Home Aviação Naval Segundo porta-aviões chinês necessitará de apoio logístico robusto

Segundo porta-aviões chinês necessitará de apoio logístico robusto

14357
80
Type 001A (redesignado Type 002), o primeiro porta-aviões totalmente construído na China

O navio só poderá operar durante seis dias no mar sem reabastecimento, mas uma nova base está sendo construída no Fiery Cross Reef

Problemas de reabastecimento podem surgir como um grande obstáculo para as capacidades de combate do segundo porta-aviões da China, conhecido inicialmente como “Type 001A” (redesignado como Type 002), que está agora no seu estágio final de testes e ajustes antes de entrar em serviço, provavelmente até o final deste ano.

O porta-aviões de construção chinesa, que funciona com óleo combustível naval, é inspirado no seu antecessor, o Liaoning, de fabricação soviética, e possui os mesmos sistemas básicos de propulsão que seu navio irmão.

Assim como o Liaoning e outros navios da classe “Kuznetsov” da era soviética, o novo porta-aviões precisará armazenar cerca de 13.000 toneladas métricas de óleo combustível naval para suas operações, além das necessidades dos seis a oito destróieres de mísseis guiados e corvetas que formam um grupo de combate maior.

Uma missão para reabastecer os tanques do porta-aviões será necessária sempre que um terço do estoque total de combustível for consumido, como visto no acordo de logística do Exército de Libertação Popular para o desdobramento anti-pirataria no Golfo de Aden, onde acompanha navios mercantes chineses, segundo para o Kanwa Defense Review.

O segundo porta-aviões consumirá 1.100 toneladas de combustível por dia ao navegar a 20 nós (37 quilômetros por hora) e cerca de 400 toneladas a mais durante operações de combate. O esquadrão de caça J-15 a bordo do porta-aviões também precisará de suprimento adequado de combustível de aviação, bem como outros óleos lubrificantes.

Quando o novo porta-aviões estiver em alto-mar, o navio de abastecimento, munição e suprimento Type 903 de 23.000 toneladas será a principal fonte de combustível, alimentos e outros suprimentos. No entanto, essa restrição de capacidade significa que a Marinha terá dificuldade de reabastecer todo o grupo de ataque de porta-aviões mais que duas vezes seguidas.

Navio de apoio logístico Type 903A

Observadores dizem que, assim como o Liaoning, o grupo do Type 002 só pode durar no mar por seis dias entre cada reabastecimento, uma fração do tempo dos porta-aviões nucleares da Marinha dos EUA, que não precisam de combustível para propulsão.

Como uma medida provisória antes que a China possa lançar seus próprios porta-aviões nucleares em um futuro distante, o Estaleiro de Guangzhou, sob a estatal China Shipbuilding Corp, já está acelerando a construção dos navios de apoio rápido de combate Type 901 de 50.000 toneladas, com o primeiro da classe já tendo tendo entrado em serviço.

O primeiro navio de apoio logístico Type 901 em provas de mar

Bases do Mar da China Meridional

Também foi revelado que o Type 002 será principalmente designado para patrulhar o Mar da China Meridional a partir de sua cidade portuária de Yulin, em Sanya, na ilha de Hainan, localizada estrategicamente, onde o cais para dois porta-aviões está em fase de conclusão.

Outra base de porta-aviões também está tomando forma no mar no coração das águas altamente disputadas, no Fiery Cross Reef, também conhecido como Northwest Investigator Reef e Yongshu Reef, a oeste das Ilhas Spratly, onde a atividade frenética da China viu grandes pedaços de terra sendo produzidos no mar nos últimos anos.

A militarização dos atóis na China visa a criação de uma “Grande Muralha de Areia”, com bases de reposição para seus navios de guerra, já que o PLA busca impulsionar suas patrulhas e reivindicações territoriais.

Deve demorar um pouco mais de um dia para o Type 002 navegar de Sanya para esta base a uma velocidade de 20 nós.

A primeira base internacional do PLA em Djibouti, no Chifre da África, bem como um porto civil no Sri Lanka, alugado pela força, também serão bases de suprimento vitais para os porta-aviões chineses.

Uma foto do Fiery Cross Reef, ou Yongshu Reef (localizada a oeste da Ilhas Spartly), criada pelos militares chineses. Terá um cais para receber os porta-aviões chineses. Imagem: PLA Daily
A "linha de nove traços" que descreve as reivindicações chinesas no mar do sul da China
O Mar do Sul da China e a “linha de nove traços” que descreve as reivindicações territoriais chinesas

FONTE: Asia Times

Subscribe
Notify of
guest
80 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Victor Filipe
Victor Filipe
11 meses atrás

Só 6 dias? quer dizer que se ele ficar mais do que 6 dias sem receber suprimentos durante operações militares o navio fica inutilizável (no sentido de não poder se mover e não poder lançar aviões)? Caramba… mas que calcanhar de aquiles brutal… um submarino se quer que consiga interceptar um único comboio levando suprimentos para esse navio (combustível) pode parar as operações aéreas da esquadra chinesa por mais de uma semana… E Indianos e Russos devem estar mais ou menos no mesmo barco já que tem navios semelhantes… É meus amigos… parece que estrangular esses navios não é tão… Read more »

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Complicado em? Acho que esqueceram da comida e combustível e água kkkkkkkkkk

Jack
Jack
Reply to  Alexandre Galante
11 meses atrás

Impressionante…E doloroso no bolso de qualquer marinha, mas em resumo…Marinha grande é para quem tem bolso e planejamento grandes…

JPC3
JPC3
Reply to  Alexandre Galante
11 meses atrás

Fornecem tudo se os submarinos inimigos não fecharem as rotas, né?

Wagner
Wagner
Reply to  JPC3
11 meses atrás

Toda marinha com porta aviões, tem uma escolta grande, entre fragatas, corvetas, aviões de reconhecimento e radares 24horas no ar e submarinos…loucura um morta avião sem escoltas

JPC3
JPC3
Reply to  Wagner
11 meses atrás

Verdade, Wagner.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  JPC3
11 meses atrás

e os possíveis adversários tem submarinos excelentes…

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  Alexandre Galante
11 meses atrás

Não esqueçam, que os navios de apoio logístico serão os primeiros alvos…. “cortar as pernas”

marcus
marcus
Reply to  Alexandre Galante
11 meses atrás

Caramba… mas que calcanhar de aquiles brutal… um submarino se quer que consiga interceptar um único comboio levando suprimentos para esse navio (combustível) pode parar as operações aéreas da esquadra chinesa por mais de uma semana…

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Alexandre Galante
11 meses atrás

ha coitados …
esse chineses deviam ter ficado so nos velhos pesqueiros kkkkkkk

Camargoer
Camargoer
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Olá Victor. Números impressionantes. Encontrei que o velho A11 da MB (deslocamento 20 mil ton) consumia 150 ton de óleo por dia e tinha uma autonomia de 20 dias (então tinha uma reserva um pouco maior que 3 mil ton, sobrando 17 ton para os avioes, combustível dos aviões, alimentos para a tripulaão etc. O navio chinês desloca 85 mil ton, portanto é razoável pensar que ele consome mais combustível (1,1 mil ton). Se a reserva dele é de 13 mil ton de combustível, ele pode operar 11 dias seguidos, por isso a necessidade de reabastece-lo a cada 6 dias… Read more »

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Camargoer
11 meses atrás

Carmagoer. obrigado pelos dados, ainda assim, acho 11 dias muito pouco e isso deixa muito evidente a importância do apoio logístico para os Chineses. em um possível conflito, se um ou mais navios de apoio logístico destinado a abastecer esse porta aviões é afundado isso pode efetivamente deixar a embarcação chinesa “morta” na água no meio do oceano. Acredito que isso possa ser a maior vantagem dos Porta Aviões nucleares. mesmo que se prejudique a linha de suprimentos ele não vai ficar sem combustível e assim vai poder voltar para águas amigas. Logística amigos. guerras são vencidas e perdidas com… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Olá Victor. Concordo como você e amplio sua avaliação para submarinos convencionais x nucleares. Para uma marinha ofensiva (como dos EUA, China, Russia, Inglaterra, Índia… ) é preciso ter o porta-aviões como meta (foi o caminhos das marinhas dos EUA e França). Por outro lado, para uma marinha defensiva, a meta seria mesmo o submarino nuclear. Posso estar enganado, mas creio que o terceiro porta-aviões da China será maior que os atuas mas ainda terá propulsaão convencional. Talvez o quarto porta-aviões já seja nuclear.

marcus
marcus
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Os navios de apoio logístico Chineses serão a prioridade dos submarinos inimigos.
E aqueles ilhas artificiais serão as primeiras a levar bomba.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Camargoer
11 meses atrás

Santo camargoer, iluminou montes de cérebros com este comentário

Camargoer
Camargoer
Reply to  Peter nine nine
11 meses atrás

Olá Peter99. Não tenho muita certeza. De vez em quando um ou outro ainda prefere confiar na chutologia.

india-mike
india-mike
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Mesmo os PA nucleares precisam de um navio de apoio logístico constantemente ao seu lado para reabastecê-los, não só de suprimentos básicos (comida, água etc) como principalmente de combustível de aviação, cuja demanda será altíssima. A propulsão nuclear não se justifica pela sua teórica autonomia infinita (posto que na prática como dito essa será tão limitada quanto a dos PAs convencionais), mas sim pela sua geração de energia capaz de suprir toda a necessidade das catapultas operando constantemente assim como de toda a suíte eletrônica e do próprio consumo elétrico das áreas comuns do (grande) navio, que é superior ao… Read more »

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  india-mike
11 meses atrás

India-mike, sim eu concordo. mas como eu afirmei antes. um porta aviões nuclear não precisa levar combustível para ele mesmo, isso libera mais combustível para aviões e suprimentos para tripulação e armamentos oque por si só aumenta sua permanência no mar consideravelmente são milhares de toneladas de combustível para o navio que deixam de ser necessárias.

Alem de que, mesmo que os navios de suporte seja atingido e o navio fique sem suprimentos ele ainda vai ter “combustível” para voltar para casa e não vai ficar “morto” na água

Sergio Prado
Sergio Prado
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Inacreditável que tiveram este trabalho todo para uma banheira destas…. E o type 901 é tão grande que tem um alvo enorme nas costas para qualquer sub da primeira guerra….. Para mim este fatos já eram conhecidos mesmo antes da construção…. Sabem daquele “cachorro” enorme que late forte e que dá medo???? …e quando você chega perto ele começa a abanar o rabo e começa a latir com menos intensidade….ai você passa a mão na cabeça do animal e ele se deita aos seus pés…. MAS ANTES TEM-SE QUE TER CORAGEM DE CHEGAR PERTO…. Só isso. Eles estão usando exatamente… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Sergio Prado
11 meses atrás

Sérgio, não interessa, tem de comessar por algum lado

Thiago
Thiago
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Esse tipo de recurso bélico tem se tornado obsoleto por ser um alvo bem grande, consequentemente por representar um prejuízo já constatado pela mera operação e um ainda maior no caso de ser atingido por um míssil balístico intercontinental.

Valim
Valim
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Leia bem…. “Uma missão para reabastecer os tanques do porta-aviões será necessária sempre que um terço do estoque total de combustível for consumido…” …. não deixa de ser pouco tempo, mas ele pode operar 18 dias sem reabastecimento.
Se bem me lembro, os porta aviões americanos reabastecem de combustível de aviação toda vez que a capacidade de seus tanques atingem 90%.

Atirador 33
Atirador 33
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Se ele é uma cópia do modelo soviético, os comunas tiveram os mesmos problemas na guerra fria, será que era de conhecimento dos EUA essas limitações?

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Quando eu falo que a Marinha Chinesa tem que “comer muito feijão” para se comparar a US NAVY tem colegas que ficam bravos etc… não é torcida, é fato. Com certeza China vai ter uma Marinha para brigar de igual com a America, mas isso leva tempo, não será nessa nem na próxima década!

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Deve ser por isso que estão chorando por conta da força de submarinos japonesa… Vai ter chinês descendo para empurrar navio!

FERNANDO
FERNANDO
11 meses atrás

Nada que muito $$$$ não possa resolver.

BMIKE
BMIKE
11 meses atrás

Torpedear os navios logísticos da ‘PLA NAVY’ não será tarefa difícil para os subs Indianos, Japoneses ou qualquer outro país da região que se sinta ameaçado pelo ” dragõo ” perna curta….

RENAN
RENAN
11 meses atrás

Pelo que entendi 1/3 do combustível da para uma semana, e por prevenção tem que ser reabastecido a cada semana para se ter sempre 2/3 de combustível disponível. Das 13mil toneladas que ele tem capacidade Porém com o navio type 901 com 50 mil toneladas isso se resume a 3 reabastecimento completo. Com dois desses type 901 Navegando lado a lado no grupo de batalha são 6 reabastecimentos garantidos exclusivo para o porta aviões. Acredito que a China teria que construir no mínimo 6 type 901 para tal logística funcionar. Ou em caso de necessidade ser acompanhado de petroleiros civil… Read more »

Sergio Prado
Sergio Prado
Reply to  RENAN
11 meses atrás

“Ou em caso de necessidade ser acompanhado de petroleiros civil lotado de combustível.”
Verdadeiras refinarias de petróleo flutuantes…..

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Sergio Prado
11 meses atrás

O próprio porta aviões já com uma secção só para explorar e refinar petróleo ^^

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  RENAN
11 meses atrás

Eu não acho que um petroleiro seria adequado, seria o alvo dos alvos…

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Victor Filipe
11 meses atrás

Sim Victor, só aquela assinatura acústica, uiui

Lemes
11 meses atrás

Pra que perder tempo e arriscar seus meios indo atrás do porta aviões se é muito mais fácil e efetivo destruir os navios de apoio? Como diz o ditado: amadores estudam táticas, profissionais estudam logística.

Dalton
Dalton
Reply to  Lemes
11 meses atrás

NAes tem sido empregados nas últimas décadas na paz , mesmo em ajuda humanitária, em guerras por procuração ou guerras onde não se tem um inimigo à altura e é bem provável que será assim que os chineses irão empregar seus NAes e isso também necessita de navios de apoio.
.
Em caso de guerra com um rival à altura, outras medidas ofensivas e defensivas serão adotadas e navios de apoio operando na retaguarda podem não ser tão fáceis de localizar e/ou destruir e até que isso seja feito o NAe
e seu grupo poderão fazer um estrago.

Rene Dos Reis
Reply to  Dalton
11 meses atrás

Disse tudo Dalton , a galera ta achando que a China vai fazer guerra na costa leste dos EUA.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Rene Dos Reis
11 meses atrás

Não mesmo, por mais que fiquem garganteando a Marinha Chinesa é uma Superpotencia local.

Diogo Hosp
Diogo Hosp
Reply to  Lemes
11 meses atrás

Cortando cadeia de suprimento, até navio passa fome. Vale lembrar que navios militares de logística, apesar de bem escoltados, não possuem pra si uma boa defesa armistica como os demais navios de uma esquadra.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Lemes
11 meses atrás

É pra isso que se tem um JASSM com inteligência artificial, o tal do LRASM

ednardo curisco
ednardo curisco
11 meses atrás

Dois fatores contam:
– estes porta-aviões de agora são acima de tudo para criarem doutrina e experiÊncia.
– A armada chinesa ainda não é uma armada para intervir em qualquer lugar do mundo. Ainda é feita para operar ‘perto de casa’. Sim, 6 dias é autonomia ridícula, mas é o que tem para hoje e estando perto de casa é menos difícil manter a linha de abastecimento

Rodrigo v
Rodrigo v
11 meses atrás

Isso se chama curva de aprendizado, a quinze anos não se vislumbrava uma china com grupos capitaneados em porta aviões, com o tempo eles vão melhorar e muito. Os EUA demoram só 70 anos para serem o benchmark em operações embarcadas. Os chineses vão melhorar os defeitos e óbices de sua força. Talvez vão de reator nuclear talvez não. O que estamos vendo e um fato consumado. A china chegou para ficar entre as maiores e mais poderosas forças navais do planeta

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Rodrigo v
11 meses atrás

uma velha piada dizia que perguntaram a um ministro chinês o que ele achava da revolução francesa. ele respondeu que era um evento muito recente para avaliar. 🙂

os chineses são pacientes e pensam 30 ou 40 anos na frente

α Tau
α Tau
Reply to  ednardo curisco
11 meses atrás

Muito bons seus comentários…

α Tau
α Tau
Reply to  α Tau
11 meses atrás

Estes robôs cretinos negativam até os elogios que eu faço aos outros…só fazem ficar repetindo a mesma ladainha por aqui…só fazem comentários retardados e panfletagens imbecis…achando que com isso conseguirão fazer prevalecer a sua voz por aqui ou mesmo mudar o pensamento dos outros… Não adianta vcs tentarem debater com essa gente…eles mentirão na sua cara, distorcerão, deturparão ou apelarão para ataques ad hominem…não importa o quanto vcs argumentem ou o quanto vcs provem os fatos…eles ignorarão vcs e o que apenas farão, será repetir com a mesma ladainha indefinidamente…pois foram pagos e recrutados para isso…estão aqui só pra fazer… Read more »

JPC3
JPC3
Reply to  α Tau
11 meses atrás

Amigo, você também não ouve a argumentação dos outros.

Quer ser levado a sério chamando avião de cascão, tijolão e dizendo que equipamento chinês é muito melhor sem que ninguém no mundo tenha conhecimento disso?

Eu também falo bobagem às vezes, mas quando um pessoa séria me corrige com um bom argumento eu paro.

Tem 7 nicknames e tá chamando os outros de mentirosos.

JPC3
JPC3
Reply to  α Tau
11 meses atrás

Não é verdade Máquina T. Se quer dizer que uma coisa é melhor vá buscar argumentos técnicos de fontes sérias.

“”Império do Mal””, “”muralha da China””, “”milhares de anos de história”” não são bons argumentos e não provam nada.

JPC3
JPC3
Reply to  α Tau
11 meses atrás

Chamando aviões de cascão, varejeira, tijolão… aí fica difícil conversar.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  ednardo curisco
11 meses atrás

Se formos a ver bem, é, pois tudo é uma sequencia de eventos e nenhum motivo para um acontecimento é realmente o motivo, mas sim um dos motivos de uma sequência complexa.

Esteves
Esteves
Reply to  ednardo curisco
11 meses atrás

Lenda.

Eles nunca entraram em guerra ou conflitos com porta-aviões. Eles acham que o porta-aviões de X toneladas deve ser reabastecido a cada X dias porque fazem contas…e mais contas.

Os americanos têm certeza do que e como fazer porque testaram todos os modelos…na prática. Nas batalhas. Com e sem as leis de murphys.

Saberão o que fazer quando a guerra chegar? Ou a resposta virá da lenda de Sun Tzu?

Carlos Gallani
Carlos Gallani
11 meses atrás

O local mais vulnerável para um navio é o Porto, da pra colocar solução de tiro via satélite, o delay não importa, por mais que o PA em si não encoste estes suportes gigantes terão de fazê-lo e por mais que estas ilhas sejam lindas, alvos fixos são alvos fixos!

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Carlos Gallani
11 meses atrás

Fod@ era descobrirem que elas se movem ^^

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Peter nine nine
11 meses atrás

Elas não estava ali não é mesmo?! Hahahahahhaha

MBP77
MBP77
11 meses atrás

“Ter não significa operar”.
*
No célebre adágio, o operar faz referência- entre outras – à logística.
Parece que no quadro de momento, aquela é o calcanhar de Aquiles da Marinha chinesa.
Ao menos estão acelerando a construção de navios de apoio, o que minimizará tal problema até a entrada em serviço do PA nuclear.
Projeção de poder no mar é (quase) sempre mais custoso do que a negação de TO.
Por isso que considero assertiva a priorização dos (parcos) recursos disponíveis à MB na construção de submarinos ao invés de manter em operação um PA antigo, por exemplo.
Sds.

Sargento Pincel
Sargento Pincel
11 meses atrás

TO esperando o post do AntonioKings….

Marcelo Danton
Marcelo Danton
11 meses atrás

Engraçadinho esses europeus. Chineses revolvem o fundo e fazem montanhas de areia nos mares..mas nós, brasileiros, não podemos fazer hidrelétricas e nem linhão para Roraima sem alemães, ingleses, franceses, países nórdicos darem chiliques e quererem boicotar nossos produtos.

Ricardo Ramos
Reply to  Marcelo Danton
11 meses atrás

Se temos clientes exigentes, que ainda por cima preferem comprar produtos de outros, o que devemos fazer? Não é bater de frente com o cliente, mas investir em tecnologia e melhorar nosso produto. Hidrelétricas embora fáceis, são onerosas, então optemos por outras formas de geração. De preferência com tecnologia de vanguarda, como a eólica, a solar e a que virá do reator multiproposito que está sendo desenvolvido para nosso SSN. Assim atendemos as restrições de nossos clientes, geramos valor para nossa economia e desenvolvemos tecnologia. Não devemos pensar como dificuldade, mas sim como oportunidade. O Brasil pode fazer mais e… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Ricardo Ramos
11 meses atrás

O de cima sobe e o debaixo desce… Ninguém reclama da contaminação nas cidades, lagos e rios russos. Nem do extermínio de animais e de florestas na Sibéria. Ninguém reclama da poluição urbana e da falta de saneamento na Índia e na China. O chilique europeu se dá contra quem não pode fazer nada…eles querem renegociar os contratos. Para baixo. Dão a desculpa ambientalista porque precisam dos votos. No fundo é grana. Excêntricos. Há muita oferta de matéria prima no mundo. O reator multiproposito não faz parte do SN. Faz parte de Aramar em Ipero. É um reator para produção… Read more »

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Ricardo Ramos
11 meses atrás

Concordo Ricardo Ramos.
Muito bem exposto. Parece-me que o caminho é bem este mesmo. Buscar as melhorias necessárias com tecnologia e inovação.

carvalho2008
carvalho2008
11 meses atrás

Qual a surpresa pessoal? Se a tonelagem do Nae é grande, um supercarrier, o consumo fica logaritmico crescente…. É por isto que os Americanos apostaram no nuclear…. O que entendi é que operando 100% full continuo, dariam quase 9 dias ate esgotamento total…. operando normal a 20 knots, 11 dias…. é por isto que os Britanicos tiveram que trocar seus Navios de apoio para os Quen…o nae acabou ficando grande e exigiu um suporte bem maior que os Wave…. Mas por outro lado, operando no mar da China….não acho que isto seja um problema… alem dos novos navios de apoio,… Read more »

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  carvalho2008
11 meses atrás

Acho que o maior problema é que cada operação desta de recarga leva horas e horas. E numa operação de guerra, cada minuto é precioso.

e imagina que a cada 7 dias o navio vai ter de parar pelo menos meio dia para reabastecer…

carvalho2008
carvalho2008
11 meses atrás

Qual será a capacidade de ton de combustivel da aviação embarcada dele?

O do A-11 Minas Gerais, eram ridiculas 400 ton…

Os Invencible Class, umas 900 ton de combustivel de aviação…

O Nae SP tinha umas 1.800 toneladas…

o CDG tem umas 3.500 ton…

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
11 meses atrás

Achei…o Liaoning tem aproximadamente 2.500 ton de combustivel de aviação….

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  carvalho2008
11 meses atrás

E quanto será que os aviõezinhos deles “bebem” numa missão básica? Em CAP, por exemplo?

Bosco
Bosco
Reply to  carvalho2008
11 meses atrás

A capacidade de um Nimitz é de 10500 t de combustível de aviação mais 8000 t de “bombas” e víveres para 6000 tripulantes durante 100 dias (1000 t??).

100nick-Elã
100nick-Elã
11 meses atrás

A filosofia dos porta-aviões classe kuznetsov é essa mesma: propulsão à diesel. Dizer que a autonomia de um porta-aviões nuclear é “infinita” é ilusão: eles precisam de água potável, combustível para os aviões, comida, etc. Seis dias é mais do que suficiente para entrar na zona de conflito e retornar. Lembrando que um porta-aviões americano, em tese, torna-se indefeso (sem armamento) a partir do momento que seus aviões ficarem sem combustível.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  100nick-Elã
11 meses atrás

Que força que vc fez, minha nossa senhora!

Jota
Jota
11 meses atrás

Em setembro de 2015 : “Speaking alongside U.S. President Barack Obama in the White House Rose Garden in September 2015, Chinese President Xi Jinping offered certain assurances about China’s then-heavily scrutinized island-building activity in the South China Sea — specifically in the Spratly Islands,” … … “Relevant construction activities that China are undertaking in the Nansha (Spratly) Islands do not target or impact any country, and China does not intend to pursue militarization,” … Xi Jinping mentiu . E acha que tudo bem com os vizinhos…. O dia que o Japão perder a paciencia e resolver mudar a sua constituição… Read more »

Mauro
Mauro
11 meses atrás

Eu diria que esse aí vai realmente precisar de um posto Ipiranga o tempo todo perto dele.
Parece até que estão de brincadeira, mas enfim, chineses.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
11 meses atrás

Lembremos que os soviéticos nunca quiseram projetar poder aeronaval com o Kuznetsov, cujo papel era mais de nau capitanea de forca tarefa de guerra anti submarino e antiaérea em proteção dos SSBN abrigados nos bastiões. Daí que a ala aérea fosse uma especie de camada de defesa de longo alcance do Kuznetsov (pesadamente armado: lembrem dos P-700, dos Khinzall, dos muitos PDGS). Nunca foi um porta aviões com semelhança aos ocidentais. Chineses e Indianos sabiam disso, desde sempre. Mas…

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Alex Barreto Cypriano
11 meses atrás

Mas custa duas balas xita e meia paçoquita!

Guilherme Gabriel Lins
11 meses atrás

é o que sempre falo, na sua essência não tem como um porta-aviões atual estar desprovido de propulsão nuclear e das catapultas para lançar aviões, características essas não encontradas no kuznetov, liaoning, type 002, vikramaditya entre outros. Sem a propulsão nuclear o navio fica totalmente dependente do navio de apoio logístico, só que os outros navios do necessário strike group também estão, assim como as aeronaves a bordo e todo o resto, tornando a logística praticamente impossivel para longas missões bem longe de suas bases ( e é justamente isso que um porta-aviões é, uma base aérea móvel flutuante para… Read more »

Vitor
Vitor
11 meses atrás

PA é um equipamento caro. Aliás, hoje, uma guerra pode ser travada e vencida sem um único soldado no terreno, um único avião no ar e um único navio no mar….. Fase um – arrasar e estrangular a economia de um pais ao ponto desse pais não poder comprar 1 kg de feijão….já foi feito no passado e ainda é uma estratégia operacional de guerra . Fase dois – abdicar da moralidade e compaixão, um bom centro de comando unificado, monitores, latitudes, longitudes, localizações e mísseis sem fim. É só digitar onde o missil ou multiplos misseis vão cair. Fica… Read more »

α Tau
α Tau
Reply to  Vitor
11 meses atrás

Resumiu tudo de forma irretocável…Saudações Vitor…

Jagderband#44
Jagderband#44
11 meses atrás

Polta avião pelna culta

Heli
Heli
11 meses atrás

Acho errado comparar com os classe Nimitz (ou até mesmo com o De Gaulle), pois são nucleares, portanto o combustível a borde é para as aeronaves. Seria mais apropriado comparar com o Kitty Hawk (ainda que esse desloque quase 40 mil tons a mais). De quanto em quanto tempo o Kitty Hawk era reabastecido em mar. Outra comparação poderia/poderá ser feita com os classe Queen Elizabeth já que são convencionais também, embora não por óleo combustível. De qualquer forma um gigantesco calcanhar de Aquiles, limitará demais seu uso em aguas azuis. E tem gente que é louco pra ver a… Read more »

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
11 meses atrás

Tudo isso não passa de uma curva natural de aprendizagem da poderosa Marinha Chinesa.

Os famosos Estados Unidos já passaram por momentos muito parecidos e nunca ninguém falou nada por aqui.

Basta lembrar da Classe Forrestal que ontem mesmo (quase 60 anos atras) vivenciava esse tipo de limitação.

Coisas da Vida…

Obs.: Não costumo menosprezar a inteligencia dos Russos, pelo menos dessa vez quem fez um “negocio da China” não foi um Chines… mas sim o seu Irmão menor…

Vitor Bruno Fonseca Rodrigues
11 meses atrás

Quem tem um arsenal atômico não precisa de porta aviões, navios de apoio logístico e etc. Em caso hipotético de guerra, só precisam de um louco disposto a apertar um botão (e neste caso tanto a China quanto os USA possuem o “louco”). No mais é só ameaça. Eu finjo que te mordo e você finge que me morde.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
11 meses atrás

Como diria o xing ling … ” xerocar é muito dificil ”

Essa frota chinesa Lembra muito os tenis Nyke ANTA da china, parece um lindo Nike Vapormax mas nao tem nenhuma qualidade kkkk

Edson Parro
Edson Parro
11 meses atrás

Se o mundo foi feito em 7 dias, o porta-aviões chinês está quase lá!

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
11 meses atrás

Esse 001A desloca de 55 a 70 mil ton (mais que o Kuznetsov). Não parece muito que das 15 mil toneladas entre o leve e o cheio, 13 mil seja de combustível? A não ser que o deslocamento de 55 mil ton seja o padrão, e portanto, o combustível da propulsão já esteja incluído…