terça-feira, abril 13, 2021

Saab Naval

EXCLUSIVO: Marinha já planeja a quinta Tamandaré

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Concepção em 3D da classe Tamandaré
Concepção em 3D da Meko A100, futura classe Tamandaré

Por Roberto Lopes*

O ano de 2019 não está terminando mal para a Marinha do Brasil (MB). Ao contrário.

Depois da surpresa ruim causada pelo óleo que alcançou um vasto arco de praias brasileiras, a cúpula da Força está bastante animada com o bom acolhimento dado pelo governo federal ao pleito de uma quinta fragata leve da classe Tamandaré.

A solicitação de recursos para o novo programa foi levada ao ministro da Economia, Paulo Guedes, pelo ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, e conta com o apoio ostensivo do ministro de Minas e Energia, almirante de esquadra Bento Albuquerque Júnior – que, inclusive, já despachou o assunto, informalmente, com o próprio Guedes.

As quatro primeiras fragatas da classe Tamandaré (até 2017 chamadas de corvetas) serão construídas pelo estaleiro catarinense Oceana – a um custo no patamar dos 2 bilhões de Euros –, segundo planos da indústria alemã TKMS, vencedora de uma concorrência disputada por estaleiros da Europa, da Ásia e da Índia.

‘Passo à frente’ – Mas no âmbito do Ministério da Defesa – e da própria área econômica do Executivo – já se sabe: o plano final dos almirantes é ter não um, mas dois navios adicionais.

“Eu não descartaria essa hipótese”, comentou com o Poder Naval, dias atrás, em uma entrevista exclusiva, o ex-ministro da Marinha – e Decano dos Submarinistas brasileiros –, almirante (reformado) Alfredo Karam. “Com esses seis novos navios nós [Marinha] teremos substituído as seis fragatas Classe Niterói que tantos e tão bons serviços prestaram à Esquadra, desde a década de 1970, inaugurando uma nova Era Operacional para a Força. Já passou da hora de darmos um passo à frente, em termos tecnológicos e de capacidade de responder prontamente a qualquer ameaça”.

Meko A100 Light Frigate oferecido à MB
Meko A100, projeto base da classe Tamandaré

 

PLATAFORMA MEKO A100
Comprimento 107,2 m
Boca Máxima 15,95 m
Calado 5,2 m
Deslocamento 3.455 ton
Propulsão 4 Motores MAN 12V 28/33 DSTC
Velocidade Econômica 14 nós
Energia Elétrica 4 Diesel Geradores Caterpillar C32

 

Sistema de armas modular da Meko A100
Sistemas de armas e sensores modulares da Meko A100

Segundo o PN pôde apurar, a quinta Tamandaré poderá ser significativamente diferente das primeiras quatro já encomendadas.

A TKMS e a EMGEPRON (Empresa Gerencial de Projetos Navais) que trabalham no pacote inicial dos navios classe Tamandaré acenam para a Marinha com duas possibilidades:

  • uma fragata Meko A100 estendida (comprimento de casco superior aos 107 m do proposto para a Tamandaré), ou até;
  • uma versão da Meko A200, mais robusta e de maior deslocamento.

Fragata Meko A200 da Argélia

MEKO A200 da Argélia, vista pela proa

Privatizações – A expectativa pela autorização da quinta Tamandaré, e tudo o que essa decisão irá gerar, tem levado a Alta Administração Naval (Comandante da Marinha mais Almirantado) a adotar uma postura de cautela na adoção de medidas que vem sendo aguardadas há mais de três anos, como a injeção de recursos para a revitalização de três navios Classe Niterói.

O problema, claro, é sempre o dos custos, mas Karam deixa escapar uma informação: “talvez se possa financiar a quinta Tamandaré com o dinheiro de alguma privatização”.

Sim, é possível. Contudo, a ordem na Marinha é de silêncio total sobre o assunto, no sentido de a Força não figurar como mais bem aquinhoada pelo governo do que suas co-irmãs – em especial o Exército, que tem mais de uma dezena de planejamentos parados por falta completa de dinheiro.

O Comandante da Marinha, almirante Ilques Barbosa Junior, gostaria de ter assinado o contrato de aquisição das primeiras quatro fragatas tipo Tamandaré a 13 de dezembro último, Dia do Marinheiro, o que não foi possível devido à necessidade de ser esclarecido um contencioso legal.

Superada essa etapa, a expectativa é de que o contrato seja firmado ainda no mês de janeiro.


*É jornalista graduado em Gestão e Planejamento de Defesa pelo Centro de Estudos de Defesa Hemisférica da Universidade de Defesa Nacional dos EUA. Especialista em diplomacia e assuntos militares da América do Sul. Autor de uma dezena de livros, entre eles “O código das profundezas”, sobre a atuação dos submarinos argentinos na Guerra das Malvinas e “As Garras do Cisne”, sobre os planos de reequipamento da Marinha do Brasil após a descoberta do Pré-Sal.

- Advertisement -

238 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
238 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JT8D

A MB fazendo a sua parte. BZ

Paulo

A MB não deve esquecer do fator qualidade e não quantidade. Precisamos de navios verdadeiramente armados e bem defendidos.

Pedro de Alcantara Tavolaro Neto

Concordo com vc, não adianta ter volume se no caso precisar defender o Brasil

PRAEFECTUS

Meus amigos, infelizmente, é notória, inclusive internacionalmente, a urgente necessidade da MB de contar com “efetivos” Meios Navais de Guerra. Evidentemente, países com projeção mundial (com interesses a defender inclusive na America Latina) estão a par da dificuldade da nossa marinha em prover “REAL” defesa do mare nostrum (Atlântico Sul). Portanto, toda notícia de aumento da capacidade de nossa marinha, é bem vinda! Óbvio que sim! Mas, alerto os colegas para serem prudentes ao comemorar antecipadamente informações que nem sempre torna-se fatos. Afinal, não nos esqueçamos dos últimos noticioso que se revelaram infundados. Como o caso do navio Makassar do… Read more »

Moriah

Também acho que um segundo lote de 4 unidades serias importante no caso da Meko A100, seja ela ou a Meko A200.

Joao Moita Jr

Realmente. Especialmente dada a rapidez incrível com a qual a MB produz seus meios. A China que se cuide.

Alessandro

o Brasil não tem que se preocupar com a China, eles são problema de vcs yankees!

Adivinha quem vai virar adubo radioativo primeiro?? rsrs…

Joao Moita Jr

Se preocupa não. Quando isso aconteça eu vou chegar aí pra puxar teu pé de noite…😆

Alessandro

Já vou avisando, eu sofro de chulé 😂

Grozelha Vitaminada Milani

O convoo suporta o peso e a temperatura necessárias para operar um F-35?

Tem espaço (área) para operar um F-35?

Daglian

Operar F-35 numa fragata?

Rafael M. F.

Foi piada. Foi?

Mário SAE

Só pode

Airacobra

Kkkk, gostei, Grozelha Vitaminada Milani, essa valeu o dia, kkkkk

elcimar marujo

meu deus!!!!! que falta de criatividade na piada…e o pior é que ele realmente acredita no que escreve pasmem.

DOUGLAS

Eles vão fazer o que fizeram a mais de 3 décadas atrás: compra seis novas para ficar no lugar das classe Niterói e compra mais 3 usadas para ficarem no lugar das 3 classe 22 (que agora só tem duas).

Antunes 1980

Quais armamentos serão incorporados nestes navios da classe Tamandaré?
Serão iguais as embarcações francesas, alemãs e norte americanas?

Fernando "Nunão" De Martini

Antunes, os armamentos da imagem abaixo foram a proposta do consórcio vencedor.

De lá pra cá foram vários meses de negociações, então pode ter mudado. Pra saber se a configuração final continuará a ser essa ou mudará, aguarde o contrato no mês que vem.
comment image

Carlos

Por ser uma quantidade reduzida de embarcações , que elas sejam BEM EQUIPADAS e MUITO BEM ARMADAS ,feito “”Fios 💀 Desencapados ” 😅😅😅😅

PauloOsk

Nunao, quais as vantagens e desvantagens do bofors 40mm pra um ciws (phalax, goalkeeper etc..)? Sem contar o preco que com certeza eh mais barato.

Fernando "Nunão" De Martini

Maior flexibilidade de emprego. O conceito em relação ao Phalanx e Goalkeeper é diferente, enquanto esses tem alta cadência e dependem de impacto direto, as munições 3P de 40mm explodem proximas ao alvo (programadas por tempo ou proximidade) e lançam uma chuva de fragmentos e balins em sua trajetória. Alvos de superfície rápidos como lanchas de ataque também podem ser destruídas ou incapacitadas dessa forma, sem depender de impacto direto. Mas o canhão também pode utilizar granadas que explodem por impacto para alvos de superfície, e os novos modelos fazem o municiamento de forma automática conforme a necessidade. Há defensores… Read more »

Flanker56

Eu ficarei aqui torcendo para a marinha adquirir um grande lote de munição 40 mm 3P, tomara que eles (almirantes) não desistam quando verem o preço.

Fernando "Nunão" De Martini

Flanker56,
O preço já deve ser bem conhecido pelos almirantes, afinal a fábrica abaixo é da própria Marinha:
https://www.marinha.mil.br/emgepron/pt-br/fabrica-de-municao
https://www.marinha.mil.br/emgepron/pt-br/40mm-l70

Siarom

A espoleta 3P é produzida pela Engepron?

Fernando "Nunão" De Martini

Consta no site, no link que passei.

peter nine nine

Fernando, como funciona o processo de aquisição e tratamento para eventual solução de tiro? O Phalanx, por exemplo, conta com meios próprios de obtenção e acompanhamento de alvos, podendo actuar autonomamente sendo os cálculos realizados por computador próprio, no fundo, é um robô que, pelo menos quando a ameaça é aérea, apenas pede autorização para ser “solto” e fazer fogo. O Goalkeeper é semelhante, também autónomo, passando por processos semelhantes até chegar ao disparo e eliminar a ameaça. Ambos os sistemas são “patrocinados” como estando aptos de suprir funções de defesa contra pequenas lanhas rápidas, sendo que, na minha opinião,… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

O BAe/Bofors 40mm não tem sua própria direção de tiro, a não ser um sistema básico de pontaria, interno, para a guarnição (sendo que a guarnição é um backup, pois o canhão nas suas versões mais recentes, e até mesmo a das corvetas classe Inhaúma dos anos 90, opera remotamente controlado pelo COC). Ele é como os demais canhões de diversos navios, de 57mm, 76mm, 127mm, é direcionado pelas informações dos radares de direção de tiro (DT) e alças ópticas e eletro-ópticas /optronicas (E/O) de direção de tiro. Mas para inviabilizar os vários sistemas de direção você tem que destruir… Read more »

peter nine nine

Obrigado, a informação, embora disponível, nem sempre é fácil de filtrar. Munição de proximidade é algo comum no meio naval, nos dias de hoje pelo menos. Canhões “convencionais” (peça principal) modernos e mesmo, “semi-modernos”, usam munição de proximidade para o abate tanto de embarcações (para as quais a respectiva envergadura dê preferência ao uso da mesma) como de alvos aéreos e eventualmente até determinados tipos de mísseis. O Phalanx está lá para o ultimo recurso, operando de forma independente e em cooperação com os sistemas do navio, as antenas do phalanx são também tidas como mais precisas, embora menos capazes… Read more »

bjj

Chega um ponto onde é até difícil acreditar. Desde de que comecei a acompanhar os temas militares, lá por 2009/2010, não foram poucas as previsões, planos e metas que não se cumpriram. O próximo ano sempre seria o ano da decisão do Prosuper, modernização do SP, da aquisição disso ou daquilo, etc… Mas tomara que dessa vez saia do papel, especialmente se for a MEKO 200.

Ricardo Rosa Firmino

Olá bjj não é só você não. Escuto isso a pelo menos uns 30 anos. Como você, só acredito vendo… ou melhor quando estiver navegando. A área de defesa no Brasil é uma vergonha..infelizmente..

Cássio Silva

Boa tarde! Comecei a acompanhar em 1980 e lhe garanto que pouca coisa mudou em relação as decepções.

Luis

idem, Cássio, lembro de reportagens em revistas especializadas mencionando a situação de penúria das ffaa em q o governo sarney as tinham deixado…

Luiz

Mais uma vez , como sempre, só blá blá blá. Só pra inglês ver. Não vai sair do papel. A nossa marinha é de papel.

FERNANDO

Mas, a designação das Tamandarés, serão Fragatas ou Corvetas?

JT8D

Esquece esse negócio de corveta É FRAGATA

FERNANDO

Tendi, é um navio multipropósito, fará o trabalho de uma corveta e fragata.

Alexandre

Sinceramente, a essa altura do campeonato, do jeito e na penúria em que estão as coisas e com a falta de atenção com que os governos tratam da área defesa, se vão designá-las como corveta, fragrata ( ou lancha rápida ). Não interessa, a única coisa que interessa é que sejam efetivamente construídas, qto mais melhor, e que não sejam entregues no século XXII …

Camargoer

“fraguetas”

Amaury

“Corvatas”

Chevalier

Fraguetinha

Alexandre

Isso é pura questão semântica. A MB poderá continuar chamando os navios de corvetas que isso não muda nada.

Filipe Prestes

Se não estou enganado, a Marine Nationale nem a US Navy adotam a nomenclatura de corveta, usando os termos LCS e Light Frigate em seu lugar.

Rico

Não demora muito e navios patrulha de costa vão ser chamados de oceânicos, oceânicos de corvetas e corvetas de fragatas. Lanchas de patrulha vão ser denominados de navios de patrulha. Etc …, etc…, etc….

JT8D

Aí o Atlântico poderá ser chamado de porta-aviões

Luis

por q não empoderar as tamanda e chamar elas logo de contratorpedeiros leves, uai? meio bílhão de euros por cada e tão desdentadas, coitadinhas

Kemen

São fragatas leves com o armamento minimo necessario, ou corvetas pesadas relativamente bem armadas, pode escolher…
Substituir as Niteroi sem dúvida subtituem, elas estão obsoletas, mas ainda acho que a MB tem que pensar grande e também em adquirir coisa maior, tipo FREM ou melhor.

JT8D

Prefiro a Meko A-100 estendida. Apenas pela estética. A Meko A-200 tem uma proa meio esquisita

Fernando "Nunão" De Martini

JT8D, melhor olhar de novo, as proas são praticamente iguais…

As linhas da proa da A100 foram baseadas nas da A200. Isso é até argumento de venda do fabricante.

JT8D

Então, esse é o ponto. Parece que a proa da A-200 é pequena proporcionalmente ao tamanha do navio. Já na A-100 a proa parece até mais alta

Fernando "Nunão" De Martini

Provavelmente o tamanho da torreta do canhão das fotos da A200 da Argélia dê essa impressão

Esteves

A proa é a parte da frente. São iguais.

JT8D

Esteves, você não é um bom observador. Na A-200 a linha da amurada parece descendente da base do castelo de proa até a extremidade dianteira do navio. Já na A-100 essa linha é praticamente nivelada. É obvio que as proas são quase iguais, mas, como eu disse em comentário anterior, a diferença é de proporção em relação ao resto do navio. Enfim, gosto não se discute, mas a diferença existe

Esteves

Vou ver de novo.

Alex Barreto Cypriano

Ele tá certo: é esquisita. O convoo da A100 está no mesmo nivel do convés de proa, apenas a amurada esconde isso embora as aberturas próximas à superestrutura pra drenagem ou algum cabo entreguem o artifício. Já a proa da A-200 está um deque mais alta que o convoo, e a ‘amurada’ tem o bordo inclinado (perde altura) da superestrutura pra extremidade de vante, outro artifício, agora infeliz. Como se percebe, não são iguais senão pelo engana olho das linhas gerais. Mas tem incômodos piores no tema da Tamandaré…

Junior

Não é, o canhão de 76 mm que ficou alto demais, aliás desde que lançou a Meko A200 da Argélia eu prestei atenção nisso, a Meko A200 da África do Sul, que tem outro tipo de canhão de 76 mm não ficou tão estranho. Olha só esse vídeo na maior parte do vídeo aparece a meko argelina, da para ver que esse canhão de 76 mm ficou meio desproporcional e no finalzinho aparece a meko da África do Sul e da para perceber que o canhão dela de 76 mm não ficou tão desproporcional

Junior

Olha como o canhão da fragata sul africana não fica tão desproporcional quanto o da argelina

Luís Henrique

Junior, no caso da argelina o canhão é 127 mm, bem maior que o 76 mm usada na Meko 200 da África do Sul.

Fernando "Nunão" De Martini

Pois é Luís, canhões diferentes, torretas diferentes, impressões visuais diferentes.
Pessoal, 10 segundos de pesquisa aqui no blog ajuda a resolver a dúvida.
Se a lupinha do campo busca não estiver aparecendo no celular por algum motivo de compatibilidade, é só ir no google e digitar palavras-chave como Poder Naval Meko Argélia:
https://www.naval.com.br/blog/2018/01/23/as-meko-a200-da-argelia/

Taso

O bonito mesmo é o armamento dessa A200 da Árgélia, na hora do “vamo vê” é o que mais conta, uma belezura.

Esteves

Acho que o Jr está certo.

Fernando "Nunão" De Martini

“O convoo da A100 está no mesmo nivel do convés de proa, apenas a amurada esconde isso embora as aberturas próximas à superestrutura pra drenagem ou algum cabo entreguem o artifício.’ Alex, Bem observada essa diferença (embora eu tenha comentado sobre semelhanças da proa, e não diferenças na popa). Mas não creio que o convoo da A100 esteja relativamente mais alto que o da A200, em relação à linha d’água, por motivo de “artifício” (entendi como artifício estético nesse caso). Os motivos de conceito de projeto provavelmente são a resposta. A classe A100 já obedece a outro conceito, muito em… Read more »

Miguel Felicio

Eu já prefiro que efetivamente aconteçam as compras, sem a de sempre megalomania.

Pedro S.

Só acredito vendo

JT8D

Seu nome está errado então. Deveria ser Tomé S.

Salim

Concordo, ainda falta fechar contrato das quatro e iniciar construção e cumprimento dos prazos de entrega.

Charles Dickens

Ficará pronta no século XXII.

JT8D

Para um escritor do século XIX, um século a menos ou a mais não é nada

Paulotd

Deveriam priorizar a Classe Macaé e Amazonas, mais importantes no CP, e deixar essas outras

Com o dinheiro de 1 Tamandaré deve dar pra fabricar umas 10 classe Macaé, e essas 10 garantiram maior presença na nossa ZEE, melhor patrulhamento fiscalização, mais marinheiros embarcados aprendendo a navegar ao invés de ficarem no RJ em terra.

DOUGLAS

Mas eles querem um navio que dê para guerra e não ser afundado com canhão de 40mm!

Grozelha Vitaminada Milani

Seria muito interessante o lançamento de uma lancha rápida para 6 fuzileiros navais com uma .50 no mínimo de um avião e MUITO mais barato e efetivo no patrulhamento e intervenção a pesca pirata, tráfico de drogas e salvamento. Há alguma previsão pra esse teste de lançamento de um barco a partir de um KC/C-390? A MB possui alguma lancha de assalto que possa ser lançada e fazer essa função? Os P-3 e Bandeirulhas ou futuramente por satélite o patrulhamento da Amazônia Azul, caso necessário envia um KC/C-390 e lança um grupo avançado até a chegada de um Navio de… Read more »

Grozelha Vitaminada Milani

Aos que sonham com uma frota das galáxias, NUNCA teremos navios suficientes para patrulhar a Amazônia Azul.

Melhor $olução é a patrulha aérea ou aeroespacial.

Vamos otimizar e racionalizar.

carvalho2008

postei uma resposta a voce agora a pouco, no topico do KC-390 , onde vc fez esta pergunta pela 1a. vez…..

Grozelha Vitaminada Milani

Mas a MB precisa adotar essa idéia.

Não somente a FAB.

Grozelha Vitaminada Milani

Já ponderei os meus argumentos lá.

Forte abraço.

Alexandre

Com o valor de uma Macaé daria para comprar várias lanchas infláveis para marcar presença … SE É o caso … Desculpe

Grozelha Vitaminada Milani

Bote inflável não estabiliza uma rajada de .50.

Burgos

Quem tem 5, tem 4 !!!
Melhor do que nada !!!
Amém Deus te ouça !!!
Enquanto isso no Brasil !!!
Parte 3 !!!👀
As coisas aqui são muito burocrática !!!🤦‍♂️
Daqui a o pouco algum político ou o TCU questiona e entra com alguma ação questionando a verba para a Construção dessa 5ª belonave !!!
Já era pra tá cortando chapa e batendo quilha da Tamandaré e é pra ontem !!!

Ozawa

“O problema, claro, é sempre o dos custos, mas Karam deixa escapar uma informação: “talvez se possa financiar a quinta Tamandaré com o dinheiro de alguma privatização”. As privatizações se prestam a abater a dívida pública e assim, ainda segundo a cartilha tecnocrata, ampliar as condições do Estado em investimentos sociais essenciais, o que não é a construção de belonaves, especialmente num país como o Brasil. Essa seria uma evidente pretensão que confunde o interesse público com o corporativo, ou ainda, o interesse público primário com o secundário. Notadamente, ainda, num país de colossais demandas sociais seria uma visão de… Read more »

JT8D

Ozawa, com ou sem privatizações, a verba para defesa sempre vai concorrer com as da área social. Nós sabemos que neste país isso não passa de uma desculpa para não fazer nada, ou seja, ficamos sem defesa, sem programas sociais enquanto os políticos enchem os bolsos com fundos eleitorais

Camargoer

Caro JT&D. A carga tributária em 2018 foi de 35% do PIB (R$ 2,4 bilhões)ou , sendo 22% para o governo federal (ou R$ 1,5 trilhão). O fundo eleitoral está orçado em R$ 2 bilhões (0,13% do orçamento). As quatro FCT estão orçadas em R$ 9 bilhões (Eu$ 2 bilhões). Portanto, o fundo eleitoral é mais ou menos uma FCT. O orçamento do MinDef em 2018 foi de R$ 102 bilhões (50 vezes maior que o fundo eleitoral). Concordo quando você diz que o orçamento militar concorre com os outros ministérios (O MEC tem um orçamento maior que o MinDef,… Read more »

JT8D

Camargo, o fundo eleitoral foi apenas um exemplo, a ponta visível de um iceberg de desperdícios e de ineficiência que você sabe muito bem que é gigantesco

Camargoer

Caro Colega. Entendo. Como o Iceberg é imenso, eu fico com algum receio de que uma boa discussão se perca nos detalhes. O fundo eleitoral pode ser imoral (talvez eu prefira o fundo eleitoral do que doações de empresas para campanhas, por exemplo). Uma das iniciativas que poderiam render uma boa economia seria uma reavaliação dos imóveis públicos, por exemplo. Alguns órgãos públicos que ocupam espaços alugados em regiões nobres poderiam ser transferidos para áreas mais degradadas das cidades, talvez ocupando prédios próprios. Em São Paulo, o centro é muito bem localizado com uma excelente infraestrutura, com acesso de metro,… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

“ Em São Paulo, o centro é muito bem localizado com uma excelente infraestrutura, com acesso de metro, ônibus, avenidas largas, mas existe um enorme número de imóveis abandonados. Uma excelente politica de valorização de áreas degradas pode ser feito com transferência de órgãos públicos para essas regiões, com a alienação dos endereços valorizados.“

Felizmente já vem acontecendo há algum tempo. Demorou mas acordaram pra isso.

carvalho2008

Orgão publico não resolve…..

Tem de ser centro comercial, gastronomico e turistico….

Já trabalhei ali na Libero badaro….depois das 18:00hr…não tem viva alma…fica bairro fantasma e ruas vazias….tem de lotar de shoppings , bares, teatros, etc….pegar o melhor de SP que é a vida 24 horas…

Esteves

Carvalho,

Isso existe em centros turísticos de grandes cidades como Londres e Nova York. Em Madri a vida vai até mais longe (jantam lá pelas 22 hs) porque eles fazem a cesta à tarde e pegam no batente às 9 do dia seguinte. Ficam nas praças até meia-noite…ou mais.

Cidade civilizada dorme cedo.

Fernando "Nunão" De Martini

Sem dúvida, Carvalho.
Mas não sei a quanto tempo você trabalhou na Libero Badaró. Já faz algum tempo que a atividade (embora não como um todo, mas em ruas específicas) vai bem além das 18h. Alguns atrativos estão voltando de forma consistente ao centro, embora o ritmo deixe a desejar.

carvalho2008

Foi um absurdo quando investidores estrangeiros queriam construir o predio mais alto do mundo na zona cerealista e a camara de SP ficou de opisição e discutindo impactos ambientais. haveria até um braço de metro debaixo do predio que seriam tambem um shopping center nos andares mais baixos.

Fizeram de tudo para atrapalhar e os investidores foram embora para construir na Thailandia….

carvalho2008

A Serasa possuia dois predios lá… depois houve a centralização em novo endereço, mas as vezes ainda passo no centro e não acho que mudou muito não, embora tenha melhorado.

Fernando "Nunão" De Martini

Sim, ainda tem muito o que mudar e melhorar, muito mesmo.

Alex Barreto Cypriano

Perfeito, Carvalho2008. Acho que você já é urbanista se percebeu que a cidade são as pessoas e não os prédios, ruas, postes, ônibus, trens, carros, praças, etc.

carvalho2008

O centro tem tudo para ser resgatado….falta apenas vontade política….

Transporte, agua e luz….apartamentos grandes…tem de mixar empreendimentos turiscos e recreativos com empresas de serviços, escritórios, etc….um equilibrio de funções que permita a vida 24 hrs por dia…

Shoppings ajudam mas não são a solução e as vezes até atrapalham, pois retiram o movimento das ruas…tambem não pode ser ou se tornar bairro dormitório….pois tambem fica morto…tem de ser vida cultural, gastronomica e serviços…valorizar os apartamentos residenciais….deve ter uns 30% de imoveis desocupados lá….saturado de prédios mas com as sobrelojas vazias….

GFC_RJ

Caro amigo Camargoer, Eu até compreendo sua linha de raciocínio, mas às vezes você escorrega em uns argumentos ou retórica muito Ciro Gomes… rs. “O Tesouro pagou R$ 280 bilhões em juros e R$ 357 bilhões em amortização da dívida (uns R$ 636 bilhões no total).” Veja bem… acho que o tesouro pagou até mais que isso de juros esse ano, sendo quase 400 BB BRL. Mas TODOS os países do mundo tem uma rubrica alta de juros, porque TODOS os países do mundo são endividados. Todos os países gastam um pouquinho mais do que arrecadam ao longo dos anos… Read more »

JT8D

Caro GFC_RJ, obrigado pela aula. Você está para as finanças assim como o Bosco está para os mísseis

GFC_RJ

Que isso! Tu que é um sucesso, rapaz!

“Bosco está para os mísseis”
Que aliás, anda sumido. Queria ter lido a resenha tática sobre o A-Darter e do supersônico russo de ontem.

Camargoer

Olá GFC. Eu concordo com você que ás vezes eu escorrego para a esquerda; síndrome do escorpião, eu acho. Usei o exemplo dos pagamentos de juros para contextualizar que os R$ 2 bilhões do fundo eleitoral significam pouco no orçamento público. Até mesmo a discussão se a carga tributária em torno de 35% do PIB parece inadequada. A primeira pergunta é sobre o que é prioritário, a segunda pergunta é sobre como aumentar a eficiência dos gastos, a terceira pergunta é sobre quem deve pagar impostos e quem deve ser isento. Os índices de IDH e Gini brasileiros sugerem um… Read more »

Sérgio Melo

Boa noite. Quanto ao financiamento político, gostaria de entender: O eleitorado deixaria de votar se não houvesse financiamento público? Os candidatos deixariam de se comunicar? Deixariam, no extremo, de se candidatar? Seria positivo ou negativo o eleitorado se informar sobre propostas políticas externas, internas e de defesa das fronteiras? 2 bilhões gastos nessa miríade de partidos são justificáveis sob qual ponto de vista? Acabou a corrupção eleitoral, por exemplo? Existiu um grupo político que trabalhasse por defesa? Como melhorar a eficiência de gastos públicos se nossos representantes são eleitos por esses gastos? No mais, defesa nacional nunca deu voto no… Read more »

GFC_RJ

“No mais, defesa nacional nunca deu voto no Brasil, e é mais ou menos como infraestrutura básica e presídios. Ninguém vê e nem quer ver”. Minha opinião: Enquanto as políticas públicas de Defesa Nacional forem abordadas simplesmente como um fim em si, vai continuar sem voto mesmo. Estamos num teatro de operações que é um marasmo em níveis internacionais. Nada de relevante internacionalmente acontece aqui por essas bandas. Meia dúzia de posts nas redes sociais de celebridades mundiais sobre incêndios em selvas que nem são daqui pra dar uma emoçãozinha, mas já esfriou tudo de novo. Agora, se Defesa Nacional… Read more »

Camargoer

Olá Sergio. A campanha eleitoral é quando os candidatos colocam suas ideias. Quando o poder econômico passa a financiar um candidato, isso distorce o quadro. Pessoas votam. Um cidadão, um voto. Por isso sou contra o financiamento de campanha por empresas. Partidos possuem filiados e simpatizantes que podem contribuir (dentro de limites para evitar o poder econômico) para financiar as campanhas. Partidos pequenos são importantes porque podem trazer visões alternativas (partido verde, partido comunista, partido liberais capitalistas, partidos de minorias, etc…). Dificilmente um partido grande e estruturado dará voz as minorias. Dificilmente um partido pequeno conseguirá doações até serem conhecidos.… Read more »

Sérgio Melo

Boa tarde. Começo concordando com um homem, um voto. Essa deveria ser a essência da democracia. Por essa mesma razão é que gostaria de saber que um voto do cidadão de Roraima, Rondônia, Acre, Piauí, Sergipe, enfim, de todos os votos terem o mesmíssimo peso de um voto paulista, mineiro, carioca ou mesmo de sulistas. Não, não estou sendo regionalista, só desejo que um homem tenha mesmo seu voto respeitado. Por essa razão é que defendo o voto distrital. Quantos são os eleitores? X? Divida então por 513, observando a proporcionalidade de cada região, e aí sim, teremos um projeto… Read more »

GFC_RJ

Caro Camargoer, “Eu concordo com você que ás vezes eu escorrego para a esquerda”. Absolutamente NADA contra. Sou um liberal e acima de tudo um democrata, isto é, o oposto de um reacionário. “Até mesmo a discussão se a carga tributária em torno de 35% do PIB parece inadequada”. O problema é que o Estado está arrecadando 35%, mas está gastando 40%! Tem 5% de déficit aí… Nenhum país em desenvolvimento gasta 40% do PIB. E para piorar não está devolvendo à altura para a sociedade. Lá para a lanterna no PISA, segurança pública péssima e fazendo bons brasileiros fugirem… Read more »

carvalho2008

Se paga juros, é porque pegou o que não é seu emprestado…

tem de jogar na regra do jogo….com campo seco e campo molhado…não que emprestar, não se endivide….

Camargoer

Caro Carvalho. O crédito é a base do sistema econômico. O acesso ao crédito permite a ação empreendedora, o comércio, o acesso a bens e serviços caros (uma cirurgia por exemplo) e á execução de grandes projetos (pontes, estradas, submarinos). Pessoas têm acesso ao crédito, empresas têm acesso ao crédito, o Estado tem acesso ao crédito. Contudo, o Estado pode usar o crédito para promover políticas públicas e políticas econômicas. Uma dona-de-casa gasta apenas a sua renda. O Estado pode e deve usar o crédito para promover a economia. A dívida pública é um instrumento econômico que se bem usado… Read more »

carvalho2008

Mestre…entendo de credito acredite…. Tudo o que voce afirmou é verdade. Mas é um ítem macro economico em que não se pode vitimizar no micro economico…. crédito é uma política de estado que pode e deve ser bem feita. dinheiro é de alguem e de todos ao mesmo tempo. quando alguém quebra a regra de pagamento, está impondo que alguém pague em seu lugar. isto vale desde o avião a pizza…. se alguem não paga , voce pagara por ele. credito é muito mais profundo do que a operação bancaria. ela na realidade é a menor parte do sistema como… Read more »

Esteves

Ficamos sem defesa porque o orçamento da Defesa tem sido usado para custear gente.

Estamos “penando” nos programas sociais (saúde, distribuição de renda, educação) porque a municipalização construída para sustentar esses programas com os regimes fiscais, desmorona a cada dia.

Os gargalos conhecidos e debatidos: previdências, juros das dívidas + as dívidas, custeios insuportáveis, queda da arrecadação, crise fiscal, formam o buraco atual.

Políticos são carrapatos.

carvalho2008

tem de evoluir o sistema democratico para eliminar a profissionalização da politica. politica deve ser um exercicio de cidadania, quanto mais profissional ela se torna ( aquie no mundo todo), mais voltada a interesses pessoais em detrimento do coletivo ela se torna, daí vem os desvios, a sindicalização partidaria, a oposição como meio de concorrencia pelo poder e não como fiscal dos serviços, atrapalhando e impactando todo o sistema, inchaços, etc… cada cidadão deveria ter no máximo 16 anos de cargos eletivos ou de diretorias de mando, desde cargos de decisão de sindicatos trabalhistas e patronais, agremiações, cargos do executivo,… Read more »

Camargoer

Olá Carvalho. Acho que se foram implementadas as restrições que você sugere os problemas serão agravados pois isso irá prejudicar o aparecimento de lideranças alternativas ou de oposição. O resultado será uma perpetuação do status quo. Talvez o caminho seja identificar claramente os problemas, prioriza-los e implementar políticas de longo prazo. Até a década de 70 ou 80, o problema na educação era o acesso ao ensino fundamental e a redução do analfabetismo. Hoje, o gargalo educacional está no ensino médio e o desafio é o ensino infantil. O problema do acesso ao ensino fundamental foi resolvido, agora o foco… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Apesar de off topic, concordo em boa parte com pontos de ambos.
A via de mão única para políticos do legislativo seria um bom caminho para ter gente cada vez mais experiente na vida política em posições de cada vez maior importância das decisões (foi vereador, pode tentar deputado estadual agora, depois federal, depois senador), assim como restringir de alguma forma o número de reeleições possíveis para o sujeito não se acomodar a vida toda numa câmara municipal, estadual ou federal, criando raízes no gabinete ou fazendo dele a sua tumba faraônica em vida.

Camargoer

Olá Ozawa. Concordo com você sobre o equívoco de usar recursos de uma privatização para adquirir um navio militar. A primeira pergunta sempre é privatizar o quê? Uma estatal foi fundada dentro de uma necessidade do Estado. Portanto, é preciso avaliar a conveniência do processo de privatização. Segundo, os recursos das privatizações são usadas para abater a dívida pública. Uma vez que um programa militar é considerado estratégico e prioritário, o Estado irá financia-lo com recursos ordinários do orçamento fiscal (ou por financiamento que será pago com recursos ordinários). Se era segredo, devia ter ficado calado. Se contou é porque… Read more »

Ozawa

Pois é, Camargoer, nem quis adentrar no mérito das privatizações, pois seria um post que foge o escopo desse fórum, exceto como resposta na medida da pretensão formulada pelo entrevistado.

Fernando "Nunão" De Martini

“ Ministro das Minas e Energia é para se preocupar com outras coisas, como petróleo, energia elétrica, nióbio… ou a ideia seria vender uma usina hidroelétrica para comprar fragata?”

Lendo a matéria, não vi declaração do ministro de Minas e Energia sobre isso, a referência sobre ele não está nessa parte sobre privatização.

Camargoer

Olá Nunão. A menção do ministro das Minas e Energia despachando informalmente com o ministro da Economia tem algum objetivo. Coincidência não foi.

Ozawa

Acho exatamente o mesmo. É perfeitamente lógico imaginar, haja vista sua inclusão no texto e contexto dessa matéria, uma intervenção imprópria de um ministro, alheio à finalidade de sua pasta, e possivelmente usando seus ativos como barganha política para o pleito naval.

Fernando "Nunão" De Martini

Bom, então é ilação sua. Não tem isso na matéria, nem relação de causa e efeito, tampouco indicação de uma cronologia.

Você pode estar certo (assim como pode estar errado), mas não tem isso no texto.

Camargoer

Olá Nunão. A ideia da MB ter uma quinta ou até uma sexta fragata é adequada. Contudo, fiquei incomodado com duas coisas no texto que parecem pouco importantes, mas devem despertar alguma cautela. A primeira seria o segredo de polichinelo. Se a ordem é a MB guardar silêncio, o vazamento pode ser apenas um balão de ensaio (talvez para alterar alguma resistência dentro do próprio governo). A segunda coisa estranha é dizer que o ministro da Minas e Energia estaria despachando com o ministro da Economia a liberação de recursos para a MB. É o tipo da coisa que é… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Camargoer, Eu vejo a coisa de outra forma, até pelo motivo de pesquisar planos de reequipamento de décadas passadas, a partir de fontes primárias. Se há mais ministérios envolvidos numa questão, o que tem de negativo nisso, por princípio? Nada. Na verdade pode ter exatamente um cunho positivo. Só os fatos podem dar as pistas, não apenas as hipóteses. Afinal, a não ser que se tenha alguma informação de que o envolvimento se dê por algum motivo escuso, qual o problema de se levantar a hipótese contrária, de que pode estar ocorrendo esse envolvimento por um motivo bom e de… Read more »

Esteves

Privatização.

“Sim, é possível. Contudo, a ordem na Marinha é de silêncio total sobre o assunto, no sentido de a Força não figurar como mais bem aquinhoada pelo governo do que suas co-irmãs – em especial o Exército, que
tem mais de uma dezena de planejamentos parados por falta completa de dinheiro.”

É uma conclusão do jornalista. Uma conclusão bestial quando colocada dessa forma.

Esteves

Mestre,

O dinheiro da MB está no orçamento dela e nas capitalizações da Emgepron.

Que história é essa de programa militar estratégico e prioritário?

GFC_RJ

Caro poeta. A Engeprom vem trabalhando com uma arquitetura muito doida de financiamento para estes navios. Tudo devido à questão do teto de gastos, que não permite que o GF possa investir acima daquele recurso determinado para cada exercício. Dessa forma, capitalizaram a Engeprom com aquelas 4 pilas para que possa ir desembolsando sem os problemas de contingenciamento e nem sofrer os freios do teto de gastos dos exercícios seguintes, uma vez que, a princípio, os valores já foram desembolsados em 2018 e 2019. Quando ele diz sobre o recursos da privatização não é bem a transferência direta de recursos… Read more »

Ozawa

Prezado, GFC_RJ, suas intervenções SEMPRE são oportunas e bem vindas, conquanto ainda tenha muitas ressalvas na ideologia privatista carreada para benefícios, mesmo reflexos, de pretensões militares.

Mario - SP

Boa tarde, me desculpem se minha pergunta for muito elementar, mas corvetas ou fragatas leves não possuem sistemas de defesa de ponto como seus irmãos maiores ?
Ou trata-se de um “acessório opcional” no caso destas classes de embarcação ?
Pergunto porque não vi comentário semelhante em nenhuma publicação que li.

DOUGLAS

Existe sim, mas só em países que levam a sério a defesa do seu navio, e, logicamente, quem tem grana para isso!

Adriano RA

Por aí mesmo, mas dinheiro o Brasil tem, não tem é a consciência, por parte da maior parte da sociedade, da necessidade de investir em defesa.
Temos um PIB próximo ao da Itália. No entanto, compare as Marinhas. Pra não dizerem que Itália é um país rico vou reformular: Temos um PIB não muito diferente do PIB da Índia. Compare as Marinhas.

Fernando Turatti

PIB próximo ao da Itália e orçamento militar igual ao da Itália(25b de dólares), mas, não se deixe enganar: temos uma população 3,5x maior que a italiana.

Adriano RA

Sim, caro Fernando, entendo. Mas por isso coloquei a Índia, que é o caso oposto. O fato é que por aqui, no Brasil, a maioria não admite gastar demais com defesa. Por isso acho certíssima a estratégia da MB de tentar aos poucos aumentar o número de Fragatas.

julio

O 40 mm sobre o hangar faz essa função.

Mario - SP

Obrigado pela resposta. Mas não deve ser tão preciso e de tiro rápido como os sistemas específicos.

Fernando "Nunão" De Martini

É um conceito diferente de sistemas como o Phalanx (caso você esteja se referindo a ele quando fala de sistemas de defesa de ponto, já que é um dos mais conhecidos). Ao invés de buscar, com elevada cadência de tiro (1000 por minuto ou mais), um impacto direto no alvo com projétil de calibre mais baixo (20mm, no caso do Phalanx) para destruir ou incapacitar a ameaça, o canhão de 40mm que deverá equipar a Tamandaré (e que em versões anteriores equipa outros navios da Marinha) utiliza um projétil explosivo maior do tipo 3P (programável, de proximidade e pré-fragmentado). Nesse… Read more »

Hermes

Mário, se o que você chama de sistemas específicos são os Phalanx e Goalkeeper da vida, eles também não são tão precisos, o que eles fazem é saturar de metal uma área onde o míssil ou outro alvo vai passar aumentando a probabilidade de acerto, por isso eles tem uma cadência de fogo tão alta. Nos sistemas de maior calibre essa saturação é feita pelos fragmentos de suas granadas maiores junto com o uso de espoletas de proximidade.

Cristiano de Aquino Campos

Na verdade tanto o 40mm como o 76mm fazem isso. Nas fragatas italianas e no destroyer o canhão 76mm e a arna de ponto.

Grozelha Vitaminada Milani

Se vier será Muito Bem Vinda.

Ótima notícia.

Melhor que as compras de oportunidades ou o melhor usarão de todos os tempos da última semana.

Agora a pergunta que ninguém responde ou quer responder:

Foi noticiado que o consórcio TKMS ganhou o.pedido atrelado ao overhauling / atualização de 2 submarinos IKL’s (pode ser até 4) e um tapa no estaleiro doca seca da MB. Como está esse “bonus”????

Como.o povo esquece rápido …

Claudio Moreno

Boa tarde Senhores! Mais uma vez desejo a todos felicidades e saúde. Quanto a paz, está um pouco difícil, nestes dias de segurança pública com política vacilante, mas nada como a mi ha Imbel 1911apc e a cada 15 dias no clube Paulista de tiro na Cantareira para manter a pro eficiência.

Bem quanto ao tópico, fico muito feliz que nosso oficialato esteja no campo do planejamento de Um 5 unidade da CCT. Tomara que não fique somente neste campo e vou mais além, que após a quinta unidade venha uma sexta de maior tonelagem e capacidade.

CM

Carlos Eduardo

Continuaremos com uma esquadra desdentada. Falta capacidade de defesa aerea mais forte, assim como anti-submarina. Podem ser 4, 5, 10 ou quantas mais forem, não passarão de navios de patrulha oceanica, parcamente armados e preparados para o cenário atual de combate naval. É como se nos preparar para a guerra moderna e tecnológica futura, com a concepção de que a guerra será como na 1 grande guerra., Precisamos de navios mais capacitados para a esquadra de guerra, com o maior numero possível de meios tecnológicos projetados e/ou construídos aqui. Como eu já citei antes, a MB erra em priorizar a… Read more »

JT8D

Amigo, você já ouviu falar de escala, encomendas, dinheiro, economia, realidade?

Carlos Eduardo

Por acaso havia escala que permita economia quando construímos as Niteroi ou as Inhauma? Havia por acaso quando construimos os IKL? Há escala para construir os Scarpone? Ou havia encomendas e escala quando compramos o projeto das AMAZONAS? Logicamente que não, para nenhum dos casos citados. Casco de navio, não faz independência e desenvolvimento. O recheio sim. Comprar tudo pronto e reclamar que não tem escala, é desculpa para não admitir que não tem capacidade de aprender a fazer. Não temos escala para construção de submarinos nucleares, mas gastamos bilhões em um projeto de reator que se arrasta a anos… Read more »

JT8D

Pois é, você quer tudo, ao mesmo tempo e agora. Você é bonito como o Brad Pitt, rápido como o Usain Bolt e inteligente como o Einstein? É isso que você está exigindo da MB. Eles são seres humanos, não deuses, e estão tentando fazer o melhor possível dentro da realidade brasileira, com os recursos que eles conseguem, dentro da burocracia insana deste país. Quando você atingir a perfeição, aí você poderá exigí-la dos outros

Carlos Eduardo

Não estou exigindo perfeição. não estou exigindo tudo ao mesmo tempo. Estou exigindo coerencia. A MB fala em independência, mas age ao contrário desse objetivo.

Eu cobro, que as prioridades sejam revistas. Eu cobro, que se deixe de gastar dinheiro como se o mesmo desse em arvores, e se aplique naquilo que realmente vai trazer beneficios vindouros. Eu cobro realidade, e não fantasia. Eu cobro integração. Racionalização.

JT8D

Pois isso não é racionalização. Cada item desses que você menciona é um projeto de engenharia que envolve desde a contratação e qualificação de mão de obra especializada até a compra de equipamentos e construção da infraestrutura necessária para o desenvolvimento e produção. Você tem ideia da burocracia e dos entraves orçamentários que teriam que ser superados? Isto que você descreve é o que a China está fazendo. Mas a China tem duas diferenças básicas em relação ao Brasil: eles tem recursos humanos e financeiros quase ilimitados e eles são uma ditatura

Carlos Eduardo

Já que quer fazer analogia com a China, vamos lá. Se você olhar até 15-20 anos atrás, a China estava atrás do Brasil em pesquisa e desenvolvimento. Sua industria ainda estava iniciando o processo de modernização. Oque eles fizeram de lá até hoje que nós fizemos diferente? Simples, eles priorizaram o nacional em detrimento ao estrangeiro. Fizeram exatamente aquilo que nós não tivemos a capacidade de fazer….. e olhe que na época que iniciaram esse processo, eles não tinham mão de obra qualificada suficiente e nem dinheiro. Ou seja, eles não se esconderam atrás de desculpas para não dar certo,… Read more »

Carlos Eduardo

Esqueci de dizer no meu comentário, mas se formos seguir sua linha de pensamento, podemos então abandonar o MANSUP, pois não existe encomenda ou escala para ele, uma vez que já existe no mercado até opções melhores que ele.

JT8D

Também não existe “escala” para um subnuc. Mas o subnuc é estratégico. Você pode eleger alguns projetos estratégicos e priorizá-los. Estes projetos terão um custo elevado, mas são essenciais para os interesses de longo prazo do país. Este é o caso do subnuc e do Mansup.
Já o que você propõe é fazer tudo, desde a metralhadora até o parafuso da rebimboca. É muito bonito, mas é obviamente inviável. Quem já administrou qualquer coisa sabe que os recursos são finitos e escassos e que para você conseguir atingir alguns objetivos é necessário abrir mão de outros

Carlos Eduardo

“Também não existe “escala” para um subnuc. Mas o subnuc é estratégico. Você pode eleger alguns projetos estratégicos e priorizá-los. Estes projetos terão um custo elevado, mas são essenciais para os interesses de longo prazo do país. Este é o caso do subnuc e do Mansup.” Exatamente, são estratégicos e por isso não devem ser olhados apenas pela optica de escala. Mas dentre os dois, qual é mais estratégico? Aquele que poderá equipar todos os meios de nossa esquadra e com isso afetar a segurança de todos os meios, ou um único meio que pouco agregará a segurança e níveis… Read more »

ersn

seria otimo ter duas antiaereas e duas antisubmarinas especializadas mas isso so se justificaria se a MB operasse em coalizão estilo NATO ou tivesse porta avioes operacional para fazer corbetura ASW e AAW e ja que não vamos caçar SSN russos em nosso litoral ou interceptar avioes MP sob nosso oceano então não e muita prioridade ja que o custo de operação desse tipo de navio e bem alto.

Carlos Eduardo

O problema de não ter, no meio militar, é que não tem como saber o dia de amanhã. Hoje você não precisa, mas amanhã poderá fazer muita falta.

Adriano RA

Exato. A China jogando centenas de milhares de toneladas de navios no mar todos os anos e nós deitados, em berço esplêndido. Tínhamos, no mínimo e se necessário, de sermos capazes de negar o trânsito pelo Atlântico Sul de qualquer navio de superfície, seja de quem fosse! Mas somos um povo pacífico e nossos vizinhos também…. Só falta combinar com os Russos… ou melhor, com os Chineses.

Mauro

Podem não gostar do R.L., mas ele têm acertado muita coisa, diria tudo. O Siroco e o HMS Ocean quem em primeira mão começou a falar que viria para o Brasil foi ele, até mesmo a Marinha negava… os do contra e metedores de malho de sempre então nem se fala, eram super navios para serem comprados pelo Brasil, não tinha dinheiro e tal, o Brasil nunca compraria… depois que foi confirmado, esses mesmos começaram a enchê-los de defeitos, um navio novo que era a Nau Capitânia da Marinha Real Britânica …. Eis que os dois estão aqui. Outra coisa,… Read more »

Carlos Eduardo

“com crescente aumento de conhecimento e componentes nacionais”

O problema é que serão nacionalizados aquilo que já é facilmente produzido aqui, ou seja, a parte mais estrutural. Mas quanto ao recheio, aquele que realmente agrega desenvolvimento tecnológico, esse continuaremos na dependência sempre de comprar fora.

Esteves

Olha…

Uma hora a MB mostra submarino “patrulhando” plataforma de petróleo.
Outra hora a MB diz que reatores nucleares serão “espalhados” pelo país.
Mais uma hora e a MB afirma que alguma privatização (que o EB não pode descobrir porque tem programas parados) poderá financiar mais Tamandarés. Será uma privatização secreta?

Sem comentar que na mensagem de final de ano mostraram a CCT.

Só por Shiva.

Marcos

Tomara que consiga trabalhar na construção delas, eu moro perto de itajaí e até o início da construção delas ja vou ter terminado minha graduação hehehe

DOUGLAS

Especialização e custos técnico na área também vai te ajudar. Coloca pra descer agora nisso e lá na frente você vai tá ao lado da primeira tamadaré kkk

Roberto Bozzo

Muito boa a informação, se for confirmada…. aliás, seria melhor ter 6 unidades da Tamandaré e, depois, partir junto ao estaleiro e a TKMS para uma classe maior, baseada nas F-124….
Deixem de investir na modernização das Niterói e usem o dinheiro para a aquisição de mais unidades das Tamandarés, padroniza a frota e, depois, se inicia um aumento de meios.

Alois

Essa notícia é muito boa, esperamos que se confirme, minha preocupação realmente é que a construção não pare em 4 navios, existe a necessidade de se manter os estaleiros com trabalho perene, no Brasil seria importante termos projetos/construção de patrulhas de 500/600 toneladas, patrulhas oceânicos de 1700/2000 toneladas além corvetas/fragatas e submarinos, até mesmo para manter a expertise técnica e de pessoal conquistada com muito investimento, e que seria perdida, como aliás já aconteceu no Brasil.
Talvez utilizar, para alguns meios, uma forma de financiar através do BNDES, pois são milhares de empregos, com alto valor agregado.

JBecker

Caramba… pq ficar inventando moda e comprando uma única Meko A200… mantenham os pés no chão, encomendem mais uma ou duas Tamandaré Meko A100 agora… depois partam para um projeto de 5.000 t

Up The Irons

“[…] a cúpula da Força está bastante animada com o bom acolhimento dado pelo governo federal ao pleito de uma quinta fragata leve da classe Tamandaré.”
Penso que esta é a melhor oportunidade das últimas décadas para as Forças Armadas se reequiparem. Este governo parece disposto a ajudar, mesmo num momento crítico de recuperação econômica, na reconstrução de nossas combalidas Forças. Que aproveitem e façam bom uso dos recursos que virão!

Luiz Henrique

Sonhar é grátis…..
Uma Meko 100 esticada para mim não se justifica a menos que o propriedade intelectual deste empreendimento seja da MB e que se possibilite buscar exportações a partir do Brasil visando a America Latina ou algum país da África o que eu sinceramente duvido.
Meko 200 seria interessante, um navio superior, já bem testado e que pode receber sensores e armamentos mais pesados.

Grozelha Vitaminada Milani

Foi ventilado anteriormente 4 Meio A100BR.

Posterior mais 4 Meio A400BR.

E completando o pacote mais 4 Meio A100BR.

Receita do Sonho Ideal:

Juntando com um classe Wave, um navio Polar Quebra Gelo (novo), 4 Scoorpenes, resgate de submarinos, PH Atlântico, Bahia, mais 5 IKL’s operacionais e se couber 6 Type 23 – já seria uma esquadra de respeito.

Que venham … Como diz Ivete: andar de carro velho é lenha!

Grozelha Vitaminada Milani

Meio não, MEKO!

sub urbano

O que sempre me incomoda são os vários requisitos para comprar míseras 4 fragatas, isso se repete sempre no Brasil. Se não tem recursos e todos sabemos, não tem porque fazer esse drama todo. Fim do mês sem grana, dívidas, vários boletos, pega aquele vinho chileno de 29 reais, paga no débido e sai rapido da loja sem olhar para a cara dos snobs, é assim que se faz.

JT8D

Até que enfim concordei com você em alguma coisa kkk

ersn

tomara que se concretize e nossa esquadra recupere sua capacidade operacional ,das forças armadas a MB e a que se encontra em pior situação ,ja que avioes ,tanques e fuzis da para improvisar mas navios combatentes e muito mais caro e complexo de comprar ,operar e manter ,tomara que nosso presidente e a equipe economica tome atitudes concretas ,porque se esperamos nossos almirantes ….

Foxtrot

“A TKMS e a EMGEPRON (Empresa Gerencial de Projetos Navais) que trabalham no pacote inicial dos navios classe Tamandaré acenam para a Marinha com duas possibilidades” 1- Continuam com o projeto Meko-100 estendida( Meko-100 gambiarrada). 2- O partirão para a Meko-200. Pois é, é o que sempre escrevo, não há planejamento de longo prazo algum. Já que apostaram nessa Meko “gambiarrada”, deveriam continuar com o projeto até a sexta unidade. Após isso, com os dutos conhecimentos adquiridos desse famigerado NAIPP/ TOT, desenvolver um projeto nacional baseado nas Meko,s. Caminho muito parecido com o seguido pela China. Mas mais uma vez… Read more »

Carlos Eduardo

“Como escrevi antes, acho que deveriam desenvolver um projeto nacional baseado em estudos dos cascos das Niteróis e Greenhalg e ensinamentos do projeto CCT/Meko ( se é que esse projeto gerará algum ensinamento).” Conforme eu já disse em comentário anterior e em outros comentários em outras noticias, eu acredito ser perda de tempo e queima de dinheiro investir milhões para fazer projetos de cascos de navios. Precisamos primeiro ter capacidade tecnológica para fazer todo o recheio, pois este sim é decisivo na batalha. Tendo um recheio nacional, tanto faz se o casco é brasileiro, americano, europeu, russo ou chines. Apos… Read more »

Foxtrot

Esse é noutro caminho a ser seguido também caro Carlos Eduardo.
Porém com esse famigerado programa CCT/Meko a MB irá sepultar projetos de sistemas de armas e EW nacionais, tais como SLQ, MAGE defensor, Gaivota-X, SLDM, SLT, Siconta Fênix etc etc etc.
Tudo em detrimento de importados e inclusos na “caixa preta” denominada CCT/Meko.
Aí quem sabe com um casco nacional tais sistemas não seriam “assassinados” em detrimento de tecnologias importadas?
Precisamos de navios baratos de fazer e manter, construídos em grande número e hiper bem armados.
E não desse “Bibelô” Europeu ocidental adaptado as necessidades nacionais !

JT8D

Isso, vamos primeiro aprender a fazer motores, radares, sonares, torpedos, mísseis, metralhadoras, CIWs, canhões, sistemas de navegação e só depois, então, nós vamos fazer navios. Como é que aqueles incompetentes da MB não pensaram nisso antes

Carlos Eduardo

JT8D, não que a MB não pensou, falta é vontade de fazer. É mais fácil buscar lá fora tudo prontinho embaladinho para presente, do que buscar o caminho demorado e custoso do desenv