Home Logística Rolls-Royce volta a cooperar com a Armada Argentina

Rolls-Royce volta a cooperar com a Armada Argentina

10040
36
ARA Heroína
Destróier ARA Heroína, classe Meko 360, equipado com turbinas Rolls-Royce Olympus TM38

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval

Decorridos quase 36 anos e meio desde a capitulação argentina perante tropas do Reino Unido na Guerra das Malvinas, representantes da divisão de turbinas da Rolls Royce da América do Sul voltaram a reunir-se, em uma instalação da Armada Argentina, com militares desse país, do Chile, do Brasil e da Grécia, para examinar uma pauta de assuntos atinentes à manutenção dos equipamentos de tecnologia britânica.

O encontro se desenvolveu entre os dias 22 e 25 de outubro, em clima de cordialidade profissional, na Torre de Señales da Base Naval de Puerto Belgrano e no Arsenal Aeronaval Comandante Espora, no âmbito da 14ª Reunião do Clube de Operadores de Turbinas Rolls Royce da América do Sul.

A Marinha Argentina foi a anfitriã do evento, que só se tornou possível depois que, no fim do primeiro semestre, o governo de Londres levantou uma proibição de comércio de itens militares com a Administração do presidente Mauricio Macri.

A ata da reunião foi rubricada pelo gerente da Rolls Royce na América do Sul, Walter Espinoza, pelo Jefe de Mantenimiento y Arsenales da Armada Argentina, contra-almirante Eduardo Luis Malchiodi, de 60 anos, pelo diretor de Engenharia de Sistemas Navais da Marinha do Chile, contra-almirante José Luis Fernández Morales, de 51 anos, pelo diretor do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, contra-almirante Enio Zanelatto Liberal, e pelo capitão de mar e guerra (Engenheiro Mecânico) da Marinha grega Sotirios Tsamilis.

“Porta” – Reuniões como essa servem à identificação de problemas comuns aos operadores das turbinas, ao intercâmbio de informações entre esses usuários, e a uma socialização de experiências, conhecimentos e propostas.

Estamos en un punto de inflexión porque Rolls Royce volvió a las reuniones en Argentina y esto abre una puerta para retomar la adquisición de partes y repuestos que nos van a facilitar seguir procesando las turbinas, declarou o almirante Malchiodi à revista eletrônica Gaceta Marinera, de sua Marinha.

El Arsenal Comandante Espora es un punto de mantenimiento mayor para turbinas Tyne y Olimpus, prosseguiu o oficial argentino. La Armada Argentina tiene la capacidad de hacer el 100% del proceso ya sea en la propia turbina como en los accesorios.

Nesse momento a Marinha Argentina necessita urgentemente de apoio técnico da Rolls Royce para recuperar o sistema de propulsão do destructor Heroina, um navio classe Meko 360.

O almirante Liberal também falou à imprensa naval argentina:

“[A reunião do clube de Operadores] é muito importante porque vamos acumulando procedimentos, podemos compartilhar experiências e assim evitar problemas que significam muitos gastos de dinheiro e a parada dos navios”.

As reuniões do Clube de Operadores acontecem há 13 anos, e a próxima será realizada na Grécia.

O Poder Naval apurou que, dentro de algumas semanas, o almirante Liberal assumirá a Diretoria Industrial da MB, em substituição ao almirante Mário Botelho, que está sendo indicado para o cargo de Diretor de Engenharia Naval da Força.

36
Deixe um comentário

avatar
19 Comment threads
17 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
Bruno Vinícius CampestriniJames MarshallJagderband#44MazzeoCamargoer Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Eu espero para o bem de nosso hermanos que eles normalizem as relações com o Reino Unido de modo a ter possibilidade de fortalecer seus meios militares sem restrição.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Eles precisam fortalecer a economia antes. mas sim, também espero. uma Armada Argentina forte é um desencorajamento para futuras e desagradáveis aventuras chinesas na região (ou de qualquer outro pais)

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Desconheço qualquer ameaça militar chinesa contra a AL?
Mas se existe tal ameaça, não é a Marinha brasileira ou argentina que vai fazer alguma diferença contra o dragão.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Os navios de pesca chines já começaram a se meter por aqui tanto que a marinha argentina já abriu fogo contra um deles. dito isso, uma força coesa bem fundamentada e equipada de ambas as marinhas seria mais do que suficiente para fazer o “grande dragão” pensar duas vezes antes de se estender por aqui. uma boa quantidade de submarinos, navios patrulha e algumas escoltas na casa de 3 ou 4 mil toneladas já seria o suficiente pra fazer qualquer marinha repensar. Afinal por maior que seja, Nem a US Navy vai deslocar todo o seu efetivo para a nossa… Read more »

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Victor. Creio que a normalização das relações UK-Argentina seja uma questão mais diplomática do que econômica/militar. De fato, a normalização das relações diplomáticas e que vão promover o comércio entre dois países, que em consequência irá colaborar na recuperação econômica da Argentina. Portanto, a direção é contrária ao que você sugeriu.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Belo barco essa Meko argentina. Os hermanos não fazem economia na motorização. Vão de turbina, mesmo, que produz mais velocidade e ganhos na velocidade e tonelagem útil.

wwolf22
Membro
Noble Member
wwolf22

o Brasil eh “independente” nas manutenções das turbinas em geral??

XO
Visitante
XO

Infelizmente, não… por isso temos (ou tínhamos, posso estar desatualizado) contrato de longa duração com RR para manutenção de Tyne e Olympus… a depender da extensão do serviço, a TG tem de ser enviada para o UK, em regime de exportação temporária, cujo prazo é de 2 anos… mas, como entramos na fila, o serviço pode atrasar, sendo necessário fazer cumprir um procedimento de extensão do prazo… uma chatice burocrática, mas que não pode furar… ao regresso para cá, o AMRJ recoloca a TG a bordo, mas é preciso contar com técnicos da RR para HAT (harbor acceptance trial) e… Read more »

RENAN
Visitante
RENAN

Em SãoBernardo do Campo tinha uma base da RR.
Mas para a manutenção de turbinas de aviões e helicópteros.
Tem rumores que fechou devido a compra do Gripen

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Parabéns, pelo “furo de notícia”! Isso sim, é jornalismo. Quais serão as prováveis mudanças com essa troca de comando na Diretoria Industrial e na Engenharia Naval? Quem vai assumir o Arsenal?

abrahamyamato
Visitante
abrahamyamato

desejo sorte para nossos visinhos hermanos

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Aquilo ali em cima é um destroiyer???

Eu faço um bote muito melhor equipado que aquilo ali em cima.

XO
Visitante
XO

Xará, é uma Meko 360… já operei com uma delas em UNITAS… é um belo barco… abraço…

Nilson
Visitante
Nilson

Na Armada Argentina, são denominados destróieres: Destructores Clase A.R.A. Almirante Brown (Meko 360).
Na classificação da MB, seriam denominados fragatas.
Essa nomenclatura não é rígida, varia de Marinha para Marinha.

Roberto Santos
Visitante
Roberto Santos

Não adianta ser bonito se não anda ! Vc compra uma Ferrari e não têm mecânico que concerte no pais o motor se der uma pane, que adianta ter Ferrari ?

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Bonito??

Souto.
Visitante
Souto.

XO alguma informaçao sobre a vinda de navios escoltas para MB?? Há um boato
que virão fragatas OHP para o Brasil fruto da cooperaçao miltar Brasil x EUA isso é possivel?

XO
Visitante
XO

Nada que eu conheça… abraço…

Vovozao
Visitante
Vovozao

01/11 – quinta-feira, bdia a todos, desculpe intromissão no assunto, primeiro:Brasil deveria acordar com.os Franceses a respeito das Lá Fayettes, pois podemos ficar no sentido geral a ”ver navios”, Chile fala em comprar, Peru também, pouca coisa disponível para vendas. Segundo: com a situação de confronto no mar da China, Coreia, Taiwan, Japão, não devem descomissionar nenhum navio. Aí ficaremos mesmo sem escoltas.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

É… Pensando bem, não é um Cutty Sark ou um Scharnhorst, mas, ainda assim é atraente.

Mazzeo
Visitante
Mazzeo

O Scharnhorst, o Gneisenau e o Prinz Eugen foram os navios de guerra mais bonitos já feitos na minha opinião. Pena que serviram sob a bandeira nazista.

Ronaldo de souza gonçalves
Visitante
Ronaldo de souza gonçalves

OHP sai fora,o custo é alto para manter essas fragatas por pouco tempo,e melhor trazer as franscesas e esperar as type 23 podia o Brasil arrematar as batc 1 que daria um gás a mais nos patrulhas.O Almiratado está ciente das OHP e já descartaram ela serve para Taiwan para nós não.

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Essa “Heroina” foi adquirida pela Argentina em qual epoca? Seu equipamento/armamento seria qual?

XO
Visitante
XO

Década de 80, se não me engano…
Está equipada com um canhão de 5pol, 4 torretas geminadas de 40mm, lançador de torpedos, Exocet e de Aspide… a propulsão é a mesma das nossas classe Greenhalgh (Olympus e Tyne)… não conheço a eletrônica de bordo…
Sempre achei as Meko um conceito bem interessante…
Abraço…

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Rolls-Royce Spey, Olympus, etc; são turbinas que têm suas versões aeronáuticas. Vi certa vez o Rolls Royce Tyne num dos maiores turboélices que já conheci, o Short Belfast.

Mr. White
Visitante
Mr. White
Dalton
Visitante
Dalton

Fragatas na verdade… de 5000 toneladas quando completamente carregadas.

Dalton
Visitante
Dalton

Só como curiosidade…para quem comprava revistas especializadas de armamentos na década de 1980, o número 1 da “Segurança & Defesa” esgotou e nunca consegui nem em sebo adquirir uma…e coincidentemente lembro que a matéria principal e a capa eram sobre as novas fragatas “MEKO” e quatro delas, MEKO 360″ haviam sido recentemente adquiridas pela Argentina.

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

No meu humilde ponto de vista, a tendência é os EUA e a UE/GB ajudarem a reequipar as marinhas da América Latina, visando a expansão da PLAN por estas águas.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Jagder. Penso o contrário. Com o aperto orçamentária tanto na Inglaterra quanto nos EUA e a escalada de tesão com a China e Russia, a tendência é que os recursos navais sejam usados por eles até a obsolescência, o que irá dificultar a transferência de meios ativos para as marinhas sul americanas. Mas é apenas um chute meu, sem qualquer base empírica para afirmar qualquer coisa.

Dalton
Visitante
Dalton

A US Navy quer prolongar a vida de todos os seus navios dos em média 35 anos para 40 anos ou mesmo mais…de qualquer forma não existiria nada da parte deles que poderia adequar-se ao orçamento e/ou teatro de operações e/ou necessidades das marinhas latino americanas. . Com o fim da II Guerra e em menor grau com o fim da guerra fria foi fácil encontrar bons navios relativamente jovens na imensa reserva naval de então, mas, pelo que me lembro o último navio de tamanho relativamente grande colocado à venda foi adquirido pela Índia em 2007…um “LPD” na terminologia… Read more »

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

Prezados Camargo e Dalton,
penso que não necessariamente a ajuda seja em forma de meios navais, como aconteceu durante a guerra fria, mas pode ser em forma de assistência técnica, treinamento, equipamentos, armamento/munição etc ou até mesmo condições mais vantajosas para construção local.

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

Usei o termo “reequipar” de forma incorreta.

Dalton
Visitante
Dalton

Mas…deu para entender…só que mesmo assim, não há muito o que se esperar…as novas aeronaves da FAB não serão americanas, tão pouco navios e mesmo mísseis, como o
“Exocet”, “Sea Ceptor”… não vejo isso mudando ainda mais de forma significativa.
abs

James Marshall
Visitante
James Marshall

Fora de tópico mas nem tanto.
Agora o Brasil vai poder operar o Phalanx. hehehe

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46055776

Bruno Vinícius Campestrini
Visitante

Juro que não entendo essa tara do pessoal pelo Phalanx. Mas, de qualquer forma, o Brasil não está impedido de adquirir o sistema, os ingleses não venderam junto para colocar em outros navios da RN.