dos EUA está trazendo de volta a 2ª Frota no final deste mês em Norfolk, Virgínia, para vigiar os russos no Atlântico. Ela tinha sido desativada em 2011.

FONTE: Fox News

51
Deixe um comentário

avatar
22 Comment threads
29 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
23 Comment authors
BoscoMGNVSBryanrodrigofilipe Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Burgos
Visitante
Burgos

Vai começar tudo de novo !!!
Bem vindo anos 80/90 !!!
Foi o auge da guerra fria !!!

John Paul Jones
Visitante
John Paul Jones

Imagina uma Fragata Classe Niterói no Libano se “peidando” toda (coitada) para acompanhar esses navios em passagem no Mediterrâneo rs ….

Marcelo
Visitante
Marcelo

e quem disse que a MB esta la para isso?

VEIGA 104
Visitante
VEIGA 104

Ridículo

Alessandro H.
Visitante
Alessandro H.

A silhueta da Type 45 é fenomenal!
E pensar que, talvez, possamos ter um da mesma classe do Ustinov armados com o Astros…
Vai sonhando como diz o outro!

Carlos Eduardo
Visitante
Carlos Eduardo

Boas Pessoal
Caro SR John Paul Jones ,tenho a ligeira impressão que o SR não tem conhecimento da capacidade de pronta ação que tem a tripulação das Fragatas Classe Niterói e do desempenho que tem as mesmas então antes de fazer comentário infantil ,leia mais sobre os nossos treinamentos em operações no mar eu servi em uma navy dessas .

Alex Teixeira
Visitante
Alex Teixeira

Não invalida que seja actualmente uma enorme sucata no mediterrâneo em comparação com qq semelhante de outro país que por lá ande tbm…😚😉

Dalton
Visitante
Dalton

Um enorme exagero…trata-se de “Fox News”…obviamente que há mais atividade agora porque nas décadas de 1990 e 2000 não houve quase nada, mas, jamais se terá novamente, nem perto do que se viu a partir da segunda metade da década de 1970 até o fim da década de 1980, quando os soviéticos, no exercício conhecido como “Okean 75”, surpreenderam com diversos navios de superfície e submarinos espalhados pelo mundo. . Coisas como Washington DC estar ao alcance de mísseis russos não é uma novidade…tem sido assim e/ou voltou a ser assim já faz alguns anos e o mesmo tem sido… Read more »

Marcelo
Visitante
Marcelo

Pois eh, e por acaso qual a necessidade de ficar acompanhando os navios russos? Nao estao em guerra e que eu saiba a passagem pelo canal eh aberta a todos…

Dalton
Visitante
Dalton

Marcelo…
.
isso é prática comum…todas as marinhas fazem acompanhamento de navios estrangeiros em tempo de paz que naveguem em suas águas, às vezes até para compilar dados e também já li por exemplo de navios russos que jogaram indiscriminadamente lixo no mar próximo ao Reino Unido.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Como sempre ótimo comentário, Dalton.

Esteves
Visitante
Esteves

O mundo vai girando. O cenário no Atlantico Norte é diferente hoje do que foi no início dos anos 2000. O Polo Norte envolve trajetórias de mísseis balísticos de norte-americanos e russos. O Ártico concentra grande quantidade de riquezas minerais, óleo e gás. As rotas de navegação na região estão mais disputadas. Ao contrário dos anos passados, essas rotas podem ser utilizadas por vários meses durante o ano. Isso reduz o custo do transporte naval. Transporte naval é desculpa para escoltas militares e proteção de ZEEs. Afinal, a Rússia diz que o Ártico é russo. O Mediterrâneo, Síria, Iran, Israel…o… Read more »

Wagner
Visitante
Wagner

Resumo básico na Construção Naval Russa. ( Se o editor quiser pode transformar em Artigo , só melhorar a parte técnica kkkk ) Se eu não estou enganado, até o final do ano e começo de 2019, devem entrar em serviço na Marinha Russa, entre outras, os seguintes navios : Barco anti-terrorismo Grachonok Class : Uma unidade. ( casco nº 989 nome ainda indeterminado) Barco patrulha Rubin Class : Uma Unidade. ( Bezuprechny) Corveta Project 22160 : Duas unidades. ( Vasily Bykov e Dmitry Rogachev ) Corveta Project 21631 Buyan M : Uma Unidade ( Orekhovo-Zuyevo ) Corveta Project 22800… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

A MB visitou essa fragata.

comment image

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

Este blog esta’ cheio de items sobre as atividades da US Navy no mar negro
e isto e’ considerado um direito dos Americanos de navegar proximos das
costas russas.

Agora quando a Russia faz o mesmo, ficam todos alarmados.
A Russia esta’ agressiva, precisamos nos proteger,
precisamos de mais armas.

Imagino a paranoia que seria se os navios russos navegassem
no Golfo do Mexico. Isto seria inaceitavel, pura provocacao,
Precisamos fazer algo.

Dalton
Visitante
Dalton

Não há tanta atividade assim no Mar Negro por parte da US Navy…sei porque acompanho
as notícias, mas, independente disso, os EUA tem aliados por lá ou bem próximo enquanto os russos não tem aliados no Golfo do México.

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

Dalton, eu não sei o que voce chama de “não há tanta atividade assim”

http://www.c6f.navy.mil/tags/black-sea

Eu imagino o alvoroco que seria se *um unico* navio
de superficie russo adentrasse o Golfo do Mexico.

Inaceitavel, como se atrevem, precisamos ser firmes
e dar uma resposta dura e inconfundivel.

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

https://www.cnn.com/2018/02/19/politics/us-russia-black-sea-show-of-force/index.html

O titulo e’ bem claro “Show of Force”

As autoridades Americanas dizem que a maior presenca dos navios Americanos no Mar Negro
e’ *apenas* para tornar a Russia menos sensivel a este tipo de presenca.

A Russia deveria fazer o mesmo e “dis-sensibilizar” os Americanos quanto a presenca
dos navios russos proximos das costas dos USA, deveriam mandar o Pyotr Velikiy para
passear perto da ensolarada Florida, ou melhor porque nao perto das plataformas
de petroleo do golfo?

https://www.youtube.com/watch?v=nZkklK4M4Ds

https://www.newsweek.com/us-navy-sends-two-warships-black-sea-risking-russias-anger-814785

https://www.polygraph.info/a/russia-calls-us-warship-deployments-provocative/29071554.html

Dalton
Visitante
Dalton

Harriman… . a Us Navy tem um raquítico esquadrão de 4 Arleigh Burkes baseados na Espanha…quando muito dois estão em missão, como agora…e eventualmente um entra no Mar Negro…a lista que você linkou menciona dois deles e outros navios incluindo um simples transporte “EPF” e o navio comando, baseado na Itália, ambos não combatentes ,mas, isso não significa muita atividade, não é mesmo ? . O USS carney…um dos 4, encontra-se agora de visita à Romênia em virtude da comemoração do dia da marinha romena…para chegar lá ele teve que entrar no Mar negro, que não é propriedade da Rússia… Read more »

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

https://www.cnn.com/2018/02/19/politics/us-russia-black-sea-show-of-force/index.html

O titulo e’ bem claro “Show of Force”

As autoridades Americanas dizem que a maior presenca dos navios Americanos no Mar Negro
e’ *apenas* para tornar a Russia menos sensivel a este tipo de presenca.

A Russia deveria fazer o mesmo e “dis-sensibilizar” os Americanos quanto a presenca
dos navios russos proximos das costas dos USA e mandar navios para o Golfo do Mexico
pelo menos enquanto ainda e’ “Golfo do Mexico”.

https://www.npr.org/sections/thetwo-way/2012/02/09/146643464/call-it-gulf-of-america-not-gulf-of-mexico-mississippi-lawmaker-says

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

https://www.cnn.com/2018/02/19/politics/us-russia-black-sea-show-of-force/index.html

O titulo e’ bem claro “Show of Force”

As autoridades Americanas dizem que a maior presenca dos navios Americanos no Mar Negro
e’ *apenas* para tornar a Russia menos sensivel a este tipo de presenca.

A Russia deveria fazer o mesmo e “dis-sensibilizar” os Americanos quanto a presenca
de navios russos proximos das costas dos USA e mandar navios para o Golfo do Mexico.
Por enquanto ainda sao aguas internacionais e como voce mesmo diz qualquer navio tem
o direito de ir até lá, pelo menos enquanto ainda e’ “Golfo do Mexico”.

https://www.npr.org/sections/thetwo-way/2012/02/09/146643464/call-it-gulf-of-america-not-gulf-of-mexico-mississippi-lawmaker-says

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

O titulo abaixo foi bem claro “Show of Force”, dois navios ao mesmo tempo.

https://www.cnn.com/2018/02/19/politics/us-russia-black-sea-show-of-force/index.html

As autoridades Americanas dizem que a maior presenca dos navios Americanos no Mar Negro
e’ *apenas* para tornar a Russia menos sensivel a este tipo de presenca.

A Russia deveria fazer o mesmo e “dis-sensibilizar” os Americanos quanto a presenca
de navios russos proximos das costas dos USA e mandar navios para o Golfo do Mexico.
Por enquanto ainda sao aguas internacionais que banham varios paises e como voce mesmo
diz qualquer navio deveria ter o direito de ir até lá.

Dalton
Visitante
Dalton

É raro enviar 2 “Arleigh Burkes” ao Mar Negro a própria matéria clarifica isso…no momento um está lá e outro muito distante mas…se você e o responsável pela notícia acham que 2 navios representam uma atividade muito grande então eu não sei o que é pouca atividade. . E os russos são livres para enviar navios ao Golfo do México quando quiserem e serão monitorados da mesma forma como os russos monitoram os navios americanos no Mar Negro…só que não há muita coisa para os russos fazerem no Golfo do México e não está sobrando grandes combatentes de superfície na… Read more »

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

Dalton,

A questao aqui nao e’ a quantidade de navios, mas a simples presenca, quanto mais se uma presenca continua.
Veja a reacao que causa nos USA a simples presenca de um navio russo perto da costa Americana.

https://www.nbcnews.com/news/us-news/russian-ship-spotted-30-miles-coast-connecticut-n721371

> aggressive actions by Russia that threaten U.S. national security
> “unacceptable, aggressive action.”

Ao mesmo tempo os Americanos acham perfeitamente natural a presenca de navios Americanos perto da costa russa.

Dalton
Visitante
Dalton

Harriman… . Você parece não entender que a US Navy tem o que fazer perto da “costa russa” por conta de países que fazem fronteira com a Rússia e fazem parte da OTAN inclusive os 4 “destroyers” baseados na Espanha e um ou dois navios extras que a US Navy envia ao Mediterrâneo estão lá para principalmente patrulha anti mísseis de alcance intermediário do Irã…há pouca coisa que os EUA possam fazer contra mísseis intercontinentais ! . Se os russos ficam felizes em enviar eventualmente um navio tão próximo da costa leste dos EUA, seja qual for o motivo que… Read more »

César A. Ferreira
Visitante
César A. Ferreira

Cuba e Nicarágua são nações aliadas, ou próximas em termos de relações internacionais.
A observação irônica do comentarista Harriman Nelson tem razão de ser. Os EUA praticaram e praticam a provocação como mister, reagindo negativamente quando confrontados com o mesmo exemplo.
Isto é um fato histórico tão gritante que sequer deveria ser motivo de reparo.

rodrigo
Visitante
rodrigo

“russos não tem aliados no Golfo do México”, russos tem aliados sim, Cuba e Venezuela.

AL
Visitante
AL

Harriman, não sei a sua idade, eu já to quase com 40, vivi o final da guerra fria e li muito sobre isso depois. Isso aí, esses “alertas” fazem da parte do jogo, da política e da economia. Economia? Sim economia. Se você prestar atenção nos últimos fatos, vai ver que tudo se encaixa: primeiro o Trump puxa a orelha dos europeus porque estão gastando pouco com defesa; depois o Pentágono solta esse alerta. Pra que? Pros militares europeus terem argumentos para passarem o chapéu e pedirem mais verbas para seus governos. Esse jogo é antigo e não é nenhuma… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Farei a minha avaliação dos submarinos Wagner… . SSNs: 20/21 . – 2 Sierra I não operacionais; – 2 Sierra II; – 2/3 Victor III…não serão modernizados; – 12 Akulas…um com a marinha indiana, um na reserva e pelo menos 3 sendo modernizados; – 1 “Yasen” que é uma mistura de SSN com SSGN; – 1 “Typhoon” ex SSBN tem funcionado como SSN e para fotos publicitárias. . SSGNs: 8 . – conhecidos como “Oscar II”, alguns deverão ser modernizados c/ 5 baseados no Pacífico. . SSBNs: 10 . – 1 velho “Delta III” baseado no Pacífico; – 6 ligeiramente… Read more »

Wagner
Visitante
Wagner

Obrigado Dalton

hãã, mas o Alrosa não é da Black Sea Fleet não ??

Parece que ele está em reparos e modernização também ja faz um tempo.

🙂

Dalton
Visitante
Dalton

Ele será eventualmente transferido para a Frota do Báltico que necessita urgentemente de novos submarinos ao contrário da Frota do Mar negro que conta com 6 modernos “636”.
.
http://navyrecognition.com/index.php/news/defence-news/2018/august-2018-navy-naval-defense-news/6420-pumpjet-equipped-ssk-alrosa-transferred-to-russia-s-baltic-fleet.html

John Paul Jones
Visitante
John Paul Jones

Prezado Carlos Eduardo não quis lhe ofender pois tb servi nestes navios e provavelmente quando elas AINDA tinham esta capacidade que vc diz, no entanto após quase 40 anos de extremados serviços na MB, sendo exauridas e sugadas em toda a sua plenitude e sem uma manutenção adequada estes navios não são nem de longe uma plataforma de combate digna de operar numa área tão sensível quanto esta, assim lamento discordar do seu post e tirando a minha ironia me desculpe se te ofendi pessoalmente.

Marcos
Visitante
Marcos

É verdade, eu era o cabo de vassoura que tu usava para varrer o convés.

Se os navios não recebessem uma manutenção adequada eles não estariam navegando.

Qualquer zé na internet vira PhD

Eu trabalhei no USS John C. Stennis por alguns anos, bichão brabo!

É interessante que os navios estão “peidando” como você afirmou, mas durante o ano todo estão fazendo missões no mediterrâneo. Diferente de outras marinhas aqui da região… que não saem da costa, e quando saem, é para tirar fotos em exercícios organizados pela marinha americana.

Bruno w Basillio
Visitante

Só se faz bons profissionais , quando os meios se tornam bem ativos , do contrário se faz amadores trajados com uniformes …
Não vejo nenhum mal os Russos voltarem a ativa ,afinal se dormirem de novo podem pagar um outro preço ,como pagaram no inicio dos anos 2000…

Nico 88
Visitante
Nico 88

O resurgimento da Rússia se deve a Putin. Quanto aos submarinos russos. Talvez seja o que mais os americanos temem no mundo todo. Os vejo em conjunto, como a rainha do xadrez do lado russo. Oposição séria a marinha americana.

João Borges Queiroz Júnior
Visitante

A Fox News é a Sputnik dos americanos.

filipe
Visitante
filipe

Mais uma razão para investir no nosso PROSUB, 6 SNBR + 15 SBR , e tal como a India se possivel podemos construir 3 SSBN derivados do SNBR, igualzinho a India, eles estão discretamente se tornando uma Potência , recebem armas dos dois lados (Ocidente e Russia), têm o melhor dos dois mundos, e estão se tornando autónomos em todo tipo de armamento, para termos uma noção, eles tem planeado a construção de 4 SSBN da classe Arihant (6000 toneladas, igual ao SNBR), 3 SSBN S-5 (13500 tonelas) e 6 SSN de produção local com 6000 toneladas também, sem esquecer… Read more »

Bryan
Visitante

Gostaria de entender como funciona a detecção desses submarinos russos pelos navios americanos e ingleses. Já li que eles são quase que indetectáveis submersos, mesmo com sonobóias e afins.

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

> Gostaria de entender como funciona a detecção desses submarinos russos
> pelos navios americanos e ingleses

Nao esta’ funcionando muito bem pelo que parece:

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2188791/Russian-attack-submarine-slipped-past-US-Navy-patrolled-Gulf-Mexico-weeks-undetected.html

https://www.naval-technology.com/news/newsrussian-nuclear-submarine-sails-in-gulf-of-mexico-undetected/

Bosco
Visitante
Bosco

Bryan, Ao contrário dos submarinos que devem se manter discretos e evitam a utilização do sonar ativo, os caçadores dos submarinos (navios, helicópteros e sonoboias lançadas de aeronaves) operam no modo ativo. Somados a isso há a escuda através dos sonares passivos (hidrofones) que tentam discernir algum som produzido pelo submarino (produzido pelo deslocamento, produzido pelo hélice, produzido pela caixa de engrenagens, produzidos pelo eixo do reator, pelas bombas de resfriamento, etc.) do som de fundo. Em profundidades menores as aeronaves podem fazer uso da detecção magnética. Vale salientar que os submarinos podem estar recobertos com placas anecóicas, que reduzem… Read more »

MGNVS
Visitante
MGNVS

Matéria puramente alarmista.
A Russia atual nao tem a menor condicao de manter tantas belonaves em patrulhamento igual a URSS fazia.
A estrategia da URSS era focada no ataque e difetente dela, a estrategia da Russia é focada na defesa.
Tipica paranóia alarmista.

filipe
Visitante
filipe

Mas a Russia + China , tudo muda, um ataca no pacifico e outro no altantico norte.

Dalton
Visitante
Dalton

A Frota do Norte russa é a maior e mais capaz, mas, grande parte da marinha russa está espalhada entre as Frotas do Pacífico, Mar Negro, Mar Báltico e Flotilha do Mar Cáspio, e com tantos navios indisponíveis por conta de reparos/revitalizações continuaria não havendo muito para “atacar” no Atlântico Norte. . Não acho que China e Rússia sejam tão “amigas” assim…a própria Rússia não gostou nada de ter equipamentos seus copiados pelos chineses, mas, independente disso, no fim das contas uma guerra entre China e Rússia de um lado e EUA e aliados de outro poderia terminar em troca… Read more »

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

provavelmente cabeças frias de ambos os lados irão prevalecer assim como prevaleceram durante a guerra fria. Vale relembrar, como o mundo quase *nao* escapou: https://www.theguardian.com/commentisfree/2012/oct/15/cuban-missile-crisis-russian-roulette O que poucos lembram e’ que a tentativa dos russos colocar misseis em Cuba era uma resposta aos misseis Americanos *que existiam* na Turquia. Mas por alguma logica deturpada, misseis Americanos na Turquia pode, Misseis russos em Cuba nao pode. Parece que nao aprenderam muito nao: http://www.answercoalition.org/u_s_and_nato_escalate_plan_bases_on_russian_border > Russian Foreign Minister Sergey Lavrov has said, > “NATO military infrastructure is inching closer and closer to Russia’s borders. > But when Russia takes action to ensure… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Na verdade os mísseis na Turquia eram obsoletos…foram retirados depois do acordo e não fizeram a mínima falta. Na época os russos estavam muito atrás tecnologicamente falando
em matéria de mísseis intercontinentais e conseguiriam maior precisão e porque não capacidade de barganha mantendo mísseis de alcance intermediário perto dos EUA, em Cuba.
.
Não é lógica deturpada nenhuma…o fato de você odiar os americanos e enxergar os russos como vítimas é que deturpa sua lógica. Tratou-se apenas de mais um movimento no jogo de xadrez que foi disputado por ambas as nações ao longo da guerra fria.

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

> Não é lógica deturpada nenhum…o fato de você odiar os americanos > e enxergar os russos como vítimas é que deturpa sua lógica. Eu escolher o nome de postagem como Harriman Nelson significa que eu odeio os Americanos?? Eu tambem fui pro-america de bandeirinha. Acho que acabou quando os USA mandaram um secretario de estado (Colin Powell) com documentos falsos para tentar enganar o mundo na ONU. Como a ONU nao engoliu eles rascaram a lei internacional na cara de todo mundo dizendo que fazem o que querem e ai daquele que tentar impedir. Ainda me lembro os inspetores… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Então você não odeia os americanos…mas…os russos não merecem críticas porque são vítimas
e só querem defender-se.
.
Você está obcecado com os EUA Harriman…tentando a todo momento provar como eles são
maus…isso não é bom…relaxe ! Aproveite as coisas boas do blog.

Bosco
Visitante
Bosco

“I believe in American exceptionalism, just as I suspect that the Brits believe in British exceptionalism and the Greeks believe in Greek exceptionalism,” President Obama

Antes você era pró-América de carteirinha mas aí você caiu na real e viu que os americanos não passam de simples humanos cheios de virtudes e defeitos , capazes de realizar as ações mais nobres e as mais cruéis e covardes e agora você tem carteirinha do Paraíso Celestial, habitando por anjos.
Ah! Entendi!!!

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

Ah! Entendi!!!

Pois Eu nao entendi nada. Talvez voce esteja interessando na opiniao
de um Americano, fuzileiro naval, veterano de guerra. Nao e’ a toa
que tantos voltam traumatizados procurando honra e sentido na matanca
que fizeram em nome da excepcionalidade americana.

https://www.counterpunch.org/2018/06/11/the-american-exceptionalism-myth-and-the-selling-of-u-s-domination/

> From birth, Americans are expected to believe in the notion of U.S.
superiority over other peoples in other nations.

> Americans are taught that they are intellectually, socially, economically,
and morally superior to any other people on earth.

filipe
Visitante
filipe

Acho que temos novamente Paridade, US+UK+France VS China+Russia, antes essa parceria não existia como agora, os BRICS estão ai para isso.

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

Nao existe paridade nenhuma.

Os USA+UK+France+29outros estao unidos numa patota
chamada OTAN/NATO que forca todos os seus participantes
a entrar na briga se qualquer um deles for atacado.

Foi criada em 1949 visando fazer frente as forcas
do Pacto de Varsovia que nao existe mais.

Nao existe nenhum pacto de cooperacao militar entre Russia e China.
Estao sozinhos por conta propria.

A unica protecao russa contra esta patota
e’ faze-los repensar se vale a pena a Franca ou UK
sumir do mapa se houver desavencas entre US x Russia.
Certamente existe um destes apontados para cada um.

https://www.telegraph.co.uk/news/2016/10/25/russia-unveils-satan-2-missile-powerful-enough-to-wipe-out-uk-fr/