Home Marinhas de Guerra Missão Sentinela do Golfo nas mãos da Marinha Real

Missão Sentinela do Golfo nas mãos da Marinha Real

5121
20

A missão de segurança mais importante nas águas do Oriente Médio está nas mãos da Marinha Real até o verão.

Hoje (30), uma equipe do comodoro James Parkin se encarregou do International Maritime Security Construct (IMSC) – uma coalizão de nações comprometidas em proteger a navegação de navios mercantes de ataques e interferências hostis, permitindo o fluxo comercial livre e seguro.

A organização sediada no Bahrein – talvez mais conhecida por seu nome operacional, Sentinel – fornece navios de guerra para escoltar embarcações civis dentro e fora do Golfo através do Estreito de Hormuz, onde quatro navios-tanque foram atacados no verão passado e houve a apreensão ilegal do navio de bandeira britânica Stena Impero.

A crescente ameaça levou a uma forte resposta da Marinha Real – a fragata HMS Montrose está fortemente envolvida desde julho na proteção de navios mercantes e permanece em patrulha hoje, como parte da presença do Reino Unido na região; ela também é apoiada pelos navios HMS Duncan, HMS Defender e HMS Kent.

Em um dia normal, dois navios porta-contêineres ou navios de bandeira britânica estão passando pelo Estreito de Hormuz e a cada dia que sua jornada é adiada, custa a seus proprietários cerca de £ 230.000.

Além disso, existem diariamente cerca de 2.200 embarcações mercantes na região, daí uma resposta internacional à ameaça.

Sete países se destacaram: Reino Unido, EUA, Austrália, Bahrain, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Albânia – com a IMSC oficialmente iniciando operações no início de novembro, sob o contra-almirante americano Alvin Holsey.

Ele entregou ao Commodore Parkin, que normalmente fica no Stonehouse Barracks em Plymouth, onde comanda o Littoral Strike Group do Reino Unido – as forças anfíbias recém-renomeadas.

A presença dos britânicos e seu mandato de quatro meses na IMSC – comandando uma equipe internacional, navios de guerra internacionais e poder aéreo internacional de coleta de informações – foram calorosamente recebidos pelo vice-almirante James Malloy, comandante da Quinta Frota da Marinha dos EUA – o oficial de guerra naval sênior da região.

“Visitando meu escritório há dois meses, o Primeiro Lorde do Mar prometeu que enviaria o melhor oficial experiente em combate, com importantes comissões regionais – e ele cumpriu sua palavra”, disse o vice-almirante Malloy.

Embora o Estreito de Hormuz tenha sido o ponto focal dos esforços e da atenção global nos últimos seis meses, o domínio do Comodoro Parkin também inclui dois outros “pontos de estrangulamento” importantes nos quais o transporte marítimo foi atacado no passado – o Bab al Mandeb, ao pé do Mar Vermelho e o Chifre da África, onde os navios foram atacados por rebeldes/piratas – assim como as águas mais abertas do Golfo de Omã e do Golfo Pérsico.

Ele está determinado a desenvolver as bases estabelecidas pelo almirante Holsey e sua equipe.

“O Reino Unido está comprometido em garantir a segurança do transporte marítimo na região do Golfo, que contém alguns dos pontos de estrangulamento mais importantes do mundo”, acrescentou o comodoro Parkin.

“Reconhecemos a importância da liberdade de navegação e garantiremos que ela seja mantida.

“Enquanto o Reino Unido continua a pedir a desescalada, a segurança e proteção de nossos cidadãos e nossos interesses na região são de extrema importância para o Reino Unido e a Marinha Real”.

FONTE: Royal Navy

Subscribe
Notify of
guest
20 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tupinambá
Tupinambá
5 meses atrás

Interessante falar em nome da liberdade de comércio enquanto impõem sanções a países não alinhados.

Bosco
Bosco
5 meses atrás

É fácil de perceber que o HMS Montrose é armado com mísseis Sea Ceptor . Ele não possui o diretor de tiro para o míssil Sea Wolf.

Flanker
Flanker
5 meses atrás

Duas Type 23 e dois Type 45…..uma força de respeito! Só esses 4 navios substiruiriam com folga as nossas remanescentes (e cansadas) fragatas e corvetas das classes Niterói, Greenhalgh e Inhaúma……e antes que falem alguma coisa, não estou pedindo que sejam compradas (é tb não estão à venda)….até pq hoje não teríamos como manter navios como os Type 45…..só quero enfatizar como quão combalida estão nossas forças navais.

Eder Reis
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Eu não sabia que o Brasil tem marinha de guerra !

Joao Moita Jr
Reply to  Eder Reis
5 meses atrás

Não tem. O que tem é guarda costeira.

Salim
Salim
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Lembrando que marinha inglesa tem 34 mil efetivos com presença mundial, aqui cerca de 80 mil praticamente na praia.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
5 meses atrás

Thumbs up pro Pompeo.

zé
5 meses atrás

O que é um Comodoro? Oficial General ou Oficial Superior? É comandante de navio ou de FT? Existe na MB ou qual seria equivalente?

Flanker
Flanker
Reply to 
5 meses atrás

Em muitas Marinhas, é um posto entre Capitão-de Mar-e Guerra e Contra-Almirante. Na MB não é usada essa graduação.

Dalton
Dalton
Reply to 
5 meses atrás

Na US Navy nos dias de hoje “commodore” é um posto honorário, atribuído a Capitães de Mar e Guerra comandando por exemplo um esquadrão de destroyers, “DESRONs”, enquanto o segundo no comando é tratado por
“deputy commodore”.

Rafael
Rafael
5 meses atrás

Só uma dessas Type-23 já dão conta de toda Marinha do B… ops, quero dizer Marinha do Rio Janeiro.

Rafael
Rafael
Reply to  Rafael
5 meses atrás

*Rio de Janeiro.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Rafael
5 meses atrás

Caracas, só de pensar que ainda teremos escoltas novas até meados da decada seguinte, me faz questionar se a nossa MB pode desempenhar papel semelhante. Poderíamos avaliar em termos monetários o que ela garante, como fizeram acima com a RNavy no Golfo Pérsico?.

Paulo HP
Paulo HP
Reply to  Rafael
5 meses atrás

Rafael, como esta´o tempo em Sao Paulo ?

Rafael
Rafael
Reply to  Paulo HP
5 meses atrás

Não sei, sou do Rio Grande do Sul.

Antonio
Antonio
5 meses atrás

Grupo de navios de guerra pró USA defendendo seus interesses aliados com alguns submissos, só isso. Não se esqueçam que eles também querem garantir os bloqueios econômicos em vigor unilateralmente pelo tio sam. Marinha real da qui pra frente será a chinesa. Parem com esse papo de marinha real é a marinha inglesa! Cada vez mais enxuta e com orçamento menor….

Wagner
Wagner
5 meses atrás

Uma questão!!! Não seria razoável fazer um oleoduto e gasoduto saindo desses países do golfo e passando pela Arábia Saudita até o mar vermelho??? Além de talvez ser mais barato e seguro” fica do lado das bases em Djibuti e do canal de Suez…..

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
5 meses atrás

Né por nada não, sei que funcionalidade não tem a ver com beleza no mundo militar, mas até as feias fragatas russas são mais bonitas que os navios da Royal Navy. É a marinha campeã em projetar navios feios. Os projetistas parecem ter paixão por cagar fealdade. Muito longe da elegância e da imponência dos americanos Arleigh Burke, da japonesa classe Kongo e Asahi, dos destroyeres chineses Type 055 e 052. Ainda escapa as futuras Type 26, que parece que serão os navios que irão quebrar essa sina, esse fado que a Marinha Real carrega de produzir navio feio.

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
5 meses atrás

Discordo sobre a classe Arleigh burke – extremamente deselegante com aquele mastro estilo caravela e ainda tombado para trás. E acho feio navios com proas e seus costados embicados para cima. O conjunto todo lembra algo antigo mas que teima em navegar. Independente de serem navios modernos e funcionais. Entretanto, nada supera a proa embicada para cima da Classe Barroso, cujo costado, em sua parte mais baixa fica mais baixo que o da popa, causando um mal estar na visão… Lembra as traineiras de madeira feitas no Brasil cuja ponta da proa sobe para as nuvens. Eita coisa horrorosa de… Read more »

Baaz
Baaz
Reply to  Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
5 meses atrás

Não há nenhum navio mais bonito que as De Zeven Provincien