Home Marinhas de Guerra Armada do Chile interessada nas fragatas classe ‘Adelaide’

Armada do Chile interessada nas fragatas classe ‘Adelaide’

9965
118

A Marinha Chilena está fortemente interessada nas fragatas da Royal Australian Navy (RAN)

A informação vem do site Defensa.com. As fragatas (versão australiana das “Oliver Hazard Perry”- OHP) têm estado em evidência ultimamente, devido ao interesse demonstrado pelas Marinhas polonesa e helênica, e supostamente outras também. A Grécia mostrou recentemente interesse em adquirir as duas ou três fragatas da RAN, a fim de preencher a lacuna nas capacidades de defesa aérea de área para sua frota. Segundo declarações do ministro grego da Defesa, as duas fragatas custariam 180 milhões de euros, sem as armas.

Parece que o custo de adquirir novos mísseis Raytheon SM-2 e outras armas para os navios é um fator de consideração para a Marinha Helênica, que não anunciou mais nenhuma medida. Entende-se que a potencial aquisição das fragatas está relacionada a decisões em outros programas da Hellenic Navy, como a atualização das quatro fragatas MEKO 200HN e a decisão sobre a aquisição e construção de uma nova classe de navios. Este último provavelmente seria introduzido em serviço por volta de 2022-2023.

Por outro lado, a Armada do Chile, que parece fortemente interessada nas fragatas, enviará uma equipe de oficiais para a Austrália nos próximos um ou dois meses, para inspecionar as unidades antes que a Marinha tome uma decisão final.

O Chile também demonstrou interesse nas fragatas “M” da Marinha Real Holandesa, mas agora parece que as australianas oferecem uma alternativa séria para melhorar as capacidades de combate da Marinha. Além disso, o chefe do almirante da Marinha Holandesa, Rob Kramer, disse recentemente em sua conta no Twitter: “Há interesse do Chile, mas estamos no início do processo de negociação da Organização de Equipamentos de Defesa (DMO) com os chilenos”.

As fragatas da classe “Adelaide” oferecem a oportunidade para a Armada do Chile implementar seu plano de retirar suas duas fragatas de classe “Lattore” (ex-Marinha Real da Holanda), que usam os mísseis SM-1MR Standard.

Fragata australiana classe Adelaide disparando míssil antiaéreo Standard SM-2
Sistemas da fragata classe Adelaide

118
Deixe um comentário

avatar
29 Comment threads
89 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
54 Comment authors
Navio oxidadoSamukasergio ribamar ferreiraSampaioPeter nine nine Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcos
Visitante
Marcos

Do mesmo diretor de: Quando o Chile recebe 24 M109A5 do EDA é compra mas quando o Brasil recebe é doação

Agora temos

O Chile pode operar navios com propulsão COGAG mas o Brasil não.

Qual o próximo filme?

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

O Chile atira para todos os lados …

Glasquis7
Visitante

E acerta na maioria dos tiros.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

comprar navios velhos e acertar ???

Entao que fiquem a vontade e façam seu cobertor de sobras

Glasquis7
Visitante

Os navios velhos do Chile são atualmente, a mais poderosa, moderna e capaz força de combate da América Latina. Esse é o cobertor de sobras ao qual vc se refere.

Glasquis7
Visitante

O cobertor da ARCh é o mais moderno e capaz da região. Feito com essas velharias que são, na sua maioria, mais novas e modernos que os médios da MB.

Samuka
Visitante
Samuka

Realmente amigo, isso já ha mais de uma década… o planejamento da arch tem se mostrado acertado..

Navio oxidado
Visitante
Navio oxidado

Concordo com vc Paulo Costa, comprar porcaria velha de 1992/93 não faz sentido, deixa para o chile que é acostumado a comprar velharias.

Glasquis7
Visitante

E na maioria das vezes acerta!.

Sampaio
Visitante
Sampaio

Eu já estou começando a entender que ser grande, não quer dizer nada.
É melhor ele dormir em berço esplendido!

Artur Castro
Visitante
Artur Castro

Pode levar.

MB tem que pensar grande, pensar adianta. Chega de reforço de remendo. Uma coisa é você fazer compras de oportunidades que seria inviáveis de fazer aqui, como o Atlântico ou futuramente o Wave. Mas… escolta básica?

É muito mais negócio escolher no projeto das CCT uma das duas de 3.200t e já mandar um segundo lote. Aliaria construção nacional, transferência de tecnologia, VASO DE GUERRA NOVO e com os mais modernos sistemas.

PauloSollo
Visitante

Concordo. Taiwan gastou US$ 190 milhões para rearmar cada uma das OHP que comprou, mas com armamentos e sistemas bem modernos como lançador de mísseis Mk 13 e Phalanx CIWS. Os chilenos devem gastar bem menos que os taiwaneses para rearmá-las instalando sistemas mais modestos para usá-las por 10 ou 15 anos. Chega de velharias meia boca na nossa Marinha.

737-800RJ
Visitante
737-800RJ

Totalmente de acordo! Muito mais vantajoso 8 belonaves de 3.200 toneladas novinhas! Por isso torço pela Meko A100. Estaremos bem servidos e tranquilos em relação aos descomissionamentos das Niteróis e teremos tempo pra pensar e nos prepararmos para futuras aquisições de fragatas daqui a alguns anos… Se elas demorarem pra vir, pelo menos teremos corvetas de maior porte pra irem fazendo o trabalho. Minha humilde opinião.

eudes
Visitante

Lembrando sempre q essas corvetas seriam “fragatas leves”.

Marco Antônio
Visitante
Marco Antônio

Será que sou o único torcendo pela Gowind? kkkk

Bruno
Visitante
Bruno

Então somos dois

Arnaldo Rocha
Visitante
Arnaldo Rocha

Minha torcida original é pela Gowind 3000, mas acredito que dará Fincantieri.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Concordo,
Na minha opinião, e preferível adiantar o descomissionamento de todas as fragatas e parar de gastar recursos com elas, e usar esses recursos em outras prioridades investindo nas corvetas tamandaré e em novos NPO classe amazonas.
O Brasil nao pode querer comprar navios com 30 anos e achar que e a solução se for pra gastar dinheiro com coisa velha que pelo menos gaste com as nossas type 22 ou FCN com um modfrag em algumas fragatas.

Glasquis7
Visitante

O problema está no que Eudes posto, “seriam”. Sempre seriam, estão trocando capacidade de disuação por posibilidades e nada mais do que isso.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

” estão trocando capacidade de disuação por posibilidades e nada mais do que isso”

Explica pra gente essa sua teoria …

Aproveita e corrige as palavras dissuasão e possibilidades porque é feio esses erros de Português.

Glasquis7
Visitante

Meu português não muito bom por que escrevo do celular e não sou nativo do idioma mas até eu sei que escrever “…é feio esses erros…” é muito mais feio pois o correto é “são feios esses erros”. Plural com plural. Mas vamos lá, desde antes de 2013 que o Brasil vem licitando essas corvetas mas até hoje, 6 anos depois não deu em nada ainda. Anos apostando no VLT e deu no que deu. O Arpia foi pior ainda e pra que falar do FX que se iniciou em 1990 e caducou sem ter uma definição e teve que… Read more »

LASuzano
Visitante

Concordo, Paulo Costa. A propósito, “…porque é feio esses erros de português “, vamos corrigir a concordância? “São feios esses erros…”

Glasquis7
Visitante

“porque é feio esses erros de Português.”
O correto seria “porque SÃO FEIOS esses erros de Português”

Eu erro por que não sou nativo do português e meu ordenador não está configurado; Qual é a sua desculpa?

Navio oxidado
Visitante
Navio oxidado

Pelo raciocínio do comentarista acima os novos Scorpenes, os novos CLANFS, o Bahia, o Atlântico, os Sea Hawk, os Caracais, a modernização dos Super Lynx e agora a finalização das Tamandarés não significam NADA. Parece que para ele 8 fragatas velhas, das quais 3 estão abrindo o bico(2 classe L e a tipe 22), é que são “capacidade de dissuasão”.

Glasquis7
Visitante

Curioso seu comentário pois essas 2 L Class e a Type 22 que estão aabrido o bico são mais modernas e capazes do que qualquer fragata da MB na atualidade. Mas vamos às contas, já que está nisso: O Chile tem preocupação de manter a sua capacidade de dissuasão (que na atualidade é maior que as dos seus 3 vizinhos juntos) prevendo a troca de seus 3 navios que estarão entrando em período de exclusão na próxima década. Ou seja, com bastante antecedencia está se preparando para não perder a sua qualidade maritima. Além disso, está ampliando as capacidads defensivas… Read more »

Glasquis7
Visitante

Um detalhe, o Bahiaa e o Atlantico não são, atualmente, combatentes de superfície. Mas mesmo assim, representam compras de oportunidade. O que reafirma minha posição.

Colocar as tamancares como super trunfo, pra mim é arrotar peru sem nes mesmo ter comido frango pois até onde sei, estas nem mesmo saíram do papel e se for por o que está no papel então pode acrescentar na lista da RCh mais 3 corvetas de construção local, 2 Hallifax e mi 2 P3 Orion.

sampaio
Visitante
sampaio

Enquanto a MB esta decidindo e vocês opinando, quero dizer que pesqueiros chineses já pegaram alguns atuns em zonas brasileiras e foram embora.

Navio oxidado
Visitante
Navio oxidado

É exatamente o que eu penso, estamos a menos de 1 mês da escolha de novas fragatas, que terão desenho modular, perfil stealth, motorização elétrica e os armamentos que nossa Marinha queira. Por quê então comprar porcaria velha que só vai navegar 10/15 anos? deixa para o chile.

Glasquis7
Visitante

” estamos a menos de 1 mês da escolha de novas fragatas, que terão desenho modular, perfil stealth, motorização elétrica e os armamentos que nossa Marinha queira.”

Cara o Brasil não tem grana nem pra manter seus submarinos operacionais
Vai inventar outra que esta está muito forçada.

https://www.naval.com.br/blog/2019/02/28/exclusivo-mb-quer-remotorizar-submarinos-classe-tupi-para-permitir-travessia-da-decada-de-2020/

Marcos Rêgo
Visitante
Marcos Rêgo

Os “home” estão comprando tudo.

Logística para três classes distintas.

True Seaman
Visitante

Castelo de proa sem balaustrada? Isso mesmo?

Fernando XO
Visitante
Fernando XO

Seaman, a balaustrada deve ter sido retirada em função do lançamento do míssil… a bordo da saudosa V33, quando lançamos um MM40 em 2000, fizemos o mesmo… também existem fotos de Type 22 sem balaustrada no convés do SeaWolf durante o conflito das Falklands… abraço…

Maus
Visitante
Maus

“É bom pro Brasil?”

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Na minha opinião compras de oportunidades só são validas quando agregam ganho real e significativo para as FFAA como aconteceu no caso do NDM e do PHM porque estavam na meia vida e acrescentariam capacidade anfíbia e aérea a força
Mas no caso das fragatas adelaides nao acrescenta nada e como separar de uma mulher de 60 anos e casar com uma de 50 anos, não muda quase nada.

Maus
Visitante
Maus

Você está correto, mas eu fui irônico. E não se escreve FFAA, é só FA.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Obrigado pela correção,
Mas é que tenho por costume abreviar Forças Armadas com a sigla FFAA em meus comentários .

Bartolomeu
Visitante
Bartolomeu

E está correto, segundo as normas da ABNT

Ricardo Ramos
Visitante
Ricardo Ramos

Prezado Bartolomeu, no Brasil isso (dobrar as letras) está incorreto. Caso tenha duvidas, peço consultar o Manual de Abreviaturas, Símbolos e Convenções Cartográficas das Forças Armadas (FA), disponível na Biblioteca do Exército, na página bdex.eb.mil.br/jspui/handle/123456789/139

Navio oxidado
Visitante
Navio oxidado

Certíssimo Paulo, essas fragatas com quase 30 anos só serviriam para tirar recursos de navios novos da classe Tamandaré, se o problema é ter SM2, então que se compre e se coloque nas Tamandarés, ou então Sea Ceptor ER ou mesmo Aster 30. O que não pode é comprar porcaria velha, com uma logística totalmente diferente, simplesmente por uma ou outra arma que venha instalada, se vier é claro, pois vai depender do preço. Sinceramente, uma Sigma novinha ou qualquer outra da short list das Tamandarés é muito melhor!

Maus
Visitante
Maus

Enquanto as tamandarés estiverem em construção já deve ser fechado um segundo lote assim como está sendo com os gripens e tem que ser com os scorpene.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Amém

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Acredito que no caso dos Gripens e dos Scorpenes é possível que a FAB e a MB tomem esse caminho;
Mas no caso das corvetas tamandaré talvez apos a construção das 4 corvetas e a modernização da barroso, a Marinha opte por querer construir logo 05 fragatas com base no desenho das tamandaré.

Roberto
Visitante
Roberto

bom…. daqui a pouco o grande império do Chile ira comprar as super fragatas classe Niteroi… o Chile come quieto enquanto o brasil dorme em berço esplendido com a vista da cidade do Rio.

Top Gan Sea
Visitante
Top Gan Sea

Essas OHPs valem a pena serem adquiridas com o todo armamento. Mas o atual comandante não gosta de compras de oportunidades. Mas se o Chile compra las poderia nos emprestar por um semestre para a unifil.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Ao contrario, o Brasil deveria é entregar a liderança da força tarefa marítima da UNIFIL porque nao faz mais sentido participar dessa missão e nao vejo ganho nenhum para a MB nessas missões no exterior.

Elton
Visitante
Elton

Deixa os marinheiros serem felizes com as diárias da ONU.rsrsrs

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Elton kkkk

Eu admito que e uma aprendizagem e uma experiencia na pratica.

João Carlos
Visitante
João Carlos

Isso dá em nada… Seria um retrocesso… Isto serve apenas para finalizar só mercado que estão abertos a propostas… Só isso.

João Carlos
Visitante
João Carlos

… sinalizar… Hoo maldito con ortográfico

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Que faça bom proveito! Não precisamos delas.

Paulotd
Visitante
Paulotd

Essas OHP são bem mais novas. Dependendo do preço não é uma má compra, favor não comparar com OHP americana, pois essa é bem mais moderna e inteira. Mas a Austrália não venderá barato.

Vovozao
Visitante
Vovozao

21/02/19 – quinta-feira, bnoite: Paulotd, o preço não é para qualquer marinha comprar. Em outro site a pouco tempo li que os Poloneses haviam desistido da preferência de compra devido achar caro o preço pedido pelos australianos.

Thulio manhaes
Visitante
Thulio manhaes

As OHP não nos servem!!!…oq nos serve são 1 dúzia d escolhas velhas, sucateadas e defasadas, incapazes sequer de cobrir o território nacional.

Giovane
Visitante
Giovane

Substituir velharia com uma velharia recalchutada de nada adianta, esse dinheiro é melhor investido nas Tamandaré,

Giovane
Visitante
Giovane

Ainda mais velharia sem armamento algum

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Da para ter uma ideia de custos. 180 mi de euros = 203 mi de dólares. Praticamente U$ 101,5 mi por navio.

Sem as armas significa sem os mísseis ou inclui canhões?
Imaginando os mísseis…

8 Harpoon cerca de U$ 25 mi
32 SM-2 mr cerca de U$ 58 mi
32 ESSM cerca de U$ 26 mi
Total = 108 mi + 101 = 209 mi cada navio armado.

É caro para um navio usado, mas é bem mais moderno e poderoso que uma OHP americana.

Pedro Cardim
Visitante
Pedro Cardim

Essa coisa de navio velho é ilusão, em alguns casos, e esse me parece um deles, é só para dizer que tem.
Chile está embarcando em furada.

Luiz Floriano Alves
Visitante

O Chile mostra que tem preocupação na manutenção do poder naval. A presença da bandeira do Chile é muito poderosa nos mares do Sul. Quem planeja tendo em mente seus inimigos potenciais sabe que tempo é dinheiro. Não se pode programar esquadra para daqui 10 anos. Quem faz isso é porque não necessita ou não pode ter navio nenhum.

Glasquis7
Visitante

inda bem que tem quem entendda a situação da ARCh.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Ao contrario do que voce diz, o planejamento é muito necessário, e quem nao planeja age como o chile comprando resto de um e outro …
A Marinha do Brasil ja planejava a substituição da frota de esquadra ha 15 anos, mas nao contava com a rápida deterioração das inhaumas e nem com os sucessivos cortes de gastos.
Nao existe no mundo uma marinha poderosa ou eficiente que nao tenha no plano de fundo um governo comprometido em fornecer recursos contínuos para sua manutenção e operação.

Glasquis7
Visitante

Paulo, ARCh é a marinha melhor equipada, mais moderna, com maior comunalidade e treinamento da região. Isso então é fruto do improviso?
Lembrando que o Chile tem. Orçamento inferior ao 10% do orçamento militar brasileiro, com uma população equivalente ao 8% da do Brasil, com uma área de atuação quase que o dobro da do Brasil e com ameaças reais e constantes.

Glasquis7
Visitante

A ARCh é na atualidade uma das mais modernas capazes e melhor equipadas da região.
Então devo entender que isso é “Improviso”?

Glasquis7
Visitante

“A Marinha do Brasil ja planejava a substituição da frota de esquadra ha 15 anos”
E hoje, depois desses 15 anos de planejamento, está pior, com sua frota reduzida e “cantando vitória” com Corvetas que ainda nem saíram do papel… Isso sim que é planejamento e dos bons.

Navio oxidado
Visitante
Navio oxidado

Paulo, os chilenos pensam que planejamento é comprar 8 fragatas de segunda mão e depois dizerem que são os melhores da região. Melhor em que? A marinha chilena tem uma capacidade aérea muito limitada, se pensarmos que o domínio aéreo ganha uma guerra, podemos dizer que em poder aéreo em alto mar nenhum País da região supera a Marinha do Brasil! Se falarmos de capacidade de desembarque anfíbio, novamente a superioridade da Marinha do Brasil é absurda, quando comparado com nossos vizinhos. Nossa força de submarinos que já é a maior e a mais nova da região, em 3/4 anos… Read more »

Glasquis7
Visitante

A Marinha Chilena tem seus 4 P3 Orion com capacidade de combate e AGM-84 Harpoon pendurados nas suas asas assim como tem seus 3 CASA C-295 Persuader ASW e com capacidade de portar misseis anti navio. A MB tem algo superior a isso?

Amigo leia a matéria:
https://www.naval.com.br/blog/2019/02/28/exclusivo-mb-quer-remotorizar-submarinos-classe-tupi-para-permitir-travessia-da-decada-de-2020/

E depois falamos de planejamento pois ao parecer a sua marinha planejou ficar sem subs operacionais por algum tempo.

Glasquis7
Visitante

“Nossa força de submarinos que já é a maior e a mais nova da região, em 3/4 anos terá 9 submarinos !!!”

Vai nessa.

Glasquis7
Visitante

É o sujo falando do mal lavado. A MB terá seus médios ainda mais defasados do que a ARCh.
Cara, o único que a MB tem a mais que a RCh é o Atlantico, uma compra de oportunidade sensacional mas no restante, está atrás.

colombelli
Visitante
colombelli

Luis é bem verdade que o harpoon comprado pela MB para lançamento aéreo, mas 12 misseis e mais 04 de treino saiu 168 milhões de dolares, ou seja, esta conta ai pode aumentar pelo menos umas 04 vezes, por baixo

Nilson
Visitante
Nilson

Só esclarecendo, o harpoon foi comprado pela FAB. Não vi notícia ainda de que os mísseis tenham sido entregues, só me lembro de notícia sobre os mísseis de treinamento. Alguém tem notícia atualizada??

Glasquis7
Visitante

Só uma pergunta, por que deveriam ser entregues sem as armas?

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Glas quis, o preço apresentado pelos cascos sem armas não sugere que os mesmos sejam entregues desarmados, é apenas o orçamento para os navios sem contar com os respectivos armamentos.

Glasquis7
Visitante

Então vc presume que virão sem armas, mas já li que viriam armadas.

Mauro
Visitante
Mauro

Chile seguindo forte no mercado de sucatas…a logística deles deve ser um pandemônio, acho que mexeram na lei do cobre.

Glasquis7
Visitante

Na atualidade, qual força tem capa idade de fazer frente à ARCh?

logan
Visitante
logan

O Chile está garantindo apenas um número mínimo de 8 fragatas. Ele perguntou à Holanda e à Austrália e provavelmente pedirá ao Canadá pelo Halifax.
Sua prioridade é de pelo menos 2 T23, ou, no pior dos casos, um par de M para manter um número reduzido de logística.

Vagner
Visitante
Vagner

Uma pena,, seria um belo reforço para nossa frota até a chegada das CCT, espero que esse desinteresse da MB por equipamentos usados seja pra que de fato nossa frota seja toda renovada por equipamentos novos.

Davi
Visitante
Davi

Se acontecer um milagre em 15 anos teremos Tamandarés e Fragatas novas.
Prestem atenção na palavra MILAGRE acima!

Kemen
Visitante
Kemen

Me parece que o Chile destina os impostos da venda de cobre para a sua Marinha, não tem faltado dinheiro apesar de ter gerado ultimamente muita discussão no seu meio politico. A marinha do Chile por tradição é grande compradora de navios descartados de outras marinhas e gastar dinheiro para moderniza-los em alguns casos, pais relativamente pequeno com pouca população e grande litoral, tem de se virar para se manter armado, na minha opinião não é o nosso caso, o nosso tamanho, população e PIB justifica navios de combate novos que naveguem por 30 anos ou mais.

Davi
Visitante
Davi

Em um mundo perfeito concordo plenamente com seu pensamento para com o Brasil.
É tipo Expectativa vs Realidade

Bardini
Visitante
Bardini

Melhor que Type-23…

f.alves
Visitante
f.alves

Acho eu, que temos que sofre agora e partir para aquisição de navios novos, quem passou pela Mb saber das dificuldades de manter navios sucateados e sanar avarias no mar. É preciso ,o nosso Almirantado tomar decisões de enxugar a nossa Esquadra e demais Forças e partir para um Marinha Modena com menos navios mais com poder de fogo e raio de ação eficiente. chegar de navio sucateados.

Silvano
Visitante
Silvano

O Chile deve aproveitar tudo o que aparece pela frente, já que seus recursos são poucos e escassos, por isso eles compram de tudo, incluindo esses navios com mais de 30 anos de uso e desarmados, eles estão certíssimos.
Pelo menos a bandeira deles está lá, num navio velho e armado com um canhão de 76 mm, mas está.
Parabéns.

Paulotd
Visitante
Paulotd

Navio velho? Essa OHP Australiana é mais moderna que qualquer meio sul-americano, incluse as type-23 do Chile.. Essa tem Essm, Ciws phalanx, sonar sqs-56 e Harpon block II. Na minha opinião bate inclusive as Type-23 britânicas modernizadas e ganharia de uma sigma 10514 moderna em vários pontos.

Jeff
Visitante
Jeff

Mas virá desarmada…

Glasquis7
Visitante

“Mas virá desarmada…”
Como assim???

sergio ribamar ferreira
Visitante

Será que virá desarmada? E o que nós temos atualmente? Concordo na CCT, porém o agora, como fica? ficaremos mais quanto tempo esperando ”deitado em berço esplendido”. Com o devido respeito pois gosto e aprecio seus comentários e devidas intromissões . Grande abraço.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

A grande diferença de capacidades desta Fragata é basicamente os mísseis antiaéreos de Longo alcance, SM-2.

Nas nossas corvetas ou Fragatas Leves da classe Tamandare não teremos essa capacidade.
Uma forma de acabar com este gap, seria adquirir o míssil Barak-er dos israelenses, que deve custar Pouca coisa mais que um Sea Ceptor e tem um alcance semelhante ao SM-2 MR e ao Aster-30.

Rudi
Visitante
Rudi

O maior problema para a MB seria falta de tripulantes para estas embarcações….

Cícero Beserra
Visitante

O martelo não foi batido em favor do Sea Ceptor, isto foi uma sugestão do CPN junto ao primeiro desenho CV3, da Classe Tamandaré antes do inicio da licitação. Hoje os fabricantes devem ter ofertado um sem números de opções de como melhor armar estes navios, tanto de maneira mais econômica, como também com armas até nos dentes, com investimento levemente maior. Quando ainda existiam os supostos vazamentos das ofertas, a Damen/SAAB justamente ofertava o navio com armas israelenses e o CIWS Millenium. Cabe saber o quanto daqueles supostos vazamentos eram verdade ou especulações.

Att

Bezerra(FN)

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Tomara. Foi divulgado por pessoas próximas ao processo sobre ESSM, Sea Ceptor e um outro não identificado.
Pode ser o vl-mica, mas espero que seja o Barak 8 ou o Barak-er

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Eu sou a favor de MB até o meio do ano se decidir para aposentar nossas velharias, quero que a MB tenha algo novo, e pense em mais 4 nos próximos anos.

pgusmao
Visitante
pgusmao

Forças Armadas preparadas é um necessidade, nunca sabemos o dia que vamos ter de usá-las, o cenário é a Venezuela ativando mísseis s-300 na nossa fronteira, chegando a prejudicar os vôos na região, mas nós não temos nesse momento pouca capacidade de alocar tropas no local, força aérea em frangalhos, marinha idem e exército todo concentrado na região centro-sul.

richard
Visitante
richard

Esa informacion es totalmente erronea.Chile su 1era opcion es mas Tipo 23 para reemplazar Tipo 22 y L.Si no resultara el PLAN B serian 2 M.En el pasado decada del 2000 ,EEUU ofrecio a Chile 2 OHP,luego de una evalucion fueron rechazadas.

Roberto
Visitante
Roberto

só podem estar de brincadeira alguns… querendo que o Brasil compre essa lata velha enferrujada…… ohhhh god

Glasquis7
Visitante

Lendo alguns comentários, realmente acho engraçado o pensamento do Brasileiro médio. A MB não tem navios modernos operando salvo o Atlântico e o Ceará que foram compras de oportunidade e ficam “arrotando peru” com umas corvetas que nem saíram do papel ainda. O Chile tem um orçamento militar limitado e é um país pobre em recursos naturais se comparado aos seus vizinhos Argentina, Bolívia e Peru. Nos últimos 45 anos teve A sua integridade territorial ameaçada diversas vezes sendo as mais importantes 1975 Peru e Bolívia se aliando para reclamar territórios perdidos quase 100 anos antes, avançando tropas e dando… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Na verdade o “Ceará” já era…depois de muitos anos passando por um PMG
onde ao menos no início a expectativa era muito boa conforme uma revista da época que tenho, ele foi oficialmente retirado de serviço em 2016, tendo ficado à deriva no ano anterior no início de sua missão inaugural pós manutenção cujo destino seria o Haiti.
.
Presumo que você quis escrever “Bahia” que é o irmão mais novo do chileno
“Sargento Aldea”.

Glasquis7
Visitante

“Presumo que você quis escrever “Bahia””
Como sempre, o senhor presumiu certo.

Paulotd
Visitante
Paulotd

Será que o Chile com tantos meios diferentes consegue mantê-los com disponibilidade operacional boa ? Imagina o custo disso. MB sofria pra manter as duas F46 operacionais.

Nilson
Visitante
Nilson

O estaleiro ASMAR, que faz a manutenção para a Armada de Chile, é estatal, especializado e muito atuante: https://www.asmar.cl/. Está anos à frente do nosso AMRJ, infelizmente.

Bardini
Visitante
Bardini

O Chile com o ASMAR, não vai rasgar dinheiro bancando capacitação de estaleiro privado, assim como os Colombianos com o COTCMAR e os Peruanos com o SIMA.
.
Todos estes países focam no Estaleiro que pode prover diversas necessidades de suas Marinhas. Focam no todo… Nós como somos podres de ricos, é outros 500.

Mercenário
Visitante
Mercenário

Boa colocação, Bardini.

Nós gostamos muito é de negociatas com empresas estrangeiras, vide notícias amplamente divulgadas na mídia (portanto, fato público) envolvendo o prosub.

Esteves
Visitante
Esteves

Penso que o Glasquis deu uma aula boa e rápida de porque o Chile faz o que faz de forma rápida e efetiva. Também penso que o fato do orçamento ser maior ou menor não limita o que se faz. Precisa fazer. Aqui no buraco city cada vereador recebe 300 litros de combustível por mês. Há dezenas de outros e em outras funções que também são servidos e se servem da Câmara. Ainda há os funcionários da Prefeitura. Recentemente a Prefeitura foi buscar empréstimo. O orçamento anual de quase 4 bilhões não cobre a despesa. Não vou fazer contas multiplicando… Read more »

Paulotd
Visitante
Paulotd

Eu já acho que ele exagera. A única ameaça real que eles tem hoje é o Peru, que tem hoje um governo pacífico de centro-direita. A Bolívia é piada como ameaça, e a Argentina um dia foi uma força de respeito e uma ameaça, mas hoje é uma piada também. Chiles não precisa de tantos meios caros de manter para enfrentar a Marinha sucateada da Argentina e a Bolivia que nem acesso a mar tem.

Esteves
Visitante
Esteves

Verdade. Ou, é isso sim. Mas eles fazem. Do jeito deles e, mesmo que digamos que não precisa tanto, fazem. Criticas e críticos que lá como aqui gostariam de mais e melhor deve haver às pencas.

Glasquis7
Visitante

O problema Paulotd, está na possibilidade já comprovada de os três países se unir numa guerra contra o Chile. Aconteceu no passado e não seria de descartar acontecer novamente.

Glasquis7
Visitante

Paulotd, Os fatos estão aí para serem analisados.

A história no pode ser esquecida. O Império Otomano desfrutou de paz durante 2000 anos até que quando precisou da sua defesa ela estava tão negligenciada que simplesmente roeu.

https://www.youtube.com/watch?v=svZ8MPG6mSI

https://www.diariocritico.com/noticia/3281/noticias/peru-y-chile-estuvieron-a-punto-de-ir-a-una-guerra-en-los-70.html

Tensión pre bélica Perú-Chile 1974-1975
https://www.militar.org.ua/foro/tension-pre-belica-peru-chile-1974-1975-t37636.html

Chile y Perú concentran tropas y armamento en su frontera
https://elpais.com/diario/1977/01/05/internacional/221266809_850215.html

sergio ribamar ferreira
Visitante

Ficamos no caminho pois a grande massa quer apenas CFC ou CFS resumindo: carnaval, futebol e cerveja e carnaval futebol e sacanagem, não dando a mínima com o que acontece no mundo e isto se depender 365 dias. Nós comentaristas, de modo geral, somos uma minoria. Discordamos ou não em muitas postagens mas pensamos no que seria melhor para as FFAA e o país como um todo pois nosso dinheiro arrecadado serve para isso, não ter nada. Desculpe e um grande abraço. concordo em tudo com seu comentário.

Pedro Cardim
Visitante
Pedro Cardim

O fato de ter mais de 30 anos não quer dizer que não preste, né gente?
Me parece o novo padrão do MD chileno, com recursos escassos, ficam a espreita de qualquer coisa que apareça no mercado mundial, não importa a idade, 30 anos de média no mínimo. Mas eles não ligam para isso.
Eles devem ser muito bons de logística, em termos de Marinha, são a Índia da aviação.
Eu gosto desse modelo de reequipamento adotado pelo Chile. Apareceu, vai lá e compra. É o correto.
Pode ser velho e tal, mas é barato e vem bem armado com bons canhões potentes.

Glasquis7
Visitante

O Chile mantem aa sua frota operativa graças aos esforços de ASMAR, um estaleiro estatal controlado pelos militares e que se dedica a atender principalmente à Armada do Chile. A logística chilena tem se mostrado boa já que conta com um alto indice operacional na sua frota.
Lembremos também que na atualidade, na região, não existem Fragatas mais novas, nem mais capazes ou mais poderosas do que estas. Nem mesmo as Type 23 do Chile.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Quando trabalhei no porto de Rio Grande no setor de manutenção ficava de boca aberta com os reparos solicitados por navios da MB. Sempre os atendemos com a maior boa vontade e um certo orgulho por serviço tão importante para a Nação. O espanto decorria da diversidade dos equipamentos e falta de sobressalentes. Vimos marcas G.M. e Fairbanks (submarinos) além de outros em menor numero como Caterpikkar e Cummins. Tinhamos que recuperar ou fabricar peças a partir das peças usadas. Agora ao ver comentarem que os navios da MB estão sucateados e temos que padronizar os tipos fico pensando: será… Read more »

Mauro
Visitante
Mauro

Floriano, logística militar é diferente de logística civil. Um equipamento civil pode esperar, um equipamento militar não, a guerra não para, não tem hora de começar ou acabar. Não são coisas comparáveis. Quando mais padronizado melhor. A Índia pratica algo que parece insano, com equipamentos militares de diversas origens, pagam as consequência em acidentes, alguns fatais, mas por outro lado, garantem que a partir de vários fornecedores, possam sempre ter um suprimento de equipamentos assegurado. Argentina de forma heroica lutou e perdeu a guerra das Malvinas em parte por causa da logística, é claro que ainda enfrentaram contra tempos sérios… Read more »

Luiz Floriano Alves
Visitante

Mauro Realmente a situação ideal é a padronização. No Vietnam os americanos tinham diversos tipos aviões e helicópteros e mobilizaram bilhões em logística. Mas, na nossa escala de tamanho acho certo definirmos os itens críticos. Isso se aplica, principalmente, na sala de máquinas e nos armamentos. A turbina GE2500 é a escolha mais ampla por sua disponibilidade de sobressalentes e características construtivas. Veja que até os navios comerciais de passageiros dependem desta turbina. Tem quem ache o Diesel mais acessível, até porque temos muitas opções de fabricantes. Mas nunca teremos o mesmo peso e potencia em espaço reduzido. Os que… Read more »

Nilson
Visitante
Nilson

Mauro, a logística civil tem que ser a melhor possível, máquina parada é prejuízo para o patrão. Não tem essa de militar não poder esperar e civil poder esperar.

Nilson
Visitante
Nilson

kkkk os que deram os deslikes nunca devem ter trabalhado numa empresa, sob pressão de ter tudo funcionando e bem. Máquina parada é produção a menos, a logística civil tem que rodar redondinha. Senão… o patrão não quer prejuízo, quem lhe dá prejuízo vai pra rua…

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Que façam om proveito! Se gostam de navios velhos, podem comprar todas elas antes que alguém da MB sinta tentação de fazer o mesmo. A nossa marinha precisa é parar de comprar navios velhos e investir na aquisição de meios novos construídos aqui

Glasquis7
Visitante

Precisar ou querer não quer dizer que se tem as condições necessárias para isso.

Dalton
Visitante
Dalton

Nem se trata de gostar e sim ter necessidade por conta de não ser possível desenvolver uma boa capacidade de construção naval do dia para a noite ou recursos destinados a um determinado tipo de navio ainda estarem muito no futuro, então navios usados ainda em boas condições são a solução. . A marinha indiana por exemplo incorporou em 2007 o então recém descomissionado “Trenton” da US Navy, um LPD classe “Austin” porque não havia planos nem recursos para desenvolver navios semelhantes na ocasião e embora estudos já tenham sido iniciados e talvez até o final do ano uma encomenda… Read more »