Home Aviação Naval Japão seleciona oficialmente o caça F-35B para seus porta-helicópteros

Japão seleciona oficialmente o caça F-35B para seus porta-helicópteros

5842
116

O Ministério da Defesa do Japão anunciou formalmente sua decisão de selecionar o caça furtivo F-35B dos EUA como a aeronave de decolagem curta e pouso vertical (STOVL) do país. A decisão foi praticamente garantida, uma vez que os Estados Unidos e a Lockheed Martin, fabricante da aeronave, foram os únicos licitantes do contrato japonês.

A Força Marítima de Autodefesa do Japão (JMSDF) contratará 42 caças F-35B a um custo unitário declarado de US$ 130 milhões cada. O F-35B foi construído de acordo com as especificações do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e foi projetado para operar sob diferentes condições do F-35A de pouso e decolagem convencionais.

As duas aeronaves diferem de várias maneiras. O F-35B, devido à sua capacidade STOVL, tem um alcance menor e possui um contorno de fuselagem diferente. Também difere nos tipos de armamentos que pode transportar. O fabricante da aeronave descreve o F-35B como tendo sido “projetado para operar a partir de bases austeras de pista curto e de uma variedade de navios com capacidade aérea operando perto de zonas de combate na linha de frente”.

A decisão oficial japonesa foi tomada no dia 16 de agosto e representa a progressão dos planos de reequipamento dos destróieres polivalentes da classe “Izumo” da JMSDF para operar como porta-aviões leves de fato com o F-35B a bordo.

Como o The Diplomat informou em dezembro passado, o gabinete japonês concordou com os planos de converter os navios da classe “Izumo”, JS Izumo e JS Kaga, em porta-aviões com capacidade STOVL. A decisão seguiu um estudo do Ministério da Defesa do Japão.

As Diretrizes do Programa de Defesa Nacional do Japão (NDPG) exigem o desdobramento de porta-aviões com capacidade STOVL nos próximos cinco anos. A conversão do JS Izumo e JS Kaga, os dois maiores navios da frota da JMSDF, ocorrerá em meados da década de 2020.

Destróier porta-helicópteros Izumo DDH-183
JS Kaga
JS Kaga

A classe Izumo não será formalmente designada como porta-aviões, mas sim com a recente redesignação da classe como destróieres de escolta multiuso, no lugar de destróieres porta-helicópteros. A classe foi originalmente concebida com operações de guerra antissubmarino em mente.

As autoridades japonesas justificaram a decisão de tornar a classe Izumo capaz de operar aeronaves STOVL como um aumento na versatilidade em vez de uma capacidade ofensiva aberta, que o Japão está constitucionalmente impedido de possuir.

“A modificação planejada para os porta-aviões da classe “Izumo” é aumentar suas aplicações”, disse o ministro da Defesa do Japão, Takeshi Iwaya, em dezembro de 2018.

Durante uma visita ao Japão em maio de 2019, o presidente dos EUA, Donald J. Trump, embarcou no JS Kaga, tornando-se o primeiro presidente dos EUA a embarcar em um navio de guerra japonês.

Trump elogiou os planos do Japão de comprar o F-35B, tratando a decisão como finalizada.

“Em breve, este mesmo navio será atualizado para transportar esta aeronave de ponta”, disse Trump na época. “Com este novo equipamento extraordinário, o Kaga ajudará nossos países a se defenderem de uma série de ameaças complexas na região e muito além.”

O governo Trump incentivou o Japão a comprar equipamentos militares dos EUA.

FONTE: The Diplomat

116
Deixe um comentário

avatar
25 Comment threads
91 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
52 Comment authors
Ricardo BigliazziAdriano Madureiracarvalho2008carvalho2008Bosco Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
filipe
Visitante
filipe

A China vai fazer o quê ? O Bushido voltando… O retorno do Samurai… Banzai, Banzai.

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Felipe talvez você não tenha percebido, mas a China já está fazendo, ninguém coloca mais navios de combate ao mar do que ela.

Renan Lima Rodrigues
Visitante
Renan Lima Rodrigues

O samurai adormecido voltará com força,que assim seja.

Galvão
Visitante
Galvão

KKKKKKK

Maurício.
Visitante
Maurício.

Renan, vai com calma nesse tal de samurai adormecido, da última vez o “samurai” cometeu vários massacres até levar duas nukes na cabeça, e por mais que alguns não gostem, até hoje os americanos mantém os “samurais” na rédea curta.
Não vejo diferença alguma entre a turma que defende o tal “samurai” para a turma que defende o tal “dragão”.

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

Eu acho que o samurai sofreu pouco, cometeram seus crimes de guerra contra países vizinhos, e apesar da bomba levada na cabeça em hiroshima e Nagasaki, o mal feito deles não foi esquecido, inclusive até por aliados como a Coreia do Sul, e os chineses com certeza não esqueceram do que sofreram no passado, e dessa vez estão preparados…

Leonardo Costa da Fonte
Visitante
Leonardo Costa da Fonte

Ditado velho: “Quem bate esquece”; Quem apanha não esquece”.

Omaha
Visitante
Omaha

Será o shogunato moderno

Evgeniy (RF).
Visitante
Evgeniy (RF).

A China vai fazer o quê ? O Bushido voltando… O retorno do Samurai… Banzai, Banzai.
——-

Contra o pano de fundo do transportador chinês, os esforços japoneses tendem a parecer um pouco aborrecidos. A única coisa que realmente falta aos chineses é um submarino nuclear de pleno direito. Mas acho que sua aparência é bem possível para o livro da próxima década.

filipe
Visitante
filipe

Amigo Evgeniy o Japão é o Japão, e sempre será o Japão, de 1945 ate 2019, 74 anos de paz, o Japão não esta nada atrasado militarmente em relação a China, a China produz em massa, o Japão produz qualidade, mas imagine o Japão exportando destroyers,misseis, submarinos, tanques, rapidamente ultrapassará a China, lembrando que o Japão têm toda a tecnologia para construir um submarino nuclear (SSN + SSBN + SSGN) , aliais os dois perdedores da 2GM (Japão e Alemanha) dominam todo o ciclo nuclear, é uma questão de tempo eles desenvolverem as suas próprias armas.

Evgeniy (RF).
Visitante
Evgeniy (RF).

O problema para os japoneses será que eles podem adquirir seu submarino nuclear apenas com a permissão dos americanos. O Japão, um país ocupado e não possui plena soberania. Sim, enquanto os japoneses estão muito à frente dos chineses na qualidade de submarinos a diesel com um sistema de energia independente do ar. Mas a China não está parada, seu ritmo de desenvolvimento é muito dinâmico e as capacidades industriais superam em muito as do Japão. Mísseis balísticos de médio alcance, no Japão, só podem ser americanos e sob comando americano. Na verdade, a implantação de tais mísseis, a coisa… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Evgeniy,
Você faz afirmações que não correspondem à realidade. As “limitações” japonesas são auto impostas por conta de sua Constituição e não por conta de alguma ingerência americana em sua soberania.

Evgeniy (RF).
Visitante
Evgeniy (RF).

Bosco Evgeniy, Você faz afirmações que não correspondem à realidade. As “limitações” japonesas são auto impostas por conta de sua Constituição e não por conta de alguma ingerência americana em sua soberania. —— No Bosco, sou muito bom no que digo. A atual constituição japonesa é o fruto da derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial. E imposto pelo país como vencedor. Isso é os Estados Unidos. E a presença africana no Japão, exatamente o mesmo fato decorrente da derrota do Japão, na Segunda Guerra Mundial. Com o potencial econômico do Japão, é possível ter um porta-aviões de pleno direito,… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Evgeniy,
O Japão, como “satélite” dos EUA não foi impedido pela “central” de ter uma robusta capacidade de produção de energia nuclear e nem de desenvolver uma capacidade consistente de colocar satélites em órbita e nem de ter uma pujante indústria aeroespacial e militar.
Então, mesmo que sua tese dele ser um “satélite” seja correta, não parece impossível que a “central” os permita ter e operar submarinos e armas nucleares.

Evgeniy (RF).
Visitante
Evgeniy (RF).

Pelos padrões russos, a indústria militar japonesa é relativamente subdesenvolvida. E depende muito dos protótipos americanos.
No momento, o átomo japonês é bastante pacífico. E os japoneses não estão particularmente interessados ​​em um submarino nuclear. Além disso, eles têm belos submarinos a diesel, embora explosivos. Sim, e a contraparte chinesa não é particularmente visível.
Naturalmente, a aparência do submarino nuclear japonês é bem possível, mas claramente não é relevante agora, para o Japão.
Mas a aparição na próxima década, um po
rta-aviões japonês completo, é bem possível. Além disso, há uma justificativa para a “ameaça chinesa”. Washington não terá para onde ir.

Alison Lene
Visitante
Alison Lene

Errou feio… SDe tem uma coisa comum em todas as Administrações americanas é que eles não aceitam que ninguem tente desenvolver armas nucleares… principalmente um país que já levou duas suas e pode ter, dentro de si, um sentimento de revanche…

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Visitante
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro

Pelo contrario Bosco, atualmente os Estados Unidos até encorajam o rearmamento do Japão, que ficou pacifista demais na minha opinião.

nonato
Visitante
nonato

Não se trata de central e satélite.
Os japoneses precisam dos americanos em seu território para protege-los dos chineses e russos, dois inimigos antigos.
Melhor ser aliado dos Estados Unidos do que ter que se virar sozinho.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Japão é uma sociedade extremamente envelhecida, com população que apresenta crescimento negativo acelerado, economia estagnada há décadas, sem avanços no campo científicos de ponta e com Forças Armadas pífias.
Não é a preocupação da China.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

imagina se fosse, quando fizeram os porta helicopteros, eles choraram, quando compraram os F35 eles choraram, quando disseram que iam colocar o F35 nos PH eles choraram, choraram também que o Japão tá com uma força de submarinos grande e muito boa, toda hora chora e pede que a comunidade internacional faça algo, que o Japão está desequilibrando e lançando uma corrida armenista na região.

Leonardo Costa da Fonte
Visitante
Leonardo Costa da Fonte

Ao contrário do que muita gente pensa, o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares foi feito pensando exatamente em Japão e Alemanha. Naquela época ninguém imaginava que países do terceiro mundo seriam capazes de produzir explosivos nucleares. A preocupação eram os dois países derrotados na 2GM que poderiam novamente se armar e causar problemas. Isto foi dito por um diplomata aposentado que participou do início nas negociações do TNP.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Más eles já tem submarinos nucleares filho. Tanto de ataque como os lançadores do misseis balisticos intercontinentais.

Heitor
Visitante
Heitor

kkkk crianças….

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Daqui a pouco a China solta uma nota, se dizendo “preocupada” com essa compra, que isso serve pra aumentar as tensão entre os dois países, etc, etc, baboseiras a parte…

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

segundo o xings não preocupa China, mas a China nos últimos anos vem choramingando, acho que os ministro das relações exteriores da China ou cargo equivalente devia pedir para o xings deixar com ele o que a China pensa

João Moro
Visitante
João Moro

Pensei a mesma coisa enquanto estava lendo…

rui mendesmendes
Visitante
rui mendesmendes

Afinal parece que o natimorto, como muitos lhe chamaram(inveja), é mesmo muito bom.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Quais seriam as outras opções para o Japão?
Yak 38?
Harrier?
Cada coisa……..

jodreski
Visitante
jodreski

Só mais lenha no caldeirão asiático….

Blind Mans Bluff
Visitante
Blind Mans Bluff

Ha algum tempo atras ja especulavamos essa possibilidade. Alguns dos “especialistas” comentadores juraram de pes juntos que nao seria possivel. Melhor nao postar qualquer coisa hje e fazer papelao amanha.

filipe
Visitante
filipe

Toyotas, Nissans, Suzukis, Yamahas, Hondas, Sonys, etc, o Japão é potência, a China sabe disso , sempre soube que o Bicho papão da Asia é o Japão, quem vai conter as aspirações Chinesas é o Japão, EUA+ Japão é uma aliança formidável, esse IZUMO é o NAE que a MB deveria pensar em construir, um NAE simples e multifuncional.

Paulo Siqueira
Visitante
Paulo Siqueira

Kawasaki,Panasonic,sharp,Mitsubishi,Suzuki…

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Eu tbm acho o Izumo “filé”, pena que nossa realidade é outra!

RafaelGM
Visitante
RafaelGM

Não se esqueça do Nissin Miojo.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

e a industria pornografica

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Industria pornográfica nipônica? Ah, fala sério… 🙂

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

JFE, Sumitomo, Nisshin Steel, JRLine, Kawasaki steel é por aí vai

Fernando
Visitante
Fernando

Conheça o F-35B, o mais novo helicóptero da força aérea japonesa.
Bem curioso o termo que o japão usa.

Marcos Cooper
Visitante
Marcos Cooper

Eles tem! Então podem chamar como quiserem.

Fernando
Visitante
Fernando

Podem chamar até de carro de combate se quiserem.

JPC3
Visitante
JPC3

Isso importa?

Renan Lima Rodrigues
Visitante
Renan Lima Rodrigues

*TENNO HEIKA BANZAI!*

Algo feliz para agosto no Japão, já que não foi um mês bom para eles historicamente, torço que voltem a serem uma potência bélica.

Bela iniciativa da JMSDF, já que eles tem ainda o lamentável tratado de não poderem construir Cv’s, só espero que eu esteja errado e que possam começar a construção de porta aviões futuramente.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

eles já são uma potência belica, agora com poder de expecionário, só espero que eles se contentem em atacar os xings, pq ninguém na Ásia esqueceu o que eles fizeram.

Bosco
Visitante
Bosco

Finalmente os japoneses entenderem que a melhor defesa é o ataque.
Vale salientar que também estão querendo adquirir o Tomahawk.
A bomba nuclear fica pra 2022.
Com o foguete orbital Epsilon (ICBM disfarçado) de combustível sólido ele já terão um veículo de entrega prontinho.comment image

filipe
Visitante
filipe

China + Coreia do Norte + Russia que se cuidem, o samurai não brinca em serviço, o Japão têm que se defender … China + Coreia do Norte + Russia querem ajustar as contas da 2GM, nesse caso o Japão deve se pacificar com a Coreia do Sul da mesma forma que se pacificou com o EUA e Australia, a aliança com Seul deve ser solida, já foi bom terem realizado a copa de 2002 Juntas, mostrou que essas duas nações quando unidas tem enorme potencial. Russia e China influenciaram a Coreia do Norte a ter armas nucleares, agora eles… Read more »

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

enquanto nosso ICBM (mais conhecido como VLS) foi destruído, já li que foram franceses, israelenses ou americanos, o Japão domina o enriquecimento de urânio por Laser, então acredito que eles já chegaram no nível de Urânio 235 para fazer a bomba deles. só falta revelar.

cesar silva
Visitante

acredito que seja uma solução provisoria para no futuro ter um navio de 50,000 a 60,000 toneladas.

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Uma solução provisória pra lá de luxuosa, se tratando de um país que não é retardado e consegue se programar para o futuro, não duvido nada que na planta, lá na parte de projeto ele já tenha sido pensado para esta conversão sem que haja nenhum prejuízo operacional!

Dalton
Visitante
Dalton

Concordo, se os navios da classe “Wasp” foram e estão sendo adaptados para o F-35B o mesmo pode ser feito para os navios da classe “Izumo” que talvez nem precisem de uma “rampa” da mesma forma como os navios da US Navy que assim não perdem espaço para estacionamento de aeronaves e continuam focados em operações anfíbias eventualmente se necessário substituindo as demais aeronaves por mais F-35Bs. . Da mesma forma os “Izumos” poderão continuar focados na luta anti submarina complementando seus helicópteros com alguns F-35Bs e em caso de necessidade substituindo todos os helicópteros A\S por mais F-35Bs. .… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Os Marines vão operar uns F-35B a partir do Izumo e Kaga. Mas a conversão dos DDH em meados da década de 20, pra mim, soa estranho – será que precisa tanta coisa assim que demore seis anos pra se consolidar?… Muito antes disso a situação da aliança no Pacífico ocidental pode mudar completamente, e os EUA ter de rever tudo, como fez com a Turquia. Uma pinimba entre Coréia do Sul e Japão ameaça prejudicar gravemente a inteligência americana na região; Austrália pode se tornar aliada da China, o poder hegemônico asiático, como quase se tornou do Japão na… Read more »

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Está confundindo alhos com bugalhos. A CS precisa dos EUA contra a CN enquanto o Japão precisa contra a China. A não ser que no curto prazo a CN se reunifique com o Sul, nada quanto a isso irá mudar.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Muita coisa pode mudar sim, mas as chances de a Austrália se alinhar com a China são de ZERO%.

Coréia do Sul e Japão podem ter suas rusgas, mas quando a necessidade aperta, os laços se estreitam rapidinho. Esses países, e a Austrália, tem suas estratégias de defesa indissociáveis dos EUA. Tudo foi baseado em operarem em conjunto com a USN na região. Alguns países menores podem jogar para um lado ou outro, mas esses não.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Australia tá se armando até os dentes igual o Japão, compraram subs novos, vão comprar cruzadores, F35, já tem Growler, vão comprar o Loyal Wingman, vão comprar novos veículos de transporte de tropas, e isso tudo não é para o Japão, é para a China.

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Austrália aliada da China???? Eu não arriscaria isso nem em ficção… Coreia do Sul e Japão, não é de hoje, acertam suas contas históricas de olho no avanço da China. Nem um, nem outro, vão arriscar uma treta com os EUA (hoje seu “garante”) brigando entre si. Austrália, idem! Esse é o efeito “China” do qual venho falando: as nações do seu entorno tendem a compor alianças econômicas e militares para enfrentá-la. Por isso eu aposto minhas fichas nos EUA, não obstante o assombroso avanço chinês nas FFAAs, notadamente na Marinha. A China, numa hipótese de conflito, terá que enfrentar… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Alex…
.
os F-35B não chegarão imediatamente então não vale a pena modificar os navios tão cedo e é bem possível que se aguarde um período maior de manutenção para então incluir as modificações necessárias.

Wellington Rossi Kramer
Visitante

Austrália aliada da China? Tá viajando!

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Bom, não quero chatear os senhores com essa coisa que é minha de achar que a América tá deixando lentamente a Ásia por conta própria, meio que por vontade livre (retorno ao isolacionismo autarquico, a desilusão do moribundo Don Quixote) meio que obrigado pelas circunstâncias (China e Rússia e UE de mãos dadas na autonomização da Eurásia em relação ao circulo de ilhas em torno do heartland, ou seja, as américas e a Oceania, a groenlândia e a Antártida). Então não vou martelar nisso.

horatio nelson
Visitante
horatio nelson

esperando os comentarios q perguntam se o atlantico pode operar os f35…

Salim
Visitante
Salim

Poder ate que pode, mais ficaria muito caro e meia boca, seria mais barato construir um novo com vida operacional de 40 anos e plenamente capacitado para operar estas aeronaves.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

que eu saiba não, pois não tem elevadores que consigam suportar e caber os F35.

Bosco
Visitante
Bosco

O F-35B tem capacidade VTOL plena desde que com 50% de combustível (3 t) e sem armas. Ou com menos uns 700 kg (2,3 t) de combustível e 4 mísseis Amraam. O problema é que gasta 1 t para decolar e pousar na vertical e aí , sobraria 1,3 t para a missão. É muito pouco. Ou seja, no modo VTOL ele não serve pra nada. No modo STOVL ele pode voar com o tanque cheio (6 t) mais 4 Amraams (ou 2 Amraams e 2 bombas de 1000 lb) e mais carga externa. Contas básicas: Peso vazio: 32.400 lb… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Os futuros motores de ciclo variável dos caças de 6ªG poderão ser adaptados ao F-35B????

Salim
Visitante
Salim

Exato, para valer a pena teria que ter rampa dee lançamento , elevadores redimensionados, estocagem combustível compatível, etc…. Tudo isto e possível, porem como disse ficaria bem caro e talvez bem inferior a um barco projetado para operar este tipo aeronave, aliado a vida remanescente do barco resultam na inviabilidade desta modificação. Ficaria melhor no A12 São Paulo, pois a parte aeronáutica esta pronta, poderia se esquecer catapultas a gás e só trocar propulsão. A única duvida que tenho e se os tracker teriam condição decolar sem catapulta, somente utilizando pista e velocidade do barco de 30 nós.

Renan
Visitante
Renan

O Brasil tem que investir 2 bilhões de dólares por ano em cada uma das forças armadas e criar uma quarta força (miséria e foguetes) quinta força (segurança virtual) com o mesmo valor de investimento em cada. E garantir por decreto este investimentos.
Com 10 bilhões de dólares anual voltado para o investimento será questão de 20 a 30 anos para ter um poder respeitável
Claro este valor tem que sair da atual conta do ministério de defesa. Cortando benefícios e despesas desnecessárias.
Temos alocado aproximadamente 25 bilhões de dólares 10 em investimentos, 5 custeio, 10 para salários e pensões. Será ótimo.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Se já é oneroso o fato de que 80% das verbas das 3 FA’s são pra pagar salário e aposentadoria, imagina a desgraça que não seria criar mais 2 Forças.
Mais um cabide de empregos inchada pro povo pagar.

Renan
Visitante
Renan

O valor não pode aumentar deve ser sempre 1,5% do PIB, exemplo o ano passado foi de 102 bilhões.
E que os militares se virem para cortar na própria carne.
Tem que ser lei

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Não temos sinais de que nada nem remotamente parecido vai acontecer, o contracheque é a prioridade!

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Orçamento no Brasil tem basta a milicaida gastar direito em vez de ter mais de 300 mil militares coçando o saco nós quartéis e recrutas fazendo capina em vila militar. Primeiro tem resolver a incompetência administrativa dentro das forças armadas.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Opa, parabéns ao Japão! Então temos Kaga e Izumo. Logo logo se vierem com Akagi, Hiryu, Soryu e Shokaku, pessoal em volta fica um tanto nauseado hehehehe.

Mas sério, foi uma decisão que era razoavelmente bem previsível e apenas questão de tempo. O Japão é uma potência militar regional de colocar respeito, mas precisam mesmo ampliar os horizontes em relação à certas restrições legais que existem dentro do país. Felizmente isso vem mudando em tempos recentes.

Renan
Visitante
Renan

Compra uns 20 para a marinha do Brasil, mas sem a cobertura stealth (pois é caro mantermos)
A marinha poderia ter este tipo de aeronaves para treinamento e doutrina sem o revestimento caríssimo quando for possível ter um classe América então compra o revestimento.
Abraço

Salim
Visitante
Salim

Tenho a mesmo opinião, 24 f35 como caca tático com e99 e 90 gripens, nossas fronteiras estariam protegidas ( marítima e terrestre ), pra passar desta forca hj só teria um pais com capacidade de encarar. Hj sem cobertura/supremacia aérea, exercito e marinha náo tem como.

Top Gun Sea
Visitante
Top Gun Sea

As adaptações terá como objetivo principal colocar meia pista ski jump como os LHDs espanhol Juan Carlos l e o Camberra Australiano. Todos esperando F35B. Os LHDs japoneses não ficarão tão bonitos como estão agora mas, ficarão letais.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Até as cerejeiras do Japão sabem que o F-35 B será o principal vetor embarcado. Assim que sanarem seus defeitos de projeto e de execução será uma arma imbatível. E pensar que pelo preço de três Gripen poderíamos ter comprado dois F-35.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

o Gripen só não é Stealth, o código fonte temos acesso, temos acesso a arquitetura da aeronave, melhoramos nossos conhecimentos com materiais da fuselagem em compósitos, o Gripen é tão confiável quanto um F16 mas é mais leve, queima menos combustível, e faz supercruise, o F16 não usa tanto materiais compositos na sua estrutura, o Brasil se continuar crescendo nos próximos anos poderá fazer parte da fabricação de uma aeronave de 6 Geração com o que aprendemos no Gripen, até mesmo um código fonte para nossa aeronave não poder ser rackeada pelo país vendedor, como Israel fez com os F35… Read more »

Mahan
Visitante
Mahan

Os “intendidos” insistem que nossa marinha não precisa de Porta-Aviões. ..

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Não é uma questão de precisar, se vc for falar com qualquer marinha top 10 do mundo, Porta Aviões e Submarinos Nucleares são os desejos mais molhados, a questão é muito mais elementar pois não tem dinheiro nem pra corveta!

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Visitante
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro

A questão aqui é muito focada em ter ou não ter dinheiro. Mas falando de ponto de vista estritamente técnico é claro que o Brasil precisa de pelo menos 2 porta aviões.

Juarez
Visitante
Juarez

Os “intendidos” continuam afirmando que a MB precisa de juízo, foco, rácionalizacao de meios, redução de pessoal e OMs e principalmente de vergonha na cara dos que determinam suas ações.
Definitivamente, neste momento, a ultima coisa que ela precisa e de um PA.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

os entendidos são entendidos, e tem cabeça na lugar para fazer uma marinha de verdade, não essa vergonha flutuante que temos, já os meninos que jogam super trunfo acham que PA é fácil manter e comprar e são a solução para fazer a marinha forte.

Bosco
Visitante
Bosco

Mahan, Precisar precisa, principalmente para nos defender de um país que tenha um, só que só um não adianta. E sem escoltas e navios de apoio também não. E sem caças e aeronaves AEW muito menos. No mínimo 4. Estourando…3. E definitivamente não temos dindim pra isso tudo. Já que não temos devemos investir na única coisa que mete medo em porta-aviões (e não são mísseis mega gigantes hipersônicos com 2000 km de alcance não) e que não seja outro porta-aviões, que é o… “submarino” . Tivéssemos uns 12 convencionais nas pontas dos cascos e o “Lacron” não lacrava tanto… Read more »

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Por um tempo eu achava que a China só fazia o velho jogo ao reclamar do Japão e suas forças, contudo, ao lembrar que não dependem de opinião pública e que são asiáticos, hoje fica bastante claro que nada mais é que o famoso “quem tem #$ tem medo”.

Zé Mané
Visitante
Zé Mané

Pessoal, sei que é “off topic”, mas me surpreende o blog ainda não ter trazido o tema para discussão. Como o nosso presidente não entende nada de relações internacionais, não sabe que nos regimes democráticos é visto como normal, natural, um visitante estrangeiro manter contatos com pessoas e setores da sociedade opositores do governo. Isso só não funciona em regimes autoritários, como Cuba e Venezuela, por exemplo, onde contactos com dissidentes (como são chamados os opositores nesses regimes) são considerados um insulto ao país ou uma intromissão em assuntos internos. Há dias, o presidente decidiu esnobar o ministro das Relações… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Bem, o fato é que realmente não é o tópico para tratar disso, mas considerando que Macron já está sendo isolado no G7 por Estados Unidos, de forma mais importante, por Reino Unido e Alemanha, que influenciam no acordo com a União Europeia, esse papo todo deve se dissipar bem em breve. É bom lembrar que o PROSUB é uma via de mão dupla. Os trabalhos continuam, e acho que ele querem continuar recebendo, não? Enfim, existem meios de se tratar o negócio e normalizar a situação, e isso já está acontecendo, mais por causa de outros fatores do que… Read more »

Zé Mané
Visitante
Zé Mané

Caro Leandro, obrigado pelo comentário. É isso que me preocupa. Naquilo que depende de uma ação conjunta de vários atores, se algum deles não quiser, a coisa não anda. No entanto, na questão do PROSUB, os franceses podem agir sozinhos, não precisam de compor com ninguém. Basta eles decidirem e pronto, não precisam pedir licença nem apoio de ninguém.

filipe
Visitante
filipe

O PROSUB é o projecto mais importante de defesa do Hemisfério Sul, não é briga de politicos, não é twiters, não é show time, não é ideologia , é estratégia, A França é parceira do Brasil e vice-versa, A França não é só o Macron, apesar do Macron ser o presidente Francês, da mesma forma que o Brasil não é só Jair Bolsonaro, apesar do Bolsonaro ser o presidente Brasileiro, Não podemos por 40 anos de trabalhos em causa por uma briga casual, ou disputa ideológica sem nexo, o PROSUB foi assinado antes desses dois lideres estarem no poder, antes… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Leandro, menos ufanismo e oficialismo, o estado Francês tem somente interesses, e não parceiros.

sergio ribamar ferreira
Visitante

Concordo com o Sr. Juarez.

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Bolsonaro é um fanfarrão cretino. Acusou o golpe com a lacração impotente em vez de agir no núcleo da coisa, fazendo gestões internacionais pra reforçar a soberania brasileira sobre o seu território, qualquer que seja a paisagem, e internamente pra substituir o mecanismo gerencial ambiental criado pelas esquerdas. Os apoiadores de Bolsonaro, igualmente cretinos e fanfarrões, se põem a rebater com retórica ou insultos o golpe macroniano sem dar uma olhada no panorama de queimadas que assolam África e América do Norte – um fenômeno não isolado, portanto. Não basta que Macron baixe a bola (ele ameaçou sobretaxar exportações norte-americanas,… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Alex, esquece está retórica nhen mhen, o maior macho da Europa, a Angela Merkel já mandou o Bambi de armario calar a boca. E, ele como todo bom francês, mal caráter, presunçoso e vea…..baixou as cuecas.

sergio ribamar ferreira
Visitante

Concordo com o Sr. Juarez. O Sr. Maricon já mudou o discurso depois de ter conversado em reserva com Trump. e a Briselda alemã já não demonstra tanta força. Quem tem negócios aqui são eles. Creio que o Sr. Krupp deve ter conversado. CCT podem não sair, bem como os CC para o EB. São muito os assuntos e detalhes. Passar bem e felicidades ao Sr. e família.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Manu Macron kkkkkkkk ele devia se assumir

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Juarez, a Merkel já ligou pro Bolsonaro, como tinha prometido justamente pra não dar a impressão que tava jogando contra o mito? O choque e espanto que o Macron induziu foi só o começo, um teste, por assim dizer, das nossas capacidades sperneandi. Corredor triplo A e seus fundamentos internacionalistas, pra nós é um desiderato incômodo, mas pra eles já é uma realidade aguardando colheita. Dê uma olhada nas figuras estilo Fitzcarraldo envolvidas com a internacionalização da Amazônia…

Bosco
Visitante
Bosco

“fanfarrão cretino” ???????

Juarez
Visitante
Juarez

Realmente quem entendia de relações internacionais era aquela invompetente, ensacadora de vento que nos levou a ruína e junto com o top top Garcia( que queime no quinto dos infernos) e aquele anão diplaomatico do Amorim que puxava o saco de despotas, ditadores e assassinos e nos Ju tou com a escória do mundo.
Quanto ao Prosub, os Franceses que se aqueles pois vão parar tribunal de Haia tamanha e a falcatrua daquilo lá com envolvimento do estado francês e aquele outro viado e rústico do Sarkozy.

sergio ribamar ferreira
Visitante

Reitero o discurso anterior, concordando com vossa pessoa, Sr Juarez. Grande abraço.

filipe
Visitante
filipe

Pelo tamanho do convês de voo , a gente poderia começar a idealizar um NAE para a MB operar o Gripen-M , pelo menos 12 a 24 aparelhos, o Gripen pode operar a partir de pistas de curtas e pesa menos do que 10 toneladas, sei que não VSTOL como o F-35 e o Harrier , mas pode decolar de pistas com cumprimento reduzido, acho que 250 metros pode ser suficiente, então o proximo NAE poderia ter 250 metros e 45 000 toneladas , um pouco maior do que o projecto japonês, Gripen M é denominação do SEA -Gripen ou… Read more »

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Eu ja voto que nosso próximo PA opere a millenium falcon, x-wing, tie-fighters…

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

E qual era o concorrente, se é o único caça no momento com capacidade de operar nos navios Japoneses?

Luiz Floriano Alves
Visitante

Os vetores embarcados devem ter capacidade de decolar em espaço curto, mas, tb de combater o inimigo com eficiência. Para isso tem que transportar combustível e armamentos. Se fosse um simples aparelho voador poderíamos colocar Super PA 18, tipo Alaska no Atlântico, que decolam em 30 metros. Mas não tem poder de combate. Os,modernos F-35 B são os que melhor atendem esses requisitos. O Gripen M é vetor que requer PA convencional, cm catapultas. Com poucas alterações embarcamos F-35 B no Atlântico. Ou esqueceram que, nas Malvinas, os Harriers operaram até em convés de cargueiros?

Dalton
Visitante
Dalton

Não…apenas um “Harrier” com pouco combustível e armamento foi deixado em condições de voo a bordo de um “cargueiro” para uma emergência…os demais a bordo voaram para os 2 NAes e operaram a partir deles. . O F-35B não apenas é maior e mais pesado que um “Harrier”, consome também mais combustível e exige manutenção mais complexa e cara quando a bordo de um navio. . Nem mesmo a US Navy sabe exatamente como é operar um esquadrão inteiro deles a bordo de seus navios anfíbios, isso, ainda não foi tentado, diferente do “Harrier” que chegou a ser embarcado em… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Daltão, Luiz e Cristiano,
Fiz um comentário acima sobre a capacidade VTOL do F-35B que pode ser interessante à discussão.

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

Salim
Visitante
Salim

Para alterar Atlântico, tem muita modificação, fica bem caro e demorado e acredito que ficaria meia boca. E mais barato e confiável fazer um novo.

Heitor
Visitante
Heitor

Pessoal, uma pergunta nada a ver com o assunto. Existe a possibilidade dos franceses suspenderem o contrato dos submarinos? Por causa da rixa entre Bolso e Macron?

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Eu acho que o $$$ fala mais alto, por isso não acredito que os franceses cancelem um contrato lucrativo para eles. Mas é só uma opinião.

sergio ribamar ferreira
Visitante

Concordo com a opinião do Sr. 100nick. essa opinião tem fundamento. Macron já desceu momentaneamente no discurso para enveredar pelo discurso de interferência subliminar da nações sobre a Amazônia. grande abraço e desculpe a intromissão

Heitor
Visitante
Heitor

Sim 100nick-Elã… percebi isso também, vamos ver os próximos capítulos. Obrigado!

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

existia, o Manu sossegou o facho depois que alguns países Europeus cortaram as asas dele, no Mais a França ia levar calote, e a perder emprego, e caso as coisas continuassem a esquentar várias empresas franceses aqui como o Carrefour, Citroen, Renault e etc poderiam ser nacionalizadas, eles iam sofrer igual a gente.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Nacionalizadas, tipo como o chavea e o maduro fizeram. Sei

Heitor
Visitante
Heitor

Impossível isso acontecer, ainda arriscando sanções vindas da própria UE e, dos EUA (americanos amam franceses), embargo as exportações “made in Br”… não seria nada inteligente e nunca viria do Guedes

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Vindo do atual governo? Duvido de ó dó… Mais fácil seria expulsar as mesmas e chamar alguma espanhola, britânica ou até mesmo norte-americana. Agora nacionalizar? O Bolsonaro com o Guedes? Nunquinha… É mais fácil aparecer um extraterrestre no seu quintal do que isso acontecer!

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Bem… O fato é que o Japão esta mostrando que não entregará de graça e de bom grado as ilhas disputadas por eles, japoneses, e chineses. Banzai…

Carlos Eduardo
Visitante
Carlos Eduardo

O Japão possui equipamentos ótimos e com qualidade, mas lhes falta quantitativo. Por ser uma nação insular, sem reservas minerais e nenhum tipo de ligação física a outra nação ou aliado, militarmente é um pesadelo, pois um parcial bloqueio naval já pode arruinar todo esforço de guerra. Então, apesar da qualidade, seu quantificativo é insignificante perante as ameaças atuais, oque é triste, pois em hipotético caso de guerra, pouco o Japão poderá fazer sozinho. E a sua atual dependência de seu aliado EUA, é outro fator extremamente preocupante. Cabe a todos lembrar que uma hipotética guerra na Asia, será seguido… Read more »

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Bonitão! Vejo esse navio e sempre me lembro do Iwo Jima LPH 2 não da série atual.