Home Marinha do Brasil Esquadra Brasileira perderá dois navios-escolta em 2019: Niterói e Jaceguai

Esquadra Brasileira perderá dois navios-escolta em 2019: Niterói e Jaceguai

23066
252
Fragata Niterói
Fragata Niterói – F40. Foto: Alexandre Galante

Por Roberto Lopes*
Especial para o Poder Naval

O Comando da Esquadra e o Gabinete do Comandante da Marinha acertaram, para este ano, a baixa de dois navios-escolta cuja preservação, em termos de relação custo/benefício, já não se justifica.

No dia 28 deste mês, o novo chefe do Estado-Maior da Armada, almirante de esquadra Celso Luiz Nazareth, presidirá a cerimônia de Mostra de Desarmamento da fragata Niterói (F40) – navio que, na metade final dos anos de 1970, se tornou um ícone da renovação da velha Esquadra brasileira, de embarcações construídas à época da 2ª Guerra Mundial e herdadas das sobras da frota dos Estados Unidos.

Um pouco mais tarde – a 18 de setembro – será desativada a corveta Jaceguai (V31), da classe Inhaúma, que na década de 1990 representou uma tentativa da Marinha do Brasil (MB) de voltar a construir embarcações de superfície no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro.

O descomissionamento da Jaceguai divide opiniões na Esquadra, já que as Administrações Moura Neto e Leal Ferreira se dispuseram a investir para tentar recuperar o seu sistema de propulsão.

Corveta Jaceguai
Corveta Jaceguai – V31

Exclusão – Segundo duas fontes militares deste blog, outras duas Niterói – a Constituição (F42) e a Liberal (F43) – se encontram em mau estado de conservação e, por isso, foram excluídas do programa de revitalização a que a classe será submetida.

Os navios a serem atualizados, de forma a que possam navegar até a metade final da próxima década (por volta do ano de 2028), são a União (F45), a Independência (F44) e a F41 Defensora (há vários anos em reparos).

De acordo com o que o Poder Naval pôde apurar, a MB também prepara, em sigilo, um exercício torpédico com o emprego do torpedo Mk.48, de origem americana, usado pela Força de Submarinos (ForSub).

O alvo, ao que tudo indica, será uma corveta da classe Inhaúma.


*É jornalista graduado em Gestão e Planejamento de Defesa pelo Centro de Estudos de Defesa Hemisférica da Universidade de Defesa Nacional dos EUA. Especialista em diplomacia e assuntos militares da América do Sul. Autor de uma dezena de livros, entre eles “O código das profundezas”, sobre a atuação dos submarinos argentinos na Guerra das Malvinas e “As Garras do Cisne”, sobre os planos de reequipamento da Marinha do Brasil após a descoberta do Pré-Sal.

Subscribe
Notify of
guest
252 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
tupinambá
tupinambá
1 ano atrás

Tem alguém se mexendo prá salvar uma Niterói prá ser navio-museu ?

Vovozao
Vovozao
Reply to  tupinambá
1 ano atrás

05/06/19 – Quarta-feira, bnoite, Tupinambá, a Niterói, hoje só seria museu em terra firme, a mesma não consegue ficar no mar, para isso seria necessário que as bombas ficassem tirando água 24 horas, como hoje, senão ela afun………..daaaaaaa.

Gilbert
Gilbert
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Que ótimo, dá para testar um torpedo nela e ela vira museu no fundo do mar

Mário SEAE
Mário SEAE
Reply to  Gilbert
1 ano atrás

Corre o risco dela afundar antes do torpedo chegar

Henrique
Henrique
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

VTNC, sério que tem um bomba ligada jogando água pra fora dele 24h? desde set/2018…

me recuso a acreditar que tenha gente tão retardada assim na MB a ponto de deixar isso acontecer. Tem duas docas secas na BNRJ e mais umas ~5 de estaleiros próximo a base que poderia emprestar por poucos dias até o navio ficar flutuável novamente.

se for sérios isso pode mandar todo o comando da MB pra rua por justa causa

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  tupinambá
1 ano atrás

Adoro ler essa mesma Grozelha em vários post! MB de Marinha do Brasil vai aos poucos se tornando Museus Brasileiros. Sim, MUSEUS BRASILEIROS! Vejamos a lista de peças de oportunidade: Nae São Paulo, Fragatas Niteroi e Rademaker, Navio Resgate de Submarino Felinto, Rebocador de Alto Mar Almirante Guilhem, Corveta Jaceguai, Helicópteros: Sea King, Jet Ranger, Esquilo e Lynk. Caça naval A-4 … serão as próximas aquisições. Hoje já se encontram na lista de atrações o Submarino “Riachuelo”, o Contratorpedeiro “Bauru” e a Corveta Solimões. Tem tanto Porto no Brasil, que dá para distribuir uma unidade pra cada um. Hoje a… Read more »

tupinambá
tupinambá
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Já ouviu falar em PPP ? Quanta falta de imaginação…

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  tupinambá
1 ano atrás

Sr. Tupinambá, O sr. é Político? Foi eleito? Porque fazer festa, farra e obras com o dinheiro do contribuinte é fácil … Que país o senhor vive? Divulgue o Plano de Ação e Planejamento para viabilidade do PPP por favor. Imaginação sem viabilidade econômica só na sua e outras cabeças que falam sem pensar. Já ouviu falar do Museu Nacional, do Ipiranga, … posso citar vários aqui que tem relevância, peças e arquivos históricos que hoje carecem de verba e estrutura MUITO MAIS RELEVANTES do que preservar a líder de uma classe de Fragatas de um projeto inglês. Antes desta… Read more »

RRN
RRN
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Tudo isso num país sem educação e cultura.

Robert Smith
Robert Smith
Reply to  tupinambá
1 ano atrás

Sr. tupinambá, ah algum tempo propuseram transforma o A-12 São Paulo em navio museu, lembro que comentei que seria muito difícil para a MB ou mesmo uma ONG manter o São Paulo como navio museu (financeiramente), e ainda assim, o que foi que o A-12 fez em seus pouco mais de 15 anos na MB para justificar o mesmo ser um Navio Museu? Agora a F-40 Niterói, além de ter um custo de manutenção como navio museu muito inferior, tem sim os requisitos para ser um Navio Museu… poderia ficar ali na Prç. Maua ao lado do SS Riachuelo e… Read more »

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  Robert Smith
1 ano atrás

E quem vai pagar os custo?
De limpeza?
De energia?
De manutenção?
De segurança?
Dos instrutores a bordo para explicar os diversos ambientes, armamentos e etc?

A MB não consegue nem navegar hoje e vocês querem mais um Elefante Branco pra ela cuidar?

Você vai financiar e manter esse Museu? Ou vai dar mais uma conta pro contribuinte e mais um osso pra Marinha roer?

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Nem a TAM (hoje LATAM) conseguiu manter um Museu aeronáutico …

Gosto da ideia com plano de ação, de planejamento.

Ideia pros outros fazerem é fácil, pros outros cuidarem e pagarem.

Doa-se Gato! Adote um! Tem 7 vidas pra vcs cuidarem…

tupinambá
tupinambá
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Deixando de lado seus devaneios, quantos navios-museu a MB tem ? O Bauru, o Oberon, o que mais ?

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  tupinambá
1 ano atrás

Compra no leilão, e estacione no seu quintal…

Mantenha você esse Elefante Branco.

E quantos mais você quer que a Marinha mantenha?????

Tupinamba
Tupinamba
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Uma boa ideia, porque cabe no meu terreno, sim. Em relação à sua outra pergunta, não sou apenas eu que considera essa classe de navios importante para a MB e para a história naval brasileira. mas se vc acha que é manter um navio parado é o que inviabiliza o orçamento da Marinha, realmente é um cara muito bem informado.

Gabriel
Gabriel
1 ano atrás

Triste…lamentável…quantas fragatas/corvetas restam?…9?

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  Gabriel
1 ano atrás

A pergunta é Quantos meios significativos estão OPERACIONAIS?

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Tambem tem que ver quantos navios atualnente temos que escoltar. Querer ter 12 navios para escoltar 3, quando só 6 daria para fazer o serviço me parece um desperdicio. Mesmo tendo que arrumqr algo para 100.000 marinheiros embarcar.

marcus
marcus
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 ano atrás

O projeto é esse. A Marinha vai comprar 20 transatlânticos para abrigar o seu efetivo.

Luís Henrique
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 ano atrás

Que ideia é essa? O termo navio escolta não diz tudo. É um navio de Combate. Não é utilizado somente para escoltar outros navios, é utilizado para Defender o Brasil de navios militares estrangeiros.
E a missão de escolta não é somente de outros navios militares, mas pode ser a escolta de navios civis. Quase 90% do comércio exterior do Brasil é transportado em navios, tanto as exportações como as importações.

Luís Henrique
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Para 2020 cerca de 5 navios. Em 2025 – 2028, somente a Corveta Barroso. A MB divulga o número mínimo entre 12 e 18 navios. Vamos ficar com os 12, que seria o mínimo necessário segundo a MB. Somente com as 4 Tamandaré, só conseguiremos manter 5 navios escolta. O que fazer: 1) adquirir + 7 navios NOVOS para se somarem com as 4 Tamandaré e 1 Barroso. Caso sejam navios novos, a MB ficará de 2020 a 2025 com 5 navios. E depois começará a aumentar os números até atingir 12 por volta de 2030. Isso caso esse 2o… Read more »

Marco Zarco
Marco Zarco
Reply to  Luís Henrique
1 ano atrás

Nessa contagem estão incluídos os navios fluviais??? Aqui só se fala dos meios marítimos?? A MB não opera só em mares mas tb nos rios do Brasil esquecido…

Juarez
Juarez
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Escoltas, só dois, a Barroso e a FCN no Líbano, o resto todos aqui sabemos a verdade

Francisco
Francisco
1 ano atrás

Seria interessante que a comunicação social da MB explicasse a razão do descomissionamento de uma corveta relativamente nova. Quanto a idéia de transformar a Fragata Niterói em um navio museu acho excelente!!! Estaremos preservando um ícone da nossa MB.

Enes
Enes
Reply to  Francisco
1 ano atrás

Francisco, apesar de a Jaceguai ser relativamente nova, conforme você mesmo disse, o navio tem um erro de projeto que faz com que o casco e a super estrutura sofra excessivamente com a ação do mar pesado, causando danos especialmente nas obras vivas e levando o navio a não ter mais condições de navegar. A Frontím por exemplo deve que dar baixa com salvo erro, vinte e cinco anos devido a esses desgastes na obra viva.

Enes
Enes
Reply to  Enes
1 ano atrás

Correção, teve que dar baixa.

Neves João
Neves João
Reply to  Enes
1 ano atrás

Quem projetou, vc sabe?

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Neves João
1 ano atrás

Neves, com certeza algum idiota

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Peter nine nine
1 ano atrás

É tão “fácil” projetar um navio de guerra….

Agora falando sério: mesmo hoje em dia com software capazes de realizar simulação ainda há erros, imagine na década de 1980…Com software complicados e limitados… Isso claro se as mesmas tiveram o projeto feito por CAD…

Wilson Junior
Wilson Junior
Reply to  Flávio Henrique
1 ano atrás

Existem fontes que afirmam que o problema das Inhaúma foram mudanças no meio do caminho para encaixar o canhão Vickers de 4,5 polegadas que, junto com as modificações estruturais para suportar o canhão maior que o originalmente projetado, aumentaram muito o peso da proa (lí que foi algo em torno de 30 T a alguns anos).

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Wilson Junior
1 ano atrás

O Conjunto completo do MK 8 pesa incriveis 27 toneladas….

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Wilson Junior
1 ano atrás

Queriamos padronizar o canhão principal para reduzir custos, o que e correto. O problema foi querer fazer gambiarra para colocar um canhão de fragata em uma corveta. OBS. A missão do canhão de 4,5 polegadas era e é melhor feita pelos canhões de 76mm.

Enes
Enes
Reply to  Neves João
1 ano atrás

Neves, provavelmente a Engepron, mais não tenho certeza pois faz muito tempo, o que sei é que o navio tem a proa curta e não suporta mar pesado devido ao canhão de 4.5 da polegada que é muito pesado e faz embarcar água pela proa tornando difícil operar com essa corveta em mal tempo. Isso traz problemas também para a estrutura do navio tornando o desgaste muito grande

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Enes
1 ano atrás

Enes, a Engepron não projeta navios, é gerenciadora de projetos, como a sigla diz. As inhaúma foram projetas pelo CPN da própria MB. Parece que tiveram uma consultoria alemã.

Enes
Enes
Reply to  Marcelo Andrade
1 ano atrás

Grato pela informação.

Theo Gatos
Theo Gatos
Reply to  Neves João
1 ano atrás

“O “Projeto Corveta” foi desenvolvido pela Diretoria de Engenharia Naval (DEN) com consultoria técnica da empresa alemã Marine Technik, em contrato firmado em 1º de outubro de 1981”
.
https://www.naval.com.br/blog/2015/12/27/as-corvetas-classe-inhauma-e-barroso/
.
Sds

edson marques da
edson marques da
Reply to  Enes
1 ano atrás

O que significa a ” obra viva ” de um navio, me desculpe a pergunta mas é de um leigo.

Eenes
Eenes
Reply to  edson marques da
1 ano atrás

Edson, o que chamamos de obras vivas na Marinha, é a parte do casco que fica abaixo da linha dagua.

Enes
Enes
Reply to  edson marques da
1 ano atrás

Edson, o que chamamos de obras vivas na MB, é a parte do casco do navio que fica abaixo da linha dagua.

Flamenguista
Flamenguista
Reply to  Enes
1 ano atrás

Alguma chance de servir como NaPaFlu??? Qual o calado mínimo??

Francisco
Francisco
Reply to  Enes
1 ano atrás

Obrigado pela informação.

José Carlos de Oliveira
Reply to  Francisco
1 ano atrás

Sugestão: Já que essa Corveta pelo que entendi houve erro de projeto não possibilitando ela navegar em Mar aberto, ela não poderia ser transferida para a Flotilha Fluvial?

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  José Carlos de Oliveira
1 ano atrás

Acho que não foi por causa do custo de operação CODOG… E talvez do calado de 5.5m

Elden
Elden
Reply to  José Carlos de Oliveira
1 ano atrás

Já perguntei há algum tempo atrás a mesma coisa. Porque não adapta-la e emprega-la no Amazonas como navio capitânia da Flotinha?

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  Elden
1 ano atrás

Prezados, uma CCI chegaria até Manaus, mas nâo iria além do TSOL da Petrobras no Solimões… no Negro, chegaria até Velho Airão, ali do lado de Manaus… resumindo, não ia somar nada por lá… para exemplificar, o NPaFlu classe Roiraima tem uma calado de cerca de 1,8m… além disso, eixos, hélices e lemes são totalmente expostos nas CCI, a primeira tora que viesse deixaria o navio avariado… abraço a todos…

india-mike
india-mike
1 ano atrás

Excelente notícia, enquanto a MB não resolver cortar o mato-velho não vai nascer nada de novo. O jornalista falou em relação custo/benefício desfavorável. Diria que nula, pois o retorno potencial desses navios é zero e mesmo assim representam um custo razoável mantê-los na esquadra.

Quanto ao teste com o Mk48, o alvo perfeito seria o Mattosão. Tá na mesma situação dos dois navios citados acima e já deveria ter dado baixa quando o Atlântico chegou.

Marcos
Marcos
Reply to  india-mike
1 ano atrás

O problema é que o mato foi cortado e salgaram a terra.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Eu rí, mas com peso no coração

Thomas_S
Thomas_S
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

2

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

3

Glasquis7
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Marcos, só um lembrete do seu post de 2 dias atrás.

“E vamos construir as Mekos de 3500 toneladas. O Estaleiro é privado mas a mão de obra e o know-how adquirido é brasileiro.”

Então não vejo qual é a sua preocupação no caso.

Adriano RA
Adriano RA
1 ano atrás

As que ficam seguirão para reparo/revitalização. Resta saber o que estará disponível para emprego até a chegada das Tamandaré… Que situação…

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Adriano RA
1 ano atrás

Corveta Julio de Noronha e Barroso e NPOc Amazonas, Apa e Araguari.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Adriano Luchiari
1 ano atrás

E 3 fragatas niteroi. Será que tirando os patrulhas que não são escoltas, 5 navios são suficientes para escoltar a nossa gigantesca esquadra de 3 navios futuros, operacionais em suas arriscadas missões de combate nos mares do mundo?

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Adriano RA
1 ano atrás

A minha critica e devido o planejamento do almirantado de talvez gastar um escaço dinheiro público na compra de navios usados, caros em todos os sentidos para compor uma escolta minima de 12 navios.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
1 ano atrás

Faz todo o sentido a MB estar procurando 8 escoltas usados. Não é o ideal, mas é melhor que ficar sem nada. Porque do jeito que anda coisa, os marinheiros terão que nadar.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Jadson Cabral
1 ano atrás

infelizmente agora Inês é morta, a MB se auto sabota as vezes, os recursos para estas compras de oportunidade vão impactar na quantidade de navios novos que receberemos, uma soma de crise mas tbm de falta de planejamento galopante!

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

De um lado:
O PROSUB indo em frente e, aparentemente, em ritmo acelerado.
De outro lado:
Cada vez mais navios sendo descomissionados por velhice, e ter que contar com compras de oportunidade que talvez nem se concretizem.
Qualquer coisa, a gente faz uma Marinha só de submarinos, igual a Kriegsmarine na WWII.

É uma piada, mas vai que…

Mário SEAE
Mário SEAE
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

Willber, boa noite. Realmente o PROSUB caminha bem, no entanto por mais triste que pareça a baixa das escoltas em pior estado, acaba nos servindo de justificativa em Brasília para a aquisição de meios de segunda mão em melhor estado de países amigos. Estamos em meio a uma tremenda turbulência junto ao congresso, devido a cortes de verbas aqui e contingenciamentos ali. Ao falarmos na possibilidade de adiquirirmos oito navios de segunda mão no exterior, em uma monta de recursos que ultrapassa um bilhão de dólares, a maioria dos congressistas, na maioria leigos, encontram a oportunidade para aparecer diante das… Read more »

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Mário SEAE
1 ano atrás

Então que o numero não seja esse desproposito que foi sugerido na outra matéria, mais 3 ou 4 unidades apenas e vamos continuar sim focados na FCT e na sua futura irmã maior!

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Mário SEAE
1 ano atrás

Deixando de lado a atual crise econômica e défict nas contas públicas ( o que já seriam ruins o suficiente ) : Com exceção das OHP, não há nenhum outro navio sendo descomissioado nos próximos 5 anos pra que pudéssemos comprá-lo o mais breve possível. Mesmo que a primeira Tamandaré começasse a ser construída HOJE, e o pedido fosse aumentado pra 10 navios, ainda levaria no mínimo uns 5 anos pra construção e comissionamento da primeira unidade. Aparentemente, as únicas coisas que vão poder navegar em breve serão o Atlântico e o Bahia. Não sabemos o atual estado dos nossos… Read more »

marcus
marcus
Reply to  Mário SEAE
1 ano atrás

Será que os deputados que defenderem, uma redução de efetivo de 40% em cada força estarão errados?
E se provarem, que com essa redução é possível reequipar as 3 forças com equipamentos ovos?

Enes
Enes
Reply to  marcus
1 ano atrás

Na verdade deveriam reduzir em 70% o numero de deputados.

Elcimar
Elcimar
1 ano atrás

Agora é saber até que ponto vai essa revitalização das outras fragatas que restarão,e saber até quando aguentarão o ritmo.
Agora é procurar uma compra de oportunidade mesmo,se não a MB vai estar sem meios pra cumprir o mínimo possível a ela imposta nesse imenso litoral,doa a quem doer, gostem ou não os que Aqui vivem denegrindo a MB

marcus
marcus
Reply to  Elcimar
1 ano atrás

A MB gastou muito dinheiro em um porta-aviões que em 1999 já era totalmente defasado, e comprou aeronaves para combinar com o sucatão.
Deveriam fazer uma auditoria, para verificar quanto a marinha gastou tentando salvar o A12 Sucatão.

Ferreras
Ferreras
1 ano atrás

Decisão sensata, ajuda nos custos operacionais de uma eventual aquisição de oportunidade.

Bardini
Bardini
Reply to  Ferreras
1 ano atrás

100%
.
Negócio é pensar pra frente. Encolher para recomeçar.

marcus
marcus
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Só o efetivo que não encolhe.

Marcos
Marcos
1 ano atrás

Resumindo F-40 Baixa F-41 inoperante F-42 Péssimas condições F-43 Péssimas condições F-44 Navegando mas precisa de modernização F-45 Navegando mas precisa de modernização F-49 (Rademaker) Incêndio em Janeiro V-34 Barroso desdentada Situação dos submarinos? S-30 = Com o pé na aposentadoria S-31 = Com o pé na aposentadoria S-32 = Com o pé na aposentadoria S-33 = Com o pé na aposentadoria S-34 = ? Quando eu vejo um almirante falando sobre a Amazônia azul a minha vontade é de … Em qualquer país sério estes sujeitos estariam com … por crime contra a soberania nacional. O Brasil está de… Read more »

Marcos
Marcos
Reply to  Marcos
1 ano atrás

É a mesma raça que flertou com a modernização do NAE São Paulo gastando 1 b sem qualquer garantia. Gastar 1 b para voar com A-4 Skyhawk da guerra do Vietnã

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Marcos
1 ano atrás

E para complementar Marcos, os A-4 eram kuwaitianos enterrados na areia durante a guerra com Iraque e estavam em tão mal condições que vieram de navio cargueiro até o porto de Cabo Frio – RJ e de lá fecharam a estrada durante a madrugada para levar até a Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia – RJ. Depois que chegaram abriram as caixas aonde estavam os aviões caiu um montanha de areia e os manuais escritos em que idioma?!? Dou lhe um, dou lhe duas, dou lhe três… No idioma do Kuwait. Gastaram uma fortuna para recuperar essas aeronaves. Vale… Read more »

Pampapoker
Pampapoker
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

Discordo de você em uma coisa, oa A4, não estavam enterrados na areia, pois participaram de combates na guerra do golfo, sendo que uma dessas aeronaves portavam em sua fuselagem a inscrição FREE KUWAIT Foram desativados em julho de 1991, devido a uma cláusula contratual para a aquisição de aeronaves F/A-18C e F/A-18D Hornet pelo Kuwait, passando pela adequada preservação desde então.

Hermes
Hermes
Reply to  Pampapoker
1 ano atrás

Ele deve ter confundido com os F 5 que vieram da Jordânia, esses sim cheios de areia e em péssimo estado.

Flanker
Flanker
Reply to  Hermes
1 ano atrás

Estavam bem judiados, sim. Mas, todos os 11 voaram, sob o comando de um piloto da FAB, que realizou o voo de aceitação de casa um deles, lá na Jordânia.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Pampapoker
1 ano atrás

Reveja suas fontes de informações. Eu estava lá em São Pedro da Aldeia. Senão estavam enterrados, então jogaram carretas de areia nas caixas.

Srs
Srs
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

Os A4 estavam em perfeitas condições, já os F 5 comprados da Jordânia não , e tem mais na época eles poderiam ter comprado os F 5 da Suíça por um preço melhor, todos revisados em condições estruturais melhores do que os nossos, nunca houve averiguação de quem mandou fazer essa compra estúpida.

Flanker
Flanker
Reply to  Srs
1 ano atrás

Na realidade, a FAB nunca quis os F-5E jordanianos. O que ela queria, e muito, eram os 3 F-5F. Só que ninguém vende F-5F sem atrelar uma quantidade maior de F-5E no pacote….tipo 2 ou 3 E para cada F. Mesmo assim, os F estavam bons…tanto que os 3 foram modernizados e nenhum do E o foi. Mas, como disse, não era essa a intenção de fato….esses serviram, muito bem, como fonte de peças para manter os outros voando. Podem dizer que 2 ou 3 dos E foram revisados no PAMA-SP para serem modernizados ….é verdade. Como, naquela época, a… Read more »

marcus
marcus
Reply to  Marcos
1 ano atrás

As 8 Arleigh Burke com revisões bem feitas no estaleiro Ingalls Shipbuilding seriam interessantes como solução de curto prazo?

Control
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Jovem Marcos A MB não gastou 1 bi para modernizar ou mesmo fazer manutenção do SP. Ela apenas o usou até a onde deu e depois ficou enrolando até se sentir obrigada em aposentá-lo (usou o SP, no período, para eventos de marketing). Quanto aos A4, eles vieram em boas condições e com uma boa quantidade de peças de reposição (havia motores extras para quase todos). Um dos “mistérios” do tema A4 é como a MB acabou rapidamente ficando com poucos operacionais e o que aconteceu com as peças de reserva (um mistério parecido é a história dos AMX da… Read more »

art
art
Reply to  Marcos
1 ano atrás

E o governo que não compra meio novo? os Militares já falam disso há 20 anos, mas nada sai.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  art
1 ano atrás

Se os militares não gastassem quase 80% do orçamento com pessoal eles mesmos poderiam comprar equipamentos novos com seu próprio orçamento

Flanker
Flanker
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Faltaram na sua lista a F-46 Greenhalgh (operativa – em que nível? Não sei, mas participou da Aderex 2019), e V-31 Jaceguai (baixa) e V-32 Júlio de Noronha (em manutenção – parece que voltará a operar).

pangloss
pangloss
1 ano atrás

Aqui entre nós… Não contem para ninguém, porque é inside information: esses dois navios já não representavam nenhum poder de dissuasão. E não é de ontem.
Não divulguem, isso é sigiloso.

Cavalli
Cavalli
Reply to  pangloss
1 ano atrás

Tive que rir….. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Igual a uma notícia CONFIDENCIAL que a Marinha do Brasil está sondando 8 AB, 08 Murasame… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Demara
Demara
1 ano atrás

É triste ver a CADÊNCIA chegar no final de sua vida útil, mas concordo com a MB temos que renovar os meios, seja com projetos de reaparelhamento ou com compras de oportunidades
Seria uma excelente idéia transformar a PIONEIRA em um museu naval flutuante !!!!

José Luiz
José Luiz
1 ano atrás

Uma pena os problemas que aconteceram com o projeto das corvetas Inhaúma, que foram desmentidos muitas vezes no passado. Pensar que falavam em várias unidades e acabou assim. Bem no momento oportuno vai aparecer escoltas de oportunidade que vão cobrir o gap. Agora o pessoal tem que entender que vai ser um arremedo. Como foram as fragatas norte americanas classe Garcia que vieram forma a classe Pará, que se fosse para analisar como fazem aqui também tinham muitos problemas. Vamos aguardar.

Roberto
Roberto
1 ano atrás

É melhor não ter nada do que ter essas velharias que em caso de conflito só colocaria vidas humanas em risco.
Comprem duas novas fragatas, muito melhor do que ficar remendando esses Mavericks velhos.

Chateado
Chateado
1 ano atrás

Olá Srs, alguém tem noticias da modificação do uniforme para os marujos? Os Navais já foram contemplados com a mudança. Os submarinistas deveriam usar algo mais especifico para eles, os uniformes convencionais deixam a desejar na MB. única força no Brasil em que existe uma separação de fardamentos, isso torna o ambiente de trabalho dos militares, algo bastante pernicioso e opressor. Basta de tradições arcaicas, vamos ver o lado do mais fraco, aproximar, ao invés de separar tanto os subalternos. A MB deve seguir todas as forças que tratam seus pares como iguais, e não como se vivesse na Inglaterra… Read more »

Srs
Srs
Reply to  Chateado
1 ano atrás

Os uniformes de serviço, macacão de cor azul marinho eram de cor cinza já uniforme de uso e o mesmo de sempre creio que não haverá mudança para marujada , só CFN usa uniforme com camuflagem e os Grumec quando em missões.

Srs
Srs
Reply to  Srs
1 ano atrás

Retificação o macacão é usado quando embarcado , fora isso uniforme de serviço.

Enes
Enes
Reply to  Srs
1 ano atrás

Provavelmente o Chateado se refere a diferença entre o mescla dos Cabos e Marinheiros e o cinza de Sargentos Suboficiais e Oficiais.

Chateado
Chateado
Reply to  Enes
1 ano atrás

Exatamente Sr Enes, não sei em qual século esses almirantes vivem! Só pensam em cerimônias grandiosas e zero moral para a tropa. Percebo que só se fala em equipamentos, e o moral da tropa? Vocês sabiam que a grande maioria dos marujos trabalham sob forte desânimo, por conta de pequenas coisas que devem e podem ser mudadas apenas com uma canetada!! Tradições que não trazem glórias para ambos, não merecem aplausos.

Vovozao
Vovozao
1 ano atrás

05/06/19 – quarta-feira, bnoite, a postagem não está correta ”esquadra perderá 2 escoltas este ano”, como se ”perde” alguma coisa que já não existe; a muito tempo estou falando que somente constavam no inventário, da mesma maneira que estão investindo nos Santos errados, este retrofit que fariam nas 3 classe (N), vai ser dinheiro mas uma vez jogado fora. A defensora está a tanto tempo em PMG que deve ser recorde mundial, e, não sabemos se sairá.

Satyricon
Satyricon
1 ano atrás

Passa pra marinha do Uruguai… eles vão adorar

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Satyricon
1 ano atrás

Desconfio que nem eles as aceitem.

José Carlos de Oliveira
Reply to  Satyricon
1 ano atrás

Exatamente, com um preço de Pai para filho pelo menos entra um $$$ qualquer.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Satyricon
1 ano atrás

Maldade!!!
Pimenta no olho dos outros é refresco, né?
🤗🤗🤗

JOAO
JOAO
1 ano atrás

Nossa, quanta notícia ruim para a MB. Talvez a marinha esteja no pior momento da sua história. A esquadra tá acabada.

Leonardo M.
Leonardo M.
1 ano atrás

Enquanto isso no castelo de Guanabara da MB não param de abrir concurso público e gastar com velharias
A-4 e o kc-2
MB virando quando uma marinha Argentina.
RIP marinha do Brasil

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
1 ano atrás

Uma curiosidade, a Polícia Nacional da Indonésia que jaá te navios de patruulha com heliponto e transporte de tropa vai reeceber mais um patrulha de 1100 tons, o YUDISTIRA 8003 com heliponto para operar seus helicoptero biturbina.
. https://m.youtube.com/watch?v=Q1mI_IVa9cM

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
1 ano atrás

“Segundo duas fontes militares deste blog, outras duas Niterói – a Constituição (F42) e a Liberal (F43) – se encontram em mau estado de conservação e, por isso, foram excluídas do programa de revitalização a que a classe será submetida”

Se não vão revitaliza-las, por que já não dão baixa e economiza a grana para as outras Inhaúmas, por exemplo ?
Transforma as corvetas restantes em OPV e põe pra navegar.

Juarez
Juarez
Reply to  Roberto Bozzo
1 ano atrás

Roberto, não dá, são tortas ao extremo. Se mexer, fica pior.

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Que pena….. então que virem alvo e descansem no fundo do mar….

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Roberto Bozzo
1 ano atrás

Pelo que postaram aqui no PN ano passado as não modernizadas, FCN, seriam usadas como OPV….

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Flávio Henrique
1 ano atrás

meu deus, isso aí é mais absurdo do que o São Paulo ter ficado tanto tempo operando.
Torrar valor de fragata pra manter um navio de patrulha? meu deus

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Fernando Turatti
1 ano atrás

Fernando, se prestar atenção estávamos falando das Inhaumas, não das Niterói.

“Transforma as corvetas restantes em OPV e põe pra navegar.”

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Roberto Bozzo
1 ano atrás

O problema é que navios de guerra são fundamentalmente diferentes de navios de patrulha, o que acarreta aumento de custos.

Paulo Costa
Paulo Costa
1 ano atrás

Ao Menos ja que so 03 Niterói terão suas extensões de vida, então deveriam caprichar mais e melhorar outras áreas como os Armamentos e talvez a propulsão.

Quanto as corvetas Inhaúma, acho que o canhão de 114mm era muito grande para essas corvetas e isso com certeza deve ter prejudicado estruturalmente todas elas a ponto de algumas terem sido retiradas prematuramente.

Eu pergunto se essas 02 inhaúmas restantes se devidamente modificadas nao teriam condições de ainda operar mais uns anos nos meios distritais como navios patrulhas?

Tomcat véio de guerra
Tomcat véio de guerra
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Galante, não foi na Niterói que você serviu? Essa notícia deve ter te deixado com uma dor no coração…

elcimar marujo
elcimar marujo
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

pra um navio chega mais rápido galante..rsrsrs….vida longa galante rsrsrsr

elcimar marujo
elcimar marujo
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

vc precisa ver quando esses canhões atiram, o navio sofre uma onda de choque enorme.treme até a alma do marujo.lamentável essa escolha na época desse armamento.o ideal teria sido o 76mm super rapid.

Juarez
Juarez
1 ano atrás

Enquanto isto um certo forista do PN fica lendo incansavelmente PDFs de construtores navais, e afirmando que tudo resolverá com Napaocs, a MB vai perdendo a capacidade de formar doutrina de combate, e o imperador tomando short drinks e long drinks as nossas custas.
Deus e pai, e as verdade, senhora de todas as razões.

Glasquis7
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Fala isso não mestre Juarez, um tal de Marco, daqui mesmo do PN, me contou o seguinte: “E vamos construir as Mekos de 3500 toneladas. O Estaleiro é privado mas a mão de obra e o know-how adquirido é brasileiro.”

Agora, onde e quando isso vai acontecer, aí que eu quero ver.

Farroupilha
Farroupilha
1 ano atrás

Dizem que avião bonito voa bem, para mim navio feio navega feio (e foi o que aconteceu). Essa classe Inhaúma da década de 90, parecem saídas da WWII, já vai tarde tranqueirinha Jaceguai feia que dói. Corvetas tão feias como a Classe Barroso que deram origem, vixe! E ambas extremamente fracas quanto a defesa antiaérea. Elas foram realmente concebidas para a guerra moderna? Ou na mente de super estrategistas, que foram responsáveis por seu armamento, elas chamais sofreriam ataques pelo ar. E o que são aquelas proas exageradamente apontadas para o céu, são corvetas com sky jump. Linhas de costado… Read more »

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  Farroupilha
1 ano atrás

Amigo, posso dizer-lhe que as CCI são navios que exigem muito das Tripulações… pouca gente pra muita faina… acomodações ruins… jogam pra caramba… tem um grave problema de geração de energia… enfim, é um desafio servir a bordo… mas, sinceramente, é uma classe de navios que atira e manobra muito bem… e o que faz, não deve nada ao pessoal do “sapatinho de cristal” e “piso encerado”… tudo bem, foi lá onde iniciei minha carreira, em 1996… dediquei 6 anos à V33.. fiz 350 dias de mar a bordo… recusei-me a assistir o vídeo do seu afundanento… então não sou… Read more »

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Farroupilha
1 ano atrás

Nossa! É um Poeta como o Pelé, segundo o Romário… Fernando XO, você é muito educado, parabéns!!!

Lucas Pereira
Lucas Pereira
1 ano atrás

Vamos ser sensatos não temos muitas opções de fragatas de segunda mao por ai dando sopa no mercado de usados

Marcos Rêgo
Marcos Rêgo
Reply to  Lucas Pereira
1 ano atrás

Infelizmente a única coisa disponível no momento são as OHPs( insustentáveis) com os eixos simples que a Marinha não acha conveniente. As Bremen a MB não demostrou interesse por supostamente estarem muito gastas. Comemos mosca. Falo no plural porque entendo que a MB somos todos nós ( nem militar eu sou) mas a culpa da MB estar nessa situação não é só dos almirantes, nem dos governos, é do povo brasileiro como um todo. Eu queria ver muita gente que toca o pau na MB por aqui tirar leite de pedra como se tem feito a um bom tempo, garanto… Read more »

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Marcos Rêgo
1 ano atrás

Anzac, halix e Brandenburg… São mais interessante e foram construídas nos anos de 1980 e início dos anos 1990… E as duas primeiras tem pelo menos 10 unidades as Brandemburg é baseada na família meko talvez na 200 (visualmente é próxima da Meko 200HN)…

Marcos Rêgo
Marcos Rêgo
Reply to  Flávio Henrique
1 ano atrás

Nada disso está disponível no momento. Pra hoje só OHP.

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Lucas Pereira
1 ano atrás

Gostaria de lembrar que as fragatas leves classe la fayette poderám ser uma boa opção, com reduzidas tripulações, ainda com 25 anos e baixo consume não são de descartar e pelo menos aguentam até 2035.
E deixemos de grandezas, fazem-me lembrar aquele ex campônes que compra uma carrinha grande apenas para levar um saco de batatas.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
1 ano atrás

Tudo que tem seu prazo de validade. Espero que tenha misericórdia das fragatas pois foram compradas zeradas na década de 70/80. O meu pai foi tripulante que trouxe a F-43 Fragata Liberal. Vi com muito gosto sua revitalização e agora segue seu caminho para o descanso merecido. Eu espero que esse governo tenha a dignidade (para não usar a palavra correta) de comprar navios à altura para cumpri o papel que estas cumpriram com profissionalismo.

Esteves
Esteves
1 ano atrás

“O nível estratégico de planejamento pode adotar um dos seguintes métodos da estratégia militar: ação direta, ação indireta, aproximação indireta ou nuclear.” Aproximação indireta inclui política. É o que Lula tentou fazer na África, no Caribe e na América do Sul? Então sobrou ou nuclear do PROSUB. Os meios para as ações direta e indireta vão deixando de existir. Outra coisa. Há planos. Muitos planos. Sempre haverá planejamento. O tempo para planejar acaba. Mas sempre se pôde contar com o espaço: abre uma estatal, projetamos Powerpoint, datashow, poltronas, Excel e elogios eloquentes. Vamos nos conformar que o país não deu… Read more »

RENAN
RENAN
1 ano atrás

Essa é uma boa noiticia, porém deveria vir acompanhado de corte de pessoas.(inútil sem vasos de guerra)

Espero que junto dispensa 14 mil militares de carreira pois sem navios não tem motivos de gastar com marinheiros.

Almirante
Almirante de Esquadra
Vice-Almirante
Contra-Almirante
Capitão de Mar e Guerra
Capitão de Fragata
Capitão de Corveta
Capitão-Tenente
1º Tenente
2º Tenente
Guarda Marinha

Pode mandar embora sem problema que ainda vai sobrar muito marinheiro para poucos vasos.
Abraço

Vitor
Vitor
1 ano atrás

Desarma a Jaceguai, mantém o canhão e remotoriza, pois ela pode ser um bom Napaoc por decadas. Esse deveria ser o destino de todas as inhaumas…

Marcos
Marcos
1 ano atrás

6 almirantes de esquadra
18 vice-almirantes
34 contra-almirante

Efetivo de 80 mil homens

Tudo isso para operar 4 ou 5 fragatas obsoletas e submarinos Ad aeternum em manutenção.

A Marinha da Turquia possui um efetivo de 48 mil homens

12 submarinos
16 fragatas
10 corvetas
33 navios anfíbios
10 lanchas de ataque rápido

A Marinha da Austrália possui um efetivo de 14 mil homens

6 Submarinos
2 LHD Classe Canberra
2 Destroyer da Classe Horbart (6300 toneladas)
8 Fragatas Anzac
2 Fragatas Adelaide

Nilson
Nilson
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Essa comparação com a Marinha da Austrália é interessante. Ou seja, 20 mil homens seriam suficientes para a nossa Marinha de Guerra. Mais uns 15 mil fuzileiros. Uns 2 mil para aviação naval. Então, sobram ainda 43 mil marinheiros para fazer o restante: Capitanias de Portos, etc, etc, etc. Parece mesmo muita gente.

Esteves
Esteves
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Bem…aí vem o pessoal dizendo:

– Nosso litoral é enorme, nosso mar é bravio, nossa água é mais salgada, nosso país é gigante, a Amazônia é azul, seremos nuclear…

edson marques da
edson marques da
Reply to  Marcos
1 ano atrás

É muito Alte prá pouco navio !

art
art
Reply to  Marcos
1 ano atrás

os Fuzileiros Navais entram? lembre-se que em Muitos países Fuzileiros navais /infantaria de marinha é uma força a parte.

Dalton
Dalton
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Se a marinha brasileira tem excesso de pessoal, já na marinha australiana
falta pessoal. Um exemplo recente, mas, não único é o da fragata HMAS Perth
e fuzileiros navais dos EUA tem sido baseados na Austrália também.
.
O link abaixo inclusive discorre sobre a necessidade das fragatas “ANZAC” terem que permanecer em serviço mais tempo do que originalmente planejado o que inviabilizaria a compra delas pela marinha brasileira.
.
https://navaltoday.com/2019/06/07/australian-frigate-hmas-perth-spent-two-years-in-dock-due-to-sailor-shortage/

Vovozao
Vovozao
Reply to  Dalton
1 ano atrás

07/06/19 – sexta-feira, btarde, nobre DALTON, mais uma vez volto a chamar sua atenção para o que sempre falei, só sobram as BICUDAS, se não apanhar ela ficaremos sem nada, mesmo não sendo uma transferência quente; se não segurarmos estas ficaremos só com as 3 (N) melhores e a Barroso, por coincidência indo agora para o Líbano, nossos comandos desde o Planalto/congresso/comandantes deixaram a MB chegar a esta situação vexatória, fico envergonhado vendo está degradação como brasileiro. Vamos ver se estou certo, mesmo você não gostando muito das BICUDAS. SDS.

Dalton
Dalton
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Se “bicudas” são as “OHPs” que foram disponibilizadas para venda pelos EUA, até gosto delas e teriam sido um bom “tapa-buracos” quando foram descomissionadas, em 2015, mas, passados tantos anos, não mais, porque os EUA não tinham intenção nem condições de manter as fragatas descomissionadas em bom estado durante muitos anos.
.
Eles descomissionaram, anunciaram que estavam à venda e apenas
Taiwan interessou-se por duas delas, então, a condição das restantes
deteriorou-se ao longo dos anos dificultando ou mesmo impossibilitando uma reativação ao menos com um bom custo/benefício.
.
abs

Ricardo Pinto
Ricardo Pinto
Reply to  Dalton
1 ano atrás

Fora o fato das OHP virem desdentadas… Imaginem o custo para reequipa-las e com o que ?

Dalton
Dalton
Reply to  Ricardo Pinto
1 ano atrás

Na minha opinião não seriam tão “desdentadas” assim no caso de um par adquirido anos atrás para substituir duas da classe “Greenhalgh” que não possuem um canhão “médio” enquanto uma “OHP” conta com um canhão de 76 mm e mísseis anti navios são fáceis de instalar. . Uma “OHP” pode operar com até 2 helicópteros médios enquanto a “Greenhalgh” pode operar com dois leves, realisticamente tratando-se da marinha brasileira seria apenas um, mas, ainda assim poderia ser um “Seahawk”. . Ambas as classe são equipadas com lançadores triplos de torpedos A/S. . De duvidosa vantagem seriam os dois lançadores sêxtuplos… Read more »

Nilson
Nilson
1 ano atrás

É, um dia esse dia ia chegar. O problema não é o navio ser descomissionado, isso é natural. O problema é não ter sido providenciado substituto a tempo…

Esteves
Esteves
Reply to  Nilson
1 ano atrás

Foi. No planejamento foi. Busquei por planos, planejamentos, estratégias, engajamentos, enfrentamentos, guerras, programas, livros e mamografias.

Tá tudo lá. Perfeito no PP. Maravilhoso no PDF. Marinha e Defesa de primeiras. Monografias espetaculares.

Papel aceita tudo. Até as desculpas dos contigenciamentos.

Nilson
Nilson
Reply to  Esteves
1 ano atrás

Em outras ocasiões pontuei que o caso da MB é ótimo para aulas de planejamento estratégico, como contraexemplo: clássica lição sobre o que acontece com uma instituição cujo planejamento estratégico, durante muitos e muitos anos, é irreal, desvinculado da realidade financeira. Uma peça de ficção que dissipa os recursos, em vez de cumprir o grande papel do planejamento, que é buscar o foco no possível. Infelizmente. Mas agora é acostumar com a situação, uma mini-Marinha com um super quadro de pessoal.

Esteves
Esteves
Reply to  Nilson
1 ano atrás

Doutrina. Pesquisei doutrinas. Até a segunda guerra não tínhamos. Aprendemos com os americanos durante e após os anos 1940/1950. Dá uma biblioteca à partir dos anos 1970 sobre esses temas. Defesa, planejamento e planos. Estratégias. Ilustrações. Gráficos. Planilhas. Penso que vi Almirante usando cachimbo enquanto planejava.

Acostumar com a situação? Defesa que consome 90% dos recursos com gastos&despesas. Quem se acostuma com isso?

Cavalli
Cavalli
1 ano atrás

02 duas escoltas? hummmm…. 02 FREMM? hummmmmmmmmmmmm….

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Cavalli
1 ano atrás

Já tem gente se livrando delas? :/

Cavalli
Cavalli
Reply to  Carlos Gallani
1 ano atrás

Estão?! Ótimo! Manda para o Brasil porque estamos sem meios e com certeza, se estão se “livrando” delas é porque estão modernizando ainda mais as suas marinhas e não sucateando.

Jorge Knoll
1 ano atrás

Verdade que a nossa Marinha está a caminho da extinção.
Só falta avisar o último que sair, apague a luz.
E justificado a redução de marinheiros, pois falta e se reduz os meios flutuantes. GT

TeoB
TeoB
1 ano atrás

Olha, eu sei que é até feio pensar nisso, mas infelizmente é uma possibilidade…
imagine sermos pegos de calças na mão por uma marinha meia boca.
não adianta tampar o sol com a peneira, vai ser que surgir uma ”compra de oportunidade” até final de 2020.

cesar silva
1 ano atrás

do jeito que a coisa vai a marinha daqui a pouco vai ta sem navios, tem que corre atras para garanti 8 tamandaré e que sabe 6 a 8 meko a200. agora pra que a marinha tem mais 80,000 nos seus quadros? marinha da Itália 30,923 184 navios. marinha australiana 14,215 e 48 navios. marinha da coreia do sul 68,000 e 160 navios. fonte wikipedia. e a austrália ter um mar territorial muito maior que o nosso.

Marcos Rêgo
Marcos Rêgo
Reply to  cesar silva
1 ano atrás

Wikipédia??? Aí fica difícil…

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Marcos Rêgo
1 ano atrás

A Wikipedia deles é fácil, difícil é a nossa que constam os meios mas sabemos que eles não saem do porto!

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  cesar silva
1 ano atrás

As A100FL é uma mais simples e menor baseada na 200. Só que a CT é uma versão simples da A200 (evolução da 200) que usar uma propulsão baseada na A100 (é mais simples e barata embora a propulsão da A200 seja melhor para ASW)…

Kaliban de Greyhawk
Kaliban de Greyhawk
1 ano atrás

Enquanto isso a MB mantém um efetivo estupidamente elevado de 88mil pessoas mais nao sei quanto aposentados, pensionistas e agregados.

Nossos militares são vitimas de sua propria incompetencia. Recursos nao faltam.

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Kaliban de Greyhawk
1 ano atrás

O planejamento era de 2 esquadra logo o efetivo tinha que aumenta o problema é que não veio a 2° esquadra porém a mesma já tem planos para reduzir o efetivo e aumentar o % de temporários no quadro…. Aumentar o número de efetivo é mais rápido do que diminui-lo.

Fernando Vieira
Reply to  Flávio Henrique
1 ano atrás

Isso foi um caso engraçado. Vamos planejar uma segunda esquadra? Vamos, precisamos de uma! Beleza. Aí eles vão, pensam nos meios, quantos navios, quais navios etc. Aí agora, manda concurso e contrata o pessoal! Não podemos correr o risco dos navios chegarem e não ter tripulação! Contrataram o pessoal. O dinheiro acabou e não teve navio. Mas o pessoal é concursado e não pode sair mais. Isso foi muito engraçado. Deveriam ter aumentado o pessoal gradativamente a medida que os meios chegassem. Se bobear a segunda esquadra tem almirante, os navios virtuais tem capitão e tripulação e devem ter até… Read more »

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Kaliban de Greyhawk
1 ano atrás

Marinha e aeronáutica tem que cortar o efetivo pela metade, chocante assim, estão voando e navegando em que???
O exercito corta 1/3 e não mais pq tbm precisamos ter um minimo de capacidade dissuasória enquanto as outras duas forcas se reestruturam, apos este período termina de cortar pra chegar na metade tbm!

Cavalli
Cavalli
Reply to  Carlos Gallani
1 ano atrás

Tenho percebido que o exército nos últimos anos tem sido “agraciado” com mais investimentos e meios, inclusive aéreos de asa fixa. O que os comandantes das 03 forças pensam? Em transformar nossas FFAA eu um EXÉRCITO POPULAR BRASILEIRO? A exemplo da China?

Camargoer
Camargoer
Reply to  Cavalli
1 ano atrás

Olá Cavalli. Acho que é apenas impressão. Tanto a FAB quanto a MB estão com programas bilionários (F39, KC390, ProSub, A140, G40… ) enquanto que o EB está com o Guarani, Astro2020 e compras de oportunidade de carros de combate. O EB tem um orçamento maior que as outras forças por causa do efetivo. São aproximadamente 3 militares no EB para 1 militar na FAB e 1 militar na MB..

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Lembro da revista Manchete com a reportagem sobre a Niterói. Era das fragatas mais modernas e poderosas do mundo.
.
A ordem nasce do caos. Vai se sair dessa.

Michell
Michell
1 ano atrás

Acho que a Jaceguai por ter sido construída no Brasil poderia ser o museu e apesar do erro do seu projeto foi construído com nosso dinheiro e com nossos engenheiros. além das centenas de empregos gerados…

teropode
1 ano atrás

Fica mais caro recuperar estes navios que ficaram muito tempo sem passar por uma manutenção preventiva e em seguida corretiva , melhor baixa-las e vender como sucata , comprem algumas de oportunidade que certamente estão com o ciclo de manutenção em dia , mesma que custe um pouco mais mas é mais garantido . Se vc tem um carro e não faz as revisões programadas , os problemas vão se acumular e certamente comprometerao toda estrutura do carro , isso ocorreu com muitos equipamentos de nossas forças armadas , negligência e ganância dos comandos .

CESAR ANTONIO FERREIRA
1 ano atrás

As quatro corvetas encomendadas, seguidas de outras quatro, resolvem a questão das escoltas. Basta não atrasar o programa e se for possível, acelerá-lo.

Marcos Campos
Marcos Campos
1 ano atrás

Sejamos realistas, todas elas podem jogar no depósito. Velharia danada, consumindo custos de operação e de remendos. Só pra dizer que tem esquadra, que não daria conta de um destroyer inimigo sozinho. Passo na ponte Rio Niteroi, todos os dias e dá dó ver aquelas canoas enferrujadas estacionadas na base. Tttssssss
Eu desativaria tudo e jogava o dinheiro todo, pra acelerar as Fragatas Leves Tamandaré, com acréscimo de lotes para baratear o processo, umas 14 unidades logo.

Marcos Campos
Marcos Campos
Reply to  Marcos Campos
1 ano atrás

E digo mais…não é só os navios que estão a banca rota não….as instalações das bases também….tudo da segunda guerra mundial pra trás.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
1 ano atrás

Vejo alguns culpando o canhão 114mm das Inhauma como causa do seu problema, elas tem
Deslocamento: 1.970 Ton (carregado)
Comprimento: 95.77 metro segundo wikipedia.
.
Mas as 3 corvetas da Indonésia da classe Fatahillah fabricadas na Holanda no final dos anos 70 são menores com 1450 e 84 m e usa um canhão Bofors 120 mm (4.7 in).
Foto da KRI Fatahillah (361) que foi comissionada em 1979 e modernzada em 2013.
. https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcS35Qc2hfE2Q3pkBR1Vom5tZEvih7mb0JnrSMjPAN-e5VikDSB-S8KTBsqs

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Não tenho conhecimento formal de engenharia, mas sou da opinião que o problema é a geometria da proa e não o peso do 4.5… não à toa, a proa da V34 incorporou o ‘flare’ existente nas FCN… abraço…

JACUBÃO
JACUBÃO
Reply to  Fernando XO
1 ano atrás

Boa noite CMG

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  JACUBÃO
1 ano atrás

Boa noite, prezado jacubão…

Esteves
Esteves
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Talvez fosse uma boa matéria do PN. A superestrutura/ponte das Inhaúma parece ter peso excessivo ou porte superdimensionado para o restante do navio. Nos vídeos no YouTube parece que a proa afunda por esse motivo.

Mas não sou marinheiro nem engenheiro.

Uma coisa chamou minha atenção com o relato do Fernando. O navio manobra rápido e atira bem. Foi um pensamento engenheiristico dos anos 1960/1970?

Fernando Vieira
Reply to  Esteves
1 ano atrás

Não fosse os tempos de guerra fria eu diria que o projeto teve consultoria russa: É um navio de guerra, ele precisa manobrar e atirar. Quer conforto, embarque no Queen Mary.

Enes
Enes
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Caro Walfrido Strobel, foi dito, erro de projeto e a proa curta, por isso o peso do canhão afeta o navio.

ALEXANDRE
1 ano atrás

Pq n tentam comprar as fremm italiana que foram oferecidas? Acho melhor que comprar tapa buraco,senao,vao ser outro mirage 200

ALEXANDRE
1 ano atrás

2000*

Fernando Turatti
Fernando Turatti
1 ano atrás

Uma marinha com mais militares que a Royal Navy e sua equivalente italiana JUNTAS, mas navio que é bom, isso aí não tem não.

Sincero
Sincero
1 ano atrás

R. I. P. Marinha do Brasil.
Que venham os navios de 2a mão, as sucatas e refugos dos países desenvolvidos. Não entendo por que temos força naval se a maioria dos militares atuam em terra e custam caro? Enfim, se meu comentário não for censurado, desejo boa sorte a todos.

Toni Cavalcante
Toni Cavalcante
1 ano atrás

O que farão com os lançadores Aspide? Poderiam ser convertidos para defesa AA em terra?

Maurício Veiga
Reply to  Toni Cavalcante
1 ano atrás

Espero que utizem o armamento para afiar os dentes das patrulhas classe Amazonas…

Diogo
1 ano atrás

O negócio é aumentar o efetivo mais um pouco

Celso
Celso
1 ano atrás

É. Nossos almirantes são mais incompetentes que os outros….

RENAN
RENAN
Reply to  Celso
1 ano atrás

Veja o PIB do Chile, e veja a sua marinha e sua aeronáutica.
Somos incapazes de retirar a corja de políticos, funcionários públicos, e militares desnecessário de seus cargos.
Infelizmente não tem solução visto a estes cabide de emprego e de benefícios.

Camargoer
Camargoer
Reply to  RENAN
1 ano atrás

Caro Renan. Acho inadequado comparar as forças armadas chilenas com as brasileiras. Seria mais apropriado compara-las com as forças argentinas. As forças armadas brasileiras seriam melhor comparadas ás da Austrália, Itália e Espanha. O Chile tem uma boa base industrial mas eles essencialmente importam os equipamentos mais sofisticados (suas escoltas foram compradas de segunda-mão, os submarinos construídos no exterior, apenas 10 dos 49 caças F16 foram comprados novos, os carros de combates também foram comprados de segunda-mão). A base industrial brasileira é maior e mais complexa. Os 36 F39 serão novos e alguns fabricado no Brasil pela “Boeing” (sic). Os… Read more »

RENAN
RENAN
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Camargoer Concordo com você, mas A comparação foi no sentido que um país tão pequeno conseguem ter equipamentos muito melhor do que o Brasil. Pois se compara com países de mesmo nível a lavada é pior, Austrália Espanha e Itália meu Deus parece que somos governados por crianças perto destes países. Quanto a capacidade industrial infelizmente não se reflete em equipamentos militares, visto só que temos disponível hoje versus ao Chile. Guerra é momento então se nesse exato momento o Chile atacar o Brasil por via aérea e pelo mar não temos muito o que fazer. Portanto de prateleiras ou… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  RENAN
1 ano atrás

Caro Renan. O Brasil e o Chile são muito diferentes em PIB, em efetivo militar, em território, população, etc. São tão diferentes que as comparações ficam distorcidas. Por outro lado, quando comparamos o Brasil com países de orçamento militar parecido (Itália, Espanha, Austrália), os problemas das nossas forças armadas ficam explícitos e não há como ignorá-los. São países com um setor industrial moderno, com programas militares que priorizam sua própria industria e servem para fomentar a própria economia, inclusive com governos empenhados em promover exportações. Possuem forças armadas mais modernas e eficientes do que as nossas usando orçamentos similares. Acredito… Read more »

RENAN
RENAN
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Perfeito

Luis
1 ano atrás

Grande parte da esquadra brasileira é sucata! O unico navio que é reformado todo ano é o NE BRASIL.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Luis
1 ano atrás

Estas fragatas tipo Niteroi são umas fogueiras de São João, prontas para o fogo. A US Navy retirou de serviço todos os barcos semelhantes, depois do afundamento do Sheffield. Superestrutura de Aluminio é suicídio militar. Pega fogo, fácil. O fenômeno da aluminotermia se encarrega de produzir temperaturas mais altas do que queima de gasolina. Boa hora para aposentar todas. Não servem para combate.

JORGE PREC PQDT
JORGE PREC PQDT
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 ano atrás

Li numa Matéria em outro Site que o Alumínio das
Fragatas “Niterói” já Perdeu Boa Parte da
Vida Útil (que seria de 40 Anos).
já Perderam Grande Parte da Resistência !!