Home Indústria de Defesa FREMM ‘Antonio Marceglia’ entregue à Marinha Italiana

FREMM ‘Antonio Marceglia’ entregue à Marinha Italiana

5807
38
Fragata Antonio Marceglia
Fragata Antonio Marceglia

TRIESTE, Itália – A fragata Antonio Marceglia foi entregue no dia 16 de abril à Marinha Italiana no estaleiro de Fincantieri, em Muggiano (La Spezia). Ela é a oitava de uma série de dez navios do programa FREMM – Fragatas Multimissão Europeias – encomendados à Fincantieri como parte do programa internacional italiano-francês, coordenado pela OCCAR (Organização para a Cooperação Conjunta de Armamento).

A Orizzonte Sistemi Navali (51% Fincantieri e 49% Leonardo) é o contratada principal para a Itália no programa FREMM, que prevê a construção de 10 unidades, todas já encomendadas.

A Antonio Marceglia é a oitava unidade construída pela Fincantieri que inclui o sistema de combate, o quarto em configuração multiemprego depois da Carlo Bergamini, a Luigi Rizzo e a Federico Martinengo, entregues à Marinha italiana respectivamente em 2013, 2017 e 2018.

Medindo 144 metros de comprimento e com um deslocamento a plena carga de aproximadamente 6.700 toneladas, as fragatas FREMM representam excelência tecnológica: projetadas para atingir uma velocidade máxima de 27 nós e para acomodar 200 pessoas (tripulação e comando), estas embarcações são capazes de garantir sempre um alto grau de flexibilidade e operar em uma ampla gama de cenários e situações táticas.

O programa FREMM, representando o estado da arte italiano e europeu, deriva da necessidade de renovação da classe “Lupo” da Marinha Italiana (já descomissionada) e da classe “Maestrale” (algumas já desativadas, o restante perto do limite operacional), ambas construídas pela Fincantieri a partir da década de 1970.

Esses navios – que se tornarão a espinha dorsal da frota da Marina Militare nas próximas décadas – contribuem significativamente para o desenvolvimento das tarefas atribuídas à Marinha Italiana, podendo operar em diversos setores, desde fins militares específicos até aqueles em favor da comunidade. .

A Fincantieri é um dos maiores grupos de construção naval do mundo e número um em diversificação e inovação. É líder em projeto e construção de navios de cruzeiro e um player de referência em todos os setores de alta tecnologia de construção naval, de embarcações navais a offshore, de embarcações especiais de alta complexidade e balsas a mega iates, bem como em reparos e conversões de navios de sistemas e equipamentos de componentes mecânicos e elétricos e serviços pós-venda.

FONTE: Fincantieri

38
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
22 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
26 Comment authors
JoelLuiz Floriano AlvesJ BorgesDe Luca, Vicente RobertoGrozelha Vitaminada Milani Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Vovozao
Visitante
Vovozao

18/04/19 – quinta-feira, bnoite, estas são as fragatas que dizem que o governo Italiano teria oferecido ao Brasil, como o assunto não seguiu em frente, podemos considerar como um fake news??????

Nelson
Visitante
Nelson

Boa noite! Vamos muito bem com uma dúzia de Meko’s A100/200, nossa marinha ficará muito bem servida.

Material Arquivo
Visitante
Material Arquivo

Fremm é um verdeiro navio de guerra, quase 7 mil toneladas…as Meko do Brasil são corvetas bem armadas. Na minha visão essas Meko são quebra galhos para um país que não quer investir em uma marinha de verdade, com navios patrulha, corvetas, fragatas e destroier dando apoio a navios doca, porta-helicóptero e porta-aviões. Enfim não tenho satisfação alguma de ver o Brasil com Meko achando que estamos bem. Hoje temos 4 navios de guerra operacionais, navios antigos e sem armamento.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

foi oferecida supostamente, se foi fake news nunca saberemos.

Sincero
Visitante
Sincero

Inveja.

Leonardo
Visitante
Leonardo

Fragatas lindas

Marlon Coutinho Moreno
Visitante
Marlon Coutinho Moreno

Independente de qualquer outra coisa, no quesito beleza, definitivamente, entre as mais belas.
Também, sendo italiana, nenuma surpresa

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Pelo que eu vejo nos sites americanos a briga tá pesada entre a FREMM e a Type 26 para próxima fragata americana, eu acho as FREMM italianas bem bonitas.

Enes
Visitante
Enes

Na minha opinião, o passadiço é retrogrado, o restante realmente agrada, mais o que conta mesmo é a capacidade operativa.

Chevalier
Visitante
Chevalier

Acho que a Type 26 leva pq eh da BAE, eh inglesa… assim como levou no Canada. E para eles, que têm uma marinha cuja espinha dorsal são dezenas de destroyeres pesados, isso aí é naviozinho leve, pra fazer número e caçar submarino. Vão comprar pra economizar no objetivo da marinha de 300 navios.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Type 26? Que eu saiba a type 26 não é finalista no programa americano. Austal e Lockheed estão oferecendo versões mais armadas de seus LCS, Huntington ingalls está oferecendo uma versão mais armado do Cutter usado na guarda costeira, a General Dynamics está oferecendo uma versão americanizada da fragata espanhola F-100 e a Fincantiere está oferecendo uma versão americanizada da FREMM.

Bardini
Visitante
Bardini

Existe uma conversa de que a HII talvez tenha passado a oferecer uma versão americanizada da Type-26.

Junior
Visitante
Junior

Só se for isso, porque a Type 26 sequer foi considerada para a segunda fase, quem se classificou foram as propostas que o Luís Henrique elencou

Estudante
Visitante
Estudante

A Type 26 não será a escolhida, ela sequer faz parte da disputa. As finalistas são 4 companhias.

Bardini
Visitante
Bardini

Pq se fala em Type-26 sendo oferecida pelo HII? . Huntington Ingalls Industries Shipyard: Ingalls Shipbuilding in Pascagoula, Miss. Parent Design: Unknown Out of the competitors involved in the competition, HII was the only company that did not present a model or a rendering of its FFG(X) at the Surface Navy Association symposium in January. A spokeswoman for the company declined to elaborate on the offering when contacted by USNI News on Friday. In the past, HII has presented a naval version of its Legend-class National Security Cutter design as a model at trade shows labeled as a “Patrol Frigate.”… Read more »

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Belíssima…..

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Bixo bonito da p…..
Não sei se era sério ou não a proposta italiana de nos venderem 2 desses pra MB, e sei que seria pouco provável que tivéssemos grana pra isso. Mas isso não muda o fato de que eu queria pelo menos uns 2 desses por aqui…
Mas ok, bora logo contruir logo as Tamandarés com os alemães, e encomendar um segundo lote.

Material Arquivo
Visitante
Material Arquivo

A ideia é que o segundo lote saia em meados de 2026, vai demorar muito. Hoje temos apenas 4 navios de guerra operacionais. A coisa está terrível. Acho que o Brasil deveria comprar 4 FREMM da Itália, feitos na Itália…isso daria uma força incrível a nossa marinha, pois hoje o Brasil praticamente não tem marinha de guerra, somos extremamente fracos.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Embora eu fosse adorar ver FREMM’s na MB, temos que pensar que:
4 FREMM’s custariam, por baixo, numa estimativa bem grosseira mesmo, uns 2 ou 3 bilhões. Embora esses navios tenham um poder de fogo maior do que qualquer coisa na América do Sul atualmente, a MB dificilmente teria grana pra adquirí-los e operá-los 100%.
Com essa grana, prefiro um novo lote de subs Riachuelo. Essas sim são as verdadeiras armas de dissuasão.

Davi
Visitante
Davi

Navio de respeito.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Um navio espetacular. lindo, bem equipado, moderno e letal. Orgulho para qualquer Marinha de Guerra.

Chevalier
Visitante
Chevalier

Beauty matters

Cavalli
Visitante
Cavalli

Boa noite. Se foi Fake News ou uma proposta real, saberemos quando o Presidente Bolsonaro visitar a Itália, provavelmente mês que vem. Porém o quê chama a atenção são as várias apresentações para os políticos nas Comissões do Senado e Câmara dos Deputados justificando a falta de investimeento e as suas consequências, nossas forças em total defasagem. Quem sabe se não estão preparando terreno para aquisição de novos equipamentos entre eles as 02 FREMM italianas? Sabemos que o Gen. Augusto Heleno jamais faria uma Fake News e o bem certo é que se existe interesse e o mínimo de possibilidade,… Read more »

Cavalli
Visitante
Cavalli

Sem contar que a venda poderá ocorrer de Governo à Governo, sem a necessidade de licitações e tantas outras burocracias. Nosso presidente, sabedor que este navio era um “sonho de consumo” do almirantado e prestigiado pelo presidente italiano, pode (que os deuses ajudem) conseguir um excelente acordo.

Vicente Roberto De Luca
Visitante
Vicente Roberto De Luca

Vai uma deixa: seria uma compensação pela extradição do mafioso assassino??? Se forçar a barra, sai em condições muito vantajosas, mas não a versão incorporada pela “Marina Militare”. Italiano não é bobo; Antonio Bernardini (embaixador) já alardeou que os italianos estão prontos a transferir toda a tecnologia da Ferrovie Dello Stato para o Brasil (seria maravilhoso nos deslocarmos do Rio a Sampa pelo trem Italo)… Isso foi agora em março, creio que no dia 19 ou 20, em reunião com uma autoridade do governo da área de infra. Sei, de papo com frequentadores do Consulado, que não digeriram a perda… Read more »

Cavalli
Visitante
Cavalli

Também acredito que seja por aí. Já tínhamos a França com a família de “S” Riachuelo, fechamos com os Alemães as “CV” Tamandaré; fez o acordo com os USA em Alcântara com a Base para lançamentos de satélites comerciais (além da longa lista de equipamentos ofertados via FMS); já somos parceiros com o UK; está faltando aprofundarmos os laços com os italianos e acredfito que não esteja longe de acontecer. Alcançando assim forças e padrões para integrar a OTAN.

Material Arquivo
Visitante
Material Arquivo

Deus te ouça, Cavalli. Nossa marinha de guerra está terrível, se é que temos. O nordeste e o sul do Brasil sequer tem navios da marinha, presença ridícula. O Brasil deveria comprar 2 lotes de MEKO e 4 FREMM feitas na Itália, assim teríamos 8 meko e 4 fremm…as primeiras corvetas e as fremm fragatas verdadeiramente de guerra. Se falar que as Meko vão demorar muito e muitos anos para sair do papel, a ideia é que o segundo lote saia apenas em 2026, ou seja, muito aquém das necessidades!

nonato
Visitante
nonato

Esse é o navio que vale a pena.
Nada de meko 200.
Comprar corveta alemã, um país que não nos valoriza…
Não entendo essa palhaçada de a Itália ter oferecido ou não as Freem.
Oferecer qualquer vendedor oferece.
A Itália oferecer não é nada demais.
O problema é: nos ofereceu como assim? De graça? Com 50% de desconto?
Para mim o melhor fragata ocidental.
Tem mais armamentos do que as Fremm francesas.

Material Arquivo
Visitante
Material Arquivo

Que coisa linda! Como eu quero ver o Brasil com FREMM, esse navio é excelente. MB, comprem FREMM! Itália com 10 FREMM, isso mesmo, 10 navios de quase 7 mil toneladas, modernos e poder de guerra. Parabéns!

Larri Gonçalves
Visitante
Larri Gonçalves

Os recursos que falam que vão investir nas corvetas MEKO poderiam nesse espaço de tempo de 2024-2028, comprar 2 FREMM Italianas com pacote fechado de sensores e armas, principalmente a nova versão do ASTER 30 que daria a MB a defesa antiaérea de área externa e média altura e posteriormente quanto a economia permitisse comprar mais 2. Aí vão perguntar como fica a substituição das Niterói, usa os recursos arrecadados do Fundo da Marinha Mercante para construir aqui no Brasil Navios Patrulha Oceânicos e de Patrulha de Costa e estaríamos muito bem de belonaves úteis, sendo que as FREMM poderiam… Read more »

Leandro
Visitante
Leandro

Penso eu que, numa possível aquisição das 2 FREMM a MB poderia negociar para que as futuras manutenções e atualizações sejam realizadas no VARD PROMAR (estaleiro da FINCANTIERI aqui no Brasil). Assim manteria algum militar serviço garantido no VARD PROMAR.

De Luca, Vicente Roberto
Visitante
De Luca, Vicente Roberto

Correto!

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Só pra variar, e fazendo uma analogia barata … tem muito fulaninho discutindo se a picanha é Bassi ou Wessel, se é maturada ou de novilho … e ai vem outros pra falar que compramos 4 fraldinhas com alcatra, e podemos comprar mais 4 e se der mais 4 com a ponta da picanha … e nem se ligam que estamos banguelas, sem dentes e nem encomendamos uma dentadura … Adoro essa viajada loka. O duro é quando o veneno da lata acaba e vem aquele baque … Que tal arrumar a casa ao invés dessa vibe que não leva… Read more »

J Borges
Visitante
J Borges

Prezados,
Já fiz muito negócio com empresas italianas e, por cultura, é difícil a concretização de uma operação que seja boa para as duas partes. Normalmente é: ganham eles – perdemos nós (ou somos menos privilegiados, se preferirem). O design italiano é o mais bonito do mundo, seja para vasos de guerra, carros, roupas…e por aí vai. Mas temos que nos concentrar em termos econômicos e de fidúcia dos fornecedores. Acho que as Mekko serão uma boa opção para nossa Marinha.

Luiz Floriano Alves
Visitante

FREMM ou T. 26,… faltam meios de escolta na esquadra. Temos que adquirir, de prateleira, preferente,mente quatro destes navios, no mínimo. Nossa força naval está muito desgastada e desatualizada tecnologicamente. A situação internacional está muito sombria e não sabemos o rumo que irá tomar.

J Borges
Visitante
J Borges

Justamente frente a atual situação internacional é que reforço o tema da fidúcia dos fornecedores, ou seja, a confiança que podemos ter em quem escolhemos para prover o que necessitamos. As FREMM ou as T.26 são melhores? Pode ser. Mas o engajamento e certeza de que iremos receber o que pedimos é que nos levou para as Mekko. Simples assim. Há o requisito de transferência de tecnologia, de comprometimento com a indústria nacional, uma série de requisitos que, acredito, não apareceram (ou foram menos explícitos) nas outras propostas….incluindo as FREEM. Como eu disse anteriormente: não pode ser uma situação ganha-perde.… Read more »

Joel
Visitante
Joel

Que porta aviões vocês estão faltando????? Seria aquela coisa que nos foi vendida pela França que seria vendida para o ferro velho???? O próprio comandante da marinha já pensa em desativar a tal “coisa”.

Enes
Visitante
Enes

Joel meu caro, a tal coisa já foi desativada faz tempo, se não me engano em 2017.