sexta-feira, dezembro 3, 2021

Saab Naval

Exercício multinacional La Perouse no Indo-Pacífico

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O porta-aviões da Marinha Francesa, PA Charles de Gaulle (R91) e seus navios de escolta juntaram-se a navios da Marinha Real Australiana (RAN), da Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF) e da Marinha dos EUA.

Os navios realizaram uma série de exercícios que incluíram a navegação em formatura, tiro real, comunicações, busca e salvamento, controle de danos e transferências de pessoal.

O nome La Perouse é em homenagem a um oficial e explorador naval francês do século XVIII.

O almirante Olivier Lebas, comandante do Grupo de Ataque francês, disse: “O La Perouse é uma oportunidade para desenvolver laços fortes, hábitos de trabalho e conhecimento mútuo, essenciais para as melhores práticas entre nossas marinhas que operam nas mesmas regiões de interesse.

“Esses exercícios refletem nosso envolvimento comum na segurança marítima na região do Oceano Índico e Ásia-Pacífico.”

Além do Charles de Gaulle, outros navios que participam dos exercícios incluem o destróier de mísseis guiados USS William P. Lawrence (DDG 110), a fragata da RAN, HMAS Toowoomba (FFH 156), o submarino HMAS Collins (SSG 73) e um destróier porta-helicópteros da JMSDF.

O vice-almirante do Comando da Frota dos EUA, Phil Sawyer, disse: “O La Perouse mostra que nossas forças marítimas podem trabalhar juntas em qualquer lugar do Indo-Pacífico. Reflete os nossos valores, tradições e obrigações partilhadas como serviços marítimos da mesma opinião.”

Em um comunicado, a Sétima Frota dos EUA declarou que tais exercícios permitem que as forças marítimas aliadas realizem treinamento conjunto e promovam a cooperação marítima na região do Indo-Pacífico.

No início da semana passada, navios da Marinha dos EUA e da Marinha Francesa concluíram um exercício conjunto de guerra anti-submarino no Oceano Índico.

O exercício foi conduzido para melhorar o treinamento em nível de unidade, melhorar a capacidade do Grupo de Ataque do Charles de Gaulle de responder a uma ameaça de submarinos. Além disso, o exercício permitiu aumentar a interoperabilidade entre as duas marinhas.

- Advertisement -

9 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos R.

Esse classe Izumo não deixa nada a dever em formação com o CDG, é um navio de respeito.

Ricardo Bigliazzi

Demonstração de força, mais ou menos no estilo “Todos contra o resto…”

Segue a vida… segue o jogo. E nós aqui ficando para trás na história com um bando de ladrões de um lado e um bando de incompetentes do outro.

Marcelo Andrade

Discordo meu nobre, estamos tentando refazer nossa Esquadra na velocidade e condições que a conjuntura autoriza. Temos o Prosub caminhando, as CCTs, vem a RFI para os NaPOc , etc. Melhor tarde do que nunca!

Roberto Martins

Concordo com você Ricardo

Neptuno

Tenho uma questão um pouco inútil, mas gostaria da opinião dos senhores. Vendo as fotos percebemos vários militares de outras marinhas barbudos, e aqui isso não é aplicado, por qual motivo a MB não inova nessa questão?

Pedro

Ainda estamos nas guerras napoleônicas, prussianas e nas trincheiras da primeira guerra, com medo de pegar infestações de piolhos…

Matheus Santiago

Esse uniforme da Marinha do Japão é ainda mais bonito do que a Marinha dos EUA.

Dalton

A US Navy também tem um uniforme de trabalho como esse, só que seu uso será descontinuado por um mais “esverdeado”.

Rudi -* PY3TO

O não sei o nome direito , mas que trilha ou rastro deixa o submarino em primeiro plano!
só para corrigir

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

Rússia envia lançadores de mísseis antinavio para perto das Ilhas Curilas reivindicadas pelo Japão

MOSCOU (AP) - Os militares russos desdobraram sistemas de mísseis de defesa costeira para as Ilhas Curilas, uma cadeia...
- Advertisement -