domingo, abril 18, 2021

Saab Naval

Navios da Royal Navy passam metade do tempo no mar do que há seis anos

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

HMS Argyll
HMS Argyll, Type 23

Uma questão escrita da Câmara dos Comuns revelou o número decrescente de dias em que destróieres e fragatas realmente deixam o porto

Navios de guerra da Marinha Real Britânica passaram metade do tempo no mar em 2017 do que em 2012, revelou o jornal britânico The Mirror.

Dados do Ministério da Defesa mostram que as fragatas e os destróieres foram para o mar por um total combinado de 2.657 dias em 2012.

Mas, em 2017, caiu 48%, para apenas 1.373.

Os especialistas culpam cortes do Tory (Partido Conservador da Inglaterra) e escassez de mão-de-obra pela queda embaraçosa.

As últimas estatísticas divulgadas pelo governo divulgam a escala do “esvaziamento” do Serviço Sênior.

As fragatas antissubmarino da classe Duke (Type 23), de 4.800 toneladas, estiveram no mar durante 1.843 dias em 2013.

Mas elas deixaram o cais por apenas 1.009 dias em 2017 – uma queda de 45%.

Especialistas temem que a Marinha não tenha escoltas suficientes para proteger o porta-aviões HMS Queen Elizabeth quando ele estiver totalmente operacional em 2021.

O The Mirror disse no início deste mês como destróieres de mísseis guiados Type 45 passaram um total de 1.122 dias no mar em 2012. Mas no ano passado isso caiu para apenas 364.

Há apenas seis destróieres e 13 fragatas na frota de superfície, com muitos confinados ao porto para ajustes, reparos e falta de mão-de-obra.

Isso apesar dos ministros e altos militares alertarem repetidamente sobre o aumento da atividade russa sob a superfície do Atlântico Norte.

HMS Mersey P283

Em fevereiro deste ano, um barco de patrulha offshore, o HMS Mersey, foi retirado das tarefas de proteção da pesca para escoltar três navios de guerra russos que passavam pelo Canal da Mancha.

O ex-chefe da marinha Lord West, que comandou uma fragata Type 21 nas Malvinas, destacou o corte de cinco mil marinheiros em 2010 como uma das razões para a queda nos dias no mar.

O ex-Primeiro Lorde do Mar disse: “Houve um esvaziamento da defesa e houve uma queda no número de pessoas na Marinha.

“Há poucas pessoas. Todas essas pressões estão impactando. Não há dúvida de que há necessidade de mais gastos com defesa.

Basicamente, eles estão mentindo sobre nossas capacidades. Isso significa que não temos navios operando em áreas onde eles deveriam estar.

Quando os navios operam, eles realmente param as guerras e ajudam a estabilidade em regiões do mundo que são importantes para nós.”

Ele acrescentou: “Tem havido um elemento de cegueira do mar no governo e esquecemos como é importante o poder marítimo. Ainda é crucialmente importante para esta nação.”

Destróieres Type 45 no porto
Destróieres Type 45 no porto

“Se nos esquecermos da parte marítima, nos tornaremos novamente uma pequena ilha muito insignificante que na verdade não pode sequer cuidar de si mesma – precisaremos de alguém para cuidar de nós.”

A secretária de Defesa paralela, Nia Griffith, disse: “Os cortes de defesa conservadores estão tendo um efeito devastador na capacidade do Reino Unido de tripular nossa Royal Naval Fleet.

Não é coincidência que essas fragatas estejam passando menos dias no mar no momento em que o número de tripulantes da Marinha Real está caindo.

Ao enfrentar ameaças crescentes, pedimos à Marinha que faça mais e mais com menos pessoal.

Isso está colocando um fardo significativo em nossos militares e mulheres e tem um efeito preocupante sobre o moral.

Não faz sentido ter o navio se você não tiver pessoal para tripulá-lo.

É hora de os ministros conservadores enfrentarem a crise no recrutamento e retenção que surgiu em seus mandatos.”

Mas o ministro da Defesa, Stuart Andrew, insistiu: “O ciclo operacional normal de cada navio envolve a entrada de diferentes níveis de prontidão, dependendo de seus programas e requisitos de planejamento departamental”.

Um porta-voz da Marinha Real disse: “As fragatas Type 23 são verdadeiros cavalos de batalha em todo o mundo, como mostram as operações atuais com a HMS Monmouth nos EUA e a HMS Argyll no Extremo Oriente”.

Status dos navios de escolta da Royal Navy em julho de 2017

FONTE: The Mirror

- Advertisement -

26 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
BMIKE

Penso que a RN deve investir mais nas t45 e liberar para venda as t23, de preferência liberando 2 agora em 2019 para fazer um caixa. ..

Dalton

As T-45s não serão mais construídas…há necessidade de outros tipos de navios e mais baratos também, como as T-26s, das quais 8 deverão ser construídas, além de de 5 T-31s
totalizando 13 unidades que substituirão as 13 T-23s.

Mercenário

Vamos aguardar os dados de 2018.

Acredito que o número de dias de mar vai aumentar.

Ademais, de acordo com recente decisão, a HMS Montrose será baseada no oriente médio pelos próximos 3 anos.

BMIKE

Correto, as t26 são o futuro. Só citei as t45 devido a foto de 4 paradas, provavelmente aguardando alguma manutenção, o que demanda verbas…

Julio

Acredito que os numeros de 2018 não melhorem, pelo fato dos T45 terem apresentado graves problemas nos seus conjuntos geradores de energia.

Mercenário

Negativo, Julio.

Nesse momento ao menos duas T45 estão em operações no oriente médio e no atlântico norte, e outra em treinamento no UK.

Mercenário

Julio

Apenas uma unidade por vez se submete à atualização da propulsão.

Marcelo Martins

A continuar assim, a Royal Navy, em mais uma década e caso nada seja feito para reverter essa situação, será igual à nossa MB: navios parados no porto por falta de dinheiro para navegar. E essa situação coloca mais peso nas costas da US Navy, devido à crescente retomada das atividades da Marinha Russa no Atlântico Norte!

abrahamyamato

A type 23 mesmo sendo uma embarcação dos anos 80 tem um design ate que bonito

Nilson

Seria interessante esse tipo de comparação na MB, para acompanharmos a situação de seus navios. Certamente há os relatórios em poder da administração superior, divulgação pública dos dados seria uma forma interessante de transparência.

Yluss

Galante, o problema talvez seja exatamente esse, apenas nós, que gostam e acompanham os assuntos de defesa e vocês que do meio jornalístico na mesma área é que sabemos da triste situação da MB. Será que não era a hora de escancarar a triste situação? Pode ficar pior com o a situação escancarada? Penso que não dá pra ficar pior do que está. O único senão é eventual mudança na posição do governo agora que temos um novo presidente assumindo em meses… talvez fosse uma provocação que não deva ser feita preemptivamente, pois pra quem espera a uma década, não… Read more »

Fernando Vieira

Um tempo atrás o Jornal O Globo publicou, com manchete em primeira página, que em caso de guerra o Brasil só teria munição para as 8 horas iniciais do conflito.
Era um levantamento interessante do inventário das três forças, do que estava operacional e o que não estava.
Pode-se questionar a veracidade das informações que o jornal obteve, mas o ponto é que, foi “escancarado” e não se viu uma reação popular a isso.

Delfim

“Cortes de defesa conservadores”. Anarco-capEtalismo.

Wagner

Acho engraçada a ótica apresentada aqui frequentemente: ” os malvados russos nos ameaçando ” .

De minha visão, a ameaça é a da OTAN em cima da Rússia. Quem tem Porta aviões circulando em volta do outro não é Moscou…

BMIKE

Vai estudar história, assim talvez descubra porque a mão tem que ser pesada em cima do urso. Agora, estudar com a canhota off…kkk

Dalton

Verdade Wagner…o USS Harry Truman está em águas norueguesas agora, mas, não são apenas NAes que são “ameaçadores”…os russos aumentaram suas atividades submarinas…não que existam muitos deles disponíveis, mas, os que existem tem passado mais tempo no mar…daí…se ler no texto:
.
“Isso apesar dos ministros e altos militares alertarem repetidamente sobre o aumento da atividade russa sob a superfície do Atlântico Norte.”

Juarez

Então os Jacks estão chorando de barriga cheia, tem marinha do hemisfério sul que ai passar 90% do tempo com escoltas encostadas no pier.

Rawicz

Ótimo!!!! Se puder deixar mais as T23 se possível docadas seria até melhor…

Aguardando as na MB

Eduardo von Tongel

Pensei isso também, as T23 navegando menos devem ser vendidas em melhores condições do que se navegando bastante.

Pedrão

Editores, sou um mero curioso, já acompanho o site a um tempo, porém nunca me pronunciei. Agora, venho para que me esclareçam uma dúvida, consta na matéria que as type 45 navegaram mais de 1000 dias em 2012, eu gostaria de saber como isso é possível? Já que um ano possui 365 dias…Estão falando de uma outra medida de tempo? Uma medida usada na navegação? Ou há realmente um equívoco?

Abraços.

Adriano RA

A OTAN socializou a defesa da Europa, o que na prática significa que todos acham que tem direito à defesa mas ninguém mais quer pagar por ela.

Kemen

O dinheiro esta curto para todos, até na terra da rainha, e considerando o BREXIT, a tendencia é de terem que apertar mais o cinto. Mas se olharmos bem, tem muita coisa sobrando na Royal Navy, se pensarmos somente na defesa da Grã Bretanha, seu comercio maritimo, seus territorios e nas obrigações na OTAN.

Wagner Figueiredo

Pode mandar 2 tipo 45 e 6 tipo 23..pronto..até as Tamandaré estaremos bem… Hehehe

- Publicidade -

Reportagens especiais

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...
- Publicidade -
- Advertisement -