Home Estaleiros Itália lança décima e última fragata FREMM

Itália lança décima e última fragata FREMM

9806
122
FREMM Emilio Bianchi (clique na imagem para ampliar)
FREMM Emilio Bianchi (clique na imagem para ampliar)

TRIESTE, Itália — A cerimônia de lançamento da fragata “Emilio Bianchi”, décimo e último navio da classe FREMM (Fragata Multimissão Europeia), aconteceu no dia 25 de janeiro no estaleiro integrado de Riva Trigoso (Gênova), com Ministro da Defesa italiano Lorenzo Guerini.

Os dez navios FREMM foram encomendados à Fincantieri pela Marinha Italiana, no âmbito de um programa cooperativo ítalo-francês coordenado pela OCCAR (Organisation Conjointe de Cooperation sur l’Armement), a organização internacional de cooperação em armamentos.

A madrinha da cerimônia foi a sra. Maria Elisabetta Bianchi, filha mais velha de Emilio Bianchi, vencedor da medalha de ouro italiana por valor militar.

O presidente da Fincantieri, Giampiero Massolo, deu as boas-vindas ao chefe do Estado Maior da Marinha da Itália, almirante Giuseppe Cavo Dragone, representando o chefe de defesa, general Enzo Vecciarelli, o governador da região da Ligúria, Giovanni Toti, além de outras autoridades civis e militares.

Após o lançamento, as atividades de instalação continuarão no estaleiro naval integrado de Muggiano (La Spezia), com entrega prevista para 2021. O Emilio Bianchi, como suas naves irmãs, apresenta um alto grau de flexibilidade e é capaz de operar em todas as situações táticas. Com um comprimento de 144 metros e uma boca de 19,7 metros, o navio terá um deslocamento de aproximadamente 6.700 toneladas em carga máxima. Ele tem uma velocidade máxima de mais de 27 nós e poderá acomodar até 200 pessoas, incluindo tripulação e passageiros.

O programa FREMM, representando o estado da arte europeu e italiano em sistemas navais, decorre do requisito da Marinha Italiana de substituir as classes “Lupo” (agora todas aposentadas) e “Maestrale” (agora em descomissionamento), ambas construídas pela Fincantieri na década de 1970.

Os navios “Carlo Bergamini” e “Virginio Fasan” foram entregues em 2013, o “Carlo Margottini” em 2014, o “Carabiniere” em 2015, o “Alpino” em 2016, o “Luigi Rizzo” em 2017, o “Federico Martinengo “em 2018 e om “Antonio Marceglia” em 2019.

A parte italiana do programa FREMM foi totalmente implementada com a opção exercida em abril de 2015 para a construção do nono e décimo navios, cuja entrega está prevista para 2020.

O Orizzonte Sistemi Navali (51% Fincantieri, 49% Leonardo) atua como contratado principal da Itália na iniciativa, enquanto o Armaris (Naval Group + Thales) é o contratado principal da França.

Esta cooperação aplicou a experiência positiva adquirida no programa ítalo-francês anterior “Orizzonte” (Horizon), que levou à construção para a Marinha Italiana das duas fragatas “Andrea Doria” e “Caio Duilio”.

A Fincantieri é um dos maiores grupos de construção naval do mundo e o número um em diversificação e inovação. É líder em projeto e construção de navios de cruzeiro e um ator de referência em todos os setores da indústria de construção naval de alta tecnologia, de navios de guerra a offshore. Com mais de 8.900 funcionários na Itália e uma rede de fornecedores que emprega quase 50.000 pessoas, a Fincantieri aprimorou uma capacidade de produção fragmentada em vários estaleiros, adquirindo o mais amplo portfólio de clientes e produtos no segmento de cruzeiros.

FONTE: Fincantieri

Subscribe
Notify of
guest
122 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
5 meses atrás

Impressão minha ou a marinha italiana está dando um show de organização, planejamento e controle de custos, em cima da da Royal Navy ?
Não ouço falar de atrasos, e/ou explosão de custos, cancelamento de unidades adquiridas… e etc… tirando os F-35, que existe a possibilidade da diminuição do número de células

Juarez
Juarez
Reply to  Alfredo Araujo
5 meses atrás

Acredito que isso se deve em grande parte do plano de estado para as forças armadas italianas. Infelizmente nosso sistema político impede isso em todos os âmbitos e não somente militar.

Ozawa
Ozawa
Reply to  Juarez
5 meses atrás

Gostei do avatar, Juarez … “Elvis did not die” …

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Alfredo Araujo
5 meses atrás

O problema da RN é que, além dos 2 NaE’s e do grupo embarcado de F-35 ( que já são caros ), a RN tá fazendo novos submarinos nucleares de mísseis balísticos. Aí não tem milagre que dê jeito, os custos disso são altíssimos e o orçamento vai ter estouro por cima de estouro.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Willber Rodrigues
5 meses atrás

Não acho que porque a RN ter PA e SUBNUC, não justifica o estouro, do ponto de vista financeiro um custo alto não justifica o estouro. Explica a existência de maiores riscos que se não tratados acarretarão estouro de custo e acho que aí esta a desorganização como sabemos um desvio de 25% em um programa milionário tem um valor absoluto imenso.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Alfredo Araujo
5 meses atrás

Tem que comparar a marinha italiana com a brasileira, não com a britânica.
Temos um orçamento militar igual ao italiano. Eles estão lançando FREMM, enquanto nós… Bom, nos estamos correndo atrás de fragatas tão leves que beiram corvetas pra mar aberto.

Gabriel
Gabriel
Reply to  Alfredo Araujo
5 meses atrás

Não é possivel esse tipo de “comparação”, pois a Royal Navy tem seus submarinos nucleares, que drenam boa parte do orçamento, mas proporcionam uma dissuasão “infinitamente” maior.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
5 meses atrás

Difícil encontrar um navio de guerra moderno mais bonito do que as FREMM.

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
5 meses atrás

Essa sim seriam a classe Tamandaré dos sonhos.

Já que não … Que venham logo as MEKOS 100 BR.

Que sejam pelo menos 6 unidades. Ideal 8, número mágico 10!

E pra completar 6 Type 23 inglesas atualizadas.

Ainda bem que sonhar não custa nada …

Jorge Freire
Jorge Freire
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
5 meses atrás

E comprar com moeda compensada mais quatro tipo 055 da China.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
5 meses atrás

Não passam de 4 pelo nosso histórico…

Silva
Silva
5 meses atrás

A oferta dos italianos ao Brasil, feita no início do ano passado, de duas fragatas FREMM novinhas em folha, ainda está valendo ou já desistiram?

Minuteman
Minuteman
Reply to  Silva
5 meses atrás

Claro que está, a Itália é uma aliada do Brasil, depende de nos querermos e podermos.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Silva
5 meses atrás

Duas fragatas Italianas novinhas. Como ficariam em nossa Marinha.

marcus
marcus
Reply to  Antonio Palhares
5 meses atrás

Na primeira manutenção mais cara, ficariam paradas 2 anos.

Vovozao
Vovozao
Reply to  Silva
5 meses atrás

28/01/2020 – terça-feira, bdia, Silva, existe umas divulgações que a MB, estaria de olho nas 2 Durand de LA Penna, porém, como a nossa marinha no desespero que se encontra atira para todos os lados; não sabemos se realmente é verdadeiro ou não, vamos aguardar…… espero que seja positivo.

Dalton
Dalton
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

Divulgações ou especulações ? Os “La Penne” terão mais de 31/32 anos
de serviço quando descomissionados, sendo navios dispendiosos que não tiveram seu principal armamento atualizado o míssil SM-1 que está em vias de ser retirado da ativa se é que ainda não foi.

Vovozao
Vovozao
Reply to  Dalton
5 meses atrás

28/01/2020 – terça-feira, bdia, DALTON,, se não é oficial, tudo não passa de especulações, hoje temos várias especulações, devido a situação de penúria que vive MB, então, ELES estão de olho em tudo disponível ou que poderá ser disponível, nunca saberemos se realmente houve de parte da MB uma visita para verificação do estado das mesmas, única coisa que realmente sabemos é que não temos escoltas, mesmo que……..digam o contrário.

Dalton
Dalton
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

Especulações e boatos fazem parte Vovô e acredito até que haja pessoas com boa intenção fazendo isso na esperança de dar uma resposta ao impasse, “escoltas” e quem diz que sabe de algo mas não pode revelar está especulando também. . Basta uma marinha anunciar que dará baixa em alguns navios no futuro próximo e presume-se que a marinha está de olho e que será estúpida se não comprar e coisas assim. . Nem mesmo há muita coisa dando sopa no mercado de usados, então, é mais provável que o plano A seja esticar ainda mais a vida de algumas… Read more »

Kommander
Kommander
5 meses atrás

Coraggioso, coraggioso, molto bello.
A Itália, um país menor que o Brasil, tem uma marinha muito maior, capaz e moderna.
MB piada, marinha de terra 😂😂

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Kommander
5 meses atrás

E gastando o mesmo que o Brasil no setor militar, sempre bom lembrar.
A grande diferença? Eles tem metade dos nossos marinheiros.

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Kommander
5 meses atrás

Itália – país de Primeiro Mundo, já industrializado desde há muito tempo etc etc. Brasil – país de Terceiro Mundo, ainda em processo de industrialização etc etc. Na comparação de nossas Marinhas, o que importa nem é tamanho de país, mas nível de educação, cultura, ciências… Ou seja, a base cultural do povo e militares italianos (ex-romanos) é forte fator de consciência plena da necessidade de bom armamento. Já aqui, onde nem o presidente do Senado nem o da Câmara dos Deputados possuem curso superior, o buraco (da mediocridade) é muito fundo, quando a única noção que eles e seus… Read more »

Luis
Luis
Reply to  Farroupilha
5 meses atrás

o q importa não é o tamanho do país, muito menos educação, cultura e ciências, estamos falando de meios de superfície para marinha militar, e, de modo amplo, em armamentos modernos eficazes em boas quantidades para forças armadas em geral. com este enfoque, o q importa é o quanto se gasta para o q se tem. gastamos perto do q gasta a itália e mais do q austrália, canadá, muito mais do q singapura e não temos nada relevante mesmo torrando tanto dinheiro por décadas a fio, só o q se tem é sucata e promessas e delírios de grandeza.… Read more »

eslima70
eslima70
5 meses atrás

FREEM uma excelente proposta para os dois Países; penas que não temos condições de fazer algo em conjunto. O bom que teremos mais usados disponível no mercado. Só resta saber a qualidade geral dessa fragatas descomissionadas, e qual marinha vai adquiri-las.

FERNANDO
FERNANDO
5 meses atrás

??? Última
???

nonato
nonato
Reply to  FERNANDO
5 meses atrás

Sim, da encomenda de 10.
O que não significa que outras marinhas ou a Itália não possam comprar mais no futuro.

Ozawa
Ozawa
5 meses atrás

É mais que uma belonave, é uma bela nave. Até a paisagem genovesa conspira a favor dessa beleza. A única ressalva estética é seu infeliz indicativo visual …

Concluíram uma obra-prima compatível com a posteridade de Michelangelo e parece ter faltado paciência aos escultores navais italianos para finalizá-la com um número de amura digno da sua perfeição … Que rabisco insosso e patético!

Essa FREMM merecia algo ao estilo americano ou japonês, ou até mesmo brasileiro (!), com alfanuméricos em efeitos de sombra e volume …

Nota Final: 9.9

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Ozawa
5 meses atrás

Perfeita observação… Não combina com o resultado da Obra.

Andrigo
Andrigo
Reply to  Ozawa
5 meses atrás

É como se tivessem pego a dita obra de Michelangelo e terem dado a um pichador para ele por a numeração.

Dr. Mundico
Dr. Mundico
Reply to  Ozawa
5 meses atrás

Essa sinalética é usada pela marinha italiana, salvo engano, desde a década de 70. Não me parece feio, apenas diferente.

Minuteman
Minuteman
5 meses atrás

Para o Brasil, seria o suficiente:

4 FREEM + 6 MEKO A100.

Nem mais nem menos, não seria a maior esquadra, mas colocaria respeito. Inclusive, a Itália é um país aliado do Brasil, poderiam facilitar na compra a perder de vista.

ALISON L C SILVA
Reply to  Minuteman
5 meses atrás

Muita vdd seu comentario

Mauro
Mauro
Reply to  Minuteman
5 meses atrás

Duas FREEM já estaria bom, e dá pra pagar tranquilo.

Xerem
Xerem
Reply to  Minuteman
5 meses atrás

Desculpe mais discordo o ideal seria 5 FREMM + 12 A100 e digo mais a MB poderia pegar o Garibaldi que vai dar baixa e uns 3 patrulhas oceânicos da classe Comandanti que dará baixa em 2023, ou entao fabricar junto da Espanha um PA novo que custa so 600 milhoes de dólares (classe Juan um )a Austrália comprou logo 2 e cabem 26 caças , quanto aos submarinos 15 estaria de bom tamanho sendo 9 diesel elétrico e 6 nuclear e ainda a MB pegaria o navio classe WAVE e um patrulha oceânico que foi oferecido por esses dias… Read more »

TeoB
TeoB
5 meses atrás

Bem, já que acabaram a encomenda e o maquinário e o pessoal tão lá podem começar construir 4 para a MB, claro pindura da conta… hehe
belo Navio! estão de parabéns!!!

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  TeoB
5 meses atrás

Lá se não tiver mais encomendas de navios de guerra, o maquinário e o pessoal vão construir navios de cruzeiro, cargueiros enfim tudo menos ficar parados. Só no Brasil que e diferente.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
5 meses atrás

Se inveja matasse…

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
5 meses atrás

Além de tudo é lindíssima!!! Gostaria de tê-las em nossa esquadra, junto com as Mekos

Antonio Palhares
Antonio Palhares
5 meses atrás

Nunca é demais afirmar.
Os Italianos fazem navios lindos.

Mercenário
Mercenário
Reply to  Antonio Palhares
5 meses atrás

Nem sempre. O PPA, por exemplo, tem o design no mínimo estranho.

Jorge Freitas
Jorge Freitas
5 meses atrás

Enquanto isso… O Brasil tem quantas fragatas? Qual é o tamanho da Itálua? E o tamanho do Brasil?

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Jorge Freitas
5 meses atrás

O tamanho pouco importa, o que importa é: gastamos tanto quanto eles em defesa.

Tiago Gimenes
Tiago Gimenes
5 meses atrás

É possível dizer que hoje, a Itália esta mais bem armada e preparada que a Alemanha?

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Tiago Gimenes
5 meses atrás

A Itália tem os alpes em sua fronteira Norte como uma milenar barreira natural.

A verdadeira fronteiras italiana é seu litoral, enorme. E por se um país estreito, o país pode ser invadido por qualquer lado.

A defesa da Itália passa necessariamente pela sua esquadra no mediterrâneo.

Além disso, a Alemanha tem relaxado demais com suas forças armadas.

Pelo tamanho do país e riqueza, e localização , deveria ter armas muito mais bem equipadas.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Tiago Gimenes
5 meses atrás

Entre Italia e Alemanha eu confio mais na defesa Italiana, os Alemães tem poucos Leo 2 disponíveis e os Typhoon na mesma situação,

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Tiago Gimenes
5 meses atrás

Outro país que está bobeando demais é a Inglaterra. as nações européias é disparada a mais dependente de sua marinha. mas acho que eles têm sido pragmáticos: – as únicas ameaças às suas fronteiras são forças, no fim das contas, nucleares. sigo a máxima que 1 nuke = 10.000 F35 ou 10.000 SU 30 ou 10.000 M1 ou 10.000 Armata. seus SSBN dã conta. – Numa batalha de grande escala, em menos de 1 mês, na prática, só haveriam submarinos ainda na ativa. A tendência é que os porta aviões e escoltas estejam no fundo do mar. – Estão montando… Read more »

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  ednardo curisco
5 meses atrás

Esses SSBN disparam o que mesmo ?

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Space Jockey
5 meses atrás

Então. Os SSBN tem as nukes que citei, que são a proteção que a rainha precisa contra as ameaças reais ao território inglês.

O que as nuke não resolvem são as guerras por procuração.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  ednardo curisco
5 meses atrás

Disparam nukes de ICBM comprados dos EUA !

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Space Jockey
5 meses atrás

Ah, sim! esqueci do mais óbvio: toda a Europa está confiando nos EUA, que já está fulo com isso.

rui mendes
rui mendes
Reply to  ednardo curisco
5 meses atrás

A Europa têm a Nato e a UE, depois os Franceses têm SSBN´s Franceses, com Mísseís Balísticos Nucleares Franceses, Mísseís de cruzeiro Nucleares Franceses, e os Britânicos só os mísseis são Americanos, porque os Submarinos e as cabeças nucleares são Britânicas. Quanto aos rumores que os Britânicos não vão ter ao serviço os dois Porta Aviões, pois o MOD Britânico diz que são só rumores, e que também o 2º porta aviões entrará ao serviço de certeza. Vamos ver quem têm razão, se os rumores e os haters da Europa, ou se são as autoridades Europeias, neste caso o MOD… Read more »

Jorge Freire
Jorge Freire
5 meses atrás

Porque a guarda italiana está armada com fuzis britânicos SMLE?

Dr. Mundico
Dr. Mundico
Reply to  Jorge Freire
5 meses atrás

Porque são bons.

Kommander
Kommander
Reply to  Jorge Freire
5 meses atrás

Porque eles foram colonizados pelos ingleses.

Carlos Campos
Carlos Campos
5 meses atrás

Navio bonito, bem bonito, atualmente a Fragata mais bonita até que as Type 26 deixem de ser projetos….. ja que não podemos comprar mais poderíamos comprar aquele que tá sendo concluído do lado kkkkkk alguém sabe qual navio é aquele?

Kemen
Kemen
5 meses atrás

Engraçado, a Marinha da Italia não tem corvetas. Devem utilizar fragatas em lugar de operações possiveis para corvetas.

Dalton
Dalton
Reply to  Kemen
5 meses atrás

As corvetas da classe “Minerva” foram todas descomissionadas, as últimas ano passado e também foram descomissionadas as fragatas leves ou corvetas para quem quiser chama-las assim da classe “Soldati” e todas serão eventualmente substituídas pelos novos “PPA” de deslocamento maior mas
que terão funções similares.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Dalton
5 meses atrás

Depende, as duas ultimas PPA, deste primeiro lote, terão funções iguais a fragatas, pois terão armamento completo, e a 3ª e 4ª já terão armamento para guerra anti-submarina. Sendo que todas elas poderão ser facilmente armadas como as duas ultimas do primeiro lote.

Flanker
Flanker
5 meses atrás

Faltou, na lista dos navios da classe, o nono navio, o F588 Spartaco Schergat.

Flanker
Flanker
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Corrigindo, F598. O interessante, é que o primeiro navio dessa classe, o Carlo Bergamini, é o F590 e o décimo, e último, objeto desse tópico, é o F589.

Dalton
Dalton
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Provavelmente por conta de regras para os navios da OTAN já que cada país membro tem suas cotas de números para usar e pode também não se querer utilizar um número com dois dígitos iguais no caso 599. . Há outros exemplos de classes de navios onde não se observa uma estrita ordem consecutiva como as unidades da classe T-23, onde se iniciou com o indicativo 230, a de indicativo 232 teve o seu mudado para 229 e as últimas 6 unidades receberam indicativos de 79 a 83. . No caso do “Charles De Gaulle” o indicativo é R 91,… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Dalton
5 meses atrás

Entendi, Dalton!

Dalton
Dalton
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Pode ser Flanker porque ainda não foi comissionado.

Flanker
Flanker
Reply to  Dalton
5 meses atrás

Obrigado, Dalton!

Fabio Mayer
Fabio Mayer
5 meses atrás

Bem, eles construíram 10 fragatas desta classe, o que significa que têm ferramental, expertise e sistemática todos prontos para continuar produzindo com rapidez e eficiência. Certo que seriam caras (para os padrões nacionais), mas certamente, adquirir 4 destas de estaleiros que já ás produzem, sairia relevantemente mais barato que construir 4 fragatas do zero, no Brasil. Enfim, o Brasil continua com aquela estupidez de sempre: quer produzir aqui para exportar, daí, contrata 10, produz 3 e não faz mais nada e gastou por unidade uma fortuna à mais do que se tivesse adquirido de prateleira, mas novo, e acaba não… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

Isso não é estupidez. É o que separa as grandes nações desenvolvidas, das de 3o mundo. Empregos, empregos qualificados, empregos para engenheiros, empregos para cientistas, empregos para pessoas qualificadas, aumento de renda, salários maiores, pessoas com mais estudo, melhor qualificadas, impostos, o investimento de bilhões em navios importados, gera uma cadeia de benefícios para outro país ou países. Empresários lucrando, trabalhadores ganhando salário, redução desemprego, aumento da renda, mais pessoas estudando, se qualificando, impostos, e todas essas pessoas acabam retornando a maior parte do investimento para o país, através do consumo destas famílias envolvidas. Através de impostos, etc. O melhor… Read more »

Fabio Mayer
Fabio Mayer
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Sim, claro, quando se faz corretamente não é estupidez. Mas quando se contrata 10 subs Tupi e entrega 5, ou quando se contrata 10 Niteroi e entrega 6, ou ainda quando se contrata 15 inhaúmas e entrega 6 mais uma Barroso, passa a ser, na exata medida em que não se aprende com o processo, que torna-se mais caro do que comprar de prateleira… e sem exportar NADA!!!

Adriano Madureira
Adriano Madureira
5 meses atrás

“Os navios “Carlo Bergamini” e “Virginio Fasan” foram entregues em 2013, o “Carlo Margottini” em 2014, o “Carabiniere” em 2015, o “Alpino” em 2016, o “Luigi Rizzo” em 2017, o “Federico Martinengo “em 2018 e om “Antonio Marceglia” em 2019”.

Ótimo cronograma…

jagderband#44
jagderband#44
5 meses atrás

Mais uma vez, parabéns aos meus patrícios/conterrâneos.
A Marina Militare é um exemplo de eficiência na aplicação dos seus recursos, e claro, a estética das belonaves é demais!

Silvio de Barros Pinheiro
5 meses atrás

Numa guerra moderna, onde os mísseis reinam absolutos, esses navios não sobreviverão muito tempo.

Flanker
Flanker
Reply to  Silvio de Barros Pinheiro
5 meses atrás

Humm….então, diz isso para as marinhas dos EUA, China, Rússia, etc, etc, etc…..

Rodrigo Bueno
Rodrigo Bueno
5 meses atrás

E ainda vão lançar as duas FREDA, variante de defesa aérea, para complementar os dois destróieres Orizzonte

Dalton
Dalton
Reply to  Rodrigo Bueno
5 meses atrás

O que os italianos querem é uma nova classe de dois navios ainda maiores que a “FREMM” para eventualmente substituir os La Penne”.
.
Os franceses é que terão as duas últimas “FREMM”, sétima e oitava, configuradas para uma maior capacidade AA.

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Dalton
5 meses atrás

Futeboleiro, noveleiro, carnavaleiro, bananeiro, brasileiro etc… Mais AA pra quê?
rsrs!

Pedro Bó
Pedro Bó
5 meses atrás

Vejo algumas pessoas em páginas e fóruns gringos que consideram as FREMM italianas pouco armadas para o seu deslocamento, com apenas 16 células A-50 SYLVER e sem capacidade instalada de transportar mísseis de cruzeiro em uma belonave de quase 7000t, mesmo que haja espaço reservado para uma eventual instalação das células A-70.

Hell
Hell
5 meses atrás

A Itália deve muito…

Cleber
Cleber
5 meses atrás

E aqui , uma Marinha de 80 mil homens de escritorio e rancho ! Sem Navios !

Caio
Caio
5 meses atrás

Magnífica, até hoje me.pergumto porque França e Inglaterra saíram do projeto.

nonato
nonato
Reply to  Caio
5 meses atrás

França saiu? Eles não têm a Fremm?
Mas Inglaterra bem que poderia ter mesmo…

Jean Jardino
Reply to  Caio
5 meses atrás

França siu do Projeto, aonde meu caro, a Franca esta construindo as duas ultimas FREMM, ta viajando, e os ingleses nunca entraram.

Wellington Rossi Kramer
Reply to  Caio
5 meses atrás

A França também tem FREMM!

Segatto
Segatto
Reply to  Caio
5 meses atrás

A França continua no projeto, só encomendou menos unidades do que o planejado. O Reino Unido por sua vez saiu do projeto anterior as FREMM, o que resultou nos destroyers Andrea Doria e Caio Dulia para a Itália; a razão não posso te afirmar, mas se me lembro tem relação aos empregos operativos e configurações que cadê um queria.

Esteves
Esteves
5 meses atrás

Faz um Pedrolino e escorrega no indicativo. A pintura F589 na popa parece placa de caminhão.

Ten.Bruno
Ten.Bruno
5 meses atrás

Ná reportagem consta que é a ultima Freem, ao lado dessa da foto, esta sendo fabricado um outro navio de guerra, parece ser um Destroyer, alguém confirma?

Ten.Bruno
Ten.Bruno
Reply to  Ten.Bruno
5 meses atrás

Ja foi respondido pelo amigo Tutu, valeu e um PPA.

Tutu
5 meses atrás

Como pode o mesmo estaleiro fazer duas peças tão distintas, de um lado a belíssima classe FREMM e do outro a visualmente horrível PPA.

*foto 2*

Gustavo
Gustavo
5 meses atrás

isso que é fragata…

Luiz Floriano Alves
Reply to  Gustavo
5 meses atrás

Na visita de Berlusconni foi dado como certo a aquisição de fragatas FREMM produzidas na Itália. Porém o negócio não prosperou, sabe-se la quem não foi devidamente contemplado. será que pediram TT?

Segatto
Segatto
5 meses atrás

Ótimo navio, mas vai entender os italianos, fazem um navio desse porte e recheado de sensores para colocar apenas 16 VLS com opção para mais 16, podendo ter ao máximo 32 VLS. Poderiam muito bem ter criado um destroyers com ao menos 48 ou 64 VLS com um custo marginalmente superior, mas poder de fogo bem maior.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
5 meses atrás

meu sonho do Brasil ter 16 fragatas FREMM como foi aventado no passado Afundou …

Agora, é torcer para a MB ter recursos suficientes para construir 08 CCT’s e quem sabe mais 08 fragatas baseadas numa versão engordada e esticada das próprias Tamandares,
assim teríamos de novo os 16 navios de escolta que tínhamos na esquadra no passado recente.

Luís Henrique
Luís Henrique
5 meses atrás

2 Destroyers Classe Orizzonte 2 Destroyers novos em breve 10 FREMM 7 PPA (2 Full, 3 Light Plus e 2 Light em breve) 8 Corvetas ( 3.000 T em breve) 29 Navios de Combate. 2 Navios Aeródromos Leves (Cavour + Trieste em breve) Orçamento nos últimos anos quase igual ao do Brasil. Porém o Brasil possui um território muito maior, uma população 3,5 X maior, um PIB maior e perspectivas de crescimento bem maiores que a Itália. De modo que em 30 anos é provável que o Brasil terá um PIB equivalente a 2 “Italias”. Depois os críticos dizem que… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

A Itália tem déficit fiscal maior que o Brasil. Tem endividamento maior que o Brasil. Então, o problema ou o fato que mostra conseguirem tanto não deve ser o PIB. Pode ser ajuda, metas e pressão da OTAN e dos americanos, pode ser porque estão entre os 25 países que mais depositam patentes (nós estamos lá pelo 65o. lugar), pode ser porque os custeios são menores e sobra mais para investir, pode ser a moeda que não temos (euros). E pode ser porque eles exportam tecnologia e montam navios com os americanos nos EUA. E porque foram pra guerra com… Read more »

Segatto
Segatto
Reply to  Esteves
5 meses atrás

O Déficit fiscal deles não é pelo investimento militar, mas pelo enormes gastos do estado de bem estar social em uma população em crise demográfica e economia estagnada. Mas eles sabem que não podem zerar os gastos militares, que forças armadas fortes são essenciais. O investimento é praticamente o mesmo. “Ajuda da OTAN” coisa nenhuma, cooperação internacional onde ambas as partes saem beneficiadas e que nos também poderíamos fazer, vide a Coreia do Sul com a Indonésia. Se a Itália tem uma economia industrial diversificada e a Fincantieri é un dos maiores construtores navais do mundo aumentando o custo benefício… Read more »

rui mendes
rui mendes
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

O pib do Brasil não é maior que o Italiano.

rommelqe
rommelqe
5 meses atrás

Na segunda foto há uma outra bela nave (tentando parafrasear o sensei Ogawa san) em construção. Alguem tem alguma informação de qual seja ?

Flanker
Flanker
Reply to  Tutu
5 meses atrás

Um Patrulheiro Oceânico “beeem” grande! 4500 toneladas? 132 metros de comprimento? Porte e deslocamento de fragata!! E tem 3 versões, desde a básica, para patrulha, uma mediana, com mais armas e equipamentos e uma completa, para guerra de superfície, submarina e contra alvos aéreos.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Parece que o deslocamento pode superar 6.000 toneladas na versão Full.
As Light virão armadas com canhões e preparadas para receber torpedos, mísseis antiaéreos e anti-navio rapidamente caso precise. Conceito FFBNW.
Serão 2 Light.
As Light Plus (3 navios), virão com os canhões e os mísseis antiaéreos.
E as Full (2 navios) virão com tudo, canhões, mísseis antiaéreos, anti-navio, torpedos, etc.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

A ideia inicial era adquirir outro lote de PPA, mas parece que mudaram de ideia e vão manter “somente” os 7 PPA e irão adquirir 8 Corvetas chamadas EPC European Patrol Corvettes. Entre 2027 e 2034, uma corveta por ano. Apesar do nome incluir a palavra Patrulha, a Corveta será armada para guerra, ainda que abaixo do nível de Fragatas mais pesadas. Deverá possuir 1 canhão de 76mm. 2 canhões de 25 mm 8 células para mísseis antiaéreos de curto ou médio alcance. 4 mísseis anti-navio, provavelmente do modelo Marte-ER, além de torpedos e hangar para helicóptero. As EPC medição… Read more »

rommelqe
rommelqe
Reply to  Tutu
5 meses atrás

Obrigado! Pois é, exatamente, trata-se daquela série dotada com casco Twin Hull. Bela nave.

Gabriel BR
Gabriel BR
5 meses atrás

pensem num navio sofisticado…

Marquês de São Vicente
Marquês de São Vicente
5 meses atrás

Em um jogo de Super Trunfo quem está melhor? A Marina Militare ou a Royal Navy?

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Marquês de São Vicente
5 meses atrás

Ainda a Royal Navy. Ela tem submarinos nucleares e ssbn e seus porta aviões levam mais F35 que os italianos.

Aliás, SSBN é tipo aquela carta super trunfo. Ganha praticamente de todas

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  ednardo curisco
5 meses atrás

nukes não contam

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Space Jockey
5 meses atrás

considero os SSN e SSBn como supertrunfo, aquela carta que apenas umas poucas batem,

Dr. Mundico
Dr. Mundico
5 meses atrás

Espero que sirva de exemplo ao governo brasileiro para desenvolver incentivar a indústria naval nacional e gerar mais expertise, pesquisa, tecnologia e postos de trabalho.

Esteves
Esteves
Reply to  Dr. Mundico
5 meses atrás

Teve uma mesa, um workshop, um evento sobre P&D e Educação na cidade em 2019. Qual o tempo para resultados após investimentos. Falo de 30/40 anos na China. O pessoal corrigiu-me para mais. 30 anos dos anos passados + 20 anos atuais são 50 anos na China para resultados. Aqui os especialistas chegaram a 70 anos para medir resultados após planos exaustivos de investimentos em educação. Uma transformação longa. A indústria naval foi desenvolvida e incentivada nos governos anteriores com encomendas, contratos, previsões de expansão e riqueza. O resultado está aí. Para a Marinha de Guerra faltam aprendizados na montagem… Read more »

Renato B.
Renato B.
5 meses atrás

Na foto 2, qual é o outro navio que está coberto por aindames?

Bueno
Bueno
5 meses atrás

Achei este texto de 3 de jan de 2013, 7 anos se passaram e a MB não s fortaleceu.
A Nação mais forte economicamente do Hemisfério Sul.

“Cada vez mais, nosso país necessitará de uma verdadeira Marinha oceânica, de um Exército com capacidade expedicionária e de uma Força Aérea com capacidade de pronta resposta a longas distâncias.”

https://monitordigital.com.br/o-brasil-no-contexto-estratugico-do-hemisfurio-sul

Esteves
Esteves
Reply to  Bueno
5 meses atrás

“…deverá estabelecer parcerias estratégicas com a Índia, a África do Sul e a Austrália…” Não sei se essa afirmação pode se encaixar na realidade de todos ou se é exclusiva do autor do texto. A Austrália está envolta em seus próprios problemas tentando construir longos planos econômicos para aguentar sua Defesa. O PN publicou projetos australianos para a década de 2050. A África do Sul retornou a sua tribalizacao histórica. A Índia…vamos ver o que e se volta alguma coisa da visita à Índia além de protocolos e intenções. Melhor pensar nos americanos (de novo), na China e na Europa,… Read more »

SN-10 Álvaro Alberto
SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

Falando em Fragata , olhem o que o Secretário do Tesouro falou hoje.

“Nesta quarta-feira, Almeida afirmou que houve um gasto extra de R$ 7,6 bilhões com capitalização da Emgepron em dezembro, não previsto anteriormente, que influenciou o resultado.”

Quando vi isso na reportagem , me deu um susto , olha a grana que a Emgepron já tem . Lembram da dúvida que tinha aqui no site de quanto já tinha lá.

SN-10 Álvaro Alberto
SN-10 Álvaro Alberto
Reply to  SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

Mais os 2 bilhões de 2018 , já temos 9,6 bilhões garantidos .

Bueno
Bueno
Reply to  SN-10 Álvaro Alberto
5 meses atrás

Serio isto! 9,6 bi nas mãos da Emgepron?

SN-10 Álvaro Alberto
SN-10 Álvaro Alberto
Reply to  Bueno
5 meses atrás

Sim, já passaram o “cheque” .

willhorv
willhorv
5 meses atrás

Eu penso, imagino e sonho que, umas 8 destas divididas em duas frotas junto a umas 12 meko 100 BR estão de ótimo tamanho hein! Kkkkk Imaginem elas completinhas….estilo das italianas, com sonar rebocado, uns 8 Mansup “Mk2” com 300km de alcance, 16 silos para mísseis de cruzeiro Matador “2000” com 2000 km de alcance e 16 silos quadpack (64 mísseis de defesa aérea), sendo 16 Sea Ceptor de 25km, 32 Sea Ceptor ER de 50km e 16 do moderníssimo ESSM para 100km, com o V280 asw/asuw embarcado e mais 2 V247 de vigilância!! O patrulhamento efetivo das costas brasileiras… Read more »

Bosco
Bosco
Reply to  willhorv
5 meses atrás

Willhorv,
Havia a expectativa que o ESSM Block 2 tivesse alcance aumentado mas isso não se confirmou. Ele tem o mesmo desempenho cinético do ESSM original, por volta de 50 km de alcance horizontal e 15 km de alcance vertical.
Sendo assim, na sua imaginação , tanto o ESSM Block 2 quanto os CAMM-ER teriam desempenho semelhante. Dá pra dividir aí só em dois tipos de mísseis : CAMM + CAMM-ER ou CAMM + ESSM Block 2.
*Há especulações acerca de se acrescentar um booster ao ESSM de modo a prover-lhe o dobro do alcance (100 km mais ou menos).

willhorv
willhorv
Reply to  Bosco
5 meses atrás

Verdade….mas abriu o leque para optar por curto e médio alcance com o CAMM + CAMM ER + ESSM com booster, ou CAMM + ESSM + ESSM com booster, optando por ogiva mais eficiente.
Fica a gosto do freguês!
É um sonho e tanto. Kkkkkk

William Munny
William Munny
5 meses atrás

Olhando essa belonave lembrei da MAIOR marinha de terra do mundo…

GEN Escobar
5 meses atrás

Parabéns à Marinha Italiana! Eles não estão em guerra mas estão sempre prontos se necessário! Isso é pensamento grande, de um país sério, que controla os gastos e prioriza o que é necessário, que desenvolve e emprega tecnologia própria (em proporção, claro), que gera empregos e desenvolve novos equipamentos de ponta!! Sensacional…

Um dia agente chega lá…quem sabe em 2450!

Dalton
Dalton
Reply to  GEN Escobar
5 meses atrás

Não estão em guerra, mas, à aliança militar da qual a Itália faz parte exige que estejam minimamente prontos para uma e que forças militares estrangeiras no caso dos EUA estejam presentes em território italiano.

Demolidor
5 meses atrás

O governo Brasileiro durante o governo Dilma foi publicado várias notícias sobre interesse na Fremm italiana uma pena que não compramos ela são navios muito poderosos