sábado, fevereiro 27, 2021

Saab Naval

Fragata Independência realiza exercício de tiro real no Líbano

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Fragata Independência (F44)

Navio Capitânia da FTM-UNIFIL realiza exercício de tiro com a presença do HoM & Force Commander da UNIFIL

Em 21 de maio, a Fragata “Independência”, Navio-Capitânia da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-UNIFIL) realizou exercício de tiro real com o canhão de 4,5 pol e os canhões de 40mm. O evento contou com a presença do Comandante da Missão, o Major-General Stefano Del Col (Head of Mission & Force Commander – HoM/FC), além do Comandante da FTM-UNIFIL, Contra-Almirante Sergio Renato Berna Salguerinho.

O exercício foi realizado durante a quinta patrulha do Navio Capitânia, em uma área específica para exercícios, próxima a Área Marítima de Operações, com o propósito de manter o nível de adestramento das equipes e manter a capacidade operativa dos sistemas e do armamento do navio.

Após o exercício, o Maj. Gen. Stefano Del Col visitou o Navio-Capitânia, percorrendo diversos compartimentos da Fragata “Independência”.

A FTM, único componente naval atualmente em operação em uma missão de manutenção de paz da Organização das Nações Unidas, tem como uma de suas tarefas assistir o Governo do Líbano na realização da Vigilância Marítima e nas atividades de Operação de Interdição Marítima, a fim de apoiar as Forças Armadas Libanesas no impedimento da entrada de armamento não autorizado no território do Líbano, por via marítima.

O Brasil assumiu o comando da Força-Tarefa há mais de nove anos, em fevereiro de 2011 e, a partir de novembro daquele mesmo ano, passou a enviar regularmente navios para atuarem como seu Capitânia.

Head of Mission & Force Commander observa o exercício do passadiço

FONTE: Marinha do Brasil

- Advertisement -

22 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
22 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO

Muito bom! Fico imaginando se essas embarcações vão com munições em seu total ou vão com munições pela metade… Seja mísseis antiaéreos, navios e munições de canhões e etc.

EricWolff

Nessa missão específica, não vão com a dotação de paz….

Rgf

Vão com tudo.

Karl Bonfim

São as nossas quarentonas “em plena forma”. A Marinha faz milagres, mas eu acho que deveríamos ter aproveitado para obtermos no mínimo umas três embarcações modernas de “emergência” para essas missões, liberarando as nossas queridas quarentonas para patrulhar e defender a nossa “Amazônia Azul”.

Junior

Creio que sim amigo è uma missao de paz mais para garantir a paz ela tem que esta devidamente preparada

Marcos10

Nessas missões do Líbano, quais navios temos enviado? A Independência sempre tem ido.

Dalton

As fragatas União, Liberal e Constituição estiveram inicialmente envolvidas no rodízio , mas, foi necessário adicionar uma quarta, a Independência e também a corveta Barroso.

.

Em 2015 o Navio de Patrulha Oceânico, Apa, foi enviado para entregar peças

para reparo da “União” e permaneceu algum tempo lá enquanto os reparos eram executados.

Rogério Loureiro

Quando estive no Líbano eu a vi ancorada lá.

eremildo

Onde? Líbano? Hahaha pensei que fosse no litoral do NE onde os iranianos despejaram óleo há tempos…ou da venezuela onde os mesmos piratas estão operando neste momento.

Luiz Galvão

Vou reescrever o que sempre disse a respeito da UNIFIL : Deslocamos um dos pouquíssimos ativos operacionais que temos na MB para tentar resolver um problema que não é nosso, em troca de um teórico status de líder de componente naval, que na prática não significa nada.

Last edited 9 meses atrás by Luiz Galvão
Rgf

Significa capacidade de manter operações em lugares distantes. Oh, PAISANO. Característica que toda Marinha deve ter.

Luiz Galvão

Se a questao é o ganho ao manter operações em lugares distantes, coloca uma baseada em Belém e a outra em Porto Alegre, que além de manter essa capacidade defende os nossos interesses.

Overandout

A título de curiosidade, que utilidade teria uma FRAGATA em PORTO ALEGRE? Monitorar as lanchas no guaíba?

Luiz Galvão

Em Porto Alegre com você disse, nenhuma. Uma fragata BASEADA em Porto Alegre, como eu disse, muitas.

Abs.

Pablo

Porto Alegre fica longe da costa, teria que contornar toda a laguna dos Patos (não sei a profundidade é aceitável para uma embarcação desse porte) até chegar ao mar. Mais apropriado seria em Rio Grande ou SC mesmo.

Luiz Galvão

Oi Pablo,

Sim. É verdade!

Abs.

Overandout

Exato…

Top Gun Sea

É isso aí! Os exercícios também são para gastar as munições com data de pré vencimento.

Eduardo

E não enferrujar o cano, visto que não devem disparar praticamente nunca para não gastar munição.

José Luiz

PARABÉNS MB – Creio ser esta missão na Força Interina das Nações Unidas no Líbano, uma das mais importantes na atualidade. Vejam só quanta inteligência de sinais eletromagnéticos estão sendo captados para as nossas bibliotecas, tanto pelo MAGE como pelos múltiplos contatos de radar. Além do mais saber que os 4.5 pol. ainda estão atirando em plena forma é muito bom.

Souto.

Amigos alguma informçao sobre a volta da fragata defensora?

Nilson

A notícia anterior foi que esse período da Independência no Líbano será o encerramento de nossa participação na UNIFIL. Alguém tem alguma novidade a respeito?

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

O afundamento da fragata INS Khukri pelo submarino PNS Hangor na Guerra Indo-Paquistanesa de 1971

Conheça a história do primeiro afundamento de navio de guerra por um submarino após a Segunda Guerra Mundial A fragata...
- Advertisement -
- Advertisement -