Home Guarda Costeira Prossegue a construção de navios-patrulha para a Marinha do Peru

Prossegue a construção de navios-patrulha para a Marinha do Peru

7427
50

O estaleiro peruano SIMA (Servicios Industriales de la Marina S.A.) em Chimbote está construindo os navios de patrulha marítima Río Tumbes e Río Locumba, unidades que se unirão à frota de guarda costeira para desempenhar funções de segurança marítima, defesa nacional, busca e salvamento, combate à pesca ilegal, pirataria e tráfico de drogas.

Os navios-patrulha adquirirão novas tecnologias de construção naval através do trabalho conjunto e assistência técnica com a empresa coreana STX Corporation.

As unidades são construídas sob os padrões mais exigentes da Associação Internacional de Sociedades de Classificação (IACS), têm um deslocamento de 465 toneladas, comprimento de 55 metros, 8,5 metros de boca, capacidade para uma tripulação de 25 membros, com um grupo de interdição e embarque de 14 membros. A autonomia dos navios é de 3.600 milhas náuticas.

Os navio de patrulha marítima são derivados da classe “Taeguk” (Coreia do Sul), com quatro unidades já construídas para a Dirección de Capitanías y Guardacostas, da Marinha do Peru.

A SIMA vem oferecendo esse tipo de navio-patrulha ao mercado latino-americano, especialmente a países da América Central e do Caribe.

Os navios que estão operando até o momento são:

  • BAP Río Pativilca (PM-204)
  • BAP Río Cañete (PM-205)
  • BAP Río Piura (PM-206)
  • BAP Río Quilca (PM-207)

BAP Río Cañete (PM-205)
BAP Río Cañete (PM-205), um dos quatro navios patrulha já operacionais com a Marinha do Peru; mais dois estão em construção
Os navios-patrulha peruanos são baseados na classe Taeguk sul-coreana, que é originalmente muito mais armada

FONTE: Marina de Guerra del Perú

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Sandro
Sandro
10 meses atrás

Oque mais me impressiona nos navios autuais em relação aos meios mais antigos, e como chapas dos cascos são mais finos. Podem ser mais modernos mas sem duvida muito menos resistentes a danos, ate mesmo de munições perfurantes.

Fernando Vieira
Reply to  Sandro
10 meses atrás

O pessoal mais especialista pode dizer melhor, mas esse é um navio patrulha, foi feito para patrulhar litoral, caçar pescadores ilegais, potenciais invasores, piratas, etc. Não para combate naval.

Pessoalmente, do jeito que o combate naval se dá hoje em dia, eu abriria mão de peso no casco com chapas grossas em prol de armamento e autonomia. No projeto você faz o navio bem compartimentado com portas estanques e abre mão um pouco de blindagem. Hoje basicamente se combate com mísseis e torpedos e se você tomar um míssil hoje em dia já está fora de combate mesmo.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Fernando Vieira
10 meses atrás

Em essência, não faz diferença sua blindagem, por isso o mundo migrou dos encouraçados pros navios voltados aos mísseis. Seu navio vai tentar continuar navegando pra ver o dia seguinte jammeando o míssil inimigo, ou abatendo-o com suas defesas, mas se bater importa bem pouco a blindagem.
Fora que como citado, não é navio de combate, é patrulha. Se resistir a tiro de 7,62mm já tá ótimo.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Fernando Vieira
10 meses atrás

Também há a evolução dos materiais. A resistência das novas ligas metálicas vêem aumentando ao longo dos anos, implicando em espessuras cada vez menores com a mesma resistência.

Salim
Salim
Reply to  Fernando Vieira
10 meses atrás

Fernando, veja exemplo fragata milionária da Noruega e afundou, os Perry e os burkes tiveram acidentes maiores e voltaram navegando. Lembro que Perry levou 2 exocet, se nao me engano.Nas Malvinas o exocet fez a festa afundando tudo que acertou, ate franca abrir código pros ingleses. Acredito que ate se pode trabalhar assim, porem VC terá que ter bastante navio pra queimar em um conflito.

Helio Mello
Reply to  Sandro
10 meses atrás

Os navios da classe Macaé da MB possuem chapeamento do costado de 7mm, superestrutura em alumínio, conveses em 5mm e, em várias regiões, conveses não estanques. Tudo isso com um canhão de 40mm, que nem o Amazonas tem. Não seria a hora de reavaliar esse tipo de gasto? Um canhão desse é tão barato assim para valer a pena colocar em um navio que um tiro de fuzil pode ser perigoso?

Charles Dickens
Charles Dickens
Reply to  Sandro
10 meses atrás

Melhor ter navios com pouca blindagem do que não ter navio nenhum, como a MB.

Vovozao
Vovozao
10 meses atrás

11/09/19 – quarta-feira, btarde, são essas coisas que não consigo entender; marinhas com orçamento bem menor que o nosso, conseguem construir 2 navios militares ao mesmo tempo, enquanto isso, nossa MB, não consegue nada, para fazer um PMG, em qualquer meio naval é uma eternidade (quando realmente iniciam), temos um arsenal que mais parece um local de desmonte de navios (só sucatas). Enquanto isso nossos gastos com pagamentos de soldos/benefícios/transferências/cursos só aumentam, compramos os direitos de construção das River 2, não sei se existe prazo, entretanto até hoje não batemos uma chapa, quando e se algum dia formos construir a… Read more »

Marcos10
Marcos10
Reply to  Vovozao
10 meses atrás

Todo mundo consegue fazer mais que o Brasil. O Brasil está preso numa legislação vil, com cláusulas eternas de direito adquirido. Nosso rumo é o da Argentina.

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
Reply to  Marcos10
10 meses atrás

Problema não é a legislação… o problema é outro!

sergio ribamar ferreira
Reply to  Jefferson Ferreira
10 meses atrás

Concordo com o Sr. Jefferson Ferreira. Entretanto devo concordar com o sr. Marcos10. Ou seja são os dois problemas ressalvando que o “outro problema” é mais grave. Grande abraço.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Vovozao
10 meses atrás

O problema é o que ninguém quer ver ou falar. O problema é essa maldita lei de Gerson, onde tem que se tirar vantagem em tudo. Atualmente Mourão soltou uma de suas pérolas. Onde já se viu em um país de pobres e miseráveis falar que ganhar 19.000 livres é pouco e dá vergonha ? Hora senhor Mourão, se está insatisfeito larga o cargo e vem para iniciativa privada. Aí veremos quanto ganhará com sua qualificação técnica. Aqui é que a meritocracia funciona de verdade. No caso MB nem vou perder o tempo de falar da eterna ligação a “figurinhas”… Read more »

MMerlin
MMerlin
Reply to  Foxtrot
10 meses atrás

Quem disse isso foi o General Heleno.

Fábio Mayer
Fábio Mayer
Reply to  Vovozao
10 meses atrás

Nossas FFAA gastam demais com pessoal, e as vezes sem querer, porque há um conjunto de leis absurdas protegidas pelo STF sob a aba do “direito adquirido”. E não é só entre os militares que isso acontece: vejam o procurador-pedinte, reclamando de salário de 24 mil reais, tendo recebido ao menos 1.5 milhão em salários nos ultimos 5 anos.

Inconformado
Inconformado
Reply to  Vovozao
10 meses atrás

Nesse nosso país tudo é duvidoso! Nada dá certo! meritocracia, corrupção, e etc. Estávamos fortalecendo a indústria naval, de uma hora pra outra, parou tudo! Gera desemprego… O Brasil prefere gerar empregos lá fora, comprando de outros países do q fortalecer sua indústria. O petróleo, temos refinarias com capacidade de refino, prefere-se refinar lá fora! Não consigo entender esse país!

sergio ribamar ferreira
Reply to  Vovozao
10 meses atrás

Perfeito Sr. Vovozão.grande abraço.

marcus
marcus
Reply to  Vovozao
10 meses atrás

Disse bem, Cursos. O oficial faz vários cursos às custas da Marinha, depois pede baixa e vai trabalhar para iniciativa privada.
Deveriam condicionar esses cursos à permanência na força. Cada curso feito implicaria na permanência por 3 anos apos o término, se quiser sair terá que reembolsar o valor do curso.

Kommander
10 meses atrás

Ridículo… até o Peru constrói navio patrulha e o Brasil não.

Helberto Felipe Silva
Reply to  Alexandre Galante
10 meses atrás

E os classe River, Galabte? A MB perdeu o interesse?

rommelqe
rommelqe
Reply to  Alexandre Galante
10 meses atrás

Pois é caro Alexandre…Que tal um post comparando com o nosso Macaé?

sergio ribamar ferreira
Reply to  Alexandre Galante
10 meses atrás

concordo com o sr. Alexandre Galante

Jcsleao
Jcsleao
Reply to  Alexandre Galante
10 meses atrás

Digo mais: não deveríamos construir corvetas/fragatas leves, nem fragatonas de 6000t. Pelo menos não agora.Talvez num futuro bem distante quem sabe. Como bem ressaltou o Galante, patinamos para construir Macaés! Corvetas, fragatas e que tais sendo fabricadas aqui sairão muito mais caras por conta da tal da ToT. Sem contar o longo tempo necessário para qualificação daqueles que irão trabalhar na construção desses navios mais sofisticados. Nosso foco deveriam ser os Macaés, NaPaOc, navios de apoio logístico e que tais. Mais baratos de construir, menos sofisticados, seriam um bom aprendizado e consolidariam uma base para a construção naval militar. Os… Read more »

Fernando Vieira
Reply to  Kommander
10 meses atrás

Já olhando as outras matérias aqui do PN da troca entre meios de Brasil e Peru, podíamos fazer um bem bolado com os peruanos aí:

Nós temos uma linha de montagem de Scorpenes que seria ótimo manter operacional. Até onde sabemos, depois do Álvaro Alberto acabou caqui, a produção para. Os peruanos tem uma linha de produção de NaPaOc.

Por que não uma troca? Eles nos mandam uns cinco desses e nós mandamos um S-BR pra eles? Todo mundo sai ganhando.

Enes
Enes
Reply to  Fernando Vieira
10 meses atrás

Fernando, um S-BR seria trocado por uns 25 NaPaoC, não por apenas 06.

Fernando Vieira
Reply to  Enes
10 meses atrás

Aí entra de quem avalia isso em Trumps.

E o nosso NaPaOc tem que ser igual ao Coreano, aquele da Marinha Peruana na foto parece barco da Capitania dos Portos.

Bardini
Bardini
Reply to  Fernando Vieira
10 meses atrás

O que mais falta no Brasil é barco para Capitânia dos Portos…

sergio ribamar ferreira
Reply to  Bardini
10 meses atrás

Perfeito. Concordo com o Sr. Bardini

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Fernando Vieira
10 meses atrás

Guardas costeiras não precisam de patrulhas super armados caro Fernando.
Isso só encarece o equipamento, e foge da cerne de uma GC.
O Brasil precisa para ontem de criar uma CGB (Guarda Costeira Brasileira), aliviando assim uma função que a marinha nica realizou a contento.
Mas o corporativismo e olha grande nos royalties do petróleo nos impede disso.
Aí a marinha finge que patrulha e o governo finge que repassa o royaltie a MB.
Assim caminha o Brazil !

Gabriel
Gabriel
Reply to  Kommander
10 meses atrás

Creio que a questão nossa se chama “prioridade” já que nesse momento não tem verba com abundancia, boa parte da verba tá indo pro PROSUB e a outra boa parte vai agora para aquisição das corvetas.

samuka
samuka
Reply to  Gabriel
10 meses atrás

A prioridade é o pagamento das pensões e aposentadorias integrais…

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Gabriel
10 meses atrás

Pois é caro Gabriel, realmente está correto, se chamará prioridade e planejamento. Porquê não pegaram esses 6 bilhões das CCT,s e construíram os navios na China? Não é de hoje que venho propondo uma cooperação entre Brasil, Perú e Colômbia no âmbito naval. Entramos com o projeto CCT original do CPN e eles com a capacidade construtiva e seriedade. Mas mais uma vez nossa marinha buscou seus eternos meios caríssimos para construir navios com a mesma balela da FAB de transferência de tecnologias. Mais uma vez irão apostar nos grandes,caros e ineficientes estaleiros, porquê não se utiliza as instalações do… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Foxtrot
10 meses atrás

Onde se lê núcleo, leia se Nuclep.
Onde se lê chamará, Léia se chama.

Bardini
Bardini
10 meses atrás

comment image
.
É o que eu sempre falo dos NPa 500t BR…
Não tem necessidade de colocar um sistema de combate, radar DT + Alça optrônica, provisão para lançar míssil, MAGE e outros frufrus… É rasgar dinheiro.
.
Olha esse navio dos caras. Isso aí é Navio top para operar missões do DIA A DIA. Uma estação de armas que opera de forma remota e demanda apenas um console e um sistema TOP de operação para os RHIBs… Tá feito!

Tomcat4.0
10 meses atrás

Mais um navio parecido com a classe Macaé (o coreano) bem mais armado q o nosso mas….como dizem, pra vigiar pesqueiro invasor ,o canhão 40 mm e as metralhadoras já servem com folga.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
10 meses atrás

Esse é o tipo de navio que a MB deveria ter, no mínimo, uns 30 espalhados pela costa do país.

Gabriel BR
Gabriel BR
10 meses atrás

Será que não podemos enviar nossos navios patrulha para finalizar por lá

Foxtrot
Foxtrot
10 meses atrás

Parabéns a MP !
Está dando uma grande lição de moral na MB.
Lição de administração, capacidade técnica, organização etc.
Construindo de forma independente e autônoma navios Makassar, OPV-1800 etc.
Sempre defendi uma cooperação entre Brasil, Colômbia e Perú na construção do projeto original das CCT,s, mas nosso almirantado resolveu mais uma vez apostar na equação errada com a esperança de dar certo.
Triste !

Gabriel BR
Gabriel BR
10 meses atrás

Temos condições… só precisamos de estaleiros decentes! O PRONAPA pode ser o nascimento do cluster naval brasileiro

Fábio Mayer
Fábio Mayer
10 meses atrás

O Brasil construiu 2 classe Macaé, e o terceiro já deu problema, o estaleiro faliu e o projeto ficou paralisado. Praticamente custou uma construção só retirá-lo da masa falida. E eram para ser uns 25… e se olharmos para trás, é recorrente: as Inhaúma pararam de ser construídas por tanto tempo, que acabaram virando a Barroso, que não teve mais cascos, os submaridos IKL eram para ser entre 8 e 10, pararam no 5o, o Timbira, que demorou 15 anos para sere completado.

É um misto de corrupção, incúria, incompetência visceral e irresponsabilidade flagrante!

sergio ribamar ferreira
Reply to  Fábio Mayer
10 meses atrás

Disse tudo. Concordo com o Sr. Fábio Mayer. Resumiu muito bem. Grande abraço.

Jagderband#44
Jagderband#44
Reply to  Fábio Mayer
10 meses atrás

Perfeito Mayer.

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Fábio Mayer
10 meses atrás

Na Mosca

Esteves
Esteves
10 meses atrás

O PN postou em 2018 sobre a situação dos estaleiros nacionais. 80% dos comentaristas culparam nossa CLT. A legislação trabalhista, previdenciária e social no Peru não difere da nossa. Assemelha-se. Antiquada. Protetora. O Peru segue sendo ativo na construção naval. Não muito. Mas tem buscado soluções até na Coréia. Aqui, entendemos que estaleiro bom que faz navio bom é alemão. Ponto. Nós não fazemos por incompetência. Não por falta de capacidade. Preferimos gastar com gente. E imitar europeus. Até na Amazônia tem teatro europeu. Não tem esgoto. Mas tem opera. Os royalties do pré-sal que iriam nos tirar da pobreza… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
10 meses atrás

Nota-se que os Peruanos fizeram o óbvio que a MB ainda não botou na cabeça. É navio simples, feito para puxar água, mostrar presença na ZEE e que os meios distritais atlânticos deveriam ter em quantidade.

E espero que não tenha acontecido apenas comigo, mas assim que vi a foto do BAP Río Cañete, na minha cabeça tocou Whitney Houston. Ouch!

Guilherme
Guilherme
10 meses atrás

Duas perguntas. A) Olhando para o EUA e para o Peru, qual é a atribuição da Marinha de Guerra e qual é a atribuição da Guarda Costeira?; b) Olhando para o Brasil, qual é o motivo da resistência de parte do almirantado brasileiro em relação a criação de uma Guarda Costeira?

FERNANDO
FERNANDO
10 meses atrás

Putz, o cara da Havan tem razão…
SOMOS UM PAÍS DE FRACASSADOS!!!!!!!!!!!!!!
Até o Perú constroi navios de todos os tipos, e a MB não consegue construir uma canoa!
Enquanto isso no Rio e Janeiro, tudo continua lindo na MB………
A MB, nasceu para ter navios velhos, de preferência ingleses

Johan
Johan
Reply to  FERNANDO
10 meses atrás

Discordo apenas da parte ” nasceu para ter navios velhos”, pois no seu auge, a MB já possuiu navios que não faziam vergonha a suas congêneres.
Em uma empresa privada tem que se fazer mais com menos, mas na MB e exatamente o oposto: mais de 80K de homens e quase tudo parado. Orçamento bilionário, mas que os Almirantes alegam ser “insuficiente”. Antes reclamavam que tínhamos a maior marinha de águas marrons do mundo, hoje, bem…hoje temos a maior marinha de terra firme do mundo!

FERNANDO
FERNANDO
Reply to  Johan
10 meses atrás

HEHEHEH
e vai continuar sendo a maior Marinha de terra firme do mundo!!
Os novos cadetes vão ter que se especializar em transporte terrestre.

sergio ribamar ferreira
Reply to  FERNANDO
10 meses atrás

Perfeito Sr. Fernando. O fracasso vem da mentalidade atrasada e por não dizer maliciosa desse querer levar vantagem em tudo. Ganância, corrupção, incompetência e mais…. Grande abraço.