Home História Naval ‘Um contra todos’ – A história secreta do submarino argentino ARA San...

‘Um contra todos’ – A história secreta do submarino argentino ARA San Luis na Guerra das Malvinas

8156
59

ara-san-luis-nas-malvinas

Por Jorge R. Bóveda

O ARA San Luis foi uma das duas unidades submarinas da Armada Argentina enviadas para o combate no princípio de abril de 1982 e o único a enfrentar cara a cara a poderosa força-tarefa inglesa. Sua moderna tecnologia e sofisticados sensores faziam prever que, em curto prazo, terríveis perdas seriam impostas ao inimigo. Inexplicavelmente, depois de 74 dias de luta, nenhum navio britânico foi afundado por um torpedo argentino. Este artigo pretende, sobre a base do testemunho dos protagonistas, lançar luz sobre aqueles dramáticos 39 dias de patrulha, nos quais o ARA San Luis disputou (sem êxito) a supremacia naval com a Royal Navy, no Atlântico Sul.
É, portanto, o testemunho de uma batalha sem precedentes entre “David e Golias”, que se projetou além do conflito e valiosas conclusões podem ser tiradas para o futuro da arma submarina argentina.
O galante desempenho do San Luis em condições de extrema adversidade, contra um inimigo várias vezes superior, em quantidade e qualidade de meios anti-submarino, mostra a alta qualidade dos tripulantes. A incrível capacidade do San Luis para superar tais circunstâncias adversas faz parte das mais profundamente enraizadas tradições da Armada Argentina e vai, sem dúvida, constituir um exemplo para as novas gerações de submarinistas.

Desde sua aposentadoria do serviço ativo em 1995, o ex-comandante do ARA San Luis, Capitão (RE) Fernando Azcueta Maria, tem cultivado um perfil discreto e raramente aborda a espinhosa questão do conflito no Atlântico Sul, fora do seu círculo de amigos.

Há alguns anos, Azcueta rejeitou uma oferta tentadora para colocar no papel suas experiências da guerra e suas muitas entrevistas que concedeu. Desde então, nunca tratou o tema com todos os detalhes que são revelados na história a seguir, que mostra pela primeira vez, algumas situações dramáticas daqueles 39 dias em patrulha, nos quais disputou a supremacia naval com a Royal Navy, no Atlântico Sul.

Preparação relâmpago

Quando o capitão-de-fragata D. Fernando María Azcueta, filho de um proeminente mergulhador, assumiu o comando, no final de dezembro de 1981, do moderno submarino Type 209 ARA San Luis (classe Salta), das mãos do capitão-de-fragata D. Miguel C. Miguel C. Rela, não podia sequer imaginar que, em pouco mais de três meses, seria travada uma guerra contra a terceira potência naval do mundo.

E, menos ainda, poderia ter previsto as graves limitações operacionais de que sofria sua unidade, e que isso iria comprometer seriamente a sua eficácia como unidade de combate.

Em meados de março de 1982, enquanto Azcueta e os seus homens estavam se exercitando com as corvetas tipo A-69 ARA Drummond e ARA Granville, ao largo da costa de Mar del Plata, recebeu a ordem para interromper a comissão e regressar ao porto, mas sem receber qualquer explicação para esta ordem incomum.

Pouco depois, observou na Base Naval a preparação do ARA Santa Fé, comandado pelo capitão-de-corveta Horace Blicaini, mas não conseguiu tirar deste nenhuma informação que pudesse aliviar a enorme incerteza em que se encontrava.
Só na manhã do dia 2 de Abril foi revelado ao público, por rádio e televisão em todo o país, o desembarque argentino nas ilhas Malvinas.

No entanto, Azcueta teve que esperar mais 24 horas para ser recebido pelo COFUERSUB (Capitão Eulogio Moya Latrubesse) que lhe ordenou: “preparar-se no menor tempo possível para suspender (zarpar).” A partir daquele momento, começou uma frenética corrida contra o relógio para toda a tripulação deixar o navio com a melhor condição possível de funcionamento.

Na foto acima, vê-se o ARA San Luis em sua base, com o porta-aviões ARA 25 de Mayo aparecendo ao fundo
Na foto acima, vê-se o ARA San Luis em sua base, com o porta-aviões ARA 25 de Mayo aparecendo ao fundo

Os problemas antes de sair

Durante as provas de mar realizadas nas águas próximas à Base de Submarinos, foi descoberto o primeiro de uma série de problemas, quando verificou-se que o San Luis não poderia desenvolver velocidades em imersão superiores a 14,5 nós.

Uma inspeção mais detalhada do navio revelou que não só o casco e hélice estavam cobertos com incrustações de pequenos crustáceos conhecido como “cracas” ou “dentes de cachorro”, mas os tubos de refrigeração dos motores diesel também tinham sido atingidos. Isto fazia com que os motores parassem por superaquecimento, devido à falta de fluxo da água de refrigeração.

Como não havia tempo para pôr o navio na doca seca para limpar o casco – dada a urgência de zarpar –, Azcueta teve que recorrer aos alunos da escola de mergulho vizinha, para providenciaram respiradores de baixa profundidade do tipo “narguil” e realizarem a raspagem do casco “à mão”, em turnos rotativos de 8 horas de trabalho contínuo, “para livrar o casco daquelas pragas” .

Uma das causas do problema teve origem em 1974, com a construção do “paredão”, que separa o cais dos submarinos do cais civil de Mar del Plata.

Esta foi construída para impedir que a nova classe de submarino Type 209 colidisse contra o cais em períodos de mar grosso, permanecendo amarrados, uma má experiência que já havia sido experimentada com os velhos submersíveis tipo “Fleet” e os veteranos “Guppy”, mas que, graças ao seu design, tinham sido “estaqueados” no porto, o que permitia a imobilização do navio.

Embora louvável, a construção de um paredão gerou mudanças ecológicas com a falta de circulação de água do mar, o que favoreceu a formação de grandes colônias de cracas, que desde então fixaram-se aos submarinos atracados ao cais.

No ARA San Luis, dos quatro motores diesel, apenas três estavam funcionando, aumentando o tempo de recarregamento das baterias e a exposição do snorkel, tornando-o mais vulnerável às emissões dos radares de busca do inimigo.

Um submarino convencional usando o snorkel. Observar o rastro de fumaça e a esteira produzida pelos mastros

A avaria do motor nº 1 ocorreu no início de 1974, pouco depois da adesão à Força de Submarinos. Para repará-lo, seria necessário cortar o casco resistente, uma tecnologia que a Marinha Argentina não tinha na época.

O TF Somonte, chefe de propulsão da embarcação, em conjunto com a Direção de Material da Armada e do estaleiro de Tandanor, tinham conseguido “safar” o motor, utilizando-o até o final de 1978, quando decidiram mantê-lo fora de serviço por razões de segurança.

Para piorar ainda mais a situação, nem o comandante ou o chefe de armamento do submarino haviam tido acesso a um relatório de meados de dezembro 1981, que detalhou o resultado dos lançamentos de torpedos pelos submarinos da classe “Salta”, durante o período compreendido entre agosto e dezembro do mesmo ano, com especial ênfase sobre o desenrolar do exercício com torpedos SST-4.

O relatório mostrava que de todos os lançamentos realizados durante este período, apenas uma única vez o torpedo tinha concluído a corrida na forma prevista.

Uma escandalosa porcentagem de lançamentos foi errática, como resultado de várias fatores (por exemplo, rompimento no cabo de guiagem, inundação do torpedo, ruptura do cinto, etc), sem que se pudesse identificar as causas que levaram ao mau funcionamento da arma.

O relatório em questão tinha sido divulgado pelo gabinete do Comandante da Flota del Mar, escalão de que dependia a Força de Submarinos, sem ter conseguido reverter a situação. Como veremos mais tarde, as verdadeiras causas do problema só viriam à luz após o conflito.

Apesar destas limitações graves, Azcueta fortemente pressionado pelo contexto político/militar em que vivia, informou ser capaz de fazer-se ao mar no dia 11 de abril.

O submarino zarpou no final da tarde, com os seus minúsculos compartimentos abarrotados de alimentação e água para uma prolongada patrulha de guerra, com 10 torpedos SST-4 antisuperfície, de fabricação alemã e 14 torpedos antissubmarino MK-37 Mod 3, americanos.

Suas regras de engajamento vedavam, até aquele momento, qualquer confronto com as unidades inimigas, uma vez que se considerava que uma ação ofensiva iria comprometer as negociações que estavam em curso nas Nações Unidas.

O trânsito para a área de operações nas Malvinas foi aproveitado para concluir algumas pequenas reparações e prosseguir com o treinamento do pessoal na utilização do sonar passivo, do qual dependeria de agora em diante, a sobrevivência do submarino, tendo este último que operar dentro de uma área marítima inteiramente controlada pelo inimigo.

Em 17 de abril, o ARA San Luis chegou com segurança em seu “santuário fixo” ou área de espera, designado com o nome código de “Enriqueta”.

‘Em desvantagem desde o começo’

u209-salta-class

Seu “santuário fixo” ou área de espera, designado com o nome código de “Enriqueta”, era localizado a cerca de 130 milhas ao norte da zona de exclusão estabelecida pelos britânicos em torno das ilhas.

Dois dias depois de sua chegada ao “santuário fixo”, enquanto permanecia naquela estação, ocorreu uma avaria no computador de direção de tiro VM8-24. Apesar dos esforços da tripulação, não havia como reparar o computador com os recursos disponíveis a bordo.

A dotação do navio incluía dois cabos especializados em direção de tiro, que também tinham o dever de reparar o sistema em caso de avaria. Esta função era anteriormente ocupada por suboficiais experientes, mas em abril de 1982 só havia disponível pessoal muito mais novo, sem capacitação para reparar o sistema, além de trocar placas de circuito impresso.

A consequência imediata desta grave limitação na utilização do sistema de armas foi que a partir dali, os disparos de torpedos seriam feitos com cálculos manuais, com o submarino sendo capaz de controlar apenas um torpedo de cada vez, ao invés de três que o sistema permitia quando funcionava normalmente.

Com o computador avariado, o submarino operaria em “emergência”, o que doutrinariamente servia apenas para auto-defesa, dada a baixa probabilidade de gerar impactos.

Paralelamente aos esforços levados a cabo a bordo para tentar restaurar o sistema, autoridades navais no continente fizeram uma consulta ao Chefe do Arsenal, em River Plate (CF Edgardo P. Meric), para buscar assessoria técnica. Mas isso exigiria que o ARA San Luis enviasse por rádio longas mensagens que o sistema apresentava, para que os técnicos em terra pudessem diagnosticar o problema.

A mera possibilidade de que o submarino pudesse revelar sua presença na área de operações através destas mensagens fez com que a ideia fosse imediatamente rejeitada.

Dada a impossibilidade de consertar o computador, o comandante Azcueta enviou uma mensagem urgente para o COFUERSUB, colocando o Alto-Comando a par da situação e solicitando instruções.

Contra todas as probabilidades previsíveis, foi ordenado que o San Luis deveria ficar onde estava até novo aviso, porque eles achavam [indevidamente] que o inimigo poderia perceber sua ausência do teatro se o navio fosse reparado.

No final do conflito, vários submarinistas consultados expressaram que os danos poderiam ter sido reparados em Puerto Madryn, simplesmente transferindo para bordo o pessoal técnico e as peças exigidas.

Em retrospectiva, essa ideia parece ter tido boas perspectivas de sucesso naquele momento [19 abril], pois apenas um pequeno número de submarinos nucleares operava a oeste das Falklands e as unidades de superfície ainda não tinham chegado na área de operações [chegaram em 22 abril], de modo que a capacidade anti-submarino do inimigo na área focal de Puerto Madryn era inóqua.

Enquanto o San Luis prosseguia na sua rota para o sul, demandando sua área de operações, os rebocadores Tehulche e Querandí sob comando do Teniente de Navío Araujo (então imediato do Aviso ARA Irigoyen) foram enviados de Puerto Belgrano, com o objetivo de escoltar o submarino ARA Santiago del Estero (foto abaixo), um Guppy IA que havia sido desativado em 1981, em trânsito de volta para o porto, com a intenção deliberada de confundir o inimigo sobre o seu real estado de funcionamento.

ARA Santiago del Estero
ARA Santiago del Estero

Para assegurar toda a operação, foi decidido que os rebocadores deveriam chegar ao porto de Mar del Plata após 19h, em 22 abril, devendo zarpar novamente em 72 horas. Não houve necessidade de esperar tanto tempo.

Apenas cinco horas mais tarde, às 00h20 exatamente, o submarino ARA Santiago del Estero começou a navegar na superfície rumo a Puerto Belgrano, com seus próprios motores, mas incapaz de mergulhar.

A operação de traslado para a principal base naval da Argentina foi realizada sem problemas e com toda a pressa, para tirar vantagem das condições meteorológicas favoráveis.

O submarino chegou ao seu destino com segurança no dia seguinte à noite, onde foi cuidadosamente escondido entre dois grandes navios mercantes que se reabasteciam, convenientemente escondido para não ser visto por satélites ou aviões.

O ardil foi bem sucedido, a julgar pelas entrevistas dadas pelo pessoal inimigo capturado na Geórgia do Sul. Os britânicos estavam muito preocupados em saber o paradeiro do gêmeo do ARA Santa Fe.

Na área de operações

Faltando poucas milhas para entrar na área de patrulha, um forte barulho de batida foi ouvido no “espaço livre de circulação”, ou seja, no espaço entre o convés e casco de  resistência, que é completamente inundado em imersão. O comandante Azcueta decidiu então emergir rapidamente antes do pôr do sol, para investigar a origem do ruído, uma vez que estes aumentam a indiscrição do navio.

O mistério foi revelado logo ao emergir: uma pistola de solda que algum operário desavisado tinha esquecido na rápida preparação do navio. O movimento do submarino fazia com que a ferramenta batesse continuamente contra o casco, dando a impressão de que era algo muito mais grave.

Também foi detectado que havia se soltado uma tampa de acesso a uma válvula, que foi prontamente consertada. Toda a operação não levou mais de 15 minutos, depois retomou-se a navegação com segurança.

ara-san-luis-areas-de-patrulha

No final de 28 de abril, às 8h, o ARA San Luis entrou furtivamente em sua área de patrulha, nome código “Maria”, ao norte da Ilha Soledad, muito próximo à costa. No dia seguinte, como consequência direta do ataque surpresa britânico a Grytviken, no sul da Geórgia, se levantaram as restrições à utilização de armas.

Se o comandante Azcueta tinha alguma dúvida sobre a existência ou ausência de atividade inimiga na área, esta foi dissipada em torno de 09h40 de 1º de maio, quando seu sonar detectou um ruído imediatamente classificado como um “escolta Type 21 ou 22”, “baseado no ritmo de suas hélices e emissão do seu sonar tipo 184”. O alvo operava com helicóptero e navegava a 18 nós.

Azcueta então ordenou postos de combate e aumentou a velocidade ao máximo, para encurtar a distância do alvo: 13.000, 12.000, 11.000, 10.000m, içou o periscópio brevemente, mas uma espessa neblina o impediu de ver alguma coisa.

Quando o alvo estava a uma distância inferior a 9.500 metros, Azcueta ordenou o lançamento do seu primeiro torpedo SST-4, o primeiro lançado pela Armada Argentina em tempo de guerra, parando as máquinas no último momento para facilitar a guiagem manual do torpedo.

Eram 10h15. Dois minutos após o lançamento foi recebido o sinal “cabo cortado” e nenhuma evidência de que o alvo tinha sido atingido. Quase imediatamente o submarino começou as manobras evasivas, antecipando um possível contra-ataque inimigo, mas ele nunca aconteceu. Aparentemente, os ingleses nunca souberam de sua presença.

Para economizar combustível e evitar ser detectado por helicópteros anti-submarino que estavam operando nessa área, o San Luis pousou no leito marinho em torno das 16h25 e lá permaneceu nas cinco horas seguintes.

Quase todos os dias foram obrigados a jogar gato e rato com os navios de superfície e helicópteros anti-submarino britânicos que se movimentavam através da área, tendo que repetidamente interromper abruptamente a recarga das baterias, por causa dos contatos hidrofônicos constantes mantidos com o inimigo.

Mais problemas

ara_salta-irmao-do-ara-san-luis
ARA Salta, irmão do ARA San Luis

Em 4 de maio, outro revés operacional atingiu o San Luis: um de seus dois conversores de 400 Hz ficou inesperadamente indisponível.

Sem um dos seus conversores, o submarino ficou ainda mais limitado, impedido de operar plenamente os seus equipamentos mais essenciais, como sonar, radar, os emissores, a agulha giroscópica, e o próprio sistema de armas.

Com mais este problema, além de outras falhas, que a tripulação teve de reparar precariamente, com os poucos elementos disponíveis a bordo do submarino, tornou muito mais arriscada a operação, apesar do moral da tripulação e a disposição do comandante de continuar lutando não diminuírem em nada.

Naquele mesmo dia, dois jatos Super Étendard pertencentes à Segunda Escuadrilla Aeronaval de Caza y Ataque foram vetorados por um antigo bimotor P-2H NEPTUNE, até um grupo de alvos que navegavam a 100 milhas ao sul de Puerto Argentino, em missão de “piquete-radar”. Por volta de 11h05, os aviões argentinos dispararam mísseis Exocet AM39 simultaneamente, para alcançar o destróier Type 42 HMS Sheffield, de 3.660 toneladas.

No primeiro momento os britânicos acreditaram terem sofrido um ataque de torpedos, mas um voo de reconhecimento realizado dez minutos depois do ataque revelou um enorme buraco de 3 metros de diâmetro acima da linha d’água, a boreste do navio, que só poderia ter vindo de míssil ar-superfície.

O ataque não só mostrou que o grupo de batalha britânico estava vulnerável à aviação argentina, como provocou pânico nos altos comandos militares ingleses, por mostrar a possibilidade de perder-se um dos seus dois valiosos porta-aviões, o que até então era considerado impensável.

O submarino ARA San Luis recebeu o relato sobre o  HMS Sheffield às 21h14 [hora argentina] e recebeu ordens de ir à toda velocidade para a última posição conhecida do navio inimigo, a fim de confirmar o afundamento dele e obter alvos de oportunidade. Inexplicavelmente esta ordem foi revogada em poucas horas, permanecendo o San Luis na zona de operações.

O primeiro tenente Maegli, responsável pelas comunicações, segurando o periscópio, posa ao lado do capitão da fragata Fernando Azcueta, comandante de ARA San Luis

Novos alvos

Quatro dias mais tarde, os sensores acústicos captaram outro alvo, desta vez no setor de popa do submarino, com todas as características de um contato inteligente e, portanto, hostil.

Um tripulante relatou: “Nós sentimos muito perto do casco acima da popa, embora não possa garantir que não era um torpedo”. De qualquer maneira, o comandante ordenou imediatamente manobras evasivas e lançamento de engodos (chamarizes) para evitar a ameaça iminente.

No dia 8 de maio, às 21h42, um alvo foi detectado a uma curta distância e o comandante Azcueta decidiu lançar um torpedo MK.37, a uma distância inferior a 2.500 metros. A explosão ocorreu 16 minutos após o lançamento, mas não foi possível especificar o seu resultado.

Esta ação despertou depois da guerra, críticas injustificadas daqueles que eram encarregados de avaliar as ações de combate, sem levar em conta a experiência mínima disponível da “Força de Submarinos” na classificação de alvos pois, na esmagadora maioria dos casos, os navios modernos da Armada não eram aproveitados para o treinamento dos submarinos, relegando a estes apenas o treinamento de combate submarino versus submarino.

A terceira oportunidade de ataque surgiu ao amanhecer do dia 11 de maio, quando se obteve um novo contato hidrofônico de dois alvos de superfície que navegavam próximo à boca do Estreito de San Carlos. O destino tinha colocado o San Luis entre os dois navios inimigos, numa ótima posição para um ataque com torpedos.

Na superfície reinava uma escuridão total, impossibilitando a visualização das embarcações através de periscópio. O comandante Azcueta decidiu primeiro atacar o alvo localizado mais ao sul, uma vez que era menor a probabilidade de erro na estimativa da direção e da distância.

Por volta de 01h40, a uma distância de 8.000m, ordenou lançamento a partir do tubo nº 1, mas com falha deste, teve que lançar com o nº 8, com a distância do alvo já reduzida para 5.200 metros. Após 3 minutos de corrida do torpedo, o sinal luminoso de “cabo cortado” foi recebido no console de direção de tiro.

O San Luis então se dispôs imediatamente a atacar o segundo alvo, localizado um pouco mais a norte, mas desta vez o alvo deixou o local em alta velocidade e Azcueta decidiu abortar o lançamento.

Pouco depois da operação, o comandante enviou uma mensagem para a COFUERSUB dando conta do seu ataque frustrado e sobre o comportamento errático do último torpedo. Apesar de ter excelentes informações do alvo e uma posição para fazer o disparo, concluiu que “o sistema de armas não era confiável “.

Esta mensagem finalmente convenceu o Alto-Comando naval argentino que o San Luis tinha que voltar para casa.

Para evitar a interferência com outras unidades que estavam operando em águas próximas da costa Argentina, foi feita uma rota direta para o extremo sudeste da área de treinamento de submarinos em frente a Mar del Plata e a partir dali, tomou-se uma rota costeira para o acesso ao canal da Base Naval de Puerto Belgrano.

Na noite de 19 de maio, o ARA San Luis regressava à sua base, depois de 39 dias de patrulha e 864 horas de imersão. Após algumas horas depois de atracado, seu segundo conversor de 400 Hz também ficou completamente fora de serviço.

O ARA San Luis em 2011 no complexo Almirante Storni, que inclui o estaleiro Tandanor – foto JC Cicalesi-S Rivas

Uma arma formidável, quando funciona

No dia seguinte, o pessoal de tiro e controle de armas do Arsenal Naval de Mar del Plata começou a consertar o computador VM8-24 que estava fora de serviço. Mas ele foi realmente responsável pelo comportamento errático dos torpedos?

Com o objetivo de encontrar uma resposta a essa pergunta e, em 15 de maio de 1982, antes da chegada de San Luis a Puerto Belgrano, uma comissão especial foi presidida pelo capitão da fragata ROBERTO F. SALINAS e quatro outros oficiais – três dos quais qualificados como engenheiros de armas e um submarinista para determinar as possíveis causas dos cortes no fio guia do torpedo.

No entanto, a falta de informações sobre falhas nos lançamentos e os meios técnicos adequados para diagnosticar o problema condenaram seus esforços ao fracasso desde o início.

Somente em uma segunda investigação, realizada após o término do conflito, que exigiu cerca de 60 dias com o apoio indispensável das oficinas correspondentes que os verdadeiros sintomas do problema vieram à tona e puderam ser devidamente corrigidos. Os detalhes da investigação permanecem, até hoje, no segredo mais absoluto, embora se saiba que foram os próprios engenheiros de armas argentinos que resolveram o enigma sem nenhuma ajuda externa.

Em maio de 1982, o Alto Comando Naval da Argentina perdeu a fé em seus torpedos depois de saber do fraco desempenho do lote de 10 torpedos SST-4 embarcados no ARA San Luis. No entanto, a Marinha procurou, por todos os meios imagináveis, reverter o problema a curto prazo através de seus próprios técnicos e engenheiros, usando o ARA Salta como um banco de testes desde que a União Europeia, incluindo a Alemanha Federal, principal fornecedor de torpedos argentinos, apoiou o Reino Unido, que proibia qualquer tipo de ajuda externa.

Os torpedos fornecidos ao San Luis durante sua única patrulha de guerra eram nada menos que os novos e modernos torpedos guiados a fio SST-4 (versão “para exportação” do torpedo “Seaschlang” usado pela Marinha Alemã) fabricados pela AEG-TELEFUNKEN, uma das empresas de maior prestígio no mundo, mas assim que chegaram à Argentina, constatou-se que eles apresentavam várias falhas de projeto que, embora fossem posteriormente corrigidas por seus fabricantes, na prática, essas melhorias não chegaram a ser incorporadas aos torpedos locais por razões orçamentárias, as quais mais tarde trouxeram conseqüências graves durante o conflito.

Torpedos pesados em uso na América Latina em 2010

FONTE: El Snorkel

59
Deixe um comentário

avatar
19 Comment threads
40 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
31 Comment authors
carvalho2008Dr. MundicofarragutCarlos Eduardo CostaParabellum Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Pedro
Visitante
Pedro

Não entendo até hoje, por que torpedos atuais, que são dotados de tecnologia de ponta, necessitam ainda, após o lançamento, estarem ligados ao submarino via cabo/filamento! Alguém poderia explicar isso? Abraços

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Porque transmissões via rádio ( e outros tipos de transmissão ) não funcionam debaixo d’agua.

Guacamole
Visitante
Guacamole

O que faz o torpedo procurar o alvo é seu sonar passivo que corrige a direção do torpedo toda vez que detecta som que seu banco de dados interpreta como alvo. Mas ele funciona melhor perto pois tem um número bem menor de hidrofones (dado o tamanho do torpedo) do que o submarino. Logo, deixando conectado, o torpedo pode usar o sonar do submarino que é muito mais sensível pra achar o alvo. Uma vez que o cabo se solta (e consequentemente, ele está mais perto do alvo) os seus próprio hidrofones devem ser, em tese, o suficiente para encontrar… Read more »

Alexandre
Visitante
Alexandre

Além disso, enquanto está conectado pelo cabo, o submarino pode enviar comandos para o torpedo, podendo inclusive mudar de alvo ou desliga-lo. Depois que o cabo se rompe, o torpedo toma as próprias decisões.

Bardini
Visitante
Bardini

“O que faz o torpedo procurar o alvo é seu sonar passivo que corrige a direção do torpedo toda vez que detecta som que seu banco de dados interpreta como alvo.” . Olha, posso estar enganado, mas acho que torpedo não tem “banco de dados”, pra fazer triagem de alvo. Tem no sentido de classificar chamariz e contramedidas. Quem tem o banco de sons de navios, é o submarino pelo o que sei, que inclusive, realiza o travamento do alvo antes de cortar o cabo. . Se você cortar o cabo de um torpedo e ele for ludibriado por contramedidas… Read more »

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Exacto, daí também o perigo de um submarino ser abatido pelo seu próprio torpedo, em batalhas travadas a curtas distâncias tal é bastante possível, ser perseguido pelo próprio torpedo, que, em meio a manobras de evasão inimigas, pode, em busca novamente do contacto, dar meia volta e “trancar” na embarcação lançadora.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Agora Guacamole já se tem torpedos que já evoluíram tanto a ponto de não precisar mais de filamentos para se guia-los neh? Ou não? Alguém poderia dar uma luz mais técnica sobre o assunto? Ozawa talvez?

Guacamole
Visitante
Guacamole

Não, nem creio que irão tão cedo. O que faz o submarino detectar som são os hidrofones. Esse monde de hidrofone é que é qualificado como sonar passivo ( o ativo é aquele que gera o o “ping” que todo mundo conhece). Em suma, quanto mais hidrofones, melhor será qualidade de som que a embarcação detecta, e melhor será o seu alcance. Não vou aqui entrar em detalhes como água mais fria é mais difícil de detectar porque é mais compactada do que água quente. A questão aqui é só os hidrofones. De uma maneira tosca, quanto mais hidrofones, melhor.… Read more »

Edison Castro Durval
Visitante

Pedro, não tenho certeza, mas lembro que foi explicado que o comportamento das ondas de rádio debaixo d’água, força a necessidade do uso dos cabos quando se deseja usar um controle remoto ao mesmo.
E essa a razão que o submarino necessita de um cabo e antena para poder enviar mensagens via rádio.
Bem é isso que eu me lembro de um comentário sobre o assunto feito por aqui.

Lógico que posso estar errado.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Pontos importantes do texto: Os submarinistas argentinos tem coragem, e tiraram leite de pedra. O comandante do sub só soube que começou uma guerra pela TV, demorou 24h pra ser recebido pelo alto comando, e ele que se virasse em deixar o sub pronto pra uma guerra no qual ele não estava preparado. O sub tinha mais problemas do que carro velho. Foi um verdadeiro milagre eles não terem sido afundados pelos britânicos. Mostra o quanto é importante que um país tenha capacidade de fazer a manutenção de seus próprios subs. Esse texto é mais uma prova do nível de… Read more »

Carlos
Visitante
Carlos

Basicamente a Argentina deu uma aula de “como não fazer uma guerra” durante o conflito

ednardo curisco
Visitante
ednardo curisco

Os tripulantes foram tremendamente corajosos e patriotas.

O almirantado hermano merecia receber chicotadas em praça pública diariamente durante uns 30 anos.

Gordo
Visitante
Gordo

Esse punição mais primitiva não foi aplicada, felizmente, mas as FA Argentinas pagam até hoje o preço não só dessa aventura como também pelo período de governo que fizeram. Ocorreram varias condenações e alem disso cortes de verba e reestruturação nas academias, foi uma resposta violenta da sociedade argentina ao que foi um governo também violento. Me lembro de ter lido que ocorreu até roubo de obras de arte por parte da junta militar, além de sequestros de outros bens.
Na minha opinião FA devem se manter afastadas de atividades politicas, já que gozam de grande credibilidade junto a sociedade cívil.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

“Essa punição mais primitiva não foi aplicada, felizmente”
Com todo o respeito, mas discordo.
Pelo que junta militar argentina fez contra o próprio povo, e por terem metido o país numa guerra irresponsável no qual eles não se recuperaram até hoje, TODA a junta militar argentina deveria ter sido enforcada em praça pública.

Gordo
Visitante
Gordo

Entendo o que diz, mas eu penso que num contexto de nação uma punição dessas não faria bem já que o risco de algo assim se tornar uma escalada é grande. As FA até hoje pagam um preço alto junto a sociedade Argentina e isso sem contar que os comandantes viram em vida todo o processo de punição, sofrendo a humilhação merecida.

ednardo curisco
Visitante
ednardo curisco

Gostei muito da sua mensagem.

Apesar da expressão das chicotadas, também sou contra pena de morte e castigos físicos. de outras vezes vou escrever mais corretamente. Então fiquemos com uns 30 anos de prisão sem direito a recurso.

De fato se algo assim fosse feito haveria uma crise ainda maior com os hermanos.

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Parabéns pelo relato e reportagens.

Esteves
Visitante
Esteves

“…constatou-se que eles apresentavam várias falhas de projeto que, embora fossem posteriormente corrigidas por seus fabricantes, na prática, essas melhorias não chegaram a ser incorporadas aos torpedos locais por razões orçamentárias, as quais mais tarde trouxeram conseqüências graves durante o conflito.”

Venderam aos argentinos torpedos que não funcionaram. Os argentinos descobriram. Os fabricantes venderam ou tentaram vender o recall dos torpedos. Os argentinos que não estavam em guerra deixaram pra lá.

Quando a guerra chegou fizeram de conta que os torpedos explodiriam, que os computadores funcionariam, que as máquinas trabalhariam sem cessar. E que bastava ter coragem.

Alguns fizeram muitos de trouxas.

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Pois é … E nós que compramos 50 kombis que male male funcionam e deixamos por isso mesmo … mas os los Hermanos que são lesados e nós os espertos e mais inteligentes.

Kkkkk.

Tentaram vender o recall das kombis e também não estamos em guerra.

Kkkk 2!

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro GVM. Tenho a impressão que o problema foi a Argentina provocar uma guerra sabendo das condições precárias de suas forças armadas (se o comando das forças armadas desconheciam a situação, então é mais grave).

Esteves
Visitante
Esteves

Sabiam que o submarino não era 100% operacional com problemas na propulsão, nas armas, no casco, na elétrica. Sabiam e mandaram ir.

Ditaduras. Sempre tem alguém pagando a conta.

Renan
Visitante
Renan

Editores obrigado pela reportagem

Muito boa.

Parabéns aos argentinos.

Eu vejo o Brasil com os problemas similares.

Lógico nossa marinha deve saber de cada detalhe e cuidar para que isso não se repita.

Mas nossos governantes não sabem e se caso nossa política falhar podemos ir a guerra em condições similares.

Portanto tenho fé que nossos 5 atuais submarinos iram ressurgir da cinzas e com manutenção em dia ou mesmos modernizados.

Acho está a melhor arma que temos se conseguir colocar os 5 submarinos alemães mais os 4+1 franceses no mar em condições de combate.

Podemos ter uma força de respeito no Atlântico Sul.

Bardini
Visitante
Bardini

Pra se ter uma ideia das capacidades que os sonares passivos de profundidade variável acrescentaram a missão ASW, hoje uma Type-23 conseguiria cobrir com folga toda aquela região de patrulha ” Maria”. Sem contar que ainda teria o sonar de casco e um Merlin voando equipado com FLASH…

José Luiz
Visitante
José Luiz

Salvo engano os nossos novos Oberon que eram os melhores da Esquadra também estavam inoperantes na época. Mas tínhamos os Guppy também.

carvalho2008
Membro
Famed Member
carvalho2008

A Forsub da época contava com 9 submarinos brasileiros.

Ao menos entre 3 a 5 deles estariam plenamente operacionais.

Os Argentinos tinham o Exocet.

Mas nós tinhamos os Subs em bem maior quantidade.

Dalton
Visitante
Dalton

Em 1982 eram 8 unidades, os 3 “Oberon” e 5 “”Guppy” dos quais apenas 2
eram “Guppy III” ligeiramente mais capazes que os “Guppy II”.

Santiago
Visitante
Santiago

Então, de 1982 pós Guerra das Malvinas, não mudou nada na MB. Dos 4 sub IKL alemães só um está operacional, o próprio Tupi S-30 que inclusive participou de um exercício de Defesa anti aérea recentemente com o PHM A-140 Atlântico antes de partir para o Nordeste para a operação Mar Limpo. O S-34 Tikuna, o mais novo também está em manutenção. E segue o jogo.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Santiago. A MB está na iminência de colocar 4 submarinos novos em operação. Desconheço qualquer intenção do governo brasileiro de iniciar uma guerra (apesar de saber que de onde menos se espera é de onde não sai nada). No atual contexto, tenho a impressão que faz sentido priorizar os SBR.

Santiago
Visitante
Santiago

Caro Camargoer,

Cadê o estado de prontidão? No mínimo, era prá ter pelo menos 2 sub operacional. Os últimos 4 submarinos tem menos de 25 anos de uso,teria pela frente mais uns 10/15 anos de vida útil ainda. Submarinos são armas caras , estratégicas e de dissuasão. Lá na frente vão fazer a mesma coisa com os Sbr em detrimento de uma nova arma mais cara.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Santiago. Concordo com você que a MB errou no plano/cronograma de manutenção dos IKL em relação ao comissionamento dos SBR. Talvez o PN pudesse perguntar ao comando da MB alguma coisa sobre esse cronograma. Talvez o descompasso entre os IKL e os SBR ocorreu devido o atraso no SBR, mas isso é apenas um chute. Eu não sei o que aconteceu, mas também fiquei surpreso quando soube por aqui que apenas um IKL estava operacional. Contudo, acho que seria um erro tentar resolver esse problema acelerando a manutenção dos IKL. O certo seria acelerar no que for possível a… Read more »

Luiz Floriano Alves
Visitante

Só a experiencia de combate faz uma marinha de respeito. Por mais simulador e estudo teórico, nada com atirar com raiva e saber que também pode ser atingido. Então vão cuidar bem dos equipamentos, eis que suas vidas estão em jogo. Vi navios de guera ingleses com meninos dando ordens a marmanjos. Um oficial me explicou que eram alunos das escolas navais praticando nos navios. Fiquei imaginando isso no nosso Brasil. Nunca vai acontecer.Salvo naqueles passeios ao redor do mundo, no final do curso. Um menino daqueles ao chegar a um comando não zarpará sem condições técnicas. E saberá lidar… Read more »

Veiga 104
Visitante
Veiga 104

Parabéns pela reportagem. Gosto muito do assunto

GFC_RJ
Visitante
GFC_RJ

Excelente matéria. Obrigado por disponibilizarem!

Ozawa
Visitante
Ozawa

Operações submarinas sempre rendem grandes histórias, em livros, em filmes, ou outras publicações, pois são, literalmente, narrativas submetidas à alta pressão dos fatos. A lamentar o aspecto político/militar daquele contexto portenho, se confundindo na mesma estrutura da burocracia administrativa, porquanto anti-democrática, o que levou à decisões diversionistas e desastrosas, como outros regimes autoritários do passado e daquele presente. Tal fato, nada obstante, não desabona a conduta profissional das tripulações submarinas envolvidas nesse episódio e que fortuitamente veio à tona, existindo certamente muitas outras nesse mesmo conflito que ficarão para sempre submersas na história. Ao Brasil, mais uma vez resta, sem… Read more »

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Beleza porém Ozawa ainda continuo sem entender porque os nossos submarinos não tem renovação de ar interna. Salvo engano no nuclear vai ter. E porque também não obtivemos e deixaremos de armar nossos submarinos com misseis de cruzeiro. Se é para ter uma arma de dissuasão completa já que não podemos ter armas nucleares por constituição federal. Vejo muito dinheiro empregado para pouco emprego.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Luiz. O sistema AIP (baseado em célula combustivel) é caro de instalar e caro de manter (muito mais caro que trocar as baterias chumbo-ácido periodicamente). Além disso, desconheço alguma empresa brasileira que produza ou seja capacitada para dar manutenção em células combustível na escala das usadas em submarinos. Uma coisa é montar uma célula combustível pequenina para operar em terra. Eu já montei uma (mequetrefe, ineficiente, pequenina e falhava de vez em quando) que jamais poderia ser colocada em um submarino. Por outro lado, um sistema nuclear gera energia suficiente para recarregar as baterias, suprir os sistemas, geral água… Read more »

GFC_RJ
Visitante
GFC_RJ

Caro, Camargoer, “O sistema AIP (baseado em célula combustivel) é caro de instalar e caro de manter (muito mais caro que trocar as baterias chumbo-ácido periodicamente)”. Sim. “desconheço alguma empresa brasileira que produza ou seja capacitada para dar manutenção em células combustível na escala das usadas em submarinos”. Não penso que seria esse o impeditivo. O TOT serve justamente para isso, apesar que não creio que franceses, nossos fornecedores, dominem tal tecnologia. “A MB está a um passo de homologar esse reator. Os dois sistemas são excludentes. Quem investe em AIP abriu mão de um sistema nuclear. Quem investe em… Read more »

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá GFC. Concordo com você sobre a TOT. Acho que teria que ser fundada uma empresa (talvez ligada à MB) para receber a tecnologia de manutenção das grandes células combustível (acho que nem seria o caso de fabrica-las aqui). Acho que uma frota mista de convencionais e nucleares é uma solução para as grandes marinhas ampliarem suas frotas (China tem 18 nucleares e 58 convencionais, Russia tem 39 nucleares e 22 convencionais, Coreia do Norte tem 72 convencionais, India tem 2 nucleares e 15 convencionais, etc) a um custo inferior da USN (70 submarinos nucleares). Considerando o investimento e que… Read more »

GFC_RJ
Visitante
GFC_RJ

Quem pesquisa há mais tempo, pode me informar melhor. Mas creio que deve ser raríssimo sub convencionais lançando mísseis de cruzeiro. Acho que Israel estava pra construir um, mas a geografia, os vizinhos e a realidade lá são bem outras. Eu vejo os sub convencionais servindo essencialmente para negação uso do mar em guerra litorânea, isto é, defensiva. Já os mísseis de cruzeiro servem para projeção do mar em terra, numa ação essencialmente ofensiva. Portanto, não vejo o menor sentido em mísseis de cruzeiro nos SBR. Já nos SNBR a brincadeira muda porque a “defesa passa a marcar lá na… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

GFC…
.
talvez não tenha compreendido bem o que você expôs, mas, submarinos, convencionais ou nucleares, podem lançar mísseis de cruzeiro via silos verticais ou tubos de torpedos, depende do modelo, não precisa ser um SSBN para ter silos verticais.
.
No mais concordo, até porque um “Scorpene” pode embarcar no máximo 18 armas a maioria das quais sempre será o torpedo restando pouco espaço para mísseis sendo que será dada preferência para um míssil anti navio como o “Exocet”.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Acho que a Coreia do Norte tem submarinos convencionais para lançar mísseis balísticos.

Gilbert
Visitante
Gilbert

Mas que porcaria esses torpedos em !!

Paulotd
Visitante
Paulotd

Eu li um artigo mais completo não lembro onde sobre as memórias do capitão Azcueta. Pelo que lembro a conclusão era que o giroscópio do torpedo estava sendo montado com os fios em polaridade invertida, e por isso o torpedo ficava “maluco”. Se tivessem montado certo mais uma fragata inglesa teria sido afundada, fora o impacto que isso ia causar na frota inglesa.

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

Uma não, umas 4….

Camargoer
Visitante
Camargoer

Ola Colegas. O Cel.Nery recomendou uma vez o relatório Rattenbach sobre as responsabilidades do comando militar argentina na derrota. Ele foi mantido secreto até ser liberado pela C.Kitchner. Como é extenso, existe um documentário da TV argentina sobre o relatório. A incompetência do comando argentino é assustadora. A preparação foi toda improvisada, faltou coordenação entre as forças, a infantaria usada estava mal aparelhada, mal treinada e desabastecida (passo fome, frio e faltou munição). Gen. Galtiere foi condenado a 12 anos de prisão por sua (in)responsabilidade. Parabéns aos submarinistas argentinos. Também é importante lembrarmos que o Pres.Figueiredo alertou o Pres.Regan (próximo… Read more »

ednardo curisco
Visitante
ednardo curisco

Recomendo muito esse livro: “A Guerra Que Foi Possivel Pelas Falklands/Malvinas”, por Cesar Augusto Nicodemus De Souza (Autor) Militarmente eles conseguiram errar tanto que qualquer jogador de Age of Empires ficaria rôxo de vergonha. Mas o erro maior ainda foi diplomático. Os hermanos estavam crentes que: Inglaterra deixaria para lá; que na ONU a turma iria apoiar seus pleitos e bancar uma paz ou dar razão a ela. No livro ele conta que a Argentina nunca se alinhou a bloco algum, só jogava a seu favor, e achou que na hora da guerra os países em desenvolvimento e os não… Read more »

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Curioso. Obrigado pela sugestão. Já está na lista para a próxima compra (quanto mais livros mais dilui o frete).

Parabellum
Visitante
Parabellum

O autor é Gen Bda R/1.

farragut
Visitante
farragut

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Faragut. Exato. O documentário que .mencionei era esse mesmo. Obrigado por compsrtilhs-lo qui no PN. um forte e grato abraco

Jacinto
Visitante
Jacinto

Não existia uma versão de que os cabos dos torpedos argentinos foram conectados de forma incorreta?

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Quanto a foto de um submarino convencional snorqueando soltando fumaça e tal, antes que alguem critique. E um submarino antigo e em situação de combate real, ele dificilmente faria isso á luz do dia o que dificulta a localização visual.
O modernos o escapamento de fumaça e submerso para diminuir o sinal infravermelho.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Doenitz com centenas de submarinos não dobrou a RNavy. O que levou os argies a pensar que um misero submarino faria diferença na determinação de Tatcher?

Dalton
Visitante
Dalton

A Alemanha nunca teve “centenas” de submarinos no mar ao mesmo tempo, e não fosse a entrada dos EUA na guerra a situação do Reino Unido teria ficado muito pior do que ficou durante um período onde os submarinos alemães chegaram a preocupar. . Mas, o que levou os argentinos a subestimar os britânicos foi a distância, pois não seria fácil, como não foi, reunir em pouco tempo uma força naval adequada para uma retomada das ilhas com toda a logística envolvida para suprir os navios tão distantes de suas bases. . E a maior preocupação dos britânicos era a… Read more »

ednardo curisco
Visitante
ednardo curisco

1 único submarino nuclear inglês colocou toda a esquadra hermana no porto.

(na verdade, eram 4. mas o afundamento do Belgrano fez a esquadra argentina recuar)

2 capengas submarinos convencionais argentinos apavoraram a esquadra inglesa. e eles só não afundaram navios ingleses devido às péssimas condições de navegação e sistemas de armas.

Dalton
Visitante
Dalton

ednardo…provavelmente foi um lapso de sua parte, mas, foram 5 os SSNs enviados, “Valiant”, Conqueror”, Courageous”, “spartan” e “Splendid”.
.
Em 1982 a Royal Navy tinha 11 SSNs e pelo menos o mesmo número de
convencionais tipo “Oberon”, um dos quais o “Onyx” também foi enviado para o Atlântico Sul, os demais em manutenção patrulhas/exercícios com a OTAN.

ednardo curisco
Visitante
ednardo curisco

Grato mais uma vez! a ideia era dizer que havia 4 (agora me corrijo para 5) submarinos nucleares na zona. Se os hermanos tivessem mantido a esquadra teriam perdido muitos mais navios.

Carlos Eduardo Costa
Visitante
Carlos Eduardo Costa

Os torpedos apresentados no final da matéria são empregados por quais países?

Dr. Mundico
Visitante
Dr. Mundico

Admirável a bravura e abnegação dos marinheiros argentinos, mas sejamos francos, é uma história de privações, despreparos e êrros. Uma epopéia de fracassos patrocinada por incompetência e irresponsabilidade, para dizer o mínimo.
Máquinas avariadas, sistemas desatualizados, armas antiquadas, torpedos defeituosos, tripulação sem treinamento, comunicações deficientes…enfim, tudo que NÃO se deve ter ou fazer para lançar um barco numa guerra.
Ou então a melhor maneira de se matar soldados inutilmente.