Home Indústria de Defesa US Navy testa projéteis de hipervelocidade em canhões de 5 polegadas

US Navy testa projéteis de hipervelocidade em canhões de 5 polegadas

6002
54
Canhão naval Mk45 de 5 polegadas
Canhão naval Mk45 de 5 polegadas

No verão passado, o USS Dewey (DDG-105) da Marinha dos EUA disparou 20 projéteis de hipervelocidade (HVP) de um canhão padrão Mk45 de 5 polegadas em um experimento discreto que acrescentaria nova utilidade à arma encontrada em quase todos os navios de guerra dos EUA, disseram oficiais ao USNI News.

O teste, conduzido pela Marinha e pelo Gabinete de Capacidades Estratégicas do Pentágono como parte do exercício internacional da Rimpac (2018), fazia parte de uma série de estudos para provar que a Marinha poderia transformar um canhão com mais de 40 anos de idade em uma arma eficaz e de baixo custo contra mísseis de cruzeiro e veículos aéreos não tripulados maiores.

Enquanto o HVP foi originalmente projetado para ser o projétil para o railgun eletromagnético, a Marinha e o Pentágono vêem o potencial para uma nova arma de defesa antimísseis que pode lançar um projétil guiado em velocidades quase hipersônicas.

Atualmente, a frota usa uma combinação de mísseis – como o Evolved Seasparrow Missile, o Rolling Airframe Missile e o Standard Missile 2 – para afastar ameaças de mísseis de cruzeiro. Os mísseis são eficazes, mas também caros, disse Bryan Clark do Centro de Avaliações Estratégicas e Orçamentárias ao USNI News na segunda-feira.

Em 2016, o destróier de mísseis guiados USS Mason (DDG-87) disparou três mísseis para afastar dois supostos mísseis de cruzeiro iranianos disparados de rebeldes Houthi no Mar Vermelho, um engajamento multimilionário.

USS Dewey (DDG-105)
Concepção artística do Hyper Velocity Projectile da BAE Systems

“Então, se você pensar sobre os tipos de ameaças que pode enfrentar no Oriente Médio, os mísseis de cruzeiro de baixo custo ou um UAV maior, agora você tem uma maneira de derrubá-los que não exige o uso de um ESSM de US$ 2 milhões ou um RAM de US$ 1 milhão porque um projétil de alta velocidade – mesmo nas estimativas mais altas, tem a faixa de US$ 75.000 a US$ 100.000, e isso é para a versão mais sofisticada dele com um buscador a bordo”, disse ele.

Um benefício adicional do uso de HVP em canhões de pólvora é a alta cadência de tiro da arma e uma grande capacidade de magazine.

“Você pode ganhar 15 projéteis por minuto para uma missão de defesa aérea, bem como uma missão de superfície-superfície”, disse Clark. “Isso adiciona capacidade significativa de defesa contra mísseis quando você pensa que cada um deles pode estar substituindo um míssil ESSM ou RAM. Eles são muito menos caros.

O HVP também está sendo investigado para usar com peças de artilharia de 155mm para o Exército e os Fuzileiros Navais para fornecer opções limitadas de defesa aérea para tropas avançadas em ambientes austeros. Os HVPs também poderiam encontrar uma casa a bordo dos destróieres da classe Zumwalt como uma munição de substituição para o 155mm Advanced Gun System.

Embora as autoridades confirmassem que o teste RIMPAC não foi secreto, tanto o Gabinete do Secretário de Defesa quanto o ONR (Office of Naval Research) não confirmaram o teste quando solicitado pelo USNI News. Uma porta-voz do OSD encaminhou a solicitação do USNI News para a Marinha.

“Eu não tenho nada para você”, disse um porta-voz do ONR ao USNI News na segunda-feira. A fabricante do HVP, BAE Systems, referiu o USNI News para a Marinha quando contatada.

Em 2016, William Roper, que então liderou o SCO (Strategic Capabilities Office), disse que a promessa do trabalho do HVP do ONR havia sido reconhecida pela Marinha e pelo Exército e mudou a maneira como o escritório do Pentágono pensava sobre a evolução do railgun.

“Agora achamos que podemos fazer coisas bem revolucionárias com canhões de pólvora existentes – pense em obuseiros, Paladins, canhões de cinco polegadas da Marinha. Nós mudamos a ênfase para isso”, disse Roper durante uma palestra de 2016 no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

“Temos [mais de] mil canhões de pólvora, temos pouquíssimos railgun.”

Uma gama de projéteis de hipervelocidade de diferentes sistemas de armas da BAE Systems

FONTE: USNI News

54
Deixe um comentário

avatar
18 Comment threads
36 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
27 Comment authors
Marcos10Mauricio R.SmokingSnake 🐍smichttTomcat4.0 Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
BENJAMIM MENDES JUNIOR
Visitante
BENJAMIM MENDES JUNIOR

A china alegando que colocou um railgun em num navio, mas que ninguém nunca viu disparando ai vem os EUA e descobrimos que eles já testaram munição hipersônica em canhões convencionais permitindo que qualquer DDG e peça de artilharia possa disparar tais projeteis. É como sempre digo “Os Estados Unidos não sabem brincar”

Andrigo
Visitante
Andrigo

Fora as tecnologias que não são de conhecimento público.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Liderança…

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

“Temos [mais de] mil canhões de pólvora, temos pouquíssimos railgun.”

“pouquíssimos” quer dizer mais que um???

A China não está liderando esse negócio??

Bispo
Visitante
Bispo

Railgun pode ser uma furada…e os EUA já perceberam… enorme gasto de energia…trajetória não balística … cadência de tiro sofrível… velocidade sem controle é somente velocidade….

Walter
Visitante
Walter

O que se vê é uma munição de uso comum, para os canhões convencionais de 5″ e os de 155mm, com calço destacável. E de uso comum nos railguns, também calçada (dentro das especificações de um railgun: calço magnético). Nos dois primeiros, a serem disparadas com o propelente químico convencional. E uma possibilidade de uso nos problemáticos canhões do DDG1000 (que é todo diferente dos demais, mas ganharia escala na munição/ponta). Mas continuam sendo munições propelidas quimicamente, daí porque não entendi que irão atingir a hipervelocidade dos railguns, ou seja, hipervelocidade, apenas se a munição comum estiver sendo disparada do… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Walter, A munição é denominada HVP (projétil de hipervelocidade) . Foi projetado inicialmente pensando no railgun que o lançaria a Mach 7, mas o conceito provou ser eficiente com toda uma gama de obuseiros e canhões (127 e 155 mm). Nesses canhões químicos realmente ele não chega a Mach 5 (não chega nem a Mach 4) mas o nome do projétil não foi mudado talvez porque o termo HPV não faça referência direta ao “som”. Ele é chamado de hiperveloz e não hipersônico. Quanto a ele ser uma munição de energia cinética, ainda não se sabe. Esses HPVs são apenas… Read more »

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Taí uma tecnologia que deveríamos tentar investir pois o custo por munição não é tão caro se comparar com mísseis, seria muito bom para uso tanto na Marinha quanto no Exército, inagino que poderia dar uma sobrevida aos blindados armados com canhões de 105mm.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Eu sabia quando cancelaram o programa do canhão que não ia deixar essa tecnologia de lado

jose
Visitante
jose

enquanto isso brasil sonhando com covetinhas,e os americanos e chinesses testando arma lazer e hipersônica,questão num futuro não muito distante o brasil vai ser de quem?não precisa ser vidente saber brasil vai ser expropriado por um desses diretamente,só resta saber se vai tomar eua,china,russia,mas que vai vai,não tenho duvida tartaruga chamada brasil não ta nem enchando da onde vem o tiro!quem foi q atirou?hein! enquanto isso acontece tem aproveitar a vida.

Bispo
Visitante
Bispo

Esse teste divulgado pela marinha EUA…Me parece mais …jogar pérolas aos porcos…
Tipo… ollhe pessoas do mundo não é somente a Rússia/China que estão na corrida hipersônica.
Primeira pergunta…esses projeteis hipersônicos disparados por canhões com mais de 4 décadas… contra misseis e drones… mudam de trajetória ??? …. misseis e drones o fazem, rs …. um pé de cabra a 7000km/h ..continua um pé de cabra e agora cega…rsrsrs
Até a baleia jubarte sabe …um dos grandes problemas de algo se movendo a velocidade hipersônica, é poder mudar trajetória…

Bosco
Visitante
Bosco

Bispo, Esse conceito é sabido e avaliado pela USN muito antes dos chineses anunciarem que estavam desenvolvendo um railgun. E claro que o projétil é guiado. Tanto contra alvos fixos em terra quanto contra alvos móveis e futuramente, aéreos. Esses projéteis deverão pesar mais de 20 kg. Tem muito espaço para colocar um sistema de guiagem aí. Só pra você ter ideia, cada “dardo” guiado do míssil Starstreak pesa 900 g, voa a Mach 4 e é guiado por laser. Os americanos estão desenvolvendo um míssil antiaéreo de 2,5 kg, com alcance de 4 km. Também desenvolvem uma granada guiada… Read more »

kevinbuenuu
Visitante

Se tiver sistema de guiagem, então é quase um míssil, me impressiona caber tanto sistema num projétil de um canhão de 5 polegadas.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Nos anos 40 os britânicos desenvolveram e os EUA colocaram detonadores por proximidade em projeteis do Bofors 40mm

Bosco
Visitante
Bosco

Victor,
Estão desenvolvendo um projétil guiado “ponto 50” para fuzil de precisão.

Bosco
Visitante
Bosco

Kevin,
Não há nada demais nisso. Um típico projétil de 127 mm pesa 25 kg e tem diâmetro de 127 mm. Só como exemplo, um Igla que o Exército Brasileiro tem pesa 11 kg e tem 72 mm.
O grande problema de projéteis guiados lançados por canhão era que o componente eletrônico tinha que resistir ao disparo, com forças g de milhares de g. Isso já foi resolvido há muito tempo.
Há inúmeros projéteis guiados lançados por canhão/obuseiro: Copperhead, Excalibur, Vulcano, Dart, etc.

smichtt
Visitante
smichtt

Como o problema dos altos g’s que a munição sofre ao ser disparada foi resolvido?

Bosco
Visitante
Bosco

Smichtt,
É dito que o projétil HVP sofre forças g de 20.000 a 45.000 gs.
Como fizeram, não faço a mínima ideia, só sei que funciona é já a um bom tempo. O primeiro projétil guiado (por laser) disparado por canhão foi o Copperhead na década de 80.

Marcos10
Visitante
Marcos10

Todos os componentes sao colocados deitados.

Bispo
Visitante
Bispo

Pelo que leio. Um projétil em velicidade hipersônica cria um plasma(ar ionizado incandescente) ao seu redor impossibilitando qualquer comunicação. Dizem que os Russos contornaram tal limitação dotando seu “planadores hipersônico”(Avangard) de AI o projétil já tem na memória toda a trajetória e contramedidas)… acho difícil, ineficaz e MUITO caro fazerem o mesmo com “bala de canhão”.
PS. falando no Avangard…teve seu último teste em 26/12/18 realizado com sucesso…velocidade atingida..Mach 27!!!

Bosco
Visitante
Bosco

Bispo,
Esse fenômeno da formação do plasma só ocorre em velocidades muito acima de Mach 10 e numa faixa específica da atmosfera. E ocorre em relação a espaçonaves que retornam à terra num ângulo específico e usam a atmosfera para “frearem”, durante milhares de quilômetros.
Há inúmeros mísseis que são hipersônicos hoje em dia e não experimentam a formação do plasma.
Exemplo de mísseis hipersônicos: PAC-3, 48N6, Iskander, etc.
Quanto a mísseis hipersônicos terem dificuldade de manobrar, não existe. As manobras, quando o alvo já tem determinado sua posição com antecedência, são facilmente implementadas.

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Uma duvida caro Bosco: um projetil HVP, conforme postado, custa da ordem de 5 a 10% de um missil (HVP x RAM/ESSM). Se guiado seu custo sera maior certamente. Ai que vem a duvida: e a equaçao custox eficiencia? Se um HVP “normal” tiver uma taxa de acerto de “apenas”50% de um RAM seu resultado final ja seria muito melhor! isso sem dizer que, admitindo poucos investimentos nos canhoes convencionais ja instalados, entendo que incrementara quantidadede lançadores RAM seria ainda maiscaro! Enfim, pareceser algo de interesse para o Brasil tambem!

Bosco
Visitante
Bosco

Rommelge, Mas esse custo é relativo ao projétil HVP guiado. Nos testes devem estar sendo disparados projéteis não guiados (provavelmente dotado de sistema de telemetria) mas não se admite lançar um projétil com 75 km de alcance que não seja guiado. Um projétil de 155 mm já tem um CEP de mais de 150 m a 30 km. Imagine um com 75 km de alcance, e ainda de pequenas dimensões. Eles simplesmente seria inútil. O mesmo se refere aos projéteis HVP defensivos. O que imagino é que para cada ameaça devem disparar dois ou três HVPs (a cadência do Mk-45… Read more »

rommelqe
Visitante
rommelqe

Caro Dom Bosco: entendi e concordo contigo. Um HVP n’ao for guiado seria inutil. Assim considerando ainda os custos da estacao de lancamento do missil e os custos do canhao, esta equacao fica ainda mais favoravel ao HVP. Resta saber se, de fato, sua eficiencia ‘e igual ou melhor do que a do missil! Mas se for metade, basta disparar quatro projeteis… Abracos

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

J testou o Railgun e o seu projetil. mas quem esta na frente é a China que colocou um Mockup em cima de um navio…

Sinceramente, oque realmente preocupa os Chineses e Russos se chama AN/SPY-6

Leandro M.
Visitante
Leandro M.

Isso é usar verba de forma inteligente!

Leandro M.
Visitante
Leandro M.

Isso é usar verba e desenvolver tecnologia de forma inteligente.

Renan Lima Rodrigues
Visitante
Renan Lima Rodrigues

Hoje em dia é mais fácil construir projéteis mais leves e com hyper velocidade… Porque na SGM benzadeus, os britânicos usaram um projétil de 929kg no canhão BL Mark 1 406mm/45, além daquelas armas já não terem sido um sucesso, o projétil abaixo de 1020 e 1225kg, causou dispersão excessiva. A intenção de fazer igual aos alemães e japoneses era boa, reduzir peso do projétil pra conseguir uma velocidade maior e melhor penetração, por fim foi inferior ao Nagato e Colorado em questão de precisão de poder de fogo.. Só não sei para qual a função hoje em dia, já… Read more »

Bispo
Visitante
Bispo

Velocidade não é o empecilho e sim a “balística”… quanto mais rápido um projétil maior a dificuldade de atingir o alvo…as leis da física cobram seu preço.

JPC3
Visitante
JPC3

Não seria o contrário?

Por exemplo: Um projétil de .38 mais lento tem muito menos alcance e menor precisão que um projétil de fuzil mais rápido.

Quanto mais rápido o projétil mais linear é a trajetória, por isso mais preciso ele é.

Bispo
Visitante
Bispo

Um alvo … a longas distâncias.. não será atingido por uma bala em trajetória “linear”… e sim balística… na hipervelocidade as leis da física são mais digamos perversas… 1-resistência do ar é proporcional ao quadrado da velocidade do projétil considerado. 2- Lei da Gravitação Universal(força gravitacional (Fg) que a Terra exerce sobre um projétil que se move nas imediações de sua superfície) 3- Densidade do ar(quanto mais distante da superfície terrestre, menor a resistência). 4- Pressão atmosférica. 5- Vento(O ar atmosférico não sendo um meio homogêneo, não atua uniformemente sobre o projétil). Adicione as Leis da Dinâmica… e temos muitas… Read more »

JPC3
Visitante
JPC3

Amigo, as munições mais rápidas são mais precisas. Basta comparar uma pistola com um rifle.

Bosco
Visitante
Bosco

Por isso o HVP é guiado. Para corrigir as variáveis.

Bosco
Visitante
Bosco

Vale salientar que nenhum projétil que não tenha superfícies de sustentação condizentes com a velocidade de deslocamento/pressão atmosférica, é capaz de voar. Todos já saem do cano sob ação da gravidade. Se tiver asas continua em trajetória linear por conta de estar “voando”, caso contrário sua trajetória irá decair até se chocar com o solo. Quanto mais veloz, mais o projétil continuará numa trajetória aparentemente mais “reta” . Por exemplo, se for disparado um tiro de pistola a 300 m/s a gravidade o fará “cair” 9 metros no primeiro segundo. Então, contra um hipotético alvo a 300 metros a arma… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

A caída dos projéteis hipotéticos que citei é menor tendo em vista que a aceleração da gravidade é de 9,8 m/s² (eu pra facilitar arredondei pra 9 m/s²) , mas essa velocidade de 9,8 m/s só é atingida após 1 segundo, portanto, após 1 segundo a “caída” é menor que 9,8 metros. Na verdade me 1 segundo a distância percorrida por um corpo em queda livre é de 4,9 metros e só então a velocidade do corpo estará a 9,8 m/s. Ou seja, incluindo essa variável os valores corrigidos seriam mais ou menos esses: Projétil a 300 m/s (pistola): caída… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Fazendo os cálculos para um hipotético HPV :
1-lançado por um railgun que possibilite velocidade de boca de 2300 m/s e teríamos: caída após 2300 metros = 4,8 metros
2- lançado por um canhão Mk-45/4 com velocidade de boca de 1200 m/s: caída após 1200 metros = 4,8 metros

Isso desprezando a possível sustentação fornecida pelas aletas e o arrasto.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Bosco e Bispo, obrigado por compartilharem tanto conhecimento. dignos de aplausos . Parabéns!!!

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

Maiores detalhes:

https://news.usni.org/2019/01/08/navy-quietly-fires-20-hyper-velocity-projectiles-destroyers-deckgun
https://nationalinterest.org/blog/buzz/mach-73-bullets-us-navy-tested-hypervelocity-cannon-round-41022
http://www.thedrive.com/the-war-zone/25860/u-s-navy-destroyer-fired-off-advanced-hyper-velocity-projectiles-during-2018-exercise

Railgun and HVP sao duas tecnologias diferentes para o mesmo resultado.
Por ser mais barata e por utilizar infra-estrutura existente a HVP deve agora se tornar
a mais procurada por todos. Vamos ver como a US Navy vai se proteger da propria arma que inventou ja’ que agora todos vao querer, e sendo barata ate’ mesmo marinhas de pequeno porte tem chances de consegui-la.

groo
Visitante
groo

Estranho ser tão mais barato. A parte mais cara de um míssil é o sistema de guiagem e a munição do canhão também tem um sistema de guiagem. Será que é o tipo de guiagem? Deve ser um tipo de guiagem por comando de dados.

Bosco
Visitante
Bosco

Informativo interessante: file:///C:/Users/joseb/Downloads/baes_ds_HVP_redesign_digital%20(1).pdf

groo
Visitante
groo

Sabe qual o tipo de guiagem? INS/GPS não é impossível mas fica esquisito contra alvos aéreos.

Bosco
Visitante
Bosco

Groo, Os primeiros projéteis devem ser contra alvos fixos em terra, que são os mais simples e sem seeker. Como você disse terão guiagem por INS/GPS. Os adequados para alvos móveis em terra deverão ter algum tipo de seeker (LSA, MMW, etc). Já os destinados à defesa antimíssil e contra balísticos deverão ser guiados por “comando” via radar AESA. Um HVP de 12 kg pode dispersar mais de 500 “subprojéteis” de tungstênio de 3 g, que devido à velocidade do projétil terá alto poder de destruição. Ele irá funcionar como um canhão Millenium gigante disparando munição AHEAD. O projétil AHEAD… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Antes que me esqueça: file:///C:/Users/joseb/Downloads/801047.pdf

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

Fake do Bosco, não está aparecendo nem o avatar e acho que o Bosco real não cometeria esse erro grosseiro de colocar um link com endereço de um local dentro do próprio PC.

Bosco
Visitante
Bosco

Rsrsss
Eu não consigo fazer meu avatar aparecer. Não tenho a senha.
Nem tinha visto que o endereço é do meu computador. Vou postar de novo. https://apps.dtic.mil/dtic/tr/fulltext/u2/1030345.pdf

Bosco
Visitante
Bosco

Quando aparece o avatar é porque eu digitei do “computer” do trabalho.
Sim… é difícil de acreditar, mas eu trabalho. rrssss

Marcio Cosentino
Visitante
Marcio Cosentino

Alguém saberia se os AGS dos Zulwalt terão algum futuro ou não ? O que USN está fazendo para resolver este pepino. Obrigado de antemão.

Dalton
Visitante
Dalton

Ainda não se sabe Marcio…seja como for…os 2 primeiros navios foram retirados da lista da chamada “Força de batalha” em julho último, para que mais testes e uma nova função primária seja estabelecida e o terceiro e último ainda precisa ser lançado ao mar..ao menos retornou-se a produção dos “Arleigh Burkes” que foi prejudicada e durante 4 anos nenhum foi comissionado. . Mesmo que seja encontrada uma munição alternativa, poderá levar ainda algum tempo para ser integrada e provavelmente o primeiro navio da classe partirá em sua missão inaugural com os paióis vazios para os canhões, que de qualquer forma… Read more »

edcarlosprudente
Visitante
edcarlosprudente

O nome disso poderia ser munição cinética guiada!? Interessante pensar em menor complexidade para canhões e obuses, aliados a munições guiadas de hipervelocidade. Seria o fim para a alma raiada nos canhões, já que esse recurso é adotado para obter maior precisão nos disparos?

Saudações!

Luiz Floriano Alves
Visitante

O railgun parece que não vai prosperar. Com os custos da munição é mais caro o projétil do que o valor do alvo. Isso não faz sentido, economicamente, a menos que signifique afastar uma ameaça a um alvo muito valioso.

edcarlosprudente
Visitante
edcarlosprudente

Certamente, afastar ou abater uma ameaça a alvos valiosos, então a capacidade antiaéreo e antimíssil é que se destaca.

Saudações

Harriman Nelson
Visitante
Harriman Nelson

A US Navy ainda nao abandonou o railgun.
Porque sera’ se o HVP e’ muito mais barato?

http://www.thedrive.com/the-war-zone/18489/despite-what-youve-heard-the-navy-isnt-ditching-its-railgun-and-budget-docs-prove-it

http://www.thedrive.com/the-war-zone/12716/watch-the-navys-electromagnetic-railguns-autoloader-feed-a-multi-shot-salvo

O que realmente e’ uma arma hipersonica?
De imediato vem a ideia de super velocidade.
Mas a energia cinetica depende tambem da massa do projetil.
Alguem sabe que estrago os tiros da HPV causaram?
Como e’ medida uma velocidade de Mach 7.3?

Uma arma hipersonica tambem pode ser pensada como uma
onde um projetil de massa menor e velocidade maior
tem o mesma energia destrutiva de um projetil maior
e velocidade menor. O HMS Hood que o diga.
Ate’ onde eu saiba ninguem nunca interceptou bala
de canhao a nao ser com couraca de navio.

Bosco
Visitante
Bosco

Acho que você se equivocou. O que corre riscos de não prosperar é a munição LRLAP de 155 mm que o AGS do DDG-1000 dispara.
O próprio AGS corre risco de não ir pra frente caso não desenvolvam munição apropriada para ele (lembremos que ele é um canhão e não um obuseiro).
A munição HVP, comum ao railgun, ao Mk-45 , ao AGS e aos obuseiros de 155 mm, deverá ser muito barata.

Mauricio R.
Visitante

OFF…

Um teste de outra natureza:

“The Indian Navy announced it has successfully tested the Sahayak air-droppable containers, deploying them from IL-38 aircraft off Goa in the Arabian Sea on January 8, 2019.”

(https://navaltoday.com/2019/01/11/indian-navy-tests-air-droppable-logistics-containers/)