Home Marinha Mercante HMS Duncan, destróier Type 45, chega ao Golfo

HMS Duncan, destróier Type 45, chega ao Golfo

8746
40
HMS Duncan
HMS Duncan

A embarcação da Marinha Real HMS Duncan chegou ao Golfo, onde apoiará a passagem segura de navios de bandeira britânica pelo Estreito de Ormuz, juntamente com a HMS Montrose.

A liberdade de navegação é crucial para o sistema global de comércio e a economia mundial, e o governo britânico se comprometeu a fazer todo o possível para defendê-la. Na semana passada, o governo confirmou que a Marinha Real foi encarregada de acompanhar os navios de bandeira britânica pelo Estreito, para garantir a indústria de transporte.

O destróier Type 45, HMS Duncan, trabalhará com a Fragata Type 23 HMS Montrose até que ela deixe a tarefa no final de agosto, garantindo a disponibilidade contínua de navios para acompanhar os navios mercantes.

O Secretário de Defesa Ben Wallace disse:

“A Liberdade de Navegação no Estreito de Hormuz é vital não apenas para o Reino Unido, mas também para nossos parceiros e aliados internacionais. Os navios mercantes devem ter liberdade para viajar legalmente e comercializar com segurança, em qualquer parte do mundo. Estou satisfeito que o HMS Duncan continue o bom trabalho da HMS Montrose para ajudar a garantir esta rota essencial.

Enquanto continuamos a pressionar por uma resolução diplomática que tornará isso possível novamente sem acompanhamento militar, a Marinha Real continuará a fornecer uma salvaguarda para as embarcações do Reino Unido até que essa seja a realidade.”

O Secretário de Estado dos Transportes Grant Shapps disse:

“A segurança dos navios de bandeira britânica é a nossa prioridade, e continuamos a trabalhar para diminuir a situação com o Irã após a apreensão inaceitável e ilegal do Stena Impero.

A liberdade de navegação é do interesse de todas as nações, e é por isso que aconselhamos os navios de bandeira britânica que eles receberão um acompanhamento militar para garantir a segurança do comércio na região.”

A HMS Montrose cobriu uma área operacional de cerca de 19.000 milhas náuticas. Ela acompanhou até agora 35 navios mercantes através do Estreito durante 20 trânsitos separados, percorrendo 6.200 milhas náuticas no processo.

O capitão Tom Trent, Comandante do HMS Duncan, disse:

“O HMS Duncan chegou ao Estreito de Ormuz para continuar o excelente trabalho de proteção dos interesses marítimos britânicos realizado pela HMS Montrose e pela equipe do Comando de Componentes Marítimos do Reino Unido no Bahrein. O HMS Duncan mostrou a verdadeira flexibilidade da Marinha Real movendo-se a passos largos para esta área de operações.

Nós nos mudamos de um desdobramento intenso no Mediterrâneo e no Mar Negro, que incluía apoio ao grupo de ataque de porta-aviões francês com operações reais na Síria. A Royal Navy continua a fornecer capacidade consistente, duradoura e de classe mundial na região – o HMS Duncan tem o orgulho de apoiar esta operação vital e pronto para desempenhar seu papel.”

No final do ano, outra Fragata Type 23, HMS Kent, assumirá essa tarefa do HMS Duncan. A HMS Montrose permanecerá estacionada no Oriente Médio até 2022, como parte da presença permanente da Marinha Real no Oriente Médio.

A operação Kipion, o nome operacional das forças britânicas na região, é o nosso compromisso de promover a paz e a estabilidade, bem como garantir o fluxo seguro do comércio e o combate ao narcotráfico e à pirataria. O Reino Unido tem uma presença marítima de longa data no Golfo e no Oceano Índico. Por quase 40 anos, unidades da Marinha Real e da Royal Fleet Auxiliary mantiveram uma presença constante no Golfo.

HMS Montrose escolta navios mercantes no Golfo Pérsico
HMS Montrose escolta navios mercantes no Golfo Pérsico

FONTE: GOV.UK

Subscribe
Notify of
guest
40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodolfo Livio
1 ano atrás

Está levando um bom estoque de água fria?

Alison Lene
Alison Lene
Reply to  Rodolfo Livio
1 ano atrás

kkkkkkkkkkkkk. Quem negativou com ctz nao entendeu! kkkkkk

Kemen
Kemen
Reply to  Rodolfo Livio
1 ano atrás

KKKKKKK, muito boa!

Zé Mané
Zé Mané
Reply to  Rodolfo Livio
1 ano atrás

Nada que uns mísseis de cruzeiro disparados do território iraniano não possam dar conta. E de quebra ainda dão um trato nos gringos metidos a Rambo.

Leitor Sincero
Leitor Sincero
Reply to  Zé Mané
1 ano atrás

Fez jus ao nome.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Zé Mané
1 ano atrás

Pelo tamanho do estreito nem precisa de misseis de cruzeiro, morteiros já dão conta. Ele na parte mais estreita só tem 5km de largura, um morteiro de 120mm tem alcance de 7,5km.

rommelqe
rommelqe
Reply to  Rodolfo Livio
1 ano atrás

Essa questão das type 45, que apresentaram problemas de superaquecimento nos mancais (só para lembrar ou para aqueles que não saibam), por estarem navegando em águas mais quentes do que do mar do norte, parece que não foram (são) tão problemáticos assim. Imagine eles navegando a todo “vapor” como devem ter ido….acho que incluiram algum meio adicional para trocar calor (por exemplo dry coolers posicionados mais para cima ..). Vai saber….ou aumentaram o estoque de gêlo na água , né mesmo Rodolfo (kkkkk)

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
1 ano atrás

Conceito de operação problemático: fazer escolta individual, navio a navio. Bom, o bote é deles, eles o gastam como quiserem…

Eduardo
Eduardo
Reply to  Alex Barreto Cypriano
1 ano atrás

Se organizar comboios barateia a operação.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Eduardo
1 ano atrás

Barateia pro elemento militar do comboio, mas representa um tremendo ônus pras companhias de transporte que precisam manter seus vasos esperando nos portos ou ao largo até atingir o número adequado. Pro comércio marítimo, dia parado é prejuízo, alteração de rota, também…

Gilmar
Gilmar
Reply to  Alex Barreto Cypriano
1 ano atrás

Isso sai mais barato do que a possivel perca de um navio cargueiro.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Gilmar
1 ano atrás

O navio, em si, deve ser ninharia.
Mas duvido, afinal, que um destroyer fique indo e vindo qual moleque de recados na curva de Ormuz. Acho que ele mais vai ficar como piquete em alguma posição, vigiando e dissuadindo pela presença. Dinheiro não dá em árvore…

João Moro
João Moro
1 ano atrás

Neste momento, no estrito de Hormuz, é necessária a proteção das embarcações comerciais para manter a economia da Inglaterra e demais nações, nem que seja proteger um navio mercante com um militar. É mais vantajoso aumentar os custos com os navios militares do que perder vários navios petroleiros cheio de petróleo ou combustíveis.

Marcelo Danton
Marcelo Danton
Reply to  João Moro
1 ano atrás

Vocês precisam entender mais de economia. NÃO é só para manter a economia Europeia ou Norte Americana gente…é para manter a economia MUNDIAL funcionando. Se um desses países tem problemas econômicos o efeito cascata é ENORME nas outras economias. Os povos do oriente médio sabem disso desde antes da rota da Seda. Sempre bloquearam essa rota para auferir controle sobre a Europa. SEMPRE! E SEMPRE tentam repetir o feito de Constantinopla. Só que agora a rota é aérea, marítima e terrestre. A escala esta da terrestre..petróleo.

João Moro
João Moro
Reply to  Marcelo Danton
1 ano atrás

Certamente haverá consequências na economia mundial mas destaco que a maioria dos países da UE dependem de combustíveis fósseis para alimentar suas termoelétricas. A falta ou a diminuição deste recurso terá um impacto monstruoso. Pode até faltar energia nestes países.

Marcelo Danton
Marcelo Danton
Reply to  João Moro
1 ano atrás

E o BRASIL também sofrerá com isso…e muitooo! Se bobear mais que os Europeus

João Bustos Moreno Neto
João Bustos Moreno Neto
1 ano atrás

É o baile dos mísseis q vai virar samba. Todos dançarâo até o cair do…….que nao será o dia.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
1 ano atrás

Daqui a 30 anos estaremos comprando este navio. kkkkkk

Kommander
Kommander
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 ano atrás

Sad but true kkkkkkkkkkkk

Burgos
Burgos
1 ano atrás

Essa type 45 com ctz deve ser a que foi atualizada os sistemas de resfriamento dos MCPs e MCAs .

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

Espero que o Type 45 esteja melhor para suportar o calor.

Kemen
Kemen
1 ano atrás

Não vai entrar em combate vai escoltar navios e impedir abordagens, nada que um OPV não pudesse fazer.

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Também acho, deixando a type 45 como apoio em um local estratégico, dois river fariam as escolhas.

Marcos R.
Marcos R.
Reply to  Marcos R.
1 ano atrás

Escoltas

Dalton
Dalton
Reply to  Marcos R.
1 ano atrás

Marcos… . há poucos “Rivers” e similares e nem todos estão sempre disponíveis por conta de manutenções e que podem estar sendo utilizados em outras áreas igualmente necessárias, então, há necessidade de se comprometer combatentes de superfície ainda mais para áreas distantes que exijam persistência e que possam também no fim das contas somar-se a outros combatentes inclusive de outras nações para aumentar uma força dissuasória que poderá limitar ou evitar o escalamento de um conflito. . Eventualmente até “Arleigh Burkes” que não estejam em um ciclo de treinamento para missão, tem sido envolvidos em missões contra o narcotráfico em… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Da Grã Bretanha ao Golfo Pérsico: 22 mil quilômetros contornando a África e 12 mil quilômetros pelo Canal de Suez .

Kemen
Kemen
1 ano atrás

“No final do ano, outra Fragata Type 23, HMS Kent, assumirá essa tarefa do HMS Duncan. A HMS Montrose permanecerá estacionada no Oriente Médio até 2022, como parte da presença permanente da Marinha Real no Oriente Médio.”
Até 2022? Pelo que parece não há perspectivas de liberação dos navios mercantes, os dois vão enferrujar… quem dara o braço a torcer primeiro?

Mercenário
Mercenário
Reply to  Kemen
1 ano atrás

A HMS Montrose ficará permanentemente baseada na HMS Jufair, no Bahrein, até 2022. Isso já estava previsto, antes da crise dos petroleiros.

Além desta Type 23, um classe Bay e quatro caça-minas estão baseados na região regularmente.

Parabellum
Parabellum
1 ano atrás

Meio off-topic. mas pertinente: Mesmo problema do câmbio CVT do Mitsubishi Lancer. Faltou uma “tropicalização”, ou seja, um radiador para o fluido hidráulico. Este problema pode vir a ocorrer em sistemas de HPC, quando a refrigeração do fluido hidráulico está com a troca de calor deficiente. Ele pode endurecer.

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
1 ano atrás

A pouco foi postado que só haviam 3 type 45 disponíveis …. 1 em missão no Golfo, só sobraram 2 para o restante das ações… que perigo para GB..

Dalton
Dalton
Reply to  Rafael Coimbra
1 ano atrás

Britânicos sempre tem um SSBN em patrulha, isso faz uma diferença maior do que ter uns poucos “T-45s” a mais, então não há “perigo”. . Mesmo assim, se a Royal Navy fosse um pouco maior, no nível de 2005 ou mesmo 2009, quando ainda se tinha 2 NAes da classe “Invincible” e seus “Harriers”, o “Ocean”, ambos os “Albions” diferente da situação de hoje onde um “hiberna” durante alguns anos e depois troca de lugar com o que está ativo, 4 classe “Bay”, um acabou sendo vendido e alguns combatentes de superfície a mais ao contrário dos 19 que foram… Read more »

Mercenário
Mercenário
Reply to  Dalton
1 ano atrás

Dalton,

Sair da classe “Invincible” para a classe “Queen Elizabeth” é um upgrade, não um problema.

Ademais, um classe “Bay” está regularmente operando na região, o fato de um ter sido vendido para a Austrália não faz tanto diferença, pois sequer haveria pessoal na RFA disponível para que os 4 estivessem operando ao mesmo tempo.

Dalton
Dalton
Reply to  Mercenário
1 ano atrás

Mercenário… . por melhor que um navio seja ele não poderá estar em dois lugares ao mesmo tempo. O “Queen Elizabeth” e o “Prince Of Wales” também terão uma importante capacidade “anfíbia”, não serão NAes “clássicos”, então, estarão na verdade ocupando o lugar de 2 “Invincible”, o “Ocean”, um “Albion” e um “Bay” de 2009, ou seja apenas 10 anos atrás. . Além do mais o “Queen” ainda está um pouco longe de estar devidamente certificado para missão e tudo indica que um esquadrão, ou mais provavelmente um destacamento de F-35Bs dos fuzileiros navais dos EUA serão embarcados para a… Read more »

Mercenário
Mercenário
Reply to  Dalton
1 ano atrás

Dalton,

Os QE não estão substituindo um dos Albion, pois estes continuam sendo dois, mesmo que um fique na “reserva” enquanto o outro está ativo.

O RU planeja ter ao menos 48 F-35B em 2023, o que permitirá o embarque de dois esquadrões com folga, além do possível esquadrão do USMC. Atualmente 17 jatos foram entregues.

Pode ser criticado o planejamento (tempo), mas é inegável que o QE e os F-35 representam um ganho em relação ao Invincible e os Harrier.

Dalton
Dalton
Reply to  Mercenário
1 ano atrás

Mercenário… . mas você deve concordar que trazer o “Albion inativo” de volta ao serviço consome um bom tempo, anos, não é algo que possa ser acrescentado ao inventário da noite para o dia, de qualquer forma a Royal Navy diminuiu consideravelmente em apenas 10 anos. . Quanto aos F-35B o que li é que apenas 24 estarão operacionais em 2023 e ter 4 esquadrões não significa necessariamente 2 esquadrões para cada NAe e sim que cada NAe terá um esquadrão com a possibilidade de ser reforçado por um segundo, mas, manter os 4 completamente certificados será em caso extremo.… Read more »

João Bustos Moreno Neto
João Bustos Moreno Neto
1 ano atrás

Como fica essas apreensões de navios mercantes e como estão as conversações para a devolução? O Iran vai devolver? Pagará multa? E a derrubada do drone americano? Vem retaliação por aí?

Dalton
Dalton
Reply to  João Bustos Moreno Neto
1 ano atrás

Quanto a derrubada do “drone americano”, o que foi publicado é que o
USS Boxer também derrubou pelo menos um “drone iraniano”.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Dalton
1 ano atrás

O problema de aquecimento nos intercoolers do sistema de regeneração de calor foi equacionado e parece que já estão liberando as primeiras unidades corrigidas. A China está adotando, sistema semelhante o uso de injeção de vapor para equilibrar o balanço térmico, sem grandes modificações no equipamento.

rommelqe
rommelqe
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 ano atrás

Caro Lui8z, este problema de aquecimento nos intercoolers não teria relação com a temperatura da água dos mares, certo? Foi de fato um problema sério e pelo visto contornado…Veja que o salto termico nos intercoolers é muito maior do que, por exemplo, no oleo lubrificante dos mancais dos eixos e nas caixas de transmissão. Pelo que me lembro, esse outro problema de aquecimento, relacionado ao lubrificante, é que foi motivo para a queixa em relação ao dimensionamento original, que considerou a temperatura da água de resfriamento em circuito aberto (oriunda do oceano) nos valores típicos de mares mais frios ).… Read more »

Luiz Trindade
Luiz Trindade
1 ano atrás

Queria ver agora a guarda revolucionária Iraniana atacar os navios mercantes agora… Vai levar chumbo para largar de serem abusados…