quinta-feira, março 4, 2021

Saab Naval

Austrália incorpora último destróier de defesa aérea classe ‘Hobart’

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A Marinha Real Australiana (RAN) recebeu o HMAS Sydney na frota, seu terceiro e último destróier de guerra aérea (Air Warfare Destroyer) da classe “Hobart”, no primeiro comissionamento de um navio de guerra australiano em pleno mar desde a Segunda Guerra Mundial.

A cerimônia, realizada na costa de Nova Gales do Sul em 18 de maio de 2020, marcou o momento em que o AWD HMAS Sydney (V) de 147 metros de comprimento se tornou um dos navios australianos de Sua Majestade.

Além disso, o comissionamento marcou um marco significativo no plano de construção naval de A$ 90 bilhões do governo australiano.

O HMAS Sydney é a última de três embarcações da classe “Hobart” construídas para a RAN em Osborne, no sul da Austrália, e baseia-se no projeto de fragata Navantia F100. Ele está equipado com avançados sistemas de combate, fornecendo ao navio recursos ofensivos e defensivos em camadas para combater ameaças convencionais e assimétricas.

Onavio passará agora por seu período de teste e avaliação, onde se integrará à frota e o pessoal da marinha desenvolverá suas habilidades com o sistema de combate Aegis.

Os navios irmãos do Sydney, Hobart e Brisbane, foram comissionados em 2017 e 2018, respectivamente, e os três navios são baseados na Fleet Base East, em Sydney.

- Advertisement -

40 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alessandro Vargas

Que inveja boa! Colhendo os frutos…

Parabéns a Royal Australian Navy, que soube envidar seus bons ofícios junto a Comissão de Orçamento do seu Parlamento e materializar um plano consistente de reequipamento!

JOAO

Fica a lição e o exemplo de gestão para a MB. Hoje a marinha australiana tem uma capacidade bélica muito superior a MB. Isso com um efeito bem menor. As responsabilidades não são muito inferiores.

Alessandro Vargas

Penso que o problema no Brasil, por ser uma Nação “presidencialista”, valorize mais a atuação junto ao Poder executivo, ou seja, junto ao Ministério do Planejamento (ou hoje da Economia que concentra), para o trabalho de “convencimento orçamentário”, quando, na verdade, de forma muito humilde, entendo que as Forças (aí cadê o Min. da Defesa?) deveriam gestionar forte junto a Comissão de Orçamento de nosso Congresso, para auxiliar na articulação política visando seus interesses “em partricular” e não deixar por conta da Casa Civil (ou demais secretarias de articulação política), uma vez que estes órgãos lutarão sempre “pelo conjunto” do… Read more »

Gustavo

Mas os militares brasileiros sempre foram muito bons em fazer Lobby no congresso! Mas pra garantir aumentos de salários, aumento
do efetivo, aposentadoria diferenciada…

Ted

O teatro de operação da marinha australiana é MUITO diferenciado da MB.

Corcel

O mesmo papo,que pensamento medíocre.

Junior

Deveriamos ter no minimo dos brinquedos desses para defesa do PHM atlantico

Karl Bonfim

Em rio que tem piranha, jacaré nada de tanga né dona Austrália? Se se cuida que o grande dragão oriental está p da vida de pois de serem acusados de tentar intervir na sua política. Vão precisar desses navios e muito mais. Os gregos da antiguidade servem de exemplo, ao reforçar sua marinha construindo navios que repeliram as invasões persas. Os “chinas” de hoje são “parecidos” com os persas da antiguidade, querem dominar e destruir a cultura ocidental (na minha opinião), impondo sua hegemonia econômica, política e cultural.

Jagderband#44

Cultural acho que não prezado Karl. Não consigo ver ninguém na América ou Europa assistindo filmes chineses, comendo comida chinesa (todos os dias) ou querendo, de livre e espontânea vontade, aprender chinês. Eles são sim gafanhotos sedentos por recursos mundiais. Se valem da mão de obra semiescrava e desregulamentação trabalhista/ambiental para se desenvolver economicamente.

Talisson

Quanto a filmes chineses não lembrei nenhum de cabeça, mas filmes e animes de Hong Kong e Japão já consumimos bastante.

Karl Bonfim

Quando eu era criança em uma cidade do interior da Bahia, a minha maior diversão esperar as matinês de domingo para assistir os filmes de Kong fu com Bruce Lee. Depois do filme, eu a molecada saia na praça de matriz “brincando de luta” imitando os movimentos e os sons de luta. Quanto a comida, eu adoro macarrão (Uma grande invenção chinesa) e “flango” xadrez, agora com relação as “línguas chineses” (mandarim, cantonês, manchu e o xangainês), aí tens razão, também não consigo me ver nem tentando aprender um desses idomas.

ANGELO CHAVES

Cidade do interior da Bahia, saía do cinema e ia para a praça da matriz… Por acaso vc tá falando do antigo cine auditório, em Jequié?

Karl Bonfim

Não, era em Barreiras na Bahia!

Carlos Campos

tem F18 G, comprou Type 26, comprou subs franceses, comprou F35, vai ter o Loyal Wingman, vai ter dois mini porta aviões a Australia tá se armando muito

Talya

Prevenção contra a escalada chinesa…

Karl Bonfim

Uma questão para discussão: quais as chances do Brasil vim a ter embarcações dessas algum dia:

a) nenhuma chance;

b) pouca chance;

c) alguma chance;

d) uma boa chance;

e) muita chance.

Obs. Justifique a sua resposta.

Marujo

Nenhuma chance. Nossas forças armadas não tem formação, estrutura e equipamentos para confrontar um inimigo externo. É apenas uma hierarquia voltada para manter e, se puder, ampliar, seus interesses corporativos.

Chuck Norris Do Paraguai

A) Pouca chance.

Apenas se algun “bom parceiro” econômico abarrotar a Venezuela de armamentos terrestres r navais, como fragatas, destroyers, subs… e a mesma, realizar exercícios de ataque e defesa constatemente com munição real.

Kemen

D – É só ocorrer um crescimento econômico, com uma politica real de investimentos que requer o nosso cenário brasileiro, não importando metodologias que deram certo em outros cenários..

Chuck – Os regimes são antagônicos, mas a metodologia utilizada contra aquilo que se acredita ser oposição, é cada vez mais semelhante, tanto lá como aqui.

Last edited 9 meses atrás by Kemen
Marcelo

Se houver uma escalada militar na região decorrente do senario mundial. Sim

Willber Rodrigues

Seria possível se, um dia, o Brasil fosse um país sério, com um governo não populista, e se as FA’s não fossem uma repartição pública inchada e corporativista que gasta quase 90% do que recebe em pagamentos, pensão e soldos.
Enquanto nada disso acontecer, vamos continuar vendo o bonde passar e chupando o dedo.

Karl Bonfim

Letra C então! Essa é a resposta correta, porque “quase tudo nesse mundo é possivel”, se olharmos a nossa esquadra no início do século passado, e ver os navios que já tivemos e os que temos hoje, veremos que é possível a nossa Marinha voltar a ter destróier. Quanto aos governos, em geral são reflexos e espelho do seu povo, a final de contas, de onde os políticos saíram?

Willber Rodrigues

Com todo respeito, mas acho que minha resposta está mais pra opção “B” do que “C”.
Deixando de lado a responsabilidade do GF, mas fazer com que as FA’s sejam mais enxutas e que tenham um gerenciamento melhor de seus recursos mexe com…interesses e privilégios…e classe nenhuma no Brasil quer abrir mão de seus privilégios, mesmo que para um “bem maior”.
Enfim, tudo pode acontecer, assim como nada pode acontecer.

Karl Bonfim

Caríssimo “Willber”, Historicamente falando, (salvo alguma raríssima exceção), “nenhuma” classe ou casta privilegiada quis abrir mão dos seus privilégios. As “castas” privilegiadas brasileiras nisso não são diferentes, no geral não só lutam para manter, mas até aumenta-los, só as guerras, revoluções e as crises mudam isso.

Carlos Campos

a

Vovozao

26.05.2020 – terça-feira, btarde, impressionante, enquanto várias nações investem bilhões para manterem suas FFAA’s com equipamentos novos e atualizados, nosso pais gasta a bagatela de 60 bilhões…… isso mesmo 60 bilhões de dolares para …… tentar …. manter o dolar a menos de R$ 5,00, ja estando chegando a R$ 6,00…. uma fonte de grana para banqueiros/industriais/milionarios/especuladores, ja que o dinheiro não sai do pais, dolar continua disparando, e, nos continuamos sem FFAA’s. Só a titulo de ilustração o Chile pagou US$ 110.000, (cento e dez milhões de dolares) pelas 2 fragatas da classe Adelaide, que seriam maravilhosas para a… Read more »

Moriah

25 milhões (pouco mais do que Minas Gerais) de um continente distante, perigoso e quase todo desértico….parabéns, fizeram por merecer.

Kemen

No minimo duas Hobart até 2025! Com Aegis, Harpoon, BGM-109, se os congresistas do norte aprovarem, caso contrario duas Frem também serviriam.

Tutu
henrique

isso sim é navio bonito

carlos eduardo kwiatkosk

Nada como um submarino nuclear passando a toda velocidade em baixo desse belo navio ,pois esse e o futuro da nossa MARINHA DO BRASIL

Luiz Floriano Alves

Um submarino não bota banca sozinho. Nas Malvinas os Brits usaram dois para acertar 0s Argies e afundar o Belgrano. Ademais, com a tecnologia de hoje, e com os torpedos inteligentes de guerra submarina essa arma está cada vez mais, se centrando na função estratégica de base lançadora de vetores intercontinentais.

Dalton

Concordo com a primeira sentença, “Um submarino não bota banca sozinho.”. Nas ‘Malvinas” os britânicos conseguiram enviar de imediato 3 “nucleares de ataque” e estes 3 afugentaram a marinha argentina. Outros 2 chegaram quando o conflito estava aproximando-se do fim. . Quanto a centrar em “SSBNs” não é o que está ocorrendo, pois se continua a produzir “SSNs” e “SSKs”. A classe “Virgínia nos EUA, a classe “Astute” no Reino Unido e a “Suffren” na França e Japão e Austrália entre muitos outros já tem garantidos novas encomendas de grandes submarinos convencionais. . Os russos estão construindo a classe “Yasen”… Read more »

Marcelo

Quanto tempo levaram para achar aquele avião da Malásia que caiu no mar? Isso que ele ficou imóvel. Imagina um sub movido por um reator nuclear.

Jadson Cabral

Se preocupe não, que quando a o submarino nuclear da MB tiver pronto a Austrália já tem destroyer voador

filipe

A MB terá submarinos nucleares, o Brasil estará num patamar acima da Austrália… Estaremos no patamar da China, Rússia, EUA, UK, França e Índia… é um selecto grupo.

EduardoSP

Uma andorinha não faz verão.

Carlos Gallani

Uma arma imponente e de respeito mas bonito não é!

Pedro

INteressante. Lá também é liberado o uso da barba, bem que aqui poderia ser feito também. Não temos uma guerra, salvo uma civil caso a crise institucional perdure. Se armem que o comedor de mundos, o galactus da terra, a China vem com tudo.

Bardini

Os caras tem sérios problemas para recrutar novos quadros… não dá pra ficar se amarrando muito em baboseiras inúteis como essas.

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Quando o P-3AM Orion da FAB enfrentou um submarino nuclear

Imagine buscar um inimigo invisível em uma área de 2 mil quilômetros quadrados, equivalente a mais de 242 mil...
- Advertisement -
- Advertisement -