Home Força Aeronaval Criação do Comando Naval de Operações Especiais (CoNavOpEsp)

Criação do Comando Naval de Operações Especiais (CoNavOpEsp)

25071
132

PORTARIA Nº 232/MB. DE 16 DE AGOSTO DE 2019

Cria o Comando Naval de Operações Especiais (CoNavOpEsp) e dá outras providências.

O COMANDANTE DA MARINHA, no uso das atribuições que lhe conferem os arts. 4º e 19 da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999, alterada pela Lei Complementar nº 136, de 25 de agosto de 2010, e e o Inciso V do art. 26, do anexo I ao Decreto nº 5417, de 13 de abril de 2005, resolve;

Art 1º Criar, dentro da Estrutura Regimental do Comando da Marinha, o Comando Naval de Operações Especiais (CoNavOpEsp), Organização Militar com semiautonomia administrativa, subordinado ao Comando de Operações Navais (ComOpNav), e por este apoiado com os recursos de pessoal, financeiros, de rancho e alojamento necessários à execução de suas tarefas. Com sede na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, e sob a direção de um Contra-Almirante, terá o propósito de contribuir para o aprestamento e o emprego das Forças Navais, Aeronavais e de Fuzileiros Navais.

Art 2º O CoNavOpEsp deverá submeter à apreciação do Comandante de Operações Navais, observando o que dispõem as normais em vigor, proposta de Regulamento, dentro de sessenta dias, contados a partir da entrada em vigor desta portaria.

Art 3º O Comandante de Operações Navais baixará os atos complementares que se fizerem necessários à execução desta Portaria.

Art 4º Esta Portaria entre em vigor na presente data.

 ILQUES BARBOSA JUNIOR

Subscribe
Notify of
guest
132 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vovozao
Vovozao
1 ano atrás

29/08/19 – quinta-feira, btarde, impressionante, criam mais cargos de comando (contra Almirante), ” comando de operações especiais” não seria duplicidade já que sabemos ser os fuzileiros encarregados de ” operação especial ”, e aproveitando: como será deslocado estes comandos?? Não temos ” meios navais” disponíveis, e eles fariam deslocamentos de caiaques?????
Antes de criar comandos, vamos equipar nossa MB com meios navais compatíveis com toda a nossa ” Amazônia azul ” coisa que não temos.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Vovozão, até onde eu sei os GRUMEC não são parte do CFN. E eles podem ser deslocados via submarinos, navios, aviões, etc.

Na verdade, eu vejo isso como algo bom, e que pode contribuir sim para maior unificação de comando e economia de meios.

O tempo irá dizer, claro.

Enes
Enes
Reply to  Leandro Costa
1 ano atrás

Realmente Leandro, você esta certo, o GRUMEC é um grupo de mergulhadores formada por Marinheiros.

Igor
Igor
Reply to  Enes
1 ano atrás

Enes, você é de Cabo Frio/RJ?

Enes
Enes
Reply to  Igor
1 ano atrás

Sou de Bangu, Rio de Janeiro.

Carlos
Carlos
Reply to  Leandro Costa
1 ano atrás

Não, meu amigo, o GRUMEC, é o Grupamento de Mergulhadores de Combate, composto por militares do corpo da armada, é subordinado a Força de Submarinos (Setor Operativo, subordinado ao Comando de Operação Naval) e está localizado na Ilha de Mocanguê. Cabe, ao GRUMEC realizar operações especiais, infiltração em bases e territórios inimigos, retomada de plataforma, etc. Podem ser transportados por submarinos, aeronaves ou qualquer outro meio que facilite o seu deslicamente, de maneira oculta.
Espero ter podido ajudar.

Negrão
Negrão
Reply to  Carlos
1 ano atrás

O GRUMEC e o COMANF têm caráter de “comandos”, já “Forças Especiais” somente o Exército possuía. As subdivisões do COMANF já enviaram alguns de seus guerreiros para a formação do primeiro grupo de operações especiais dos fuzileiros navais, acredito que não enviaram mais, pois, no momento está ocorrendo o adestramento de uma nova turma de COMANFs.

SG FN ABRAO
SG FN ABRAO
Reply to  Negrão
6 meses atrás

Negativo! assim como o Exercito ! a marinha tambem possui forças especiais ! Comandos Anfibios , e os GRUMEC, nao se deixe levar pela intitulaçao do nome ‘ FORÇAS ESPECIAIS ‘

Gabriel
Gabriel
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Detectado “pitaqueiro profissional”, que desconhece completamente o que são as chamadas “operações especiais” e a estrutura administrativa e logística necessária para seu suporte.
Não é feio desconhecer o assunto, feio é querer dar opinião sem o mínimo de embasamento ou conhecimento a respeito do tema.

Salim
Salim
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Cabidao ‘, Sede em frente ao mar com estrutura pesada, depois falta meios, vergonhoso.
Grumec virou o que!?!!? Nem que eu me esforce consigo entender.

André
André
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Vovozao antes de criticar vamos pesquisar mais sobre os grupos especiais da MB e seus meios, ta precisando amigo.

AntonioCV
AntonioCV
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Vovozao, você está enganado quando afirma que “criam mais cargos de comando (contra Almirante)…”.

O número de Oficiais Generais nas Forças Armadas é ditado por Lei. Nenhuma força pode criar “cargos de comando” a seu bel prazer.

No caso da Marinha, os efetivos de Oficiais Generais são ditados pela Lei no 9.519, de 26 de novembro de 1997, alterada pela Lei no 11.643, de 10 de março de 2008, e pela Lei no 12.216, de 11 de março de 2010.

Recomendo a leitura no seguinte link: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9519.htm

Salim
Salim
Reply to  AntonioCV
1 ano atrás

Então tem cara moscando e ganhando Maciota, de onde sacaram contra almirante!?!!
Oitenta mil homens, um submarino operacional e meia duzia de navios. E melhor ser leigo pois os intendidos tao querendo explicar o inexplicável.

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  Salim
1 ano atrás

Salim, é isso aí, mas a galera defende as mamatas, fazer o quê, sobram almirantes, generais e brigadeiros, mas faltam, navios, tanques e aviões, o Brasil é assim mesmo, todos os anos criam uma estatal inútil cheia de cargos de livre nomeação, depois fazem concursos públicos com salários repletos de de gratificações extra-teto somente para agradar e dar emprego aos apadrinhados, que depois vão gerar aposentadorias e pensões de valores 10X o teto do INSS, e assim caminha o Brasilllllllll!

Moreira
Moreira
Reply to  AntonioCV
1 ano atrás

A criação do cargo é deduzida. Se existe, não existe a vaga. É apenas fins planejamento num contesto extremo. Ainda, as Op Esp são o emprego direto Comanf e Grumec num TO, e demais meios requeridos pelo em apoio “ad hoc”.

Demétrius
Demétrius
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

O mesmo tipo de comentário, inútil e de total desconhecimento…

Jack ryan
Jack ryan
Reply to  Demétrius
1 ano atrás

Como digo sempre. Galante e os demais tiveram uma otima ideia ao criar o PN.
Tinha uma lista de e-mail bacana, participaram MO, Koslova, Bacchi e outros.
A gente ficava ali so escutando, as vezes falava uma besteira….
Mas esses meninos do youtube de hoje em dia, vêem qualquer canal caça likes e ja se dizem os maiores entendidos do assunto.
Se vcs querem ser entendidos, escolham uma FA e ingressem, ou leiam muito, do contrário ta muito chato….
A pessoal que começa falando que portaria criou cargo de contra almirante não tem noção de nada.

Salim
Salim
Reply to  Jack ryan
1 ano atrás

Caro Jack, náo precisa ser ” intendido ” pra verificar o descompasso entre excesso de efetivo, NR oficiais desproporcional ao efetivo ( acredito que inflam o NR para justificar o NR oficiais ) e a total falta meios. O caso em epígrafe e um exemplo cabal desta megalomania. Quanto a democratização da opinião acredito que VC esta enganado, pois nossas forças armadas estão lotadas de intendidos e náo precisamos ficar explicando a situação da mesma. Estamos entre os dez maiores orçamentos em defesa do mundo, maior/equivalente ao gasto de Israel e Coréia do sul. As vezes aparece um comentário meio… Read more »

Enes
Enes
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Vovozão, os fuzileiros navais não são os únicos envolvidos em operações especiais, o próprio testo já diz, meios navais, aeronavais e de fuzileiros navais. Quanto a criar cargos de comando, isso não altera o contingente de almirantes, tendo em vista que o numero de Oficiais Generais é fixo por lei, como citou o colega ai embaixo. Também não requer novos prédios para acomodações de pessoal e estrutura, basta apenas fazer adequações.

Enes
Enes
Reply to  Enes
1 ano atrás

Quanto a necessidade de meios navais, concordo plenamente com você.

Vovozao
Vovozao
Reply to  Enes
1 ano atrás

31/08/19 – sábado, bdias, nobre Enes, expressei-me mal, não quiz dizer criar, já que na postagem anterior do PN, eu coloquei todo contingente autorizado para 2019, o que eu quiz dizer foi: temos muitos comandantes que estão no posto mais alto de uma arma, porém, não exerce um comando efetivo, ficam assessorando, e, com a efetiva criação do comando ele exercerá efetivamente um comando. E quanto as críticas que eu não entendo até concordo e procuro ler/entender, já li várias vezes operações que participam tanto FN, como o GRUMEC, já que todos (FN, GRUMEC), são militares da marinha e com… Read more »

Junior
Junior
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Se nossas forças armadas!não fossem sucateadas há anos por sarnei,fhc,Lula e Dilma principalmente acredito que estaríamos bem melhor aparelhados!na terra,ar e nos mares! Agora filhão tudo que for pra melhorar e especializar nossos combatentes ok

Minuteman
Minuteman
1 ano atrás

Deveriam é cortar 70% do efetivo, e dos navios imprestáveis, para investir em novos submarinos e navios de linha. Mas isso é apenas um sonho.

Dodo
Dodo
Reply to  Minuteman
1 ano atrás

Navios imprestáveis?

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Imprestável, que não presta, que falha em prestar, que não serve nem deixa servir.

Minuteman
Minuteman
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Tipo o Monitor Parnaíba de quase 100 anos.

Sergio
Sergio
Reply to  Minuteman
1 ano atrás

Corta pessoal, investe em navios e submarinos (que tb são navios) e depois….contrata que tipo de ser para guarnecê-los?

Paddy Mayne
Paddy Mayne
Reply to  Sergio
1 ano atrás

Essa deveria ser a receita da reorganização das FA: CORTA PESSOAL. Menos gente, mais profissionais de baixa patente, menos falsas filhas solteiras mordendo pensão.

Augusto Mota
Augusto Mota
Reply to  Sergio
1 ano atrás

Sergio, brasileiro gosta de emprego público, de mamatas, de títulos, não adianta remar contra a correnteza, eu concordo com vc, deviam investir em navios com alto grau de automatização, extremamente avançados, com pouca tripulação, todos com graduação e mestrado, marinheiros profissionais, ganhando bem , mas com pouco efetivo, deviam acabar com serviço militar obrigatório, profissionalizar o serviço pagando bem, porém, com extrema eficiência e eficácia…Só um sonho…

Jorge Rodrigues
Reply to  Minuteman
1 ano atrás

Não entendi , cortar 70% do efetivo e navios imprestáveis, para investir em novos submarinos e navios de linha ,
Ah entendi , eles seriam comandados por 30% do efetivo, através de controles remoto
Legal
Parabéns

Zorann
Zorann
Reply to  Minuteman
1 ano atrás

Perfeito Minuteman!! Os comentários contrários ao seu são exatamente das pessoas que defendem a manutenção de tudo que está errado nas Forças Armadas e/ou não conhecem o mínimo sobre administração. Há trocentas maneiras de se racionalizar os gastos com pessoal, inclusive a incorporação de militares (oficiais/praças) temporários, terceirização de serviços, entre muitas outras. Cadê o princípio de elasticidade/flexibilidade? O principal papel das Forças Armadas deveria ser defender a pátria. E hoje vemos forças inchadas, mal armadas, que gastam um orçamento enorme e não tem a menor capacidade de nos defender. A perguntas que ficam são: Qual a utilidade de Forças… Read more »

Guizmo
Guizmo
1 ano atrás

Qual a diferença pro GRUMEC?

Edson
Edson
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Investimentos? Ah tá….sei…

João
João
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Particularmente achei coerente. Ficou mais parecido com o padrão estadunidense. Não haverá uma longa cadeia de comando entre a tropa de operações especiais e o alto comando, que agora terá à frente um Almirante com conhecimento de causa.

Guizmo
Guizmo
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Mas nao entendi, o Grumec deixa de existir? Operacionalmente quais as diferenças?

Moreira
Moreira
Reply to  Guizmo
1 ano atrás

Creio que nada deve mudar. Exceto qto à ajustes doutrinários. Particularmente, qdo passar à disposição ad hoc num contexto de Op Esp Anfíbias. A armada não deve perder sua Elite e sua tradição, inclusive para capacitar os FN.

Moreira
Moreira
Reply to  Guizmo
1 ano atrás

As ações basicamente sao: um obj no mar/Rio (navio plataforma entrada baia..) e outro obj em terra (bases diques pontes..). Obs q nas terras interiores os COMANDOS tem esse duplo papel. Particularmente na retaguarda inimiga.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Guizmo
1 ano atrás

Não deixa de existir.
O GRUMEC é da Armada.
Os COMANF são do CFN.
Muito grosso modo….:
Os primeiros são encarregados de OpEsp no mar.
Os segundos da praia pro interior.
Ex: uma plataforma de Petróleo é alvo dos MEC.
Um radar em uma colina próxima ao litoral é alvo dos COMANF.
Espero, de forma simplória, ter lhe ajudado.

Guizmo
Guizmo
Reply to  Agnelo
1 ano atrás

Obrigado Agnelo, sim ajudou

Salim
Salim
Reply to  Agnelo
1 ano atrás

Explicação clara e objetiva, valeu.

kornet
kornet
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Na verdade são operações especiais e não forças especiais, a missão principal que os FE fazem,multiplicação de força e tempo prolongado, os operações especiais não, pois são missões pontuais e de pronta resposta.

Moreira
Moreira
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Com respeito, não racionalizar as operações. Mas dá autonomia ao comando junto aos meios à mão. A doutrina sempre será a mesma. Porém agora os fatores de decisão (meios) disponíveis ao Comando sem perda de tempo. Os custos ficam aumentados em proveito da eficiência e da efetividade.

Moreira
Moreira
Reply to  Guizmo
1 ano atrás

Serão fagocitados na oportunidade como os demais meios.

André
André
1 ano atrás

Boatos que o Btl Tonelero será expandido pegando parte do CIAMPA justamente para atender a criação desse comando opesp.
Eu acho excelente, isso abre portas para a maior interação entre Comandos Anfíbios e Mergulhadores de combate e se possível futuramente colocando em sua doutrina operações indiretas, já que ambos grupos trabalham com eficiência e tem essa capacidade.

Edson
Edson
Reply to  André
1 ano atrás

Como citado anteriormente, o grande problema serao os meios para a execução das missões. .

André
André
Reply to  Edson
1 ano atrás

Edson os meios existem, acredito que o Grumec não tem muitos meios em terra como veículos por concentrar sua operação no mar como patrulha e etc porém isso não significa que esses meios não possam ser adquiridos, uso como exemplo a obtenção de “mini submarinos” que eles operam, hoje os meios deles são voltados para o mar e o Comanf tem bastantes meios terrestres sim.

wwolf22
wwolf22
1 ano atrás

Por que a MB eh concentrada quase que na sua totalidade no RJ??
Por que nada eh transferido ou criado la no Norte??

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

Porque na época a capital era no Rio de Janeiro e a região sudeste era o motor econômico que a esquadra visava proteger e tornava a logística de operação mais barata e curta. O sudeste era uma região muito mais desenvolvida do que o Nordeste. Os estaleiros se concentravam nas águas abrigadas da Baía de Guanabara, então era tudo muito mais simples. Os tempos mudaram radicalmente, claro, mas a infra-estrutura ainda está toda pelo Rio de Janeiro, e neste momento, por mais que se deseje criar essa infra-estrutura no eixo norte-nordeste, é preciso entender que praticamente TUDO teria que ser… Read more »

Júlio
Júlio
Reply to  Leandro Costa
1 ano atrás

Está aí a solução para o Rio. Descentralizar e especializar o norte e o sul. O material humano agradeceria.

Carlos
Carlos
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

Pois é , também vejo a necessidade de Termos COMANDOS mais ao Norte do Brasil , distribuir melhor as Forças , com mais equilíbrio ganhamos em rapidez em ações e conhecimentos das adversidades do nosso País

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Carlos
1 ano atrás

Eu concordo com você, Carlos. Mas infelizmente querer não significa poder… Então acho que a MB vai se concentrar em conseguir mais meios no momento do que construir uma mega base naval no Norte-Nordeste que ficaria absolutamente vazia durante muitos, muitos anos.

Carlos
Carlos
Reply to  Leandro Costa
1 ano atrás

Torço para seu PENSAMENTO estar certo Colega Leandro Costa , Se for assim Concordo Contigo .
ABRAÇOS

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Alguma parte das forças. Em uma situação de conflito nossos aviões de transporte teriam que lidar com o Transporte não só da marinha como do exercito e da própria Força Aérea.

Navios não são dos meios mais rápidos. por isso que uma frota no norte polparia tempo de viagem (e combustível) para chegar na região, afinal, não da pra colocar uma Fragata dentro do KC-390.

Bardini
Bardini
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

Ninguém vai atacar o Brasil do dia pra noite… Existe toda uma escalada de tensões. Guerra custa absurdamente caro e ninguém tem caixa sobrando e liberdade para agir e brincar com a saúde financeira de um estado, sem que a coisa passe por decretos e tramites legais.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Bardini
1 ano atrás

O estado de prontidão da MB é bem registrado pela “guerra da lagosta”

Salim
Salim
Reply to  Bardini
1 ano atrás

A guerra da lagosta ensina, os franceses ( sempre eles) chegaram aqui bem antes no norte e tinham uma forçá tarefa na costa da africa capitaneada por porta aviões com trés dias viagem chegavam nordeste. Enquanto marinha de papel só apareceu depois, quem mostrou dentes na época foi FAB com avião patrulha, ainda bem que o Itamrati contornou.

Enes
Enes
Reply to  Salim
1 ano atrás

Salim, a FAB, faz parte do Brasil e tem também o dever de proteger nossos mares.

Salim
Salim
Reply to  Enes
1 ano atrás

Enes, perfeito, mais na guerra da lagosta como hoje, nossa marinha náo tem como segurar a força opressora. Hoje temos um submarino operacional, a Barroso e uma fragata em transito na unifil e náo preciso explicar a situação do restante armada. Atlântico e Bahia são barcos apoio a fuzileiros e sem escolta parruda são alvos faceis.

Enes
Enes
Reply to  Salim
1 ano atrás

Salim, meu amigo, Atlântico e o Bahia, por operar com helicópteros tem total capacidade de ataque e controle de área marítima alem de guerra anti submarinos, Haja visto ser o Atlântico embora muitos não tenham esse conhecimento, uma espécie de Destróier. (Destróier de convés corrido).

Salim
Salim
Reply to  Enes
1 ano atrás

Enés, Atlântico não tem armamento nem defesa anti submarino, para defesa aerea depende dos escolhas, defesa anti submarino com helicopteros tambem depende de escoltas e cobertura aerea para operacao dos helicopteros. Anteriormente ele trabalhava com helicopteros ataque para dar cobertura ao desembarque fuzileiros e helicopteros de transporte com a mesma finalidade. Contra uma força oponente sem escoltas não tem como sobreviver.

Jundiaí
Jundiaí
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Por esse mesmo pensamento que as FAs estão como estão!!!

Diego
Diego
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Tudo bem, quantos meses são necessários para o aprontamento de uma resposta contra um agressor realmente capaz? É inegável que estamos muito mais preparados para uma ação como a do Rio Traíra, mas, e contra uma esquadra?

Diego
Diego
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Com todo o respeito, de que modo? Com que velocidade? Quais equipamentos? Temos uma brigada paraquedista, temos meios de levar ao menos metade dessa tropa para um assalto? E os meios navais? Temos condições de enviar navios de modo mais eficiente que na guerra da lagosta?

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Carlos
1 ano atrás

Principalmente nas calhas do rio Amazonas e Paraguai.

Edson
Edson
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

Com a palavra o almirantado.

Bardini
Bardini
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

“Por que nada eh transferido ou criado la no Norte??”
.
Estão querendo RASGAR uma montanha de dinheiro para ter a maldita Segunda Esquadra, sendo que a única que se tem só existe na imaginação do CM…

wwolf22
wwolf22
Reply to  Bardini
1 ano atrás

quantas “bases avançadas”, pelotões, batalhões a MB possui na região Norte??
nao penso na criação de uma segunda esquadra, mas sim em alguns batalhões de fuzileiros, GRUMEC, COMANF…. todas essas tropas estão concentradas no Rio…

wwolf22
wwolf22
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

Por que nao uma nova “CIAMPA” adaptada para aquele tipo de ambiente??

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

wwolf22,

Assim, de cabeça, em Belém tem a Base Naval de Val-de-Cães, o Grupo de Patrulha Naval do Norte (com seus navios-patrulha, auxiliares, de apoio oceânico, hidroceanográficos), um batalhão de operações ribeirinhas, além de um esquadrão de helicópteros recentemente instalado.

Em Manaus, tem a Estação Naval do Rio Negro, a Flotilha do Amazonas (também com seus navios-patrulha fluviais etc), um batalhão de operações ribeirinhas e um esquadrão de helicópteros.

Diego
Diego
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

De que serviria uma força dessas na Foz do Amazonas, por exemplo? Já tem um novo batalhão dos fuzileiros lá, só levar infantaria não vai resolver nada, na minha opinião, seria melhor ter capacidade para transportar tropas de modo rápido.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Bardini
1 ano atrás

O Certo seria ter duas. mas não temos nenhuma…

Não é ilógico querer duas esquadras. ruim é o desperdício de dinheiro que fazem tentando chegar nisso.

Bardini
Bardini
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

Na minha opinião estão errando em querer duplicar a estrutura da Esquadra. É torrar dinheiro com algo que NÃO AGREGA. A MB deveria mirar é modernizar a estrutura para ter dois grupos de operações expedicionárias, inspirados nos Grupos dos Americanos: . https://www.marines.mil/Portals/1/Amphibious%20Ready%20Group%20And%20Marine%20Expeditionary%20Unit%20Overview.pdf . Hoje, sobre MUITO pessoal do CFN para os navios que se tem. Existe necessidade de expandir a quantidade de meios para ter capacidade de projetar força. E isso não é só no tocante a atacar alguém. É no tocante a ações defensivas sobre nosso próprio território, bem como ajuda humanitária… Seria mais barato implementar isso aí do… Read more »

wwolf22
wwolf22
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Nunao e Galante,
nao seria interessante se a MB tivesse o seu próprio “CIGS” exclusivo adaptado para os fuzileiros, COMANF, GRUMEC, … apenas para a Marinha…

André
André
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

Wwolf22 a marinha tem seu próprio “cigs” ele se chama “Batalhão de Operações Ribeirinhas” fora que dentro do Btl Tobelero também existe um espaço que é igual ao ambiente de selva que serve para adestra a tropa.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

Credo, via essa boca pra lá…!

Salim
Salim
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Transportamos pessoal pra praia sem estrutura e meios. A função da marinha náo e levar guerra pra longe da costa!?!! Então vira exercito logo e briga na praia.

André
André
Reply to  Salim
1 ano atrás

Salim, o CFN ao meu ver enfrenta dois entraves que impedem seu crescimento, primeiro é sua subordinação a oficiais de gola da MB e segunda é a ideologia de importancia do EB que querendo ou não coloca em cheque a existencia do CFN já que eles possuem infantaria.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  André
1 ano atrás

Crescer mais ainda ??!!

Salim
Salim
Reply to  André
1 ano atrás

Andre, a força de fuzileiros se caracteriza sobre força ligeira, transportada por navios para desembarque em território hostil garantindo uma cabeça praia segura para a evolução das forças ocupação. A rápida mobilização, treinamento e o impacto deles em combate. Exemplo: invadiram Fernando Noronha, fuzileiros vão lá retomar. Desembarcaram em Santos, exercito tem segurar rojão. Desembarque aéreo paraquedistas também e função exercito.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Salim
1 ano atrás

post confuso…

André
André
Reply to  Salim
1 ano atrás

Salim eu conheço as atribuições do CFN porém nenhuma força é moldada apenas para um tipo de ação ainda mais quando os cenários de guerra se modificam com o tempo, dizer que a única forma de atuação do CFN é tomar cabeça de praia é um erro, é só você ver a atuação de outras forças anfíbias pelo mundo como o USMC, ou até mesmo o CFN em missões de paz ou GLO que é usada como tropa já dentro do território, nosso Corpo de Fuzileiros hoje não tem capacidade expedicionária plena e a mesma tem que se reinventar não… Read more »

Salim
Salim
Reply to  André
1 ano atrás

Andre, como disse, os fuzileiros são bem treinados, rápida mobilização, equipados para deslocamento ligeiro e efetivo. Quando se precisa desta rapidez, mobilidade, treinamento superior a primeira tropa que aparece para qualquer dirigente são os fuzileiros/paraquedistas. Porem esta estrutura e moldada para ataque/defesa ligeira quebrando a linha do inimigo e para consolidação de posições sustentadas o exercito e mais parrudo tanto em equipamentos como em quantidade de efetivo. O Glo e um exemplo, pois visa quebrar a hegemonia de forças náo oficiais e restabelecer rapidamente o controle e a devolução do mesmo as forças regulares oficiais.

Alison Lene
Alison Lene
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Aviao de transporte nao é abatido não?? rsrsrsr

Dodo
Dodo
1 ano atrás

Isso é parte do plano de expansão do batalhão toneleiro. É uma ação operacional caso não tenha percebido

Cristiano Salles (Taubaté-SP)
Cristiano Salles (Taubaté-SP)
1 ano atrás

Se for para unificar as unidades de ações especiais da Marinha, acho válido…(COMANF, GRUMEC, TONELERO) Seria uma unidade administrativa para várias unidades especiais… Agora se for para inchar mais a Marinha, não acho legal… Sou a favor do COMANDO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS do Exército lá no centro do País como é atualmente…, a Marinha ter o COMANDO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS dela, e a Aeronáutica transformar a unidade de treinamento do PARA-SAR em: COMANDO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS da Aeronáutica…, lá na Serra do Cachimbo no Pará, onde eles já treinam… PARA-SAR = ser tipo um bombeiro super especializado em acidentes aéreos… Read more »

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Cristiano Salles (Taubaté-SP)
1 ano atrás

Cristiano, sobre a MB e o EB (Brigada de Forças Especiais) você acertou! Mas quanto ao ParaSar, oficialmente EAS – Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento, este já é uma unidade de Operações Especiais dentro da FAB. Em tempos de paz, realiza a nobre tarefa de salvamento nos acidentes aeronáuticos “Para que outros possam viver” . Também se adestram nos Exercícios Conjuntos (Vide Cruzex) em C-SAR (Combat SAR), que é o salvamento de tripulantes abatidos atrás das linhas inimigas , ou seja, atividade muito complexa e perigosa!

Claudio Guimaraes
Claudio Guimaraes
1 ano atrás

O Batalhão Tonelero, com o oficialização desse ato, acabou de fazer uma jogada de mestre esplêndida passando a tomar o controle total das Operações Especiais da armada, assim como as que já dominava, as de Fuzileiros Navais. Fazendo desse ato uma ação de inteligência inigualável, tornando o MeC submisso e dependente dos Comandos Anfíbios de uma forma fulminante. O Comandos Anfíbios já tinham poder, por se tratar de um BATALHÃO e o MeC um grupamento, com essa a ação desse ato a armada já pode dizer bye bye para as atividades de mergulho de combate. Não acredita no que eu… Read more »

Enes
Enes
Reply to  Claudio Guimaraes
1 ano atrás

Claudio, não diga bobagens, porque quem comanda na marinha, é, sempre foi e sempre será a Armada, diga-se Comopnav.

João
João
Reply to  Enes
1 ano atrás

Exato. A Marinha do Brasil “pertence” ao Corpo da Armada. Vide composição do Almirantado. Abraços.

paulop
paulop
1 ano atrás

Apesar de ser um fator de unificação das unidades OpEsp da Marinha, creio que uma revisão geral na estrutura da nossa força naval deveria estar em curso. Tá na hora da MB se libertar das forças distritais, que poderiam ser transformadas na nossa Guarda Costeira, vinculada ou não a MB. Patrulha e segurança de navegação seriam suas funções principais.
Assim, caberia a ala operacional da MB, o Comando de Operações Navais, englobar os meios de superficies, submarinos, aviacao naval, fuz nav e op esp.
Abraço.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 ano atrás

Tem que comprar uns helicópteros de ataque e uns de transporte pesado para operar no Bahia e no Atlântico!

Bardini
Bardini
Reply to  Fabio Araujo
1 ano atrás

Tem muita coisa mais útil e necessaria pra ser comprada antes disso aí… Muita coisa.

Jonas Savimb
Jonas Savimb
1 ano atrás

Com a maestria de um profissional de xadrez, os COMANFs decretaram o fim do GRUMEC.

filipe
filipe
1 ano atrás

Nos EUA já existe isso na Marinha US Navy : Navy Seals + DEVGRU + MARSOC Marine Raiders + Recons Marines;
Na MB será GRUMEC + COMANF ;

Space jockey
Space jockey
Reply to  filipe
1 ano atrás

lá eles tem dinheiro.

Paddy Mayne
Paddy Mayne
Reply to  filipe
1 ano atrás

Até onde sei o MARSOC e marines não são subordinados à US NAVY, mas uma força independente, o USMC. O que existe é um comando conjunto de forças especiais (JSOC) com poder hierárquico sobre diversas unidades das quatro forças: MARSOC, Delta, SF, 160o SOAR, DEVGRU, etc.

Luis
Reply to  Paddy Mayne
1 ano atrás

Perfeito Paddy, é isto mesmo

Fernando Azevedo
Fernando Azevedo
1 ano atrás

É… quem sabe o que isso significa, não ficaria feliz pelos marujos… Foi legitimado de maneira velada, o controle dos Comandos Anfíbios (Fuzileiros Navais) em todas as atividades de operações especiais.

Fila
Fila
1 ano atrás

O nome é bom, mas essas siglas -CoNavOpEsp- são horrorosas.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Fila
1 ano atrás

Concordo! Mas com o tempo nos acostumamos!

Cristiano Salles (Taubaté-SP)
Cristiano Salles (Taubaté-SP)
Reply to  Fila
1 ano atrás

Siglas gigantes…, é mania de países latinos…, acho legal as siglas norte americana: Delta, Ranger, SEAL…, tudo simples…, nome de pessoas: Kevin, Tom…, aqui é: João Sebastião Márcio de Aurora não sei o que…

É mania que herdamos dos Portugueses e Espanhóis

Eduardo
Eduardo
Reply to  Cristiano Salles (Taubaté-SP)
1 ano atrás

Os EUA também fazem uso de siglas assim para sua marinha. Parece ser sigla típica de unidades da Marinha mesmo. https://en.m.wikipedia.org/wiki/United_States_Naval_Special_Warfare_Command

Silas
Silas
Reply to  Cristiano Salles (Taubaté-SP)
1 ano atrás

Também não entendo essa siglas enormes da MB!

Space jockey
Space jockey
Reply to  Fila
1 ano atrás

CNOP – eu abreviaria assim, mas o almirantado curte essas bizarrices.

CVN76
Reply to  Fila
1 ano atrás

No mundo civil também tém disso…..nomes longos demais..um horror..
Por exemplo: “Colégio Estadual Deputado Federal Doutor José de Oliveira Soares Sobrinho”

Cristiano Salles (Taubaté-SP)
Cristiano Salles (Taubaté-SP)
Reply to  CVN76
1 ano atrás

Verdade…

Rafael Aguiar
Rafael Aguiar
1 ano atrás

Existem mais almirantes comanf do que mec, o tonelero é um BATALHÃO, quem vocês acham quem vai dominar o CoNavOpEspNav?

Enes
Enes
Reply to  Rafael Aguiar
1 ano atrás

Marinheiro pensa, fuzileiro avança.

Space jockey
Space jockey
1 ano atrás

Volto a insistir que não precisamos de 15 mil marines, 1 ou 2 mil bastam. Vão cochilando vão…

Alex
1 ano atrás

Eu achei boa a medida de unificar em um grupo,melhora em relação a treinamento,investimento e mobilização…

Space jockey
Space jockey
1 ano atrás

Se isso é bom eu não sei, ta é meio confuso pra quem não faz parte da MB. O que eu quero é uma Marinha que leve a guerra ao inimigo antes dele chegar em nossas praias.

Salim
Salim
Reply to  Space jockey
1 ano atrás

Definição perfeita do sentimento de todos nós

Ricardo Soares de Araújo
Ricardo Soares de Araújo
1 ano atrás

Parabéns ao comandante Ilkes pela iniciativa.ja era tempo da Marinha ficar moderna em seu corpo de pessoal.

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Eu prestei atenção foi no armamento.
A Mini-UZI 9mmP não considero uma arma adequada para uma FoEsp nos dias atuais. Hoje em dia coletes e proteções balísticas tornaram o calibre 9mmP obsoleto para armas principais.
Existem outras PDW mais modernas como a FN-90, a HK MP-7 e a X-95, em calibres mais eficazes. Pessoalmente prefiro a MP-7.
.
O fuzil HK 416 em 5,56mm é muito adequado. Já a PT-809 da Taurus… se tiver a mesma qualidade de sua irmã PT-840, melhor trocar por uma Glock 17 ou Sig P-320.

Space jockey
Space jockey
Reply to  Delfim
1 ano atrás

HK-53 tbm, pouco conhecido, um fuzilzinho do tamanho duma sub.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

É, se eu fosse pegar o metrô e desse de cara com esse pessoal na plataforma acho que eu borrava as calças hehehehe

João Francisco
João Francisco
1 ano atrás

Força Operacional de Combate Anfíbio _ FOCA

Alexandre callix dos Santos
Alexandre callix dos Santos
1 ano atrás

Estão criando um comando baseado nos Seals da Marinha dos EUA.
Já veio tarde!
O Brasil não pode ficar largado á sua própria sorte!!!

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Alexandre callix dos Santos
1 ano atrás

Olá Alexandre, já ouviu falar nos GRUMEC?

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Ótima notícia.
Acho que deveriam ir além, criar o J-SOC nacional, ou seja o comando conjunto de operações especias unindo EB, CFN, MB, Para-SAR.
Espero que com esse novo comando a MB aumente o número de integrantes dos Comanf,s, Tonelero e principalmente o Grumec ( que fiquei triste em saber que só possui 30 integrantes e que os integrantes do CFN não podem participar do curso).

Anderson
Anderson
1 ano atrás

Mais um comando….e os outros comanf, mergulhadores de combates e tantos outros isso deve ser mais uma teta para alguem…

Mahan
Mahan
1 ano atrás

Sob comando dum CAlte?? Tremei terroristas de todos os cafofos do Planeta Terra!!! Será?

colombelli
colombelli
1 ano atrás

Boa medida. para quem não sabe, os MEC são da armada, ou seja, não são fuzileiros e até por isso que o curso é o mais longo ( até 45 semanas), pois o pessoal tem pouca experiência combate individual e em terra com armamento. O Tonelero é elementos do CFN. Há hoje uma certa rivalidade e distância entre eles. Usam armas, uniformes, e equipamentos diferentes ( mergulho por exemplo). O MEC está com HK 416, e o Tonelero com colt SCW e MK 18. Há muita coisa em comum e eles poderiam treinar juntos e buscar a padronização, ou, em… Read more »

diegotcardoso
diegotcardoso
1 ano atrás

Não deveriam criar então um comando conjunto de operações especiais, economizar e centralizar a estrutura de comando ?

Pedro
Pedro
1 ano atrás

Temos que investir pesado é no COMAEX ou seu análogo para defesa e ataque virtuais. Pois, depois das falas imbecis do presidente, não duvido nada, começarmos a receber fogo amigo por aqui. Já que a aguerra está acontecendo no mundo virtual e ninguém comenta nada.

Vitor
Vitor
1 ano atrás

Vejo sempre as pessoas aqui falando que a marinha tem 80 mil em número de pessoal, mas parece que as mesmas acham que todo e qualquer militar deveria ficar embarcado. A marinha é do Brasil, não é só das fragatas, das corvetas ou dos submarinos, ela abrange um país de dimensões continentais. Atua com meios fluviais, anfíbios, navais e aeronavais, fora o suporte logístico, técnico e humanitário (saúde) que há por trás de todos esses “serviços”. Se, como disseram aqui, há somente um submarino navegando deveríamos fazer o que !? Dispensar todas as outras tripulações ? Acho que não. Se… Read more »

Adalberto 01
Adalberto 01
1 ano atrás

CONAPE. ACHO que ficaria mais enxuto.

Roberto Santos
Roberto Santos
1 ano atrás

Isso é alguma piada ? Não têm nem dinheiro pra comida.
Ou seria mais um lugar pra colocar um Contra Almirante e seu estado maior, gratificação de chefia, comando etc etc. Mais uma boquinha.