Home Indústria de Defesa Daewoo Shipbuilding recebe encomenda de mais um submarino por US$ 924 milhões

Daewoo Shipbuilding recebe encomenda de mais um submarino por US$ 924 milhões

5035
39
Lançamento do submarino Dosan Ahn Chang-Ho, o primeiro KSS III Batch 1

A Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering Co. (DSME), uma importante construtora de navios da Coreia do Sul, disse na sexta-feira que assinou um acordo no valor de 1,1 trilhão de won (924 milhões de dólares) para projetar e construir um submarino atualizado para a Marinha do país.

Sob o acordo com a Administração do Programa de Aquisição de Defesa (DAPA), a Daewoo Shipbuilding entregará o novo submarino de 3.000 toneladas à Marinha da Coreia do Sul até 2026.

Em 2016, a Daewoo Shipbuilding venceu o contrato de design do mais recente submarino no âmbito do projeto Batch II da classe Changbogo III (KSS III) e o concluiu no ano passado. Atualmente, está fazendo provas de mar em um submarino e construindo outros dois KSS III Batch 1 para a Marinha, seguindo a encomenda que obteve em 2012 no âmbito do primeiro projeto.

A Daewoo Shipbuilding disse que o submarino mais recente permitirá operações subaquáticas mais longas e será mais rápido que a versão anterior. Ela planeja usar peças submarinas desenvolvidas localmente para aumentar a independência.

Espera-se que o Batch 2 incorpore outras atualizações, como o sistema de bateria de íons de lítio desenvolvida localmente, que lhe permitiria permanecer submerso por longos períodos de tempo. Ela também terá melhor desempenho do sonar e dos sistemas de combate.

Além disso, espera-se que o segundo lote tenha 10 células de lançamento vertical, em comparação com 6 no primeiro lote de submarinos.

Um total de nove submarinos diesel-elétricos de ataque KSS III construídos de forma autóctone estão planejados para construção na DSME e Hyundai Heavy Engineering. Eles fazem parte do programa de submarinos de ataque da ROK Navy que, uma vez concluído, equipará o serviço com um total de 27 submarinos construídos em três fases.

Modelo do KSS III Batch 1
O Dosan Ahn Chang-Ho saindo para provas de mar, em junho de 2019

FONTE: Yonhap News

39
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
27 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
22 Comment authors
DaltonFligth_FalconMarcos10Gabriel BRJoaquim Licinio Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Tomcat
Visitante
Tomcat

Na matéria sobre os possíveis NAEs que a Coréia do Sul estuda construir, alguns falaram que eles deveriam investir em submarinos com mísseis de cruzeiro. Aí está, o KSS III Batch 1 já conta com 6 lançadores verticais. O Batch 2 terão 10.

Camargoer
Visitante

Olá. Um submarino de 3 mil ton por praticamente US$ 1 bilhão dá algo perto de US$ 330 mil por tonelada. Um Scorpene custa em torno de uns US$ 600 milhões por unidade (usando os custos indianos como referência), dá algo em torno de US$ 300 mil por tonelada. Parece que esse valor pode ser usado para estimar valores de submarinos convencionais.

Salim
Visitante
Salim

Caro Camargoer, o bichão da matéria virá com 10 lançadores verticais e baterias de íon lítio, e uma classe bem superior aos scorpene não só em tonelagem.

Camargoer
Visitante

Caro Salim. Concordo com você na superioridade deste projeto coreano em relação ao Scorpene. Meu comentário é sobre usar o valor de US$ 300 mil por tonelada para estimar o valor de um projeto de submarino convencional. Mesmo considerando as diferenças de tonelagem, armamento e tecnologia eletrônica, os valores de submarinos convencionais devem convergir para um valor médio. Por exemplo, o Chile está avaliando a aquisição de 2 submarinos convencionais da ordem de 2000 ton cada, esse programa deve custar algo em torno de US$ 1,2 bilhão. É apenas um valor para estimarmos os custos desses programas.

Señor batata
Visitante
Señor batata

Boa noite Camargoer. Mas o senhor não acredita que submarinos de diferentes tamanhos exigem diferentes sistemas e por isso a média proposta pelo senhor se enquadraria nos submarinos próximos das 3000 Ton?
Tchau e abs.

Camargoer
Visitante

Olá Sr.B. Eu não tenho dados de outros programas de submarinos convencionais com maior deslocamento para poder melhorar a estimativa. Se eu misturar números da cabeça, mesmo que bem embasados, com números de programas reais (como o da Coreia e da Índia) perde o sentido estatístico. Um submarino nuclear da classe Seawolf, que tem capacidade de lançar mísseis nucleares e desloca 9000 ton teria um custo de US$ 550 mil por tonelada. Nenhum submarino convencional, com AIP, com baterias de lítio, ou submarino nuclear de ataque (sem capacidade de lançar mísseis nucleares) terá um custo maior do que esse.

Señor batata
Visitante
Señor batata

Olá Camargoer. A questão q eu levantei foi mais por uma curiosidade de precisão de estimativas. Uma dúvida esse custo do seawolf foi retirado da onde? Se ele não estiver atualizado com a inflação esse valor pode ser mais alto ainda.
Tchau e saudações.

Camargoer
Visitante

Olá Sr.B. procure por “the best sub on the planet: why us nany built only 3 seawilf submarinos”.

Señor batata
Visitante
Señor batata

Vou procurar sim Camargoer. Vlw pela dica.

Fligth_Falcon
Visitante
Fligth_Falcon

Muito interessante seu raciocínio.

Silva
Visitante
Silva

Ultimamente, várias são as notícias de países adquirindo novos meios. O Brasil, devido a questão orçamentária e, principalmente, pela má gestão dos recursos das FA, dificilmente adquirirá novos meios marítimos além dos Scorpene e as Tamandaré que não saíram do papel. Diante disso, me pergunto: com a “reaproximação” Brasil x Eua, por meio dos vários programas de aquisição por baixo custo ou até mesmo doações, quais meios navais o Brasil poderia adquirir? Fragatas? Corvetas? Destroeys? E porque o Brasil tendo essa possibilidade de adquirir tais embarcações não faz? Espero que alguém consiga me explicar. Grande abraço.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Em se tratando de meios marítimos: Quais os meios que os EUA iriam disponibilizar via FMS? Qual o estado desses meios? Quanto $$$ seria a manutenção e modernização desses meios? Os EUA usam seus navios até o osso, geralmente em 30 ou 40 anos de serviço. Vale a pena pegar um meio usado por 30 anos até o talo, pagar uma modernização e usá-lo por mais….digamos, 10 anos? Ou é melhor pagar mais caro num navio novo, que vai demorar pra ficar pronto e ser comissionado,mas que vai empurrar água por 30 anos ou mais? São muitas variáveis nesse tipo… Read more »

Camargoer
Visitante

Caro Silva. Diversos colegas têm comentado o andamento dos programas militares brasileiros e os planos estratégicos a partir da contexto econômico atual. Acho um erro. Um programa como o SBR leva 15 anos entre a contratação e a entrada em operação dos meios; depois são mais 30 ou 40 anos até serem substituídos por uma nova classe. O mesmo ciclo de cerca de cinco décadas acontece nas outras forças (e nas outras instituições públicas). Ciclos políticos duram 5 ou 10 anos. Ciclos econômicos de 10 a 20 anos. Uma coisa é o planejamento de longo prazo, outra coisa é o… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

Silva, quem sabe isso não venha a acontecer? tem aquela questão de que com as baixas se precisará de 4 a 8 escoltas de oportunidade. Teve reportagem e discussão aqui. É uma questão de ter um pouco de recursos e ver o que eles teriam pra oferecer.

Silva
Visitante
Silva

Agradeço as respostas de vocês, caros Willber, Camargoer e colombelli. Sem dúvidas, a longo prazo, os planos da MB são interessantes. Todavia, atualmente nossa frota está em situação delicada. Minha dúvida é sobre se o tal programa junto ao EUA seria interessante para efeito tampão, uma vez que compartilho da ideia que o Brasil, por sua imensidão e riqueza territorial, deveria ter seus meios de defesa próprios ou então com participação estrangeira. Abraços

Carlos Thiago
Visitante
Carlos Thiago

Quais as vantagens de silos verticais em submarinos? Se não me engano os tomahawks da Royal navy são lançados pelos tubos de torpedos. Silos verticais ocupam menos espaço? É possível recarregar?

Dalton
Visitante
Dalton

Boa pergunta Carlos. Silos verticais permitem uma reação mais rápida e são mais propícios quando o submarino operando mais próximo do litoral assim é conveniente disparar os mísseis e procurar abrigo pois a posição do submarino poderá estar sendo denunciada pelos lançamentos e depois de lançados os silos não podem ser recarregados exigindo que o submarino retorne a base. . Por outro lado silos verticais tiram espaço de uma sala de torpedos que sendo maior poderá acomodar um número maior de torpedos, mísseis anti navios, de ataque terrestre ou mesmo minas se o submarino for taxado para operação de minagem.… Read more »

Carlos Thiago
Visitante
Carlos Thiago

Grato pela resposta Dalton. Ainda fiquei com a impressão de que os silos verticais não agregam muito, pra mim o lançamento pelos tubos permitem maior flexibilidade no planejamento da missão. Se for um missão de negação de uso do mar o submarino pode sair apenas com torpedos/mísseis anti navio. Agora se for um missão de ataque terrestre pode-se levar uma qtd maior de mísseis de cruzeiro.
Abraços

Kemen
Visitante
Kemen

Na minha opinião esse tipo de meio naval é mais indicado para a Marinha da Coreia do Sul frente a uma China com enorme e crescente poderio naval. Baterias de Li-Ion permitem submergir mais tempo sem snorkear.

Marcelo-SP
Visitante
Marcelo-SP

27 submarinos é uma frota para deixar qualquer potência inimiga com as barbas de molho…

leonidas
Visitante
leonidas

Que eu posso dizer? – Um viva para uma nação que procura garantir sua soberania!!!

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Quando a MB divulgou o PEAMB plano de equipamento e articulação, ela mencionou 15 Submarinos Convencionais e 6 Submarinos Nucleares, totalizando 21 Submarinos.
Muito criticaram a MB pelo plano megalomaníaco.

Eu achei o plano modesto. Por mim seriam 15 SSK e 15 SNA.
Aí me qualificaram como sonhador, viajante da maionese.
Agora lemos uma matéria falando da Coreia do Sul, um país pequeno se comparado ao Brasil, com somente 50 milhões de habitantes que quando eu nasci era um país pobre, miserável, hoje é rico e planeja possuir 27 Submarinos.

colombelli
Visitante
colombelli

Luis, mas com os potenciais inimigos que eles tem……não dá pra comparar. A China está bufando no pescoço e no norte é o topetudo. Estamos penando para fazer 4. Imagina 15

Marcos R.
Visitante
Marcos R.

Se nos estivéssemos espremidos entre o urso e o Dragão também estaríamos nos mexendo, eles sabem onde aperta o calo.

Junior
Visitante
Junior

Fora o Japão, lembre-se que Coréia do Sul e Japão disputam ilhas e mar territorial por aquelas bandas e ultimamente a Coreia do Sul, por incrível que pareça, tem trocado chutes e ponta pés mais com o Japão do que com a Coréia do Norte

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Colombelli, não da para comparar mesmo. Caso a China ou outro país invada a Coreia do Sul, o que eles ganham com 100 mil km2? Agora, caso a China ou outro país invada o Brasil, o que eles ganham com os nossos 8,5 MIlhões de km2, a Amazônia, a maior reserva de biodiversidade do mundo, a maior reserva de água doce do mundo, o país mais rico em nióbio, terras raras, uma das maiores reservas de petróleo do mundo, etc. Realmente não tem comparação. O mundo está globalizado, os interesses são globais, imaginar que as ameaças ao Brasil são os… Read more »

Colombelli
Visitante
Colombelli

Luis, partilho da tua preocupacão. E sempre falei que a china é o “perigo real e imediato”. Mas voce sabe que é assim que a banda toca por aqui. Por mim eu acabava com bolsa familia e punha boa parre em reequipamento das FA. Mas isso não da voto. Não vai mudar. E se voce falar em por dinheiro em armas por aqui o jean wilys e a maria do rosario te denunciam na ONU.

Marcos10
Visitante
Marcos10

os nossos 8,5 MIlhões de km2, a Amazônia, a maior reserva de biodiversidade do mundo, a maior reserva de água doce do mundo, o país mais rico em nióbio, terras raras, uma das maiores reservas de petróleo do mundo, etc.
– Apesar de sermos o país mais mais em muitas coisas, há algo de muito errado por aqui, pois não conseguimos sair do lugar.

Davi
Visitante
Davi

Luís, quem dera nossas forças armadas e políticos pensassem como vc! Aqui no Brasil a gente remedia ao invés de prevenir. Quando a casa cair será tarde demais. Só ficam falando que não temos inimigos e blá blá blá não coloca um cadeado no portão não pra vcs verem. Me digam qual o inimigo histórico da Austrália e Canadá? No entanto são muuuuitooo superiores militarmente ao Brasil. A Venezuela latiu feito cão velho e a gente respondeu como cão banguelo, nem ajudar os EUA com um bloqueio naval nós teríamos condições. Ah, mas nós temos o melhor exército de selva… Read more »

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Exatamente. Ai o pessoal fala que a França é mais rica que o Brasil, que temos muitos problemas sociais, que somos um país sub-desenvolvido, etc. Mas a China e a Índia também são. Vê se a França tem condições de peitar esses países? Nem em sonho. Já contra o Brasil a França é até muito, nem precisa, a Grécia já daria um pau na gente, a Espanha, a Turquia, ixi, se eu for elaborar uma lista dos países que dariam um pau no Brasil em um conflito de curta duração e/ou em uma guerra aeronaval, o texto iria ficar bem… Read more »

Alfa BR
Visitante
Alfa BR

“15 SSK e 15 SNA”

Inviável economicamente. Quem fora EUA e Rússia possui 15 SNA?

“Agora lemos uma matéria falando da Coreia do Sul, um país pequeno se comparado ao Brasil, com somente 50 milhões de habitantes”

50 milhões de habitantes e um PIB pouco menor do que o nosso. São a 12ª maior economia do mundo.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Isso se deve pelo fato que a grande maioria dos países não possuem a tecnologia necessária para construir SNAs. Somente 5 ou 6 países no mundo constroem SNAs. Se somar os SNA e os SSBN, os EUA possuem bem mais que 15. A Rússia também. A China também. Reino Unido e França 11 e 10. E a Índia que é novata na tecnologia, terá uma frota maior no futuro. A questão é, já que seremos provavelmente o 7o país a dominar a tecnologia, temos que aproveitar e utilizar em uma maior quantidade de meios. O SNA é o maior poder… Read more »

Alfa BR
Visitante
Alfa BR

Luís, com 15 Submarinos Convencionais e 6 Submarinos Nucleares somente EUA teriam capacidade de nos desafiar e vencer sozinhos. Todos os outros não tem capacidade isolada ou penariam tanto que inviabilizaria.

Dalton
Visitante
Dalton

Sendo otimista, 4 nucleares e 8 convencionais poderiam estar armados e certificados para combate havendo conhecimento antecipado do movimento inimigo, mas, há limites para o que um submarino pode fazer e dependendo do inimigo este pode se valer de bombardeiros de longo alcance reabastecidos no ar e navios e submarinos capazes de lançar mísseis de uma longa distância para “amaciamento” para só depois pensar em enviar a força principal. . Essa ideia de uma marinha baseada quase que exclusivamente em submarinos já que não há nem deverá haver recursos suficientes a médio prazo para forças armadas realmente fortes,desculpem o pessimismo,… Read more »

Renan
Visitante
Renan

Que sonho um segundo lote de scorpene BR com melhorias
Quem dera o atual presidente já assinar a compra de um segundo lote

Joaquim Licinio
Visitante

Beleza de submarino e de reportagem. Parabéns.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Pelo preço esse deve ser um submarino em estado de arte

Marcos10
Visitante
Marcos10

Esse projeto tem origem em qual submarino?

Dalton
Visitante
Dalton

A origem é alemã. Todos os 18 submarinos atuais são baseados em submarinos alemães customizados pelos coreanos ou seja recebendo modificações/melhorias que atendam as necessidades coreanas.
.
Para atender esse número de 27 unidades parte-se do princípio que nenhum dos 9 mais antigos e menores serão descomissionados até o último dos
9 hoje em construção/encomendados ser comissionado o que é pouco provável, mesmo assim se deverá ter mais de 20 submarinos em serviço o que já será um enorme salto quando se sabe que na década de 1980 a marinha da Coreia do Sul contava com uns poucos mini submarinos apenas.