Home Marinha Mercante Leilão do Iate Transoceânico ‘Wega’

Leilão do Iate Transoceânico ‘Wega’

9840
16
Iate Transoceânico Wega - 1
Iate Transoceânico Wega

O Iate Transoceânico Wega atracado há anos no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro finalmente terá seu destino definido.

A embarcação está sendo negociada pelo Leiloeiro Público Leonardo Schulmann.

Em 2011, por sentença do juiz federal Roberto Schuman, da 3ª Vara Federal Criminal do Rio, o antigo navio de guerra da Real Marinha Holandesa, com 198 pés (60 metros de comprimento) e apto a enfrentar geleiras, seria incorporado ao patrimônio da Marinha do Brasil.

Quando chegou ao Brasil, após uma reforma em estaleiro do Rio de Janeiro, o navio foi transformado no iate oceânico Wega, com nove cabines luxuosas, todas com banheiras.

Na sentença, o belga Pierre Paul Vanderbroucke, único sócio conhecido da empresa Pégasus, dona da embarcação, e o despachante aduaneiro Franklin Machado da Silva foram condenados pelo crime de descaminho – introdução de bens no país sem o recolhimento dos impostos. A pena do estrangeiro foi de nove anos e um mês de reclusão e multa de 855 salários mínimos (no valor da época dos fatos) e a do brasileiro de três anos e seis meses e 70 salários mínimos de multa. A primeira deveria ser em regime fechado com direito a recorrer em liberdade. A do brasileiro, em regime aberto, foi convertida em prestação de serviços à comunidade por oito horas semanais e ao pagamento de mais 70 salários mínimos a uma entidade que cuide de crianças com síndrome de Down.

A briga judicial pelo navio – avaliado no Brasil em R$ 50 milhões – se estendeu desde 2006, quando a Receita Federal o confiscou, declarando o seu perdimento, em consequência das falsas informações prestadas quando do seu ingresso no Rio de Janeiro, o que caracterizou o crime de descaminho.

Em 2004, o então comandante do Wega, o dinamarquês Johannes Hermann Iverse, declarou que ele era um veleiro, avaliado em 200 mil dólares (o equivalente a R$ 624 mil naquela época) que estava de passagem pelo país e precisava de pequenos reparos. Isto o isentou do pagamento de tributos. Como o visto de permanência do navio precisava ser renovado a cada 90 dias e o comandante Iverse já não se encontrava no Brasil, Vanderbroucke e Machado da Silva utilizaram uma procuração falsificada para providenciar o documento.

Dois anos depois, já totalmente reformado, o iate começou a fazer passeios turísticos e foi anunciado em notas na imprensa e reportagens em revistas especializadas náuticas como embarcação destinada a aluguel. Para a Receita, ficou evidenciada a falsidade das declarações prestadas, o que caracterizava o descaminho, pois por meio de informações falsas trouxeram para o país uma embarcação usada – cuja importação é proibida – e alegando que ela parou no Rio para sofrer reparos, elidiram o Fisco, deixando de pagar impostos. Isto justificou seu confisco pelos auditores fiscais.

A comunicação do caso pela Receita à Procuradoria da República levou o procurador Marcelo Miller, em 2007, a denunciar Vanderbroucke e o despachante Machado da Silva pelos crimes de contrabando e falsidade ideológica. O juiz Lafredo Lisboa, da 3ª Vara Federal Criminal, ao receber a denúncia, determinou a apreensão do barco e nomeou como fiel depositário o Capitão dos Portos. Desde então a embarcação está no Arsenal de Marinha do Rio.

Informações do leiloeiro sobre o Wega

Iate transoceânico wega, fabricado em 1968. Casco: há notícia que a embarcação avaliada foi um navio de guerra da marinha holandesa. Comprimento aproximado de 60 metros (198 pés). Casco reforçado: com proa quebra gelo, o que possibilita navegar em geleiras. Casco reforçado denota, naturalmente, maior quantidade de metal para a confecção do casco.

Segundo o leiloeiro, não há como avaliar precisamente o estado de conservação do casco. Para que essa tarefa fosse cumprida, seria necessário deslocar a embarcação até um estaleiro, tira-lo da água e analisar o casco com a ajuda de um aparelho de ultrassom. Logística consideravelmente dispendiosa.

Numa visão externa do casco, acima do nível da água, encontramos o item bastante desgastado, com sinais de corrosão em alguns pontos. Pintura notadamente desgastada. Internamente, descemos até o fundo do navio, abaixo do nível da água, encontrei diversos pontos de alagamento e um setor especifico de água e óleo.

Alguns trechos do navio, apesar de não estarem úmidos no momento, apresentam indícios de umidade e corrosão. Foi dito que, periodicamente, é necessária a drenagem dessa água que entra e alaga alguns compartimentos do fundo do navio.

Quanto ao setor encontrado com o óleo e água, seria sobra de combustível e lubrificação usados, durante o tempo de funcionamento normal da embarcação e que ficaram em estado residual, mas que em caso de vazamento, pode provocar um dano ambiental considerável.

Instalações: várias instalações em estado razoável de conservação, notadamente, as cabines superiores de luxo do iate wega. Contudo, como a parte externa do navio, superior encontra-se bastante desgastada, sem a cobertura adequada de tinta ou verniz náutico apropriado, verificamos inúmeros pontos de ferrugem e corrosão, o que favorece a infiltração da estrutura nos níveis de baixo, com a degradação de pintura, corrosão de metais (própria estrutura) e apodrecimento ou infestação do assoalho e objetos de madeira pelo cupim.

Maquinário: aparentemente, o maquinário necessário para o funcionamento do navio estava instalado. Em grande parte desgastada, sem conservação, com vários pontos de oxidação. Segundo informações colhidas, o maquinário do navio não é posto para funcionar há alguns anos. Toda a energia usada vem de fonte externa. A avaliação do real estado operacional do maquinário só pode ser obtida por profissional tecnicamente habilitado.

Acessórios: dois botes esportivos.

O M/V Wega, é uma embarcação construída pelo estaleiro a. Vuyk & zonen, na Holanda, para a Marinha daquele país em 1968, convertido em iate de luxo para cruzeiro de pesquisa em 1988 e reformado em 2005.

Características técnicas da embarcação: comprimento total: 59,80m; comprimento entre as perpendiculares: 54,00m; boca moldada: 10,50m; portal moldado: 5,70m; calado moldado: 3,70m, estaleiro construtor: Van Zuidt & Zoonen, ano de construção 1968, capacidade de óleo diesel: aprox.: 150.000 litros; capacidade de água doce: aprox.: 80.000 litros; deslocamento: 989 toneladas.

Acesse a página do leilão clicando aqui.

COLABOROU: Felipe Salles

16
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
15 Comment authors
JOÃO CARLOS DE SOUZA FIGUEIRA DE ORNELLASPaulo GuerreiroLuiz Floriano AlvesFlankerMoriah Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
ednardo curisco
Visitante
ednardo curisco

a justiça, sempre que tarda, falha

Felikes
Visitante
Felikes

Acho que não foi da Marinha de Guerra neerlandesa, mas um navio de praticagem que ficava no mar esperando os navios internacionais para colocar e tirar os práticos. O navio trabalhava especialmente na boca do braço do mar Schelde (Escalda) que recebe os navios com destino a Vlissingen (Flessingue ou Flissinga) e Antwerpen (Antuérpia).

Top Gun Sea
Visitante
Top Gun Sea

Nessa idade seria mais uma sucata para a MB mas, todos esses anos no AMRJ, sob proteção e cuidados e a MB não vai lucrar nada com a venda? Uns 50 milhões daria para comprar umas lanchas de combate CB90 Sueca para proteção contra pirataria nos portos.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Boa !!
Até pq o q tem de navio sequestrado e/ou roubado em nossos portos…
Achava até melhor comprar uns Destroyers Aegis

Rui chapéu
Visitante
Rui chapéu

Desculpa o off Topic:
O Palocci acaba de delatar a Sete Brasil, empresa que muitos aqui achavam que era parte da revolução naval Brasileira.
Nada mais era que um caixa para ladroagem.

Sem mais.

Wafrido Strobel
Visitante
Wafrido Strobel

Este juiz é famoso por suas decisões exageradas na linha exibicionista.
Bastaria aplicar uma multa e deixar este pessoal ganhar dinheiro com o navio, mas a justiça gosta de destruir as coisas.

Marcelo R
Visitante

A Marinha do Brasil tem uma cronica falta de cascos para o serviço de patrulhamento das águas do sudeste e sul….
Qual a probabilidade de se avaliar um reparo e conversão em navio Patrulha, colocando- se apenas 4 unidades de 20mm nos cantos da superestrutura, a uma avaliação deste belo espaço na popa para o aproveitamento como convôo; uma avaliação das máquinas e do casco quanto a seu reuso; uma avaliação de conversão do espaço extra para tripulação com o aproveitamento em uma enfermaria para atendimentos médicos, se houver esta intenção para o seu reaproveitamento seria muito bem vindo….

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Não seria possível transformá-lo em navio de pesquisas ?? Com esse reforço quebra gelo poderia ser de grande valia nas pesquisas antárticas

Moriah
Visitante
Moriah

Também acho, uma reforma e vira um oceanográfico para a MB. Daria suporte na Antártida.

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Galera adora uma “compra de oportunidade”. Falta ficar claro de quem é a oportunidade.

Gilbert
Visitante
Gilbert

Ao meu ver o destino menos dispendioso seria transformá-lo em um navio escola

Flanker
Visitante
Flanker

Meu Deus do céu!! Vocês leram o que está escrito no texto?? Viram o estado de sucateamento desse navio?? Não viram que ele tem ferrugem, cupim, infiltrações e vazamentos de toda ordem?? Navio hidro-oceanográfico e de psquisa o Brasil já tem, inclusive recebeu o Vital de Oliveira há pouco tempo, novo! Navio escola tem o U-27 Brasil, mesmo sendo antigo, é muito mais novo e está operacional….não cabe a mínima comparação!! Navio patrulha, só colocando uns canhões e metralhadoras? Então faz isso com um casco muito mais novo, ou menos velho! Parem de querer reaproveitar tudo que é sucata que… Read more »

Paulo Guerreiro
Visitante
Paulo Guerreiro

Ta melhor que todas as nossas fragatas niterói kkkk

Mas espero que apareça muitos interessados para talvez a Marinha ganhar alguns trocados

Luiz Floriano Alves
Visitante

A MB merece coisa melhor. Se vai a leilão que tenha um destino mais condigno. Nesta faixa de tonelagem e de classe de serviço, só cabe navio novo na esquadra.

JOÃO CARLOS DE SOUZA FIGUEIRA DE ORNELLAS
Visitante

Poderia ser utilizado para instrução dos Oficiais da Marinha Mercante,ficando 06 meses a disposição do CIAGA e 06 meses a disposição do CIABA.Aóu uma reforma com recursos captados junto a Armadores.

JOÃO CARLOS DE SOUZA FIGUEIRA DE ORNELLAS
Visitante

Digo…Após!