Home Indústria de Defesa Nova frota de 12 submarinos da Austrália custará US$ 154 bilhões ao...

Nova frota de 12 submarinos da Austrália custará US$ 154 bilhões ao longo de sua vida útil

6050
127
Shortfin Barracuda
Shortfin Barracuda, selecionado pela Austrália

A nova frota de 12 submarinos da Austrália custará 225 bilhões de dólares australianos (o equivalente a US$ 154 bilhões) aos contribuintes, informou um comitê de estimativas.

O contra-almirante Greg Sammut disse que havia um custo de construção de US$ 54,7 bilhões, que foi originalmente anunciado pela defesa em US$ 34,2 bilhões.

Também haveria um custo de suporte e manutenção de US$ 99,2 bilhões ao longo da vida útil dos subs de ataque até 2080.

“É apenas uma estimativa da manutenção da frota, estamos projetando o submarino hoje”, disse o almirante Sammut.

Os submarinos estão sendo construídos em contrato com a empresa francesa de submarinos Naval Group.

O custo de construção de US$ 54,7 bilhões também cobre outras infra-estruturas relacionadas aos submarinos, incluindo atualizações para os cais onde serão baseados.

Os chefes de defesa também disseram que havia um alto risco de os novos submarinos não estarem prontos até o início da década de 2030.

FONTE: Australian Associated Press

Subscribe
Notify of
guest
127 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
7 meses atrás

Não sei se essa estimativa tambem já está na ponta do lápis, mas na matéria não fala se está ou não incluso os custos de treinamento da tripulação e dos armamentos dos subs.
Caso contrário, vai ter que colocar mais algums dígitos nessa conta.
E isso porque esses subs não serão nucleares…

Camargoer
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Olá Wilber. Pelas minhas estimativas, usando dados da MB, dos coreanos e dos indianos, esses valores incluem tudo e algo mais. São muito altos.

Junior
Junior
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Esses valores incluem tudo, treinamento, armamentos, infraestrutura para fabricar e infraestrutura para a operação do submarino durante a sua vida operacional. Essa conta ficou salgada porque a Austrália exigiu que todos os submarinos fossem construídos na Austrália, inclusive exigiu que o aço utilizado na construção do submarino fosse australiano, ai não tem jeito, a parada vai sair cara mesmo. No momento não existe nenhum estaleiro 100% apto e com infraestrutura para fabricar submarinos na Austrália, isso ai também entra na conta, treinamento de australianos para fabricar os submarinos também entra na conta, enfim são exigências que encarecem bastante o contrato,… Read more »

rommelqe
rommelqe
Reply to  Junior
6 meses atrás

Prezado Junior, entendo que realmente, conforme vc colocou, os custos projetados incluem desde o projeto básico até o ultimo segundo em que o ultimo exemplar estiver sendo descomissionado daqui ha muitos anos. Todos os aspectos economicos financeiros de empreendimentos dignos deste nome (ou assets como dizem inclusive na Australia), são hoje definidos /considerados desta forma. Muita gente confunde esta modalidade de aquisição com aquelas em que, no passado, alguem comprava um navio, um carro, um avião págando o preço “na loja” e depois que iria considerar, em conta separada, qual seria a manutençã o consumo, etc. No caso de equipamento… Read more »

nonato
nonato
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Está incluído até o cafezinho dos submarinistas e o material de limpeza da base.

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
7 meses atrás

Poderíamos ir na mesma linha.

10 o número ideal.

5 IKL’s + 4 Scorpenes + 1 Sub Nuclear.

Mas temos que vender o almoço pra comprar a jantar.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
7 meses atrás

Duas classes diferentes + um sub nuclear?
Nem ferrado que a MB aguentaria isso.

Kemen
Kemen
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Por que?
Em termos de GDP estimado de de 2019 o nosso é o 9. o da Australia o 14.
.
Em despesas militares fomos o 12. e a Australia o 13. O que temos de tão diferente que não poderemos manter os 5 submarinos que já compramos e os 4+1 em contrato?
.
Tem coisas que são incompreensiveis…

Dalton
Dalton
Reply to  Kemen
7 meses atrás

Os australianos não possuem uma força de fuzileiros como a brasileira
por exemplo e na verdade agora mesmo cerca de 2000 “US Marines” encontra-se em território australiano sob rodízio.
.
Necessidades diferentes e “pontos fracos” cobertos por aliados, ajudam a explicar “certas coisas” na minha opinião.

Sergio Cintra
Sergio Cintra
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Necessidades diferentes: acrescentando que eles não tem fronteiras secas e, além disso, mar por todos os lados infestados de “tubarões” 😜

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Sergio Cintra
7 meses atrás

E crocodilos.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Felipe Morais
7 meses atrás

Na Austrália 🇦🇺 existem os animais mais perigosos do mundo !

Uma simples picadinha e já é melhor ir se despedindo da família!

https://youtu.be/v4pyuNLOwU8

Camargoer
Reply to  Felipe Morais
6 meses atrás

E cangurus… se eles pulam também podem nadar.

Luís Henrique
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Caro Dalton, além dessas diferenças, me permita incluir uma que faz toda a diferença. Além dos A$ 38,7 bi do orçamento de Defesa, os australianos possuem um orçamento de A$ 11,5 bi para o Department of Veterans Affairs (que paga aposentadoria de militares, etc.) e mais uma porcentagem dos U$ 180 bi do Social Security (que paga aposentadorias para todos os cidadãos E para os militares aposentados. Portanto, o orçamento próximo de U$ 30 bi da Austrália se destina ao pagamento de Ativos, custeio e Aquisições. Já o orçamento próximo de U$ 30 bi do Brasil, recai o pagamento de… Read more »

Dalton
Dalton
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Não se pode esquecer Luís que os australianos sofreram bem mais que o Brasil em guerras, ainda mais quando se compara as populações totais, o que historicamente justifica os “equipamentos super modernos”, na minha opinião.

Luís Henrique
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Sim, mas a óbvia comparação entre as forças armadas brasileiras e australianas, se deve principalmente por causa desta distorção que ocorre com o nosso orçamento militar. As pessoas leigas e até muitos aficionados pelo tema, acham que o Brasil investe bastante em Defesa, quando na verdade investe pouquíssimo. O que infla o nosso orçamento é um problema no nosso sistema de previdência social que há muito precisava de uma reforma, e a inclusão dos pagamentos de aposentadorias dentro do orçamento da defesa. A Austrália vai atingir 2% do PIB em Defesa em 2020 ou 2021. Os brasileiros acham que nós… Read more »

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Perfeito!

André
André
Reply to  Luís Henrique
6 meses atrás

Outra coisa a ser dita, refere-se a população total: são quase 210 milhões contra algo proximo de 25 milhões.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Luís Henrique
6 meses atrás

Luis Henrique.
É isso mesmo. Um sistema viciado passa uma ideia que investimos um percentual. E na realidade investimos menos. O mais vergonhoso é que os responsáveis diretos pela defesa fazem de conta que está bem, e não corrigem o descalabro.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Essa questão me intriga bastante, pois uma força de fuzileiros seria a primeira vista para desembarcar em um litoral inimigo, ou seja para países que iriam intervir em outros, no nosso caso temos uma capacidade de intervenção mas não temos sequer o mínimo para a defesa ?

Dalton
Dalton
Reply to  Munhoz
7 meses atrás

Munhoz…
.
os fuzileiros compreendem uma força de elite/profissional, para ser empregada principalmente no território nacional seja no interior ou na costa.
.
Há quem reclame que essa força de elite deveria ser parte do exército, mas, no fundo mudaria pouca coisa, apenas o exército receberia um orçamento maior.
.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Dalton
6 meses atrás

Dalton

Acho que foi formada principalmente por questão de influência política da marinha, e foi dada uma atenção especial depois da guerra das Malvinas.

paulo cesar araujo neves
paulo cesar araujo neves
Reply to  Munhoz
6 meses atrás

Se não me engano, o embrião do Fuzileiros é o grupo naval que veio ao Brasil com D.Joâo VI. Se for assim os Fuzileiros seriam anteriores ao EB.

André Garcia
Reply to  Kemen
7 meses atrás

Compare os orçamentos verificando qual o percentual disponível para manutenção e investimentos x gastos com pessoal. Acredito que verá que nosso orçamento é bem menor do que vc imagina.

J R
J R
Reply to  Kemen
6 meses atrás

Nossos gastos são bem diferentes, seu contingente é muito menor, desse gasto a maior parte é atividade fim. Fora que a Austrália tem a população igual ao do estado de MG e um PIB muito superior ao do Brasil inteiro.

samuel
samuel
Reply to  J R
6 meses atrás

PIB do Brasil = 2 trilhões de dólares.
PIB da Austrália = 1,3 trilhões de dólares.

Contribuinte.
Contribuinte.
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
7 meses atrás

Concordo em partes no aumento de 5 para 10 submarinos sendo 8 convencionais e 2 Nuclear
Devidido em duas esquadras navais ou seja tem que criar uma nova esquadra uma no norte e outra no sul pontos estratégicos e nos próximos anos para manter a fábrica de submarinos e a mão de obra qualificada a entregar séria de 2 a 2 anos um novo sub…
Tudo isso levando em conta o aumento das principais potencias militares no mundo que trás um novo desafio para todos.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
7 meses atrás

Imagina a logistica dessa salada mista sua…o melhor e vende os IKL mesmp e quem saber a construção de mais um sub nuclear e um.Scorpene. Já entenderei de forma satisfatória.

Camargoer
Reply to  Rodrigo
7 meses atrás

Olá Rodrigo. Acho que o problema é mais gap tecnológico do que logística. Imagino que os SBR serão muito superiores aos IKL, mesmo o Tikuna que é o mais novo. Um fará muito mais do que um IKL. Tenho a impressão que manter o IKL só teria justificativa como “agressor”. Quando o SN10 entrar em operação, imagino que vão descomissionar o Tikuna, o último dos IKL.

Ten.Bruno
Ten.Bruno
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
7 meses atrás

Duvido que se chegue a 8 Scorpenes + 2 nucleares. Estou fazendo força para acreditar nisso, sendo muito otimista e estipulando um senário em 2030.

Joao Moro
Joao Moro
Reply to  Ten.Bruno
6 meses atrás

Seria o ideal.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
7 meses atrás

Quem tem 1 não tem nenhum. O ideal seriam dois SNBR’s.
O IKL’s restantes devem ser utilizados até o fim de sua vida útil ou enquanto ainda tiverem um custo/benefício satisfatório. Apenas lembrando que o Timbira e o Tapajó já foram ou irão para a reserva, então não podemos contar com 5 e sim com 3.

Camargoer
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
7 meses atrás

Olá Groselha. Essa discussão vai longe. O que deveria ser a força de submarinos da MB parece umbigo, todo mundo tem um diferente. Eu vejo a MB com quatro momentos. Primeiro, os próximos anos, uns 2 IKL operando junto com os 4 SBR. Segundo, daqui uns 10 anos apenas os 4 SBR. Terceiro daqui uns 20 anos, os 4 SBR e 2 SBN. Quarto, daqui uns 30 anos, seriam 4 SBN até o início do séc XXIi.

jose luiz esposito
jose luiz esposito
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
6 meses atrás

Esta é boa ! Quem tem10 praticamente tem de 6/7 ,para o Atlantico Sul é uma Piada ,a Itália e Turquia que têm diante de si um Lago ,possuem14 e 16 respectivamente , tem mais uma opinião que se transforma em Palpite, abaixo comenta que não temos condições de mantermos 5 , claramente quem diz isso não tem base alguma para opinar , como se os nossos Gastos e Prioridades continuassem como sempre, e as castas da republica tomando as nossas Riquezas para elas ,em um país sério hoje poderíamos ter uma Gasto de Defesa em condições necessária , então… Read more »

Alison Lene
Alison Lene
7 meses atrás

Seria interessante informações técnicas do projeto

Jonathan Pôrto
Jonathan Pôrto
7 meses atrás

Gastariam muito mais em alguns meses de guerra portanto manter a paz ” inflando os músculos” vale cada centavo !!

Filipe Prestes
Filipe Prestes
7 meses atrás

Penso que 10 seria o número ideal, pra não dizer máximo, de submarinos pra MB. 6 ou 8 convencionais e os demais (2 ou 4) nucleares. Mais que isso é insustentável.

Leonel Testa
Leonel Testa
Reply to  Filipe Prestes
7 meses atrás

Acredito que 6 conv. e tres sub nucl. ja estariamos com um bom poder de dissuasao no atlantico sul

Luís Henrique
Reply to  Leonel Testa
7 meses atrás

Caso o Brasil copie o orçamento australiano, em termos percentuais. Ou seja, exclua o pagamento de aposentados do orçamento e estabeleça uma meta para chegar a 2% do PIB no orçamento de Defesa, o Brasil teria total condições de construir 1 Submarino Convencional por ano e + 1 submarino nuclear a cada 2 anos, totalizando após 30 anos uma frota com 30 submarinos convencionais e 15 nucleares. Sem muito esforço. Já o plano da MB de 2008/2009 PEAMB de possuir 15 Submarinos Convencionais e 6 Nucleares seria facilmente atingido. Falar em 5 submarinos convencionais seria uma piada para a 5a… Read more »

Camargoer
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Caro Luiz Henrique. Acho que voce pode estar equivocado. Os dados publicados pelo SIPRI, por exemplo, incluem gastos com pessoal ativo e inativo. Eles também incluem gostos indiretos com miliciar e pessoal não regular. A comparação de gastos por PIB precisa levar em conta os gastos com pessoal, seja em Defesa, Educação ou Saúde , porque os gastos com pessoal ativo e inativo entra na conta do PIB. Excluir esse gasto das contas impede a comparação entre países.

Luís Henrique
Reply to  Camargoer
6 meses atrás

Não estou enganado Camargoer. O SIPRI diz que Despesas Militares em sua visão devem incluir gastos com militares aposentados e até outras coisas, como paramilitares. Mas na prática, eles não pesquisam a fundo essas coisas e acabam colocando somente de quem inclui tais despesas no orçamento militar, como é o caso do Brasil. Veja os Estados Unidos como exemplo. No SIPRI U$ 648 bi em 2018. Pesquise sobre o Orçamento da Defesa dos EUA + gastos com operações estrangeiras e verá que já da esse valor ou um pouco mais que isso. Ai você inclui U$ 200 bi do Department… Read more »

Luís Henrique
Reply to  Camargoer
6 meses atrás

Camargoer, sobre gastos com inativos, não concordo com essa visão. Tanto o professor aposentado, como o médico aposentado recebem da Previdência Social, porque além de terem prestado serviços para a pasta da Educação e para a pasta da Saúde, eles prestaram serviços para todo o país, da mesma forma as outras profissões. O militar enxergo da mesma forma, ele pode ter sido um funcionário da pasta da Defesa, mas ao se aposentar, ele recebe a merecida aposentadoria pelos serviços prestados ao país todo, à nação e não somente àquela pasta. Na Espanha é assim, o militar aposentado recebe sua aposentadoria… Read more »

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
7 meses atrás

Uma arma cara, mais estritamente necessária para um pais como a Austrália, “Uma ilha continente” Assim também como ao Brasil, penso que devíamos tratar a nossa força de Submarinos sempre como prioridade nº 1

J R
J R
Reply to  Rodrigo Maçolla
6 meses atrás

E já não é tratada? É praticamente a única arma da MB que vem recebendo investimentos de ponta.

filipe
filipe
7 meses atrás

Parece que eles vão acabar por ter 12 SSN até 2080, 12 SSK por 154 Bilhões em 50 anos , acho que não compensa. Acho os EUA vão vender os SSN Virginias para eles, o proximo SSNX vai ser um SeaWolf melhorado ou SeaWolf II , ao invés de fazer mais Virginias , vão construir até o Block V, e depois é construir Submarinos mais caros da nova Classe SeaWolf II ou SSNX ,a Austrália vai usar Submarinos Nucleares.

Ersn
Ersn
Reply to  filipe
7 meses atrás

Se no passado eles desistiram de manter porta aviões por chegarem a conclusão de que gastariam muito e teriam um ativo de valor militar questionável para sua defesa e claro que eles sabem que manter submarinos nucleares e difícil ainda mais quando chega a hora do descarte e reciclagem.a Rússia teve esse problema é a Inglaterra até hoje tem um amontoado de SSN esperando serem desmantelados.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Ersn
7 meses atrás

Os submarinos são armas defensivas muito eficazes, já os Porta Aviões tem características mais ofensivas, se você pensa em defesa pode questionar o custo de um Porta Aviões, mas o custo de uma frota de submarinos é um valor justificável para a defesa seja submarinos convencionais, seja submarinos nucleares que podem trabalhar de forma complementar com os sub nucleares fazendo longas patrulhas no limite do mar territorial e os convencionais próximos ao litoral.

Dalton
Dalton
Reply to  filipe
7 meses atrás

filipe…
.
os “50 anos” significa que o último dos 12 deverá ser descomissionado por volta de 2080 depois de uma vida útil de cerca de 30 anos ou pouco mais e
não que apenas em 2080 se terá os 12 submarinos.
.
Não há a menor possibilidade dos EUA venderem “Virginias” porque se planeja para eles uma vida útil de 33/35 anos quando então o “combustível nuclear”
terá se esgotado não compensando um “reabastecimento”.

MMerlin
MMerlin
Reply to  filipe
7 meses atrás

Os EUA não vão oferecer para ninguém submarinos da class Virginia.
Tecnologia nuclear não se compra, não se compartilha.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  MMerlin
7 meses atrás

Os EUA nunca o fizeram, mas a Rússia arrendou para a Índia sub nucleares!

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  filipe
7 meses atrás

Se os EUA venderem os sub nucleares para eles, não sei se vai acontecer acho que seria o primeiro caso de venda de sub nucleares pelos EUA, eles devem diminuir a quantidade de convencionais, mas vão manter uma frota mista, eles tem muito litoral feito o Brasil e uma frota mista seria interessante com os sub nucleares fazendo patrulhas mais longas e/ou mais distantes.

Dalton
Dalton
Reply to  Fabio Araujo
7 meses atrás

Não dá para vender submarinos com “combustível nuclear” esgotado, Fábio.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Com certeza, por isso coloque um “se”, que eu saiba os EUA nunca negociaram sub nucleares e se o fizeram vão colocar meio mundo de exigências, quanto ao combustível esgotado, combustível de nuclear pode ser trocado, o custo não é barato, mas não é impossível.

Dalton
Dalton
Reply to  Fabio Araujo
7 meses atrás

Fabio…os submarinos da US Navy são bastante exigidos então não se trata apenas de reabastecimento e sim das condições do casco. Um “reabastecimento” não se traduziria em muitos anos de vida a mais em outra marinha portanto não compensaria investir
milhões de dólares em um submarino de 35 anos, portanto, não se trata de política de querer ou não querer negociar.
.
Os russos por exemplo “alugaram” um submarino para a Índia, mas esta ajudou a pagar pela conclusão da construção do mesmo e já estava envolvida em seu próprio programa de submarinos nucleares.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Levantaram aqui essa questão, mas dificilmente os EUA venderiam um sub nuclear seja usado, pouco usado ou novo, se a Austrália quer um faça como o Brasil construa é o caminho mais fácil!

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Se bem que se os australianos querem um ou mais sub nucleares deveriam fazer como o Brasil esta fazendo partir para construir o seu!

filipe
filipe
Reply to  Dalton
7 meses atrás
Dalton
Dalton
Reply to  filipe
7 meses atrás

O artigo apenas especula sobre como seria a venda de submarinos da classe “Virginia” para à Austrália e como se comportariam China e Rússia, apenas isso. . A força de submarinos da US Navy está em declínio, um número maior de “Los Angeles” sendo retirados e um número menor de “Virgínias” entrando em serviço e não há muito o que se possa fazer a respeito e não ajudaria nada livrar-se de submarinos e diminuir ainda mais a força. . Submarinos da classe “Virginia” não são apenas excessivamente caros, como são caros de manter, possuem grandes tripulações, outro obstáculo para a… Read more »

filipe
filipe
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Pode até ser especulação, mas o cenário de guerra Nuclear pairando no Ar faz com que o Pacifico se torne o principal teatro de operações para a US Navy , 60% da Força Aero Naval será deslocada para lá , e a Austrália já têm 30 mil Marines do USMC o mesmo numero que o Japão e a Coreia do Sul, se segundo algumas fontes a Coreia do Sul vai avançar para um projecto de SSN , nesse caso será mais um actor com Submarinos Nucleares, acho que a Austrália não irá ficar para trás, parecendo que não mas essa… Read more »

Dalton
Dalton
Reply to  filipe
7 meses atrás

filipe… . na verdade os 60% já estão no Pacífico faz algum tempo já e não há 30.000 US Marines na Austrália e sim uma força bem mais modesta de cerca de 2000 sob rodízio. . À Austrália já fechou negócio com submarinos convencionais então nem há espaço para submarinos nucleares que seriam comprados de segunda mão como especulado na matéria do “Sputnik” que aliás não foi ecoada em muitos outros “sites” nem virou manchete por exemplo no USNI News. . E a Austrália escolheu um submarino que mais atende suas necessidades que é um com maior alcance que um… Read more »

Jonatan
Jonatan
Reply to  Dalton
7 meses atrás

A classe Virgínia será maior do que a classe Los Angeles em números de submarinos construídos, fora os seawolf que demorarão a dar baixa! A US Navy não diminuirá sua frota submarina, aliás poderá até aumenta-la frente o crescimento naval chinês. De fato, seus submarinos são muito caros, mas são a real ponta de lança da US Navy no Atlântico, e no Pacífico!

Dalton
Dalton
Reply to  Jonatan
7 meses atrás

Jonatan… . já saiu matéria aqui no “PN” a respeito do declínio da US Navy, mas, você poderá encontrar mais informações também em sites ligados a US Navy e o que já está confirmado é que o número de SSNs poderá cair para 42 unidades no fim da próxima década o que poderá ser levemente amenizado estendendo a vida de alguns poucos Los Angeles. . Também darão baixa em 2027 os 4 SSGNs que não serão substituídos, haverá uma pequena compensação com os Virginias Block V com maior capacidade de embarcar mísseis “Tomahawks”, mas, estes também irão substituir Los Angeles… Read more »

Fabio Araujo
Fabio Araujo
7 meses atrás

Eles são basicamente um país insular, precisam de uma marinha e uma força aérea forte, tendo, só assim poderão ter alguma tranquilidade numa região complicada.

MMerlin
MMerlin
7 meses atrás

O ideal não. O mínimo…

Camargoer
7 meses atrás

Olá Colegas. Em outro post sobre submarinos coreanos, fiz uma conta aproximada e cheguei ao valor de US$ 300 mil por tonelada deslocada (lembrando que é apenas uma estimativa). O novo submarino australiano deslocará cerca de 4500 ton, o que daria um custo de US$ 1,4 bilhão por unidade. Apenas a fabricação da frota de 12 submarinos ficariam em torno de US$ 16 bilhões. A fonte australiana menciona um custo de 80 bilhões de dolares australianos para construi-los (cerca de US$ 54 bilhões) incluindo custos de infraestrutura. Pela minha estimativa, os australianos gastariam US$ 38 bilhões em infraestrutura (isso dá… Read more »

André Bueno
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

Prezado Camargoer, desculpe a pergunta deslocada e, por conta disso, fique livre para não responder, se assim desejar: você tem algum vínculo com a cidade de São Carlos – SP?

Camargoer
Reply to  André Bueno
7 meses atrás

Muitos

André Bueno
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

Certo, penso que reconheci você. Mas as minhas explicações não cabem neste espaço. Vou enviar um email ao endereço que penso ser de seu trabalho. Uma coincidência feliz. Abraço.

Camargoer
Reply to  André Bueno
7 meses atrás

Olá Andre. D.P.A. Um grande abraço. Fiquei feliz em encontra-lo por aqui. Eita mundo redondo.

André Bueno
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

Amém para o mundo [ainda] redondo!

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

Também fiquei impressionado com os custos desse programa de submarinos australianos. Porém o que me impressionou bastante foi o custo de manutenção como você mesmo disse, “daria uns US$ 240 milhões por ano para cada submarino (ou R$ 1 bilhão por ano, ou uns R$ 220 mil por ton).” O custo de manutenção de um Ohio da USN gira em torno de US$100 mi, o submarino australiano custa 2,5x a mais do que um Ohio, que é um submarino nuclear de mísseis balísticos. E o pior, o custo de manutenção dos submarinos australianos custam o equivalente a metade de um… Read more »

Camargoer
Reply to  Matheus Santiago
7 meses atrás

Olá Matheus. Talvez esse valor englobe os custos do pessoal da atica e inativos que passarão pelo programa. Por mais custos diretos que a a gente inclua na tabela (aço local, descontaminação ambiental, etc etc..) o valor está muito alto para 12 submarinos convencionais de 4,5 mil ton. Eu até acredito na conta do MinDef australiano, só que não entendi como eles chegaram a esse valor.

Peter nine nine
Peter nine nine
7 meses atrás

De notar que espera se que esses submarinos sejam tão bons, que certos analistas chegaram a analisar a possibilidade da USN se juntar ao projecto, numa empreitada multinacional entre França, Austrália e EUA…. A ideia na altura era estudar a possibilidade dos americanos operarem também convencionais, esse projecto era o preferido.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Peter nine nine
7 meses atrás

Calma lá, Pedro 99.

O primeiro da classe por enquanto está bem longe de existir e – grosso modo – é um Suffren sem propulsão nuclear.

A própria classe Suffren sofreu atrasos consideráveis e não está em serviço ainda.

Junior
Junior
Reply to  Mercenário
7 meses atrás

Sofreu atrasos por causa do reator nuclear, que era grande demais para caber dentro do submarino, e não por causa do submarino em si

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Mercenário
7 meses atrás

Mercenário… Não percebi a sua questão… Onde o seu comentário anula o meu?

Mercenário
Mercenário
Reply to  Peter nine nine
7 meses atrás

Que a “análise” dos supostos analistas está muito longe de se apoiar em uma unidade real do submarino. Assim, necessário ter cautela nas afirmações.

E não há dúvida que os riscos de uma classe nova são muito maiores do que algo testado e aprovado.

De qualquer forma, reconheço que fizeste uma ressalva no seu comentário ao inserir a expressão “espera-se”.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Mercenário
7 meses atrás

Eu apenas disse que o projecto tem características que o coloca/colocará como um dos melhores submarinos do tipo a Navegar no mundo… Em artigos escritos numa altura em que se estudava a possibilidade da USN navegar convencionais, estudou se esse projecto, a ideia era aproveitar a escolha da Austrália e formar um consórcio a três.

Caio
Caio
7 meses atrás

Mesmo em uma projeção para 60 anos é uma senhora facada, manter a paz nunca custou tanto.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
7 meses atrás

Apesar de serem proejados pela Naval Group é um projeto novo que não tem nada haver com a famíia Scorpene!

Ricardo Ramos
7 meses atrás

Sou tão somente um entusiasta, mas mesmo com a inclusão de instalações necessárias a construção e apoio, parece-me um preço bem salgado. São mais de USD 4 bilhões por submarino, somente para a construção.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Ricardo Ramos
7 meses atrás

É o precco que você paga por ToT.
Aconteceu a mesma coisa com nossos Gripens e com o Riachuelo.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Alguem sabe a estimátiva de custo durante a vida útil dos nossos?
Sabe da estimativa de qualquer coisa nas nossas 3 forças?
E não vem com o papo que e segredo de estado ou e de dificil quantificação. Vejo isso em vários países pelo mundo, que pre isam manter mais segredos que nós ate, menos aqui.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
7 meses atrás

Como eu sendo um contribuinte, preocupado com os gastos públicos em defesa, querendo inclusive mais investimentos na area, tenho o direito de pelo menos saber em que o meu dinheiro vai ser usado e como.
Exemplo, o custo de uma corveta de 3000T e 100 e de uma fragata de 4000T 120, porquê não compra logo a fragata que e mais capaz?

Rafael de Quadros da Rocha
Rafael de Quadros da Rocha
7 meses atrás

Esses submarinos Australianos serão diesel-elétrico ou nucleares?

Camargoer
Reply to  Rafael de Quadros da Rocha
7 meses atrás

Convencionais mas estou na dúvida de terão AIP.

J R
J R
Reply to  Camargoer
6 meses atrás

Sim, terão AIP, aqui no site tem matéria a respeito.

Rafael de Quadros da Rocha
Rafael de Quadros da Rocha
7 meses atrás

Esse submarinos serão diesel-elétrico ou nucleares?

Rafael de Quadros da Rocha
Rafael de Quadros da Rocha
Reply to  Rafael de Quadros da Rocha
7 meses atrás

Desculpe encaminhar duas perguntas iguais, foi em virtude de problemas técnico, no caso a pecinha atrás do computador, hehehe.

Luís Henrique
7 meses atrás

Orçamento da Defesa do Brasil = próx de U$ 30 bi (próx de U$ 15 bi para pagar Aposentadorias) Orçamento da Defesa da Austrália = próx de U$ 30 bi + U$ ?? dos A$ 180 bi do Social Security (Previdência Social) que paga as aposentadorias dos australianos E dos militares + A$ 11,5 bi do Department of Veterans Affairs (que também paga pensões para militares e alguns benefícios) O orçamento de defesa do Brasil e da Austrália são realmente iguais?? Claro que não. O nosso é Metade do deles. E ainda temos uma força numericamente bem maior que custa… Read more »

WSMDAL
WSMDAL
Reply to  Luís Henrique
6 meses atrás

O orçamento total de defesa australiano gira em torno de AUD43bi: https://www.defence.gov.au/Budget/18-19/2018-19_Defence_PBS_00_Complete.pdf A aposentadoria dos militares (“Military Superannuation “) está sim incluída nesse total. Veja Programs 2.14 a 2.16 Por lá, como na grande maioria dos países, não existe isso de integralidade e paridade com quem está na ativa (. Isso e outros benefícios torna o esquema de previdência militar daqui altamente deficitário. A grande diferença é que as Forças Armadas da Australia têm apenas 77.000 efetivos na ativa. Em caso de crise podem mobilizar em curto tempo uma reserva de 1.000.000 de efetivos. Investem anualmente entre AUD12 a 15bi… Read more »

Oséias
Oséias
7 meses atrás

6 subs nucleares fariam o dobro do serviço pelo mesmo valor.

Dalton
Dalton
Reply to  Oséias
7 meses atrás

Custariam mais que o dobro, são mais caros de manter e a disponibilidade deles não é maior que a de um convencional a menos que tenha duas tripulações como manda a doutrina francesa para seus submarinos classe “Rubis” que será mantida com a nova classe “Suffren”.

Oséias
Oséias
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Sub nuclear poderia sair da Austrália, ficar meses passeando pelo mar chinês e voltar pra casa sem nem ver a luz do sol.

Dalton
Dalton
Reply to  Oséias
7 meses atrás

Suprimentos não duram meses e a tripulação necessita de alguns dias
de “liberdade” que é o caso dos submarinos da US Navy em missões de seis meses e depois desses 6 meses o submarino passa um longo período em “casa” , indisponível.
.
Com seis submarinos quando muito se terá um em missão as vezes dois
com um deles preparando-se para retornar para casa, então números são importantes também.

Camargoer
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Olá Dalton. Sou um dos que defendem que os quatro Scorpenes sejam os últimos submarinos convencionais da MB. Os “SBN” da MB serão para manter patrulha no Atlântico, subindo e descendo o litoral de modo aleatório, mantendo pelo menos um deles em missão, dois em prontidão (ou o contrário, dois em missão e um em prontidão) e um quarto em manutenção, as missões poderão ser relativamente curtas (talvez de um a dois meses) será possível poupar as tripulações e os submarinos de stress desnecessários. Então eu imagino que uma frota de 4 ou 5 SBN seria uma frota suficiente.

Dalton
Dalton
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

Camargo, sei da sua “crença”, mas, infelizmente 4 ou 5 não serão suficientes. Os franceses tem um requerimento mínimo de 6 SSNs e isso com duas tripulações para se ter uma modesta disponibilidade, por exemplo.
.
Um certo número de convencionais, mais baratos, faz muito sentido para complementar os caros nucleares, da mesma forma como fazem China, Índia e Rússia.
.

Camargoer
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Olá Dalton. Você tem razão quando diz que seria apenas um chute meu pensar que seria adequado para a MB uma frota de 4 ou 5 SBN. Sabemos que a MB operou 5 submarinos convencionais por décadas (e parece que irá operar assim por mais outros dez anos). Provavelmente, ela tem uma ampla compreensão das limitação e possibilidades de uma frota dessas. Talvez a introdução de submarinos nucleares mantenha esse perfil operacional. Por outro lado, a complexidade de submarinos nucleares de 4 mil ton exigirá mais horas-homem para a manutenção, o que exigirá ao menos seis SBN. Também há possibilidade… Read more »

Dalton
Dalton
Reply to  Camargoer
6 meses atrás

Camargo, apenas adicionando algumas considerações: . Do final para o início, se Chile e Brasil pudessem certamente teriam um número maior de submarinos para cobrir litorais imensos, os números atuais são insuficientes; . França e “Inglaterra” tem que investir em SSBNs e seus mísseis intercontinentais o que limita o número de SSNs a 6 e 7 respectivamente, mas, sendo parceiros em uma aliança militar, isso permite que pontos fracos sejam cobertos pelos demais aliados; . A Coreia do Norte tem uma “imensa frota” de pequenos submarinos. Os “oceânicos” de projeto soviético já foram quase todos retirados de serviço se é… Read more »

Ten.Bruno
Ten.Bruno
7 meses atrás

Esta certo esse valor ai? Porque isso da o valor de 12 bilhões por submarino. Mais caro que um moderno P.Aviões americano. Esse valor não pode estar certo.

Ten.Bruno
Ten.Bruno
7 meses atrás

Complementando. Mesmo com toda infra estrutura isso ta que parece obras aqui do Brasil. Certamente esta hiper faturada.

Bardini
Bardini
7 meses atrás

Naval Group e Raytheon faturando alto até 2080.

bjj
bjj
7 meses atrás

Custo de manutenção de 99 bi durante a vida útil. Dividindo esse valor pelo número de submarinos (12), chegamos no valor de 8,2 bi por submarino, que, dividindo pelo período de vida útil (chuto uns 40 anos), dá cerca 205 milhões por ano para cada sub. Definitivamente, adquirir e manter uma frota moderna e em quantidade razoável de submarinos não é pra qualquer.

Kemen
Kemen
7 meses atrás

O crescente crescimento da marinha chinesa fez a Australia rearmar sua marinha, o projeto é grande e envolveu destroiers, fragatas, multimissão, submarinos e outros meios. A arma submarina com 12 unidades é de relevada importancia, são submarinos grandes de ataque com autonomia de 80 dias no mar, no meu entender a melhor forma de se manter em equilibrio com a aviação embarcada nos porta aviões chineses, que poderiam se aproximar do continente australiano em caso de um eventual conflito bélico.

Fernando
Fernando
7 meses atrás

O mais interessante é pensar que isso é 1/5 do orçamento anual dos EUA.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
7 meses atrás

São nucleares e com SLBMs a bordo? Tá meio caro isso aí.

filipe
filipe
7 meses atrás

No Hemisfério Sul continuaremos a ser e a ter a força de submarino mais poderosa para os próximos 30 ou 50 anos, 21 unidades (6 SNBR + 15 SBR) , a Austrália ficará com 12 unidades, vamos manter a Hegemonia na forças submarinas. Deveria se equilibrar as Forças de Submarinos com as Forças de Superfície (NAEs, PortaHelicopteros, Fragatas e Corvetas) , concordo que a prioridade são os Submarinos , mas logo depois deveriam ser as Forças de Superfície.

Camargoer
Reply to  filipe
7 meses atrás

Filipe. Talvez a MB tenha uma força de submarinos maior ou menor que a Austrália. Só que a Atlântico sul fica entre a África e a América. A Austrália fica lá no Pacífico. Para um navio Austrália chegar na costa brasileira, te que cruzar o Estreito de Magalhães, Canal do Panamá ou ir pelo outro lado e cruzar o Cabo da Boa Espersnca.

Dalton
Dalton
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

Também dá para atravessar o Mar Vermelho, sair no Mediterrâneo, atravessar
o Estreito de Gibraltar e entrar no Atlântico 🙂

Esteves
Esteves
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Sendo quebra-gelo da pra chegar pelos polos.

Camargoer
Reply to  Esteves
6 meses atrás

Olá Esteves. Sendo uma sonda de perfuração, poderia fazer um poço atravessando o centro da Terra.

Camargoer
Reply to  Dalton
7 meses atrás

Olá Danton. Bem lembrado. Uma terceira rota seria subir o Pacífico, cruzar o Ártico por baixo da calota polar e descer o Atlântico Norte até chegar á costa brasileira.

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
6 meses atrás

Fitzcarraldo do Herzog. 1982

Pega os submarinos, vai navegando pelos rios…vai empurrando…bota nas costas…sobe os Andes…chama os incas pra ajudar…e sai no Pacífico.

Camargoer
Reply to  Esteves
6 meses atrás

Olá Esteves. Aproveitando a sua sugestão, também seria possível colocar os submarinos sobre um trenó puxado por cachorros em uma ponta da Antártida e leva-los até a outra ponta, colocar no mar para eles subirem o Atlântico Sul até chegar no litoral brasileiro.

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
6 meses atrás
Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
6 meses atrás

Esses meninos…sempre dificultando as coisas.

J R
J R
Reply to  Dalton
6 meses atrás

Pode também ser lançado por um foguete e descer de paraquedas no Atlântico Sul…

Camargoer
Reply to  J R
6 meses atrás

Olá JR. Essa parece ser a tecnologia mais promissora. Parabéns.

Esteves
Esteves
Reply to  filipe
7 meses atrás

Não é que a prioridade são os submarinos. É que a MB só conseguiu enfiar o reator no submarino. Tivesse enfiado essa encrenca em alguma corveta teríamos o PROVETA.

Juarez
Juarez
Reply to  filipe
6 meses atrás

Siiiiin, junto virão o Papai Noel, o trenó e as doze renas….
Mais uma vítima de abdução Klingon.

Esteves
Esteves
7 meses atrás

100 bilhões para suporte e manutenção.
55 bilhões para infraestrutura e construção.

Um longo programa até 2080. Quanto de fato custarão saber-se-ão lá adiante. Agora é especulação.

Não dá pra comparar com aqui porque aqui é a casa da interrupção. Começa, para, para, começa, volta. Quando termina é por teimosia e adoração.

Boa sorte aos fornecedores que vão entrar em uma grana preta.

WSMDAL
WSMDAL
6 meses atrás

Razões pelas quais a Australia descartou qualquer submarino MOPS (military-of-the-shelf), incluindo o Soryu, japonês:

Australia’s new submarine cannot be a MOTS
http://www.aph.gov.au/Parliamentary_Business/Committees/Senate/Economics/Naval_shipbuilding/Report%20part%202/c05

Muito interessante. Com análise das capacidades do Collins e do Soryu.

What submarine capability does Australia need?
http://www.aph.gov.au/Parliamentary_Business/Committees/Senate/Economics/Naval_shipbuilding/Report%20part%202/c06

Com análise das propostas alemã e francesa.

Esteves
Esteves
Reply to  WSMDAL
6 meses atrás

Sendo possível transferir todos os requerimentos e necessidades ou simplesmente recortar a palavra Australia e colar Brasil…teríamos ficado com a evolução dos IKL, com o aprendizado dos IKL, com as pessoas dos IKL, incluindo bases navais e infraestrutura.

Comprar direitos de fazer e pagar um navio de dinheiro em ToT para enfiar um reator que após 50 anos não ficou pronto X evoluir com o que tínhamos.

Segue a vida.

rommelqe
rommelqe
Reply to  WSMDAL
6 meses atrás

Obrgado pela postagem destes links.

Delfim
Delfim
6 meses atrás

Eles precisam de muitos submarinos, e total autonomia para fabricá-los, porquê o dragão está relativamente perto, a Marinha chinesa está cada vez mais numerosa,e a Austrália está distante demais para ser socorrida por aliados em curto prazo.
Com 12 submarinos convencionais podem montar uma “alcatéia” defensiva entre a Austrália e a Indonésia, do Oceano Índico ao Mar de Coral, com até 400km entre cada submarino.
E se conseguirem subnucs poderão se posicionar no Mar da China e das Filipinas. A Austrália, juntamente com os EUA e o Japão, podem cercear o avanço naval chinês.

Battlefield
Battlefield
6 meses atrás

Tenho dúvidas se no cálculo de custo de suporte e manutenção australiano incluiriam aí realmente todas as despesas.
Alguns cálculos estimativos excluem(intencionalmente ou não) alguns gastos de pessoal como as remunerações, alimentação, consumo de material comum, despesas administrativas, fardamentos, custo da formação de pessoal não específicos da área de submarinos( que seriam os desde o ingresso até os outros demais de carreira), despesa de aposentadoria, gastos de saúde de pessoal e despesas de dependentes.
Esses cálculos fazem a diferença entre escolher ter um grande efetivo ou se equipar….

rommelqe
rommelqe
6 meses atrás

Detalhe, não confundir custos de Scorpenes com custos de Barracudas….e missões cumpríveis por um ou outro modelo.

” In his view, the smaller submarines do not have the range to meet Australia’s requirements. Furthermore, basing Australian submarines further north or even pulling into places like Darwin to refuel would cause difficulties because once exposed any covert operation becomes visible and the clock on its activities must start again. In addition, he noted that the submarine would be 14 or 15 hours on the surface before it could dive because of the very shallow water around Darwin. “