Home Concursos Marinha abre concurso para 900 vagas no país em 2020

Marinha abre concurso para 900 vagas no país em 2020

2155
23

Para concorrer, é preciso ter ensino médio completo e idade entre 18 e 22 anos, remuneração vai de R$ 1.108,53 a R$ 1.950

Por G1

A Marinha do Brasil abriu concurso público para admissão nas Escolas de Aprendizes-Marinheiros (CPAEAM) em 2020. São ofertadas 900 vagas, apenas para homens.

Para participar do concurso público é necessário que o candidato tenha seja brasileiro nato; tenha ensino médio completo; altura mínima de 1,54m e máxima de 2,00m; 18 anos completos e menos de 22 anos de idade em 1º de janeiro de 2021 e não ser casado ou não ter constituído união estável.

O Curso de Formação de Marinheiros para a Ativa será conduzido em uma primeira fase nas Escolas de Aprendizes-Marinheiros (EAM), sob regime de internato, inteiramente gratuito e tem duração de um ano letivo, realizado em um único período escolar de 48 semanas, no qual serão ministradas disciplinas do Ensino Básico e do Ensino Militar-Naval. Durante esse curso, além de serem proporcionados alimentação, uniforme, assistência médico-odontológica, psicológica, social e religiosa, o aprendiz-marinheiro terá bolsa-auxílio no valor total de R$ 1.108,53.

A segunda fase será para o grau hierárquico de grumete, destinada à especialização técnica, em três áreas: Eletroeletrônica, Apoio ou Mecânica. Como grumete, o aluno terá bolsa-auxílio no valor total bruto de R$ 1.179,72. Ao se inscrever, o candidato precisa indicar a ordem de preferência da área profissional que deseja cursar.

Ao concluir o curso, os grumetes terão de prestar juramento à Bandeira e, em seguida, se comprometer com dois anos de serviços, período do estágio inicial. Somente após conclusão do estágio, com aprovação, se dará o ingresso ao serviço ativo da Marinha, como marinheiro, e passará a ter remuneração bruta de R$ 1.950,00.

As EAMs são estabelecimentos de ensino militar da Marinha do Brasil, cujo propósito é formar marinheiros para o Corpo de Praças da Marinha. Atualmente existem quatro escolas: Escola de Aprendizes-Marinheiros do Ceará (EAMCE), em Fortaleza; Escola de AprendizesMarinheiros de Pernambuco (EAMPE), em Recife; Escola de Aprendizes-Marinheiros do Espírito Santo (EAMES), em Vila Velha, e Escola de Aprendizes-Marinheiros de Santa Catarina (EAMSC), em Florianópolis.

O candidato pode indicar qual a escola de sua preferência, mas a Marinha poderá designá-lo para qualquer uma das quatro.

As inscrições devem ser feitas de 20 de janeiro a 3 de fevereiro por meio do site www.ingressonamarinha.mar.mil.br. A taxa de inscrição é de R$ 25.

A prova escrita objetiva deverá ser realizada na 1ª quinzena de abril de 2020. Haverá ainda verificação de dados biográficos, inspeção de saúde, teste de aptidão física, avaliação psicológica e verificação de documentos.

FONTE: G1

Subscribe
Notify of
guest
23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Space Jockey
Space Jockey
4 meses atrás

E da lhe concurso, apesar do salário baixissimo

Rafael
Rafael
4 meses atrás

Tá certo mesmo, está sobrando navios na MB…quase não temos marinheiros suficientes para nossa “gigantesca frota naval”.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Rafael
4 meses atrás

Marinheiros entram, mas marinheiros também saem (se não se especializarem em cursos ou prestarem concurso para cabo, depois sargento, são desligados em 9 anos).

Precisa saber qual é a conta dos que estão saindo agora e nos últimos anos. Não tenho os dados, mas quem tiver tempo pode buscar.

O que dá pra saber pesquisando aqui mesmo, por exemplo, é que o número de vagas vem caindo a cada ano. Para 2020 são 900 vagas, mas em 2013, por exemplo, eram mais de 2000 vagas:

https://www.naval.com.br/blog/2013/03/05/concurso-para-as-escolas-de-aprendizes-marinheiros-2013/

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
4 meses atrás

Complementando o comentário acima, aqui tem detalhes sobre a carreira de praças, no capítulo 8 desse pdf. Não é muito fácil a compreensão ao menos na primeira leitura, mas fala dos cursos e das promoções e seus requisitos para que se faça progressão na carreira:

https://www.marinha.mil.br/eames/sites/www.marinha.mil.br.eames/files/LEGMIL.pdf

tulio762
tulio762
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
4 meses atrás

A carreira do marujo sempre foi melhor que a do naval.

Minuteman
Minuteman
4 meses atrás

A maior marinha em terra do mundo. Estamos orgulhosos.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
4 meses atrás

Efetivo ⬆ Esquadra ⬇

carlos andreis
carlos andreis
4 meses atrás

80 507 e vão contratar mais 900? Só para comparar a India conta com 67 252 e 137 embarcações

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  carlos andreis
4 meses atrás

Há dez anos (e dois meses), direto do túnel do tempo: https://www.naval.com.br/blog/2009/11/13/aprovado-projeto-que-aumenta-efetivo-da-marinha/ Esse foi o decreto que instituiu o aumento do efetivo de militares na Marinha para 80.507 ao longo de 20 anos, sob a justificativa dos diversos programas de aumento no número de navios, segunda esquadra etc (lembrando que esse número de mais de 80.500 é o autorizado, o real é menor). A partir de 2016, segundo esse relatório de 2017, começou o processo de redução, em vista da questão orçamentária e da não realização do aumento do número de navios previsto. https://www.marinha.mil.br/sites/default/files/relatoriogestao2017.pdf Esse trecho abaixo, na página 114,… Read more »

Fernando XO
Fernando XO
4 meses atrás

Existe um documento chamado Plano Corrente, o qual define a quantidade de pessoal a ser incorporado, dentre outros aspectos… dessa forma, é possível captar pessoal, visto o quantitativo que deixou a Força, sem aumentar o efetivo (trocando em miúdos, existe um.planejamento regular e ajustável)… agora, abrir concurso sempre vai ocorrer, isso porque o fluxo da carreira demandará novos militares… mas parece que os leitores veem apenas o número em si e não esse processo acima explicado…

Nilson
Nilson
Reply to  Fernando XO
4 meses atrás

Há algum tempo sugiro que o fluxo da carreira seja represado por um ano a cada três anos, sem entrada de pessoal no ano do represamento, de forma que se reduzisse o quadro mais rapidamente. Teria que sair do quadradinho do fluxo, as pessoas ficariam mais tempo nas suas atividades, mesmo que obtivessem a promoção. Creio mesmo que o fluxo vai ter que mudar um pouco devido à reforma da previdência. Mas sei que os militares não gostam desse tipo de ideia, entendem que a manutenção do fluxo é cláusula pétrea, que tem que continuar do jeito que é.

nonato
nonato
Reply to  Nilson
4 meses atrás

É só reduziria o número que entra sem parar o fluxo.

marcus
marcus
Reply to  Fernando XO
4 meses atrás

Mesmo assim, 81 mil membros é um número exorbitante, para uma marinha que não tem navios de combate em número suficiente.
Sugiro que a marinha, compre 11 exemplares desse navio para dar trabalho aos marinheiros de terra.
https://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/conheca-o-maior-navio-de-cruzeiro-do-mundo

paulop
paulop
4 meses atrás

Senhores: penso que nestas épocas de “vacas magras” caberia uma revisão da estrutura de recrutamento das FFAA. Pensando no exemplo da matéria, poder-se-ia pensar em substituir o concurso, por um processo seletivo embasado no “Serviço Voluntário por Contrato”. Aplicar-se-iam regras semelhantes para o EB e FAB, pensando na perspectiva de um serviço militar totalmente voluntário, na qual o praça/graduado permaneceria na força por um tempo contratualmente estabelecido (entre 8 e 10 anos, com mais 2 anos de renovação mediante avaliação de desempenho), com possibilidade de aperfeiçoamento continuo, que ao findar do período contratual, o militar passaria a integrar a reserva… Read more »

nonato
nonato
Reply to  paulop
4 meses atrás

Ou pelo menos aproveitar parte desses como efetivos após 5 ou 10 anos por exemplo.
O trabalho que exige juventude teria que ser no máximo uns dez anos para depois não dizer que um militar com 45 anos não pode ir para a guerra.

Alexandre
Alexandre
Reply to  paulop
4 meses atrás

Qual a diferença dessa proposta para os RM2?

farragut
farragut
4 meses atrás

entre 2011 e 2013, havia dúvidas legítimas quanto aos recursos orçamentários para aumento tão elevado de efetivos e, com aumento de expectativa de vida, de inativos e pensionistas numa moldura temporal de 50 anos. não foram bem avaliados os assessores que apresentavam tais ressalvas pois o aumento de efetivos era premissa do nível político do “Brasil potência”.

Alex.cg
Alex.cg
4 meses atrás

Ja tem gente de mais era pra passa uns 5 anos sem fazer concurso e colocar um monte pra fora nao tem dinheiro pra compra navio assim vai ser uma marinha sem navio que so tem projetos.

Jodreski
Jodreski
4 meses atrás

Esses 900 que entrarão não são o problema da MB, o problema dela mora no excesso de oficiais, principalmente se levarmos em conta o tamanho da nossa esquadra, é Cacique demais pra pouca Oca!

Chateado
Chateado
4 meses atrás

Entra Marinheiro, sai Marinheiro, mas nada muda, são tratados como “escravos” a bordo da mesma forma que sempre foram, salário defasado, uniforme mescla ridículo, ou seja, uma verdadeira Marinha Imperial, única força que existe diferença nos uniformes, unicamente para diferenciar os “escravos” dos “senhores”. Abraços

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Chateado
4 meses atrás

Haha teve estrelado que não curtiu isso

Jodreski
Jodreski
Reply to  Space Jockey
4 meses atrás

Poxa vc quer acabar com a auto estima dos senhores, para eles se sentirem “grandes” em alguma coisa, eles precisam diminuir alguém… é psicologia pura! Isso só mostra o tamanho da nossa insignificância.

Dimi
Dimi
4 meses atrás

Blá blá blá…enfim se tem militares de + +, há reclamação,se de – tb, o fato é que há muito evasão e mesmo com baixo salário se este militar que tem uma família e foi bem instruído por essa é menos um vagabundo, mendingo ou outra coisa pior no meio da sociedade, o fato é que pra se ter mais navios tem que existir uma administração naval mais forte e TB é fato que não existe isso, então peca-se por muita coisa sem controle, peca-se por se viver de egos. Enfim uma falha é que nos centros escolares como EAMs… Read more »