Home Aviação Naval Duelo entre porta-aviões no RIMPAC 1980

Duelo entre porta-aviões no RIMPAC 1980

7191
28
USS Constellation – CV 64

Nobuyoshi Koremoto, um ex-capitão do destróier JDS Amatsukaze da JMSDF, que participou da Operação RIMPAC 1980, escreveu na revista Ship of the World de agosto de 2010 que, no referido exercício, uma esquadrilha de jatos A-4G Skyhawks do porta-aviões leve australiano HMAS Melbourne (semelhante ao NAeL Minas Gerais brasileiro), conseguiu atacar com sucesso o super porta-aviões americano USS Constellation (CV 64). O pequeno HMAS Melbourne operava como força inimiga e o USS Constellation foi considerado “seriamente avariado” no exercício.

Esta não foi a primeira vez que porta-aviões leves conseguiram obter vantagem tática sobre os “supercarriers”. Por causa da curvatura do planeta Terra, navios de guerra só conseguem visualizar ou detectar por radar navios que estejam até 20 milhas de distância. Além do horizonte, o combate naval fica dependente de informações obtidas pelo esclarecimento marítimo feito por aeronaves, satélites e outras plataformas.

Por essa razão, o emprego de táticas de navegação e de despistamento eletrônico pode fazer navios de guerra virtualmente “desaparecer” em meio ao tráfego mercante, principalmente nos períodos noturnos e em condições meteorológicas adversas.

HMAS Melbourne
HMAS Melbourne visto pela popa, com A-4G Skyhawk, S-2G Tracker e helicópteros no convoo

28
Deixe um comentário

avatar
7 Comment threads
21 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
DumontPedro MouraSalimcarvalho2008Rprosa Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Pronto, vai ser a “desculpa perfeita” pro MB usar pra justificar seus sonhos em adquirir um NaE e manter os A4.
Ok, agora falando sério, isso talvez mostre que o A4, modernizado, com armamentos decentes e em bom número ( coisas que a MB não tem ) ainda tem o seu valor. Pelo menos na AL…

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

A USN sabe que um competidor apto é capaz de esculhambar o ambiente EM, comunicações e navegação GPS, lançando a marinha alvo, da era das redes de volta à era da vela. Estudam o Li-Fi, que transmite uma massa monstruosa de informação, mas é line of sight; devem inventar drones relays ou coisa que o valha. E nós aqui, com a lanterna na popa, quarenta anos depois, sonhando em pretérito. Tem algo errado…

T. Cunha
Visitante
T. Cunha

Pois é! Guerra de drones…

Rprosa
Visitante
Rprosa

Quanto mais dependente de tecnologia de informação, mas provável e intenso o uso de guerra eletrônica, basta ver o quanto ficamos vulneráveis quando cai o sinal de wi-fi.

Bira Lopes
Visitante
Bira Lopes

Como assim?! A Terra não é plana? Ué ?!

MMerlin
Visitante
MMerlin

Ela é… na cabeça de pudim de algumas pessoas.
Mas sabe o que é bom desta teoria? É possível separar o joio do trigo.

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Claro que a terra é plana. Horizonte radar existe porque o feixe faz uma curva pra baixo. Oras!

Salim
Visitante
Salim

Desculpa de fabricante de radar meia boca.

Dumont
Visitante
Dumont

É a gravidade…

Marcelo R
Visitante
Marcelo R

Lembrando que isso foi em 1980… agora seria o caso de um bom submarino bem ágio
e bem quietinho para pegar um porta aviões desses, caças A4 são figuras de museus, não adianta modernizar mais, tem países…. por ai que insistem nesta ideia, mas sem completar todos os equipamentos a bordo, não dá…

leonidas
Visitante
leonidas

A foto do porta aviões australiano mostra como ficaria o convés do Sao Paulo (se houvesse todos esses A4 disponíveis claro rs) quando tudo estivesse operacional, isso lá para o ano de 2024… rs

Diego
Visitante
Diego

Seria semelhante a um Wasp danificar seriamente um Nimitz?

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

O inferno se instala se um consegue ferir o outro de forma que não consiga por longo período utilizar as catapultas

É por isto que prefiro quê prefiro o
Stobar

Se furar a rampa, basta trocar a placa do chão

Não precisa de gerador, de vapor e mil e uma coisas para fazer o avião decolar

Rprosa
Visitante
Rprosa

Em compensação o stobar diminui a capacidade operacional do caça, já que os vetores não podem se lançar ao ar com capacidade máxima de carga e combustível, bem como aumenta consideravelmente o tempo entre um lançamento e outro, bem como cabe afirmar que alguns especialistas duvidam da capacidade de caças como o SH serem utilizados em PA com sky jump, vale lembrar que tudo na vida tem seus pros e contras, nada é perfeito.

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

Mas vejo que não menosprezo o CTOL. Ele é reconhecidamente o melhor….

Mas quem tem um unico Nae, fica arriscado….a meta de perseguir o CTOL é melhor quando voce já dispõe de uma taxa reserva de 1 ou 2 stobar….

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

Eu preferiria mesmo é um modelo misto de baixo custo stobar como principal recurso de decolagem, mas contar com uma catapulta auxiliar que lança o avião em direção a rampa. Assim, voce não precisa de algo complexo e tão sensivel. Em operações de defesa aerea, o caça consegue decolar full apenas com a ski jump. Voce usaria a catapulta auxiliar, apenas na operação de limites de peso e somaria as duas forças. Os americanos construiram uma catapulta para bases improvisadas de fuzileiros, o sistema SATS. Era uma catapulta movida pela turbina de um F-5 ( J85). Ela era capaz de… Read more »

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

comment image

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

comment image

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

comment image

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

comment image

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

comment image

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

comment image

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

comment image

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

comment image

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

Olha a J85 aqui….
comment image

Pedro Moura
Visitante
Pedro Moura

Muito boa sua colocação e as foto, juntamente com o layout, estão perfeitamente ilustrando seu texto.

Parabéns!!

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

Este kit era instalado em um campo de aviação em apenas 72 horas

É por isto que teimo em afirmar quebraria plenamente possível façanhas semelhantes de transformar um ro-ro de 40 mil ton em um Stobar, bastando que existam os kits e os cascos de conves corrido.

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

Que seria plenamente possível…