Home Divulgação Emgepron coloca à venda o casco do ex-NAe São Paulo por R$...

Emgepron coloca à venda o casco do ex-NAe São Paulo por R$ 5,3 milhões

10464
152

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO

Ministério da Defesa/Comando da Marinha/Empresa Gerencial de Projetos Navais

AVISO DE LICITAÇÃOALIENAÇÃO Nº 43/2019

Por ordem do Diretor-Presidente da EMGEPRON faço público que será realizada a Licitação n.º 043/2019, conforme segue:

1. Objeto – Alienação, por venda, do CASCO do Ex-Navio Aeródromo – Nae “SÃO PAULO” pertencente à Marinha do Brasil (art. 28, §3º, I c/c art. 49, da Lei nº 13.303/16).

2. Preço mínimo de alienação: R$ 5.309.733,65;

3. Data/Hora/Local: 27 de setembro de 2019, às 10h00 na Estrada dos Bandeirantes, n.º 10.639 – Recreio – Rio de Janeiro/RJ.

4. Fornecimento do Edital: www.emgepron.gov.br. Informações: (21) 3907-1831/(21) 3907-1845.

LUIZ ANGELO DE CARVALHO FILIPPO
Presidente da Comissão de Licitação

Navio-Aeródromo São Paulo
Navio-Aeródromo São Paulo
Subscribe
Notify of
guest
152 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Zhanshi
Marcelo Zhanshi
1 ano atrás

China comprando em 3…2…1…

FighterBR
FighterBR
Reply to  Marcelo Zhanshi
1 ano atrás

Eu acho uma boa. Mas teria pressão de outros países para não vender.

andrepoa2002
andrepoa2002
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

Porque não? A china é a maior recicladora de lixo e sucata do mundo.

Alison Lene
Alison Lene
Reply to  andrepoa2002
1 ano atrás

Se informe primeiro antes… Reciclagem de navio é na India…

Diogo Ichihara
Reply to  Alison Lene
1 ano atrás

Bangladeshi

andrepoa2002
andrepoa2002
Reply to  Alison Lene
1 ano atrás

Na verdade a China é a maior recicladora de lixo e sucata do mundo. Bangladesh pode ser a maior em termos de sucata de navios. Mas lixo E sucata continua sendo a China. Se informe antes.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

Pressão de outros países em proibir a venda de casco?
Não se iluda amigo, primeiro a China não precisa mais comprar casco de navios ultrapassados pois já fez o dever de casa há anos ao estudar os cascos de alguns porta aviões que comprou e hoje desenvolve e fabrica seus próprios equipamentos.
Segundo que não há embargo na venda de casco de navio, apenas na venda de sistemas de EW e armas inclusas nesses cascos.
Se a China comprar o Sampa, será para derreter e fazer o projeto A-002 deles .

pgusmao
pgusmao
Reply to  Marcelo Zhanshi
1 ano atrás

Na mão dos chineses, em menos de 1 ano estará cutucando o Tio Sam no Mar da China, com todos armamentos e sensores possíveis, tenham certeza. Uma pena que gastemos tão mal nossos recursos com as FA, pois deixar um porta-aviões virar sucata mostra nossa total desorganização financeira, priorizando pagamento de pessoal ativo e inativo.

Salim
Salim
Reply to  pgusmao
1 ano atrás

Brasil putencia infelizmente. Pensar pequeno e nossa especialidade. 74000 lotados marinha sem navios, parece piada de português kkk.Royal Navy metade disto.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Salim
1 ano atrás

Fica tranquilo temos diversas bandas de música na marinha para tocar em festas de comandantes

José Carlos de Oliveira
Reply to  Marcelo Zhanshi
1 ano atrás

Poderiam trocar esse casco por uns 2 ou 3 cascos novos de algumas escolta semi acabado que seria concluído por aqui de acordo com as necessidades da MB.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Marcelo Zhanshi
1 ano atrás

Pra quê?! Só se for para desmontar e vender o aço. Para aprender a construir um NAe CATOLBAR, eles já estão fazendo. Eles queriam um destes lá atrás, a mais de vinte anos, hoje não mais.

Luiz Floriano Alves
1 ano atrás

Poderíamos agregar mais sucatas no lote e reduzirmos as despesas com meios inoperantes.

Rodrigo
Rodrigo
1 ano atrás

Bah quem sabe o último capítulo de umas maiores c@#$% da marinha. Dinheiro sendo jogado no lixo com esmola de retorno.
Quem sabe tenha uma lição aprendida em não delirar mais. Na área privada todos que participaram dessa c!@@#$% estariam demitidos…

Marcos Rêgo
Marcos Rêgo
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Não se preocupa não Galante. É muito mais fácil malhar uma Marinha combalida do que observar e analisar os fatos.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Marcos Rêgo
1 ano atrás

+ custo das aeronaves, = custo do treinamento dos pilotos, + toda logística em apoio + Tracker etc etc.

Zoe
Zoe
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Gastou pouco, mas gastou pouco para nada.
Os Gripens por exemplo, vão ficar ai por muitos anos.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

E custo de pessoal? Despesas gerais? Combustível? Etc….
Mesmo que gastou pouco é dinheiro tocado fora do contribuinte que precisa pagar por delírio e não é só esfera militar que faz isso.
O sistema público tem obrigação de aprender com iniciativa privada aprender a fazer mais com menos…o orçamento da defesa existe e deve ser cortado assim quem sabe aprendem a priorizar e aprendem sobre gestão.

Salomon
Salomon
Reply to  Rodrigo
1 ano atrás

O que teve de diárias em dólar para essa missão, com precurssores, equipes de apoio e estudo, recebimento, deslocamento etc..não foi brincadeira.

Francisco Herês
Francisco Herês
Reply to  Rodrigo
1 ano atrás

Gastou-se muito e foi um fiasco, uma vergonha mundial, fomos enganados pelos corsários ou então rolou aquela cervejinha…$$$$$$$$$$$$

Ferreras
Ferreras
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Galante, e qual foi o custo das manutenções preventivas, combustível, óleo, peças, a tripulação, etc?

marcus
marcus
Reply to  Ferreras
1 ano atrás

Treinamento de pilotos.

Carlos
Carlos
Reply to  Ferreras
1 ano atrás

Sumiuuuuu

Blind Mans Bluff
Blind Mans Bluff
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Belo investimento entao. Comprou por US$12 mi e vendeu por R$5.3 mi.

Fernando Vieira
Reply to  Blind Mans Bluff
1 ano atrás

Quando você compra um carro para seu uso, você espera revendê-lo com lucro depois?

O que o Galante expôs é que a Marinha gastou pouco na modernização do navio. Os custos com combustível, treinamento, etc foram custos correntes como se gasta com qualquer outro navio da Esquadra. Mesma coisa o Atlântico. O tempo que ele tá navegando na MB está gerando um custo inerente e que não pode ser considerado porque o navio está operacional.

andrepoa2002
andrepoa2002
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Então é o barato que sai caro, literalmente. Que a lição seja aprendida.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Mesmo assim Galante, chega a ser triste.
Pagou US$ 12 milhões na compra mais US$ 15 milhões na manutenção (acredito ser este o valor) chegando a um total de US$ 27 milhões.
Se desfazendo por US$ 1,3 milhões. O valor de depreciação foi alto.
Mas a embarcação perdeu o fim para o qual foi projetada.
Seu alto custo de manutenção inviabilizaria outros projetos da Marinha.

João
João
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Caro galante da minha turma da EAMSC vc conhece a Marinha quer barato e operativo

Francisco Herês
Francisco Herês
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Pô Galante, vc só deu razão pro Rodrigo, compramos por 12mi de DÓLARES + R$146mi e vendemos por R$5,3 mi…Boa compra realmente… Baita preju!!!!!!!!!!!! Pior compra desde o descobrimento do Brasil, tem razão teriam q demitir TODOS os envolvidos.

Daglian
Daglian
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

No dia que 12 milhões de dólares forem pouco… Se é tão pouco assim, a Marinha podia me repassar uns milhões de dólares para a minha conta. Eu ficaria muito feliz!

Veiga 104
Veiga 104
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Sabe tudo rsrsrs

Salim
Salim
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Infelizmente muitos náo entendem de defesa e dos custos envolvidos em defesa. Se VC quer um Brasil com presença ridícula e insignificante foi muito mesmo, porem se VC quer jogar guerra para longe de nossa costa e garantir soberania e segurança, perdemos uma grande oportunidade, pensar pequeno da nisso.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Salim
1 ano atrás

Salim. Os custos com defesa realmente são obrigatórios (garantia de soberania) e bem vindos (no que tange pesquisa e desenvolvimento). Mas, como qualquer investimento, tem como uma de suas premissas a analise de riscos. Ficou claro que, no caso do São Paulo, esta analise não foi efetuada de forma competente. O que merece atenção é que uma analise deste porte envolve várias pessoas e equipes. Então, pode-se concluir que o erro foi conjunto. O que nos leva a seguinte questão: Estaria esta disciplina sendo bem ensinada na academia que forma futuros oficiais? Ou posso estar errado, caso a decisão de… Read more »

Salim
Salim
Reply to  MMerlin
1 ano atrás

Merlim. Porta aviões com 20 anos a operar por 12 milhões usd, implícito reforma e modernização. So porta aviões deste porte 5 a 6 bi usd. Aviões a parte ( 20 caças f35b usd 3 bi, praticamente o mesmo que outro naval, vantagem não precisa catapulta e cabos parada ). Reforma Reais 1 bi ( motorização nova , turbinas e layout e fiação nova ). Escoltas, com ou sem porta aviões vai ter que existir. Grande vantagem, quem não tem porta aviões não tem como sair porto, quem tem com cacas geração quatro fica em muita desvantagem, com cacas quinta… Read more »

Taso
Taso
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Se tivesse investido na época da compra uma valor razoável, estaria navegando hoje, o erro foi não ter investido mais enquanto valia à pena.

Dalton
Dalton
Reply to  Taso
1 ano atrás

Não havia condições de se investir no “São Paulo” em novembro de 2000 quando foi descomissionado pela marinha francesa e no mesmo dia incorporado à marinha brasileira, que é a forma ideal de se adquirir um navio de segunda mão. . Como não se esperava que o “São Paulo” fosse durar mais de 15 anos, já que ele seria um “tapa buracos” entre a saída do “Minas Gerais” em 2001 e a entrada em serviço de um novo NAe antes de 2020, não fazia sentido investir muito em modernizações e o navio ao menos navegou durante os primeiros 5 anos.… Read more »

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Dalton
1 ano atrás

entendo teu ponto de vista Dalton, mas parece que foi assim tudo sonho, delírio, sem análise de risco correta, sem gestão de recursos, sem planejamento….não tem como avançar assim

Dalton
Dalton
Reply to  Rodrigo
1 ano atrás

Pois é Rodrigo, mas, a alternativa seria perder um NAe muito mais capaz que o “Minas” para operar com mais segurança os A-4s adquiridos por pelo menos 15 anos e por apenas 12 milhões de dólares!. . Posso estar errado, mas, se o “Foch” não tivesse sido adquirido em 2000, passados alguns anos haveria gente criticando a falta de visão da marinha em não comprar, que poderia modernizar, fazer “engenharia reversa, etc, etc. . E claro que a marinha comete erros também, afinal ela é administrada por seres humanos, então, na minha opinião é preciso levar isso em conta e… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Dalton
1 ano atrás

Só para complementar, Dalton. Todos, na época, achávamos que a MB estaria dando um salto operacional gigantesco em relação ao Mingão, e ao mesmo tempo economizando dinheiro. O Minas Gerais estava realmente nas últimas. Abocanhava um percentual significativo do orçamento da MB e consumia bem mais do que o São Paulo consumiria. A compra fazia bastante sentido na época, visto que não apenas manteriam as capacidades do Minas Gerais, como as expandiria. Não se julgava problemático a aquisição e operação de Turbo Trackers e via-se os A-4 como aquelas bicicletas de ‘rodinhas’ da Aviação Naval, ou seja, aeronaves baratas e… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Dalton
1 ano atrás

Caro Dalton, ninguém vende porta aviões com 15 anos de vida operacional por usd 12 milhões, esta implícito reforma e modernização. No caso do Sao Paulo 20 anos pois navegou 5 anos no sacrifício e participou de vários exercícios com volume razoável de lançamentos.
Lembro que na teoria seria nosso primeiro porta aviões projetado para ser porta aviões, com capacidade para 40 aeronaves e velocidade de 32 nos ( não dependia vento para lançar aviões )

Zeca
Zeca
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Mas a conta não termina aí. Some também os custos de operação; compra, operação e modernização dos A-4 e Tracker, que só existem por causa do São Paulo e o mais caro de tudo, o todo o pessoal mobilizado para operar essa ilusão que agora estão a ver navios, literalmente.

Dalton
Dalton
Reply to  Zeca
1 ano atrás

Zeca… . os A-4s foram adquiridos antes do “Foch” ser uma opção de compra, para serem usados a princípio a bordo do “Minas Gerais” mesmo com limitações enquanto este permanecesse em serviço por uns poucos anos a mais e depois seriam operados a partir de base terrestre. . Um total de 23 A-4s de último modelo, dos quais 18 em condições de voo, em ótimas condições comprados por apenas 70 milhões de dólares foi um bom negócio, infelizmente, as verbas para a modernização dos 18 não surgiram e apenas 7 foram contemplados com muito atraso. . Algumas coisas no fim… Read more »

MMerlin
MMerlin
Reply to  Alexandre Galante
11 meses atrás

Corrigindo o valor dispendido: US$ 12 milhões na compra + US$ 100 milhões na manutenção. Na verdade, custou o mesmo que um Gripen. Fora o custo de vida dos marinheiros que morreram em um de seus incidentes.
E estamos repassando por US$ 1,3 milhões.
Foi uma das piores, se não a pior, compra das FA’s. Projeto este que já começou errado, na definição do requisito com a necessidade de obtermos um NAe. E não me convence a intenção de “manter a doutrina”. Ali, foi uma bela pitada de orgulho.

Fabio Mayer
Fabio Mayer
Reply to  Rodrigo
1 ano atrás

Somente o custo dele ficar ali, atracado por anos, já é relevante o suficiente para a gente ter certeza de que vai tarde!

M.@.K
M.@.K
Reply to  Rodrigo
1 ano atrás

Nunca compare a atividade feita na privada com a pública. (sem trocadilhos).

FERNANDO
FERNANDO
1 ano atrás

Puxa, que tristeza.
Merecia algo melhor.

Parabellum
Parabellum
1 ano atrás

No final, todos têm o mesmo fim: Inhaúma, Marajó, Niterói, etc. Esse ainda vai render algum $$$$$. Operação limpa pátio continua. Ou “5S”.

wwolf22
wwolf22
1 ano atrás

Por que nao o usam como alvo para o Mansup??
Por que o Grumec não o usa no treinamento com explosivos e minas??
ele eh tao útil para o Brasil mesmo desativado…

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

Acredito que não vão afunda-lo em qualquer missilex pois contém amianto no casco….

MMerlin
MMerlin
Reply to  wwolf22
1 ano atrás

Além do amianto, acredito que seja também por respeito.
Também existe a questão de custo, uma vez que não é tão simples afundar grandes embarcações.
No caso, fica mais simples o uso de explosivos locais, como neste vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=-Rg5Mb2VlYI

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
1 ano atrás

Espero que aquele projeto que queria transformá-lo em museu e restaurante temático vá para frente. É melhor do que virar sucata em algum país oriental.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 ano atrás

Uma pena, mas prejuízo pouco é lucro!

PACRF
PACRF
1 ano atrás

Mais um capítulo da incapacidade de nossas Forças Armadas, que não conseguem sequer manter seus meios prontos e operantes. Todos adquiridos com dinheiro do contribuinte. Resultado de má gestão. Como sempre, ninguém vai ser responsabilizado.

Maurício Veiga
Reply to  PACRF
1 ano atrás

Espero que esse dinheiro não vire mais Champanhe e Caviar…

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  PACRF
1 ano atrás

Perfeito faz uma dessas na área privada.

marcus
marcus
Reply to  PACRF
1 ano atrás

As forças armadas deveriam ser impedidas de fazer compras.
Eles deveriam propor projetos e o executivo decidiria.
Sem contar que já passou da hora de uma redução drástica no efetivo.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  marcus
1 ano atrás

manda essa sua idéia para o Legislativo e o Judiciário!

Gabriel
Gabriel
Reply to  marcus
1 ano atrás

Marcus, da mesma forma, vc deveria propor seus comentários para alguém que entende “Só um pouquinho” do assunto e o expecialidade decidiria se publica ou não.

Roberto Marins
Roberto Marins
Reply to  marcus
1 ano atrás

Marcus, é muito engraçado ver um civil como vc tentando opinar em algo que não entende bulhufas, isso é mais complexo do que sua vã imaginação raciocina, as autoridades militares tem muito mais propriedade para tomar suas decisões, e não você, então o que o nobre colega escreve é muita comédia. Eu leio e fico rindo.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Roberto Marins
1 ano atrás

Roberto com todo respeito, opinião é livre, sou civil mas sou eu e a iniciativa privada que paga esses erros da incompetência pública, em todas esferas. E pelo os erros de compra, os exageros, o excesso de pessoas….
No mínimo a esfera pública nos deve satisfação se não sabem gerir o recurso que se corte ou repasse para quem sabe.
Funcionário público e todos que trabalham na área pública devem satisfação com o que faz com nosso dinheiro.

Agnelo
Agnelo
Reply to  marcus
1 ano atrás

Prezado
O executivo???? Q comprou as Kombis? Q uase entubou avioes perdedores? Q entubou He q nao presta em troca de negocio de carne q sairia do mesmo jeito?
Nao sei, nao…

Enes
Enes
Reply to  marcus
1 ano atrás

Executivo? hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha.

Marcos
Marcos
1 ano atrás

Gostaria de ver esse navio sendo afundado pelos torpedos MK48 e mísseis Exocet e Mansup

Seria um baita vídeo promocional, até pagaria para assistir.

Bardini
Bardini
1 ano atrás

Agora que o NAe São Paulo se foi, a Marinha vai decolar, já que vão sobrar milhões e mais milhões que antes eram gastos para sua manutenção e operação, para aplicar em outros meios ——–> Só que não.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 ano atrás

Não dá para desmontar ele aqui no Brasil e fazer uma engenharia reversa para projetarmos o nosso próprio porta aviões? Pode até demorar, se não me engano o primeiro porta aviões chinês demorou muito por ser o primeiro, mas seria muito bom no desenvolvimento da nossa industria!

Rawicz
Rawicz
Reply to  Fabio Araujo
1 ano atrás

tecnologia completamente defasada…. Lembre que ele tem amianto em seu casco.

Claudio
Claudio
Reply to  Rawicz
1 ano atrás

Reaproveitar o sistema das catapultas e fazer engenharia reversa , tem também o sistema de cabos de parada, muito pode ser aproveitado, remover as catapultais fazer engenharia reversa e colocar numa pista em terra , mesmo vale para os cabos de parada, pra continuarem treinando

Vivaldo José Breternitz
Reply to  Claudio
1 ano atrás

TREINAR PRA QUE?

Salim
Salim
Reply to  Claudio
1 ano atrás

F35b seria solução, acabava com sistema gás e teríamos porta vioes para 40 aeronaves. Pensar pequeno pode matar futuro.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Rawicz
1 ano atrás

Parte da tecnologia é defasada, mas parte não é, e mesmo a defasada ajuda na hora de você aprender como era feito para a partir daí você seguir adiante com as tecnologias mais recentes!

Roberto Marins
Roberto Marins
Reply to  Rawicz
1 ano atrás

Comparando com o irmão do Foch, nosso “São Paulo”, o Clemenceau tinha 700 toneladas de asbestos, quem vai ser a empresa especializada a se meter nesse pepino????

Renan
Renan
1 ano atrás

Se eu fosse bilhonário compraria para transformar em um hotel flutuante (atracado no meio do oceano) com direito a vôo de caça.
Ia ganhar $$$$$$

Esteves
Esteves
Reply to  Renan
1 ano atrás

5 milhões. Não 5 bilhões.

5 milhões é o salário de apresentadores de TV. Tipo Galvão Bueno e Faustão.

Renan
Renan
Reply to  Esteves
1 ano atrás

Mais vai dinheiro para reforma e para propaganda

MMerlin
MMerlin
Reply to  Esteves
1 ano atrás

Com a crise na Rede Bobo (porque é o que telespectador vira com o nível jornalistico da emissora), Galvão teve de reduzir seu salário para R$ 1 milhão, mas correr atrás de merchandising.
Apenas não sei como fez para resolver a questão da CLT, uma vez que seu salário é o maior registrado no país.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Renan
1 ano atrás

Eu transformaria em Presídio Federal e colocava lá a cúpula do PCC e o pessoal da Lava Jato!!!1

ednardo curisco
ednardo curisco
1 ano atrás

Uma corveta custaria mais que a reforma do SP.

Mas não basta reformar… além do 1 bi teria que gastar com operação, manter navios de escolta, navios de apoio… enfim…

Salim
Salim
Reply to  ednardo curisco
1 ano atrás

Enfim, ser uma marinha de guerra de respeito, seria só isso.

Samir
Samir
1 ano atrás

Poderia virar um museu aero naval igual tem um em NY, seria uma atração e tanto, vai ser triste se o fim dele for virar sucata !!!!!

Elton
Elton
1 ano atrás

Nossa marinha nunca teve condições de operar um porta aviões de maneira plena:não temos e nunca tivemos: escoltas antiaéreas, navios tanque de grande capacidade,navios de apoio logístico,navios de transporte de munição ,ala aerea de caça e ataque em quantidade suficiente para operações com total capacidade,escoltas antisubmarino e principalmente responsabilidade orçamentária do comando.

Roberto Marins
Roberto Marins
Reply to  Elton
1 ano atrás

entendí tudo, menos “responsabilidade orçamentária do comando”………… o que o colega quis dizer cm isso?

Elton
Elton
Reply to  Roberto Marins
1 ano atrás

revitalizacões questionáveis de algumas embarcações e aeronaves,demora de descomissionamento de navios e aeronaves de operação onerosa e claramente obsoletos,falta de ação para reduzir pessoal e instalações para adequase a situação de verba vigente,insistência em seguir projetos claramente incompatíveis com a capacidade financeira da força e falta de controle e delimitar e priorizar suas missões de maneira estratégica que no final geraram gastos e custos contínuos que impossibilitaram reequipamento de maneira inteligente.

Salim
Salim
Reply to  Elton
1 ano atrás

Você esta descrevendo uma marinha de guerra, aqui infelizmente estamos para…. Pensando bem, nem guarda costeira somos razoáveis.

Millenium
Millenium
1 ano atrás

Deixa eu perguntar, na época em o Brasil comprou o navio, havia mais alguém interessado? Será que se outro país o tivesse adquirido, ele estaria operacional?

Rogério Loureiro
Rogério Loureiro
1 ano atrás

Excelente negócio para a Índia e seus caças Tejas.

Rogério Loureiro
Rogério Loureiro
Reply to  Rogério Loureiro
1 ano atrás

A forma de pagamento poderia vir todo em Abrahmos.

Guizmo
Guizmo
1 ano atrás

Dá pra pagar em quantas vezes?

Top Gun Sea
Top Gun Sea
Reply to  Guizmo
1 ano atrás

Não sei! Mas a vista é o salário que o Faustão ganha para nos ridicularizar todo os domingos lembrando nos que somos idiotas contribuintes ou será contribuintes idiotas?🤔

Esteves
Esteves
Reply to  Top Gun Sea
1 ano atrás

Segundo o que se conta na internet…é o salário do Galvão Bueno.

Guizmo
Guizmo
Reply to  Top Gun Sea
1 ano atrás

ô loco meu!

Esteves
Esteves
Reply to  Guizmo
1 ano atrás

Mas não pode fazer merchandising. Ele diz RBR. Não Red Bull. Os outros…para fazer coro com o Galvão também dizem RBR.

jucleidianni jucleidetti
jucleidianni jucleidetti
1 ano atrás

Que triste, e que c@#$%… vai lá… faz negócios coma frança… acho é pouco… Mas, considerando a capacidade da nossa marinha, me pergunto por que não trocaram a propulsão dele por alguma nacional, nem que seja mais lenta e criassem uma versão naval do A29 supertucano para decolar nele sem catapultas… Os únicos caças com capacidade de combate hoje que decolam de porta aviões são os F18 e os F35, os da russia está uma merda, e os da china decolam sem a capacidade máxima de combate… A4 skyhawk não existe mais, Harrier também não… o A 29 possui o… Read more »

Salim
Salim
Reply to  jucleidianni jucleidetti
1 ano atrás

O A29 precisa de mais pista, náo e possível decolar sem catapultas e aterrizar sem cabos. Qual a função do A 29 em um porta aviões dia de hoje, qualquer oponente com caça a jato bastaria para inviabilizar A29. Apoio fuzileiros, náo teríamos como chegar a lugar algum sem cobertura aérea. Me pergunto as vezes pra que servem nossos fuzileiros se náo temos possibilidade de desembarca los em lugar nenhum com segurança e náo termos marinha expedicionária.

Esteves
Esteves
1 ano atrás

Parem de reclamar. Já foi. Comprou, usou e agora vai vender. Passou. Vai abrir caminho e espaço para outros. Coisas novas.

Avante. Navio navega pra frente. Marinha também.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Esteves
1 ano atrás

Errado , aqui ninguém vai passar a mão na cabeça de gente burra que adquiriu isso no passado.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Space Jockey
1 ano atrás

Perfeito os culpados devem ser responsabilizados pela incompetência administrativa

andrepoa2002
andrepoa2002
Reply to  Esteves
1 ano atrás

Perfeito, só complementando:
Comprou, usou, MATOU e agora vai vender. Passou.

João gomes de sousa
João gomes de sousa
1 ano atrás

Pode fazer um estacionamento para carros de suboficais no Com1°DN já que a maioria não vai r
Fazer o curso de estado maior 😕🇧🇷

Marcelo
Marcelo
1 ano atrás

Já que essa sucata não navega mais a tanto tempo, poderiam esperar mais um pouco e usá-lo como alvo de disparos de torpedos do novo Riachuelo.

Lucas
Lucas
1 ano atrás

Será que vão fazer cerimônia pós-venda?

Nossos almirantes adoram uma recepção, comes e bebes, etc.
Deve ser a Marinha que mais gasta com festinhas no planeta.

Mas justiça seja feita, eles não estão sós.
EB e FAB também adoram um rega-bofe…

Âncora
Âncora
1 ano atrás

Ninguém vai arrematar, aí depois vai pela melhor oferta.
Por outro lado, em pó, disperso no ar, amianto é um problema, mas será que a 3000m de profundidade é problema?

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Certa vez li que o casco do Sampa estava passando por engenharia reversa para futuro projeto nacional de porta aviões nacionais (quando houver verbas).
Espero que seja verdade, pois foi assim que a China chegou no patamar técnico em se falando de porta aviões que hoje possui.
Pena não transformarem o A-12 em um museu flutuante como o Interpred americano.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Olá Fox. Eu também lembro dessa informação, acho que dada pelo comandante da MB em uma entrevista, na qual ele esclarecia que o custo de reforma do A12 seria de mais de US$ 1 bilhão e mesmo assim havia o risco de ter problemas de operação. A ideia era mapear todo o A12 e usar isso como ponto de partida para um projeto novo do A13 (ou A130, ou A121, ou A150 ou A141, sei lá). Talvez esse mapeamento tenha sido concluído e agora é hora de abrir espaço no cais. Sobre transforma o A12 em museu, tenho dúvidas. Talvez… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Caro Camargoer. O navio e da década 60, as catapultas a gás estão sendo trocadas por magnéticas, o ideal seria comprar duas dezenas f35b, retirar as catapultas e colocar nova motorização para manter os 32 nós de velocidade e operar por mais 20 anos. Alem do que nem corvetas estamos projetando mais.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Salim
1 ano atrás

Caro Salim. A decisão de fazer uma planta digital do A12 foi do comando da MB. Certa ou errada, havia uma justificativa para esse trabalho. Uma agora será usar ou não o projeto como pontoe de partida, ou teria sido desmantela-lo sem aproveitar a chance de aprender alguma coias. Pelo menos, o projeto basico esta pronto; agora é a segunda parte. Revisão crítica do projeto.

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Caro Camargoer, acredito que estamos bem longe deste ponto, deve ter sido feita uma planta digital com cotas e algumas medições técnicas e um descritivo tecnico layout, muito longe inicio projeto…

Camargoer
Camargoer
Reply to  Salim
1 ano atrás

Caro Salim. Atualmente projetos são desenhados no computador. Até a o esquema mais rasteiro agora e gravado digitalmente

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Caro Camargoer, como escrevi acima”planta digital”, Para evoluirmos para um projeto básico deste porte serão gastas milhares de horas de CAE com algumas centenas engenheiros e projetistas experientes. Hoje temos no limite aposentadoria pessoal que projetou corveta Barroso lembrando que parou ai, continuação sera a meko ( se assinarem contrato compra). Projetar um novo PA sem experiencia nem em embarcações menores a probabilidade fiasco e enorme e sairia um barco novo com tecnologia antiga. Aliado ao fato que náo operamos PA com meios a quase 15 anos ( ia falar meios modernos, porem A4 , deixa pra lá)

MMerlin
MMerlin
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

E acredito que ainda há justificativa. Conhecimento, mesmo que obsoleto, nunca é demais, Principalmente de segmentos que temos pouco ou nenhum.

Camargoer
Camargoer
Reply to  MMerlin
1 ano atrás

Ola. Aprendendo com a natureza. E melhor partir de algo existente do que começar do zero toda vez.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Olá Camargoer, exatamente isso que você disse. Espero também que tenham feito o dever de casa dessa vez, pois deveriam ter feito isso lá na época do A-11 Minas Gerais, somado agora com o A-12 já teríamos conhecimentos para projetar o navio via CPN e depois refinar o projeto com fabricante renomado internacional ou via parcerias. Mas se esse for mesmo o caminha que pelo amor de deus os almirantes após gastar rios de dinheiro nacional com projeto do CPN, refinamento, testes etc, venham com aquela balela de NAIPP como aconteceu no projeto CCT,s. Quanto ao Museu mais uma vez… Read more »

Pedro
Pedro
1 ano atrás

So não entendi os “65” centavos… 🤣🤣🤣🤣🤣

Juarez
Juarez
1 ano atrás

Espero que a Marinha tenha aprendido a lição:
Ter ou comprar não significa poder manter e operar.
Vontade, verdade e realidade trilham caminhos diferentes.
Milhões de dólares do contribuinte Brasileiro na latrina, explico:
Compra e reforma dos Tracker perto 100 milhões de dólares.
Modernizacao dos A 4 mais 100 milhões de dólares e mais oitenta milhões debdolares enterrados em reformas inacabadas no navio.
Todos nós pagamos esta conta,e pasmem:
Ninguem vai ser responsabilizado, a culpa vai ser dos “ETs.Venuziuanos”

Delfim
Delfim
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Incas Venusianos.

Esteves
Esteves
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Awika.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Esteves
1 ano atrás

É pra Maria Matauata!

Sincero
Sincero
1 ano atrás

A Marinha fez um péssimo negócio comprando esse navio, é bom o Brasil arranjar alguma função pra ele porque ninguém comprará uma embarcação com o interior forrado de amianto, nem pra “scrapear”.

Sincero
Sincero
Reply to  Sincero
1 ano atrás

Esse navio é um elefante branco, caro pra manter, pra reformar e até pra desmontá lo pois precisam de um dique totalmente isolado do mar e técnicas especiais por conta do revestimento de amianto que usaram em praticamente todo o interior dele. Pesquisem “clemenceau scrap england” e vejam a mão de obra que foi demolí lo. Foi um erro ter comprado esse porta aviões.

Aldo Ghisolfi
1 ano atrás

Por este valor, não seria o caso de deixar e arrumar o São Paulo como museu?
Não guardamos a memória de nada…

Tomcat4.0
1 ano atrás

Sinceramente decepcionante o fim prematuro deste NAe, eu particularmente ainda tinha esperanças de seu ressurgimento modernizado mas…..

Rafael Damasceno
Rafael Damasceno
1 ano atrás

Eu acho que se fizermos uma vaquinha da pra comprar 6K de reais não parece muito, apesar de eu não ter 6k

tulio762
tulio762
1 ano atrás

Embala pra viagem, aceita boleto?

Wardog1
Wardog1
1 ano atrás

Frota de superficie e coisa obsoleta

Flanker
Flanker
Reply to  Wardog1
1 ano atrás

Vez por outra você aparece, com nicks diferentes, dizendo essa mesma “pérola”….então, envia essa tua afirmação para US Navy, PLA Navy, Royal Navy,…… Frota de superfície, nucleada em porta-aviões, é coisa para Marinha de país sério. Frota de superfície, baseada em navios de assalto anfíbio, de controle de área marítima e combatentes como Fragatas, é coisa para país sério……frotas de superfície com escassez de meios, ou meios obsoletos e com sistemas inoperantes, meia-dúzia de navios (da categoria que for), com 1 ou 2 operacionais (com sistemas capengas), é coisa para países como o nosso, com tomadores de decisão como os… Read more »

colombelli
colombelli
1 ano atrás

eu usaria de alvo pro torpedo do Riuachuelo e Mansup

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  colombelli
1 ano atrás

Putz, eu tbm, mas tão dizendo que tem amianto nessa praga.

Dalton
Dalton
Reply to  colombelli
1 ano atrás

Até hoje os EUA utilizaram apenas um único NAe como alvo o ex-USS America e os britânicos nenhum o que me leva à acreditar que não se ganha muita coisa afundando esse tipo de alvo, pelo contrário, no que se gastaria para “limpa-lo” e reboca-lo para águas profundas já se gastaria muito mais com o que se pretende arrecadar no desmanche e mesmo um único torpedo custa também muito mais do que 5 milhões de reais.

colombelli
colombelli
Reply to  Dalton
1 ano atrás

Dalton, mas é necessário exercitar a capacidade. Se o preço da arma for impedimento não se faz mais exercício com nenhuma delas. Os penguin não são muito baratos e foram disparados. Exocet idem. E para os seus alvos houve demanda de preparação e reboque. Ao que me consta há um dos submarinos IKL ja com o sistema norte americano instalado e apto a disparar o Mk48. Hora de fazer teste. O Riachuelo também deverá ter teste de armas, sobretudo daquele tipo que nunca operamos como misseis disparados de sub. Algum dia alguma coisa terá de ter rebocada para estes testes… Read more »

Roberto Marins
Roberto Marins
1 ano atrás

Leiam o que aconteceu quando a França vendeu o “Clemenceau” ( irmão do “Foch”, nosso NAe São Paulo ) para a Indía e as autoridades desse país rejeitaram a entrada do navio em águas indianas, para evitar a contaminação por asbestos, que se contabiliza cerca de 700 toneladas a bordo: India’s top court has already banned the Clemenceau from entering the country’s territorial waters, pending a final decision on whether the asbestos represents a health hazard to Indian scrapyard workers.

Burgos
Burgos
1 ano atrás

Alouuuu !!!
Então é isso ?!
Vou ser censurado mesmo ?!
Não vou soltar o meu comentário ?!
Pleno século 21 !!!🤦‍♂️

Burgos
Burgos
Reply to  Burgos
1 ano atrás

Vão soltar *

Renan
Renan
Reply to  Burgos
1 ano atrás

Burgos desisti em um mês já tive uns 4 comentários censurado e hoje tive comentários apagado
Então acabou a graça de falar o que penso.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Renan
1 ano atrás

Caro Renan. Apesar de geralmente receber dezenas de negativas, meus comentários são sempre liberados. Algumas vezes rapidamente outras tardiamente. Curioso.f

Gabriel BR
Gabriel BR
1 ano atrás

Até que enfim !!!!

Biro Biro
Biro Biro
1 ano atrás

Petrobras compra e transforma em plataforma.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Biro Biro
1 ano atrás

Ola Biro Biro (sempre lembro do Lero Lero do Vicente Matheus). A Petrobrás cancelou a conclusão de algumas plataformas novas que estavam sendo construídas no Sul. Seria mais apropriado concluir as plataformas novas do que adaptar o A12.

Mauricio R.
1 ano atrás

E lá se vai o mais diferente de todos os pátios de parada.

Jhon
Jhon
1 ano atrás

Vamos vender para Argentina! Trocar por umas toneladas de trigo

Franco Richmond
Franco Richmond
1 ano atrás

É uma vergonha, vários países querendo um porta-aviões e o Brasil descartando o único que tem. A Naval Group propôs reformar o NA São Paulo por R$1.000.000.000,00, um valor irrisório, e como o casco está em excelente estado, teríamos um NA em perfeitas condições de uso. Não esquecendo que uma parceria entre a Naval Group e a indústria naval brasileira propiciaria transferência de tecnologia, o que seria de grande utilidade em projetos futuros. Não esquecendo a necessidade dos pilotos da Marinha do Brasil de estar em constante treinamento e aptos para agir em qualquer eventualidade.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Franco Richmond
1 ano atrás

Franco, eu acho uma vergonha maior ainda ter um navio que não se consegue manter e nem operar e é isso o que estava acontecendo com o São Paulo, infelizmente.

carvalho2008
carvalho2008
1 ano atrás

Eu não lembro desta história de que a reforma custaria R$ 1 Bi…..que eu me lembre sempre foi US$ 1 Bi doletas….e a conta era exatamente esta….e a de vida era gastar 1/3 do valor de um Nae zero km sem saber se o SP ficaria realmente 100%

Camargoer
Camargoer
Reply to  carvalho2008
1 ano atrás

Caro Carvalho. Pelo que lembro, em uma entrevista do Comandante da MB ao Lopez, ele mencionou US$ 1 bilhão para a reforma do A12, sem que houvesse garantia de que o navio estaria completamente operacional ao fim. A MB fez uma avaliação do casco confirmando que poderia ser empregado por muitos anos ainda. Fazendo uma conta simples, seria uma vantagem para a MB obter um NAe operacional por 1/3 do valor de um novo. O problema era a incerteza se ele estaria operacional após a reforma.

Hilton
Hilton
1 ano atrás

Para leiloar por esse baixo valor ( não irá subir muito por causa do amianto e outros resíduos que possa aparecer no seu desmonte), creio ser melhor doar e fazer um museu flutuante!!!!

Guto
Guto
Reply to  Hilton
1 ano atrás

Se fosse possível seria legal ter ele ali no espaço cultural da marinha junto com o Bauru e o Riachuelo 🙂

Davi
Davi
1 ano atrás
Mayuan
Mayuan
11 meses atrás

Se eu tivesse a grana necessária, compraria, faria algumas reformas básicas e rebocaria pra águas internacionais ao largo do RJ, compraria um Tilt Rotor ou dois e o transformaria em um paraíso fiscal com bandeira, hino, constituição e etc rsrsrsrs.

Carlos Eduardo Oliveira
Carlos Eduardo Oliveira
11 meses atrás

Esse foi um belo de um elefante branco que a briosa comprou.

Carlos Eduardo Oliveira
Carlos Eduardo Oliveira
11 meses atrás

O Chão Paulo nunca mais navegou depois daquele fatídico acidente em 2005?

Gelson
Gelson
Reply to  Carlos Eduardo Oliveira
11 meses atrás

Carlos,
estava pesquisando sobre a utilidade deste navio pra a MB. Um dado que me chamou muito a atenção foi o tempo de mar que ele teve.
Em 17 anos – aproximadamente 6205 dias ele navegou 206.
Isto dá aproximadamente 3% do tempo no mar.
Quase 6.000 dias atracado – isto deve ser um recorde!

india-mike
india-mike
11 meses atrás

Alguém comprou o mico?

Joli le Chat
Joli le Chat
11 meses atrás

É muito triste ver um navio como este ir embora assim.
Será que não daria para transportá-lo para o Lago Paranoá e deixá-lo como monumento para as futuras gerações?