Home Indústria Petrolífera Eleva pede ao STF que Petrobras informe empresas que podem abastecer navios...

Eleva pede ao STF que Petrobras informe empresas que podem abastecer navios iranianos

3565
116

Por Danilo Oliveira

A Eleva Química entrou com pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que a Petrobras apresente, no prazo de 24 horas, a lista de empresas brasileiras que estão autorizadas a fornecer o combustível IFO 380, único possível para abastecer os dois navios iranianos parados no Porto de Paranaguá. Após recurso da petroleira, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, suspendeu uma liminar do Tribunal de Justiça do Paraná que obrigava a estatal a fornecer o produto. Como a decisão é preliminar, ainda cabe recurso ao colegiado da suprema corte. O impasse foi noticiado em reportagem exclusiva da Portos e Navios na última segunda-feira (15/07). O processo tramita em segredo de Justiça.

A empresa de comércio exterior, que afretou os navios graneleiros do armador iraniano Sapid Shipping, informou que a Petrobras apenas indicou, nos autos do processo, uma única empresa que teria disponibilidade e estava autorizada a fornecer esse combustível: a Refinaria de Petróleo Riograndense. Em nota, a Eleva afirma que essa empresa foi imediatamente contatada, mas teria informado estar com o estoque comprometido até o final de agosto. A Eleva alega que não há alternativas viáveis e seguras para o abastecimento das embarcações, já que o fornecimento é monopólio da Petrobras.

A estatal se negou a fornecer o bunker sob a alegação de que os navios e a dona dos navios estão na listagem de um órgão ligado ao departamento de tesouro do governo norte-americano. Os navios foram afretados pela Eleva para exportação de milho ao Irã. A empresa brasileira de comércio exterior, que busca a compra e fornecimento do combustível, ressalta que não está sujeita a qualquer sanção dos Estados Unidos. Em sua defesa, a Eleva argumenta que a legislação norte-americana também impede qualquer tipo de sanção ao transporte de alimentos e remédios, a chamada “exceção humanitária”.

FONTE: Portos e Navios

116
Deixe um comentário

avatar
40 Comment threads
76 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
74 Comment authors
Carlos Alberto Soaresrodrigofrancisco FariasMarcelo Duartekira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Homi, pega essas navios, coloca a banda brasileira e já era.

Renato B.
Visitante
Renato B.

E ferra com um exportador brasileiro só para puxar o saco de gringos numa briga que não é nossa. Eles não estão levando mísseis, urânio ou coisa parecida. É o estado brasileiro, como de hábito, dando um tiro no pé do exportador.

João Moro
Visitante
João Moro

Olha, alegar ‘a chamada “exceção humanitária” ‘ é forçação de barra. O Irã pode adquirir comida de outros países alinhados a sua ideologia.
Também é problema único e exclusivo da empresa se ela faz comércio com um país sancionado e tenha problemas para concluir o negócio. Ademais, a empresa deveria ter se preocupado com a possibilidade de faltar combustível e garantido uma quantidade com este fornecedor de combustível.

TeleSantana
Visitante
TeleSantana

Sancionado unilateralmente, sob alegações pa-té-ti-cas, diga-se.

João Moro
Visitante
João Moro

Unilateralmente, sim; “alegações pa-té-ti-cas”, não.

Victor F.
Visitante
Victor F.

E existem sanções que não são unilaterais, do ponto de vista de quem sanciona e quem é sancionado? Nunca vi um país aceitar uma sanção de forma negociada.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Sem falar que o navio vai acabar atrapalhando a navegação ali. O certo e abastecer o navio, que ela vá embora e a empresa não faz mais contrato com a empresa Iraniana ou então que se multe a empresa.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Pergunta: o navio sai do seu porto sem sanções, leva 2 semanas para chegar no seu destino e já esta sob sanções e a culpa e da empresa que contratou o transporte?

João Moro
Visitante
João Moro

O Irã já sofre sanções a anos. Ademais, a empresa deveria ter um plano B para isso.

William Duarte
Visitante
William Duarte

Não sei que planeta que você vive, mas o Irá compra mais de 1 bilhão de dólares em comida do Brasil, e paga a vista, diferente dos calotes da Venezuela e Cuba, se o Brasil não vender vai ser o próprio Tio Sam que vai vender via outro país, pois eles são o maior concorrente nosso no agronegócio, no mais 1 bilhão de dólares geram milhares de empregos no Brasil, finalizando o conflito no oriente médio não é problema nosso, sempre nos demos muito bem com os Persas, Árabes, Turcos e Judeus. Não confunda ideologia baseada em radicalismo religioso-moral com… Read more »

francisco Farias
Visitante
francisco Farias

Concordo plenamente. O mito tá fazendo besteiras.

só atualizando são 2,26 bilhões vendidos , enquanto que o Brasil só compra deles 39,9 milhões.

https://www.bbc.com/portuguese/brasil-49092133 – em 2018, o país vendeu US$ 2,26 bilhões para o país do Golfo Pérsico, principalmente milho, soja e carne. Enquanto isso, importou US$ 39,9 milhões, a maioria em tapetes persas, pistache e porcelana. O superávit foi de US$ 2,22 bilhões.

francisco Farias
Visitante
francisco Farias

O Brasil é um pais exportador de commodities, portanto precisa de países compradores como o Irã. Os USA não importam milho, frango, cereal, pelo contrário eles concorrem com o Brasil. Perder um cliente que compra mais do que vende, simplesmente para agradar aos USA é burrice. No final das contas, se o Irã mudar de governo e de política se tornará cliente dos USA e não do Brasil. “em 2018, o Brasil vendeu US$ 2,26 bilhões para o país do Golfo Pérsico, principalmente milho, soja e carne. Enquanto isso, importou US$ 39,9 milhões, a maioria em tapetes persas, pistache e… Read more »

Marcos
Visitante
Marcos

Ué?

Qual o problema? O Irã deveria zarpar para o paraíso na Terra que se encontra logo aqui do lado, o paraíso socialista apoiado pelo Aiatolá.

Quem sabe eles conseguem alguns rolos de papel higiênico e carne de cachorro defumada

MGNVS
Visitante
MGNVS

Marcos…
So me explica como o navio iraniano vai chegar na Venezuela SEM combustivel???

Marcos R.
Visitante
Marcos R.

Remando…

MGNVS
Visitante
MGNVS

Marcos R
kkkkkkkkkkkk… boa… so se for remando mesmo…

ou entao o navio iraniano deve ter um motor de dobra espacial escondido no meio do milho. É so apertar um botao e o cargueiro ja teleporta e aparece la no meio do palacio presidencial do Le Bigodon Maduro….. kkkkk

Edson Parro
Visitante
Edson Parro

É só o “maduro” mandar um navio com o combustível apropriado! Não são amiguinhos?
Aliás, o próprio Irã, com este tempo todo, poderia ter mandado um navio com o combustível apropriado.
Mas, parece, que a agenda é fazer baderna.

André E.
Visitante
André E.

Será que é simples assim? É só chegar e transferir o óleo que vem de outros lugares sem taxas e toda a burocracia?

Eduardo Lima
Visitante
Eduardo Lima

Sem noção isso. Se era para bloquear ele nem teria entrado! Agora ficar nessa situação é muita dependência de agradar a Trump, visto que a carga não se encontra em lista de embargo.

João Moro
Visitante
João Moro

O problema não é a carga, é a venda de combustível.

francisco Farias
Visitante
francisco Farias

O problema é a burrice do Itamarati e dos assessores do Mito. No final das contas só o Brasil ficará com o prejuízo.
Eu fico admirado de ver gente defendendo a política imperialista dos USA. Onde já se viu, no mundo moderno, um pais determinar o que os outros podem ou não fazer?

Jota Ká
Visitante
Jota Ká

O problema é o Brasil ser capacho dos EUA.

Lucas
Visitante
Lucas

Exato. Me parece que estamos sendo lentamente vassalizados.
E muita gente por ai comemora.

Sargento Pincel
Visitante
Sargento Pincel

Há quem apoie fazer comercio com esses terroristas.
Imagina haddad sendo nosso presidente e a gente apoiando esse País que coloca dinheiro no ISIS e sabota petroleiros…. UFA! acordei desse pesadelo… Obrigado Capitão, obrigado por ter ganho…

Evgeniy (RF).
Visitante
Evgeniy (RF).

Com licença, mas como Irna apóia o agrupamento “Estado Islâmico”? Bem, se você está falando sobre ela.

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Você é desinformado ou de má fé. O Irã lutou e luta contra o ISIS, quem colocou dinheiro no ISIS foram: Arábia Saudita, Turquia e vários países ocidentais, inclusive França, Israel, Estados Unidos, Inglaterra. Israel, dava assistência médica de primeira e gratuita aos membros do ISIS feridos; Arábia Saudita, foi a principal financiadora do ISIS (junto com a Turquia); Inglaterra, criou o “Observatório sírio para os direitos humanos”, verdadeiro QG de Guerra de informação e propaganda contra a Síria; os EUA, treinou e continua treinando vários terroristas “moderados” para atuar contra Assad (se esses guerrilheiros se juntavam depois ao ISIS,… Read more »

TeleSantana
Visitante
TeleSantana

Como ousa criticar o país dos “escolhidos por D`us”, cuja democracia é seletiva e voltada apenas para pessoas de uma única religião ? Que audácia !

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

correção: onde está escrito “não era culpa da Síria” leia-se “não era culpa dos EUA”

João Moro
Visitante
João Moro

Hã ????? Meu….

XFF
Visitante
XFF

100nick-Elã>>>>
Os países que você citou, são os maiores patrocinadores de terrorismo do mundo e não o Irã. Eles usam a mídia pra rotular o Irã.
Todos os conflitos que acontece no mundo, esses países sempre estão envolvidos diretamente ou indiretamente. Eles ainda tem coragens de acusar o Irã.

Sagaz
Visitante
Sagaz

100Nick, O Hezbollah é melhor que o Isis? Dentre os cânceres você está querendo endeusificar aquele que destrói o outro?

João Moro
Visitante
João Moro

Também concordo: misericórdia ter o Haddad como presidente.

André Macedo
Visitante
André Macedo

Me pergunto se você e o resto dos fantoches sabem que o Trump se banha no petróleo e vende bilhões em armas pro governo terrorista saudita…

Fawcett
Visitante
Fawcett

A neodireita brasileira é incapaz de pensar por conta própria. Copia tudo dos EUA, sem contestação.

J R
Visitante
J R

Não sou eleitor do PT, mas o Haddad estaria tendo mais culhões que a atual administração, que por sinal, esta sendo muito cadelinho pro lado dos EUA.

Sagaz
Visitante
Sagaz

“cadelinho dos EUA”, isso por estar alinhado com uma democracia. Antes era doador de dinheiro de contribuinte brasileiro para Cuba, Venezuela, Moçambique, Angola … Parabéns para você que não é”eleitor do PT”.

everton sbrisse
Visitante
everton sbrisse

Eu fico pensando aqui, como esses navios abasteciam antes desse problema?PQ sempre tivemos um comercio com irã, mesmo eles estando sobre sanções americana, e nunca sofremos sanções por isso, e sem contar o que vendemos e basicamente alimentos, não afetando em nada o programa nuclear iraniano.

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Eles não iam imaginar isso, por isso não se prepararam! Pois se soubessem, no mínimo abasteceria na Venezuela para dar combustível suficiente para ir la novamente e reabastecer.

Fernando "Nunão" De Martini
Visitante
Fernando "Nunão" De Martini

É uma possibilidade. Como escrevi mais acima, negócios, transporte, logística, tudo isso inclui decisões que são tomadas com antecedência, e fatos internacionais que alteram a situação podem ocorrer no meio do caminho, e não dá pra prever cada cenário.

Marcos R.
Visitante
Marcos R.

SE tiver combustível na Venezuela…

tupinambá
Visitante
tupinambá

Lembrando que agora temos um governo cuja política externa “não é pautada pela ideologia”….sqn…..

everton sbrisse
Visitante
everton sbrisse

Ah cara, mais isso no Brasil e normal, nossos políticos mistura relações de estados com relações de governos, e no final só cria prejuízo financeiro e insegurança jurídica.

Fernando "Nunão" De Martini
Visitante
Fernando "Nunão" De Martini

“Eu fico pensando aqui, como esses navios abasteciam antes desse problema?” Provavelmente com a própria Petrobras, mas é possível que no meio do processo as coisas mudaram, as sanções se aprofundaram, os negócios já estavam assinados, os navios já tinham zarpado etc. Não é de hoje que se faz negócios com o Irã, e não é pequeno esse comércio. Essas questões são muitas vezes mais complexas, contratos são feitos e negociados muitas vezes meses antes, e a situação internacional pode mudar no meio do caminho. Por exemplo: na segunda metade da década de 30, o Brasil encomendou canhões na Alemanha,… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Pois é, no meu entendimento as sanções só deveriam ter alcance para contratos e operações realizadas após as sanções terem sido impostas, antes não. Ja imaginou, você sai do Brasil em um navio todo legalizado e quando chega no destino sem uma gota de combustivel, descobre que não esta mais legal. Como fica então?

2Hard4U
Visitante
2Hard4U

Nunão a questão destes contratos é ainda mais complexa. Na maioria das vezes você tem um contrato de fornecimento de grãos, de digamos 1 milhão de toneladas a serem embarcadas no espaço de tempo de um ano. e até onde se sabe milho está na categoria de alimentos e não existem cargueiros movidos a energia nuclear, ou seja, o navio deve sim ser abastecido e com isso nos livramos do problema.

Fernando "Nunão" De Martini
Visitante
Fernando "Nunão" De Martini

É por aí, 2Hard4U. Em sua maioria são contratos firmados há tempos, e que envolvem vários atores.

A coisa não pode ser analisada, como vejo em muitos comentários, como se fosse uma decisão de comércio tomada anteontem, e que tem que ser mudada hoje, porque ontem houve um problema – e pior, como se apenas uma pessoa ou duas pudessem resolver tudo com dois ou três telefonemas ou fossem responsáveis por isso.

Carlos Eduardo
Visitante
Carlos Eduardo

Boa tarde Nunão. Apesar dos acordos serem firmados a tempos, existem impactos imediatos e de longo prazo. De imediato, além do custo de manter a embarcação atracada, ainda existe o risco de haver cobrança de multa pela não entrega da carga, e nesse caso, quem irá arcar com ambos? O governo brasileiro? A Petrobrás? Pois apesar de a carga estar embarcada, a mesma esta retida em águas territoriais brasileiras por questões nacionais nossas. E estamos falando apenas em duas cargas. E as próximas já agendadas para embarque? Cancelar agora o embarque também sairá caro, pois o fornecedor terá de pagar… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Visitante
Fernando "Nunão" De Martini

Certamente.

Carlos Alberto Soares
Visitante

Partiram.
Shalom

benedito
Visitante

Chamar o governo legitimo da Republica Islamica do Irã de terrorista é brincadeira de mau gosto e desconhecimento da história. Quem cometeu ato de pirataria aprisionando navio no Mediterraneo foi o governo dito “civilizado” de Sua Majestade, e quem assassina pessoas sem julgamento apenas apertando um botão onde o drone descarrega sua carga mortal, são os “civilizados protestantes”, que tanto falam em Deus da maior nação democrática do planeta. Quem não respeita fronteiras de países soberanos e realiza ataques quando bem lhe aprouver são os israelenses; logo quem contribui de forma negativa para a paz no Oriente Médio com certeza… Read more »

João Moro
Visitante
João Moro

Brincadeira de mau gosto é defender o Irã que quer aniquilar Israel.

rodrigo
Visitante
rodrigo

Mas aniquilou? E os EUA que aniquilaram o Afeganistao, Iraque e Siria.

Manoel Messias Pantaleão
Visitante

Caramba! Não encherga que EUA é nosso principal concorrente na produção de grãos, inclusive milho, e estamos com navios cheios de grão e saber que não podemos entregar, é muita burrice. (comentário editado, favor não ofender os outros leitores senão será banido)

Ellion Matheus
Visitante
Ellion Matheus

Caramba! Não encherga que EUA é nosso principal investidor, parceiro militar, aliado diplomático e segundo maior parceiro comercial, saber disso e abastecer os navios de um país inimigo dos EUA que nada tem a ver com o Brasil (tipo nem 1%) e sofrer sanções por não saber fazer negócios, é muita burrice.

João Moro
Visitante
João Moro

Totalmente certo: Perder US$ 25,09 bilhões só pra tentar ganhar uns trocado com um país que nem traz 1% de riquezas ao nosso país??? Seria uma total burrice!

marcus
Visitante
marcus

O Brasil é uma república de bananas, só vendemos ou compramos os produtos que o Tio Sam permitir.

2Hard4U
Visitante
2Hard4U

Comentário bem no estilo vira-lata.

Felipe
Visitante
Felipe

>Comentário bem no estilo vira-lata.
…!? Mas não é exatamente este o problema mostrado na matéria? O Tio Sam nos barrando de vender algo (combustível) pro Ira? Não acho que o comentário foi no estila vira-lata, ele apenas afirmou exatamente o que está acontecendo.

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

Oquê não falta é gente desinformada! JÁ li gente dizendo que como aliado, os EUA podiam comprar essa carga de milho pois agora somos países irmãos, mas o imbecil se esquece de que o maior produtor mundial de milho é os 🇺🇲 e em segundo chineses🇨🇳 e depois o Brasil.

Duvido muito que Washington irá privilegiar os produtores brasileiros em detrimento dos nativos, tem gente que viaja nesse “namoro” Bolsotrump…

Matheus
Visitante
Matheus

É realmente uma pena que a cada dia que passa, o nosso presidente se demonstra ser mais um “lambedor” de botas Americanas/Israelenses.

A direita do Brasil(junto com a esquera) é uma piada.

Entusiasta Militar
Visitante
Entusiasta Militar

Você esta Desinformado sobre essa comercio exterior e faz comentário vazio e incoerente…

Fawcett
Visitante
Fawcett

A direita brasileira é uma piada. Essa mania de baixar a cabeça para tudo o que os gringos fazem foi importada por Olavo de Carvalho, que parece amar mais os EUA que o próprio Brasil. Tanto na esquerda quanto da direita faltam patriotismo e amor a nossa identidade. Ambas querem apagar o nosso passado e criar uma cópia ou de Cuba ou dos EUA por aqui.

kira
Visitante
kira

Se o Bolso…conseguir fazer do Brasil uma copia fiel dos EUA merecerá uma estatua de diamante no centro de cada cidade brasileira. Afinal o que da certo deve ser copiado.

Kemen
Visitante
Kemen

Esse vai e vem de abastece não abastece só serve para mostrar ao mundo que as coisas aqui estão complicadas, é muito feio. Desde o inicio eu escrevi que carga de milho é alimento e também nossa exportação, quer saber de uma coisa… chamem o embaixador dos Estados Unidos e expliquem a ele, que o Brasil como nação soberana, resolveu abastecer um navio com alimento.

João Moro
Visitante
João Moro

Não é tão simples assim.

Mahan
Visitante
Mahan

Só aquelas que querem sofrer sanções do governo americano.

Marcelo-SP
Visitante
Marcelo-SP

Na boa, se o armador e os navios estavam na lista de sanções, problema é do exportador que contratou. Trabalhei com comércio exterior e isso era coisa com que lidávamos. Não é uma questão de o embargo ser justo ou não. Eles deveriam saber que enfrentariam esses problemas com eventuais fornecedores com negócios nos EUA, como a Petrobrás.

Entusiasta Militar
Visitante
Entusiasta Militar

Pois é … eu ia escrever exatamente isso …obrigado

Tem gente que se faz de bobo e fica falando da carga mas esquece a bandeira … Brasil pode vender estes produtos para o Ira sim e mas esses navios da lista negra por serem iranianos não pode.
O exportador que obrigue descarregamento e embarque em doutrinário, com outra bandeira, mas isso gera custo e isso ninguém quer..
É como eu li, se navio for vazio não tem problema abastecer.pelo menos ate chegar na Venezuela kkk

Carta Branca
Visitante
Carta Branca

Levar milho não é problema mas o navio tanque iraniano apreendido em Gibraltar também estava em uma missão normal mas tinha uma outra missão paralela. Se esse navio sai daqui e faz um pit-stop no Yemen, aí já sobra problema pra Petrobras. Ah, mas aí é absurdo, não é culpa nossa…. sim, é absurdo mas é como os americanos estão lidando com suas sanções, sem qualquer contexto, e isso gera risco pra qualquer empresa que negocie com os iranianos que também gostam de forçar a barra pra envolver mais gente nos seus problemas. Enfim, o navio tem combustível pra ir… Read more »

J L
Visitante
J L

poderiam abastece-lo para chegasse ao outro lado do atlântico ou Venezuela. Pega mal essa indecisão como se estivéssemos envolvidos diretamente nas divergências entre USA e Irã. O presidente quando assumiu, uma de suas metas segundo lembro-me era de iria incentivar o comércio com o mundo todo para não ficar dependente de apenas um país, tipo China, Usa, ou outro qualquer.

Arthur
Visitante
Arthur

Na minha humilde opinião, muitos colegas estão levando tudo pro lado ideológico, enquanto me parece um pouco mais singelo: vale a pena arriscar um bom relacionamento com um dos nossos maiores parceiros comerciais em troca de abastecer dois navios?
Parece-me razoável que não o façamos. Não se trata de ser “gado”, “pau mandado” ou “subserviente”, mas sim de fazer o que vale a pena. Dessa forma, não estaremos pensando nos EUA ou no Irã, mas sim em nós mesmos.

Vinicius Momesso
Visitante
Vinicius Momesso

O nosso maior parceiro comercial e a China.

Lucas
Visitante
Lucas

O Brasil é muito grande, muito rico e com uma população gigante.
Se a gnt arrumasse a casa por aqui não ia precisar puxar saco de ninguém.
Não somos a Argentina, Venezuela ou o Equador.
A gente é muito grande. O problema é que estamos comendo cocô num cantinho enquanto fazemos o que os americanos dizem.

Parabellum
Visitante
Parabellum

Solução: Manda um navio de apoio logístico ou contrata um de Cuba, venezuela, Coréia do Norte, etc. Da próxima vez venha pegar comida de tanque cheio.

Oséias
Visitante
Oséias

O problema é comercial, o governo não está proibindo ninguem de abastecer o navio. A petrobras é que não vai botar boa parte dos seus negocios em risco por causa de uma mixaria.

João Moro
Visitante
João Moro

Isso Mesmo! até que enfim alguém neste comentário chegou no cerne da questão.

Mateus Lobo
Visitante
Mateus Lobo

O exportadores brasileiros que se danem para fazer média com o EUA.

Amaury
Visitante
Amaury

http://www.mdic.gov.br/balanca/comex-vis/pais/output/html/irn.html?var=xxx
O link acima mostra os valores das relações comerciais entre Brasil e Irã.
Temos um “pequeno” superávit de mais de 2,2 BILHÕES com B de Bola de DÓLARES por ano…
Só isso…
Depois se os iranianos passarem a comprar milho da Argentina, da Ucrânia, da Rússia ou mesmo dos EUA, façamos arminha com as mãos e enfiemos os prejuízos no bolso…
Mas o tio Trump vai ficar orgulhoso de nós!!!

Oséias
Visitante
Oséias

Você está completamente desinformado, vá estudar um pouco o sistema de sanções para ver como funciona. Uma dica, a Europa está tendo de criar todo um sistema paralelo de transações internacionais para conseguir continuar negociando com o Irã. E mesmo diversos bancos chineses estão encerrando negócios com os iranianos para não serem banidos do mercado de dólares.

Marcelo-SP
Visitante
Marcelo-SP

Isso não é uma conta de balança comercial. É muito mais que isso! É correr o risco de sofrer sanções no sistema financeiro e de capitais dos EUA. Emitir uma simples carta de crédito em dólares evitando bancos americanos já seria uma dor de cabeça maluca. Uma empresa como a Petrobrás seria destroçada sem acesso ao mercado americano de crédito e capitais.

O exportador quis correr o risco. Que dê seus pulos agora. Não é assunto para a Petrobrás resolver.

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

E o Brasil vai ficar rico vendendo milho para um país falido com pib per capita medíocre kkkkkk. Esquecem que o EUA é um dos maiores compradores de petróleo do Brasil, o governo não proibiu nada mas nenhuma empresa em sã consciência vai querer ir contra as sanções dos EUA, que é muito mais importante para elas do que o Irã.

MGNVS
Visitante
MGNVS

No Direito Internacional as unicas sancoes validas sao as referendadas pela ONU e demais orgaos representativos e elas nao abrangem remedios e nem alimentos.
Por outro lado o Governo Radical do Iran ja poderia ter entrado em contato com o Governo Populista da Venezuela para pedir apoio logistico ja que os eles sao adversarios geopoliticos dos EUA e nao devem obrigacao alguma a Washington. Se o Iran ainda nao fez isso, entao deveria fazer. Isso resolveria de modo simples essa situacao complicada e nao envolveria a Petrobras e nem o Brasil.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Poxa Japão Lançando Navio novo e nada no blog sobre o fato
https://thediplomat.com/2019/07/japan-launches-second-maya-class-guided-missile-destroyer/

Tomcat4.0
Visitante

O frete “mais barato” q está saindo caríssimo!!!😉

MARCIANO AGENOR MARCELINO
Visitante
MARCIANO AGENOR MARCELINO

É uma trapalhada atrás de outra.
Concordaria em não abastecer o navio iraniano se ele estivesse transportando materiais para a indústria bélica.
P….. É milho, MILHO…..Não existe conflito bélico declarado entre EUA e Irã, não fazemos parte da OTAN, não há até o momento embargo da ONU ao país islâmico.
Nossa economia já está combalida fechar as portas do comercio exterior a um dos maiores produtores de fertilizantes do mundo é burrice.
Nossa balança comercial é altamente favorável.
Exportamos bem mais do que importamos do Irã.
Estamos indo bem..
Ideologia ultrapassada em um mundo globalizado.

João Moro
Visitante
João Moro

Não vai ser um navio com milho do Irã que vai fazer a nossa economia melhorar, mas vamos para o buraco se não pudermos comercializar com os EUA.

Reginaldo
Visitante
Reginaldo

Uma coisa pra se pensar… A empresa que afretou os navios é nacional, não está na lista negra de nenhum país e ela quer abastecer os navios no mercado nacional para uso próprio, não quer carregar para exportar este combustível para o Irã… Segundo a empresa, é ela, e não a Sepid Shipping Company (dona dos navios também incluída na lista de sanções do Ofac) que está requisitando o combustível e vai pagar por ele. Na prática, segundo a Eleva, a Petrobras está fornecendo combustível para uma empresa brasileira e que não é alvo de ações americanas. Onde raios isto… Read more »

Claudio
Visitante
Claudio

Os americanos devem ter medo do iran fazer bomba com milho , afinal são umas galinhas que só sabem ciscar no terreno dos outros.

Lyw
Visitante
Lyw

Ou é uma problema típico de incompetência administrativa e gerencial brasileiro, ou a prática não está muito afinada com o discurso de:
“vamos fazer comércio com todo mundo, sem o viés ideológico… Taok?”

Talvez a seguinte fala do presidente diga algo a respeito:
-Sabe que nós estamos alinhados à política deles (USA). Então fazemos o que tem que fazer-

https://oglobo.globo.com/mundo/bolsonaro-diz-quebrasil-esta-alinhado-politica-dos-estados-unidos-no-caso-do-ira-23823166

2Hard4U
Visitante
2Hard4U

O “Intermediate Fuel Oil 380” mais conhecido como IFO-380 é um óleo pesado usado nos MCPs dos grandes navios graneleiros que navegam em baixa velocidade. Este óleo que possui altos teores de enxofre (altamente poluente) necessita de preaquecimento para ser utilizado pelos motores principais. No Brasil, a Petrobras é de fato a única fornecedora com escala de produção para o fornecimento deste combustível.

Sincero Brasileiro da Silva
Visitante
Sincero Brasileiro da Silva

Vento que venta cá venta lá…

Sincero Brasileiro da Silva
Visitante
Sincero Brasileiro da Silva

“Petrobras se recusa a abastecer navios iranianos por medo de sanções dos EUA”. Ou seja, Brasil é tchutchuca do EUA!

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Os generais não fariam isso. Não se comportariam de forma tão vergonhosa, e tanta vassalagem como este capitão. Que por sinal foi expulso do Exercito por mal comportamento. E o país entregue, às milicias e ao tráfico. Economia paralisada, alto desemprego. E ainda se dando ao disparate de prejudicar os produtores rurais. Quero quem vai pagar a conta e os prejuízos. Ou é mentira ?

Oséias
Visitante
Oséias

Analfabetismo funcional é triste. Vamos desenhar: O Brasil faz comércio com o Irã. A Petrobrás, uma empresa comercial, decidiu não abastecer os navios com medo de sanções. O STF e a PGR concordaram com a Petrobrás. Ponto final. Se o governo obrigasse a Petrobrás a abastecer os navios, colocando em risco as atividades da empresa, estaria cometendo crime de responsabilidade contra a economia nacional e abuso do controle acionário contra os acionistas minoritários.

Marcelo Duarte
Visitante
Marcelo Duarte

Como já dizia o Fred atacante cone, “IIIIHH rapaz.”
O STF mandou abastecer. Como vamos ficar com esses crimes ai que você citou?

Santiago
Visitante
Santiago

O Cmt da Marinha do Iran disse que o país possui um drone com capacidades intercontinentais. Seria um aviso?

Delfim
Visitante
Delfim

Eu vou no pragmatismo : vamos fazer o quê com os dois navios e seus tripulantes ? São dois pedaços de território iraniano parados dentro de nosso território, bem como os cidadãos iranianos a bordo, que precisam de água e comida. Este é um problema que um Itamaraty minimamente pragmático resolveria, mas este está em silêncio por causa do messingelismo do Ernesto Araújo, aí o problema bate no STF (o quê o STF tem a ver com comércio e relações exteriores?), e o Toffoli que é de esquerda deixa o circo pegar fogo. Quando as ideologias falam mais alto que… Read more »

Oséias
Visitante
Oséias

A Eleva tem que entrar com um pedido perante o departamento do tesouro americano para conseguir uma exceção para liberar os navios.
Ou contratar alguma empresa obscura na África ou América central para abastece-los.
Ideologia seria o governo virar despachante de empresa privada irresponsável por causa de patriotada anti americana.

Marcello Magnelli
Visitante
Marcello Magnelli

E por acaso a patriotada pró americana também não é ideológica?

A tá, esqueci qual é o nosso novo lema:

America first!!!!!

É isso ai e nunca se esqueçam do mais importante e que nos garantirá o sucesso eterno:

“Meninas vestem rosa e meninos vestem azul”.

Carlos Eduardo
Visitante
Carlos Eduardo

Aos que apoiam a medida, segue ai um numero bem interessante. Nosso saldo da balança comercial com o Iran é de R$ 4.8 B de superavit para o Brasil (FOI O 6 MAIOR IMPORTADOR DE PRODUTOS BRASILEIROS), sendo alimentos o maior item de envio. Agora, pergunto se EUA e EUROPA irão absorver exatamente essas 4.8 B em produtos que deixaremos de vender? Parabéns ao governo, a Petrobrás e ao povo brasileiro que apoia uma medida dessas…. Depois ainda querem reclamar de desemprego, economia fraca que não retoma o crescimento. Somente no acumulado desse ano, entre Janeiro e Junho, já foram… Read more »

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

A China, para reduzir a dependência de soja dos EUA e do Brasil, já investiu vultosa quantia de dinheiro para que a soja seja plantada na Rússia. Oras, não vamos sentir o efeito disso agora, porque esse investimento só vai ter retorno daqui 10 anos. Afinal, a China sempre pensa a longo prazo. Porém, daqui uns 8, 10 anos, teremos mais um player no mercado de soja. De quem os chineses vão comprar? a Rússia tem muito mais proximidade física e muito mais proximidade política com a China, serão concorrentes sérios para a nossa soja. Obrigado, Bozo! Acabe mesmo com… Read more »

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

A prioridade agora é vender o Brasil aos Estados Unidos.

α Tau
Visitante
α Tau

A prioridade sempre foi essa no braziu…o braziu para os estrangeiros…o lema…

α Tau
Visitante
α Tau

A mentalidade de colonizado e o complexo de inferioridade são constantemente estimulados em nossa sociedade pela mídia e pelos meios culturais(cultura de massa, história, política, publicidade) sempre reverberando um simulacro eurocêntrico(o Eu ideal em sentido freudiano) no imaginário das massas, causando esse sentimento de inadequação ao próprio país e a essa falta de unificação do povo(o brazileiro acaba não se identificando com o próprio povo e por isso busca uma representação externa, o que acaba sendo bastante oportuno para os países que estão de olho nas nossas riquezas)…Uma nação alienada de si mesma é muito mais fácil de ser dominada!…A… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Populações mais pobres tem mais filhos. Vem da realidade socioeconômica e religiosa. A igreja católica continua condenando. Países como o Brasil facilitam essa explosão com auxílios sociais: bolsa escola, bolsa família, auxílios doença e benefícios até para filho preso. Lembrando que nossa população carcerária já é a segunda do mundo proporcionalmente e a terceira contabilmente. O eurocentrismo já tem 1500 anos. Há alternativas. A revolução de 1917 na Rússia inspirou China, Cuba, Iran, Africanos e outros. Quase deu aqui se nosso idioma fosse hispânico. O desinteresse da população branca por sexo não é recente. Não é sem motivo que o… Read more »

Cavalo-do-Cão
Visitante
Cavalo-do-Cão

“Forma desonrada de vencer uma guerra. Guerras são vencidas com espadas e lanças e não com sal e arroz”

Uesugi Kenshin

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Embutir viés ideológico quando o assunto é uma questão de mercado só me mostra o baixo nível de alguns comentários e a absoluta necessidade de privatização das estatais para evitar que acidentalmente estas “bandeiras” prejudiquem a própria empresa assim como vimos no passado recente.
A Petrobras tem acionistas, o estado brasileiro é o controlador e fiador, a empresa tem como meta final o LUCRO e se der prejuízo sai do NOSSO bolso, antes de satanizarem a medida raciocinem um pouco!

Oiseau de Proie
Visitante
Oiseau de Proie

Se privatização resolvesse os nossos problemas a era fhc teria sido a melhor fase de nossa economia e não teríamos estatais de peso nos países nórdicos como Noruega e Dinamarca que estão no topo do IDH global...de fato as privatizações são um bom negocio neste país…para quem compra a empresa…principalmente quando é financiada pelo BNDES e não precisa pagar a dívida!…

Esteves
Visitante
Esteves

Não teria sido. Foi.
FHC além de vender as estatais corruptas e ineficientes, vendeu vento. Vendeu os espectros da telefonia móvel (as tais bandas B,C,D) e abriu a moda dos leilões e das privatizações.

Poderia ter mantido uma estatal nas comunicações. Mas se até privatizadas e vendidas essas empresas ainda aprontam…

GripenBR
Visitante
GripenBR

Perde o produtor que não vende mais, o silo que não armazena, o caminhoneiro que não transporta, a estiva que não carrega. E lá se vai um mercado de 2 bilhões em um país que precisa desesperadamente criar empregos. Vai lembrar que neste mercado os EUA são nossos maiores concorrentes, e não tem interesse em comprar nossos produtos. Subsidiam seus produtores e são altamente protecionistas. Estão fazendo o dever de casa. O Brasil exporta cerca de US$ 2 bilhões por ano para o Irã, na maior parte commodities como milho , carne e açúcar . No caso do milho, os… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Eu acho que é por aí. Um negócio que não deu certo.
Os americanos querem vender o milho.
Não interessa pra quem vende milho permitir ao Brasil alargar seus negócios.

Precisamos crescer. Fazer negócio grande exige gente grande. A indústria do milho e da glicose é o maior commodity dos EUA. O negócio do milho fatura mais que a indústria de automóveis nos EUA.

Se o lobby americano permitir ao Brasil entrar em mercados grandes no Oriente e na Ásia…o bolo diminui. E dependendo do preço até a indústria americana pode querer comprar o milho brasileiro.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

O Dias Toffoli acaba de mandar a Petrobras abastecer os navios!

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

E a bolsa despencou e dólar disparou, parabéns. É isso que esses defensores do Irã querem mesmo ao ajudar navios na lista negra de um país que está na iminência da guerra.

Kemen
Visitante
Kemen

O TJ mandou abastecer hoje 25/07. Chega dessa palhaçada que só faz mal ao pais perante os olhos dos outros.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Não é palhaçada, a Petrobras já imaginava que a justiça a obrigaria a abastecer, agora se os EUA questionarem a empresa ela vai alegar que foi obrigada pela justiça e ponto final, era a desculpa que a Petrobras precisava para evitar uma retaliação dos EUA!

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

No final de tudo isso talvez quem ganhe seja a Venezuela e eu explico: As sançõed unilaterais americanas não atingem comida, o Iram compra comida em troca se fertilizante, o Brasil não quer vender combustivel para os navios e temos duas alternativas sendo a primeira, usar navios cargueiros de outro pais(China ou Russia) para isso e a segunda alternativa e o navio Iraniano se reabastecer em outro país tipo a Venezuela para só ai vir para o Brasil fazer a troca.