Home Estratégia Há um caso para os submarinos a diesel

Há um caso para os submarinos a diesel

22423
93
Submarino U212 alemão

Guardas-Marinha Michael Walker e Ensign Austin Krusz, Marinha dos EUA

Este é o vencedor do Concurso de Redação Capstone de 2018, Divisão Submarina

Desde que o Nautilus USS (SSN-571) zarpou em 1954, a energia nuclear tem sido a característica definidora do domínio submarino da Marinha dos EUA. As vantagens de desempenho dos submarinos nucleares em relação aos submarinos convencionais diesel-elétricos são consideráveis, no entanto, a estrutura de força, a aquisição e a sustentabilidade fiscal criaram desafios para a dependência total da energia nuclear. Enquanto isso, rápidas mudanças estratégicas e tecnológicas, como a mudança para o conflito no litoral ou a extrema discrição dos submarinos de propulsão independente do ar (AIP), corroeram a vantagem nuclear. A Marinha dos EUA faria bem em considerar o aumento de sua atual força submarina com submarinos diesel-elétricos silenciosos, baratos e altamente capazes.

Há duas razões para tornar um navio movido a energia nuclear: missão e custo. Primeiro, as capacidades de missão que a Marinha pede à sua força submarina são exigentes. Como os Estados Unidos têm oceanos em ambas as fronteiras, ter uma forte força submarina é importante não apenas na defesa costeira, mas também para proteger grandes rotas marítimas controlando o oceano aberto. Os submarinos nucleares de ataque exercitam o controle do mar para apoiar grupos de ataque à superfície, sombreando submarinos de mísseis balísticos e negando o acesso de navios inimigos a áreas de interesse.1 Nesse sentido, a força submarina é uma força de “águas azuis”, operando em todo o mundo. A energia nuclear permite que um submarino atenda a esse requisito, uma vez que permite uma autonomia quase ilimitada, com o reator nuclear nunca precisando ser reabastecido em uma vida útil de 25 anos.2 Isso significa que as limitações de um submarino dos EUA são apenas as consumíveis, como alimentos.

A principal capacidade de um submarino é ser invisível: uma arma clandestina, ele carrega poucas medidas defensivas a bordo, em vez disso, depende da ocultação para segurança. Por causa disso, um submarino é mais vulnerável quando usa o snorkel. Os submarinos diesel-elétricos fazem snorkel com freqüência, para realizar o escape dos geradores a diesel para carregar suas baterias. Eles devem desacelerar quando usam o snorkel, por causa da natureza frágil de seus mastros e para evitar a exposição de si mesmos. Como a propulsão nuclear é independente do oxigênio, os submarinos nucleares não precisam fazer snorkel; quando operando na estação, eles podem manter a máxima discrição ficando completamente submersos.

Submarino convencional usando o snorkel. Observar o rastro de fumaça da descarga dos motores diesel

O reator nuclear a bordo de um submarino permite que ele opere em alta velocidade por longos períodos com alcance ilimitado. Em comparação, os submarinos a diesel operam usando baterias elétricas e só podem permanecer submersos por alguns dias em baixa velocidade, ou algumas horas na velocidade máxima. A velocidade é um fator tático significativo, pois determina a capacidade de manobra e a capacidade de alterar rapidamente a profundidade com o fluxo sobre os hidroplanos. A energia nuclear fornece aos submarinos de ataque uma velocidade submersa sustentada de mais de 30 nós, consideravelmente maior do que qualquer submarino a diesel contemporâneo.3 Velocidade superior, alcance, furtividade e autonomia tornam o submarino nuclear uma arma ofensiva muito eficaz, capaz de projetar poder e levar a luta ao inimigo. Ainda assim, em vários relatos, a vantagem nuclear está se desgastando.

O alto custo da tecnologia nuclear significa que relativamente poucas nações construíram submarinos nucleares, tornando uma frota nuclear uma importante afirmação tecnológica e econômica. É por isso que o raciocínio de que a energia nuclear é mais barata, como é ensinado aos futuros oficiais submarinos da Academia Naval dos EUA, não é fiscalmente racional.

Em 2012, o Escritório de Orçamento do Congresso (CBO) dos EUA estudou a viabilidade de navios de guerra de superfície movidos a energia nuclear, incluindo futuros destróieres, navios de assalto anfíbio e navios-doca de desembarque.4 O estudo concluiu que, dependendo do preço do petróleo, há um certo preço em que um navio específico recuperaria o investimento – onde custaria o mesmo usar energia nuclear como a energia convencional. O navio de assalto anfíbio, o maior navio, tem o menor preço de equilíbrio. Mesmo assim, o preço por barril de petróleo precisaria ser quase o triplo dos valores atuais (cerca de US$ 65) e ajustado pela inflação.

Embora o relatório da CBO não tenha estudado submarinos, um submarino exigiria menos combustível do que qualquer um desses grandes combatentes de superfície e poderia ter um preço de equilíbrio muito maior. Não se espera que o preço do petróleo suba rapidamente para algo próximo de um preço de equilíbrio nos próximos 25 anos. Assim, o custo da energia nuclear não pode competir com o custo da energia do diesel. Enquanto isso, a taxa atual de dois submarinos da classe Virginia (SSN-774) por ano, a um custo aproximado de US$ 2,7 bilhões por unidade, coloca uma enorme pressão no orçamento naval da Marinha e oscila em ser fiscalmente insustentável com o surgimento do programa de submarinos de mísseis balísticos de classe Columbia (SSBN-826).5

Submarino nuclear de ataque da classe Virginia

Um custo tão alto para uma frota movida a energia nuclear torna impossível acompanhar os concorrentes próximos na produção de um grande número de submarinos capazes. Atualmente, a Rússia e a China possuem um grande número de submarinos, e os Estados Unidos precisam acompanhar os dois concorrentes. A base industrial dos EUA está no limite da construção de dois submarinos de ataque rápido classe Virginia por ano. Os planos anteriores chegaram a cair até um submarino por ano com o início do programa classe Columbia. Mesmo com a conversa atual de aumentar para três por ano, a Marinha antecipa uma queda nos submarinos de ataque rápido entre os anos de 2025 a 2041, quando a classe “Los Angeles” chega ao fim do serviço.

Enquanto isso, a República Popular da China está construindo a maior fábrica de submarinos do mundo, uma instalação para construir quatro subs por vez.6 A Rússia construiu 13 submarinos na última década.7 A necessidade de uma força submarina forte e robusta está aumentando. A Marinha dos EUA deve contrapor as expansões de outras nações, ao mesmo tempo em que mantém a atual estrutura de força. Investir tão pesadamente em um pequeno número de navios movidos a energia nuclear coloca os Estados Unidos em maior risco em uma guerra quente. Um submarino nuclear é indiscutivelmente um bom investimento se durar toda a expectativa de vida; no entanto, se a guerra começar e os submarinos forem perdidos, a Marinha dos EUA não conseguirá acompanhar seus adversários, econômica ou industrialmente. Para isso, os submarinos a diesel oferecem uma solução: pelo preço de um submarino da classe Virginia, a Marinha poderia comprar seis ou sete submarinos convencionais da classe alemã U212.8

Submarino tipo U212A italiano, classe Salvatore Todaro
Porta-aviões USS Theodore Roosevelt no periscópio do submarino AIP italiano Salvatore Todaro, em 2008

Os aliados desempenham um papel importante no combate às ameaças submarinas adversárias. Em outros domínios de guerra, os Estados Unidos usam seu poder industrial para negociar, vendendo equipamentos militares de armas de fogo a caças a jato. Quando se trata de submarinos, no entanto, os Estados Unidos não exportam tecnologia nuclear por causa de preocupações de segurança, com informações sobre o programa classificadas no nível mais alto de segredo. Essas restrições são removidas com submarinos a diesel, no entanto. Além disso, o mercado de submarinos convencionais é robusto, com muitas nações asiáticas procurando estabelecer e modernizar suas frotas submarinas para contrapor a agressão chinesa. Durante o governo de George W. Bush, Taiwan encomendou oito submarinos a diesel, mas o acordo fracassou quando nenhum estaleiro estrangeiro ou norte-americano estava disposto a construir uma classe independente sem antes vendê-la à Marinha dos EUA.9 Com um programa de diesel doméstico, a Marinha reforçaria suas forças, assim como as de seus aliados.

Embora os submarinos movidos a energia nuclear sejam capazes de manter a excelência operacional e atender aos requisitos da missão, a tecnologia a diesel está se recuperando. Os submarinos a diesel de hoje não são os dos dias do USS Nautilus. Eles operam muito mais silenciosamente em motores a diesel de nova geração com baterias avançadas. A tecnologia AIP melhorou significativamente o desempenho furtivo de uma nova geração de submarinos por uma fração do custo de um submarino movido a energia nuclear. Ao operar com baterias, os submarinos equipados com AIP são muito silenciosos, com o único ruído vindo dos mancais do eixo, hélice e fluxo ao redor do casco.10 Os submarinos nucleares requerem grandes redutores e um sistema de resfriamento robusto para manter a operação segura do reator. Bombas barulhentas circulam a água de resfriamento ao redor do núcleo do reator em todos os momentos, depois bombeiam a mesma água de resfriamento de volta para o oceano, deixando os submarinos nucleares com uma assinatura de calor infravermelho muito maior.

Submarino classe Gotland no dique seco
Submarino AIP classe Gotland no dique seco

Além disso, melhorias na tecnologia de baterias ampliaram o alcance de submarinos a diesel AIP. Com as células de combustível eletro-catalíticas e a alta densidade de energia das baterias de íons de lítio, os submarinos AIP podem operar em um estado silencioso de patrulha ou descansar no leito marinho por várias semanas sem emergir. Os submarinos alemães Tipo 212 podem permanecer submersos sem snorkel por até três semanas, viajando a 1.500 milhas (2.400 quilômetros) ou mais. Além disso, nas últimas duas décadas, o setor industrial alcançou aumentos substanciais na eficiência dos motores a diesel, o que poderia ser aplicado aos submarinos AIP para aumentar ainda mais o alcance e a autonomia. A capacidade da AIP foi demonstrada em 2005, quando o HMS Gotland, um submarino sueco AIP, “afundou” muitos submarinos nucleares de ataque rápido, contratorpedeiros, fragatas, cruzadores e até mesmo o porta-aviões USS Ronald Reagan (CVN-76) em exercícios conjuntos.11

Enquanto a energia nuclear permite que a força submarina opere dentro da Marinha de águas azuis como um todo, a Marinha não opera mais em um mundo unipolar e deve enfrentar o surgimento de conflitos regionais. Com uma mudança das disputas globais para regionais, a Marinha foi forçada a levar o combate ao litoral. Com a proliferação de armas de antiacesso/negação de área (A2AD), as frotas de superfície estão se tornando cada vez mais vulneráveis ​​e precisam ficar mais distantes das áreas litorâneas. Os submarinos estão entre os poucos sistemas de armas que podem combater a ameaça e dominar nesta área.

Inovações para a classe Virgínia, como o controle de navios fly-by-wire para fornecer melhor capacidade de manobra de navios em águas rasas e o lançamento de forças de operações especiais, ecoam esse foco litorâneo. No entanto, o sistema de propulsão nuclear do Virgínia não reflete a mudança para a zona litorânea. Devido à necessidade de resfriar o reator, os submarinos movidos a energia nuclear preferem se manter na água fria e profunda, a menos que operem na estação.12 Nos litorais, como o Mar do Sul da China, os submarinos a diesel poderiam ser um recurso versátil. Com as bases navais em Okinawa, Cingapura, Subic Bay e Guam, o alcance e a autonomia tornam-se menos preocupantes. Para o combate naval dentro da primeira cadeia de ilhas, lutar com uma frota puramente nuclear é um desperdício de ativos. Submarinos convencionais seriam benéficos em águas costeiras que compensariam sua autonomia operacional limitada.

Submarinos chineses classe Song

Além disso, nem todas as missões submarinas exigem energia nuclear. Ao aumentar a força atual, há uma grande variedade de missões que os submarinos a diesel-elétricos poderiam preencher sem a necessidade de autonomia ou alcance de um submarino nuclear. Submarinos a diesel poderiam ser usados ​​para defesa costeira e guerra antissubmarino, uma necessidade particular em um momento em que a Rússia se orgulha de poder se aproximar das costas dos EUA sem serem detectados. Os submarinos diesel poderiam ser lançados em áreas regionais de preocupação no caso de surgirem conflitos no Mar do Sul da China, no Mar da Coreia, no Mar Negro, no Mar Báltico ou no Mar do Japão. Submarinos a diesel operando a partir de bases avançadas representariam um meio muito econômico e furtivo para conduzir as missões de controle do mar e de negação do uso do mar.

Se a Marinha não tem planos de retornar à tecnologia diesel-elétrica em submarinos principais, pode haver retorno no surgimento de veículos submarinos não tripulados (UUVs). Submarinos tripulados devem sustentar a tripulação e atuar como plataformas multimissão. Os UUVs, por outro lado, podem ser construídos e otimizados para tarefas muito específicas, como inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR) ou guerra de minas. A força submarina já está integrando e implantando grandes UUVs diesel-elétricos. O veículo submarino não tripulado Orca, da Boeing e Lockheed Martin, são capazes de operar de forma totalmente independente de um navio ou submarino, ao contrário de UUVs menores que exigem que um navio tripulado esteja por perto para servir como apoio e podem ser limitados por outros fatores.

Os submarinos nucleares provaram ser uma das plataformas mais eficazes na Marinha dos EUA desde que o USS Nautilus foi lançado pela primeira vez, mas isso não significa que a US Navy tenha que ser restringida a um tipo de plataforma para realizar inúmeras missões. Os submarinos a diesel são plataformas muito capazes que poderiam suplementar uma frota movida a energia nuclear para executar conjuntos de missão específicos. Eles são mais baratos, de menor risco e podem ser produzidos mais rapidamente, permitindo que os Estados Unidos aumentem a frota rapidamente no momento atual de necessidade. A nação deveria reavaliar sua estratégia submarina e empregar uma combinação de submarinos nucleares e convencionais, dando à Marinha mais submarinos por menos dinheiro com uma gama maior de capacidades.

Guardas-Marinha Walker e Krusz são futuros oficiais submarinistas. Eles percebem que, ao escrever este artigo, cometeram a mais alta forma de blasfêmia.

FONTE: USNI News

93
Deixe um comentário

avatar
24 Comment threads
69 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
33 Comment authors
FavarattiLuís HenriqueVespãoRobertoTomcat véio de guerra Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Maus
Visitante
Maus

Eu tinha lido em algum lugar que a US Navy iria desenvolver uma nova classe de submarinos stealth baseados no SeaWolf junto com classe a Colúmbia, acho que eles não se importam de gastar muito.

Dalton
Visitante
Dalton

A classe “Virginia” está em produção e assim continuará por décadas…o que você deve ter lido é que a US Navy estuda como um sucessor do “Virginia” uma nova classe maior e mais letal, até maior que o “Seawolf”, mas, não é para agora, o que seria impossível até por conta da necessidade da classe “Columbia”.

Maus
Visitante
Maus

Eu acho que a nova classe terá os mesmos componentes que a classe Colúmbia, é uma tendência nas forças armadas americanas para facilitar a manutenção.

Dalton
Visitante
Dalton

Possivelmente, mas, a classe “Virgínia” está indo agora para o “block IV” com o primeiro já lançado ao mar o futuro USS Vermont e outros 9 o seguirão ao longo dos próximos 5 anos a serem seguidos pelos “block V” que terão um comprimento maior para abrigar 4 silos extras com capacidade para 7 “tomahawks” cada um. . Talvez haja mesmo um “block VI”, mas, até lá, início da década de 2030, os primeiros “Columbias” já estarão em serviço, ou seja, os sucessores da classe “Virginia” não estarão sendo desenvolvidos ao mesmo tempo que os “Columbias” que foi o que… Read more »

Maus
Visitante
Maus

Pode ser que eles façam o mesmo que fizeram com o F35, gastaram um trilhão e ainda continuarão comprando F16 e F15.

Dalton
Visitante
Dalton

O F-35 irá substituir alguns tipos de aeronaves como as primeiras versões do F-16, mas, as versões mais recentes serão modernizadas para servir ainda por décadas, portanto complementarão os F-35s e também os F-22s que já tiveram a produção cancelada, existindo menos de 200 deles.

Maus
Visitante
Maus

Correto. eu dei uma pesquisada e vi que a classe Virgínia vai começar a ser retirada do serviço ativo em 2060 e que serão produzidas 66 unidades, com essas informações eu não vejo a necessidade de uma nova classe, a não ser que a US Navy pretenda ter 100 submarinos.

Dalton
Visitante
Dalton

Como o primeiro da classe o USS Virginia foi comissionado em 2004 e com uma expectativa de vida entre 33 e 35 anos ele deverá ser retirado de serviço por volta de 2038 com os demais seguindo a uma taxa de um ou dois por ano, então em 2060 pelo menos 30 já terão sido retirados de serviço. . Quanto ao número de 66 unidades não será fácil de ser conseguido, trata-se apenas de um estudo do que se considera ser o número adequado de submarinos de ataque necessários…isso sendo o máximo possível, nunca mais a US Navy terá uma… Read more »

Vovozao
Visitante
Vovozao

23/02/19 – sábado, btarde, Sr. Dalton, só tenho a agradecer ao senhor por participar deste fórum, com seu extenso conhecimento fica muito mais fácil entender. O que recebo de conhecimento lendo as suas postagens só tenho que agradecer.OBRIGADO.

JT8D
Visitante
JT8D

Verdade, o Dalton é um exemplo de conhecimento, paciência e educação

Dalton
Visitante
Dalton

Eu é que agradeço, pois amigos de “carne e osso” que tenho não tem o menor interesse no assunto então é aqui que
posso ter uma boa “conversa”.

nonato
Visitante
nonato

E ótimo para nós.
Ver como são as coisas.
Diferentes pessoas com diferentes gostos.

MGNVS
Visitante
MGNVS

Dalton
Saudaçoes
Eu tbm agradeço a sua participacao aqui pq dá gosto de ler seus comentarios tecnicos pois eles nos trazem muitos conhecimentos na area. É sempre um prazer ler os seus comentarios pois eles agregam muito conhecimento so site. Continue nos brindando sempre com suas participacoes brilhantes aqui.

GUPPY
Visitante
GUPPY

Admiral Dalton!

Paulo costa
Visitante
Paulo costa

Parabéns pela Conhecimento, Paciência e educação…

Favaratti
Visitante
Favaratti

Os chineses estão certos……os americanos deveriam construir 100 submarinos com a nova tecnologia ao invés de 10 nucleares.

JT8D
Visitante
JT8D

Parece bem óbvio que a estratégia ideal passa por possuir tanto subnucs quanto convencionais, já que eles se destinam a missões diferentes. E é exatamente isso que a MB está fazendo.
Também por razões estratégicas e de custo a MB optou por não utilizar a tecnologia AIP por enquanto. Isto encareceria ainda mais o Prosub e abriria uma brecha para argumentos contrários á opção nuclear, argumentos esses que muitas vezes escondem a intenção de impedir o acesso do Brasil a uma arma tão poderosa.

Humberto
Visitante
Humberto

Hummm.. Não sei meu caro JT8D, particularmente acho que a MB, quando estava estudando o submarino, optou pelo convencional e não por AIP pois o primeiro é uma solução consolidada e o AIP ainda estava em uma fase embrionária (temos que lembrar que os estudos iniciaram na década passada). Eu acredito que para um projeto de grande monta como o prosub tem que ser o mais conservador possível, não existe margem de erro, algo do tipo…ops .. não funciona como imaginei ou ainda falta um bocadinho para termos ele totalmente operacional. Quanto ao custo do AIP, concordo com vc, isto… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Caro Humberto, no Brasil tudo é possível, mas acho muito pouco provável wue o subnuc seja cancelado nos próximos quatro anos

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Não, o que a MB está fazendo é correr antes de dominar a caminhada. Não temos um grupo de ataque que necessite de escolta, como os baseados em porta aviões, onde a velocidade faria a maior diferença. Não temos também qualquer míssil de cruzeiro para atingir alvos em terra, nem podemos comprar de ninguém nada superior a 300km, o que justificaria o subnuc como arma de ataque. Não temos também uma quantidade satisfatória de submarinos para negar o uso do nosso mar, onde eles são superiores devido a supracitada no artigo vantagem furtiva dos mesmos. Quantos submarinos convencionais poderíamos encomendar… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Correndo? O subnuc está sendo desenvolvido há 40 anos (as pesquisas para a obtenção do combustível começaram em 1979), e ainda vai demorar pelo menos mais 10 anos para ficar pronto. Já tudo isso que você disse pode ser feito em menos de 5 anos. A MB sabe o que está fazendo.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Correndo antes de caminhar = adquirindo armamento caro e inútil na atual conjuntura financeira e militar do país antes de ter os meios “simples” e baratos que podem garantir a defesa das águas jurisdicionais brasileiras. Trocar 4 submarinos convencionais por 1 nuclear enquanto temos só 5 é algo total e absolutamente estúpido, tudo por uma megalomania da nossa mais megalomaníaca força, a marinha. A mesma que sustentou um porta-aviões inútil por uma década e meia e agora irá nos entubar uma arma de ataque que não serve para o ataque e que mesmo custando 5x mais que uma arma defensiva,… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Ora, mas um projeto que demora 50 anos e é estratégico não pode ser iniciado apenas quando surgirem as ameaças e necessidades que o justifiquem. Aí já será tarde demais. É preciso pensar no longo prazo. Do contrário vamos sempre comprar de prateleira, nunca vamos desenvolver nada. A situação da Argentina na guerra das Malvinas ilustra como esse imediatismo é perigoso

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Você não está realmente entendendo. Existe uma absurda diferença entre “não precisar” e “não ter o que fazer com”. Não nos faltaria utilidade para um Submarino nuclear SE tivéssemos um porta-aviões, SE tivéssemos mísseis de cruzeiro se se se. Fazer tal meio antes de ter as condições para usá-lo deveria ser crime de lesa-pátria, uma vez que é jogar fora o dinheiro do contribuinte sem a menor dó! Aliás, já que está falando em “desenvolver” algo, se essa verba fosse gasta no aperfeiçoamento do projeto do próprio Tikuna para a produção local dos submarinos seria um gasto INFINITAS vezes melhor,… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Pelo seu raciocínio os americanos não teriam desenvolvido o Nautilus. Ele não levava mísseis e por seu custo os EUA poderiam ter construído uma centena de subs convencionais. E o que teria acontecido se eles tivessem optado por fazer isso? Deixo a cargo da sua imaginação. Mísseis de cruzeiro são simples de desenvolver, e a Avibras tem avançado bastante nisso mesmo sem grandes investimentos. Quando o Alvaro Alberto estiver pronto daqui a 10 anos teremos armamento adequado para equipá-lo ou para equipar o segundo da sua classe. Sobre gastar verba melhorando um submarino convencional, seria tão lógico quanto tentar aperfeiçoar… Read more »

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Você realmente tem ignorado tudo o que eu digo, ou simplesmente não leu. Eu descrevi algumas situações boas para o uso de submarinos nucleares, as principais sendo a escolta de meios de superfície de ataque, no caso do meu exemplo, porta-aviões, principalmente pela velocidade maior. Os EUA em 1956 tinham DEZENAS de porta aviões. Não existe comparação viável.
Quanto a mísseis de cruzeiro serem simples: HAHAHAHA são tão simples que não temos nenhum do tipo nem para terra-terra, imagina só mar-terra.

JT8D
Visitante
JT8D

Submarinos nucleares de ataque são as principais ameaças aos porta aviões inimigos. Somente eles tem velocidade e autonomia para caçar uma força tarefa. Se a Argentina tivesse subnucs a Inglaterra não teria arriscado seus porta aviões e talvez nem tivesse entrado em guerra. Por sua vez um único subnuc inglês manteve toda a marinha argentina nos portos. O único navio que se aventurou, o General Belgrano, foi afundado. Se você não entende isso eu não posso ajudá-lo

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

A Argentina não tinha submarinos DE MODO ALGUM. Se tivessem uma dúzia de submarinos convencionais, teriam resolvido essa questão. Submarino não tem que caçar sua presa, ele pode e deve em geral ESPERAR sua presa, isso é o padrão, o 1-1 dos submarinos! Um submarino em movimento é um submarino infinitas vezes mais visível, tudo o que você quer quanto tem tais armas é que elas sejam as emboscadas para o inimigo. O submarino nuclear irá caçar de qualquer modo porque jamais consegue ficar em silêncio, uma vez que seu reator JAMAIS para de funcionar, o que consequentemente obriga-os a… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Caro Fernando, concordamos em discordar.

Leonardo Costa da Fonte
Visitante
Leonardo Costa da Fonte

Amigo JT8D, não perca seu tempo tentando explicar o óbvio, para quem não quer entender. Ou não quer estudar. Não vale a pena. Eu acompanhei tudo que aconteceu na Guerra das Malvinas durante o evento…Só não extraiu as lições da guerra quem não quis.

Renato
Visitante

A Inglaterra tinha pelo menos três submarinos nucleares na área!

Leonardo Costa da Fonte
Visitante
Leonardo Costa da Fonte

Amigo, vc já era nascido quando ocorreu a Guerra da Malvinas? Tem alguma idéia da capacidade da Armada Argentina naquela época? Já leu o que aconteceu na época? Aqui nas Américas a Armada só perdia em poder de fogo para a US Navy. Bastaram 1 ou 2 submarinos nucleares para deixar toda a Armada no porto. O que se aventurou, “próximo” a zona de bloqueio foi afundado – General Belgrano. A MB aprendeu muito bem a lição de casa do vizinho!

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Faça um favor a si mesmo e procure “submarinos na guerra das malvinas”, uma excelente matéria desse site no qual nos falamos. Depois disso, procure por fora a data de construção dos submarinos argentinos operantes naquela altura. Eles tinham operacionais no momento da guerra DOIS submarinos, um type 209 de 1971, que não realizou nenhum ataque durante a guerra inteira por alegadamente falhas no armamento e um da classe “balao”, DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. O Reino Unido enviou 6 submarinos para cá. SEIS! Mas honestamente, não tem nem condição de discutir com alguém que acha que a Argentina tinha uma… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Você deve estar confuso, eu não fiz nenhum comentário sobre a capacidade da marinha argentina. Apenas coloquei a hipótese de como aquela guerra poderia ter tido outro rumo se eles, e não os ingleses, possuíssem submarinos nucleares

Paulo costa
Visitante
Paulo costa

Sim concordo contigo…
A Marinha do Brasil tomou a decisão correta mesclar submarinos nucleares com diesel-elétricos e se o governo ajudar que sabe possamos chegar num patamar de possui 1 submarino nuclear para cada 3 submarinos diesel …

Ayala Botto
Visitante

Boa tarde,

Pode indicar por favor o link do artigo original?

Obrigado.
Cumprimentos,
Ayala Botto

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

A China e a Rússia não abrem mão dos submarinos convencionais, eles fazem funções diferentes e complementares aos submarinos nucleares, sempre achei falha essa filosofia dos EUA em apostarem só em submarinos nucleares, ofensivamente os nucleares são mais vantajosos, mas na defesa litorânea os submarinos convencionais menores e mais silenciosos mostram seus pontos fortes.

Dalton
Visitante
Dalton

Os EUA tem vários aliados com excelentes submarinos convencionais…se os EUA partissem para a produção de “convencionais” teriam que reduzir o número de nucleares que já é considerado insuficiente…o mesmo vale para franceses e britânicos que também operam apenas nucleares.

Leonardo Costa da Fonte
Visitante
Leonardo Costa da Fonte

Os EUA levam a guerra, para longe do seu território e de seus mares. Não tem o menor sentido produzir submarinos convencionais para mandá-los para conflitos do outro lado do mundo. Isto é sandice. Os EUA podem ser tudo, menos tolos.

filipe
Visitante
filipe

Os Russos e Chineses nunca tiveram dinheiro para construir por exemplo 72 SSN da classe Los Angels ( 2 bilhões de USD por navio), logo por serem nações mais pobres, tendem a optar por submarinos convencionais (Disel-Electricos). Os EUA depois a 2ª GM tornaram-se a nação mais poderosa que a Humanidade já viu, tudo graças as Bombas Nucleares e a Energia Nuclear (Submarinos, Portaviões), foram eles que inventaram esses artefactos, os outros apenas se limitaram a copiar e a imitar, mas muitos deles faliram a tentar (URSS) nessa corrida, agora é a China, ontem foi a Russia, já sabemos o… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

O número correto é 62 e os “Los Angeles” não custaram 2 bilhões de dólares mesmo trazendo o dólar dos anos 70 para o valor de hoje …nem mesmo um “Virgínia” mais sofisticado, custa isso hoje. . E os soviéticos chegaram a ter um bom número de submarinos de propulsão nuclear durante a guerra fria, não muito inferior ao número de SSNs da US Navy embora menos avançados, como os quase 50 submarinos da classe “Victor”, os “Alfas” de casco de titânio e extremamente velozes além de um tipo exclusivo na época que eram os grandes SSGNs dezenas dos quais… Read more »

MGNVS
Visitante
MGNVS

Dalton
Na sua visao qual seria o numero ideal de submarinos para proteger o nosso país?
Seriam qntos sub-nucs e qntos sub-covencionais para negar nossa ZEE e aguas azuis a um possivel “agressor”? Inclua por favor nessa conta os subs que ficariam em manutençao e os que seriam usados para treinamento. Qual seria a quantidade ideal considerando hipoteticamente que o Brasil tivesse dinheiro suficiente para construir todos eles de uma so vez.

Dalton
Visitante
Dalton

Bom, não é uma pergunta fácil, submarinos não resolvem todos os problemas e a marinha brasileira assim como outras, busca um equilíbrio de meios, é importante ter em mente o grau de ameaça e contar com aliados, como historicamente tem sido o caso, também deve ou deveria fazer parte da equação. . A marinha brasileira assim como qualquer outra marinha tem um ideal do que seria o número adequado que é um mínimo de 6 submarinos de propulsão nuclear “táticos” e pelo menos o dobro de submarinos menores convencionais. . Há uma regra básica embora com certa flexibilidade de que… Read more »

MGNVS
Visitante
MGNVS

Dalton
Boa tarde.
Perfeita sua analise.
Se fosse possivel eu tbm acho que esses seriam os numeros ideais de subs para nossa marinha.

Digo isso pq sempre teriamos um sub-nuc em manutencao e outro em adestramento da tripulacao e tbm teriamos sempre um sub-con em manutencao e outro tbm em adestramento. Se nada desse errado entao sempre teriamos disponiveis 4 sub-nucs e 20 sub-con.

Para um país com as nossas dimensoes esse seria o numero minimo aceitavel.

Obrigado pelos seus esclarecimentos.

Grande abraço.

MGNVS
Visitante
MGNVS

Corrigindo: 04 sub-nucs e so 10 sub-cons e nao 20.

filipe
Visitante
filipe

A MB planeja 6 SNBR + 15 SBR , totalizando 21 unidades até 2045, para isso foi criado o PROSUB, sem esquecer o Estaleiro Naval + Base Naval de Submarinos , um investimento de mais de 8 Bilhões de Euros, mas que á longo prazo deverão ser investidos muito mais, o PROSUB é o programa militar mais caro e ambicioso das nossas Forças Armadas… Nunca foi feito nada igual , nem nunca será. A não ser que o Brasil queira se tornar uma potência Nuclear… Mas como o nosso programa é pacífico, o que inclui a construção de reactores nucleares… Read more »

Luís Henrique
Visitante

Bate com o pedido pela MB no PEAMB em 2008/2009.
15 Submarinos Convencionais e 6 Nucleares.
Esse era o plano da MB naquela época, hoje eu não sei.

Dalton
Visitante
Dalton

Minha memória traiu-me…mais uma vez…estava com um valor de 1,8 bi
na cabeça por conta de outra coisa…na verdade submarinos da classe “Virgínia” custam mais de 2,5 bi e os “Block V” custarão mais de 3 bi,
mas, isso apenas contribui para o fato de que a força de submarinos da US Navy está em declínio, e dentro de uns 7 anos os 4 SSGNs serão inativados piorando ainda mais a situação.

Luis Marcello
Visitante

A tradução por computador nem sempre é muito bem adequada , nesta matéria acima o título ficaria assim a sua interpretação : Há ou existe sim um momento adequado ou uma chance de serem usados submarinos convencionais ….. no sentido de oportunidades de uso : Já no final quando os dois Alferes concordam que ao escrever este texto , e a tradução é dita blasfêmia, o que se quer dizer é que, “eles” dois sabem que provocaram ou deram uma mexida em algo que até então era considerado um dogma na Marinha , algo que ninguém ousara antes dizer e… Read more »

ECosta
Visitante
ECosta

Obrigado. Estava parecendo esta parecendo estranho o termo blasfêmia no final do artigo.

JT8D
Visitante
JT8D

Eu sei que o U212 é um ótimo submarino, mas visualmente ele parece muito pequeno, como se fosse de brinquedo. Nossos Scorpenes tem uma aparência bem mais impressionante

filipe
Visitante
filipe

Esses guardas esqueceram da Industria dos SSBN e SSGN/SSN dos EUA, nem a Russia e a China juntas têm a capacidade Industrial que os EUA têm nesse setor, Os EUA ganharam a Guerra Fria por causa dos Submarinos Nucleares, Os EUA controlam os mares por causa dos seus SSN e SSBN, eles não precisam de SSK , nem com AIP. A URSS perdeu a Guerra Fria nos Submarinos, a corrida tecnologica foi muito agressiva, algo semelhante a corrida espacial. Se os EUA cairem no erro de apostar em SSK , perderão a hegemonia global que têm… O Brasil se quer… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Durante a guerra fria cerca de 4 submarinos de ataque eram construídos praticamente ao mesmo tempo, hoje, apenas dois podem ser construídos ao mesmo tempo e a menos que se eleve o número para três o que é bastante difícil o número de submarinos (SSNs) irá cair para abaixo de 48 unidades nos próximos poucos anos pois haverá um número maior de “Los Angeles” sendo retirados e um número menor de “Virginias” sendo incorporados e isso se alguns “Los Angeles” forem retidos por alguns poucos anos a mais. . A força de submarinos russa igualmente irá diminuir de tamanho, isso… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Excelente.

Não compreendi o significado da “mais alta forma de blasfêmia”.

João
Visitante
João

Ambos os autores são 2°Ten e não um 2°Ten e o outro GM como citado na matéria.
Abraços!

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Interessante sobre a velocidade de 30 nós sustentada do sub nuclear, capaz de acompanhar um grupo de batalha tranquilamente, é sem dúvidas o vetor mais difícil de se combater.

Sinceramente, pensando em termos de dissuasão, é compensável manter uma esquadra miníma de combatentes de superfície e ter um maior número de submarinos, mesmo que convêncionais.

GUPPY
Visitante
GUPPY

In my opinion, a velocidade máxima sustentada ou não de um submarino nuclear é classificada. O que é divulgado pode ser beeem diferente da realidade. Provavelmente um submarino nuclear é muito, muito mais rápido do que qualquer navio de superfície. Isso faz com que ele possa “caçar” alvos e não somente “aguardar” alvos.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Muito interessante, espero que nossos Sub Nuc consigam manter por volta dos 30 nós ao menos, o que já será muito impressionante.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Acabei me esquecendo de mencionar, esse U-212 é muito bonito rsrsrs, sou fã de vetores compactos haha.

_RR_
Visitante
_RR_

Concordo.

É um vaso de linhas limpas e belas…

Ele tem aquele jeitão de “malvado elegante”. rsrsrs

Esteves
Visitante
Esteves

Tá certo, Mas não vi case na matéria. Entendi que para guerra regional ou costeira os subs não nucleares são efetivos porque custam menos para operar, batem e correm, a autonomia não é tão importante e podem ser repostos mais rápido. Para guerra oceânica, o bom e velho nuclear. O AIP fica no meio do caminho? Esses subs compactos alemães são menores que os Scorpenes. Têm poder semelhante: quantidade de torpedos, mísseis e minas. Fizemos tonteria abandonando o que aprendemos com os IKL? Não teria sido natural seguir com os subs alemães na MB? O trauma de Angra contribuiu para… Read more »

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Os autores mostram certa coragem ao demonstrarem de forma embasada e com clareza argumentativa uma opinião contrária ao sedimentado em sua instituição. No Brasil, a instituição submarino nuclear igualmente alcançou um estado quase divino, se não maior, entre os militares, os entusiastas e a mídia especializada. Após décadas, bilhões de reais/cruzeiros/cruzados, continuamos nesta jornada, sacrificando quase todo o resto. Essa unidade de pensamento gera situações interessantes. Nenhum crítica é bem recebida. Investigações policiais são tratadas como forma de sabotagem. Marinhas mais ricas, com larga tradição militar, em zonas do mundo mais conflagradas que o Atlântico Sul, são ridicularizadas por não… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Dê um exemplo de marinha que possa ter subnucs mas optou por não tê-los, por favor

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Qualquer país rico e com um programa nuclear organizado. Sua ironia tosca não serviu sequer para disfarçar desconhecimento.

Mas, para que eu não me encaixe no mesmo vazio argumentativo que o seu, podemos citar: Coréia do Sul, Austrália, Japão, Alemanha e até a Espanha.

JT8D
Visitante
JT8D

Não fui irônico, apenas fiz uma pergunta. Acho que esse é o propósito do blog, debater civilizadamente. Dos países que você citou, o Japão e a Alemanha tem restrições ao uso militar da tecnologia nuclear como consequência de sua derrota na segunda guerra, e os demais não dominam o ciclo do combustível nuclear.
Eu não sei quanto a você, mas eu estou aqui para aprender. Se você apresentar algum argumento consistente eu não tenho nenhum problema em mudar minha opinião. E mesmo quando divergirmos, eu nunca o ofenderei chamando sua opinião de “tosca”

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Vamos falar dos países que “não dominam” ciclo nuclear. Coréia do Sul opera mais de 20 reatores, que geram porcentagem significativa de sua energia; pesquisa e desenvolve constantemente novos equipamentos, inclusive na produção de combustível e descarte de resíduos; integra o ITER – vanguarda de tudo que envolva a área. O que não falta lá são estaleiros capacitados. Quanto à Espanha, seu programa nuclear remonta ao franquismo. Possuem cinco centrais ativas, sua segunda fonte energética. A ENUSA me parece firme e forte na produção do ‘combustível nuclear’. A Navantia acredito que dispense apresentações. A Austrália, de fato, é o pato… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Países que estão sob o guarda chuva protetor dos EUA ou da OTAN podem se dar ao luxo de “terceirizar” sua defesa. Não é o nosso caso.

P.S.: Meu amigo, eu simplesmente digo o que penso, sem nunca ofender ninguém. Você pode não gostar das minhas opiniões, é um direito seu, mas você não vai me ver sendo mal educado

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Comparado aos citados, o Brasil realmente não terceiriza a defesa. Simplesmente abandona!

_RR_
Visitante
_RR_

Excelente texto. É possível que a USN, quer seja por necessidades operacionais ou orçamentárias, se verá obrigada a deter uma força submarina mista no médio prazo. No caso específico do Brasil, uma vez de posse de uma força de superfície que tenha alguma capacidade anfíbia ( coisa que já está ocorrendo ) e ao menos um octeto de escoltas padronizadas ( o que deveria vir a ocorrer a partir da classe ‘Tamandaré’ ), a meta maior passa a ser uma força submarina capaz de negar o uso de águas azuis mais próximas ( visto uma negação de águas litorâneas já… Read more »

Luiz Floriano Alves
Visitante

Alguns meses atrás escrevi aqui no blog exatamente o que consta neste artigo: a evolução das baterias de alta densidade de carga, conduz a situação de que os submarinos Diesel com acumuladores modernos superam os submarinos nucleares. Fui criticado e me deram como exemplo a US Navy. Assim: se fosse bom, eles teriam aderido ao conceito como fizeram os Japoneses. Esse artigo é a mais exata descrição da atual tecnologia submarina. E, repito: se quisermos transformar nossos Scorpene em barcos de grande raio de ação e muito silenciosos teremos, apenas, que adaptar o projeto para novas baterias de Litio/Ions. O… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Muito difícil _RR_ e não há nada no horizonte sobre submarinos convencionais quando se lê sobre como deverá ser a US Navy nos próximos 30 anos pelo plano de construção naval. . Aparentemente os EUA não tem muito uso para submarinos convencionais porque atuam longe de seu território e possuem aliados com tais submarinos, principalmente o Japão que está inclusive aumentando o número deles dos históricos 16 mais 2 para treinamento, para 20 além dos dois para treinamento. Basear alguns submarinos convencionais em Guam por exemplo apesar de não ser má ideia, reduziria a quantidade de submarinos de propulsão nuclear… Read more »

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

O estudo foi um pouquinho interessante, mas apenas isto, não trazendo nenhuma novidade, apenas realmente mostrando certa inadequação dos autores, que pedem desculpas cínicas. Pois o argumento pró submarinos AIP para emprego “mais econômico” em determinadas áreas restritas (litoral americano e regiões Ásia-Pacífico) ardilosamente se resume a Marinha atuando na defesa desses locais. Quando ao contrário, essas áreas contam com grande defesa de outros meios das outras Forças americanas… Aviões, minas, sondas, mísseis etc.
O único argumento realmente útil, dos dois autores, seria a tal construção desses submarinos convencionais AIP, por estaleiros americanos, para exportação.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Os comandantes da USNavy devem arranjar uma boa carga de batatas para alguns de seus integrantes, metidos a sabedores de SNs, irem descascar em suas horas de “folga”.

Esteves
Visitante
Esteves

Há outros problemas. Sub diesel elétrico funciona com motores diesel à combustão. Precisa de ar para funcionar. Precisa dispensar a fumaça. Esse mesmo ar é disputado pela tripulação. Com baterias mais eficientes o tempo de permanência aumenta. Mas há um limite nesse tempo. O sub nuclear consegue fazer a hidrólise para produzir oxigênio para a tripulação. O sub nuclear não usa combustão. Energia nuclear e qualquer coisa movida a energia nuclear é contaminante. Vide os problemas dos ingleses para desmantelar os subs e os reatores antigos. Vide também os cemitérios de subs e reatores nucleares de subs na Rússia e… Read more »

Wp blog
Visitante

E o submarino nuclear brasileiro não sai nunca? como que fica?

Dalton
Visitante
Dalton

O texto menciona os 13 submarinos que os russos incorporaram nos últimos 10 anos, mas, me parece com um certo grau de exagero, então no caso de alguém se interessar em saber quais foram: . 3 SSBNs classe “Borei” que foram construídos usando parte do casco de grandes submarinos “971” cuja construção havia sido suspensa, para acelerar a construção, mesmo assim o primeiro foi entregue com mais de 5 anos de atraso, então, normal que tenha havido um acumulo já que os dois seguintes sofreram pouco atraso; . 1 SSN/SSGN classe “Yasen”…este foi incorporado em 2014 depois de 20 anos… Read more »

Luiz Floriano Alves
Visitante

Esteves As frotas de submarinos atômicos estão gerando multidões de doentes por radiação, notadamente leucemia. Sem falar do custo do descomissionamento destes sistemas nucleares. Isso também abala a moral das tripulações, já que são fatos difundidos. Os submarinos com baterias de longa duração fazem o mesmo papel dos tipo AIP, sem envolver depósitos de hidrogênio ou motores Stirling, ou qualquer outra tecnologia. Na mesma tonelagem embarcada de baterias de chumbo ácido se embarca dezenas mais vezes de Amp-hora de baterias de Li-Ion. Isso resulta nim barco silencioso, com grande tempo de imersão, sem limite de velocidade que acontece nas faixas… Read more »

Tomcat véio de guerra
Visitante
Tomcat véio de guerra

E qual seria o custo adicional de substituir as baterias tradicionais pelas de lítio? Alguém tem ideia? E como ficaria a razão velocidade de cruzeiro/tempo de navegação?

Esteves
Visitante
Esteves

Elas são menores. Peso, volume, cargas…teria que recalcular o projeto do sub. Compensar alterações. Não é só trocar. É outro produto.

Esteves
Visitante
Esteves

Olha…

Nao quero encrenca. Tem comentário do Esteves que não foi publicado sobre Aramar/Ipero.
Licença ambiental.
Trato de resíduos.
Armazenamento de rejeitos.
Níveis de contaminação.
Poluição térmica.
Uso da agua do aquífero.
Plano de evacuação.

Itaguai
Desmantelamento.
Descontaminacao.
Local para rejeitos.
Planos de evacuação.
Licenças.

O sub nuclear avançará. O lobby é muito grande. A Europa tem sobra de energia. A pressão dos ambientalistas e grande. Natural que eles desprezem a energia nuclear.

Quanto ao sub AIP…nós não sabemos fazer. Os japoneses estao aplicando motores Stirling em processos de jointventure com os suecos que detém as patentes. Outra vez o deus ToT.

Você viu o tamanho da conta do PROSUB. Imagina outro programa PROSUB AIP.

Seria de matar.

Control
Visitante

Srs A verdade é que os submarinos, sejam os nucleares ou os AIP, quando em alta velocidade são surdos e, portanto, cegos. Isto porque os sensores acústicos perdem eficiência conforme aumenta a turbulência resultante do deslocamento em velocidade maior. Além disto, com o aumento da velocidade, o ruído gerado (hélices, turbulência no casco, ruído dos motores e geradores e, no caso dos nucleares, maior ação dos circuitos de refrigeração do reator) cresce exponencialmente, tornando o submarino facilmente detectável. Ou seja, a capacidade de desenvolver maior velocidade é uma vantagem relativa, só aplicável em maiores profundidades (águas oceânicas) onde o efeito… Read more »

farragut
Visitante
farragut

sempre que malvinas/falklands vem à tona, vem à lembrança o relatório rattenbach, que apurou responsabilidades no lado argentino.

Roberto
Visitante
Roberto

#OFFTopic….. seria legal uma matéria sobre a capacidade naval venezuelana

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Qual a situação da força de submarinos da Venezuela? Se é que eles tem uma!

Luiz Floriano Alves
Visitante

Se alguém ainda tem duvidas sobre as vantagens das baterias de L-Ion, basta ver a relação dos carros elétricos fabricadoss. Simplesmente não se produzem mais carros elétricos com baterias de chumbo ácido. Já é passado. Nas marinhas não será diferente. Os dias das baterias de chumbo ácido estão contados com o desenvolvimento de novas técnicas que resolvem os problemas de aquecimento. Continuar com a tecnologia antiga é o que se chama de miopia tecnológica. A ultima técnica supera o que se supunha imbatível até então. A U.S. Navy vai construir submarinos a Diesel porque são armas melhores por serem mais… Read more »

Vespão
Visitante
Vespão

super materia .muito bem elaborada

Luís Henrique
Visitante

Eu achei o artigo excelente. Hoje a Us Navy tem cerca de 54 submarinos de ataque, a China possui mais de 70 submarinos de ataque (incluindo os convencionais). O Pentágono já divulgou que a força submarina da China vai crescer Rapidamente nos próximos anos. Oras, se hoje já possuem a maior frota de submarinos (em números), com um forte crescimento nos próximos anos, como ficarão? Ocorre que os EUA possuem a vantagem tecnológica e uma frota 100% nuclear, enquanto que a China possui muito mais submarinos convencionais e ainda engatinha nos submarinos nucleares. Mas nos próximos anos a China poderá… Read more »