Home Marinha do Brasil Onde ficam e quais são os 102 navios da Marinha

Onde ficam e quais são os 102 navios da Marinha

65702
188
Base Naval do Rio de Janeiro (BNRJ), subordinada ao Comando-em-Chefe da Esquadra (ComemCh), com vários navios da Esquadra e do 1º Distrito Naval atracados, em foto de 2015 de Ricardo Pereira

Um guia para entender um pouco mais sobre a Marinha do Brasil e seus navios

Por Fernando “Nunão” De Martini

A Marinha do Brasil (MB) possui, neste final de 2017, um total de 102 navios distribuídos em diversas de suas organizações militares (OMs) espalhadas pelo país. Parte significativa, especialmente meios de maior porte, está baseada em OMs das cidades de Niterói e Rio de Janeiro, na Baía de Guanabara (RJ), mas muitos outros se distribuem por Distritos Navais (DNs) de norte a sul do Brasil, no litoral (mar) e no interior (rios). Frequentemente, leitores do Poder Naval perguntam onde está baseado este ou aquele navio, ou demonstram desconhecimento tanto dessa quantidade de meios quanto de sua distribuição e atividades realizadas. Por isso, resolvemos publicar um panorama completo de onde ficam e quais são os 102 navios atuais da Marinha, indicando a qual organização estão subordinados dentro do organograma da MB.

Base Fluvial de Ladário (BFL), no Mato Grosso do Sul, subordinada ao Comando do 6º Distrito Naval (Com6ºDN), com navios da classe Piratini atracados, em foto de 2012 de Nunão

A matéria começa mostrando os navios baseados em organizações militares do Estado do Rio de Janeiro (cidades de Niterói, Rio de Janeiro e Arraial do Cabo), incluindo o 1º Distrito Naval, por serem as OMs que têm mais navios subordinados em relação às demais, num total de 48 (quase metade dos 102 navios da Marinha). Em seguida, passa aos demais Distritos Navais – vale lembrar que o país e suas águas são divididos em 9 Distritos Navais, 6 deles voltados para o litoral e 3 no interior, conforme o mapa ao lado. Mostraremos os navios de quatro DNs do litoral que, assim como o 1º DN, têm grupamentos de patrulha naval com navios subordinados (o recentemente criado Grupamento de Patrulha Naval do Sul-Sudeste, do 8º DN, ainda não tem navios), seguindo a ordem do atual Organograma / Estrutura Organizacional da Marinha, atualizado em outubro deste ano (2º DN, 3º DN, 4º DN e 5º DN). Também serão mostrados os navios dedicados à sinalização náutica e hidrografia afeitos a esses DNs. Por fim, mostraremos os meios de dois dos DNs do interior que também têm navios (6º DN e 9º DN – o 7º DN não os possui). Para facilitar o entendimento inicial deste todo, reproduzimos abaixo o já mencionado Organograma / Estrutura Organizacional e o quadro de Silhuetas de Navios (atualizado em setembro – clique no link para baixar pdf em maior resolução):

Algumas observações sobre as quantidades – Antes de iniciar o guia, cabe fazer duas observações: o número de 102 navios inclui o navio-aeródromo São Paulo, que apesar de ter sua desmobilização anunciada em fevereiro deste ano ainda consta tanto do organograma quanto do quadro de silhuetas, provavelmente pelo fato de sua desmobilização ter prazo de três anos para ser concluída desde o anúncio. Porém, não inclui o futuro navio-patrulha Maracanã, que não consta do organograma mas por alguma razão está incluído no quadro de silhuetas (o navio foi recentemente transportado do estaleiro EISA, onde sua construção foi interrompida devido à falência do mesmo, ao Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, para que os trabalhos sejam retomados em 2018). Ainda sobre o quadro de silhuetas, não incluímos neste guia os navios-museu ou os esquadrões da Aviação Naval, assim como o grande número de pequenas embarcações como lanchas e outros meios de porte menor (a chamada “poeira naval”) que equipa diversas organizações da Marinha, concentrando-nos apenas nos navios e avisos que constam de seu organograma, como Organizações Militares.

A segunda observação é que a maior parte dos navios (89 dos 102, incluindo o NAe São Paulo em desmobilização) está subordinada ao Comando de Operações NavaisComOpNav. O ComOpNav, por sua vez, está logo abaixo do Comando da Marinha – CM). Ao ComOpNav se subordina o Comando-em-Chefe da Esquadra (ComenCh), ao qual estão afeitos o Comando da Força de Superfície (ComForSup) e o Comando da Força de Submarinos (ComForS). Estes dois comandos abrigam os meios da Esquadra – 20 no ComForSup e 6 no ComForS, sendo estes os principais meios de combate da Marinha (exceto navios como o veleiro, o escola e o navio de socorro submarino, que não são de combate, e o navio-aeródromo, em desativação). Vale lembrar que Esquadra é entendida como um conjunto de Forças (parcelas da totalidade de navios, meios aéreos e de fuzileiros navais destinados ao serviço naval, pertencente ao Estado e incorporados à Marinha do Brasil) e navios soltos, posto sob comando único, para fins administrativos. Por sua vez, cada um dos nove Distritos Navais é subordinado ao ComOpNav. Numericamente, os meios distritais distribuídos pelos Distritos Navais somam a maior quantidade de navios da Marinha, num total de 63 meios flutuantes. Este trecho do organograma é reproduzido acima, para facilitar a visualização.

Fora do âmbito do ComOpNav, há três outras organizações, no caso diretorias, que no organograma estão ligadas ao Comando da Marinha, as quais têm outras organizações com navios subordinados, num total de 13 meios flutuantes. São elas: DGPM – Diretoria-Geral do Pessoal da Marinha, à qual está subordinada a Escola Naval (EN), com três navios (avisos de instrução); DGN – Diretoria-Geral de Navegação, tendo abaixo a DHN (Diretoria de Hidrografia e Navegação, à qual está subordinado o Grupamento de Navios Hidroceanográficos, com 9 navios; e a DGDNTM – Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, abaixo da qual estão sucessivamente o Centro Tecnológico da Marinha no Rio de Janeiro (CTMRJ) e o Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM), que opera um navio. Este trecho do organograma, especificamente nas partes que mostram a DGPM, a DGN e a DGDNTM está reproduzido acima, em parte, para uma melhor compreensão.

Navio-patrulha da MB ao largo de Fortaleza, em foto de 2010 de Nunão

Os 102 navios da Marinha do Brasil: onde ficam e quais são

Para facilitar o entendimento e eventuais comparações, a lista de navios (com seus indicativos) subordinados a cada organização é acompanhada de alguns dados básicos: deslocamento carregado (em toneladas) comprimento, boca e calado (em metros), e o número de tripulantes. Os dados são gerais (havendo alguns poucos casos de estarem incompletos) e estão aqui apenas para referência comparativa básica entre as classes, pois podem variar conforme o navio e o período, especialmente os referentes à tripulação (alguns podem ser da época da incorporação, tendo sido alterados com o tempo). O nome de cada navio é também o link para suas páginas no site Navios de Guerra Brasileiros (NGB), hospedado no Poder Naval, de onde foi extraída a quase totalidade dos dados básicos mencionados acima e das fotografias inseridas junto a cada grupo de navios (outras foram extraídas de sites da própria Marinha). Indicamos inicialmente a base ou estação naval onde normalmente o navio fica atracado entre suas saídas, o que evidentemente pode variar conforme as necessidades de manutenção e realização de comissões mais distantes.

Niterói (RJ): Base Naval do Rio de Janeiro (BNRJ), subordinada ao Comando-em-Chefe da Esquadra (ComemCh)

 

Comando do 2º Esquadrão de Escolta (ComEsqdE-2), subordinado ao Comando da Força de Superfície (ComForSup), subordinado ao ComemCh, subordinado ao ComOpNav.

Comando do 1º Esquadrão de Apoio (ComEsqdAp-1), subordinado ao Comando da Força de Superfície (ComForSup), subordinado ao ComemCh, subordinado ao ComOpNav.

 

Navios soltos subordinados diretamente ao Comando da Força de Superfície (ComForSup), subordinado ao ComemCh, subordinado ao ComOpNav.

  • Navio-aeródromo São Paulo (A 12), em desmobilização: 32.780t, 265m x 31,7m (casco)x 8,6m – 1.920 tripulantes (mais 582 do grupo aéreo). Obs: à exceção dos demais navios da ComForSup, o São Paulo, assim como o navio-aeródromo ligeiro Minas Gerais que o precedeu, sempre atracou no cais norte do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, e não na BNRJ.
  • Navio-escola Brasil (U 27): 3.729t, 130,2m x 13,5m x 4.4m – 218 tripulantes (mais até 204 guardas-marinha)
  • Navio-veleiro Cisne Branco (U 20): 1.038t, 76m x 10,6m x 4,8m – 42 tripulantes

Niterói (RJ): Base Almirante Castro e Silva (BACS), subordinada ao ComFors

Niterói (RJ): Base de Hidrografia da Marinha em Niterói (BHMN), subordinada à Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN)

Rio de Janeiro (RJ): Escola Naval (EN), subordinada à Diretoria de Ensino da Marinha (DEN), subordinada à Diretoria-Geral do Pessoal da Marinha (DGPM)

Rio de Janeiro (RJ): Comando do 1º Distrito Naval (Com1ºDN), subordinado ao Comando de Operações Navais (ComOpNav)

Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sudeste – (ComGptPatNavSE), subordinado ao Comando do 1º Distrito Naval (Com1ºDN). Obs: em geral os navios do ComGptPatNavSE atracam no molhe sul e cais sul externo do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ) e eventualmente na Base Naval do Rio de Janeiro (BNRJ).

Arraial do Cabo (RJ): Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM), subordinado ao Centro Tecnológico da Marinha do Rio de Janeiro (CTMRJ), subordinado à Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnologia da Marinha (DGDNTM)

Até aqui, mostramos os 48 navios subordinados a organizações militares do estado do Rio de Janeiro, dos 102 que a Marinha possui. Veja agora os 54 navios restantes, subordinados aos distritos navais sediados na Bahia (2º DN), no Rio Grande do Norte (3º DN), Pará (4º DN), Rio Grande do Sul (5º DN), Mato Grosso do Sul (6º DN) e Amazonas (9º DN).

Salvador (BA): Base Naval de Aratu (BNA), subordinada ao Comando do 2º Distrito Naval (Com2ºDN), subordinado ao Comando de Operações Navais (ComOpNav)

Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Leste – (ComGptPatNavL), subordinado ao Comando do 2º Distrito Naval (Com2ºDN).

Comando da Força de Minagem e Varredura – (ComForMinVar), subordinado ao Comando do 2º Distrito Naval (Com2ºDN).

 

Serviço de Sinalização Náutica do Leste (SSN-2), subordinado ao Comando do 2º Distrito Naval (Com2ºDN).

Natal (RN): Base Naval de Natal (BNN), subordinada ao Comando do 3º Distrito Naval (Com3ºDN), subordinado ao Comando de Operações Navais (ComOpNav)

Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Nordeste – (ComGptPatNavNE), subordinado ao Comando do 3º Distrito Naval (Com3ºDN).

Serviço de Sinalização Náutica do Nordeste (SSN-3), subordinado ao Comando do 3º Distrito Naval (Com3ºDN).

Belém (PA): Base Naval de Val-de-Cães (BNVC), subordinada ao Comando do 4º Distrito Naval (Com4ºDN), subordinado ao Comando de Operações Navais (ComOpNav)

Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Norte – (ComGptPatNavN), subordinado ao Comando do 4º Distrito Naval (Com4ºDN).

 

Centro de Hidrografia e Navegação do Norte (CHN-4), subordinado ao Comando do 4º Distrito Naval (Com4ºDN).

Rio Grande (RS): Estação Naval do Rio Grande (ENRG), subordinada ao Comando do 5º Distrito Naval (Com5ºDN), subordinado ao Comando de Operações Navais (ComOpNav)

Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul – (ComGptPatNavS), subordinado ao Comando do 5º Distrito Naval (Com5ºDN).

 

Serviço de Sinalização Náutica do Sul (SSN-5), subordinado ao Comando do 5º Distrito Naval (Com5ºDN).

 

Ladário (MS): Base Fluvial de Ladário (BFLa), subordinada ao Comando do 6º Distrito Naval (Com6ºDN), subordinado ao Comando de Operações Navais (ComOpNav)

Comando da Flotilha de Mato Grosso – (ComFlotMT), subordinado ao Comando do 6º Distrito Naval (Com6ºDN).

 

Serviço de Sinalização Náutica do Oeste (SSN-6), subordinado ao Comando do 6º Distrito Naval (Com6ºDN)

 

Manaus (AM): Estação Naval do Rio Negro (ENRN), subordinada ao Comando do 9º Distrito Naval (Com9ºDN), subordinado ao Comando de Operações Navais (ComOpNav)

Comando da Flotilha do Amazonas – (ComFlotAM, subordinado ao Comando do 9º Distrito Naval (Com9ºDN).

 

Serviço de Sinalização Náutica do Noroeste (SSN-9), subordinado ao Comando do 9º Distrito Naval (Com9ºDN)

Fontes principais: Navios de guerra brasileiros (NGB) e Marinha do Brasil (MB)

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
188 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MO
MO
2 anos atrás

Excelente Fernandinho, jamais teria saco para fazer 1/4 disto !!!

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

Sem entrar no mérito da nossa capacidade naval ou distrital, bri-lhan-te reportagem! Irretocável. Parabéns.

Fabio
Fabio
2 anos atrás

O ministério da Defesa deveria repassa o patrulhamento fluvial para o exercito (transferindo seus meios para o mesmo tb). Seria uma economia de logística e de recursos, pois atualmente as duas forças fazem o mesmo papel na vigilância fluvial.

Erichwolff
Erichwolff
2 anos atrás

E já foi o dobro…

MO
MO
2 anos atrás

Senti falta dos 3 do CN, o Pica Arretada , Toma Enrabada e o Rosca Fina

Agnelo
Agnelo
2 anos atrás

Excelente trabalho.

Thom
Thom
2 anos atrás

Muito Obrigado Nunão!!!
Parabéns Naval.

MO
MO
2 anos atrás

tem tbm os Rb´s Portuarios, e não confrontando, apenas informando as eventuais interessados que tem mais coisa

Sérgio Benedito Moreira
Sérgio Benedito Moreira
2 anos atrás

Muito bom! Agora eu sei um pouco de nossa marinha, rsrs. Sou leitor assíduo do blog, mas (muito) raramente comento alguma coisa, até por falta de conhecimento mesmo.

XO
XO
2 anos atrás

Fabio 18 de dezembro de 2017 at 15:08
“O ministério da Defesa deveria repassa o patrulhamento fluvial para o exercito (transferindo seus meios para o mesmo tb). Seria uma economia de logística e de recursos, pois atualmente as duas forças fazem o mesmo papel na vigilância fluvial”.

Não, Fábio, o patrulhamento que o EB faz é muito pontual e restrito… não há, portanto, conflito… abraço

Matheus
Matheus
2 anos atrás

Show a matéria! O Fábio Souto que vive perguntando sobre a esquadra vai amar hahaha.

Alexandre Galante
2 anos atrás

Parabéns Nunão! Só você mesmo para fazer esse trabalho colossal. BZ!

Victor
Victor
2 anos atrás

É impressão minha ou a nossa marinha é menor que a guarda costeira americana?

Augusto Du Arte
Augusto Du Arte
Reply to  Victor
2 anos atrás

É impressão minha ou você não tem coragem de mostrar sua foto?

Ricardo Rademacker
Ricardo Rademacker
2 anos atrás

Parabéns pelo magnifico trabalho.

TukhAV
TukhAV
2 anos atrás

Victor, você duvida? Hahaha
Não sou militar muito menos especialista na área mas pelo que vejo a Brazilian navy se resume a sucatas do naipe do Parnaíba usadas (porcamente) para o serviço de guarda costeira; um punhado de fragatas dos anos 70 love& peace tão defasadas que só servem para empurrar água; e como único meio operativo real em um possível conflito uma frota de submarinos que deve dispor de um ou dois de prontidão a cada momento. É isso?

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

Fábio, a transferir a patrulha fluvial para o EB, o que não acho plausível, seria melhor criar a afamada Guarda Costeira, o que é motivo de polêmica pela possível redundância de estruturas e sendo ela hipoteticamente subordinada a um Ministério civil, possivelmente da Justiça, os salários seriam equivalentes aos órgãos policiais da União, o que traria sérias comparações com os soldos navais… Então, é melhor deixar quieto. A MB quer, pode e vem fazendo bem, ok, só melhora a linha de batalha…

Alexandre Halle Najm
Alexandre Halle Najm
2 anos atrás

Parabéns pela excelente matéria!!!!

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

Sobre uma enquete aqui no PN acerca do tema em 04/09/2008… “Ozawa em 04 Set, 2008 às 17:05 Quanto a enquete ao lado, tecnicamente, eu tenderia à uma G.C., e subordinada ao Ministério da Justiça e não à Defesa, uma espécie de Polícia Federal Naval. O problema é que certamente seria um órgão de vigoroso peso político, forte lobby junto aos congressistas, uma tendência das forças de segurança pública da União Federal, que demandaria (e receberia como seu congênere terrestre, na concepção sugerida, a PF), muitos recursos em material e pessoal, o que geraria um “melindre” com a força naval… Read more »

elton rafael
elton rafael
2 anos atrás

belo trabalho…agora vendo a disposição dos meios e especialmente os tipos de meios fica o questionamento.Nossa marinha serve para dar suporte aos orgaos gorvenamentais ou para dissuação estrategica ?Porque a quantidade de navios inrrelevantes para combate e impressionante e meios para batalha no oceano sao minimos….

MO
MO
Reply to  elton rafael
2 anos atrás

Elton, vc não pensa que ua Marinha é feira apenas de força combatente né, se vc ver da mesma maneira uma grande Grande Marinha se surpreendera

MO
MO
Reply to  MO
2 anos atrás

Engraçado, pessoa mal conhecia 20 destes navios e ja começa a soltar as abobra …. a famosa frase de quem manja piciroca nenhuma a tal “sucata”

colombelli
colombelli
2 anos atrás

Trabalho lapidar. Referência de consulta. Muito bom.

Rui Chapéu
Rui Chapéu
2 anos atrás

Alguém sabe a idade média dos navios?

MO
MO
Reply to  Rui Chapéu
2 anos atrás

Varia muito Rui, tem de 2017 a de 1937

Fabio Souto.
Fabio Souto.
2 anos atrás

Nunão parabéns pelo trabalho. O maracanã ja esta no dique?

737-800 RJ
737-800 RJ
2 anos atrás

Que post excelente! Eu, como leigo, aprendi muito! Trabalho no SDU e sempre vejo intensa movimentação de embarcações, inclusive da Marinha. Tô começando a me interessar sobre o assunto. Obrigado!

_RR_
_RR_
2 anos atrás

Excelente trabalho. Muito bom.

elton rafael
elton rafael
2 anos atrás

MO,não pensei isso so que a nossa marinha com recursos limitados parece que foca em tipos de navios que nao sao uteis para combate ,ter de tudo e bom mas tem que focar no COMBATE e nao em varios navios inuteis para operaçoes belicas

Leandro
Leandro
2 anos atrás

Matéria show de bola, muito bem detalhada! Fica apenas uma pergunta na minha cabeça, porque tantos meios navais do Estado do Rio de Janeiro? Não caberia uma distribuição dos meios (principalmente fragatas e corvetas) entre os DN’s do Sul e Nordeste?

Marujo
Marujo
2 anos atrás

Com este trabalho, o Nunão se superou

Boiler
Boiler
2 anos atrás

Excelente matéria, esclarecedora e detalhada. Parabéns. Esperamos que, para breve, exista disposição ao principal porto do país também possuir uma guarnição formatada com as necessidades operacionais da região.

Fábio Mayer
Fábio Mayer
2 anos atrás

Que beleza de matéria! Parabéns, Nunão!!! Isso é jornalismo de primeira, esclarecedor, matéria para prêmio!

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Olhando assim, até os chineses, americanos e russos vão se assustar.
Resta saber quantos estão plenamente operacionais.

De Martini, parabéns pela matéria!!

Zorann
Zorann
2 anos atrás

Parabens Nunão pela matéria! Como outros já disseram é fonte de consulta. Fica só a sugestão de afixar este post em algum menu no topo do site, para facilitar encontra-lo.

Muito bom mesmo!

XO
XO
2 anos atrás

elton rafael 18 de dezembro de 2017 at 16:48
Elton, a MB cumpre alguns compromisso internacionais, como SAR e manutenção da sinalização náutica, daí a necessidade de navio que não seriam propriamente “de combate”… ressalto o trabalho da DHN, que, além da sinalização náutica, faz os levantamentos para confecção e atualização das cartas náuticas, além de prover informações úteis a qualquer navegador, tais como aviso aos navegantes e previsão meteorológica… abraço…

Nunão, trabalho de chinês, parabéns… cordial abraço…

Ádson
Ádson
2 anos atrás

“Fabio Souto. 18 de dezembro de 2017 at 16:30
Nunão parabéns pelo trabalho. O maracanã ja esta no dique?”
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ádson
Ádson
2 anos atrás

Parabéns Nunão. Tem um “NPaFlu” no rio São Francisco, não me recordo do seu indicativo visual, não consegui acha-lo em pesquisa e nem em sua brilhante matéria.

Rui chapéu
Rui chapéu
2 anos atrás

A preguiça é maior que a vontade hehehe, era apenas por curiosidade.

Outra coisa, além de tudo isso a marinha também fica responsável por barcos de pesca e ver se o pessoal está de colete… E TB jet-ski ….

Isso não é uma baita perca de tempo pra marinha? Não seria melhor criar ou deixar tipo uma PM naval pra essas atribuições??

Ten Murphy
Ten Murphy
2 anos atrás

Parabéns pelo trabalho! E que trabalho!!! Reportagens assim que tornam um blog em referência. Continuem assim e sucesso sempre!

Zorann
Zorann
2 anos atrás

Olá Rui Chapéu! . Na minha opnião, estas tarefas de Guarda Costeira devem ficar com a Marinha. A criação de qualquer outra força com este intuito, criaria um monte de estruturas redundantes e fariamos ainda menos com o mesmo orçamento. A maneira, ao meu ver, mais correta de se melhorar a situação, seria destinar parte dos impostos arrecadados no setor portuário à Marinha Brasileira que faz todos estes serviços. Como também deveria a FAB receber parte dos impostos aeroportuários para custear a tarefa de controle do tráfego aéreo. . No Brasil os impostos são arrecadados e vão todos para um… Read more »

Bosco
Bosco
2 anos atrás

Uau! Parabéns pelo artigo!

Flávio Cardia
Flávio Cardia
2 anos atrás

Belíssimo trabalho!!
Só uma dúvida, não duas embarcações de desembarque que vieram com o Bahia, pq só tem uma no mapa?

Antonio José
Antonio José
2 anos atrás

Bela frota…

Para uma Guarda Costeira!

Guizmo
Guizmo
2 anos atrás

Parabéns pelo trabalho, um primor! O H-39 Vital de Oliveira é belíssimo!!!

Roberto F Santos
Roberto F Santos
2 anos atrás

Um bom artigo, sei que deu trabalho, parabéns
Realmente como disse um colega aqui, uma marinha menor que a guarda costeira dos EUA, um pais tão rico e tão continental ficar com suas águas desprotegidas, não por culpa dos seus profissionais é claro mas pelos políticos que tem. Somos despreparados e mau equipados, diga-se de passagem todas três forças.

Luciano
Luciano
2 anos atrás

PARABÉNS, Nunão! Excelente artigo! Didático, com ótimas fotos e informações fundamentais. Como o Colombelli disse, “Referência de consulta”! Esse é pra guardar!

Kornet
Kornet
2 anos atrás

Melhor reportagem do blog,sem comentários.

Roger
Roger
2 anos atrás

Erichwolff 18 de dezembro de 2017 at 15:10

É de se enaltecer este brilhante trabalho de pesquisa e catalogação contido nesta matéria.
Parabéns pela riqueza de detalhes e das fotos, mas queria aproveitar para saber
(conforme o comentário do Erichwolff), a Nossa esquadra chegou a ter o dobro desse efetivo ?
Significa que ao logo de décadas e com o aumento das ameaças mundiais, e com o advento
da descoberta e exploração dos campos de petróleo do pré-sal, os Navios que foram
descomissionados não foram repostos ?