Home Marinha Portuguesa Fragata Álvares Cabral regressa após dois meses e meio de missão no...

Fragata Álvares Cabral regressa após dois meses e meio de missão no Golfo da Guiné

6707
6
Fragata Álvares Cabral
Fragata Álvares Cabral

Regressou no dia 6 de abril de 2019 à Base Naval de Lisboa a fragata Álvares Cabral, após 75 dias de missão no continente africano, no âmbito da Iniciativa Mar Aberto 19.1.

A fragata Álvares Cabral largou de Lisboa no dia 22 de janeiro tendo sido empenhada na missão Iniciativa Mar Aberto, com o objetivo de contribuir para o esforço internacional de capacitação dos países do Golfo da Guiné, com especial ênfase junto dos países amigos de língua oficial portuguesa, em matéria de segurança marítima e no apoio ao combate às atividades ilícitas no mar.

Durante a missão, o navio percorreu mais de 11.500 milhas náuticas, tendo visitado 8 portos em 5 países (Cabo Verde, Camarões, São Tomé e Príncipe, Angola e Costa do Marfim) onde desenvolveu 38 ações de capacitação no domínio da defesa, e entregue mais de 30 toneladas de material e equipamento de apoio à capacitação no âmbito da defesa e segurança marítima, e material social proveniente de várias instituições privadas de solidariedade social.

Das diversas ações destacam-se a entrega de viaturas e material diverso oferecidos pelo Grão-Ducado do Luxemburgo à Guarda Costeira de Cabo Verde, durante a estadia no porto do Mindelo, ao abrigo do acordo trilateral assinado pelos três países em 2018, o apoio à visita presidencial a Angola, onde o Presidente da República Português recebeu a bordo da Álvares Cabral a comunidade portuguesa residente em Angola, a participação no maior e mais importante exercício internacional Golfo da Guiné, o OBANGAME EXPRESS 2019, que tem como objetivo principal promover a segurança marítima na região.

NRP Álvares Cabral (F331)

Durante a permanência do navio no Golfo da Guiné, região que suscita a atenção da comunidade internacional em matéria de segurança marítima, a fragata da Marinha acompanhou de forma próxima a navegação mercante de bandeira portuguesa na região. De salientar que no primeiro trimestre de 2019 ocorreram 32 ataques de pirataria na região, tendo como resultado o roubo de carga diversa e o rapto de 34 pessoas, sendo que, por semana, e em média, 20 navios de bandeira portuguesa cruzam esta área.

No âmbito do apoio à politica externa, o navio recebeu a bordo mais de 1.000 pessoas, entre representantes do Estado português e entidades estrangeiras dos países visitados, bem como elementos das comunidades locais e crianças e jovens em idade escolar.

Paralelamente, militares do NRP Álvares Cabral visitaram diversas escolas da região divulgando a importância do mar e as missões da Marinha, onde entregaram diverso material de apoio escolar.

Já na área médica, a equipa de saúde da fragata Álvares Cabral deslocou-se a vários hospitais e Centros de Saúde tendo dado consultas às populações locais mais carenciadas e distribuído medicamentos e apósitos médicos.

A fragata Alvares Cabral tem embarcados 159 militares, incluindo o uma equipa de fuzileiros, uma equipa de mergulhadores e uma equipa médica.

FONTE: Marinha Portuguesa

6
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Vitor SilvaHeitorpaulo sergioCinturão de OrionPeter nine nine Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Lindas as Meko…

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Pode ser que a Marinha de Brasil receba uma ou outra destas Fragatas para a sua esquadra, no sentido de pelo menos a tornar mais robusta, afinal o Brasil é ou não um Pais Continental?

Cinturão de Orion
Visitante

Uma “senhora” Fragata.

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Mais ou menos , não podemos esquecer que já tem 28 anos, e uma decisão têm que ser tomada sobre o seu futuro até 2025.

paulo sergio
Visitante
paulo sergio

na falta de navio brasileiro pra reportar, usemos os de portugal.

Heitor
Visitante
Heitor

A Marinha Portuguesa não é de se botar defeito… honra seu passado de muitas conquistas e desenvolvimento.