Home Marinha do Brasil Quantidades de mísseis da Marinha do Brasil nas décadas de 80/90

Quantidades de mísseis da Marinha do Brasil nas décadas de 80/90

13202
137
Mísseis Sea Skua de manejo em um helicóptero Super Lynx da MB
Na década de 80, foram feitas as seguintes aquisições:
Ikara 10 unidades em 1982 Recebidas em 1985
Sea Cat 49 unidades em 1985 Recebidas em 1985
Exocet MM40 12 unidades em 1984
24 unidades em 1987
Recebidas 12 em 1987/88
Recebidas 12 em 1990
Recebidas 12 em 1992
Exocet AM39 8 unidades em 1987 Recebidas em 1990
Sea Skua 16 unidades em 1987 Recebidas em 1988
ASROC 48 unidades em 1989 Recebidas em 16 em 1989
Recebidas 32 em 1991
Lançamento de míssil antissubmarino Ikara pela fragata União
LANÇAMENTOS DE EXERCÍCIO EFETUADOS NA DÉCADA DE 1980
1985 1986 1987 1988 1989
Exocet
Ikara 1 1 1 1 1
Sea Cat 12 9 13 8 11
Sea Skua 3
Lançamento de míssil Sea Skua contra o ex-Contratorpedeiro Santa Catarina - D32
Lançamento de míssil Sea Skua contra o ex-Contratorpedeiro Santa Catarina – D32

Na década de 1990 foi feito o lançamento de um míssil Exocet MM40 por uma corveta classe “Inhaúma” e um Exocet AM39 por um helicóptero SH-3A Sea King.

SH-3A Sea King lançando Exocet AM39

FONTE: A evolução do Pensamento Estratégico Naval Brasileiro – meados de 70 até os dias atuais – Alte Armando A.F. Vidigal – Clube Naval

Fragata Liberal F43 lançando pela primeira vez um míssil MM38 Exocet

NOTA DO EDITOR: Observar que as quantidades de mísseis eram pequenas e não permitiam o devido treinamento das tripulações com munição real. Na década de 1990 e 2000, as quantidades não tiveram alteração significativa, a não ser a aquisição de diferentes tipos de mísseis.

137
Deixe um comentário

avatar
42 Comment threads
95 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
82 Comment authors
pedroCanarinhoMarcelo BaptistaF16 nutelaAlexandre Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Penúria…!

Matheus
Visitante
Matheus

Do que adianta ter centenas se nunca vai usar.

Flávio
Visitante
Flávio

Minha opinião é que adianta como dissuasão. Imagine, um dia precisar, e não ter…

Natal
Visitante
Natal

fala isso então para a argentina durante a guerra das malvinas, vai la fla a para eles que foi uma ótima ideia ter somente uns 20 misseis ante navio… porque essa sua logica e superrrrr certa pois por ela e bora logo desmanchar as forças armadas pois pra que militar se não ta tendo guerra ne?

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

20 ?!? eles tinham cinco (5) !!

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

O Natal é diferente os argentinos buscaram a guerra foram atrás… Nós não estamos buscando

Gasto militar não é investimento é despesa destrói a riqueza do país.
No Brasil temos milhares coisas mais importantes para gastar…sim sei que o diinheiro é mal administrado, mas isso é outra coisa.

Se devemos gastar sim, se sair do orçamento atual, pois orçamento temos, falta competência da gestão militar para administrar.

Flavio H.M.CO
Visitante
Flavio H.M.CO

Gasto militar é que nem plano de saúde vc tem mas prefere nunca ter que usar…. É um investimento, no caso de países com doutrina defensiva, que não pode ser medido a não ser que falhe, ou seja estoure uma guerra, dúvido entra em uma guerra só para saber da eficiência do setor de defesa…. A melhor defesa é aquela que nunca será usada…

pedro
Visitante
pedro

pensamento de colonia

Papan
Visitante
Papan

Eu também concordo com essa tese!

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Concordo, preciso ter e não precisar do que precisar e não ter….

Ádson
Visitante
Ádson

Uma pergunta responde sua pergunta: qual teria sido o resultado da guerra das Falklands se a Argentina tivesse uma centena de Exocet e não tão somente cinco?

Alison Lene
Visitante
Alison Lene

uma opinião tao estupida que sequer merece ser refutada… tem que nascer de novo vc pra ver se dar certo na proxima…

Glasquis7
Visitante

E vc cria doutrina como, com fotos dos misseis?

Alexandre
Visitante
Alexandre

Chileno, me diga qual a doutrina que a marinha do chile criou nos últimos anos, porque são raros os disparos de mísseis anti navio feitos pelo chile. Ao contrário, a Marinha do Brasil realiza todos os anos disparos com seus mísseis, seja penguin, exocet ou mesmo os tiros de certificação do MANSUP. É só olhar nas matérias aqui mesmo, no naval.

Glasquis7
Visitante

Acho a sua colocação ufanista. Primeiro que a ARCh. dificilmente publica seus lançamentos e se quer ter alguma ideia de doutrina da ARCh. Aliás apenas em 2017 fez público alguns lançamentos. Os equipamentos que as FFAA do Chile usam, normalmente são mantidos em sigilo. Só pra o senhor lembrar disso, desde 2011 que vc nega a existência de Misseis AIM 120 C7 na FACh pois vc não viu nenhuma foto mas, desde 2009 eles estão lá. Acredite, o Chile não negligencia seus sistemas de defesa, tem uma boa quantidade de misseis e com certeza tem doutrina acima da média da… Read more »

Alexandre
Visitante
Alexandre

A Arch não divulga seus lançamentos porque suas compras de mísseis são ridículas, e ainda não tem a minima capacidade de reformar os mísseis antigos, ou seja , perdem a validade sem manutenção!
Só pra lembrar, ainda não vimos mísseis AIM 120 C 7 na FACH!
E lembrando que vc tem tanta capacidade para fazer comentários militares que já disse pérolas absurdas como quando falou que o Brasil não tinha MBT!
Ou quando disse que os super tucanos não tinham capacidade de sobrevoar os Andes!
É por esse tipo de comentário absurdo que digo que vc não tem nenhuma credibilidade, simples assim.

Kelri
Visitante
Kelri

Melhor ter centenas e não usar do que precisar usar e não ter nem meia dúzia!

Diogo Luiz Bizatto
Visitante
Diogo Luiz Bizatto

Melhor ter e não precisar que precisar e não ter.

Renato B.
Visitante
Renato B.

Se os argentinos tivessem umas poucas dezenas de exocets as Falklands de hoje se chamariam Malvinas.

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

Não, nem assim isso aconteceria…

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

E se precisar?

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Ninguém vai invadir Brasil olha o desastre logístico disso…tá.bom assim…não precisa muito

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Não é uma questão de invasão. Nunca se sabe quando pode acontecer alguma situação em que sejam necessárias. De que adianta navios de guerra desarmados? Obtenção, manutenção e utilização de meios bélicos faz parte da dissuasão. Se não temos os meios, como podemos treinar as tripulações, saber os limites de emprego dos armamentos, etc.?

JuggerBR
Visitante
JuggerBR

Se ter misseis é desperdício, então porque ter Forças Armadas? Transforma os soldados em policiais e pronto…

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Olha assim os militares como polícias ao menos trabalhariam mais… não é de se ignorar isso

nonato
Visitante
nonato

Então, é só acabar com as forças armadas..

Ádson
Visitante
Ádson

Ao longo de nossa história tivemos três entreveros, guerra do Paraguai, uma questão com a Inglaterra que bastou D. PEDRO II mostrar para a poderosa Royal Nave a poderosa Marinha Imperial Brasileira que a questão foi resolvida e por último a guerra da lagosta. Já pensou se em qualquer um destes não tivéssemos um relativo poder militar?!

Marcos
Visitante
Marcos

A SIPRI (Stockholm International Peace Research Institute) mostra alguns valores diferentes

Qual é a fonte do Poder Naval? Seria interessante cruzar as fontes para fazer uma comparação

Ikara/SIPRI = 50 unidades compradas em 1972 e entregues entre os anos de 1976-1980
Sea Cat/SIPRI = 16 unidades compradas em 1966 e 550 unidades compradas em 1970
ExocetMM40/SIPRI = 80 unidades compradas em 1986 e entregues entre os anos de 1989-1991
ExocetAM39/SIPRI = 25 unidades compradas em 1989 e entregues no ano de 1991
Sea Skua/SIPRI = 40 unidades compradas em 1985 e entregues entre os anos de 1986-1987

Guilherme Poggio
Visitante
Guilherme Poggio

Marcos,

A fonte foi informada ao final do texto.

Glasquis7
Visitante

Pessoal, o SIPRI vale B… como fonte fidedigna de informações.

Camargoer
Visitante

Olá Gladis. Poder militar e informação classificada. Às vezes, a gente contorna isso fazendo estimativas indiretas. A gente pode ficar desconfiado até das informações vazadas pelos governos ou os relatórios das inteligências. Por outro lado, e possível comparar países e poder militar usando a mesma fonte, porque mesmo.imprecisos, foram organizados com os mesmos critérios. Eu teria mais cuidado ao comparar dados de diferentes fontes.

Glasquis7
Visitante

Olá Camargoer, Lembra da nossa discussão sobre orçamentos militares? Por aí vc pode ver como o SIPRI passa longe.

Camargoer
Visitante

Olá Glasquis. Foi um debate muito bom. Acho que até dá para usar os dados do SIPRi (ou de outras fontes) mas sempre lembrando do risco que é misturar dados de diferentes fontes. Sempre é possível entender um pouco o que acontece com o Brasil e com outros países usando esses dados, mas sempre com cuidado. Estou esperando sobrar um tempinho para eu retomar as contas militares do Chile (eu acho que US$ 1,8 bilhões por ano não fecha a conta).

colombelli
Visitante
colombelli

Marcos eu também costumo usar o sipri mas ali se encontra muitos numeros exagerados como por exemplo os misseis aéreos que teriamos adquirido pros caças da FAB (Derby). Outras vezes há coisas que não aparecem. Um exemplo pelo que me lembro são os M109 A5 do lote de 60. Creio que a fonte interna seja bem mais correta.

Alexandre
Visitante
Alexandre

colombelli,
O SIPRI é uma das fontes mais confiáveis sobre aquisição de armas no mundo, os M 109 A5(60 unidades) estão lá e os 36 M 109 A5 plus também.
Eventualmente pode ter alguma discrepância, mas é mínima.

Glasquis7
Visitante

Tão mínima que segundo o SIPRI, o Chile gasta em FA 1/6 do Orçamento do Brasil.

Vai entender. Tem gente que empurra qualquer mentira para ganhar no grito e alimentar a sua vaidade.

Alexandre
Visitante
Alexandre

O orçamento militar do chile é divulgado todos os anos e é bem parecido com o que é dito no SIPRI. Percebe-se que quem alimenta sua própria vaidade é vc chileno, criando argumentos falsos e mentiras. Vc agora está em outro nível da negação, quando desqualifica uma entidade como o SIPRI!

Ferreras
Visitante
Ferreras

Troque alguns modelos e esta pronto o inventário ataul.

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

E hoje, como estamos, alguém sabe? Estou até com medo da resposta.

Munhoz
Visitante
Munhoz

Temos muitos militares e poucos mísseis!

Tem que mudar o pensamento do militar brasileiro urgente!

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Foco dos militares é sempre manter privilégio. Essa é a bandeira deles. Assim como todo funcionário público.

Brasileiro
Visitante
Brasileiro

Tá difícil essa mentalidade neo liberal extrema. Amigo se você ver com atenção vai notar que a massa do funcionalismo nos Estados e municípios ta na m…. Assim como muitos militares de baixa patente. Gostaria de descobrir os meus privilégios.

Diogo Luiz Bizatto
Visitante
Diogo Luiz Bizatto

Quartéis cheios de soldadinhos que não tem nem arma pra atirar! E para cada grupinho deles existe uma hierarquia…
Precisamos de mais equipamentos e menos pessoal que não serve pra nada… somente para correr na redondeza, comer e ganhar salário!

Diogo Luiz Bizatto
Visitante
Diogo Luiz Bizatto

Lógico! Falo da realidade em Florianópolis/SC.
Sem dúvidas existem milhares que não se enquadram nessa situação.
Temos uma marinha que não tem navios… é patético… e um pessoal enorme que não faz nada de útil!

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Não Munhoz, temos que mudar o pensamento da Sociedade quanto às FFAA? Comprar equipamentos e manter o adestramento é Despesa ou Invenstimento? Pergunta na rua o que o cidadão acha de um Caça de 60 milhões?

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

No momento que o estado não proporciona o básico é despesa, se os militares não tivessem tanto privilégio não lutassem contra a reforma, quem sabe a população ficasse ao lado deles.

Rene Dos Reis
Visitante

Se não me engano o Putin fez uma limpa nas forças Russas para conseguir modernizar o arsenal , não fosse isso seria um Brasil 2. falta coragem aqui.

Enio
Visitante
Enio

A reportagem fala das aquisições mas não computa o estoque já existente no CMASM e ainda não comenta o lançamento de um Exocet MM38 contra o casco de um antigo contra torpedeiro na área Alfa o qual foi afundado por um torpedo MK8 lançado de submarino

Fila
Visitante
Fila

8 AM-39 é de chorar…

Glasquis7
Visitante

Isso mesmo achei. Quantidades muito pequenas de misseis. Como informação a ARCh, quando comprou os MM 40 BLK 3 teve que devolver os remanescentes dos MM 39 e foram 90 unidades.

Fila
Visitante
Fila

O estoque seus é pra guerra, o nosso é pra São João…

F16 nutela
Visitante
F16 nutela

Vc pode dizer a fonte que vc está usando para essa aquisição de 90 exocet MM 40 bk 3?

Glasquis7
Visitante

Vc leu errado. Não disse que o Chile comprou 90 Exocet MM 40 BLK 3, disse que o Chile devolveu 90 unidades de MM 39 no momento da aquisição dos MM 40 Blk 3. Bém diferente.

Glasquis7
Visitante

Só uma correção, os 90 misseis foram MM38, não 39 como eu postei.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Essa compra de misseis exocet MM 49 bk 3 até hoje é um mistério, porque nem o site da Arch coloca isso em suas fragatas. Supostamente teriam comprados para as classe M, mas no site da Arch consta que essas fragatas usam harpoon! Ou não comprou ou ainda não recebeu!

Haroldo A Fiocco
Visitante
Haroldo A Fiocco

Por isto que deve haver um tipo de míssil de treino. Ao invés de explosivo na cabeça, ele teria um “airbag, ou paraquedas” ser recuperado, remontado, reabastecido e reposto para treino.

Marcelo Zhanshi
Visitante
Marcelo Zhanshi

Me parece que o Sea Cat foi o mais usado, talvez para criar doutrina. Os outros foram “guardados” para emergência.

Seria isso?

Pode não ser o ideal, mas foi o mais inteligente a se fazer considerando a penúria orçamentária.

Pangloss
Visitante
Pangloss

O Sea Cat era tão pouco efetivo que, mesmo em quantidades mais expressivas, não traria muito valor militar à esquadra.

F16 nutela
Visitante
F16 nutela

Na década de 80, os Sea Cats estavam entre os melhores, veja que armavam a marinha inglesa na guerra das malvinas. Hoje esse míssil é obsoleto, mas as fragatas chilenas T 23 ainda usam esse míssil, numa versão um pouco melhorada e por isso estão trocando pelos SEA CEPTOR.

pangloss
Visitante
pangloss

Era o que havia em maior quantidade na RN, mas era muito difícil acertar algo. Quando a ameaça evoluiu – na forma do Exocet, para ficar no exemplo da Guerra das Malvinas – o Sea Cat mostrou toda a sua obsolescência.
A frota britânica valeu-se mais do Sea Wolf e do Sea Dart, que tampouco tiveram bom desempenho, mas ainda assim eram bem superiores ao Sea Cat.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Nem 8, nem 80.
Não precisa de milhares, mas o que foi comprado também é muito pouco.
Precisamos de um número para poder de dissuasão. Número que dê para equipar os vetores que temos com o poder de fogo completo, no mínimo e talvez o dobro disso para termos uma segunda recarga completa.

Para uma guerra longa, aí a melhor estratégia é produzir os próprios mísseis, em caso de conflito aumenta a produção e compra a quantidade que precisar.

Realmente não precisamos de um estoque gigantesco, mas 36 MM40 e 8 AM39 é muito pouco.

João Moro
Visitante
João Moro

Reflexão sensata. Parabéns!

Paulotd
Visitante
Paulotd

Faltou o míssil Penguin. Inclusive acredito ser o míssil mais moderno que a MB tem hoje, só vai perder pro Exocet bloco 3

Isamu
Visitante

Alguém sabe a validade dessas armas, 10 anos, 20 anos? Sobre a manutenção, de quanto em quanto tempo?

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Acho que foi por isso que foi investido muito esforço e recursos financeiros para a construção de motores desses misseis. Se não me engano somos capazes de atualizar os Exocet no Brasil.

Marcelo Danton
Visitante
Marcelo Danton

Risível. Chega a ser debochado tal “estoque”. Espero que nossos “aliados” sejam leais e o setor de logística das FA tenham bons contatos no exterior caso necessitemos.
Este site poderia fazer uma matéria/reportagem, exercício futurístico de COMO nossa atual base industrial poderia ser mobilizada rapidamente para fazer frente à um conflito nos moldes da segunda guerra mundial. Nada de comparar com Guerra da Coréia, dos Balcãs ou guerra contra o terror.
Fica a Dica.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Sempre terá alguém para vender o equipamento, recapitular a Guerra Irã X Iraque, nunca faltou sequer um cartucho de munição para ambos os lados.

FRITZ PILSEN
Visitante
FRITZ PILSEN

Ou seja; ao contrário do que muita gente diz; a Marinha de Guerra do Brasil já estava completamente defasada e deteriorada antes mesmo dos governos democráticos (PMDB, PRN, PSDB e PT). Aliás; diversos projetos de destaque no meio militar brasileiro surgiram justamente nos governos SARNEY, COLLOR, ITAMAR, FHC, LULA e DILMA: AVIAÇÃO DO EXÉRCITO; SIVAM; PROSUB; KC 390, SUPER TUCANOS, CAÇAS GRIPEN; Helicópteros SUPER PUMA; ETC… Vale lembrar que na época da Ditadura; passamos vergonha na Guerra da Lagosta e tomamos um susto na Guerra das Malvinas; quando a ameaça real de envolvimento bateu à nossa porta e percebemos que… Read more »

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

E virgens?

Diogo Luiz Bizatto
Visitante
Diogo Luiz Bizatto

“A prioridade das nossas Forças Armadas é pagar pensão pra militares e suas filhas eternamente “solteiras”.”

Perfeito.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Diogo, para de repetir igual papagaio!! Conheça o trabalhos dos militares antes de repetir . Claro que há espaço para uma reengenharia, como a FAB está fazendo. Conheço vários militares de várias patentes e garanto que são pessoas preocupadas sim com aparelhamento, defasagem tecnológica, etc. Não podemos pegar alguns e dizer que são todos. Tenho amigos e parentes militares. Essa história de filhas solteiras é mito! Já falei aqui e vou repetir: Invenstimento em Defesa, assim como em todas as áreas governamentais tem que ter perenidade, Projeto de Estado, sociedade tem que querer ser uma potência regional, só no papel… Read more »

Astenovaldo
Visitante
Astenovaldo

Não tem que conhecer trabalho nenhum, cara pálida. Basta olhar o tamanho do efetivo das forças armadas! Não há nenhuma justificativa para tamanho absurdo! Dizer que “há espaço para reengenharia” beira o psicopatia, pois passa a impressão que está tudo certo e funcionando eficientemente, mas podemos “melhorar”. Se fosse esse o caso, eu não reclamaria, mas a realidade é que sempre que as FFAA têm de escolher entre investimentos em equipamentos e pagamento de salários, pensões para filhas solteiras e aposentadorias, elas escolhem a última opção, e irei bater nessa tecla até o fim da minha vida ou até que… Read more »

Camargoer
Visitante

Olá Colegas. Aristóteles disse que “a virtude está no meio”. Já a dialética contrapões a tese a uma antítese para formular uma síntese. Por fim, o método científico propõe uma hipótese que deve ser reformulada á luz dos fatos. Concordo com o Marcelo sobre a necessidade de conhecer os fatos para fundamentar os argumentos. Há sempre a chance de estamos errados (que aumenta quando deixamos de verificar a informação antes de emitir uma opinião). Por outro lado, Astenolvaldo está certo ao dizer que a experiência pessoal nada diz sobre um sistema. Existem experiências ruins dentro de um sistema bom, existem… Read more »

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Astenovaldo te aplaudo em pé, finalmente alguém pensa que nem eu.
Temos mais que o dobro de militares na marinha do que a Royal Navy, só isso não existe desculpa, 300 marinheiro dentistas, quantas bandas de música a marinha tem?.. se isso é ser sério..

Não adianta o foco é manter privilégio, podem até pensar em algo, mas toca em algo ou precisa trabalhar um pouco mais…o choro começa.

Camargoer
Visitante

Olá Rodrigo. O tamanho do contingente e o tipo de profissional que ocupa uma posição militar é consequência do que se coloca como atividades para as forças armadas. A FAB administra o serviço de controle de tráfego aéreo no Brasil (o que permitiu economizar bilhões ao integrar o controle com a defesa do tráfego aéreo). A FAB também foi responsável pelo suporte aéreo para diversas populações isoladas. A MB sempre teve destacado papel no atendimento à saúde de populações ribeirinhas, etc etc etc. A presença do Estado em regiões remotas é uma ação de segurança nacional. Os problemas das áreas… Read more »

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

A grande questão é que em caso de conflito sempre há o reforço imediato dos meios. Nessas horas o orçamento é rasgado e deixado de lado. Basta apenas recapitular as Guerras do Yom Kippur, Falklands, Irã X Iraque, Desert Storm, etc, etc, etc. Sempre um lado que se preparou melhor, e o outro lado sempre correu em busca de reforços. Somente as Super Potencias é que terão estoques de sobra (EUA, China e talvez Russia). Obs.: Qual é o estoque de misseis Tomahawk (misseis de cruzeiro em geral) da Inglaterra? Acho que nos surpreenderíamos com o baixo volume estocado, se… Read more »

Diego
Visitante
Diego

Um estoque baixo é justificável, mas não ao ponto de prejudicar o treinamento efetivo com armamento real, que foi o dito no texto. Lamentável essa situação, na verdade vergonhosa.

Canarinho
Visitante
Canarinho

Ricardo acho questionável, essa afirmação que conseguiríamos o reforço imediato dos meios em caso de conflito. Perguntas:

Conseguiríamos onde e com quem? sendo que nossa base industrial de defesa produz muito pouco do que precisamos. Lembre-se que dependendo do nosso inimigo os que antes eram aliados podem deixar de ser. Estamos por nossa própria conta no final, e isso me preocupa.

Augusto L
Visitante
Augusto L

É um número bom, a MB não iria participar de um conflito de larga escala no máximo um parece ao das Malvinas.
A Argentina se lembro bem tinha apenas um punhado de Exocet e deu trabalho.
Vale lembrar que o Brasil também tinha uma força de submarinos melhor que a da Argentina pelo menos ate meados da década de 80.

Heitor
Visitante
Heitor

Que pobreza!!

Fernando Pereira
Visitante
Fernando Pereira

Barbaridade.
Modo geral dias de hoje isso melhorou ou segue no mesmo ritmo ?
Vejo muitas reportagem de testes, desenvolvimento e aquisições mas nunca sabemos a realidade.

Oséias
Visitante
Oséias

Mais de mil militares por míssil, uma vergonha.

Eduardo
Visitante
Eduardo

Correto!

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Essa eu a questão…o problema é a quantidade de pessoal e despesa fixa.
Perfeita relação

Jhon
Visitante
Jhon

O número é muito pequeno! Sem contar a quantidade de meios aptos a usar esses minguados artefatos. Precisa uma mudança de mentalidade nas três forças armadas. Está ruim para todas.

Julio
Visitante
Julio

Sem condições !!! Como que a marinha pode realizar treinamentos , realizar operações de adestramento , nestas condições meu somos um paíz precisamos ter ferramentas pra proteger a soberania do Brasil

José Marco Fernandez
Visitante
José Marco Fernandez

Bom . Não sei qual é a estratégia da nossa Marinha .
Mas hoje com o Mansup .ternos centenas dele e de repente mais de mil desse que citei para que se faça mais exercícios .
Que se tenha usos mensais e sendo repondo no mesmo ritmo . Aí quando for preciso usar em evento real nossa Marinha esteja bem treinada .

Canarinho
Visitante
Canarinho

Mas so uma andorinha nao faz primavera Jose, como afirmar que teremos centenas deles? E ainda em caso de necessidade urgente, produzir estes artefatos nao eh da noite pro dia. Voce disse certo, o ideal seria termos um taxa de uso regular, ate para manter a linha de fabricação produzindo em prontidão, e mantendo o corpo técnico envolvido ainda com vinculo na empresas fabricantes.

Wellington
Visitante
Wellington

Daqui a 10 anos teremos um efetivo maior de soldados na Marinha. Enquanto o número de belonaves serão os mesmos, até a quantidade de misseis.

Space jockey
Visitante
Space jockey

Só de marines são quase 20 mil !

Jabuticaba
Visitante
Jabuticaba

Me pergunto o porque de termos tantos assim…

Camargoer
Visitante

Olá Space. Talvez seja mais apropriado continuar a chama-los de “fuzileiros” já que “marines” caracteriza bem uma das forças armadas dos EUA. Fica meio estranho gritar em português “marines voltem para o Rio”. Vai dar confusão. Sobre o contingente do FN, talvez seja apropriado ter uma força desse tamanho (cerca de 20 mil) bem equipada e treinada. Considerando a brigada de paraquedistas do EB (mais uns 5 mil), parece ser uma força militar excelente para prontidão. Uma conta simples mostra que as forças armadas brasileiras gastam pouco por soldado, quando comparado a outros países de orçamento parecido. Isso significa que… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Na minha opinião o número de fuzileiros deveria ser igual ao de paraquedistas, 5 mil homens.
Nós só temos capacidade de mobilizar no máximo 2000 fuzileiros em território naciona.

Camargoer
Visitante

Olá CAC. A MB tem uma divisão de FN, o EB tem uma brigada de paraquedistas. Os números não mudam muito. È sempre muito difícil deslocar uma divisão inteira (é preciso lembrar que a FEB era constituida de uma divisão de infantaria também). A brigada por outro lado, já é planejada para ser rapidamente deslocada.

Amaury
Visitante
Amaury

Matéria interessante. Mas achei estranho a quantidade de lançamentos em exercícios do Sea Cat que é bem maior que dos outros mísseis.
Ai somei e notei que foram 53 disparos em exercícios e só constam 49 unidades adquiridas…
Achei estranho…

Tenhuvergonha da xilva
Visitante
Tenhuvergonha da xilva

Ao longo dos anos, kd as verbas destinadas para investimentos?. Será que o gato comeu ou os Almirantes beberam wiskey balantine’s 12?! Ahhh já sei compraram meia dúzia de ferros velhos, contratam ou inventam um empresa para “a inovação e aperfeiçoamento dos meios navais”, cola super Bonder e araldite para justificar e a enganação continua… Guarnição nem treinamento tem mas, a farda tem que estar branca para dar ótima impressão! Ainda bem que a Venezuela não declara guerra contra nós, senão seríamos bombardeados com facilidades.

Marcelo
Visitante
Marcelo

Como manter o moral da tropa se os militares só veem as armas.em revistas ou no youtube?
Assim fica difícil.

Ricardo Barbosa
Visitante
Ricardo Barbosa

As forças armadas brasileiras são para tempo de paz. Deus nos livre e guarde de nos metermos numa guerra.

Camargoer
Visitante

Olá Ricardo. Você tem razão sobre a diferença entre um país em guerra ou localizado em uma região “quente” é diferente de um país em paz e localizado em uma região estável. Países com elevados gastos militares estão em guerra em pretendem entrar em guerra. Grandes estoques de armas sofisticadas pode ser um desperdício já que os explosivos e as propulsão têm tempo de validade (é preferível um míssil de geração anterior com capacidade de recondicionar o explosivo e motores do que um míssil de última geração com suporte técnico ruim). A existência de estoques pequenos pode ser justificado já… Read more »

Camargoer
Visitante

(continuando) … permite calcular o tamanho e o tipo do estoque de mísseis. Se uma dada arma tem previsão de descomissionamento, não faz sentido ampliar o estoque. Se ha previsão de reinstalar o equipamento de um navio antigo para um navio novo, se a marinha ou o país tem capacidade de recondicionar o míssil, etc, talvez seja viável manter estoques maiores e até amplia-los com o tempo. Parece muito difícil definir se o estoque de um tipo de arma esta no nível necessário ou se está criticamente baixo.

Dalton
Visitante
Dalton

As forças armadas brasileiras, Ricardo, também não estavam nem minimamente preparadas para a guerra em 1941 e no auge da guerra fria em meados da década de 1970 o NAeL Minas Gerais estava em manutenção e a espinha dorsal da frota era constituída por obsoletos contratorpedeiros. . No caso da segunda guerra nosso aliado, EUA ,forneceu equipamento e treinamento, como aliás fizeram para outras nações também e durante a guerra fria raramente se via um submarino soviético por essas bandas, então, dependendo do grau de ameaça que pode ser gradual e não surgir da noite para o dia é de… Read more »

Santiago
Visitante
Santiago

Caro Alte. Dalton Já reparou que em todos os grandes conflitos que vc citou, as forças armadas nunca estão preparadas? Acho que o mal do Brasil é escorar debaixo do guarda-chuva Americano e ficar esperando receber equipamentos de 2° mão, desviando os recursos de compra de armamentos e equipamentos para outra coisa, e ficar à mercê de proteção das Grandes potências. O Brasil é um país Continental, queremos uma Força Armada à altura e não essa miséria. Lamentavel!

sergio ribamar ferreira
Visitante

Concordo com o Sr. Santiago. “País em desenvolvimento…” País emergente…” Só não é um país desenvolvido. Mentalidade do século XIX. Viver em glórias eternas do passado. Realmente lamentável.

Dalton
Visitante
Dalton

Santiago… . poderia citar vários exemplos, mas, fiquemos com a França, invadida em 1940 ! A partir da década de 60 os franceses passaram a ter armas atômicas garantindo que uma nova invasão não mais iria ocorrer, mas, você há de convir que uma invasão ao Brasil é altamente improvável. . Os franceses mesmo que tivessem tido armas atômicas na década de 1950 ainda assim teriam sido expulsos da Indochina, talvez até mais facilmente do que foram por conta de uma diminuição de armas convencionais em favor de armas atômicas. . E mesmo durante a guerra fria, apesar de certa… Read more »

Santiago
Visitante
Santiago

Caro Alte Dalton, Mas pq a França foi invadida? Porque o governo francês acreditou que a linha Maginot construída ainda na 1° guerra nas fronteiras germânicas e a floresta de Ardenas, seguraria os alemães, mas esqueceu que os exercitos se modernizam e a alemanha estava mais forte depois de ter invadido a Austria e a thecoslováquia, incorporando ao exercito nazista tropas e tanques mais capazes desses países,formando uma força poderosa. Nem mesmo com apoio britânico, evitou a tomada de Paris pelos alemães e a França cai em pouco mais de 10 dias de guerra. Quanto ao Brasil, não devemos negligenciar… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Santiago… . entendo suas colocações, mas, como escrevi a França foi apenas um exemplo que escolhi por ser uma nação que se apoia em suas armas atômicas, mas, mesmo assim, não consegue se virar sozinha, precisou de apoio americano até para lidar com a Líbia no quintal deles ! . A Espanha cuja marinha é tão elogiada aqui no “PN” divide sua principal base naval com os EUA onde além do entra e sai de unidades da US Navy, estão baseados lá 4 “Arleigh Burkes” e há muitos outros exemplos também. . No meu modo de pensar, se os demais… Read more »

Elton rsn
Visitante
Elton rsn

Ter milhares de mísseis acho exagero mas pelo menos deveríamos ter uma quantidade suficiente para completar o paiol e lançadores dos navios e uma quantidade para pelo menos fazer um disparo anual por navio para TREINAMENTO e ADESTRAMENTO. o que deveria ser no mínimo uns :320 MM-40;300 ASPIDE;80 Sea Skua e 50 Pinguim

aisc
Visitante
aisc

Alguém arrisca valorar essa quantidade aí sugerida pelo colega em R$? Pra ter alguma noção.

ersn
Visitante
ersn

calculando cerca de 4 milhoes o preço unitario de um missil antinavio,2 mihoes um missil AGM119 e 1 milhão um missil Aspide diluindo esses valores em compras durante um periodo de 30 anos não vai dar USD2bilhoes ou R$ 10bilhoes ,cerca de 330 milhoes de reais anuais para prover treinamento e adestramento sem falar de demostração de capacidade de meios e tripulações que somados custam mais de USD 3,5 bilhoes ou cerca de R$15 BILHOES apenas calculando o valor de 300milhoes para cada uma das 6 fragatas,200milhoes para as corvetas ,50mihoes para os helicopteros ASW e 30 mihoes para os… Read more »

Diogo de Araujo Carvalho
Visitante

Precisamos mesmo é aumentar o efetivo e de mais maquetes, urgente!!! Aquela do maquete do hipersônico é poderosa, porém, insuficiente!!

Falken
Visitante
Falken

Vou dizer pra vocês, se eu controlasse os estoques de munição e demais insumos de combate, nenhuma pessoa que não fosse essencial saber, teria as quantidades de estoques, isso é informação estratégica, outros países podem até espionar e descobrir, mas não sou eu que vou facilitar…

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Que triste.
Não temos nem um estoque de guerra respeitável.
Se entrarmos em guerra não teremos meios para sobreviver nem um dia de conflito.
Absurdo, quando aprenderão a criar reservas estratégicas para guerra em caso de necessidade?

Mano Jô
Visitante
Mano Jô

Só vão mudar quando os cabeças das forças perceberem que focar em pensão e benefícios não ganham guerras.

ersn
Visitante
ersn

munição em depositos e arsenais podem ser facilmente destruidas ,o que e mais importante a quantidades nescessaria para armar e colocar no paiol do navio antes de zapar ,porque e com essa munição e que ele vai lutar

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Por isso mesmo eles são secretos e subterrâneos caro Ersn.
Precisamos construir depósitos escondidos em montanhas e secretos.
Hoje todo mundo sabe que haverá um depósito de mísseis e foguetes no Forte Santa Bárbara.
Se esqueceram os ensinamentos da WWII.
Apesar que nossos militares nunca tiveram esse ensinamento, pois não tiveram a participação mais ativa nele.

Camargoer
Visitante

Olá F. Estava aqui já foram 75 anos desde a II Guerra. Depois teve Coreia, Paquistão-India, Vietnã, Irâ-Iraque, Malvinas, Afeganistão, Golfo (pai), Balcãs, Golfo (filho)… foram diversas experiências que confirmaram algumas coisas e mudaram outras. Tenho dúvidas sobre a necessidade de paiol secreto escavado na pedra (aliás, uma explosão em uma caverna escavada na pedra é muito mais grave que se ela ocorresse ao ar livre. As fotos de bases dos EUA mostram um monte de prédios cobertos de grama usados para estocar até armas nucleares. Por fim, gostaria de lembrar do trabalho de pesquisas de alguns colegas aqui no… Read more »

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Caro Camargo, em partes concordo. Porém em paióis secretos nós Estados Unidos encravados em montanhas há áreas de exaustão para caso de explosões, assim como portas corta chamas imensas etc etc. Esses paióis armazenam de armas nucleares, munições etc, até o famoso e mortal gás VX. Mas discordo que só o EB descartou os aprendizados das guerras que houveram e principalmente da WWII ( a única que tivemos alguma participação). A FAB e MB também jogaram no lixo todos os ensinamentos de anos de conflitos humanos. Vide exemplo da forma como são feito aquisição de equipamentos hoje em dia, uma… Read more »

Camargoer
Visitante

Olá Fox. De fato, caso o Brasil tivesse armas nucleares, também acho que seria necessário um paiol exclusivo e bem protegido (nem acho que precisaria ser secreto. Hoje isso é praticamente impossível). Alguma dependência externa sempre vai ter. Acho apenas os EUA conseguiriam fazer um avião, basco ou submarino 100% nacional. Acho que o problema do MinDefes ainda é a resistência dos comandos militares se adequarem no organograma, de responderem a um ministro, geralmente civil. O fato do ministro ser civil e geralmente um político é necessário para conquistar as aprovações no congresso. Um general ou um astronauta são incapazes… Read more »

Contribuinte inconformado.
Visitante
Contribuinte inconformado.

Descaso, incompetência, vagabundagem ninguém responsável teria tanta coragem de expor a segurança nacional dessas forma…
Não é atoa que os “INCOMPETENTES” da época tiveram tanto medo do desenrolar do conflito entre a Argentina e Inglaterra.
Agora entendo por que o Brasil abaixo o rabo para qualquer país…
Não tem pode militar nem para se defender e a história continua se fizer um levantamento agora
O resultado vai ser o mesmo nada mudou
Um exemplo é a MB as Fragatas os navios quantos ainda tem condições de operar?

teropode
Visitante

É por isso que é fundamental saber fazer , assim pode-se dar ao luxo de manter poucas unidades .A nao ser que possuem o zap dos contrabandistas de aemas .

Jundiaí
Visitante
Jundiaí

Nada que colocar um zero em cada número já resolveria, olha se a armada argentina tivesse alguma coisa sem torno de 4 a 6 sub e alguma coisa em torno de 60 a 80 misseis Exocet AM39 a GB teria negociado.

JOAO
Visitante
JOAO

Jesus! As limitações administrativas da MB são assustadoras.

Paulotd
Visitante
Paulotd

Temos quase a mesma quantidade de almirantes que de mísseis. Por aí se vê que alguma coisa está errada.

Paulotd
Visitante
Paulotd

MB já foi a força mais bem administrada. Hoje é de longe a pior. A única força que vai ter meios de ponta em uma quantidade razoável é a FAB. O EB melhorou muito, e vem investindo em pontos chave, sempre privilegiando o C/B. O projeto do Guarani foi um acerto, os M-109 modernizados junto com o avmt-300 também. Tem deficiências graves como na parte de AA, mas vem fazendo o feijão com arroz. Já a Marinha, se perdeu na sua megalomania. Na década de 7 tínhamos 8 submarinos convencionais Guppy e Oberon, 6 contratorpedeiros (obsoletos sim, mas ainda aguentavam… Read more »

Camargoer
Visitante

Olá Paulo. Acho que as histórias das três forças são tão distintas. A nasce dentro da tradição da marinha portuguesa, a mais antiga do mundo. Ela existe desde a independência e era fiel ao Império. Foi nela que ocorreu a revolta da Chibata e também foram os FN que se negaram a reprimir os marinheiros rebelados em 64 e aderiram à revolta. Apesar de creditar sua origem à Batalha dos Guararapes (ainda na época da colônia), ele foi organizado para a Guerra do Paraguai. Também foi o EB que dizimou Canudos. A FEB é um momento importante na história do… Read more »

Camargoer
Visitante

…complementando… foi o EB que derrubou o Império por meio de um golpe de estado. Esse evento é importante para entender as origens da Republica e de muitos problemas ligados à cidadania brasileira.

Zorann
Visitante
Zorann

É por estas e outras que sou contra a compra de novas escoltas… Nunca teremos misseis em quantidade suficiente para que estes navios tenham um real valor militar… Navegarão sempre mal municiadas, mal armadas, como sempre navegaram nossas escoltas…

Para uma Marinha que não faz nem o básico, que não sabe nem quem navega aqui, novas escoltas nestas condições, na minha opinião, são um desperdício de dinheiro diante de tantas outras prioridades mais importantes para nossa defesa.

MARCO
Visitante
MARCO

Em 1992 realizamos um lançamento de MM40 pela F41, operação Caramuru.

Esteves
Visitante
Esteves

Quanta malcriação… “Entre 1920 e 1923, tornou-se num dos pontos de encontro preferidos do Partido Nazi. Foi lá, em 8 de novembro de 1923, que Adolf Hitler lançou o fracassado Putsch da Cervejaria. Depois de tomar o poder em 1933, Hitler comemorou cada aniversário da fracassada rebelião dando um discurso no Bürgerbräukeller aos veteranos sobreviventes…” Guerra é uma escalada de tensões. Em uma região quente. Com disputas territoriais. Por compensações e estoques econômicos de mineração, hidrocarbonetos, talvez água doce no futuro, pescados e terras agricultáveis. Argentinos invadiram as ilhas deles sem ter como sustentar a ocupação. Pior, sem ter como… Read more »

Paulotd
Visitante
Paulotd

Ter mais exocets não teria mudado nada. Só haveria mais banho de sangue. Olha quem governava a Inglaterra na época. Margareth Thatcher. Essa mulher ia fazer de tudo pra retomar as ilhas, pois quero popularidade. Não duvido nem da possibilidade de ameaças de uso de armas nucleares e apoio dos Usa mandando seus porta aviões.

Ediraldo
Visitante
Ediraldo

Orgulho de ter feito parte da família MB a soberania em primeiro lugar.

rdx
Visitante
rdx

Outro dia o pessoal estava discutindo sobre uma hipotética guerra entre Brasil e Argentina em 1982. Essa matéria prova que a MB estava completamente despreparada… praticamente sem capacidade de combate durante a década de 80.

Camargoer
Visitante

Olá Rdx. Acho importante alguns fatos ocorridos no período para pensar. O Brasil cedeu alguns Bandeirulhas para a Argentina durante o conflito, que fez o PM da Inglaterra pedir explicações sobre a neutralidade brasileira. O embaixador brasileiro disse que o Brasil continuava neutro e ofereceu a venda de banderulhas para a Inglaterra como prova. O presidente do Brasil (Gen. Figueiredo, que havia sido chefe do SNI) afcirmou pessoalmente ao secretário de estado dos EUA e ao presidente dos EUA que o Brasil iria movimentar suas forças contra a Inglaterra caso ela desembarcasse soldados no continente. Um Harrier inglês quase derrubou… Read more »

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Os argentinos foram traídos pelos franceses.
Os códigos para rastrear os mísseis foram entregues aos ingleses.
Em uma guerra contra o a ordem mundial dominante, sempre será repelida de forma suja.
Por isso o desenvolvimento interno pelo país tem sua importância ímpar.

Zorann
Visitante
Zorann

vc pode desenvolver oque vc quiser… Se as Forças Armadas não comprarem, não adianta nada. É oque vemos

Marcelo Baptista
Visitante
Marcelo Baptista

Pergunta, qual seria o numero ideal, tomando como referencia a necessidade de treinamentos x estoque para dissuasão? Para mim, olhando as tabelas me parece uma quantidade muito baixa. Para o MD qual seria o nr adequado? Este numero mínimo necessário é apresentado junto ao Congresso, na CREDN?

Camargoer
Visitante

Olá Macelo. Existem ao menos três explicações. 1) A MB tem uma avaliação estatística sobre o número mínimo necessário e ela tem garantias de acesso a material adicional em caso de necessidade, portanto o estoque é apropriado. 2) A MB tem uma avaliação do que seria o mínimo mas não tem condições financeiras ou técnicas de manter o estoque no nível mínimo. Portanto, ela faz aquisições em contagotas. 3) a MB tem uma ideia do que seria necessário e o atual estoque está abaixo desse nível, mas como a frota está passando por uma transformação, provavelmente modelos antigos serão desativados… Read more »