Home Acidentes Navais Reparo da fragata KNM Helge Ingstad será mais caro do que um...

Reparo da fragata KNM Helge Ingstad será mais caro do que um navio novo

9906
40
KNM Helge Ingstad flutuando depois do resgate

Um relatório divulgado no dia 15 de maio informa que o reparo da fragata norueguesa KNM “Helge Ingstad” provavelmente será mais caro do que comprar um navio novo.

O inspetor de defesa Haakon Bruun-Hanssen diz que é melhor substituir em vez de reparar a fragata.

Estima-se que um conserto da fragata custará de 12 a 14 bilhões de coroas norueguesas, o equivalente a US$ 1,6 bilhão e levará mais de cinco anos. O custo de aquisição de uma nova embarcação similar é estimado em 11 a 13 bilhões de coroas norueguesas.

“Com base nos números apresentados, parece-me óbvio que a única solução sensata é substituir a capacidade da fragata por algo novo”, diz Bruun-Hanssen.

A fragata da Marinha Real Norueguesa KNM Helge Ingstad ficou quase completamente submersa após uma colisão com o petroleiro Sola TS no fiorde de Hjeltefjorden, em 8 de novembro.

O navio ficou submerso por 4 meses, e foi resgatado em cooperação com a empresa de salvamento BOA e a Semco Maritime.

KNM Helge Ingstad na plataforma semi-submersível, após o resgate

Rombo no casco da fragata norueguesa
Extensão do rombo no casco da fragata norueguesa produzido pela colisão com o petroleiro
Subscribe
Notify of
guest
40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Victor Filipe
Victor Filipe
1 ano atrás

Melhor fazer uma nova mesmo, vende essa ai pelo peso em sucata, talvez de pra salvar uma grana.

india-mike
india-mike
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

O interessante é que mesmo mandar o navio para o desmanche traria um custo adicional de $5-10mi, isso já descontado o que se teria de retorno do valor do metal recuperado e de qualquer equipamento que seja retirado do navio.

https://translate.googleusercontent.com/translate_c?depth=1&nv=1&rurl=translate.google.com&sl=no&sp=nmt4&tl=en&u=https://forsvaret.no/aktuelt/tilstandsrapport-knm-helge-ingstad&xid=17259,15700021,15700186,15700191,15700256,15700259&usg=ALkJrhh8HQRnIIf6L_Iq7p0vxP5ERMCDJA

Vovozao
Vovozao
Reply to  india-mike
1 ano atrás

27/05/19 – segunda-feira, btarde, India-Mike, já sabemos do custo para colocar operacional não vale a pena, já sabemos o custo para desativa-la (sucatea-la), entretanto, não ouvimos mais falar: se seria problemas no projeto; ou, problema de operação, o senhor saberia alguma coisa a esse respeito.

Leandro Furlan
Leandro Furlan
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

Na minha opinião, estes custos da reforma estão equivocados. Digamos que fosse possível aproveitar somente 20% da fragata danificada (o que é um número extremamente baixo, creio que possa ser aproveitado muito mais que isso). Mesmo assim, 20% a menos de coisas novas para fazer (comparado ao navio novo), teria que dar no mínimo 20% a menos que o orçamento de uma fragata nova, não acham!? Pelo que me parece, o navio tem a parte estrutural em dia. Seria consertar o rasgo no casco e colocar os equipamentos eletrônicos novos. Como isso pode ser mais caro e mais demorado do… Read more »

Flamenguista
Flamenguista
1 ano atrás

E o fabricante deveria receber o que sobrou como parte do pagamento!!

teropode
Reply to  Flamenguista
1 ano atrás

Para fazer engenharia reversa .

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

“O navio ficou submerso por 4 meses”
Só com essa frase, já dava pra saber que é MUITO mais rápido e “barato” construir outro.
Isso aí já era. É vender como sucata ou transformar em alvo.

Lucas Carvalho
Lucas Carvalho
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

Acredito que ninguém queira esse navio no estado em que se encontra. Transformar em alvo, na minha opinião, é uma ideia muito boa!

José Carlos de Oliveira
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

Vê o que da para aproveitar e usa como tiro ao alvo.

Âncora
Âncora
1 ano atrás

São tubos de torpedos que se vê pelo rasgo?

TeoB
TeoB
1 ano atrás

É deu ruim mesmo…
E nem da de por a culpa no estagiário, como diária o senhor Omar, trágico!

Leandro
Leandro
1 ano atrás

Será que é possível, a fim de diminuir custos, aproveitar algo que não tenha ficado abaixo d alinha d’agua? Como canhão, radares……..

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Leandro
1 ano atrás

Ela afundou inteira, Leandro.

Leandro
Leandro
Reply to  Marcos R.
1 ano atrás

Ai fica difícil……

Marcos R.
Marcos R.
1 ano atrás

Ainda não aceito o fato de um navio militar afundar tão rápido mesmo com essa avaria, que pode-se ver está na sua maior parte acima da linha dagua.

Juarez
Juarez
Reply to  Marcos R.
1 ano atrás

Projetos da industrias navais “bambi” é isto aí. Quer ter um escolta de combate de verdade, ele vai deslocar uns 35% a mais, vai ter vigamento, treliçamento, chaparia, compartimentação estanque compatível para receber impactos e não afundar de cara, junto, evidentemente com um bom treinamento de avarias. Um AB, um Sajon on the Great, um Atago vão para lá das 9.000 tons, e não é porque eles sejam exagerados, sabem o que é levar um impacto direto pelos costados.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Juarez, meu caro, sabe qual a energia cinética de um choque com um petroleiro meu irmão? Isso aí dava pt em qualquer escolta!!!

Americo
Americo
Reply to  Marcos R.
1 ano atrás

Mau projecto?
A construção poder ser boa mas se o projecto já tiver falhas á nascença…
Lembra as fragatas inglesas, boas mas que arderam rapidamente (guerra Malvinas).
Se fosse em Portugal, seriam aproveitadas para afundar e criar recifes artificiais para turismo subaquático.

Marcos
Marcos
Reply to  Marcos R.
1 ano atrás

Marcos meu xará, imagine se ela fosse atingida por um míssel ou torpedo.

Maus
Maus
Reply to  Marcos R.
1 ano atrás

Saudade do yamato?

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
1 ano atrás

O oxigênio, implacável …..

Jodreski
Jodreski
1 ano atrás

Retira tudo o que pode poluir os nossos mares e devolve essa oferenda a Iemanjá, é o fim mais barato (que mesmo assim ainda sai caro).

jodreski
jodreski
1 ano atrás

Quanto ao capitão… como um bom marujo que é o justo seria ele passar o resto da vida fritando pastel (nada contra quem frita pasteis).

Tabajara Machado de Souza
Tabajara Machado de Souza
1 ano atrás

Será que não tem nenhum pais da América do Sul querendo comprar? Alias, eles são especialistas em comprar sucatas.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
1 ano atrás

Até o cego já sabia, é um belo rasgo mas não foi um míssil explodindo dentro do navio, palpito em erro de projeto!

rommelqe
rommelqe
1 ano atrás

Como eu ja havia comentado no passado, parte do equipamento pode ser reaproveitado como peças de reserva (vide abaixo). De qualquer forma, mesmo assim, evidentemente que é necessário um dispêndio de recursos para que o navio em si seja transformado em sucata…

-Some parts may be reused after review and repair, but will not significantly reduce repair costs. The parts are considered most relevant as spare parts for other frigates.

-The value of parts is estimated at NOK 100-400 million, subject to the necessary inspections and repairs.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Aciona o seguro do navio petroleiro… ha ha ha!

Segue o jogo, acho que nem para alvo serve, esse casca não aguenta nem um caramuru 12 tiros.

netogomes
1 ano atrás

a seguradora do petroleiro deve tá contente, quanto será a franquia ?

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Os Srs. estão sendo muito severos com a pobre fragata. Afinal ela foi atingida por um “projétil” (o TS Sola) que pode chegar a mais de 110.000 tons quando totalmente carregado. Imaginem a energia cinética envolvida. E é uma fragata de 5.290 tons. em apenas 134 metros. Não deve ter sido projetada e feita de forma porca. O comandante não tem culpa. A colisão se deu às 03:40 e ele estava dormindo. Há uma cadeia de comando justamente pq precisa se descansar, alimentar, não precisa todo mundo estar em postos de batalha, e estava se retornando de um exercício da… Read more »

Juarez
Juarez
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Delfim, a AB tambem foi atropelada por um cargueiro no meio do oceano, não agindo e chegou se arrastando no porto.
Isto se chama construção robusta.

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Dois deles o John McCain é o Fitzgerald e com danos abaixo da linha d’água.

Delfim
Delfim
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Os AB são destróieres, deslocam atualmente 9800 tons.

Neves João
Neves João
Reply to  Delfim
1 ano atrás

O Delfim parece a justiça brasileira, ninguém tem culpa de nada. Cai um prédio inteiro, ninguém foi culpado. A base da Antártida pega fogo, ninguém é culpado. Submarino afunda no porto, ninguém tem culpa de nada…E assim caminha o Brasil putênfia…

Lucio
Lucio
1 ano atrás

Voltem encouraçados, vocês sim eram navios de guerra.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
1 ano atrás

A causa primaria do embarque de água foi a perda de estanqueidade na selagem da passagem dos eixos propulsores pelas anteparas. Daí pra frente, pelo rombo no casco… Fico chateado de ver bote drone com sistema anticolisão que funciona sozinho ao passo que toda automação protetiva de bote tripulado tenha que passar pelo gargalo da decisão humana de acioná-la…

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

com o dinheiro da pra comprar um AB ou quem sabe um Petroleiro com sistema AEGIS

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
1 ano atrás

Nossa! Pela quantidade de “Engenheiros navais” aqui no blog, acho impressionante não sermos uma potência marítima!! Alo MB, tá comendo mosca!!!

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Marcelo Andrade
1 ano atrás

Melhor comentário, sem dúvida, e o mais acertado. Concordo.

Wagner
Wagner
1 ano atrás

Talvez esse número enorme de navios da OTAN europeia seja então explicado por custos reduzidos, será que pq fizeram os navios sem as devidas salvaguardas ou precauções ??

O Governo Norueguês tinha acusado o estaleiro de ter feito um navio de baixa qualidade…

Mas, interessante, custos de reforma maiores do que um navio novo, deve ser por isso que os russos não querem reformar os Sovremmeny.