Home Aviação Naval VÍDEO: Teste de motor do Super Étendard Modernisé da Aviação Naval Argentina

VÍDEO: Teste de motor do Super Étendard Modernisé da Aviação Naval Argentina

6869
102

Um dos cinco jatos Super Étendard Modernisé (SEM) comprados para a Aviação Naval Argentina e recebidos no ano passado realizaou teste de motor.

Os jatos se juntarão à 2ª Escuadrilla Aeronaval de Caza e Ataque reativada, que recebeu dez Super Étendards em 1981, mas que não estão mais operacionais.

Os aviões correspondem à versão “SEM 5”, a última das modernizações que foram aplicadas ao Super Étendard e que lhe permitiram continuar no serviço de primeira linha na França até 2015.

Juntamente com as aeronaves foram adquiridas todas as peças sobressalentes e componentes que permaneceram em estoque no momento da retirada da França do modelo de serviço ativo. Além de peças sobressalentes e componentes, bancadas de teste e um simulador foram incorporados.

Subscribe
Notify of
guest
102 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Claudio Moreno
Claudio Moreno
1 mês atrás

Olá Senhores!

Mais uma Marinha em que seus almirantes não se deram conta da gravidade em que está a armada. Ou até se deram, mas lhes foram imposto a vontade de outros. Ou ainda pior, o sonho de manter as aparências.

CM

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

Olá, “o sonho de manter as aparências”?
No caso argentino as aparências já não enganam mais, eu acho que eles deveram estar empenhados em mudar essa aparência!

fabio_bsb
fabio_bsb
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

A imagem aí parece a imagem do sujeito que chega em casa com um Dodge Dart 1978 reformado. Bonito, elegante, anda pra caramba mas é um carro velho.

Michel C
Michel C
Reply to  fabio_bsb
1 mês atrás

Eu lembrei do teste do motor do P-47 no Musal

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  fabio_bsb
1 mês atrás

Tá mais para um Polara que um Dart!

Sergio
Sergio
Reply to  Carlos Gallani
1 mês atrás

….Pô !!!! eu tenho um Polara !!!!! e já tive dois outros…..

Flanker
Flanker
Reply to  Sergio
1 mês atrás

Bah….era um canhãozinho para a época…..nas arrancadas fazia frente ao Passat TS e ao Opala 4100 ….

Alex
Alex
Reply to  fabio_bsb
1 mês atrás

Se vamos falar de carro, não se esqueçam que o senário não e de turismo e sim de uma corrida de Formula , onde os inimigos principalmente Ingleses, tem oque existe de melhor. Não podemos falar muito pq a MB continua com os sonhos de viação de caça-ataque, uma marinha que se quer tem Fragatas, e continua torrando dinheiro nesse sonho.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

Como esses aviões estavam preparados para a “primeira linha” da França até 2015, penso que estão melhores que nossos A4.
O problema é o quantitativo. Mas, para quem pensa que deve ser mantida a doutrina, pode ser que valha alguma coisa.

Art
Art
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

As Forças Armadas Argentinas foram negligenciadas por sucessivos governos. Além de falta de verba, falta de interesse da classe politica. Almirantado não faz orçamento do ministério da Defesa.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
1 mês atrás

Ahhhh outra coisa referente ao teste… sou leigo no tocante a qualquer prática com aparelhos alados sendo assim eu pergunto: os freios são secos assim mesmo? A mim parecia minha esposa quando ganhou o primeiro carro automático dela.

CM

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

Depende da pressão aplicada nos pedais.

Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Um vetor naval de respeito no TO Atlântico Sul. Deve ter custado menos do que a modernização dos vetustos A4. A Argentina está com poder de guerra naval aérea. Agora os Argies devem ter todos os códigos de Exocet, e não e não falta experiencia nesta arma.

Satyricon
Satyricon
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Acredito que, para ser efetivo para a função a que se destina, nossos A4 precisariam necessariamente de um míssil anti-navio. Teoricamente, isso seria possível com a versão MkIII do Penguin, que a MB já opera nós SH-16.
Mas integrar tal arma em apenas 6 plataformas não vai rolar.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Nossos A4 e F-5 modernizados tem a aviônica muito mais moderna do que qualquer coisa que tenha asas na Argentina.

Teropode
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Mas e o perfil de voo ? O SE é inigualável quando realiza uma aproximação de ataque , ele é para o exocet oque o A10 é para o GAU8 , o parceiro ideal e incomparável.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Teropode
1 mês atrás

O A-1 modernizado faz melhor, se empregasse o Exocet.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

.” A Argentina está com poder de guerra naval aérea”.

Essa afirmação é muito forte para ser feita a partir de um simples teste de motor de 1 dos 5 aviões recebidos.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Nossa! Sua Majestade, QE, nem vai dormir direito hoje!!!

Teropode
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Quantos deslikes kkkkk , eu também admiro este porta exocet , voa fácil a baixa altura ( splash na barriga ), provou seu valor com os argentinos e franceses , o único fator limitante será a quantidade de exocet disponível, na mão dos marrentos pilotos argentinos esta dupla tira o sono de qualquer capitão , .de navios.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Teropode
1 mês atrás

Acho muito improvável que tenham sido vendidas armas nesse negócio, muito menos Exocet ‘s.

Devido ao lobby Britanico , Talvez a ideia seja futuramente integrar a esse avião algum míssil anti navio chinês.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

“Agora os Argies devem ter todos os códigos de Exocet, e não e não falta experiencia nesta arma.”
.
Pq “não os faltaria experiência” ? Pq lançaram 4 ou 5 misseis, em situação de guerra, a quase 40 anos atrás ?
E pq eles devem ter todos os códigos do Exocet ? Pq um “duende te” contou ? rs

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

O braço do trem de pouso dianteiro chega bem perto de tocar no chão com as freadas, o pneu sofre uma deformação, o braço se inclina e por muito pouco não toca o chão tal a força para segurar o caça.

Dario Renato
Dario Renato
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Fábio, está tranquilamente dentro dos parâmetros. Se uma aeronave feita para suportar aterrisagens em porta-aviões não resistisse a isso não deveria nem sair da prancheta.

Jack ryan
Jack ryan
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Acho que os franceses erraram em nao lhe contratar como engenheiro ou analista. Manda seu currículo !!!

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Se equiparem o Gripen com mísseis anti-navio vai ser superior a essa solução argentina. Para complementar uns P8 cairiam muito bem!

Rodrigo
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

P3 + gripen (com os mesmos mísseis) + vant de longo alcance já seria um salto enorme.

Em quantidade suficiente é lógico.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Rodrigo
1 mês atrás

Uma boa aeronave, Espero que a FAB já esteja pensando em um substituto para o P-3 Orion…

marcus
marcus
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

KC 390 ou EMB 195E para patrulha marítima?

Rodrigo
Reply to  marcus
1 mês atrás

Mercado de usados – P3 Orion usado/reformados, terá muita peça por um bom tempo.

Mercado de novos – (P) C390, logística comum (em partes) com os KC da FAB.

GripenE/F + VANTS de longo alcance complementando tudo.

Divide tudo em umas 2 ou 3 bases no litoral que já é uma baita dissuasão.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Rodrigo
1 mês atrás

dois modelos da Embraer que teve um numero razoável de aeronaves fabricadas é o modelo E175( 577) dos 773 pedidos recebidos, seguido pelo E190, que já teve 559 unidades produzidas.

Acredito que problemas de peças não seria problema para a embraer quanto a manutenção de tais aeronaves…

comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

comment image?resize=696%2C463&ssl=1

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Acho que adquirir aeronaves 737 P-8 Poseidon para o MP como alguns sonham,é algo difícil de se concretizar…

Acho que temos que ser mais pés no chão sobre qual plataforma usar para patrulha marítima.

comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Acho que uma aeronave que tem o custo unitário de USD256.5MI não é viável para a FAB ou MB…

comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Apesar que Coreia do Sul e a Nova zelândia adquiriu quatro aeronaves via FMS,um pedido avaliado em US $ 1,5 bilhão, o preço unitário de cada aeronave foi de aproximadamente US $ 83 milhões.

Glasquis7
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

Por que substituir os P3 e são tão efetivo na sua função? Marinhas em melhores condições estão a procura de mais P3 pra operar até 2035/40

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Sou favorável a aquisição da MB de Gripen-E não navalizados para ter uma aviação naval baseada em terra…

Deveriam adquirir a mesma quantidade de caças comportados no A-12, seria uma boa aquisição, e a FAB que morresse de raiva…

Fernando
Fernando
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

A MB já tem pessoas acompanhando o programa dos Gripens, já pensando no Sea Gripen. O que o precisamos é de Navios Aeródromos para projeção de poder aero-naval. Temos 5.5 milhões de km^2 de área marítima e com a atual frota não é possível monitorar e proteger essa área

Glasquis7
Reply to  Fernando
1 mês atrás

Putz, de novo esse papo de NA.

Tem fantasmas que teimam em ficar a nos assombrar.

Alessandro Vargas
Alessandro Vargas
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

Para nós leigos entendermos melhor, são duas doutrinas distintas? Os Gripen da MB seriam especializados em ataque anti navio, bem diferente da doutrina operacional da FAB. Creio que, ao final das contas, ambos se complementariam. Como disse: visão de um leigo, receptivo a comentários!

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Alessandro Vargas
1 mês atrás

Um caça embarcado também provê defesa aérea para a frota. Daí, há a necessidade de um AEW embarcado, também.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

Senhores, se a MARINHA BRASILEIRA vier a adquirir caças, com certeza não será o Gripen, a não ser que a mentalidade de alguns almirantes mude da água para o vinho…

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

Eis aí o upgrade mais urgente no que resta da MB, o Almirantado.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

Concordo João. A mentalidade e consciência da MB, representada pelo almirantado, precisa de uma revolução gestacional e gerencial. Não vejo outra forma do que dar chances para a nova geração.

Angelo Chaves
Angelo Chaves
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Boa noite, o que seria uma revolução “gestacional”? Envolve um novo tipo de útero, mais moderno?

MMerlin
MMerlin
Reply to  Angelo Chaves
1 mês atrás

Envolve sim, com o objetivo de parir um nova forma de administração a MB, mais pé no chão (sem os devaneios passados), mais enxuta e mais atualizada.

Zorann
Zorann
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

A Marinha ter Gripens na atual conjuntura, não faz o menor sentido. A Marinha não consegue nem manter seus navios, vai comprar Gripens? É a inversão completa de prioridades. Não consigo entender como alguém pode defender tamanho absurdo.

Rodrigo
Reply to  Zorann
1 mês atrás

Relaxa zorann, é apenas ponto de vista, deixando de lado toda atual e futura conjuntura financeira e política, ou seja SONHO MEU kkk. A Marinha ao meu ver deveria priorizar os projetos atuais, subs, meko a100. Esquece navio aeródromo, utiliza aviões em bases litorânea mesmo, cadê as VANTS de longo ou médio alcance ? Que agregaria muito a força. O grande problema que vejo nas forças armadas brasileira é a mania de querer fabricar sub nuclear, avião de caça, etc, mas nem os armamentos e eletrônico fabricamos e temos controle. Não vou estender mais e misturar mais os assuntos, pois… Read more »

Jose Luiz
Jose Luiz
Reply to  Zorann
1 mês atrás

Realmente a absurda e perene falta de recursos faz parecer algo absurdo. Mas a história da Guerra Naval demonstra que ter aeronaves e pilotos especializados em operações navais e sob o comando direto dos almirantes faz muita diferença e considere que dois gripens podem ser bem mais perigosos que uma fragata contra um eventual agressor nas nossa águas.

Glasquis7
Reply to  Jose Luiz
1 mês atrás

Mas é justamente aí que está o curioso desta história. O orçamento da MB é enorme. Não deveriam faltar recursos.

Jack ryan
Jack ryan
Reply to  Zorann
1 mês atrás

Pois é! Menino ve vídeo no youtube e pira com sukhoi, porta aviões e outros. Esquece da carencia de recursos e do tamanho do brasil. Poe a culpa no numero de almirantes…

bit_lascado
bit_lascado
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

Seria interessante um esquadrão conjunto FAB e MB para uso de mais Gripens em ambiente marítimo baseados em terra. Nos moldes que a RAF e a Royal Navy fizeram com os Harriers. Para mantermos a doutrina de aviação naval da MB e conhecimento de operação de combate sobre o mar para a FAB.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  bit_lascado
1 mês atrás

A FAB sabe combater sobre o mar. Desde 1942.

nonato
nonato
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

E vários OTHs.

Flanker
Flanker
1 mês atrás

Essas aeronaves chegaram na Argentina em maio do ano passado…..e só agora passam por teste de motor? Ainda não entraram em serviço? Claro que tiveram que treinar pilotos e mecânicos e reativar o esquadrão….mas, um ano? Não começaram essas adequações e providências antes do recebimento das aeronaves?

Enes
Enes
Reply to  Flanker
1 mês atrás

Provavelmente eles nem tinham a certeza que iriam receber tais aeronaves.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Flanker
1 mês atrás

Há quanto tempo os Super Étendard que a Argentina possuía estavam aterrados? Dependendo do tempo eles teriam tanto pilotos quanto equipe de terra que já conheciam o caça, tá certo que é uma versão atualizada, mas com o conhecimento que eles tinham a adaptação deveria ser menor.

Souto.
Souto.
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Quantos aviões super etandart estão operacionais na armada argentina?

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Souto.
1 mês atrás

A resposta está no texto da matéria. Você não leu ?

Flanker
Flanker
Reply to  Souto.
1 mês atrás

Atualmente, nesse momento, nenhum!!

FighterBR
FighterBR
1 mês atrás

Parece até aqueles aviões de parque de diversões.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 mês atrás

Essas peças de reposição e motores sobressalentes vão ser usadas pra recuperar os Super Etandart antigos, ou vão ser usados só pra manter os “novos” Super Etandart mesmo?

Eduardo
Eduardo
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Pelo que entendi, só pra manter os novos.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Eduardo
1 mês atrás

Ou seja, seis por meia dúzia…

Tomcat4,2
1 mês atrás

Tão empinado que parado parece estar decolando.rs

Marcos
Marcos
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Desse jeito nem deve decolar

Parabellum
Parabellum
1 mês atrás

Deve ser para manter a caderneta de vôo dos pilotos em dia. Mesmo neste TO não serve (Brasil, Chile e Inglaterra – Uruguai não conta). Mas pode ser empregado para afugentar os pesqueiros chineses.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Parabellum
1 mês atrás

Não serve???
Quais são os caças de ataque naval, que são melhores em toda a América Latina??
Os Ingleses não contam, pois são Europeus, apenas têm 3 ou 4 caças nas Falklands, para dissuasão.
Agora que são poucos, isso sim.

Glasquis7
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

Os 46 16 do Chile conseguem lançar ataques navais com harpoon.

Rommelqe
Rommelqe
1 mês atrás

Teste de motor sem nenhuma participação externa. Parece o mecânico da esquina “testando” um fusca com motor reusinado.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Rommelqe
1 mês atrás

Isso deve ser porque a Argentina continua tendo bons profissionais e não precisa de mecânicos de outros países.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
1 mês atrás

A Argentina tá lascada, vai demorar para sair da pindaíba.

Welington S.
Welington S.
1 mês atrás

Pergunta que não quer calar… há quantos anos a Argentina está atrasada em termos de defesa? E em quantos anos ela conseguiria chegar no mesmo patamar que está o Brasil hoje? Alguém saberia responder?

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Welington S.
1 mês atrás

Boa Pergunta !

737-800RJ
737-800RJ
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Não sei responder, mas mesmo com todas as nossas limitações, olhe os projetos, nacionais ou mistos, que estão sendo tocados nesse momento no Brasil: corvetas/fragatas leves Tamandaré, submarinos Scorpène BR, aeronave C-390 Millenium, míssil de cruzeiro AV-TM 300 Matador, futura produção local do Gripen E, VBPT Guarani, míssil antinavio MANSUP… Com certeza esqueci de alguns projetos, mas só com esses já dá pra ter uma noção de como estamos muito, muito à frente não somente da Argentina, mas de todos os nossos vizinhos que só compram de prateleira e não desenvolvem nada. O que nos falta é foco e verba.

rui mendes
rui mendes
Reply to  737-800RJ
1 mês atrás

Projectos nacionais, as Tamandaré, subs Scorpène, Grippen E, e Guarani????
Não, não são, os outros sim, são e só por esses já estão na frente de qualquer outro país da América Latina, mas os de cima são projectos Europeus, aos quais o Brasil pagou mais para parte deles serem produzidos no Brasil integrando materiais Brasileiros e no caso do Grippen E, pagou para entrar no desenvolvimento da nova versão mais avançada do caça Sueco Grippen, contribuindo com os Suecos no desenvolvimento e fabricação do modelo E, o mais avançado dos Grippens.

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Welington S.
1 mês atrás

Se tem uma coisa que o Macri fez bem foi tentar tirar as forças armadas da sombra da última ditadura. Por exemplo, ele decidiu envolver os militares nas comemorações da independência para reconectar a sociedade civil aos militares. Durante toda a presidência de Macri, ainda podemos identificar várias políticas que ajudaram a fortalecer as instituições militares, principalmente por meio do reparo de relações civil-militares, da reformulação de conceitos estratégicos e da aquisição de hardware importante. Dito isto, foi possível começar a reconstruir os laços entre as forças armadas e a sociedade civil – fazendo contatos com o Congresso, relações públicas… Read more »

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Matheus Santiago
1 mês atrás

Aliás, um analista – Andrei Serbin Pont – que cobriu esse desfile da independência contou uma pequena história:

De pé perto da esquina na avenida do desfile, uma mulher com dois filhos lhe perguntou: “Você sabe quando os veteranos das Malvinas marcharão?”

Eu acredito que eles são os próximos, o analista disse.

“Obrigado, estou muito nervosa”, respondeu ela. “É a primeira vez que meus filhos vão ver o pai desfilar.”

Everton Sbrisse
1 mês atrás

Chega a ser triste a situação da argentina.

Dario Renato
Dario Renato
Reply to  Everton Sbrisse
1 mês atrás

Não sinto pena alguma. São os próprios argentinos que cavam esta situação ano após ano.

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
1 mês atrás

Me respondam uma coisa, por que o bocal do motor está quase encostando no solo ? Isso é normal ?

Ramon Grigio
Ramon Grigio

Francisco, o Super Etendard é uma aeronave naval que opera embarcada em porta-aviões. Foi projetada para atender os requerimentos da marinha francesa que possuía dois “pequenos” porta-aviões. Para conseguir decolar com maior carga de armas e combustível em uma distância mais curta utiliza-se esse artifício de alongar o trem de pouso do nariz de forma que a aeronave fique com esse aspecto de “empinada”. Isso aumenta o ângulo de ataque da asa e promove maior sustentação.
Várias aeronaves utilizam-se desse artifício e muitas nem operam embarcadas.

Pedro
Pedro
1 mês atrás

Se a 5km ele já quase ergue o nariz, imagina em alta velocidade!!!! Ele “rebaixado” na traseira, parece uma hiena que tem o quadril baixo! Mas eu não tenho pena dos argentinos, votaram na esquerda novamente, que se ferrem!

Luiz Alfredo
Reply to  Pedro
1 mês atrás

mais na direita tava a mesma merda de sempre desde do final da guerra das malvinas

MMerlin
MMerlin
Reply to  Luiz Alfredo
1 mês atrás

Você realmente acha que em um único mandato seria possível reverter a situação calamitosa (financeira, social e corrupta) que 18 anos de Kirchnerismo deixaram o país?
Conseguir renegociação de dívida e enxugar a máquina pública (indispensável lá devido ao altíssimo desequilíbrio financeiro que existe entre arrecadação e funcionalismo) já seria muito.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Pedro
1 mês atrás

Realmente, da para ver que o trem de pouso dianteiro deixa o nariz do avião com atitude bem elevada

Lembra a modificação inglesa com os seis F-4K, veja o britanico ao lado do americano como o trem é mais elevado. Isto ocorria para melhorar a decolagem ja que os Nae britanicos eram menores
comment image?ssl=1

Carlson
Carlson
1 mês atrás

É lamentável ver um dos maiores Países da América Latina com as forças armadas nessas condições com o Brasil, Venezuela e o México não ficando muito atrás…

nonato
nonato
1 mês atrás

Esse tipo de teste não deveriam calçar as rodas e evitar forçar os freios?
Jatos comerciais ou militares passam por esses testes após manutenção.
Já imaginou um A 380 dando essas freadas, como se diz no nordeste?

Jack ryan
Jack ryan
Reply to  nonato
1 mês atrás

Na verdade o teste deveria ser feito com a aeronave calcada e com o motor voltado para uma barreira artificial. Ou eles nao tem a equipagem na base aérea ou mais provavelmente quiseram a propaganda.

nonato
nonato
Reply to  Jack ryan
1 mês atrás

Barreira artificial para quê?
Não aumentaria o “empuxo”, igual nos porta aviões?
Andou assistindo Lito?
🙈

Madmax
Madmax
1 mês atrás

O matador de gripens.

Parabellum
Parabellum
Reply to  Madmax
1 mês atrás

Tá mais para matador de saudades.

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
1 mês atrás

Muito “sex” esse avião,Olha o “stance” disso aí.

Nilo Antonio Rodarte
Nilo Antonio Rodarte
1 mês atrás

“Juntamente com as aeronaves foram adquiridas todas as peças sobressalentes e componentes que permaneceram em estoque no momento da retirada da França do modelo de serviço ativo”

Esse estoque seria apenas para manter os cinco adquiridos ou poderia servir para trazer os que já saíram de serviço de volta?

Rodrigo LD
Rodrigo LD
1 mês atrás

Mais um país Sul americano com FFAA que servem só para desfiles e exposições…se é para manter Forças assim, que em caso de emprego real, pouca ou nenhuma efetividade teriam, chego a achar verdadeiramente mais interessante fazer como Porto Rico ou Suíça. Entrega logo como protetorado de alguma potência militar ou fica logo sem nada. Não vai fazer diferença mesmo e vai economizar muito….

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rodrigo LD
1 mês atrás

Suíça não é protetorado de ninguém, e tem FFAA bem razoáveis. Só a Defesa Aérea que funciona em horário de expediente. Ridículo.

Dr. Mundico
Dr. Mundico
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

A Suíça sedia os maiores bancos europeus e mundiais, os maiores grupos de investimento, maiores seguradoras e resseguradoras e as maiores indústrias químicas e farmacêuticas da Europa.
Sem falar que são os maiores consumidores de produtos de alto custo da Europa.
Ninguém tem o menor interesse ou necessidade de criar problema com ela.

Glasquis7
Reply to  Rodrigo LD
1 mês atrás

A Suíça tem de respeito e muito bem treinadas.

Sergio
Sergio
1 mês atrás

…isso ai armado e bem comandado ainda é um perigo…….

taripy zacaro
taripy zacaro
1 mês atrás

show de velharia,MB deve se preocupar?

Rodrigo LD
Rodrigo LD
Reply to  taripy zacaro
1 mês atrás

Argentina e Brasil investindo em aviação embarcada da década de 60/70, sem ter porta-aviões ou sequer previsão de longo prazo para incorporar um. Belíssima gestão dos poucos recursos disponíveis!!!