Home Indústria Naval EXCLUSIVO: Novo corte na verba do PROSUB preocupa Comando da Marinha

EXCLUSIVO: Novo corte na verba do PROSUB preocupa Comando da Marinha

16788
87
Submarino classe Scorpène do qual o modelo brasileiro S-BR é derivado
Submarino classe Scorpène do qual o modelo brasileiro S-BR é derivado

Por Roberto Lopes
e Alexandre Galante

O Comandante da Marinha, almirante de esquadra Eduardo Leal Ferreira, está seriamente preocupado com as consequências negativas de um novo e importante corte nos recursos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), previstos para o orçamento de 2019.

O Programa, cujos termos foram ajustados em 2009, estabelece a produção, no complexo industrial naval de Itaguaí (RJ), de quatro submarinos de ataque convencionais (propulsão diesel-elétrica) da classe Scorpène, e a assistência técnica francesa para a construção do primeiro submarino nuclear brasileiro.

O primeiro submarino convencional, batizado Riachuelo, deve ser lançado ao mar na manhã da quarta-feira 12 de dezembro.

Em novembro de 2016, reunido com lideranças da Base Industrial de Defesa, em São Paulo, o então ministro da Defesa, Raul Jungmann, estimou o valor total do investimento brasileiro no PROSUB em 30 bilhões de Reais.

Poder Naval não teve acesso aos valores da redução de recursos que acontecerá no ano que vem, mas pôde detectar a decepção do almirante Leal Ferreira com o assunto, e o desabafo dele com amigos e colaboradores.

Complexo Naval de Itaguaí – Estaleiro e Base Naval
Complexo Naval de Itaguaí – Estaleiro e Base Naval de submarinos

De acordo com um desses interlocutores, a maior preocupação deve-se ao fato de a produção dos submarinos Classe Riachuelo (Scorpène) estar engessada em um acordo bilateral – de governo a governo –, que prevê (1) o fornecimento, por parte da indústria francesa, de uma série de equipamentos, e (2) também o pagamento das diferentes etapas da construção dos navios – reguladas por metas conhecidas por “marcos contratuais”.

A construção está a cargo da empresa Itaguaí Construções Navais, joint venture da companhia francesa Naval Group (antiga DCNS) com um ramo do grupo brasileiro Odebrecht.

Segundo o Poder Naval pôde apurar, a expectativa, entre alguns chefes navais de mais alta hierarquia, é que a falta de dinheiro produza, de imediato, um adiamento no cronograma de fabricação do submarino nuclear – de prontificação estimada para o ano de 2029.

O Comando da Marinha tentará assegurar o ritmo de acabamento do submarino Riachuelo, de comissionamento aguardado para 2020, mas já não acredita que todos os quatro Scorpènes estejam operacionais até o fim de 2024, conforme foi planejado.

Agora, o mais provável é que, em face dos diferentes atrasos, o Angostura, último desses navios só esteja disponível na metade final dos anos de 2020.

O elevador de submarinos, no Complexo Naval de Itaguaí no RJ, pelo qual o submarino Riachuelo será lançado ao mar em dezembro
O elevador de submarinos, no Complexo Naval de Itaguaí no RJ, pelo qual o submarino Riachuelo será lançado ao mar em dezembro

Impactos dos cortes orçamentários no Prosub

Segundo o Relatório de Gestão Exercício do Ministério da Defesa, no ano de 2017 foram concluídas as obras civis do Estaleiro de Construção (ESC), restando finalizar a montagem eletromecânica e o comissionamento de alguns equipamentos, das redes industriais e dos sistemas integrados de controle, assim como a entrega de alguns equipamentos portáteis, ferramentas e mobiliário de produção.

Foram concluídos, também, os testes com carga e o comissionamento do Shiplift (Elevador de Navios), assim como o comissionamento do Sistema de Transferência do ESC.

Foram concluídas, ainda, a pavimentação da Via Litorânea, do Túnel de acesso entre a Área Norte e a Área Sul do Estaleiro e Base Naval (EBN), a construção e ligação da Linha de Transmissão de 25 Kv que abastece de energia a Área Sul do EBN, assim como da Central de Utilidades, Subestação Elétrica e do Prédio do Centro Integrado de Controle da Área Norte da Base Naval (BN-AN).

Houve avanço significativo das obras das instalações prioritárias do Estaleiro de Manutenção (ESM) e da Base Naval (BN) para o lançamento do Submarino Riachuelo, em 2018, quais sejam: Oficina de Ativação de Baterias e Prédio da Tripulação do Submarino do ESM; e Prédio dos Simuladores do Centro de Instrução e Adestramento da BN. Além disso, houve o avanço das Obras da Oficina de Suporte Leve.

Foram iniciadas outras obras relevantes, tais como a Oficina de Apoio à Manutenção e o Prédio do Almoxarifado do ESM, a Oficina de Mastros, Periscópios e Sistemas de Combate, a Portaria, os Prédios Administrativos e a Central de Utilidades da Área Sul da Base Naval (BN-AS), assim como da Linha de Transmissão de 138 Kv. Essas obras poderão ter que ser paralisadas ou ter seu ritmo reduzido, em função da previsão de recursos orçamentários a serem alocados ao projeto no presente exercício.

Cronograma original do Prosub
Cronograma dos S-BR. Fonte: Ministério da Defesa - Relatório de Gestão Exercício 2017
Cronograma atrasado dos S-BR. Fonte: Ministério da Defesa – Relatório de Gestão Exercício 2017

O efeito sanfona do LME e do LP, que muitas vezes envolve o contingenciamento e o descontingenciamento de recursos dentro de um mesmo exercício, é o principal causador da necessidade de sucessivos aumentos e reduções do ritmo das obras e dificulta sobremaneira o seu planejamento, o que ocasiona faltas ou sobras de recursos ao final do exercício, além do aumento do custo total do projeto, em função das despesas com Canteiro e Apoio Operacional, Plano Básico Ambiental, manutenção de instalações e equipamentos e desmobilização e nova mobilização de pessoal e equipamentos.

Em função das restrições orçamentárias, foi priorizada a aplicação dos recursos recebidos nas metas prioritárias para atender ao cronograma de construção do submarino convencional, quais sejam: o Estaleiro de Construção e o Elevador de Navios, além das instalações do Estaleiro de Manutenção e da Base Naval essenciais ao processo construtivo do S-BR 1.

Foram empreendidas, ainda, diligências e negociações junto à contratada visando reduzir as despesas com canteiro de obras e apoio operacional, a fim de que estes não elevem os custos das obras em patamares que venham a inviabilizar a continuidade do projeto.

O Contrato 1B original do Prosub terminaria em JAN22. Com a extensão do cronograma dos S-BR e a postergação da data de entrega do SBR4 para DEZ23, o novo término do contrato será em JAN24, totalizando 24 meses de extensão de prazo do Contrato. As datas de entrega de cada S-BR foram alteradas a partir do Quarto Termo Aditivo do Contrato 1B, conforme tabela acima.

Submarino Riachuelo
Submarino Riachuelo

A extensão do Contrato no 40000/2009-006/00 (Contrato 1B) foi baseada em discussões e análises técnicas, no acompanhamento das atividades de construção, e foi feita de acordo com a necessidade de reaver a previsibilidade dos desembolsos, o que tornou fundamental a implementação de um novo Cronograma de Fabricação e Construção dos S-BR.

A fiscalização do Contrato observando as inconsistências entre o cronograma original planejado e a execução da obra, verificou a necessidade da elaboração de um novo cronograma que levasse em conta todas as variáveis envolvidas.

Neste contexto, diante da necessidade de garantir o perfeito cumprimento do objeto contratual, as Partes contratadas sob a coordenação do Consórcio Baia de Sepetiba (CBS), a quem compete gerir as interfaces do Programa e, devidamente acompanhado pela MB, formaram Grupos de Trabalho, com o objetivo de realizar os estudos necessários para elaboração de um novo cronograma.

Os estudos baseados no amadurecimento do conhecimento detalhado do processo construtivo, fruto da transferência de tecnologia, resultaram na constatação de que o prazo inicialmente estimado para a construção de um S-BR, devido também às características da Legislação Trabalhista Brasileira, não era suficiente. Como resultado desse estudo, foi elaborado um Cronograma de Referência da Construção dos S-BR, o qual alongou o prazo de construção de cada submarino, estendendo o Contrato 1B em 24 meses.

Desembolsos previstos para o Prosub
Desembolsos previstos para o Prosub. Fonte: Ministério da Defesa – Relatório de Gestão Exercício 2017

Consequentemente, os demais contratos, foram reprogramados e alongados, de forma a atender o novo Cronograma de Construção, como também, foram alterados os desembolsos para compatibilização com a realidade orçamentária da MB, conforme abaixo descrito:

Contrato 1A – Contrato de Compra e Venda do Pacote de Material Importado S-BR:

O Contrato 1A original terminaria em SET21, com a extensão do cronograma dos S-BR e a postergação da data de entrega do SBR4 para DEZ23, o novo término do contrato será em MAR24, totalizando 30 meses de extensão de prazo do Contrato. Essa alteração faz parte do Quinto Termo Aditivo (TA5) ao Contrato 1A.

Contrato 3 – Contrato de Compra de Torpedos e Contramedidas:

O Contrato 3 Original terminava em JUN21. Em função de ajustes técnicos, em SET13 seu término foi alterado para DEZ21 (Primeiro Termo Aditivo – TA1). Com a extensão do cronograma dos S-BR e a postergação da data de entrega do S-BR4 para DEZ23, o novo término do contrato será em DEZ23, totalizando 30 meses de extensão de prazo do Contrato. Essa alteração faz parte do Segundo Termo Aditivo (TA2) ao Contrato 3.

Contrato 6 – Parte 6.1 – Transferência de Tecnologia para Construção dos S-BR:

A parte 1 do Contrato 6 também teve sua duração alterada em virtude da alteração do Cronograma de Construção dos S-BR, entretanto tal alteração não teve impacto na duração do Contrato 6. Esta alteração fez parte de Décimo segundo termo aditivo (TA-12) ao Contrato 6

S-BR e SN-BR
S-BR e SN-BR

Submarino de Propulsão Nuclear SN-BR foi o mais afetado

Quanto ao Projeto e Construção do SN-BR (Empreendimento Modular 19), o projeto é realizado por uma equipe de projetistas da Marinha do Brasil, denominada de Corpo Técnico de Projeto do SN-BR. Esta equipe conduz os trabalhos de desenvolvimento do Projeto do SN-BR no Centro de Desenvolvimento de Submarinos (CDS), situado em São Paulo.

Para desenvolver o Projeto do SN-BR, a equipe recebe Transferência de Tecnologia (ToT) da Empresa Francesa Naval Group (antiga DCNS). O processo de ToT é conduzido para que o BDT (Brazilian Design Team) possa realizar o projeto da plataforma do SN-BR e seus diversos sistemas de bordo, com exceção da parte nuclear do submarino que é da exclusiva responsabilidade da MB.

O projeto do SN-BR teve início efetivo em 6 de julho de 2012. A primeira etapa do Projeto do SN-BR, denominada de Fase A, segundo a metodologia de Projeto adotada pela Empresa Naval Group (Contratada), correspondendo ao Projeto de Concepção, teve uma duração de cerca de um ano, tendo sido encerrada em julho de 2013.

A segunda etapa do Projeto do SN-BR, denominada de Fase B, correspondendo ao Projeto Preliminar do Projeto Básico, teve início em 29 agosto de 2013. Inicialmente tinha a previsão de duração de 18 meses, mas devido às características de ineditismo, complexidade e segurança tecnológica que cercam o projeto com a magnitude de um submarino de propulsão nuclear, a Fase B foi estendida por mais 24 meses, perfazendo um total de 42 meses.

Desta forma, a Fase B do Projeto do SN-BR foi concluída com sucesso em 19 de janeiro de 2017. Destarte, segundo o cronograma inicial havia um período interfases, compreendido entre o fim da Fase B e o início da Fase C (Projeto de Detalhamento do SN-BR), com duração original de seis meses.

A MB constatou a necessidade de estender este período por mais dezoito meses, passando a ter uma duração de 24 meses. A razão principal para esta extensão de prazo guarda relação com a necessidade de se avançar no Projeto da Planta de Propulsão Nuclear do SN-BR, a cargo exclusivo da MB.

Visão em corte simplificada do SN-BR. Observar a semelhança com o Scorpene S-BR
Visão em corte simplificada do SN-BR. Observar a semelhança com o Scorpene S-BR

Durante este período, que se encontra em andamento, estão sendo realizados estudos complementares e de aperfeiçoamento do Projeto do SN-BR, com o BDT, para tanto, permanecendo o recebimento de assistência técnica da Empresa Naval Group.

As próximas etapas do Projeto do SN-BR, a Fase C (Projeto de Detalhamento) e a Fase D que corresponde à fase de Construção do Submarino, estão a cargo da Empresa de Propósito Específico Itaguaí Construções Navais (ICN) e têm a duração prevista, juntas, de dez anos.

O Projeto SN-BR tinha como prazo inicial de prontificação o ano de 2025. Conforme acima explanado, foram necessárias incluir extensões na duração da Fase B e no Período Interfases que modificaram o prazo do Programa como um todo. Assim, nas condições contratuais vigentes, a previsão de lançamento ao mar do SN-BR é fevereiro de 2029 e a sua prontificação agosto de 2030.

No entanto, novos estudos sobre o Cronograma do SN-BR encontram-se em andamento que visam adequá-lo ao atendimento dos expressivos desafios tecnológico e gerencial e às potenciais restrições orçamentárias, que incidem sobre um projeto de tamanha complexidade e magnitude

A Planta Nuclear do SN-BR possui 70% da matéria prima contratada, 50% de serviço contratado com a Nuclebrás Equipamentos Pesados (NUCLEP) para a confecção dos principais componentes de mecânica pesada e 30% contratado com firmas estrangeiras especializadas na confecção dos elementos internos da alta precisão.

A obtenção da Planta de Propulsão Nuclear do SN-BR se divide em duas partes. A primeira, referente aos sistemas nucleares (Circuito Primário), que será fornecida pelo CTMSP nos termos da Norma de Desenvolvimento (NODE) para Execução da Ação Interna MD000600PUU. A Segunda, referente aos sistemas não nucleares (Circuito Secundário), que será fornecido pelo Naval Group nos termos do Contrato de Compra e Venda do Pacote de Material Importado para a construção do SN-BR (Contrato 2A).

A limitação na liberação dos recursos financeiros e os baixos créditos alocados afetaram muito a propulsão nuclear, impactando em importantes contratos no país e no exterior. Houve necessidade de renegociações dos mesmos.

Nos contratos em vigor o não pagamento pode representar uma quebra contratual e a correspondente perda de oportunidade para o recebimento do objeto contratual. Ressalta-se que as negociações para fornecimento de materiais, equipamentos e prestação de serviços nesta área são plenamente controladas pelos governos dos países de origem e requerem autorizações específicas.

As restrições orçamentárias e sobretudo financeiras, impostas ao projeto nos anos de 2015 e 2016, geraram a necessidade de efetuar várias renegociações de marcos contratuais no desenvolvimento da Propulsão Nuclear, ocasionando atraso na assinatura de novos contratos e perda de oportunidades nas contratações no exterior, bem como impacto no cronograma.

Apesar de não haver margem no exercício de 2017 para novas contratações, foram tratadas negociações para as futuras, que aguardarão a confirmação da disponibilidade de créditos para os próximos exercícios. Com as restrições financeiras ocorridas no exercício de 2017, diversos contratos da Planta Nuclear foram renegociados e tiveram seu cronograma estendido, prolongando os prazos e reduzindo as parcelas.

Modelo em escala do SN-BR
Modelo em escala do SN-BR

LABGENE

A implantação do Laboratório de Geração de Energia Núcleo-Elétrica (LABGENE) é parte fundamental para o desenvolvimento da Propulsão Nuclear para o SN-BR.

O Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP), subordinado à Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha (DGDNTM), tem o propósito de atuar como órgão executivo central de gestão do projeto.

As restrições orçamentário-financeiras e a variação cambial em passado recente impactaram negativamente o ritmo das atividades e contratações, implicando em renegociações contratuais e revisões das necessidades orçamentárias para o Programa Nuclear da Marinha (PNM).

O projeto vivenciou inúmeras restrições orçamentárias, tendo passado inclusive por estados “vegetativos” que impediram seu avanço em alguns momentos. Em 2008, a previsão de prontificação do LABGENE era para 2014.

Maquete do reator nuclear brasileiro PWR
Maquete do reator nuclear brasileiro PWR

Antes dos cortes orçamentários em 2015 e 2016, o início do comissionamento do LABGENE estava previsto para o final de 2018.

Todavia, fruto da complexa redução em tela, acarretou-se nova revisão de horizonte para 2021, tendo ocorrido: desmobilização de equipes; alteração de ritmos de contratos; renegociação de preços com fornecedores; entre outras consequências de difícil previsão e mensuração.

Não se pode esquecer que além dos óbices enfrentados com a disponibilidade de recursos orçamentários, há o ineditismo do projeto, a dificuldade em encontrar fornecedores qualificados que atendam aos requisitos técnicos severos do PNM e a elevação da carga burocrática para a execução financeira e processos administrativos, ocasionando morosidade no processamento de faturas e licitações.

Atualmente, mantém-se a previsão de início do comissionamento do LABGENE para 2021, sendo observados avanços significativos no que tange o andamento de obras civis dos prédios e da infraestrutura que compõem o empreendimento.

LABGENE em construção no inicio de 2018 - imagem de palestra da MB em evento da indústria nuclear
LABGENE em construção no inicio de 2018 – imagem de palestra da MB em evento da indústria nuclear
LABGENE e seus equipamentos
LABGENE e seus equipamentos (clique na imagem para ampliar)

87
Deixe um comentário

avatar
60 Comment threads
27 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
63 Comment authors
FoxtrotFabrício BarrosBinhoVicente Roberto De LucaRonaldo de souza gonçalves Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
wwolf22
Membro
Noble Member
wwolf22

o que eu acho mais engraçado eh que tem gente que ainda acredita que teremos um sub nuclear…
sabe de nada inocente….

André Macedo
Visitante
André Macedo

Vai demorar, mas você vai pagar pela língua, confio no Almirantado, estamos saindo de uma crise enorme e passando por um governo que não dá o devido valor às FA, é questão de momento.

Paulo Carrano
Visitante
Paulo Carrano

O problema é que tem mais de 500 anos que nosso governo não dá valor às forças de defesa… com este prognóstico, fica difícil acreditar no Almirantado, cujo cofrinho quem enche é o tio Temer (e Deus sabe lá quem será nas próximas eleições!).

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Somente há crise para os Interesses reais da Nação , para os Vagabundos do Judiciário e Políticos , parece que estamos nadando em dinheiro !

Luiz
Visitante
Luiz

Me desculpe a sinceridade, mas desde que me conheço por gente ouço falar que a crise e os problemas brasileiros são questões de momento! E olha que não sou tão novo assim.

Luiz_1
Visitante
Luiz_1

Submarinos Nucleares! Parece que já vi esse filme antes, se não me falha a memória chama-se Trem Bala Rio X São Paulo cuja estatal foi criada e é mantida até hoje, não sei pra que, pelo governo que paga polpudos salários aos seus empregados.

José Manuel
Visitante
José Manuel

Concordo inocente…

Esteves
Visitante
Esteves

Eu disse. E tava esperando. As postagens estavam sendo atualizadas por algum motivo. Veio a bomba. Excelente matéria.

Esteves disse.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

“(…)está seriamente preocupado com as consequências negativas de um novo e importante corte nos recursos do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), previstos para o orçamento de 2019.´´
Se eu disser que estou surpreso, eu estaria mentindo…

Fabio
Visitante
Fabio

Vamos esperar para ver.

Luiz
Visitante
Luiz

Eu ja tinha lido aquele relatório de Gestão Exercício do Ministério da Defesa, é realmente impressionante o impacto que o efeito sanfona tem em projetos de grande porte, que faz com que em alguns anos falte dinheiro e em outros sobre dinheiro. Em relação a planta nuclear então nem se fale, os equipamentos são comprados fora, a um alto custo e demoram muito tempo para ser feitos além de questão política que vira e mexe atrapalha a compra desses produtos sensíveis e em cima de todo esse cenário já complexo ainda não há uma solida previsão orçamentaria.Trágico Em relação ao… Read more »

Vovozao
Visitante
Vovozao

Acho que nosso pessoal na MB estão fora da realidade, quando foi que se cumpriu um cronograma em nosso país, uns por falta de verba, outros por problemas de engenharia, outros esbarrando no TCU que manda suspender a construção. A mesma coisa irá acontecer com as corvetas, iram atrasar, por isto na outra matéria eu falei que a MB, deveria tentar através FMS, trazer as fragatas 3 ou 4, para tentar substituir alguma das nossas sucatas, ou corremos o risco de ficar sem nada, aguardando as verbas de Brasília.

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Normal num país chamado Brasil. Elite medíocre, sem mentalidade e principalmente sem sentimento de patriotismo. Antes que eu seja detonado, vou explicar. Me lembro de meu professor na faculdade que nos levou no Museu Paranaense, uma imponente casão de esbugalhar os olhos. Ele comentou com a gente, prestem atenção, olhem para os lados, o que os senhores e senhoras veem??? Ora, arte! Não, olhem de volta! Bem, um viu um defeitinho aqui e ali, mas, ninguém respondeu o que ele queria ouvir. Ele falava das pessoas, do público, tem mais gente no McDonald’s, se desfrutando do capitalismo, do que levando… Read more »

Maria L
Visitante
Maria L

Exatamente.

Delfim
Visitante
Delfim

E o memorial do USS Arizona é visitado anualmente por milhões.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Perfeito Fernando!

Sou carioca e te digo que as ruínas do Museu Nacional atraem mais visitantes daqui do que quando o Museu existia!!

Binho
Visitante
Binho

Brasil é o país aonde destroem todos anos casarões coloniais e constroem favelas…..

Fabio
Visitante
Fabio

É precipitado afirma que havera corte orçamentario no Prosub até porque
o orçamento da união para 2019 ainda não foi sancionado, vamos aguardar.

Alexandre ziviani
Visitante
Alexandre ziviani

Enquanto isso o mesmo governo que corta verba dos submarinos gasta R$ 720 milhões por ano com a manutenção de uma empresa de comunicação que tem 0,1% de audiência,sem contar isto: https://www.bocaonews.com.br/noticias/principal/brasil/211272,farra-de-atestados-medicos-leva-ebc-a-contratar-empresa-especializada-em-pericia.html e ainda temos os R$ 800 milhões em gastos de publicidade em 2017.

Ozawa
Visitante
Ozawa

Esse corte é o advindo da EC 95? O que limita o aumento dos gastos federais de acordo com a inflação acumulada conforme o IPCA? Se sim, existem fortes rumores da flexibilização dessa regra ano que vem, pois está engessando sobremaneira a Administração Pública Federal.

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Não, o corte é por causa do déficit primário, que nesse ano será de pelo menos R$ 148 bilhões, e que em 2019 está previsto em R$ 139 bilhões.
Não falta orçamento, falta é dinheiro mesmo.

Rui chapéu
Visitante
Rui chapéu

É.
Alguém tem que explicar pra esse povo da Marinha que o Brasil não tem o dinheiro que eles pensam que o país tem.
Falta de estudo e planejamento dá nisso, sem navio, sem submarino e com um ego do tamanho de um Carrier Strike Group.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Se houver ainda mais um corte imprevisto para tocar o PROSUB, que é a prioridade das prioridades da MB, como justificar um gasto de uma compra de oportunidade de navios com mais de 30 anos de idade como no caso das Perry?

Nilson
Visitante
Nilson

A meu ver, a justificativa é simples: falta de dinheiro. No curto prazo, as OHP (ou outras compras de oportunidade) deverão ser muito mais baratas do que as Tamandaré, por isso caberão no orçamento e permitirão à Marinha navegar por mais uns dez a quinze anos. E é melhor gastar nelas do que nas Niteroi e Inhauma que já estão no fim de vida. . Do ponto de vista do longo prazo, lógico que é melhor investir em meios novos, que terão menor custo/ano ao longo de sua vida útil. Mas o longo prazo é algo que não ecxiste em… Read more »

Vovozao
Visitante
Vovozao

SRS Fábio, gostaria de ser otimista como vc, tivemos a poucos dias uma entrevista do almte Leal, sobre os atrasos no programa dos subsídios, estamos vendo o candidato mais bem colocado ( até agora) falar abertamente que iremos ter um ajuste grande. Será que nosso comandante não sabe.de.coisas que desconhecemos, para ele dar aquela entrevista já deve saber, inclusive não esqueça orçamento 19 tem que ser votado com estes corruptos que aí estão, além disso existe um negócio chamado contingenciamento que os governantes fazem sempre

Nilson
Visitante
Nilson

Por essa e outras tenho defendido que a Marinha contratasse uma solitária Tamandaré com os 2 bi que estão no orçamento deste ano. Orçamento garantido, meta de deficit público favorável. Querer contratar 4 é querer um passo maior do que as pernas, muito difícil dar certo… . Quanto ao novo cronograma do Prosub, a simples leitura dos valores indica que é um cronograma irreal novamente. Se nos últimos 6 anos (2013 a 2018) a média anual de desembolso foi 1,5 bi, como é que querem que nos próximos 6 anos (2019 a 2024) haja uma média de 2,45 bi, acréscimo… Read more »

Nilson
Visitante
Nilson

Ah, sabemos a explicação: tem que pedir 2,5 bi para ver se vem 1,5 bi após os cortes e contingenciamentos. Espero que a Marinha e os franceses tenham na gaveta o cronograma viável (1,5 bi/ano) e se planejem por ele, não por esse que foi publicizado. Se algum colega tiver tempo, refaça o cronograma com 1,5 bi por ano e nos diga quando vai ficar pronto, será uma previsão um pouco mais realista.

Gabriel
Visitante
Gabriel

Um pais do tamanho de um “continente”…

Que teve recursos para sediar uma Copa do Mundo…
Que teve recursos para sediar uma Olimpíada…
Que teve recursos para emprestar (via BNDES) para outros países…
Que teve recursos para perdoar dívidas de outros países…
Que não tem problema (pelo menos para uma parte da população, que acha normal) em gastar bilhões de recursos públicos, que são desviados pela corrupção…
Que tem recursos para manter 29 Ministérios…

É claro que terá recursos para manter um programa estratégico de Estado!

Cmt da Marinha, pode ficar tranquilo!

Delfim
Visitante
Delfim

Meu jovem, de tudo que você listou acima, se pode morder um bocado. Menos das FFAA. Ainda mais em período eleitoral.

João Francisco
Visitante
João Francisco

Nunca acreditei eu subnuc brasileiro, no máximo teremos 2 subs convencionais, o resto é história da carochinha, teve até almirante preso, no Brasil esse pessoal inventa “estratégia” pra ganhar dinheiro, a usina de Angra 3 está toda encaixotada se estragando e já foi paga mais de 5 vezes o valor, enquanto isso a energia elétrica é caríssima, muita gente ganhou dinheiro, por isso tanta gente tem tantas mansões em Angra, iates, ilhas particulares e etc… Depois somem e ninguém vê a cor do dinheiro, o maior problema do Brasil é o brasileiro!

Luiz
Visitante
Luiz

” 2 subs convencionais” E olhe lá! Sabe-se lá quando.

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

Para financiar campanhas o governo tem bilhões de reais sem problema, engraçado que para as urnas imprimirem os votos, como é em todos os países desenvolvidos, também alegam não ter dinheiro nenhum.

Cangaceiro
Visitante
Cangaceiro

Olha, depois da novela que foi o programa FX e FX-2 (e até hoje ainda estamos de F-5), eu me contentaria e apostaria muito mais em compras de prateleira. Esqueçam longos planejamentos, esqueçam acordos com validade superior a 2 anos. FMS, Royal Navy, países amigos, ofereceram equipamento bom, vai lá e compra! Garante o presente! Não temos uma estratégia como nação que nos faça nos organizar por bem e nem inimigos em potencial que nos façam nos mexer por mal, assim contratos, leis e orçamento são rasgadas ou “contingenciados” a qualquer hora. A prioridade e estratégia mudam a cada 4… Read more »

Delfim
Visitante
Delfim

Perfeito. Onde assino ? Brasileiro não sabe pensar a longo prazo.

Burgos
Visitante
Burgos

Daqui a pouco dos 4 programados para construção só vai sair 2 ou 1 pq troca governo troca os comandos EB , FAB e MB.
Troca também o Ministro da Defesa e aí começa a tocar o samba do “criolo doido” .
Revisa projetos tira isso, tira aquilo e assim vai !!!
Já vi essa novela antes só que “não vale a pena ver de novo “

oseias
Visitante
oseias

2019 é ano de copa américa, temos que manter os estádios operacionais,
submarino é igual a rede de esgoto, fica enterrado ninguém vê, não da votos. isso pode esperar.
o importante é a seleção do Neymar ergue a taça. Brasiiiiiiiiillllllllllllll

Overandout
Visitante
Overandout

Notícia_Forcas_Brasileiras.docx

Novo corte na verba do [insira nome do programa] preocupa Comando da/o [insira nome da instituição]

Já vou deixar o modelo pronto aqui pra facilitar, pois a certeza que mais notícias como essa veremos é certa

Jakson de Almeida
Visitante
Jakson de Almeida

O almirante esta decepcionado!!!A culpa e da própria MB que quis embargar nessa viagem megalomaníaca chamada scorpene e que acabou se transformando em um buraco negro que esta sugando todo orçamento dela.
Ao invés de ficar com o U-209 e investir no nuclear tupiniquim quiseram pagar ‘pedágio’ para os franceses para adiantar o “SubNuc”.Adiantou muito.
Sera que não poderíamos criar uma marinha de guerra de verdade e deixarmos a ‘marinha pato’ como guarda costeira.

ALEXANDRE
Visitante

E é por isso que eu digo esse negocio de transferência de tecnologia pro Brasil é fria.

willhorv
Visitante
willhorv

Mas é o que eu falo…enquanto não assumir um cara que bate na mesa e fala grosso, os recursos vão se esvair!!
Falta o cara de saco roxo que vai determinar x y z para as forças e ninguém tasca!
Vai reduzir fundos dos partidos…das campanhas…do 1/3 que se leva…mas das FAAs não!
E reclama pra ver!
Se falar mais alto, os caras espanam!
As vezes democracia de mais atrapalha…

Jr
Visitante
Jr

Quando esse cara de saco roxo chegar lá e ver a arca pública completamente vazia e com uma divida estratosférica para pagar não vai ter soco na mesa que de jeito, ele vai é ter que bater com a cabeça na mesa

Victor Carvalho
Visitante
Victor Carvalho

Se o quadro não mudar o melhor é suspender o programa do submarino nuclear e tocar o programa de submarinos convencionais até o final. Talvez deva sobrar algo e quem sabe sai até um quinto S-BR. Assim perderemos “apenas” alguns bilhões de reais (talvez algumas dezenas) e não todo o projeto. É uma decisão difícil, ainda mais no serviço público que é movido pela política, mas esta deve ser uma decisão de estado.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Enquanto tivermos politicos bandidos. Isto é uma democracia de araque. A sociedade produz para ser roubada por esta caterva cheia de privilégios. O Brasil que dá certo tem que enfrentar estes bandidos de qualquer jeito.

Renan
Visitante
Renan

Fiquei com vergonha de ser brasileiro quando vi o cronograma x real.

Bardini
Visitante
Bardini

Assim como as 4 Corvetas que querem fazer não foi planejada para substituir os atuais Escoltas, a MB não planejou substituir os 5 IKL pelos 4 Skorpenes… Mais uma realidade que gradativamente vai se impondo.

Bardini
Visitante
Bardini

comment image
.
Somei… Se não errei muita coisa, dá uma diferença de pouco mais de 9 bilhões de reais que vão ter de ser desembolsado a mais. Isso que ainda tem 10 anos pela frente e a tendência é ficar mais e mais caro.
.
O valor para o ano de 2020 me parece completamente fora da nossa realidade.

Adriano Luchiari
Visitante

O tempo é o senhor da razão. Há anos, outros comentaristas deste fórum e eu defendíamos mais submarinos IKL, de preferência com AIP, aos invés de SubNuc e do programa Prosub entubado à MB pelo governo de plantão e em concordância com o Charlie Mike à época. Fomos execrados, sofremos um linchamento moral pelos que defendiam aquele governo que nos levaria ao “brazilputênfia” com direito a cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU…

Pedro
Visitante
Pedro

Será que os nossos generais não se deram conta, até hoje, de que os governos da esquerda latino-americana não estavam nem um pouco interessados em qualquer desenvolvimento nacional ou plano de longo prazo, mas tão somente em centralizarem seu poder e implementarem o Petrolão e Mensalão? Produzir submarino é coisa de país com planejamento, com seriedade. Não que muitos brasileiros não a tenham, mas só colocam políticos corruptos lá em cima pô.

Zorann
Visitante
Zorann

É bem isto ai mesmo. Eu era um dos que defendia a compra de prateleira de submarinos alemães…ja precvendo a falta de continuidade…queja tinha acontecido nos IKL.
.
Na minha opnião, agora era a hora de cancelar as Tamandarés. Vamos deixar de fazer submarinos (pelos quais pagamos muito pela ToT) pra fazer escolta? Não tem cabimento trocar um passarinho na mão por dois voando.

Flanker
Visitante
Flanker

Iiso tudo, para mim, não é surpresa alguma! No Brasil, sempre foi assim…..nada tem continuidade e não há cumprimento de prazos…..nunca! Quando construíram os IKL-209 e posteriormente a versão melhorada, na forma do Tikuna, tudo ocorreu nas instalações do AMRJ. Sabe-se que o Arsenal está muito defasado e precisando de modernização, ampliação, etc. Mas, pergunto se seria necessário, ou melhor, imprescindível, construir tudo que está sendo construído em Itaguaí. Parece-me, na visão de leigo que sou, que é algo superdimensionado para aquilo que se pretende, ou melhor, aquilo que historicamente é alcançado e possível fazer. Quero dizer que construir um… Read more »

ecosta
Visitante
ecosta

Porque nossa marinha não partiu logo para a conclusão do projeto e implementação do SNBR ao invés de construir mais SSKs que já temos e iríamos até vender para a Argentina ? Eles não sabem que existem crises econômicas e descontinuidades de governos ?

José Luiz
Visitante
José Luiz

Pessoal, como podemos pensar em ter um submarino nuclear. Qualquer pessoa que se entrar neste assunto que não seja um entusiasta ou muito patriota, vai dizer para que submarino nuclear?
Um país sem mentalidade marítima, sem vocação para ser uma potência, como vai chegar a um programa destes? Basta dizer que se fizerem um plebiscito com a pergunta: Devemos ter uma marinha de guerra ou uma grande guarda costeira? A opção guarda costeira tem muitas chances de ganhar de lavada.

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Submarino nuclear não é para quem quer, é para quem pode. E nós não podemos! Simples assim. Não por uma incapacidade técnica, mas por absoluta falta de interesse da sociedade nesse tipo de embarcação. Se não há interesse, não há recursos e um submarino nuclear é de manutenção extremamente cara. A MB parece estar adotando a tática de criar o problema (a existência do submarino) na crença de que sua simples presença será suficiente para forçar a sociedade a fornecer a solução (mais R$). Isso não ocorrerá. As outras demandas serão consideradas mais relevantes e a MB vai ficar sem… Read more »

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Sempre insisto em escrever, sempre leio com atenção os foristas que me são mais caros mas, desta vez, br*chei……. Se isto se confirmar, e não me parece que o CM seja de fazer birrinha por aí, estamos é ferrados. Em geral sou otimista, mas tá osso acreditar no Brasil. Eu trabalho no Mercado Financeiro (vulgo Mercado, esse ente acima de Deus e da Pátria que todos ou temem ou veneram) e posso afirmar que dinheiro no Brasil existe, e aos borbotões. Mas o custo estratosférico de nossa ineficiência corrói o futuro, muito mais do que a corrupção. E hoje tem… Read more »

Frederico Boumann
Visitante

Pois é Hélio, concordo com você. Também trabalho no Mercado Financeiro; o dinheiro existe, mas no Brasil é mal empregado. Quando vi mês passado BTG Pactual tomar um “ferro” de 350M no dólar cheio no mês… e tudo bem, bola pra frente… Um UBS ganhar 250M no mesmo período… E nós brigando por mixaria. Triste Brasil.

ALDO GHISOLFI
Visitante

Rui chapéu: … e muita, muito, muita roubalheira!

Lástima…

RL
Visitante
RL

O que me espanta é a indignação de muitos ….

Qual é galera?

Brasil.

Segue o barco.

Esteves
Visitante
Esteves

ToT tem que ser pago em dólar ou euro. Provavelmente em dólares como se faz em contratos internacionais. É mais um fator de elevação dos custos porque a MB não controla o câmbio. Greve em Aramar. A estatal empurrou um acordo para evitar a paralisação. É provável que em um futuro próximo novas manifestações dos empregados e sindicatos, aconteçam. O aço subiu após a paralisação dos caminhoneiros. 3 fatos em 2018. Aço, câmbio e sindicatos. Lembro quando a MB chegou no IPEN nos anos 1980. Othon era Comandante. Penso que de fragata. Maluf cedeu o IPEN em regime de comodato… Read more »

Zorann
Visitante
Zorann

Eu já imaginava que isto fosse acontecer. Já cansei de alertar aqui. Aliás, acho que sou um dos únicos que chama a atenção para a importancia absoluta do ProSub pra nossa defesa. Não porque eu concorde com os moldes do programa, mas sim pq este foi o caminho escolhido. . Agora era a hora de cancelar os Tamanduás e salvar o ProSub. A construção de submarinos não pode ser deixada de lado em favor de 4 escoltinhas, que vão no fim, fazer patrulha. Mas vão fazer isto? Aposto que não!! Vão tentar abraçar tudo. . E o corte no efetivo?… Read more »

Nilson
Visitante
Nilson

Para ajudar na discussão, seguem os subtotais da planilha de gastos com o Prosub: Gasto até 2018: R$ 17,1 bi Gastos previstos 2019 a 2029: R$ 18,3 bi Nesses gastos não devem estar incluídos os do Labgene, que é um projeto à parte, não faz parte do ProSub. Existe também a possibilidade de que os custos do ProSub aumentem ainda mais não só devido às multas contratuais e variações cambiais, mas também no tocante às instalações para operação do SubNuc, que ainda não têm (ou não tinham, até 2017) projeto detalhado, conforme noticiou o TCU. É mesmo uma pergunta que… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

É senhores, o tempo, o tempo, sempre ele, senhor de todas as verdades.
Lembrem-se do que foi dito aqui, por nós , “os aloprados” a época do Brapfil puthênfia:
Ter, comprar ou até mesmo construir não significa pode manter operar e ou concluir.
O tempo, a verdade e a realidade agora bateram a porta juntos.

Satyricon
Visitante
Satyricon

O que a grande maioria não entende é que o que falta construir em Itaguai chama-se “complexo radiologico”. Sem ele, nada de SNBR. Sequer foi iniciado ainda, e consumirá a maioria dos recursos previstos, coisa de alguns SBR.
Vale a pena?
Considerando o estado de penúria da MB, não.
Vai se gastar o dinheiro que não se tem em algo desproporcional.
É como comprar uma clarabóia para uma cada sem telhado…

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Ótima matéria. Um recorte jornalístico para a posteridade. Por incrível que pareça, é justamente em ano de eleição que a população e o funcionalismo público mais parecem se dissociar da realidade. Nenhum malabarismo fiscal, nenhuma aventura ideológica, nenhum salvador da Pátria resolverá essa situação rapidamente. E serei sincero. Em uma lista de prioridades, o submarino nuclear é das menores, para ampla maioria da população. E não falo de uma pretensa massa ignorante e desinformada. Mas de milhares de funcionários públicos que não recebem em dia, milhões de desempregados, milhões de pensionistas e aposentados que assistem seus rendimentos derreterem, milhares de… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Submarino nao é sinônimo de potência militar. Usina nuclear também não. Reator multiproposito não é. O Prosub foi mostrado. Inclui um reator multiproposito a ser construído em parceria com a Invap da Argentina que colaborou na construção de reator idêntico na Austrália. Inclui Itaguaí. O que as instituições brasileiras têm com a defesa do país? Qual instituição brasileira está para ser salva? O judiciário que come 1,5% do PIB? O legislativo que gasta mais de 20 bilhões por ano? O congresso aonde se almoça por 3 mil? A saúde pública, que os governadores insistem em entregar hospitais ineficientes com menos… Read more »

Marcos
Visitante
Marcos

@OFF Camaradas, A Marinha postou em seu site uma notícia informando o recebimento do último clanff daquele lote de 23 veículos. “No dia 17 de setembro, na Base Aérea do Galeão, militares do Batalhão de Viaturas Anfíbias receberam da tripulação de um Boeing C-17A, da Força Aérea Americana, o último de um total de 23 novos Carros Lagarta Anfíbio (CLAnf). Estes CLAnf são a mais nova aquisição, no nível da Força de Fuzileiros da Esquadra, que possui em seu acervo operacional 49 desses carros, liderando o quantitativo no Hemisfério Sul, propiciando melhores condições para contribuir para a defesa nacional.” Deu… Read more »

Jr
Visitante
Jr

Não, 49 é a soma dos novos que acabamos de receber com os antigos que já tínhamos

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Marcos,

Não. São 26 + 23 = 49

A MB passa a contar com 49 CLAnf.

Grande abraço

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Ficam nos convencionais e passa a régua.

Nada SSN.

USS Montana
Visitante
USS Montana

“Aaahhh, eu já sabia, filma nóis Galvão!!!!” E ainda o Brasil sonha em ter SUBNUC, corvetas de última categoria e dez fragatas OHP? Faz me rir. 😆😆😆😆😆 Cada país (povo) com suas prioridades, uns investem nas suas FFAAs, na formação de uma doutrina militar desde cedo, aí compete as famílias se querem seus filhos numa carreira militar. Nem isso temos. O Brasil deveria dar o braço a torcer e desmobilizar suas FFAAs, o brasileiro definitivamente não é um povo beligerante como o inglês e norte americano, por exemplo, não temos ameaças estrangeiras (só internas) e num futuro próximo até o… Read more »

Victor Carvalho
Visitante
Victor Carvalho

Economicamente o S-BR compensa mais que o SN-BR. O desenvolvimento e a obtenção tecnológica para a construção de SSK pode fazer com que nós possamos construir toda uma indústria nisso, inclusive visando a exportação e manutenção para terceiros… Chile, Argentina, Peru, Colômbia México, África do Sul, etc. O SN-BR por questões óbvias é um projeto totalmente direcionado para o nacional, ou seja, gera mais gastos do que efetivamente pode gerar de receitas. A verdade é que nossos políticos não vêem gastos militares como estratégicos. Não temos e nunca tivemos por parte da classe política brasileira uma visão de estado apto… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Victor, eu concordo com você. Só diria que não tivemos mais tantos governos socialistas assim. Na verdade esse é o viés em que os políticos perceberam que teria mais aceitação ante à população para que pudessem se perpetuar em Brasília e continuarem ganhando babas de dinheiro às nossas custas sem que precisassem efetivamente fazer nada. E o povo continua caindo no conto do vigário, por mais caricato que ele seja. E olha que está difícil ficar ainda mais caricato.

Rodrigo
Visitante

Isso já era de se esperar, Por isso vou votar em determinado candidato que não vai deixar isso acontecer, A verba pode diminuir pro ano que vem , mais depois já no ano seguinte sera retomada.

Torço para que, mesmo com esta redução do ano que vem, pelo menos o cronograma dos convencionais nãos seja atrasado.

Nilson
Visitante
Nilson

Conforme o cronograma, até hoje foram gastos uns 17 bi no Prosub, ainda faltam uns 18 bi, fora os gastos com Labgene (que salvo engano não compõem os contratos do ProSub), multas contratuais devido aos atrasos no cronograma e provável aumento de custos com o complexo radiológico, que parece ainda não ter o projeto detalhado pronto. Caso a sociedade e o novo governo entendam ser relevante manter o programa do SubNuclear, o ideal será conseguir um planejamento orçamentário a longo prazo, tipo 1,5 bi de reais por ano, que permita concluir o projeto. Talvez tal compromisso dure um governo, seria… Read more »

Marcelo Danton
Visitante
Marcelo Danton

Óbvio que estão “roendo a corda” na questão do SN-BR..óóóbvio! Conta simples e REAL do pré sal (o verdadeiro financiador do PROSUB). 2010 preço estimado da retirada de petróleo da camada pré sal para ser viável US$ 30….hoje retiramos por US$ 7. Tamanho das reservas estimadas na época 2010…15 bilhões barris…hoje verificaram que é o DOBRO. Tudo isso tornou o pré sal mais rentável do que o Golfo do México, Mar do Norte e até mesmo o gás de xisto. Então senhores…a verdade é que a geopolítica mundial esta torpedeando o PROSUB e França vai “roer a corda como a… Read more »