Home Indústria de Defesa Navio da US Navy abate drone com laser de alta potência

Navio da US Navy abate drone com laser de alta potência

6885
70

O teste bem-sucedido do navio de guerra anfíbio USS Portland é um grande passo rumo às ambições de armas de energia dirigidas da Marinha dos EUA

O USS Portland, LPD da classe Santo Antonio, abateu com sucesso um pequeno drone usando sua nova arma de energia dirigida a laser. O navio foi descoberto pela primeira vez com o sistema instalado ao deixar seu porto em San Diego, Califórnia, em dezembro de 2019, e o site americano The War Zone foi o primeiro a relatar.

A frota do Pacífico da Marinha dos EUA anunciou o teste da arma a laser do Portland, formalmente conhecida como Laser Weapon System Demonstrator (LWSD) Mk 2 Mod 0, em 22 de maio de 2020.

O teste ocorreu em 16 de maio em um local não especificado no Oceano Pacífico. A Marinha descreveu o evento como “a primeira implementação em nível de sistema de um laser de estado sólido de classe de alta energia”, mas não disse se era a primeira vez que o navio disparava a arma.

“O Demonstrador do Sistema de Armas a Laser de Estado Sólido é uma capacidade única que o Portland obtém para testar e operar para a Marinha, enquanto abre caminho para futuros sistemas de armas”, disse o capitão Karrey Sanders, comandante do Portland, em comunicado. “Ao realizar testes avançados no mar contra UAVs (veículos aéreos não tripulados) e pequenas embarcações, obteremos informações valiosas sobre as capacidades do Demonstrador do Sistema de Armas a Laser em Estado Sólido contra ameaças em potencial”.

A Northrop Grumman desenvolveu o LWSD Mk 2 Mod 0 para a Marinha como parte do programa Solid-State Laser Technology Maturation (SSL-TM) e o entregou a San Diego para instalação no Portland no final de 2019. O serviço havia anunciado que o navio da classe San Antonio seria o primeiro a transportar esta arma a laser em 2018 e planejava realizar os primeiros testes no mar até o final de setembro de 2019.

A Marinha espera que o LWSD Mk 2 Mod 0 da classe de 150 quilowatts forneça principalmente aos navios uma linha de defesa adicional contra aeronaves não tripuladas e enxames de pequenos barcos. O laser também pode atuar como um ofuscador, cegando sensores ópticos e buscadores. O sistema completo pode usar suas próprias câmeras de vídeo integradas, que são usadas para rastrear alvos e apontar a arma, para conduzir a vigilância também.

O programa SSL-TM é apenas um dos quatro programas ativos em que o serviço está trabalhando como parte da Família de Sistemas a Lase da Marinha, que, esperançosamente, servirá como trampolim para armas laser mais poderosas e capazes no futuro.

O destróier USS Dewey, da classe Arleigh Burke, agora também está equipado com o que parece ser uma versão inicial do sistema Optical Dazzling Interdictor, Navy (ODIN), outro desenvolvimento de energia naval direcionada.

Vale a pena notar que esta não é a primeira vez que a Marinha instala um sistema operacional de armas a laser em um navio. O interim sea base USS Ponce transportou o sistema de armas a laser AN/SEQ-3 (LaWS) enquanto estava desdobrado no Oriente Médio entre 2014 e 2017.

A Northrop Grumman desenvolveu o LaWS, bem como o Demonstrador Marítimo a Laser (MLD), o que ajudou a informar o desenvolvimento do LWSD Mk 2 Mod 0. Sendo da classe de 150 quilowatts, a nova arma a laser é significativamente mais poderosa do que o MLD da classe de 15 quilowatts e o AN/SEQ-3 da classe de 30 quilowatts.

“Com essa nova capacidade avançada, estamos redefinindo a guerra no mar para a Marinha”, disse o capitão de Portland, Sanders. Este teste bem-sucedido é certamente um passo emocionante para as ambições de energia direcionadas da US Navy.

FONTE: The War Zone/USNI News

Subscribe
Notify of
guest
70 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Essa vai ser a defesa de ponto do futuro!

MMerlin
MMerlin
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Sem dúvida, principalmente quando conseguirem trabalhar a nível multifocal com laser de alta potência.
Múltiplos alvos abatidos simultâneamente e instantâneamente. Difícil vai ser a consciência e reflexo humano reagir a isso.

Charles Dickens
Charles Dickens
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Enquanto isso, ao sul do Equador … Conto o milagre, mas digo quem foi o santo. Nem quando. Só digo que foi numa fragata da classe Niterói. Exercício, toque de postos de combate. Ameaça aérea. Liberado balão como alvo. Ordem era usar somente os canhões de 40 mm. Com o vento, em alto mar, o balão ia para um lado, para um outro, às vezes dava aquela paradinha que todos conhecem, etc. Deve estar voando por aí até hoje. Nenhum dos canhões de 40 acertava um mísero tiro, parecia que o balão estava rindo. O comandante, p_to da vida, virou… Read more »

Charles Dickens
Charles Dickens
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Enquanto isso, ao sul do Equador … Conto o milagre, mas não digo quem foi o santo, nem onde, nem quando. Exercício. Toque de postos de combate, ameaça aérea. Solta-se o balão que serve de alvo. Devem ser usados somente os canhões de 40. O balão vai para um lado, vai para o outro, às vezes dá aquela parada no ar. Coisas normais em ventos em alto mar. O balão deve estra voando por aí até hoje. Nenhum dos canhões conseguiu acertar um único mísero tiro. O balão até parecia que ria. O comandante, muito p_to da vida, vira para… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Vai ser estranho uma guerra em que todos tem armas como essas. Não vai adiantar ter caça furtivo, drone ou misseis e bombas de precisão já que tudo o que um lançar o outro vai defender. O futuro e dos laser e munição magnética hipersônica que aguenta calor, e não tem sensor ótico.

João Augusto
João Augusto
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 mês atrás

Não adianta furtividade como, jovem, se pro laser acertar o alvo ele tem que identificá-lo de algum modo?

nonato
nonato
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 mês atrás

Aí dispensa míssil, avião e vai no braço…

Allan Lemos
Allan Lemos
1 mês atrás

Acho que as armas a laser e os mísseis hipersónicos farão a distância de poder entre as marinhas das grandes potências e as demais aumentar consideravelmente.

Italo Souza
Italo Souza
1 mês atrás

Já vejo no futuro escudos de energia para refletir a luz

Salim
Salim
Reply to  Italo Souza
1 mês atrás

Caro Italo, um refletor , alem de ser um alvo amplificado para radar aumentando em muito chance acerto míssil e detecção em maior distancia do meio, deveria cobrir totalmente o alvo pois o feixe de luz incide pontualmente ou pequena região no alvo.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
1 mês atrás

Impressionante!. Na minha época de criança isso só existia em revista de quadrinhos.

Roger
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

Acho que estamos ficando velhos…
Acho que a geração de hoje nem sabe o que é revista em quadrinhos

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Roger
1 mês atrás

Roger,

É verdade….kkkk

Aexandre Cardoso
Aexandre Cardoso
Reply to  Roger
1 mês atrás

Absoluta verdade

Tomcat4,2
Reply to  Roger
1 mês atrás

Agora o negócio é mangá, animê e etc.😁
A idade bate em nossas portas.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Coragem, pessoal. Como disse um velho amigo: ‘old, not obsolete’.
😉

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Oh rapaz, isso ja aparecia no Starblazer (Yamato)

Régis Athayde
Régis Athayde
1 mês atrás

Finalmente, após tantas especulações até o começo deste século sobre o uso deste tipo de arma, saiu um resultado prático. Li em outro lugar que a USAF também está fazendo testes, usando aviões C-130J e com bons resultados também.

Vinícius Momesso
Vinícius Momesso
1 mês atrás

Por quanto tempo o alvo precisa ser iluminado pelo laser para que danos sejam causados?

Aexandre Cardoso
Aexandre Cardoso
Reply to  Vinícius Momesso
1 mês atrás

Independentemente do tempo necessário atualmente para iluminar o alvo, esse tempo diminuirá, na medida em que o laser fique mais potente.

Brunow
Reply to  Aexandre Cardoso
1 mês atrás

Nesse aí foi quase 10 segundos, um drone provavelmente de baixa velocidade entre 150-200km/h , para abater um míssil que voa a uns 2000m/s, com superfície resistente ao calor, ainda vai demorar um tempo.
Comprimento de feixe, potência, problemas relacionado ao clima etc, ainda é um ponto negativo para o laser. Mas assim como outras tecnologias evoluíram, o laser também evoluirá..

willhorv
willhorv
Reply to  Brunow
1 mês atrás

Também há a questão que, quanto mais rápido o alvo é, mais quente já é a sua superfície, devido ao atrito com a atmosfera. Nestes casos, um laser potente, fornecerá as centenas de graus de temperatura a mais para romper sua estrutura ou danificar algo internamente. É uma questão de precisão e potência fornecida por décimos de segundo de exposição.

rommelqe
Reply to  Vinícius Momesso
1 mês atrás

Caro Vinicius: apenas para ter uma ordem de grandeza, em uma soldagem a laser (hoje trivial e em uso comercial), voce tem densidade de potência em valores aproximadamente de 110 W/mm2 e a temperatura na superfície do aço a ser soldado atinge 10000 K. Pelo que foi dito, esse canhão possui uma potência de 150 KW, o qual se for direcionado com um feixe de , digamos, 100mm2 de área (ou seja 1500 W/mm2), pode perfurar uma blindagem de aço em milésimos de segundo. Mas tem que acertar, certo? Se considerarmos os scanners/teodolitos a laser – também de uso extremamente… Read more »

leonidas
leonidas
1 mês atrás

Com misseis hipersônicos todo sistema de defesa de ponto convencional esta por assim dizer obsoleto.
Somente armas laser poderão dar uma chance mínima de sobrevivência.
E tão “lindo” testemunhar o aumento exponencial do hiato tecnológico entre nossas supostas forças “armadas” e suas similares das nações centrais.
Chegará um ponto (não muito longe) que a diferença tecnológica será proporcionalmente a mesma entre os Espanhóis e os nativos das Américas, e claro com as mesmas lindas consequências para quem esteja do lado errado do cano da arma…rs

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  leonidas
1 mês atrás

Essas armas destroem exércitos mas nunca destruíram um povo que não quer se render (revisitar a Guerra do Vietnan).

Paulo
Paulo
Reply to  Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

Se fosse necessário destruir o povo vietnamita, os ianques teriam feito.

Revisitar a ‘guerra do Vietnam’ sem contextualiza-la é um equívoco de análise.

leonidas
leonidas
Reply to  Paulo
1 mês atrás

Obrigada por me desobrigar de responder sobre algo absurdo colega… 😉

Luis
Luis
Reply to  Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

vietnam de novo, o cara não sabe o básico da guerra o vietnam e vem falar em “povo que não quer ser render” aparece um exército interminável de zumbis proferidores de senso comum fantasioso, não tem uma postagem q não apareçam alguns pra falar o q todos já ouviram alguma vez e q acreditam ser obviedades. não podem ver uma vergonha q já querem passar.

Dalton
Dalton
1 mês atrás

O USS Dewey um “Arleigh Burke IIA” foi equipado com uma arma laser, conhecida como “ODIN” na parte dianteira da superestrutura onde em alguns, encontra-se o “Phalanx” dianteiro e em breve partirá para missão no Pacífico.
.
Aparentemente é uma arma de menor capacidade que essa instalada para testes no USS Portland, mas, igualmente visa abater principalmente aeronaves não tripuladas.
.
Por onde andas Bosco ! 🙂

Washington Menezes
Reply to  Dalton
1 mês atrás

O Bosco tá resolvendo os problemas do F35.

Esteves
Esteves
Reply to  Washington Menezes
1 mês atrás

Sério?

O Bosco tá consertando o F35?

Washington Menezes
Reply to  Esteves
1 mês atrás

É só uma brincadeira Esteves, não fica bravo não

Esteves
Esteves
Reply to  Washington Menezes
1 mês atrás

Mas…ele não tinha que ter consertado o F22?

Como assim…já mudou pro F35?

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Mestre, o Boscão é da área da saúde, deve estar trabalhando muito. Oro para que ele e todos os profissionais da área estejam bem durante esta pandemia.

Esteves
Esteves
Reply to  Roberto Bozzo
1 mês atrás

Valentes. Gente valorosa.

Vamos fazer uma vaquinha pra trazer o Bosco de volta. Junta uns 40 mil e tira o Bosco de lá.

Santo Bosco.

paulop
paulop
1 mês atrás

O laser é a pólvora do futuro. Não logo, mas a longo prazo as armas laser farão parte dos conflitos armados. É a ficção científica saindo do nível apenas de ficção.
Abraço

filipe
filipe
Reply to  paulop
1 mês atrás

Mas é irrelevante face a um nuke ( armas nucleares) … Basta uma nuke e tudo acaba, tudo volta a idade da pedra… As nukes são armas que tornam todas as outras irrelevantes…laser é apenas mais uma tecnologia como outras, mas a superioridade pertence as nukes…

Bruno Vinícius Campestrini
Reply to  filipe
1 mês atrás

Filipe, para que uma arma nuclear seja capaz de causar danos no inimigo, ela precisa, primeiro, chegar a seu alvo. Me parece que com o avanço dos lasers e da tecnologia espacial, é possível que em um futuro não tão distante, essa primeira parte, chegar ao alvo, estará prejudicada.

filipe
filipe
Reply to  Bruno Vinícius Campestrini
1 mês atrás

Até agora somente Duas nukes foram experimentadas em um Guerra, o efeito devastador de uma nuke é imprevisível , a Coreia do Norte mostrou que basta uma única nuke para atormentar o adversário, uma nuke impõe mesa de negociações.

737-800RJ
737-800RJ
1 mês atrás

As batalhas aéreas e navais serão, quem diria?, como nos joguinhos antigos, com vários lasers e drones defendendo aeronaves e navios.

Esteves
Esteves
1 mês atrás

No news.

Usavam nos anos 1960. Na verdade usavam desde os anos 1935 com o Flash Gordon.

Haiata!

https://youtu.be/QL1p1iGZYb8

João Bosco
João Bosco
1 mês atrás

Para inicio, foi promissor. Mas deve ser melhorado.

Augusto
Augusto
1 mês atrás

Mas não segura torpedos!

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Augusto
1 mês atrás

Você chamou a atenção para essa arma espetacular. Muito pouco se fala dos Subs Americanos, essa é uma parte da Navy que fará a maior carnificina nos possiveis alvos de superficie.

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
1 mês atrás

Isso só foi possível graças a Nave que caiu Roswell, e depois de décadas conseguiram ter êxito na tecnologia reversa. Essa é a verdade minha gente!

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Yuri Dogkove
1 mês atrás

Dizem inclusive que a cloroquina veio de lá!

Tupinamba
Tupinamba
1 mês atrás

Fico imaginando quanto tempo de “contato” com o laser é necessário para que o míssil/avião tenha danos capazes de destruí-lo. Nenhuma arma é definitiva, sempre haverá invenções para mitigar seus efeitos.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

Enquanto uns pensão em construir dezenas ou centenas de navios outros pensam nos combates futuros.

Esses vetustos americanos…

Diogo de Araujo
1 mês atrás

É impressionante a velocidade com que as coisas progridem nos EUA, a trilogia põe projeto em cima de projeto em cima de projeto dos caras e pasmem, praticamente tudo vira realidade. Os caras são implacáveis, não param de progredir nem um minuto, é impressionante, sem mais. OBS: cada vez mais o “gap” de tecnologia entre eles e nós, por exemplo, aumenta e na atual situação já não vejo mais como um dia poderemos alcançá-los.

Dr. Mundico
Dr. Mundico
Reply to  Diogo de Araujo
1 mês atrás

A resposta é bem simples: toda essa tecnologia está sendo desenvolvida por empresas privadas (com participação e orientação do governo, claro) com o único objetivo de vendê-la e adaptá-la a outras áreas que não a militar.
Aliás, o laser já é utilizado em medicina, siderurgia, metalurgia e outros processos que demandem grandes volumes e altas capacidades de processamento.
Enfim, o objetivo final dessa tecnologia é gerar lucro para quem a fabrica e processa.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
1 mês atrás

A MB já tem pesquisa nesse campo?

Paulo
Paulo
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

Sim.

Com o uso de ‘laser points’ em apresentações.

Hehehehe.

Salim
Salim
Reply to  Paulo
1 mês atrás

VC foi cruel nessa, pior laser comprado banca camelô kkkkkkkkk

MÁRIO FILHO
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

Já houve testes em campos de futebol na cara do goleiro , parece que funcionou .

Dr. Mundico
Dr. Mundico
1 mês atrás

É apenas um protótipo, mas creio que deva ser utilizado apenas como defesa em conflitos de baixa intensidade. Usar isso como arma de ataque vai exigir quantidades impressionantes de energia ou artefatos para produzir e/ou acumular.
Enfim, gerar e acumular energia vai ser o grande diferencial daqui em diante.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Dr. Mundico
1 mês atrás

Em um navio de propulsão nuclear, energia não é um grande problema, é apenas um problema técnico a ser (e será) resolvido.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Dr. Mundico
1 mês atrás

O dito inútil Zumwalt manda um beijo para todos!

Marcelo R
Marcelo R
1 mês atrás

Bem vindos ao seculo 21, logo devem surgir os torpedos fotonicos…navios totalmente automatizados e sem tripulações e depois naves espaciais armadas. Mas a Nave Estelar Enterprise NCC 1701 e para o seculo 23 mesmo…

Irishman
Irishman
1 mês atrás

Sou leigo e entusiasta. Tenho uma curiosidade: O que aconteceria se o míssil ou o avião (alvo) tiver uma camada “espelhada” para desviar o feixe de laser?

Andre
Andre
1 mês atrás

E tem gente achando que revolucionário é ter banheiro dentro do mbt…

Tiago Gimenes
1 mês atrás

Sensacional, a marinha americana estará bem servida sem dúvida. Além da China que tb o faz, a Rússia ou algum país Europeu também desenvolve armas do tipo?

Salim
Salim
1 mês atrás

Senhores, penso que um feixe laser que náo acertou alvo continua letal por um bom caminho, acredito que fogo amigo ou mortes desnecessárias de civis serão um desafio a ser contornadas, exemplo em desembarque tropas um vant em baixa altitude fica entre navio e barcos desembarque ,dogfight aereo ou guerra assimetrica . A potencia requerida para pulsos curtos laser concentrados para destruir alvos ainda náo esta operacional e o alvo precisa ser focado por vários segundos para abate. Penso que ainda teremos um grande desafio tecnológico para viabilizar esta arma.

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Salim
1 mês atrás

Com a dianteira que a Rússia está em relação ao Ocidente no quesito mísseis, essa arma seria crucial para resgatar a auto-estima.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Salim
1 mês atrás

Caro Salim, concordo que esses aspectos são muito importantes. Há anos já havia sido publicado estudo na revista “Scientific American” alertando para essa possibilidade de efeitos secundários e “ fogo amigo” (“ luz amiga”….). E isso também se aplica a armas baseadas em micro-ondas (pouca gente aqui fala sobre isso). Quanto ao tempo de exposição requerido acredito que com a potência de 150 kW (ou mais) já estão próximos do necessário para colocar em operação efetiva. O efeito do laser pulsado em si não seria (é) um fator tecnológico limitante (já fazemos o chaveamento com pontes inversoras em potências muito… Read more »

Rudi
Rudi
1 mês atrás

Entrando no campo das possibilidades, esta arma bem que poderia atingir um “tic-tac”, pois, teoricamente, não existe nada mais veloz que a luz.

Mabeco
Mabeco
1 mês atrás

Por curiosidade, uma superfície refletiva no alvo afetaria a eficiência do laser?

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Quando iremos receber via FMS?!

Miguel
Miguel
1 mês atrás

Parece algo mais fake que o guerra das estrelas dos anos 80.

Alessandro
Alessandro
1 mês atrás

Eu falei tempos atrás que os EUA seriam os primeiros a entrar nessa nova era, mas alguns russófilos na época tiraram sarro, que isso só aconteceria depois de 2050, está ae ó a REALIDADE novamente batendo na cara desse pessoal.

Rússia e China pra variar sempre correndo atrás dos americanos!

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Alessandro
1 mês atrás

Enquanto os EUA está realizando esses testes, a Rússia já mantém uma arma a laser operacional, ou seja, já passou da fase dos testes, só que com outra função. Dá uma lida sobre o que os russos pensam sobre essa arma americana.

https://br.sputniknews.com/defesa/2020052515620541-capacidades-extremamente-limitadas-analista-avalia-eficacia-de-nova-arma-a-laser-dos-eua/

“Ah, isso é sputinice!” – vai gritar você. kkkkk