Home Indústria de Defesa Compra de corvetas pela Marinha vai parar no TCU

Compra de corvetas pela Marinha vai parar no TCU

5896
85
Concepção em 3D da classe Tamandaré
Concepção em 3D da futura classe Tamandaré

O Correio Braziliense noticiou que os trabalhadores da indústria metalúrgica de Pernambuco apresentaram denúncia ao Tribunal de Contas da União (TCU) contra o resultado da concorrência internacional conduzida pela Marinha com a Emgepron, estatal ligada ao Ministério da Defesa. A seleção, vencida pelo consórcio Águas Azuis, visava a construção de quatro corvetas classe Tamandaré (CCT), navios-escolta, com previsão de entrega entre 2024 e 2028, conforme anunciou a Marinha em 28 de março. O projeto tem valor estimado em R$ 5,5 bilhões.

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas, Mecânica e de Material Elétrico de Pernambuco pede ação cautelar para cancelar a assinatura do contato com o consórcio liderado pelo grupo alemão ThyssenKrupp Marine Systems, a Embraer e a Atech. De acordo com o TCU, o processo é sigiloso e está em fase de instrução.

O diretor do Sindicato, Henrique Gomes, alega que, se o processo fosse executado com transparência, obedecendo as condições do edital, o consórcio FLP, que inclui o estaleiro Vard-Promar, poderia construir as corvetas. Ele afirma que há dois estaleiros em Pernambuco que já empregaram, juntos, mais de sete mil funcionários especializados. Atualmente, com a crise econômica e do setor naval, esse número caiu muito e apenas o Vard-Promar emprega 200. Ele não precisou quantos trabalham no outro estaleiro.

“O programa resgata a indústria naval e isso é bom para todos, mas é uma questão legal. Não podemos aceitar um processo manipulado. O navio tem 120 metros e o estaleiro de Itajaí tem apenas 80 metros. Como pode a Marinha aceitar como melhor oferta um preço de referência que não está fechado? Como pode aceitar uma oferta que inclui pagamento de royalties para a transferência de tecnologia, que costuma ser de 3% do valor do produto, na atual situação das contas do governo?”, questiona.

Segundo Gomes, a Marinha fez questão de ser dona do sistema embarcado, com a compra da transferência de tecnologia e segredos militares, como o código fonte do sistema. Entretanto, nunca será a dona do projeto nem terá a liberdade de utilizá-lo em outros navios, já que terá que pagar royalties. Ele diz ainda que o RFP oferecia duas opções: usar o projeto da Marinha ou o da contratada, desde que o navio já tivesse sido construído.

Para ler a matéria completa no site do Correio Braziliense, clique aqui.

85
Deixe um comentário

avatar
36 Comment threads
49 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
52 Comment authors
Alex StelioTonolucroRicardo NetoPedro Mouraindia-mike Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Douglas Targino
Visitante
Douglas Targino

Até uma concorrência perdida os caras não sabem perder! Querem vencer a força, pois isso é coisa de sindicato querendo fazer moído por Pernambuco ter perdido

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Sindicato e entidade de classe dois cánceres do Brasil.

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

5 sindicalista me negativaram

Flanker
Visitante
Flanker

Entidade de classe seria o que?

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

CRC, OAB, CREA, CRM etc …. pura “comecao” de dinheiro.

Flanker
Visitante
Flanker

Concordo com muitas coisas que você escreve, mas dessas vez, discordo totalmente. Sindicatos são altamente politizados partidariamente, mas Conselhos, como CREA, CRM, CRF, etc, são autarquias federais que não recebem sequer 1 centavo de dinheiro dos governos federal, estaduais e municipais. Funcionam com verbas próprias, oriundas da arrecadação dos próprios profissionais. Existem com a função principal de fiscalizar o exercício ético de cada profissão, através da fiscalização presencial nos locais de trabalho desses profissionais. Essas entidades também fornecem o registro desses profissionais e, para isso, investigam a origem do diploma dos formandos na mais diversas universidades do país. Quem quiser… Read more »

Fernando Vidal
Visitante
Fernando Vidal

Como assim??? Sem sindicatos e entidafes de classe vai virar o quê isso aqui? Voltaremos a idade média com as corporações de ofício. Isso é o que chamamos de sociedade organizada, sem isso somos um bando, um rebanho…. Os caras estão certos em reclamar é direito deles e se houver alguma irregularidade que seja corrigido. Os italuanos optaram em utilizar o projeto da marinha e isso era uma grande vantagem de fato, ainda mais se existe essa questão de limitação técnica do estaleiro catatinense o que acredito que exist porque conheço o local. Então fica dificil de acreditar que era… Read more »

Marcos
Visitante
Marcos

Sindicado é cortina de fumaça. O mais interessado é o consórcio que certamente deve estar por trás de todo esse processo.

Vovozao
Visitante
Vovozao

21/07/19 – domingo – btarde, Marcos as pessoas/entidades/consórcios não admitem que possa haver produtos/condições melhores que os seus. Grande problema, deveremos ter mais um atraso nas fragatas leves. Quando postei que para podermos sobreviver com as escoltas deveríamos ter feito um acordo para adquirir as Adelaide’s, porém, como sempre criticaram muito, e, agora, só a curto prazo as Lá Fayette’s.

Demetrius
Visitante
Demetrius

Fala urubu velho…

Cavalli
Visitante
Cavalli

Douglas Targino desculpe-me em contra dizê-lo e o faço não em defesa dos sindicatos, que são excelência em tomar dinheiro dos outros em causa própria; mas para afirmar que todo o grotesco erro foi iniciado pela própria Marinha do Brasil, lembrando que ela gastou milhões para projetar um navio próprio; que por sua vez não atendendo as especificações ou descoberto algum problema de projeto, foi gasto novamente mais um caminhão (para não dizer navio) de dinheiro para a Fincantieri revisar todo o projeto. Contaminando a partir daí a licitação da compra das escoltas, sendo obrigada (Marinha do Brasil) a abrir… Read more »

Renan
Visitante
Renan

Em 2044 teremos a 1° Tamandaré

nonato
Visitante
nonato

Isso aí o TCU decide rápido, esse tipo de representação.
Ou é, ou não é.
Se as alegações forem procedentes, manda cancelar.
Se não for libera.
Se não, toda licitação no Brasil levaria décadas.

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Vamos fazer como o Irã, nossos barcos de guerra vão ser navios com no máximo 500T kkk

Mário SAE
Visitante
Mário SAE

Renan, com todo respeito, mas cansei de ouvir esse tipo de besteiras quando assinamos os contratos dos submarinos, no entanto o primeiro já está em testes o segundo caminha bem e não vejo motivos para que tenhamos problemas com os que virão na sequência.
Com relação às Tamandarés entendo que não havendo nenhum cataclisma político, teremos nossas corvetas nas datas programadas.
Atrasos até podem ocorrer, pois até mesmo países bem mais desenvolvidos sofrem com alterações no decorrer da execução do projeto, mas de um modo geral não enxergamos no horizonte nada que possa travar o cronograma.

alexandre
Visitante
alexandre

Sempre um sindicalista atrapalhando o progresso da nação, esqueceram que fizeram petroleiro torto ? não vai gerar emprego no nordeste , mas vai gerar no sul, não é o governo lula, tem os patrulhas oeanica para terminar..é licitação, não pode falar que tem que ser no nordeste…

João Adaime
Visitante
João Adaime

Estava demorando. Aqui no Brasil até resultado de campeonato de futebol acaba na justiça (1987).
Posso até achar válido a queixa dos pernambucanos. Daí cabe à justiça decidir. O grande problema é que esta mania de judicialização acaba atrasando até mesmo em décadas questões simples, mas que atravancam o nosso desenvolvimento. Isto porque os recursos são infinitos.
Pobre Brasil.

Tutu
Visitante

Choro de perdedor….

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Essa história me parece absurda.
1º-Ao que me consta compra de material militar não precisa obedecer as regras de licitações p/ outros tipos de compras do governo, tanto que, por exemplo, já vimos compras de diversas unidades de helicópteros Black Hawk sem que nenhuma concorrência fosse lançada.
2º-Nenhum dos participantes recorreu e sim um sindicato que tenho minhas dúvidas se legalmente tem legitimidade p/ isso.
3º-Os argumentos são toscos, ignorando o fator fundamental: o julgamento por parte da MB que gerou todo o processo e é a única a quem cabe decidir qual a proposta que melhor lhe atende.

Juarez
Visitante
Juarez

Ok, aproveita e mostra para nós uma corveta Meko 100 com 3500 toneladas de deslocamento, plenamente operacional.

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Assim que o sr mostrar o documento de algum dos consórcios derrotados recorrendo da decisão da MB.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Nisso concordarmos.

Mas os estaleiros com raras exceções estão sem encomendas.

Pura briga $indicali$ta.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Juarez, a MB pediu um navio que fosse ‘baseado’ em uma classe operacional. Porém quis um bem maior, com melhorias. Isso não era proibido, tanto que os franceses ofereceram uma Gowind com mais de 3.000 t.
E os italianos ofereceram um navio que também nunca existiu.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Legalmente falando, a lei permite ate um cidadão comum entrar com uma ação no caso de ser diretamente atingido ou fazer uma denuncia que deve ser no minimo investigada pelo orgão responsavel.

Alessandro
Visitante
Alessandro

pronto começou, deve ser coisa de sindicalista que não aceita derrota.

Marcos
Visitante
Marcos

Que surpresa (ironia) Basta dar uma lida nos jornais pernambucanos publicados durante todo o processo de licitação para ver que isso seria o óbvio. O terror psicológico criado em torno de uma possível derrota da Fincantieri foi imenso. Não é segredo para ninguém que o estaleiro VP está falido. No auge, 1700 funcionários, atualmente, menos de 90. O Projeto Tamandaré seria a luz no fim do túnel, o pote de ouro no fim do arco-íris. Agora querem ganhar no tapetão, querem um “terceiro turno”. E teve muita gente batendo palmas para a Fincantieri Se eu disser que nunca ouve ofertas… Read more »

Marcos
Visitante
Marcos

houve*

Juarez
Visitante
Juarez

Seu jogasse na loteria, ganharia. Eu falei umas mil vezes aqui neste espaço que isto iria acontecer. A culpa e………..?? Dá própria MB que no meio do “jogo’ trocou a arbitragem, trocou as regras, que ela mesmo estabeleceu, cuspiu nos ROPs que ela também estabeleceu. Pergunto: Alguém aí já viu uma Meko 100 com 3400 tons. plenamente operacional!??????????? Não, não e mesmo, porque não existe, o navio deles com este deslocamento e a Meko 200. Acharam que iam dar um pega ratão e plateia iria aplaudir. O tempo, sempre ele, senhor de todas as verdades. De antemão quero dizer que… Read more »

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Então era só o consórcio ter mudado o nome de Meko A100 para Meko A200, aí estaria tudo certinho.
Juarez, se a MB aceitou este navio, assim como também aceitou a Gowind turbinada é porque o navio não precisava estar plenamente operacional. Precisava ter ‘base’ em uma classe de navios operacionais, para reduzir riscos.
Base, não ser exatamente o mesmo navio.

Andre Fonseca
Visitante
Andre Fonseca

Concordo. Nao fez nenhum sentido conduzir o processo como ele foi conduzido. Gastou-se com um projeto nacional. Depois foi dito que poderia ser outro desde que fosse de prateleira. Entao contrata-se um que nao eh! Qual o sentido disso?
Eu achava que os Italianos iriam ganhar porque seria o mais logico. No final o que se fez tinha necessariamente que dar nisso ai.
Em tempo: nao me importo com quem ganhe. Estou APENAS discutindo o processo.

Zorann
Visitante
Zorann

Lembro de seus comentários alertando sobre isto.

Aldo Ghisolfi
Visitante

Penso que não existe necessidade de licitação para a aquisição de material bélico (dispensa /inexigibilidade).
Pq a MB não refuta a denúncia? Pq o TCU aceitou?

Aldo Ghisolfi
Visitante

Lei nº8.666/93
Art. 24. É dispensável a licitação:
XXIX – na aquisição de bens e contratação de serviços para atender aos contingentes militares das Forças Singulares brasileiras empregadas em operações de paz no exterior, necessariamente justificadas quanto ao preço e à escolha do fornecedor ou executante e ratificadas pelo Comandante da Força.

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

A licitação pode ser dispensada, mas se for realizada, tem de seguir as regras estabelecidas.
O TCU não aceitou nada, ainda está na fase de instrução, como diz o texto.

Burgos
Visitante
Burgos

Começou o mimimi !!! 🤦‍♂️

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Iiiii agora vai feder se houver coisa errada nesse processo. Pois é, como eu disse um tremendo tiro no pé. Mas as instituições nacionais nunca aprendem. A MB conduziu de forma exemplar um grande projeto que é o Mansup. Pulverizou a fabricação de vários componentes do míssil em varias empresas, delegou funções e atribuições e vejam o resultado. Em se falando de Brasil, é o programa de mísseis mais rádio que houve, com excelentes resultados e em tempo havido. Deveriam fazer o mesmo com a CCT. Porquê só um estaleiro? Já que o navio é produzido em módulos, os mesmos… Read more »

Mfs
Visitante
Mfs

O Brasil selecionou uma escolta baseada na Meko A100 modificada em tamanho e outras características e que não ficasse atrás do projeto original da Tamandaré, nossos Escorpene BR também são maiores e modificados. Com 3.455 toneladas está mais para uma fragata leve, a Tamandaré original teria no máximo 2.850 toneladas. Esse projeto é estratégico demais para ser atrasado. A previsão são 4 unidades até 2028, com opção de mais 2-4 já em 2026, podendo chegar a 8 unidades até 2032. A Tamandaré estará apta a lançar o MM40 Exocet Block.3 com longo alcance de 180km, algo visto na imagem divulgada… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Pois e, mas tem um probleminha no teu texto recheado de oficialismo:
Lá no corpo do edital tem um pré requisito que diz o seguinte:
Em caso de oferta de Napip, o mesmo deverá estar plenamente operacional em alguma marinha.
Então vou perguntar pela centésima vez:
Alguém aqui conhece uma Meko 100 com 3500 tons plenamente operacional em alguma marinha????
Nao, não e mesmo, pelo simples fato que não existe Meko 100 com 3500 tons, aí e uma Meko 200.

Demetrius
Visitante
Demetrius

Compra estratégica é dispensada de licitação, sabichão. Portanto só havendo alguma irregularidade mais grave, não confunda pré requisito com ajuste contratual.

Juarez
Visitante
Juarez

Uma ova, foi feita um edital aonde estavam estabelecidas regras muito claras, dentre elas a que eu citei. Não acontceu ajuste contratual porque não havia ainda contrato quando foram mudadas os ROPs, pelo simples fato que nem as propostas tinham sido entregues quando a MB permitiu Napip e determinou que o deslocamento máximo fosse de 4.000 tons. A maior irregularidade e a MB ter descumprido uma regra que ela mesmo estabeleceu no edital, ou seja, em se tratando de Napip, deveria estar plenamente operacional. Cara, volta lá para o CON, e diz para teu chefe que como oficial de inteligência… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Juarez,

Sem querer polemizar. Recordo de constar capacidade. Capacidade de entregar o navio. Não recordo de constar a exigência do produto estar operacional em alguma marinha coisa que até a CCT projetada pelo Vard não estava já que nem existe. Há o projeto. Navio CCT que mudou para NCT porque cresceu foi o escolhido. Navios + Do alemão.

Se trocar o nome Meko por Keko fica tudo bem?

Se eu estiver errado…serei corrigido.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Pois e, isso dá margem a alegações legais e completo que se a marinha queria um navio com essa tonelagem, devia ter deixado isso claro no edital e talveź hoje teriamos uma Meko 200ao invez de uma Meko 100 modificada.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Concordo JM

Mas meu D’US, francelicos, German estão fora.

Lynx
Visitante
Lynx

Para saber se existem ou não os requisitos de 2.800 ton e projeto plenamente operacional, será necessário ler os RFPs. Nem todos os órgãos de imprensa se preocuparam em reproduzir fielmente o que consta do documento. Por exemplo, o Defesanet publicou isso: http://www.defesanet.com.br/prosuper/noticia/28012/Corveta-Classe-Tamandare-%E2%80%93-Marinha-Divulga-RFP-com-novidades/ Ali falam: Todavia no caso do NAPIP serão exigidas as seguintes condições: 1) Atenda ou supere os requisitos capacidades de sistemas, subsistemas, sensores e armamentos previstos pela MB em seu projeto de intelectualidade própria, e, 2) Ter construído navios com base no projeto do NAPIP. Já o Naval Today fala em “up to 2.750 ton”, sem mencionar… Read more »

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

O Brasil precisa mesmo é de uma Margaret Thatcher…

João
Visitante
João

Você entenderam o por que de o Brasil não dar certo? Entendem por que as entidades sindicais estão ultrapassadas? Os caras inventam motivos para impugnar edital.

Juarez
Visitante
Juarez

João,isto não tem nada a ver com sindicato, apenas estão sendo usados como laranjas. Quem está por trás e a Varas/Fincantiere.
O pior e que tem fundamento. Quem cag….no pincel foi marinha.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Aposto que nem o TCU nem a Justiça iram anular essa compra.
Isso que o sindicato está fazendo é conhecido jocosamente como “jus esperneandi”.

JOAO
Visitante
JOAO

Juarez, a impugnação por sindicatos regionais patronais de resultados de concorrências é algo recorrente Brasil afora. Eles estão defendendo os interesses dos empresários perdedores. Quanto a MB marcar bobeira, não, esses editais que valores elevados costumam passar por uma análise prévia do TCU. Muito difícil reverterem o resultado.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Eu não vejo fundamento nenhum para isso. É só mudarem um número de 1 para 2 no contrato e falar que o navio escolhido é baseado na classe Meko A200 em vez de Meko A100. Como as duas classes pertencem à mesma empresa e existem navios operacionais, a empresa provou que possui condições técnicas de construir tais navios sem grande risco. Mas para você aceitar isso é só alterar um número, porque a capacidade a empresa já provou para a MB, só falta mudar um número para você aceitar e acabar com está ladainha. E o vard querer contestar isso… Read more »

edu
Visitante
edu

Observando de forma fria a realidade e essa ; os pontos questionados pelo sindicato fazem Sentido sim e so observarmos os detalhes que o sindicato questionou ; sao sim questionaveis . agora o TCU vai dar a palavra final sobre essa licitaçao.

TeoB
Visitante
TeoB

Infelizmente não me surpreendeu…triste

Francisco Braz
Visitante
Francisco Braz

Não sei quanto a doca, ou carreira, de Itajai, mas sei que os navios não tem 120 metros de comprimento. As especificações indicam 107 (porte de corveta da MB). Além do mais, não são sindicatos que bloqueiam ou não assinaturas de contratos, mas somente outro competidor. Esta representação é apenas política, sem chance de seguir a frente. Sim… Entidades de Classe (outro nome dos sindicatos) e sindicatos são um câncer no Brasil.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Tem lógica, em parte.

Esteves
Visitante
Esteves

O sindicato faz o trabalho dele. Luta. Tenta. Estão ultrapassados. Ainda não perceberam que o mundo está em 2019. Pensam com a cabeça dos anos 1980 no ABC Paulista.

40 anos se passaram.

Valter Sales
Visitante
Valter Sales

Anos 80? Para mim e o meu sindicato , acho que estão na década de 20, quando o proletariado do mundo inteiro pensava em se unir para ficar por cima da cocada preta.

Pobre só fica por cima na hora de comer pitomba.

Esteves
Visitante
Esteves

Correção: navios + offsets do alemão.

Mattos
Visitante
Mattos

Os inimigos da pátria em ação. Fazem de tudo para atrapalhar. Até quando?

Mattos
Visitante
Mattos

Os filhotinhos do PT para não perderem o costume.

Mattos
Visitante
Mattos

Perderam e pronto. Que vao caçar o rumo de casa.

Enes
Visitante
Enes

Concordo plenamente com quem disse que os sindicatos são um verdadeiro câncer no Brasil, porque eles verdadeiramente o são.

nonato
Visitante
nonato

Algo que me chama atenção é o fato de, se não estou enganado, o estaleiro alemão não estar em boa situação financeira.
Não seria um risco para a Marinha?
Até acho uma boa essa Representação/Denúncia.
Só assim, a questão é mais bem esclarecida.
Afinal de contas, todos queremos algo realmente benéfico para a MB.
Já tivemos muitos problemas no passado inclusive com navios não concluídos.
Melhor prevenir.
Melhor esperar um mês a mais do que se arrepender depois.

Valter Sales
Visitante
Valter Sales

O contrato terá suporte do gov. Alemão, quando assinado.

Andromeda 1016
Visitante
Andromeda 1016

Pernambuco? Deve estar ligados à EAS. Lembro bem de uma história deste estaleiro: para fazer navios precisavam de trabalhadores assim pegaram todo mundo que tinha na região e deram o treinamento necessário. Pegaram gente da roça, borracheiro, pedreiro, etc chegando a faltar gente para trabalhar em outros locais. Assim que a produção começou a primeira coisa que fizeram foi fazer greve para pedir aumento de salário …. Lembro de como a empresa sofria por falta de comprometimento dos funcionários que não se esforçavam deixando a desejar na qualidade dos serviços realizados. Não vestiam a camisa da empresa e só queriam… Read more »

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Gente! TCU não faz parte da Justiça! É órgão consultivo e fiscal! Isso aí não vai dar em nada! Querem mimimi comprem um gato gago!

nonato
Visitante
nonato

Você está equivocado a respeito da competência do TCU.
Não é orgão consultivo.
O TCU pode inclusive mandar afastar gestores e bloquear bens.
Não é do judiciário, realmente.
O ministério público também não é judiciário mas pode até determinar condução coercitiva.

nonato
Visitante
nonato

Nós estados unidos eles têm o GAO, que é uma espécie de agência autônoma.
Pergunte a uma empresa de não tem medo da CVM, da receita federal?
E não são judiciário.
E nos estados unidos se o gao não aprovar uma licitação, os militares não compram.
Lembram dos casos com o supertucano que demorou?

Colombelli
Visitante
Colombelli

Sindicalista= esquerda. Fazendo o que sabem de melhor: avacalhar e defender privilegios. Argumentos juridicamente pifios. Nem a liminar ganharão.

João Moro
Visitante
João Moro

Pra mim, tenho dúvidas quanto a essa afirmação do sindicato… Não é porque um fez uma denúncia é que a denúncia seja procedente. O MB tem muito mais credibilidade que o sindicato.
O TCU que averigue com celeridade para que evite ao máximo prejuízos e atrasos.
Se não for procedente, que processem o sindicato no que couber.

Rafael
Visitante
Rafael

Como se não bastasse os “imbecialistas” da marinha terem mexido no projeto da já muito testada e aprovada fragata (eliminando o perfil em “X”), agora vem essa dos sindicatos dominados por comunistas que pretam um enorme desserviço ao país inteiro.

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Isto virou praxe no Brasil , em toda a concorrência , o perdedor tentando anular ou prejudicar o resultado e o vencedor , É preciso que se tomem medidas contra isso , porque sempre tudo no Brasil esta sendo atrasado e, ficando ainda mais caro ainda !

Esteves
Visitante
Esteves

TCU é parte do Poder Legislativo. É com ele ou deveria ser com ele que o Legislativo cumpre a missão de fiscalizar o Poder Executivo. A denúncia deveria ter sido via Congresso. Via palanque. Nos plenários. Nas Comissões. Mas, como está decidido não existe tempo para fazer correr uma apuração pública. Foram chorar no TCU. Por desinteresse dos congressistas que sabem que os planos e os PACs para aquela região patinaram. O desemprego e a falta de encomendas atravessa o país. Culpa nossa que elegeu essa gente que construiu um estado Leviano e Leviatã que não se sustenta. Todo mundo… Read more »

Nilson
Visitante
Nilson

Infelizmente, nesse certame da Tamandaré havia diversas propostas com potencial de contestação. Fincantieri devido à participação da Vard Niterói na elaboração do projeto da Marinha. Naval Group devido à dramática situação da Odebrecht. Thyssen Krup devido à sua dramática situação na Europa e devido ao NAPIP ainda não existente. A proposta da Damen Saab parecia a menos sujeita a contestações. Mas talvez tenha ficado muito salgada. Ou então os almirantes não resistiram ao navio alemão de maior tonelagem.
De uma forma ou de outra, o certame vai demorar. Desculpa perfeita para o governo cortar os 2,5 bi do orçamento da defesa.

Esteves
Visitante
Esteves

Pois é.
Quando pensamos que chegamos ao fundo do poço vem alguém e cava mais.

Bora pra China.

india-mike
Visitante
india-mike

http://www.naval.com.br/blog/2017/12/20/corveta-tamandare-saiba-mais-sobre-o-rfp-apresentado-pela-mb/ “A proponente deverá ter construído navios com base no projeto do NAPIP, comprovando suas capacidades.” Talvez vc esteja interpretando esse trecho como prova de capacidade do estaleiro, mas muitos o entendem como prova de capacidade do Napip, o q me parece mais lógico. Como exemplo veja a concorrência da USN para suas novas fragatas, onde eles pedem por um “design maduro” já em operação por outros países como base do projeto. Mais uma vez é uma tentativa de padronizar algo já testado para diminuir custos e riscos. Aliás, sobre padronização escrevi um testamento para vc lá na matéria do… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Vou ler o testamento.

“com base no projeto do Napip…”

O que é o Napip? Projeto de propriedade do proponente. O alemão ofereceu um navio com base no projeto Meko.
Não está expresso que o navio ou o Napip deve estar operando. Projeto maduro. Projeto testado. O projeto Meko e seus modelos existem desde antes da ThyssenKrupp Marines.
A MB quer um navio diferente/exclusivamente. Com base em um projeto testado.

Meko ou Keko.

india-mike
Visitante
india-mike

Realmente não diz q precisa estar operando, mas sim q deva ter sido construído.

Quanto ao MEKO, isso é uma grife. Vem de “combinação multiproposito” em alemão e diz respeito às características modulares. A questão é que eles botaram todos os seus navios dentro desta grife, desde os de 1500t até 8000t. São o mesmo navio? claro q não…
Não estou dizendo q isso é necessariamente um problema ou q vá contra o edital da MB, mas da margens para interpretações…

Esteves
Visitante
Esteves

Quem ou qual é o país com mais demandas na justiça? EUA. O segundo é o Brasil. Um a cada dois brasileiros. A classe é construída desde os anos 1980. Modulares. Assim como vocês consideram eficiente. Cresce ou diminui. É o mesmo navio? Não. É o mesmo projeto da Blohm+Voss. Testado e aprovado. Era o que a MB queria? Penso que não. Coisa chique, acho que não. A Lua tem a face escura. Há gente interpretando que ela, por conta disso, é um disco. A Terra tem horizonte. Cresce entre os humanos a interpretação que nosso planeta, por conta disso,… Read more »

Pedro Moura
Visitante
Pedro Moura

Esteves você só não se atentou para o organograma do TCU, acredito.

https://portal.tcu.gov.br/institucional/ministros/

Só te digo uma coisa: Vale a pena analisar melhor esse enredo; as ligações sociopolíticas; as viagens de lanchas em litorais brasileiros – notadamente os de PE; as festas em marinas e iates clubes? Haveria alguma coisa que nós não conseguimos enxergar?

Apenas suposições minhas…

Esteves
Visitante
Esteves

Demônios…

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Se eu fosse da assessoria jurídica da MB , assim que saísse a decisão( será em favor da Marinha), proporia uma ação contra esse sindicato por litigância de má fé.

Helio Mello
Visitante
Helio Mello

O mais engraçado é que o nenhum consórcio perdedor questionou. Foi o sindicato. Ou seja, se houver outra licitação e PE ganhar, o sindicato de SC vai entrar e reclamar… Só para constar, o projeto original das Tamandarés foi do Vard e não do Vard-Promar. Tem muita diferença nisso aí, são empresas distintas. O Vard-Promar até compra projeto de fora do grupo (gaseiros da Ghenova, PSVs da Rolls-Royce), já que não é 100% do grupo. Inclusive certa vez eu estava no Vard-Promar em PE e perguntei para um diretor sobre esse projeto e ele não fazia a mínima ideia do… Read more »

Ricardo Neto
Visitante
Ricardo Neto

O Brasil é o país com mais sindicatos no mundo. O Sindmetal – PE é filiado a CUT. Ou seja, ao PT. Meu medo é que isto demore anos. Já vi muitas licitações honestas e bem feitas ficarem anos paradas por causa de processos deste tipo.

Tonolucro
Visitante
Tonolucro

KKKK, a palhaçada sindical não tem fim!
Tanto a TKMS quanto a FINCANTIERI, avisaram que fariam a construção das seções em seus respectivos estaleiros, porém a montagem e manutenção, seriam feitas na AMRJ na ilha das cobras, realizando uma modernização das instalações, que passariam a ser a base de manutenção, isso conquistou o apoio do almirantado. A podridão sindical, eles podem fazer isso, mas os alemães não podem? Outra coisa, salvo engano, a doca do Oceana em Itajaí, possuí 120 x 25 metros, lá eles fabricam navios de apoio offshore com 81,5 metros de comprimento, e sobra muito dique vazio…

Alex Stelio
Visitante

Sou pernambucano e os sindicatos aqui são uma doença venérea.