Home Indústria Petrolífera Navios iranianos desligam transponders para vender petróleo

Navios iranianos desligam transponders para vender petróleo

11523
16

Desde o final de outubro, todos os navios iranianos desligam seus equipamentos para evitar os sistemas de rastreamento internacionais

De seus escritórios na Suécia, analistas de uma nova organização que supervisiona as entregas globais de petróleo ficaram chocados com os esforços iranianos para contornar as novas sanções dos Estados Unidos.

Desde o final de outubro, todos os navios iranianos desligam seus transponders para evitar os sistemas de rastreamento internacionais, algo sem precedentes desde que o TankerTrackers.com começou a operar em 2016.

Agora, os navios só podem ser rastreados manualmente usando imagens de satélite.

“Esta é a primeira vez que vejo um apagão geral”, disse à AFP Samir Madani, cofundador da TankerTrackers.

Essa é uma das técnicas do Irã e de seus clientes para que o petróleo continue fluindo depois que as sanções dos Estados Unidos forem reativadas, a partir de segunda-feira.

“O Irã tem cerca de 30 navios na área do Golfo e os últimos 10 dias foram muito complicados, mas […] continuamos a monitorá-los visualmente”, diz a cofundadora Lisa Ward.

As melhorias dos últimos anos nas imagens de satélite permitem que empresas como a TankerTrackers observem os navios diariamente, enquanto antes as imagens chegavam apenas uma vez por semana, ou até mais.

O Irã espera que uma menor transparência permita que continue vendendo petróleo depois de 5 de novembro, quando os Estados Unidos vão reimpor a última rodada de sanções suspensas sob o acordo nuclear de 2015, do qual Washington se retirou em maio.

Mas de acordo com Joel Hancock, analista de Petróleo do grupo de serviços financeiros francês Natixis, isso não significa necessariamente que suas vendas continuarão altas.

“O principal problema com os rastreadores de cargueiros é que eles examinam as exportações, mas não as vendas”, disse à AFP, explicando que as embarcações podem simplesmente estar transportando petróleo para ser armazenado na China ou em outro lugar.

Outro método – usado entre 2010 e 2015 – é manter o petróleo em grandes navios de carga ao largo da costa do Golfo.

De acordo com TankerTrackers, existem atualmente seis navios, com uma capacidade total de 11 milhões de barris, ancorados no mar como contêineres flutuantes, o que libera a capacidade no porto e permite fornecimento rápido.

Redução das importações

Embora raramente haja dados precisos no mercado obscuro do petróleo, a maioria dos analistas afirma que as exportações do Irã caíram de 2,5 milhões de barris por dia em abril para 1,6 milhão em outubro.

Países que têm fortes laços de segurança e comerciais com os Estados Unidos foram rápidos em reduzir suas compras de petróleo iraniano.

A Coreia do Sul e o Japão reduziram a quase nada, e a Europa os acompanhou de perto.

Embora a União Europeia tenha prometido criar uma “entidade de propósito especial” (SPV) para proteger as empresas que compram petróleo, os analistas veem pouca probabilidade de que as companhias arrisquem punições americanas.

“Atualmente, o SPV está inoperante”, adverte Henry Rome, especialista em sanções contra o Irã da consultoria Eurasia Group, com sede em Washington.

Os Estados Unidos isentaram oito países da proibição de comprar petróleo iraniano, com a condição de reduzirem substancialmente suas encomendas.

Mas os clientes mais prejudicados pela campanha americana são os maiores importadores de petróleo iraniano, a China e a Índia.

A China tem estado surpreendentemente disposta a cooperar com as sanções, em parte porque tem grandes preocupações com sua guerra comercial com Washington.

Durante o último período de sanções, a China canalizou quase todas as suas transações com o Irã pelo Banco Kunlun, controlado pelo grupo estatal de energia CNPC, que foi sancionado pelos Estados Unidos em 2012, mas protegeu o resto do setor das penalidades.

“Kunlun foi um bode expiatório, […] mas os bancos chineses parecem ter percebido o enorme risco e são muito mais cautelosos”, disse Rome.

Agora, a China poderia procurar novos caminhos para o petróleo continuar fluindo, aponta. “Parece que eles vão abrir outro canal, talvez outro banco”, ressalta.

A Índia também busca mecanismos, como durante o último período de sanções.

“A diferença na outra ocasião é que as sanções vieram em etapas”, lembra Rome. “Desta vez há um certo medo de que tenham que fazer reduções substanciais imediatamente”.

Mesmo que o Irã continue escoando seu petróleo, será difícil colocar o dinheiro em suas contas.

“O Irã é um adversário fantástico, muito treinado em diferentes técnicas para continuar vendendo petróleo e enredar os dados, mas isso não é a panaceia para tudo”, alerta Rome.

Principais rotas de escoamento de petróleo. Valores em milhões de barris por dia
Principais rotas de escoamento de petróleo e pontos de estrangulamento. Valores em milhões de barris por dia

FONTE: Isto É/AFP

16
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
8 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
Walfrido StrobelLeonardo Costa da FonteMarceloMauro OliveiraCRSOV Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
João Francisco Neves
Visitante
João Francisco Neves

Sempre eles fazendo traquinagens, e ainda tem gente que defende esses bandidos fundamentalistas, país atrasado, sem democracia e fomentador de terrorismo internacional, responsável pelo atraso da humanidade, são esses trastes que a anta defendia conversar.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Se sentar a porrada resolvesse alguma coisa, o Afeganistão era para ser rico igual à Alemanha.

nonato
Visitante
nonato

Sou contra comunismo.
Mas não gostaria que Trump mexesse com o Irã.
E o Irã deveria parar com essa besteira de se indispor com Israel.
Era melhor para todo mundo.
Quero ver Trump descer a lenha na China, na Coreia do Norte, em Cuba e na Venezuela.
E deixassem o Irã quieto.

Marcelo
Visitante
Marcelo

Descer a lenha na China. Você é maluco?

Alessandro
Visitante
Alessandro

“Mas os clientes mais prejudicados pela campanha americana são os maiores importadores de petróleo iraniano, a China e a Índia”

Por mais que a China cresça economicamente, nunca terá a força dos EUA, jamais terão a confiança plena do mercado, pois não são uma DEMOCRACIA!

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Mania de achar que “democracia” é solução para todos os problemas.

marcelo kiyo
Visitante
marcelo kiyo

Afundem uns 2 quando estiverem vazios que isso acaba.Pode-se alegar que como estavam sem o transponder ligado, eram navios-fantasma e colocavam em risco a navegação na região.

Wilson França
Visitante
Wilson França

Não se afunda “navio fantasma”.

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Como se a opinião de vocês fosse mudar o cenário real ou influenciar alguma coisa. A tríade Moscou-Pequim-Teerã já está formada e vai mudar o mundo.

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Humm… Interessante !
Conte-nos mais sobre isso !

Flanker
Visitante
Flanker

Sim…..aí você acordou do sonho todo molhado!!! Quando essa tríade super-hiper-mega-ultra poderosa vai tomar conta do mundo e acabar com os ocidentais decreptos e decadentes?…você se supera a cada post…. uma pérola melhor que a outra! Vai se tratar, criatura!!

Felipe Silva
Visitante
Felipe Silva

O Irã é um país perigoso. Precisa ser detido.

Kelvin
Visitante
Kelvin

O Irã precisa ser detido?
A Arábia Saudita financiou o 11/09 e os americanos não fizeram nada.
Conta outra rapaz.

Leonardo Costa da Fonte
Visitante
Leonardo Costa da Fonte

Não apenas financiou. Se não me falha a memória a maior parte dos terroristas do atentado de 11/09 eram sauditas! Para quem conhece o mínimo do Oriente Médio, o problema do fundamentalismo islâmico é causado pelos clérigos da Arábia Saudita!!! No fundo os EUA deveriam estar lutando contra eles! O menor dos problemas é o Iran.

CRSOV
Visitante
CRSOV

Com apenas 1,6 milhões de barris exportados diariamente e o preço atual do barril dá para o Iran ter uma receita de cerca de 110 a 130 milhões de dólares por dia que daria entre 40 e 45 bilhões de dólares anuais !! Quantia esta que permitiria ao Iran sobreviver comprando o estritamente necessário como alimentos e produtos / maquinaria para alavancar ou manter o país funcionando precariamente !!

Mauro Oliveira
Visitante
Mauro Oliveira

Essa seção de comentários tá uma piada, ahahahaha