Home História VÍDEO: I Simpósio de História Marítima

VÍDEO: I Simpósio de História Marítima

439
21

O I Simpósio de História Marítima tem o objetivo de promover uma História Marítima e discutir suas perspectivas no campo historiográfico brasileiro.

O evento está sendo realizado nos dias 2 e 3 de outubro no IHGB (Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro), na cidade do Rio de Janeiro.

As palestras ocorrem no período vespertino e a conferência de abertura foi feita pelo historiador Luiz Felipe de Alencastro, das instituições Université de Paris-Sorbonne e EESP-FGV, conhecido principalmente pelos seus trabalhos sobre a evolução do sistema econômico do Atlântico ao longo dos séculos.

Entre os palestrantes das duas mesas redondas está um nome familiar aos frequentadores do site Poder Naval: Fernando Ribas De Martini, mais conhecido aqui pelo apelido “Nunão”. Profissional de comunicação social há três décadas e membro do corpo editorial da trilogia Forças de Defesa entre 2008 e 2016, com centenas de matérias publicadas nos três sites e na revista, também é historiador militar, com mestrado em História Social pela Universidade de São Paulo. Atualmente, finaliza doutorado em História Econômica pela mesma instituição.

21
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
18 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Rafael M. F.NunãoWilsonFernando "Nunão" De MartiniDalton Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Recomendo à todos. O nível das palestras foi excelente. Acho que muitos vão compreender muito do que se fala aqui sobre transferência de tecnologia, sobre a necessidade de continuidade nos projetos, escala de produção, sobre uma política de Estado clara, de longo prazo para a definição de objetivos estratégicos para as três forças, e nesse caso específico, a Marinha e por aí vai. Obrigado Nunão pelo aviso do simpósio e parabéns pela palestra e pelas pesquisas e pela simpatia. Precisando de alguma coisa aqui do Rio, pode entrar em contato sem problema. Aliás, apenas quando possível (sei que falta de… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Visitante
Fernando "Nunão" De Martini

Valeu pela presença e prazer em conhecê-lo, Leandro!

Estou finalizando agora o artigo relacionado ao mesmo tema da palestra, para a próxima edição da Navigator, e quando a revista sair colocarei os links aqui. Então o conteúdo que ficou de fora da palestra será devidamente coberto.
Abs!

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Opa! Beleza Nunão! Vou aguardar! 🙂

Dalton
Visitante
Dalton

Muito bom pelo pouco que pude ouvir antes do vídeo ficar indisponível, mas, não entendi
o que o narrador quis dizer nos primeiros minutos sobre “tríplice/três” ser uma influência da marinha japonesa no processo de aquisição de novos meios ???

Fernando "Nunão" De Martini
Visitante
Fernando "Nunão" De Martini

Dalton, Nessa parte específica da apresentação do Ludolf, que precedeu a minha, de fato faltou que ele explicasse esse detalhe. Mas a gente tem que correr um pouco alguns pontos – e nesse ele correu um pouco – pra explicar melhor outros, então esse ficou mais difícil de entender. Creio que ele tenha se referido ao Julio de Noronha ter se inspirado no programa naval 6+6 do Japão, do final do sec XIX, em que o objetivo era ter 6 encouraçados e 6 cruzadores blindados. No caso brasileiro, o programa Noronha seria uma variação reduzida dessa ideia japonesa, formando um… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Também fiquei com essa impressão. Salvo engano foi o que acarretou nos navios da classe Kongo para a IJN.

Wilson
Visitante
Wilson

A classe Kongo é de um programa posterior. O Mikasa sim é de o representante deste programa do final do sec XIX.(Não sabia da influência do programa japonês no programa brasileiro).

Nunão
Visitante
Nunão

Wilson,
Essa é uma possibilidade levantada pelo historiador João Roberto Martins Filho, autor do ótimo livro “A Marinha brasileirana era dos encouraçados, 1895-1910: tecnologia, forças armadas e política”‘ de 2010. Martins Filhos foi orientador do palestrante Ludolf Waldmann, cuja fala precedeu a minha no evento.

Nunão
Visitante
Nunão

As mençãos a essa coincidência do programa 6 + 6 de 1895, do almirante japonês Yamamoto Gambei, e a do programa 3 + 3 do almirante brasileiro Julio de Noronha estão nas páginas 68 e 75 do livro, que eu recomendo. É da editora FGV, que tem um site de vendas.

Outro livro que recomendo e trata do programa naval brasileiro da época, da mesma editora, é “Rio Branco: grande estratégia e o pode naval”, de João Alsina Junior, de 2015.

Nunão
Visitante
Nunão

desculpem os erros de digitação. Estou usando um tablet meio velho enquanto o celular carrega.

Wilson
Visitante
Wilson

Legal esses eu não conhecia, o que eu conheço relacionado ao programa brasileiro é uma matéria da Warship International de 1988 que apresenta todos os projetos de encouraçados oferecidos ao Brasil pelos ingleses entre 1904-1914.
https://stefsap.wordpress.com/2016/12/13/the-brazilian-dreadnoughts-1904-1914/

Na época eu estava tentando montar uma árvore tecnológica
brasileira para o jogo World of Warshpis.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Espero que tenha conseguido. Eu gosto do jogo, mas infelizmente no momento relegado à versão ‘blitz.’ Ofereceram o HMS Agincourt como ‘doce’ para os jogadores Brasileiros, mas não o adquiri ainda.

Wilson
Visitante
Wilson

Infelizmente não foi possível.
Apenas o ramo dos DD tem um representante para o tier 10, mas falta designs adequados para os tiers 3, 4, 5 e 9, no caso dos cruzadores não existe nenhum projeto ou mesmo especificação para um navio superior ao Tamandaré, e por fim os encouraçados vão até o tier 8 podendo ter duas linhas até esse nível.

Quanto anunciaram a nação Panamericana, disponibilizei o meu trabalho para a elaboração da arvore Panamericana, principalmente com informações sobre os encouraçados brasileiros.(com a adição dos submarinos no jogo dá até para pensar em colocar o A-11 Minas Gerais).

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Eu fiquei sabendo dos submarinos e até cheguei a ver uns vídeos de gameplay no test server.

Infelizmente estou fora do jogo tem alguns anos por motivos técnicos (PC não é prioridade no orçamento no momento) e nem sabia da criação da nação panamericana! Acredito que muita coisa deve ter mudado, mas umas semanas atrás loguei no computador de um amigo e meus navios ainda estão lá hehehehe

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

EXCEPCIONAL! Grato por compartilhar!

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Tenho esse. Excelente.

Dalton
Visitante
Dalton

Obrigado Nunão, provavelmente é o que você escreveu, uma variação do programa de 6 unidades para o Japão, que não ficou muito claro até por conta de ter sido implementado em duas etapas a primeira com 2 unidades e a segunda com 4 unidades sendo o “Mikasa” lembrado mais abaixo pelo Wilson fazendo parte desse segundo grupo e que pela importância histórica me fez adquirir um modelo na escala 1/1250 muitos anos atrás.
.
Posteriormente os japoneses vieram à adotar o 8 + 8 que provavelmente confundiu o Leandro já que este plano envolveu a classe Kongo citada por ele.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Eu entendi que o programa só veio à frutos mais tarde já por volta de meados à final da primeira década do século XX, e que não havia sido o mesmo programa do Mikasa.

Então aprendi algo novo hoje hehehehe

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

A crítica feita na época pelo Alte. Alexandrino ao programa do Alte. Noronha é que o armamento dos encouraçados planejados já estava defasado (snme, era 10in), e que os cruzadores blindados tiveram participação menor em Tsushima e que o grosso da tarefa foi executado pela ponta de lança da linha – os encouraçados Mikasa, Shikishima, Fuji. e Asahi. Parecia uma crítica pertinente, em que pese a presepada do Alexandrino nas audiências no Congresso, bem documentada no relatório de 1915 (eu mesmo caí no papo dele…). Essa conclusão foi de certa forma enganosa, pois a maior parte dos tiros que atingiram… Read more »

Wilson
Visitante
Wilson

Essa falta de precisão, que você bem apontou se devia aos péssimos controles de tiro disponíveis na época. Eles não acompanharam o aumento do alcance dos canhões e uma das soluções apontadas na época era padronizar o armamento em um único calibre. Estranhamente após Tsushima, a conclusão de muitas marinhas foi de que os disparos de grande calibre que acertavam o alvo eram os que definiam o resultado da batalha e não o dilúvio de fogo dos canhões de médio e pequeno calibre, além de terem que melhorar os controles de tiro. Por isso o Dreadnought era armado apenas com… Read more »

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Me inscrevi, mas tava atolado de trabalho e não pude comparecer. Too bad…