Home Forças Anfíbias Malvinas 38 anos: Operação Rosário

Malvinas 38 anos: Operação Rosário

3641
24
Blindados LVTP-7 da Argentina nas Malvivas, em 1982

Por Luiz Reis*
Especial para o Poder Naval

No dia 2 de abril de 1982, há 38 anos atrás, forças argentinas efetuaram desembarques anfíbios na capital das Ilhas Falklands (Malvinas), Port Stanley, numa operação chamada pelos argentinos de “Operação Rosario” (durante os preparativos, a invasão foi chamada de “Operação Azul). Foi o início da chamada Guerra das Malvinas, entre a Argentina e a Inglaterra, que durou entre maio e junho de 1982.

A invasão inicialmente foi combatida pela pequena defesa local, organizada pelo governador inglês das Ilhas Falklands, Sir Rex Hunt (que já havia sido alertado de uma possível invasão no dia anterior), que passou o comando ao major Mike Norman, da Royal Marines, líder de uma pequena guarnição que contava com apenas 68 fuzileiros mais 11 marinheiros de um navio de patrulha antártico da Marinha Real que estava ancorado em Stanley.

Contra os ingleses foram usadas tropas especiais argentinas, comandadas pelo Contra-Almirante Carlos Büsser:

  • Cerca de 50 operadores do “Grupo de comandos anfíbios”, que partindo do destroier Tipo 42 Santisima Trinidad (D-2) desembarcou ao sul de Stanley, em barcos infláveis, liderados pelo Tenente-Comandante Sánchez-Sabarots;
  • Cerca de 15 mergulhadores de combate dos “Buzos Tácticos” (“Grupo de Mergulhadores Táticos”): a bordo do submarino ARA Santa Fe (S-21), nadaram em direção a terra, liderados pelo Tenente-Comandante Alfredo R. Cufré;
  • Cerca de 500 homens do “Batalhão de Infantaria Marinha Nº 2 (BIM-2)”: embarcados no LST ARA Cabo San Antonio (Q-42), desembarcaram em vinte veículos anfíbios blindados LVTP-7 e cinco veículos anfíbios LARC-V, e no ARA Almirante Irízar (Q-5), também inseridos no Aeroporto de Stanley por helicópteros SH-3 Sea King.

Os eventos da invasão, iniciada na madrugada do dia 2 de abril, incluíram o desembarque do Grupo de Comandos Anfíbios do Tenente-Comandante Guillermo Sanchez-Sabarots, o ataque ao quartel Moody Brook, o engajamento entre as tropas de Hugo Santillan e Bill Trollope em Stanley e o engajamento e rendição final na Casa do Governador, com a vitória das forças argentinas.

O único morto em combate (e o primeiro da Guerra das Malvinas) foi o Capitão-de-Corveta Pedro Giachino, mortalmente ferido quando liderava o ataque à Casa do Governador, além disso, seis soldados argentinos foram feridos. Do lado inglês, não houve baixas entre mortos e feridos, mas todos (107 pessoas no total) foram capturados. Levados inicialmente para Montevidéu, todos acabaram sendo levados para a Inglaterra.

Imediatamente após a tomada das ilhas foi enviada a “25ª Companhia de Regimento de Infantaria (Exército Argentino)”, que foi transportada por aeronaves Lockheed C-130H Hercules da Fuerza Aerea Argentina (FAA).

A cidade de Port Stanley foi rebatizada como “Puerto Argentino” e o Aeroporto de Stanley foi rebatizado como “Base de Aviación Militar Malvinas” (BAM Malvinas).

No dia 3 de abril de 1982, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou a Resolução 502 exigindo a retirada imediata de todas as forças argentinas das ilhas e exortando os governos da Argentina e do Reino Unido a procurar uma solução diplomática para a situação e a se abster de novas ações militares. Como ambos os países não conseguiram dialogar pela diplomacia, acabaram entrando em guerra.

O cabo Jacinto Eliseo Batista conduz os Royal Marines para entrega de suas armas

*Professor de História no Estado do Ceará e da Prefeitura de Fortaleza, Historiador Militar, entusiasta da Aviação Civil e Militar, fotógrafo amador. Brasiliense de alma paulista, reside atualmente em Fortaleza-CE. Articulista com artigos publicados em vários sites sobre Defesa.

Subscribe
Notify of
guest
24 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Claudio Moreno
Claudio Moreno
4 meses atrás

Bom dia Senhores!

Uma aventura mal sucedida que acabou por sepultar um das mais bem armadas forças militares da América do Sul naquela época.

CM

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
4 meses atrás

Me dá raiva só de lembrar do quanto a junta militar argentina foi irresponsável e incompetente em conduzir essa guerra…

Dalton
Dalton
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

Mas que a ideia foi muito boa, isso foi ! Contaram que os britânicos não iriam querer ou não teriam condições de levar a guerra até o Atlântico Sul e utilizar armas nucleares era algo certo que não seria feito. . Lembra a decisão de Hitler de remilitarizar a região do Reno em 1936. Ele apostou e ganhou que os franceses apesar de forças muito superiores não reagiriam até por conta da situação econômica, política e a lembrança ainda vívida de milhões de mortos e feridos da Grande Guerra. . Para azar de Galtieri e sua turma, os britânicos passaram… Read more »

GUSTAVO HENRIQUE OLIVEIRA PEREIRA GONZALEZ
Reply to  Dalton
4 meses atrás

O problema foi que eles contaram com a não-reação dos britânicos, mas não se prepararam para a hipótese inversa (como, por exemplo, preparando a pista dos aeródromos das ilhas para poderem operar seus caças). Ou seja, contaram com a vitória antes de a guerra acabar, perderam.

Kemen
Kemen

Sim e, adicionando que a população local (descendente de britanicos) hostil, informava tudo que podia sobre as forças argentinas na ilha às forças britanicas quando se aproximaram das ilhas, esse fato pouco escrito nos capitulos da guerra, ocorreu, e ajudou muito não ações belicas das tropas britanicas.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Kemen
3 meses atrás

Kemen err…. acho que isso seria bem natural, né? Afinal de contas, estavam sendo invadidos.

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Dalton
4 meses atrás

“A arte da guerra nos ensina a não confiar na probabilidade de o inimigo não estar vindo, mas sim na nossa própria prontidão para recebê-lo; não sobre a possibilidade de ser atacado, mas sim no fato de que fizemos a nossa posição inatacável.” Sun Tzu Uma das máximas da arte de guerra que foram ignoradas pelas autoridades militares argentinas. Nunca se pode confiar no que o inimigo vai fazer, mas se concentrar na capacidade do que o inimigo pode fazer. E a RN era uma marinha de águas azuis, com capacidade de projetar poder globalmente. E a dama de ferro(apelido… Read more »

Bruno Vinícius Campestrini
Reply to  Dalton
3 meses atrás

Fosse outra pessoa no comando do Reino Unido, é possível que o plano Argentino tivesse sido uma jogada de mestre. Porém, buscar briga com a Inglaterra justamente quando a Dama de Ferro estava a frente do governo foi um erro incalculável, e os argentinos pagaram caro por isso.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Willber Rodrigues
4 meses atrás

Uma desastrada, irresponsável, inconsequente e mal planificada decisão. Os resultados disso todos conhecemos.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
Reply to  Willber Rodrigues
3 meses atrás

Raiva? Dê graças a Deus,se não iriamos viver com um inimigo forte a vida toda.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
4 meses atrás

Bom dia senhores.
Para mim a foto mais icônica da guerra foi esta do cabo Jacinto Eliseo Batista, conduzindo os Royal Marines rendidos . Tem um detalhe especial. A forma como o segundo soldado rendido olha para ele. Este cabo cumpriu bem o seu dever e foi mandado de volta a Argentina.

Rudi
Rudi
Reply to  Antonio Palhares
4 meses atrás

Sim concordo com você…mas tenho uma curiosidade , parece que o Cabo esta usando um sub metralhadora sterling ? da 2 guerra mundial?

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Rudi
4 meses atrás

É uma L34A1, versão da Sterling com supressor de ruído. A Sterling foi desenvolvida no final da Segunda Guerra mas não chegou a ser usada em larga escala, somente teve uso limitado por agumas unidades paraquedistas e de operações especiais.

A submetralhadora padrão das Forças Armadas Britânicas durante a guerra foi a Sten.

Rudi
Rudi
Reply to  Alfa BR
3 meses atrás

Obrigado..achei meio parecida..73

horatio nelson
horatio nelson
4 meses atrás

pessoas morreram para q o nome das ilhas fossem falklands…não malvinas.

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  horatio nelson
4 meses atrás

Continuasse,como sempre foi: Falklands. Pessoas morrersm pelo orgulho argentino. Só por isso!

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  horatio nelson
4 meses atrás

Desde 1838 que são Falklands.

Glasquis7
4 meses atrás

ENTREGUISTAS!!! Eram apenas 35.000 ingleses contra toda a Argentina y tiraram as ilhas do seu próprio quintal… Pouco mais de dois meses. Da explosão efervescente del nacionalismo barato de Galtieri, à vergonhosa rendição anunciada em TV.

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Reply to  Glasquis7
3 meses atrás

O povo das ilhas prefere estar do lado dos britânicos. Não tem conversa. O povo é soberano

Alfa BR
Alfa BR
4 meses atrás

Operação muito bem executada apesar dos britânicos terem descoberto o movimento pouco antes.

Amaury
Amaury
4 meses atrás

Em 1983 se não me engano foi lançado um excelente livro chamado “Guerra Santa nas Malvinas” que reunia reportagens de 4 jornalistas que, na época do conflito, trabalhavam e cobriram a Guerra a serviço do Jornal O Estado de São Paulo. Trabalho interessante que apresentava particularidades desse conflito. Entre eles lembro de alguns bens interessantes; – embora fosse uma reivindicação histórica dos argentinos, e na minha humilde opinião bastante justa, a tentativa de reconquista foi na verdade uma tentativa da junta militar argentina de esticar seu poder que era, à época, bastante impopular – a falta de “timing” dos argentinos… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  Amaury
3 meses atrás

Uma nação de segundo (?) mundo, jamais ganhará uma guerra aberta,contra uma potencia européia. Essa lição era conhecida, mas os Argies calcularam mal a reação de Margaret Tatcher. A Dama de Ferro mostrou que o Leão de São Jorge está bem vivo.

Osvaldo Marcilio Junior
3 meses atrás

O interessante é que em 1982 o Corpo de Fuzileiros Navais argentino ja tinha os “LVTP-7” (CLNF) e em 1984 eu entrava para o nosso CFN, onde servi no Batalhão Paissandu (fiquei os três anos) e o Comando nem sonhava em compra-los, nossos desembarques eram feitos ainda nas “saudosas” EDVP (Embarcação de Desembarque de Viaturas e Pessoal) e ainda ia demorar muito para o CFN adquirir os tão sonhados CLANF’s…ADSUMUS!!!

Alfa BR
Alfa BR
Reply to  Osvaldo Marcilio Junior
3 meses atrás

Foi também o primeiro uso em combate do LVTP-7.