Home Forças Anfíbias Malvinas 38 anos: o ‘Dia D’ das Ilhas Geórgia do Sul

Malvinas 38 anos: o ‘Dia D’ das Ilhas Geórgia do Sul

4393
67
ARA Guerrico
Corveta argentina ARA Guerrico, classe A69 francesa, armada com quatro mísseis Exocet MM38

A corveta ARA Guerrico (32) da Armada Argentina adentrou o fiorde que abriga a vila de Gritvyken, capital das ilhas, seguida pelo navio polar ARA Bahia Paraíso.

Pouco antes do meio dia, tropas de infantaria de Marinha começaram a ser transportadas até à praia num helicóptero SA-330 Puma do Exército.

Na segunda leva de 20 homens, por volta das 12h05, uma rajada de metralhadora acertou o helicóptero, que conseguiu efetuar um pouso de emergência na costa antes de tombar, tornando-se a primeira aeronave abatida no conflito.

Dois soldados argentinos foram atingidos e morreram. O único outro helicóptero disponível na operação, um Alouette III, passou a fazer o transporte dos soldados em umas 20 viagens do Bahia Paraíso até a praia.

ARA Bahia Paraiso

Ao longo do combate, a corveta Guerrico foi atingida por mais de 200 tiros de armas automáticas, granadas de 66mm e armas anti-carro Carl Gustav, o que a forçou a se distanciar um pouco mais de terra. A corveta revidou com disparos de armas de 100mm, 40mm e 20mm, levando à rendição a guarnição de 22 Royal Marines e 13 civis.

O helicóptero Wasp que estava a bordo do navio polar britânico HMS Endurance (foto abaixo), pode somente observar de longe a ação dos argentinos, sem possibilidade de reação.

HMS Endurance

No infográfico abaixo, mais informações do ataque argentino às Ilhas Geórgia do Sul.

Subscribe
Notify of
guest
67 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Joao Moita Jr
4 meses atrás

A Guerra Das Malvinas será sempre o símbolo histórico da falta de solidariedade Latino Americana.

Dalton
Dalton
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

Na sua opinião João. Os argentinos foram os agressores e tudo para ludibriar a população dos problemas internos e sustentar um governo militar responsável pela morte de milhares de cidadãos.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

E porque diabos deveríamos ser solidários com quem invade o território de outro país partindo do pressuposto de que o país atacado não vai revidar e deixar por isso mesmo?
Só porque são nossos vizinhos ( e vizinho não se escolhe ) a gente deve simplesmente passar a mão na cabeça deles pra qualquer m…. que eles façam?
Ainda bem que os militares brasileiros na época não envolveram o Brasil nisso. Cada um com seus problemas

OSEIAS
OSEIAS
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

A marinha argentina nem avisou sua própria força aera dessa empreitada, tanto é que nem preparada estava, porque caixas d’águas a AL deveria ser solidaria? Mas é um enorme engano seu que não fomos solidários, pois os países da AL, informaram a Inglaterra que não tolerariam a invasão continental da Argentina, se não teria sido muito pior para eles. Sendo assim, você não acha que fomos solidários?

Sequim
Sequim
Reply to  OSEIAS
4 meses atrás

Meu caro João , contra opinião, fatos:

1. Quando a Inglaterra deu a entender que faria uma invasão à Argentina continental, o general-presidente Figueiredo fez chegar aos ingleses, via EUA, que o Brasil não iria tolerar incursões estrageiras na América do Sul;

2. Quando a Inglaterra ameaçou utilizar armas nucleares no conflito, o Brasil disse que isso seria intolerável;

3. O Brasil fechou seus portos, logo no início da guerra, a todas as embarcações militares inglesas.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Sequim
4 meses atrás

É mais o que me consta é que se a Inglaterra perdesse as Falklands a primeira ministra já tinha uma ogiva pronta para arrasar com as ilhas e deixa-las inabitáveis…

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Luiz Trindade
4 meses atrás

Eu gostaria bastante de saber qual a fonte disso, Luiz.

TJLopes
TJLopes
Reply to  Leandro Costa
4 meses atrás

Arial, 12.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  TJLopes
3 meses atrás

LOL

Gus Talking
Gus Talking
Reply to  Luiz Trindade
4 meses atrás

kkkkkkkkkkkkkk E vc acreditou…kkkkkkkkkk Sabe nada, inocente.

Dalton
Dalton
Reply to  Luiz Trindade
4 meses atrás

E matar não apenas militares argentinos, mas, os quase 2000 nativos, cidadãos britânicos ? Com certeza não ! Mitos surgem e quase nunca desaparecem.
.
Pegaria muito mal o uso de armas atômicas e não levou muito tempo para os britânicos compreenderem que não iriam perder, só não se sabia quanto a guerra iria durar.

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Reply to  Dalton
3 meses atrás

Claro que antes eles iriam ser evacuados.

Dalton
Dalton
Reply to  Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
3 meses atrás

Claro como ? Não é justamente a presença de civis britânicos que impediria um ataque atômico ? E como os britânicos iriam obrigar os argentinos a retirar os civis antes do bombardeio que tornaria as ilhas inabitáveis ?
.
E os milhares de “carneirinhos” ? 🙁

FABIO GUILHERME LOUZADA MARTINELLI
Reply to  Sequim
3 meses atrás

Incluiria que a FAB disponibilizou aviões Banderulha para a FAA.

ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

Se era pra brincar de guerra com a ajuda dos demais, pelo menos deveria ter combinado com os vizinhos. Entrar num conflito desses sem ao menos articular uma reação conjunta, foi uma temeridade.

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

A guerra das Falklands/Malvinas será sempre o símbolo histórico da manipulação de um governo em torno de uma causa que, por mais justa que seja ou pareça, não deveria ser usada como uma saída para unir o povo desiludido e ferrado por aquele mesmo governo fracassado.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

Não acho, os Argentinos tentando tomar na mão grande as Falklands que eles nunca investiram sequer 01 Peso. O Idiota do Galtieri levou o seu Povo a passar uma vergonha sem tamanho em uma pura manobra diversionista para tirar a atenção do povo aos reais problemas internos que a Argentina passava. Começou a Guerra em pleno outono polar, na vã esperança que os Ingleses se borrassem as calças por causa das possíveis intempéries, tudo premeditado, feito na covardia. Só que esqueceram de combinar com os Ingleses (uma das forças militares mais valentes desse planetinha).

Glasquis7
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

João,
as ceboochitas invadiram as ilhas sem prévio aviso e se apoderaram delas. Estas estiveram em disputa durante muito tempo. Não eram declaradamente argentinas. Além do mais, Galtieri usaria a invasão apenas para justificar a permanecia dos militares no poder. O que ele não viu é que Margaret Teacher estava com a sua imagem debilitada e seu prestigio político em baixa. A guerra veio a calhar pra ela. Salvou seu governo, a sua imagem e a tornou um icone da política inglesa.

Glasquis7
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

Galtieri apelaria pro TIAR mas o Chile declararia a Argentina como agressor negando o seu apoio. A enorme simpatia que todos tinham pela Argentina resultou num silencio continental. Apenas o Peru, prestou homens, equipamentos e misseis às ceboshitas qu,e anos depois, “agradeceriam” o favor, traindo ao Peru vendendo armas pro Equador durante a guerra do CENEPA. Mesmo sendo a Argentina país garante de paz nas negociações e tendo se fechado a janela de abastecimento. Os entreguistas covardes, mandaram aos recrutas a lutar cntra uma força tarefa formada por militares ingleses de carreira. Amadores enfrentandose a soldados profissionais. O pior, foi… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Glasquis7
3 meses atrás

Ahem… assim… o Brasil também mandou equipamento. Pouca coisa, mas mandou.

Glasquis7
Reply to  Leandro Costa
3 meses atrás

Mandou o que?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Glasquis7
3 meses atrás

Dois EMB-111 Bandeirulhas depois que os Neptune Argentinos começaram à apresentar fadiga nas asas devido à idade e manobras evasivas violentas.

Os aviões foram devolvidos após o conflito.

https://steemitimages.com/p/Zskj9C56UondJxcjVaienfhVaNb7LJVWG6e787gZsJGqhhE3AEBzWdCqN9bGDXQhRBtsQCLAZvHvd6PQRzUycyNjdBjg88LEEQyhZdUUZGSVYxdns29L?format=match&mode=fit&width=640

Glasquis7
Reply to  Leandro Costa
3 meses atrás

Amigo, essas aeronaves não foram como apoio a Argentina. Eram aeronaves de ajuda humanitária. Não participaram da guerra, apenas em apoio a resgate de sobreviventes tanto argentinos como ingleses. O Chile enviou o Piloto Pardo e o Yelcho com a mesma finalidade. Os únicos que se envolveram na guerra foram os come pombas que enviaram Mirage III, misseis e quipamentos e homens pra lutar. O resto apenas apresentou ajuda humanitária.

Sequim
Sequim
Reply to  Glasquis7
3 meses atrás

Glasquis, a simpatia que você nutre pelos argentinos chega a ser comovente, rsrsrs.

Glasquis7
Reply to  Sequim
3 meses atrás

Tenho, alguma simpatia restou. Não sei onde mas algo deve ter. Considero as atitudes dos governantes argentinos muito hipócritas e traidores. Principalmente contra o Chile. Durante a Guerra de Independência do Chile, a Argentina confiscou navios militares chilenos e executou comandantes da ARCh. Apenas um setor argentino prestaria apoio à guerra de emancipação chilena depois de comprovar o risco que a própria Argentina sofria de ser atacada por Espanha. Quando o Chile, em 1891 estava a portas de ser invadido militarmente pelos EEUU, os Argentinos ofereceram armas, equipamentos, soldados informações bélicas e até o próprio território argentino como base, pros… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Joao Moita Jr
4 meses atrás

o unico não solidário foi o chile, de resto a Argentina teve o que queria

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Reply to  Joao Moita Jr
3 meses atrás

A guerra das Malvinas bem como a insistente e irritante pretensão argentina sobre as ilhas é a mesma coisa que um homem inconveniente que insiste em dar em cima de uma mulher já casada que não quer nada com ele. Coisa de fracassado que uma hora oi outra toma uma surra pra aprender a ter respeito. O povo das Malvinas já deixou Clara a sua escolha pelos britânicos. O Brasil e outros países não tem nada que violar a soberania do povo. Quem faz isso é vagabundo comunista que invade o Tibet, ameaça Taiwan, invade Afeganistão, para depois chamarem os… Read more »

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Reply to  Joao Moita Jr
3 meses atrás

A questão não levantada seria a seguinte: se Trindade tivesse alguma valor e fosse invadida, a Argentina entraria no conflito para ajudar o Brasil ? Nunca confio em argentino.

Alexandre Esteves
Alexandre Esteves
Reply to  Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
3 meses atrás

A ilha da Trindade já foi invadida pelo Império Britânico, no século XIX. MAs foi a postura e o prestígio de Dom Pedro II, segundo Imperador do Brasil, que evitou sua anexação àquele Império.

Marcelo-SP
Marcelo-SP
Reply to  Joao Moita Jr
3 meses atrás

Era só o que faltava… o Brasil se envolver em um conflito dos argentinos por ilhas que eles nunca ocuparam e nunca foram deles…

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
Reply to  Joao Moita Jr
3 meses atrás

Poderia fazer parte dos Trapalhões,com essa.Se não sabe? Era um quarteto que fazia humor aqui no Brasil, nessa época

Claudio Moreno
Claudio Moreno
4 meses atrás

Olá novamente Senhores!

Mais uma vez, assim como postei no artigo anterior, faltou aos argentinos o plano B por assim dizer. Foi muita ingenuidade ou irresponsabilidade, pensar que não haveria reação armada. Levar um Alouette III ao invés de um Bell 212 (do qual a Força Aérea Argentina dispunha 2 aparelhos) foi um erro. Pois ainda que o Alouette conseguiu realizar a missão, vejam a faina que isso exigiu!

Imaginemos se houvesse falha mecânica ou abate do Alouette!

CM

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Claudio Moreno
4 meses atrás

“Faltou aos argentinos um plano B”
Faltou tanta coisa pra Argentina ( e houve abundância de decisões erradas ) que, se fosse botar no papel, dava pra escrever um Evangelho.

Glasquis7
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

Faltou um plano “A” também.

Tomcat4,2
Reply to  Claudio Moreno
4 meses atrás

Creio eu que houve um péssimo planejamento em todos os sentidos por parte dos argentinos.

Glasquis7
Reply to  Tomcat4,2
4 meses atrás

A vá, vc cré isso mesmo?

Os caras invadiram no início do inverno. Isso por si já demonstra como foi nulo o planejamento.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
4 meses atrás

É verdade que a Primeira Ministra Margareth Thatcher pensou em lançar uma ogiva nuclear de modo a tornar as Falklands inabitável caso perdesse para nossos hermanos argentinos?

Gus Talking
Gus Talking
Reply to  Luiz Trindade
4 meses atrás

Kkkkkk. Só rindo, cada comentário, quem falou isso deve ter sido o Nine.

Sequim
Sequim
Reply to  Gus Talking
4 meses atrás

Quem revelou isso foi ninguém menos que François Mierrand, presidente da República Francesa à época :

https://br.historyplay.tv/noticias/o-reino-unido-teria-planejado-um-ataque-nuclear-contra-argentina

Sequim
Sequim
Reply to  Sequim
4 meses atrás

Eu sei que para bolsominions mitômanos é difícil, mas é hora de mais fatos e menos “eu acho que…”

Angelo Chaves
Angelo Chaves
Reply to  Sequim
4 meses atrás

Até onde eu sei a mentira é a arma mais usado pela esquerda…

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Angelo Chaves
4 meses atrás

Hoje em dia vemos que a direita também usa muita mentira é manipulação. É cada video no whatsapp que vou te falar.

Pampapoker
Pampapoker
Reply to  Sequim
3 meses atrás

Pronto , tinha que tocar em política, estávamos indo tão bem…

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Sequim
4 meses atrás

Dou tanta credibilidade à essa declaração quanto uma elevação de apostas em um jogo de poker.

PRib
PRib
Reply to  Sequim
4 meses atrás

Há sim informações sobre a eventual utilização de uma arma nuclear pelos ingleses Caso tudo desse errado … Mas o alvo, segundo historiadores, seria Rosário. Mas, com o desfecho foi outro, é mais uma especulação para a história …

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  PRib
4 meses atrás

Estas especulações são tão fortes quanto teria sido cada um dos ex colonizadores terem feito isto na Indochina, Africa do Sul, Nigeria, ou seja….não fizeram isto contra todas as ex-colonias….não fariam isto contra os argentinos…

A situação de posse lá sempre foi nebulosa e simbolo do antigo colonialismo.

tanto que era resolução da propria ONU anterior a esta crise, que os dois países sentassem e negociassem…veja bem…se fosse unanime a analise que as ilhas pertenciam a Inglaterra, a ONU não procuraria força-la a negociação de algo que seria inequivocamente já dela…

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  carvalho2008
3 meses atrás

Carvalho, no caso da ONU, essa tentativa de forçar uma negociação não era exatamente uma tentativa de forçar à abertura de negociação, mas sim à continuação de um pleito que já estava aberto e já estava sendo negociado na ONU a bastante tempo antes do início do conflito.

Caso não houvesse um caso aberto na ONU, a reação teria sido a mesma reação que ocorreu quando o Iraque invadiu o Kwait em 1990.

Mgtow
Mgtow
Reply to  PRib
3 meses atrás

Figueiredo colocou a pica na mesa. Se houvesse qualquer ataque ingles no continente, ele iria ajudar diretamente os argentinos

pangloss
pangloss
Reply to  Sequim
4 meses atrás

Sequim, a origem dessa narrativa é um livro em que o psicanalista do Mitterand afirmou que, em uma sessão, o então presidente francês teria dito que Margaret Thatcher pressionou-o a obter o “código de desativação” dos Exocets, sob pena de, em não o fazendo, ordenar um bombardeio nuclear ao território argentino – provavelmente sobre Cordoba ou Rosario.
Como se pode ver, uma lenda inconsistente, inviável na prática, por praticamente decretar a derrota dos ingleses, diante da inevitável reação internacional a um ato como o especulado.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Luiz Trindade
4 meses atrás

“Pensar” é uma coisa. Pôr em prática são outros 500. É claro que, por terem armas nucleares, em algum momento a Teatcher e o alto comando britânico pensou em fazer uso delas. Os próprios norte-americanos pensaram em usar bombas atômicas na Coréia. Mas pôr isso em prática é uma coisa totalmente diferente. Estávamos na Guerra Fria. Nem os próprios EUA, maior aliado dos ingleses, iriam aprovar que eles usassem armas nucleares contra uma nação que não tinha a mesma arma, por causa de uma ilha no fim do mundo. E só Deus sabe o que a URSS faria se a… Read more »

Sequim
Sequim
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

É isso que penso. A Thatcher usou o argumento de uso de armas nucleares no conflito,com os franceses, como um blefe. Só que os franceses não pagaram pra ver. É bom lembrar o contexto dessa “ameaça “: a Guerra Fria havia se acentuado desde a chegada de Reagan no poder. Os nervos estavam à flor da pele. De repente uma piscada mal dada e o mundo entraria em um impasse nuclear.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

As guerras coloniais ocorreram e não houve sequer um uso de arma nuclear….e o final, todos conhecem…

Glasquis7
Reply to  Luiz Trindade
4 meses atrás

Isso é lenda das ceboshitas.
A Inglaterra jamais pensaria em usar armas nucleares contra uma nação que está do outro lado do planeta, que não ameaça a sua população e que não tem armamento do mesmo tipo.
As ceboshitas que pra se consolar inventas esas histórias. Além do mais, nem precisaria usar. As ceboshitas se revelaram os maiores entreguistas da América Latina… Junto com os Peruanos.

Andre
Andre
Reply to  Luiz Trindade
3 meses atrás

É verdade sim, saiu no Sputnik

Jardel
Jardel
4 meses atrás

Cara, meu Deus, de novo este assunto sobre Malvinas? A cada aniversário toda a história da guerra é recontada rsrsrs. Acho que nós lembramos / celebramos esta data mais do que os argentinos. Parece que foi ontem que este assunto estava sendo comentado aqui….

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Jardel
4 meses atrás

É que foi o mais recente embate tecnologico e em que pese os ingleses serem muito mais avançados, foi o mais proximo da paridade de equilibrio de forças…(por maior que fosse o desequilibrio, foi o menor entre duas nações na guerra moderna)….todas as demais foram discrepantes ao extremo para se avaliar, mesmo a guerra do golfo era tão desequilibrante que não permitiu combates minimamente paritarios….as Flaklands são ainda hoje o exemplo mais proximo entre contendores…apesar de tudo…

Glasquis7
Reply to  carvalho2008
4 meses atrás

O CENEPA não conta?

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  carvalho2008
3 meses atrás

Irã x Iraque ?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Jardel
4 meses atrás

E porque não?
Foi um divisor de águas pro combate aero-naval, crou centenas de novas tecnologias e estratégias de combate no mar, consolidou o uso do míssil anti-navio, foi o mais próximo de uma guerra em larga escala que se teve, foi o maior conflito na AM desde a Guerra do Paraguai e teve um impacto tremendo na Argentina.
“Acho que nós lembramos / celebramos esta data mais do que os argentinos.”
Bom, se eu perdesse uma guerra por causa de burrice, eu tambem não teria gostado de relembrar esse conflito…

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

É por ai….

MadMax666
MadMax666
Reply to  Jardel
4 meses atrás

Melhor que coronavirus…

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Jardel
3 meses atrás

Também tenho reparado nisso, todo aniversário deste conflito tem várias matérias aqui. Em contrapartida, existe nesse exato momento uma operação velada de intervenção americana na Venezuela que mal tem sido mencionada, o abalroamento/afundamento do navio de guerra Venezuelano por um navio de forças especiais disfarçado de cruzeiro,(já tem vídeo parcial) que está ligado com o envio de uma força naval pro Caribe, que está ligada a uma proposta de troca de governo, que está ligada com a recompensa por Maduro… não vejo quase nada a respeito disso aqui, e os tambores estão roncando bastante.

GUPPY
GUPPY
4 meses atrás

A resposta britânica a invasão argentina faz-me acreditar que se o Brasil tivesse invadido a Guiana Francesa, lá no governo Jânio Quadro, os franceses também viriam co tudo para a retomada do seu território. E acredito que seria mais fácil do que foi a retomada das Falklands pelos ingleses porque a distância da França para a sua Guiana é bem menor do que da Inglaterra para as Falklands. Ah, mais os ingleses atacavam a partir da ilha de Ascenção, no meio do Atlântico. Sim, mas os franceses possuem outras colônias no Caribe.
Melhor nunca desafiar qualquer potência militar.

ZamZam Pampa
ZamZam Pampa
Reply to  GUPPY
4 meses atrás

A guerra da lagosta nos deixa um vislumbre do desempenho do Brasil na situação levantada por você

Roberto Messa
Roberto Messa
4 meses atrás

Os fuz nav argentinos ficaram sob o cmd do exército argentino depois da invasao?

Francisco
Francisco
3 meses atrás

A Argentina não estava “despreparada”. A invasão estava planejada para ocorrer no verão do Hemisfério Sul. Mas, por razões diversas, a Junta Militar decidiu de forma equivocada antecipar as ações, pensando que teria apoio dos EUA e que os britânicos não reagiriam. Essa antecipação prejudicou de sobremaneira a coordenação dos esforços das três armas e da Prefectura Naval (guarda costeira argentina). Os misseis exocet ainda não estavam integrados às aeronaves. Os técnicos franceses foram embora e deixaram os argentinos na adivinhação. O lote de exocet não foi entregue na sua totalidade. Não havia no exército roupas para inverno rigoroso em… Read more »

Paulotd
Paulotd
Reply to  Francisco
3 meses atrás

Argentina ia perder essa guerra, com mais exocets o banho de sangue só seria maior. Usa não abandonaria seu maior aliado histórico, provavelmente arrendariam algum porta aviões da classe Forrestal, alguns dizem que o USS Ranger já estava sendo preparado para isso, junto de fragatas e destroyers, não teria vez para a armada Argentina contra dezenas de F-4 phantoms.