Home Concorrências Internacionais Corvetas classe Tamandaré – Nota à Imprensa

Corvetas classe Tamandaré – Nota à Imprensa

8605
23

Com relação ao Projeto Corveta Classe “Tamandaré”, a Marinha do Brasil esclarece que a única razão que motivou a alteração do calendário preestabelecido para a decisão e divulgação da “short list” foi a necessidade de obtenção de informações adicionais, relativas às propostas recebidas, que são essenciais para a condução do processo de análise.

Sobre o TCU, a Marinha do Brasil, desde o mês de fevereiro deste ano, tomou a iniciativa de procurar o referido Tribunal e apresentar todos os dados relativos ao Projeto Corveta Classe “Tamandaré”. A partir de então, três reuniões técnicas subsequentes foram realizadas, que buscaram a manutenção e a preservação da segurança jurídica e gerencial necessárias a esse projeto de grande importância estratégica para o país.

É importante destacar que os fatos apontados não alteram o Projeto de Obtenção das Corvetas Classe “Tamandaré”.

CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA MARINHA

23 COMMENTS

  1. Vejam só, o estrago já está feito, estão tentando consertar o que não tem conserto, resultado do short lista, 30 outubro, e, se houver segundo turno, vão transferir, continuo achando que é problema ” político”, ninguém assina nada até julho/19, medo de ser investigado. Continuo falando MB corre atrás compras oportunidades, mas não tem nada a venda, eles ( MB) sabem onde conseguir, nossas escoltas estão no ossssoo, não tem fragatas/ corvetas, compre navios patrulhas super armados, tem por aí, se necessário traga da China, Rússia, deixe nossos irmãos do norte mais nervosos. Outros trouxeram.

  2. enquanto isso, almirantes peruanos estão no Reino Unido visitando a Cammell-Laird, que em conjunto com a BAE está propondo as Leander no programa Type 31e: https://twitter.com/GunshipGirl/status/1030455498888413186

    a exemplo disso, seria de se esperar que essa nova prorrogação do calendário das CCTs estivesse ligada não só à parte documental das propostas mas também a visitas técnicas por parte da MB a todos os estaleiros participantes no certame, tanto os internacionais donos dos projetos (e onde provavelmente seria construída a primeira unidade) quanto os nacionais que tocariam o resto do projeto.

    evidente que isso tem um custo, mas ninguém poderia pensar em incluir de forma séria, por exemplo os ucranianos (que muito aqui defendem com unhas e dentes), numa shortlist sem antes visitar as instalações na Ucrânia, assim como a corveta deles que está em construção há uma década (e de onde o projeto apresentado deriva), além do infame cruzador, evidentemente.

  3. Eu acredito que o Temer assinaria essa compra sem nenhum problema, pois não tem qualquer preocupação com sua popularidade ou questionamentos populistas que possam surgir na imprensa (se bem que no caso do FX-2 não aconteceu esse tipo de populismo barato).
    Mas a MB tem que decidir e, com esse adiamento, acho muito difícil que ela decida ainda esse ano o vencedor.
    Vai ficar para o próximo presidente. A sorte está lançada.

  4. Vovozão,

    Não estou certo de ter entendido seu ponto de vista, mas vá lá….

    Bom, com relação às questões administrativas, eu trabalho com isso e sei o quanto é complexo e operacionalmente arriscado. Não é fácil andar na linha, porque são várias as linhas.

    No caso do Projeto Tamandaré, não vejo os problemas elencados por você e não vejo porque a Marinha diria uma coisa se o problema é outro. Em projetos de elevada complexidade, quase sempre há necessidade de complementação de documentação técnica. Pela mesma razão, é altamente recomendável que os órgãos externos de controle atuem preventivamente e, nesse sentido, louvável que a MB tenha ido ao TCU apresentar o Projeto.

    Quanto a ser ano de eleição, isso não ocorre somente aqui, é meio que padrão. O que é nossa característica e que, verdadeiramente, torna tudo m ais difícil, é o pouco caso (para dizer o mínimo) que o poder político, de todas as correntes ideológicas, dedica ao tema Defesa, naturalmente apoiado pela imensa maioria da população.

  5. Se tivermos que passar por total transparência nos procedimentos de aquisição de novos meios, que assim seja e sem a desculpa, apenas se confirmada, de apressar possíveis compras de oportunidade reais e que sejam observadas todas as exigências do TCU. Basta de corrupção e prevaricação.

  6. em relação ao custo do projeto CCT que muitos consideram absurdo, essa semana recebemos mais um dado que ajuda a “orçar” um navio de guerra – o congresso americano autorizou a venda de 8 (!) Evolved Seasparrow junto com o VLS mk56 e respectivas peças sobressalentes e treinamento ao México para uso na sua corveta Sigma – quase idêntica à oferecida ao Brasil – pela bagatela de $41mi. se somarmos a este valor o custo de 6 Harpoons, um lançador de RAM e 6 torpedos e seus lançadores, mais munições para os canhões (mas não os canhões em si) de $98mi (compra essa autorizada em janeiro), chegamos praticamente a um terço dos $450mi que se especula que deve sair cada CCT. e isso diz respeito apenas a uma lista incompleta de armamentos – quando somarmos os canhões e toda a eletrônica embarcada além de propulsão, estrutura física, casco etc – já to achando as nossas corvetas baratas…

    fonte: https://thedefensepost.com/2018/08/10/mexico-seasparrow-essm-sigma-ships/

  7. Você acabou de responder, sempre os controles governamentais +falta de apoio político vai acabando com a MB, não é pouca coisa não, além de você trabalhar na área administrativa sabe que eles faram tudo para atrasar. Queria acreditar que estás corvetas consiga, caso seja aprovado a construção antes de julho/19, até quantos navios mais não terão condições de empurrar água. Você acredita realmente que antes do término deste governo esteja tudo resolvido????

  8. Acho que a nota da MB fechou a questao. As reunioes com o TCU estao acontecendo por iniciativa da propria MB que nao tem nada a esconder. Teorias da conspiracao sao a gosto do fregues…

  9. Vejo que há uma combinação de entraves – a MB demorou por demais a startar o projeto e licitação, sabendo que é ano político, poderia ter definido uma data limite por exemplo até julho de 2018 para a definição final do construtor, mas para isso esse planejamento, ações, detalhes técnicos junto aos concorrentes deveria ter começado no início de 2017. Sabendo das burocracias, o envolvimento TCU, milhares de páginas de documentação técnica em português num espaço curto de tempo para os concorrentes e
    a MB analisar e implementar começa a ficar preocupante os critérios para concordância da equipe tecnica da MB que vai escolher os treis do Short List bem como o ganhador final. Haja vista que se realmente for sair o short List em 30 outubro fica muito apertado para a definição do ganhador este ano. Isso pode comprometer a qualidade e consenso na seleção final em um tempo muito curto. O erro foi deixar tudo para 2018 onde atingiu o período de indefinições políticas o que poderia ter feito em anos retroativos. Lembrando que burocracias, documentos comprobatórios, auditorias sempre existiu em repasses de verbas para
    órgãos públicos mas, mesmo assim todo dia tem uma notícia de fraudes, desvios de verbas de merendas, de reforma de pistas, rodoanel, trem bala, metrô, estádios da copa, olimpíadas…. E por aí vai. O que eu quero enfatizar é que corrupção vai sempre existir onde corre dinheiro público e políticos
    mas se corromper ai já depende de cada um e a MB pelo montante, pela sua grandeza e transparência está correta em envolver o TCU nesse Certame.

  10. A MB tomou uma postura proativa, e trabalha próxima ao TCU desde 2009, antes do início das obras do ProSUB. O tribunal tem acompanhado de perto das obras, contratos e até medições de empreiteiros do ProSUB, justamente para evitar-se questionamentos futuros, que podem em última instância paralisar as obras. Portanto imagino que o que está ocorrendo agora nas CCTs seja a continuação de uma procedimento já em usual, um excesso de zêlo, justamente para se reduzir ao máximo os questionamentos e riscos.
    Acho que vem coisa boa por ai…

  11. É como um certo réu candidato a presidente confidenciou a um presidente vizinho, no Brasil não se faz nada sem propina, uma das três coisas que atrapalham o desenvolvimento de nossa marinha, a megalomania ou querer achar que nossa marinha tem que ser como a norte americana, chinesa e a falta de um apreço do povo pelas FFAAs que são endemoniadas por alguns setores políticos da sociedade. Infelizmente querem acabar com nossa marinha, um país com mais de oito mil quilômetros de litoral com navios sucateados ou com navios patrulha é vergonhoso. Aguardemos o ano que vem e a próxima administração.

  12. É muito simples, não termos fornecedores e compradores corruptos. Basta criar uma lista negra. Fez um esquema ilícito está fora da lista de fornecedores por 10 anos. Estendido para os sócios controladores. Senão criam empresas filhotes, bastardas, que seguem a mesma rotina.

  13. india-mike 17 de agosto de 2018 at 17:04
    em relação ao custo do projeto CCT que muitos consideram absurdo, essa semana recebemos mais um dado que ajuda a “orçar” um navio de guerra – o congresso americano autorizou a venda de 8 (!) Evolved Seasparrow junto com o VLS mk56 e respectivas peças sobressalentes e treinamento ao México para uso na sua corveta Sigma – quase idêntica à oferecida ao Brasil – pela bagatela de $41mi. se somarmos a este valor o custo de 6 Harpoons, um lançador de RAM e 6 torpedos e seus lançadores, mais munições para os canhões (mas não os canhões em si) de $98mi (compra essa autorizada em janeiro), chegamos praticamente a um terço dos $450mi que se especula que deve sair cada CCT. e isso diz respeito apenas a uma lista incompleta de armamentos – quando somarmos os canhões e toda a eletrônica embarcada além de propulsão, estrutura física, casco etc – já to achando as nossas corvetas baratas…

    fonte:

    Perfeita colocação e muito esclarecedora para determinados elementos que semearam por aí que 350 milhões de Trumps por uma corveta era muito dinheiro.
    Aexicana, o orçamento já passou dos 450 com ela em construção maso os seguidores do mundo encantado do faz de conta achavam que dava para fazer com 300 milhões de dólares.

  14. Alguns colegas mencionaram que os políticos estão se lixando pela MB. Não concordo. Os políticos se lixam pelas Forças Armadas do Brasil. Isso desde a “abertura”. Todos os governos, se, exceção, apertaram a tecla FDS e nossas FA estão se arrastando. O resto da sociedade, com exceção de uma ínfima parcela em processo de extinção, não estão nem aí se as FA estão bem ou mal. Preferem Faustão, Carnaval, Festa de Peão, Funk, uma brecha para “se dar bem”, etc etc. Então os inocentes úteis taxam os que enxergam o mundo real de vira-latas e segue o enterro.

  15. Carlos Alberto Soares 18 de agosto de 2018 at 10:01

    Nada sobre os Italianos, eles participaram do projeto ….. portanto …..

    Carlos, tudo sobre os Italianos, eles participaram do projeto com sua subsidiária no Brasil e portanto, no caso apresentarem proposta do CPN, automaticamente estariam fora do páreo, por questões legais, porque conforme já repeti aqui papagaiescamente:

    Quem participa da elaboração do projeto não pode participar da compra ou execução, mas infelizmente, mentes iluminadas da Guanabara Bay acharam que poderiam levar de barriga, sendo assim, alguém mandou um bilhetinho para o TCU dizendo isto, e este alguém, talvez já soubesse que a Fiancantiere estivesse no short list, então meu amigo Carlos:

    Italianos…..tudo a ver…..plim plim

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here