Home Aviação Naval Marinha Italiana conclui atualização do porta-aviões Cavour para operar o F-35B

Marinha Italiana conclui atualização do porta-aviões Cavour para operar o F-35B

5373
76
O porta-aviões Cavour (clique na imagem para ampliar)

A Marinha Italiana comemorou um marco importante na vida de seu híbrido LHD/porta-aviões, o Cavour, após uma revisão e modernização complexas de 16 meses que permitirão que o navio embarque o caça F-35B de quinta geração

A complexa revisão e modernização do Cavour, atualmente o único porta-aviões da Itália, permitirá operar com eficiência a variante de decolagem curta e pouso vertical (STOVL) do caça F-35 de quinta geração, posicionando a Marinha Italiana no ápice da pirâmide estratégica do Mediterrâneo.

Essa modernização permitirá que a Marinha Italiana se integre perfeitamente aos Estados Unidos e à Marinha Real Britânica, respectivamente, e a seus destacamentos no Mediterrâneo, enquanto continuam a realizar operações de segurança marítima na região, contrariando a presença crescente da Rússia no Mediterrâneo oriental.

O Cavour, porta-aviões projetado e construído pela Fincantieri, e o recém-lançado Trieste, são projetados para cumprir uma função híbrida de LHD/porta-aviões, permitindo que a Marinha Italiana realize operações independentes de controle marítimo e de projeção de força anfíbia sem o apoio direto dos EUA ou do Reino Unido.

O Cavour tem um deslocamento máximo de 30.000 toneladas, velocidade máxima de 29+ nós com um alcance de 7.000 milhas náuticas (12.964 quilômetros) a uma velocidade de 16 nós. O Cavour foi projetado para acomodar uma frota combinada de 12 helicópteros de apoio e 10 caças AV-8B Harrier II ou Lockheed Martin F-35B no hangar, com mais seis estacionados no convoo.

Além disso, Cavour combina a capacidade do porta-aviões com a capacidade de servir como um LHD tradicional com acomodações para uma capacidade máxima para 450 fuzileiros navais.

F-35B da Marinha Italiana
AV-8B no elevador de aeronaves do Cavour
AV-8B no elevador de aeronaves do Cavour
Ilha do Cavour
Popa do Cavour
Cavour liderando força-tarefa
Subscribe
Notify of
guest
76 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Curiango
Curiango
1 mês atrás

Belo navio! Multifuncional. O problema é a só poder operar o F-35B

Luiz Floriano Alves
Reply to  Curiango
1 mês atrás

Será que vão sugerir que façamos o mesmo no Atlântico? Se não fizeram faço eu. Mesmo um numero reduzido destes vetores tornará o nosso capitanea num vaso de guerra de respeito. Oito exemplares formariam duas esquadrilhas clássicas. Sendo F-35 vale mais do que uns 20 Harriers, ou 30 A-4.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Floriano,

Não dá para fazer essa adaptação no Atlântico.

Relembrando : O Atlântico, ex HMS Ocean, é um porta-helicóptero feito a partir de um casco de navio comercial, ou seja, o casco não foi projetado para os rigores de operações com avioes. O convoo teria que ser todo refeito, para suportar o peso e o valor do sistema de aterrissagem vertical do F35B. Há também o problema da armazenagem de combustível de aviação, que hoje seria insuficiente. Por aí vai…..

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

Sem falar que isso deixaria a MB praticamente desequipada já que não temos nem ao menos um único submarino plenamente operacional no momento.Então além das enormes dificuldades técnicas,uma reforma dessas ainda seria temerária do ponto de vista estratégico.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Também temerária no ponto de vista financeiro Allan.

Lu Feliphe
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

Concordo com seu comentário, além dos custos para operar um f 35, onde não só entra a questão do preço unitário, como as manutenções, compra de armamentos, hora de vôo e outras coisas muito importantes.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Lu Feliphe
1 mês atrás

Exatamente!

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

Por falar em PHM Atlântico, alguém te noticia se já estar, tá sendo ou vai ser instalado um novo sistema de ponto e qual é o tipo, no lugar dos Phalanx CIWS que foram retirados?

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

Karl,

Não vi nada publicado sobre isso. Também gostaria de saber.

Aliás, não temos notícias da Defensora e nem como ficou a venda dos IKLs para o Peru há tempos também.

Esteves
Esteves
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

Tá tudo isolado.

Maldito vírus.

Lu Feliphe
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Ele foi feito para ser um portas Helicópteros e desempenhar essa missão, não servir como um desses navios, a estrutura teria que ser refeita, além dos custos para ter uma aeronave como o f 35 operando em um navio que não foi feito para fazer isso.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

“Floriano”, Aí a emenda vai sair pior que o soneto, seria melhor o Brasil tentar adquirir uma embarcação dessas com alguns AV-8B. Mas teria que ser uma daquelas compras de oportunidade imperdível, como foi com PHM Atlântico, muito difícil de acontecer neste momento!

Matheus Mascarenhas
Matheus Mascarenhas
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Não faz sentido a MB querer F35. Já não temos submarinos, fragatas nem ao menos covertas. Um caça desses além de todo o custo da compra ainda vem com o custo de peças, armas, manutenção e o custo com horas de voo. Mal tem helicópteros pra equipar o Atlantico. Uma unica unidade de F35 já quebraria as pernas dos outros projetos da MB como os submarios Riachuelo ou as Corvetas Tamandaré

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Curiango
1 mês atrás

Problema nenhum. O JSF bravo é solução. Pra mim, o problema é a ski jump (ramp), desnecessária.

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Alex Barreto Cypriano
1 mês atrás

Problema nenhum o que? Operar F-35 no Atlântico?
Esqueça! Nem o Harrier pera operadono Ocean.elw não nasceu pra isso.

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Marcos Cooper
1 mês atrás

“Nem o Harrier podia oprerar”
Maledeto corretor!

Eduardo
Eduardo
Reply to  Marcos Cooper
1 mês atrás

Bem dito. Pode se fazer todas as alterações necessárias no convoo do atlantico para receber um harrier ou um f35b. Ainda há o problema do vento. O atlantico não tem motorização capaz de gerar vento suficiente para lançar os aviões.

737-800RJ
737-800RJ
1 mês atrás

Um dia, a MB conseguindo se reequipar, caso ainda tenha em mente a aquisição de um porta-aviões, algo desse porte seria perfeito para ela. Mas até lá, falta muito e pensar nisso hoje é sonho megalomaníaco. Precisamos de patrulhas costeiros (nunca mais ouvi nada sobre o Npa500BR) e oceânicos; mais escoltas, submarinos, caça-minas, navios patrulhas fluviais e lanchas de ação rápida… Enfim, o básico.

Lu Feliphe
Reply to  737-800RJ
1 mês atrás

A aquisição de um portas aviões provavelmente só vai acontecer daqui uns 10 a 20 anos dependendo do orçamento e nossos principais meios.
A Marinha Brasileira tem muitos problemas que precisam ser resolvidos.
Mas gostaria de saber se realmente a Marinha Brasileira vai adquirir aqueles navios caça minas da Suécia, pois os que temos atualmente já são velhos e sua vida útil vai acabar por volta de 2022.

Last edited 1 mês atrás by Lu Feliphe
Allan Lemos
Allan Lemos
1 mês atrás

Dois navios desses cairiam como uma luva para a MB que não tem dinheiro para se dar ao luxo de operar múltiplos LHDs e porta-aviões ao mesmo tempo.Duvido que a operação e o preço unitário deles sejam muito caros,o problema seria apenas a ala aérea.

Paulo B.
Paulo B.
1 mês atrás

Dois navios desses nós deixariam no topo.

Mas como os colegas já falaram, isso é sonho. Com os líderes que temos, com a recessão que já estamos enfrentando. Esse projeto é para daqui 20 anos.

Viveremos por anos uma recessão enorme.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Paulo B.
1 mês atrás

Seria um sonho ver a Marinha do Brasil com duas esquadras. Ambas com porta-helicópteros (inclusive de ataque), porta-aviões e belas escoltas. Quem sabe um dia…

Sem título.png
Dalton
Dalton
1 mês atrás

Eventualmente se vê a sigla “LHD” para o “Cavour”, mas, isso é errado porque a letra “D” exige doca para embarcações de desembarque e o que ele tem são rampas de acesso para veículos da garagem para o atracadouro e vice-versa.

.

A sigla “LHA” é mais flexível, mas, mesmo assim a capacidade anfíbia do “Cavour” é secundária enquanto um “LHA” a tem como primária e a alta velocidade e forma do casco do “cavour” também o diferenciam de navios de assalto anfíbios tradicionais.

Thiago
Thiago
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Mestre Dalton, poderia nos iluminar sobre as diferenças mais relevantes entre o Cavour e o Trieste, este ultimo já poderia ser classificado como LHD ?

dalton
dalton
Reply to  Thiago
1 mês atrás

Sim Thiago, o “Trieste” será um genuíno “LHD” que terá como função primária a “anfíbia” com helicópteros de transporte e embarcações de desembarque para tropas e veículos.

.

Ainda não se sabe se um destacamento de F-35Bs irá operar de forma rotineira como acontece com os “LHDs/LHAs” da US Navy dividindo espaço com outras aeronaves como helicópteros, mas, certamente

ele poderá embarcar um esquadrão se necessário ou quando o “Cavour” estiver em manutenção.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

O fato dele só usar o F-35B deve ser devido ao tamanho da pista de decolagem! E se for acho que só um novo navio!

Last edited 1 mês atrás by Fabio Araujo
Dalton
Dalton
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Não há catapultas o que é parcialmente compensado pela rampa na parte dianteira do convés de voo, mas, ele também não tem maquinário e cabos

de retenção para aviões e isso também limita o tipo de aviões que podem operar, portanto, o F-35B é a única solução já que pousa verticalmente ou

como se quer tornar rotina a bordo dos muito maiores NAes da Royal Navy,

o pouso com uma pequena corrida de algumas dezenas de metros.

Salim
Salim
Reply to  Dalton
1 mês atrás

O V22 osprey seria opção para ligação, transporte e alerta aéreo, embora f35 pode trabalhar com alerta aéreo mas náo como controle aéreo avançado.

dalton
dalton
Reply to  Salim
1 mês atrás

Sim , o “V-22″ que irá substituir os” C-2s” a bordo dos NAes da US Navy na função de transporte é uma opção também para os

NAes da Royal Navy ainda mais se for desenvolvida uma variante

para alarme aéreo antecipado.

Jagderband#44
Jagderband#44
1 mês atrás

Ponta de lança da Otan no Mediterrâneo. Marine e USN são as pedras nos sapatos da Rússia na região.

737-800RJ
737-800RJ
Reply to  Jagderband#44
1 mês atrás

Mas é uma “ponta de lança” com um belo poder de fogo: 10 helicópteros mais 16 F-35 B são mais do que suficientes pra impor respeito e, caso necessário, cumprir missões iniciais em uma grande conflito.

Fernando OP
Fernando OP
1 mês atrás

Que bela embarcação o Cavour! Com a adição do Trieste a Marinha Italiana cresce significativamente. Alguém sabe dizer se e quanfo o Giuseppe Garibaldi será desativado??

Dalton
Dalton
Reply to  Fernando OP
1 mês atrás

Alguns anos atrás foi publicado que o “Garibaldi” será descomissionado em 2022 quando planeja-se o “Trieste” será incorporado e não sei de nenhuma mudança de planos quanto a isso.

Plinio Jr
Plinio Jr
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Com a conclusão desta reforma recente, creio que deve ficar mais tempo em serviço….pelo menos até o final desta década…

dalton
dalton
Reply to  Plinio Jr
1 mês atrás

Plinio, acho que você confundiu os navios…o “Garibaldi” que tem servido como navio anfíbio/porta helicópteros é que será retirado

em 2022 e substituído pelo “Trieste”.

Marcos10
Marcos10
1 mês atrás

Italianos fazendo a lição de casa.

Parabéns!!!!

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Marcos10
1 mês atrás

Cá por mim, tenho nas marinhas italiana e australiana dois exemplos de sucesso no planejamento e uso de recursos.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Adriano RA
1 mês atrás

Sim. E devemos levar em consideração que estes países, junto, não devem possuir nem 30% das riquezas naturais do Brasil.
Mas lá o nível educacional é outro.
A classe política na Austrália também coopera muito com a prosperidade do país, já a italiana rouba um pouco menos que a nossa.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

A questão não é riqueza natural, mas sim potenciais inimigos. Os Italianos estão em uma zona bem complicada, já a nossa vizinhança não consegue ir ao banheiro e se limpar com dignidade.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

Então é isso aí. Já que não precisamos nos preocupar com potenciais inimigos, vamos gastar todo o orçamento com salários, pensões e as demais comodidades que o alto escalão está acostumado. Que pensamento… Apenas uma informação atualizada, nossa parceira comercial China, está fechando “parcerias” com diversos veículos brasileiros de mídia. Está construindo portos e ampliando os já existentes em toda a costa da África. Há esta realidade pode estar distante, mas e se, veja bem, e se um dia a China decide tomar alguma atitude ofensiva em relação ao nosso país, independente do motivo, quanto tempo acha que teríamos para… Read more »

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
Marcos10
Marcos10
1 mês atrás

Seria totalmente factível a construção e operação de até três navios com esse pela Marinha do Brasil, se …

Se… Se não tivéssemos um excesso de gente, que mais tarde comprometem o próprio orçamento com aposentadorias. 80 mil homens na MB, 15 mil na Austrália, 30 mil na Itália.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Marcos10
1 mês atrás

Olha, tenho uma opinião diferente em relação a questão de efetivo. Acredito que o efetivo deve ser mantido, até pelo tamanho do território brasileiro, das águas brasileiras, rios e etc. A solução seria arrumar a política; um ”reset” total com cortes de gastos, corruptos presos, repatriação total do dinheiro roubado do povo brasileiro… em suma. Diminuir o efetivo, para mim, ao meu ver, não é uma solução plausível. Por favor, não leia isso como se fosse um puxão de orelha. Apenas expus meu ponto de vista.

Last edited 1 mês atrás by Welington S.
MMerlin
MMerlin
Reply to  Welington S.
1 mês atrás

Nosso efetivo e pensões consomem nada menos que mais de 80% de todo orçamento das FA.
Chega a ser irracional devido ao tamanho da necessidade de investimento em tecnologia e pesquisa e desenvolvimento.

Salim
Salim
1 mês atrás

Marínha Italiana 30.000 efetivos, 184 barcos e 70 aeronaves. Belo exemplo.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Salim
1 mês atrás

Salim,

Para um país com a área e características hidrográficas que possuem está muito bom mesmo.

Agora, não dá para comparar com o Brasil, pelos mesmos critérios que citei.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

Conversa para boi dormir. A Austrália tem 15 mil homens e um litoral quatro vezes maior. Dai alguém vai aparecer para dizer que lá tá faltando gente. Ninguém aqui está dizendo que tem de ter 15 mil homens na MB, mas manter 80 mil, mesmo considerando os fuzileiros, é muita coisa.

Bardini
Bardini
Reply to  Marcos10
1 mês atrás

A MB é muito mais que uma simples Marinha, voltada a ir a Guerra.

.

Compare isso com a estrutura da MB:

https://www.navy.gov.au/organisation#

Bardini
Bardini
Reply to  Bardini
1 mês atrás
Rafael_PP
Rafael_PP
Reply to  Bardini
1 mês atrás

A MB também é partido político ou essa denominação você reserva apenas ao Exército?

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Marcos10
1 mês atrás

“Conversa para boi dormir. ”

Interessante.

Eu ia até te dizer que , caso vc nao saiba , além do litoral, a MB também é responsável por rios, e o Brasil possuo muitos rios.

Mas pelo nível da sua resposta, melhor eu terminar por aqui.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

Mais do mesmo. Um monte de gente e sem meios para operar.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Marcos10
1 mês atrás

Litoral este praticamente sem rotas importantes….
Litoral este com uma grande barreira para incursões navais….
Comparar Austrália e Brasil em Defesa por causa do tamanho é a mesma coisa que dizer q casar com a Anna Hickmann igual caad com Michael Jordan porque ambos são altos.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Agnelo
1 mês atrás

Agnelo Completando o que você disse,

Num país carente de recursos como o Brasil as FFAA desempenham um forte papel social.

Existem localidades em que só os navios hospitalares da MB chegam.

Existe também toda a fronteira oeste , alagada , que a MB também se faz presente .

Então, essa visão que a MB é voltada com todo o seu tao criticado contingente e meios apenas para Guerra é uma visao miope e ignorante do que ela de fato é.

Salim
Salim
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

Luís, se VC acredita que Brasil e Brasileiros estão bem protegidos e gastam inteligentemente o valor dispendido por nos ( USS 23 bi e Itália USS 26bi numero 2017, tem agencia que da valor praticamente igual ) infelizmente fica difícil argumentar. A faas italianas são muito superiores em equipamentos nas trés armas. Erro e faas fazer serviço que náo compete a elas e usar como justificativa pelo cabide empregos e gastos que náo atende a atividade para que existam. Ser patriota e querer melhor para Brasil e Brasileiros, temos que acordar e cobrar gasto competente das verbas em todos os… Read more »

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Salim
1 mês atrás

Oi Salim.

Não. Não estou satisfeito e nem acho que est amos bem protegidos.

Sou patriota mas também sou realista. Não adianta tapar o Sol com a peneira.

A discussão é sobre a comparação, esdrúxula a meu ver, entre países totalmente diferentes entre si.

Nossa MB tem problemas serissimos em sua gestão e planejamento, mas também ficar claro que a mesma tem extrapolar suas funções primárias para fazer aquilo que o Estado não faz.

Abs.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Salim
1 mês atrás

Mas a marinha Italiana é só parte da defesa Europeia, a marinha Italiana só têm que defender a Itália que é um dos flancos sul Europeus, enquanto a marinha Brasileira têm uma area muito maior para defender, e sozinha, pois a Itália é parte da NATO e da UE.

Henrique
Henrique
Reply to  rui mendes
9 dias atrás

E em que um um efetivo vai defender as águas? Eles vão nadar até os navios inimigos e abordar as belonaves? Defesa das águas territoriais é feita com MEIOS, SUBMARINOS, FRAGATAS, PATRULHAS. O que um efetivo de 80 mil vai defender? A MB é claramente um exemplo de marinha de terra, seu pessoal lida mais com burocracia e atividades secundárias ou mesmo terciárias do que com Missões operacionais e prioritárias. Quer uma solução? Vou sugerir uma: -Acaba com a marinha de água doce: a flotilha do Mato Grosso é toda obsoleta e inútil, as missões que ela cumpre são de… Read more »

Last edited 9 dias atrás by Henrique
Bardini
Bardini
Reply to  Salim
1 mês atrás

E a Guardia di Finanza????????

Luiz Galvão
Luiz Galvão
1 mês atrás

Se não me engano, o Cavour chegou a operar com a MB numa ação humanitária no Haiti. Os mais jovens, com memória melhor que a minha, podem comentar melhor.

dalton
dalton
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

O “Cavour” fez uma escala em Fortaleza onde foi embarcado dois helicópteros

e algumas dezenas de militares e civis e seguiu viagem para o Haiti.

rui mendes
rui mendes
1 mês atrás

Híbrido LHD/P.A.????

Mas ele não tem doca alagavél.

Ele é um P.A. ligeiro, com capacidade de carga e descarga rodada.

Luís Henrique
Luís Henrique
1 mês atrás

Eu acredito que as 2 maiores prioridade da MB deveria ser: 1) Navios Combatentes (escolta) 2) Navios Patrulha O 1o para dissuasão. Para mostrar Bandeira. Para defender o acesso à nossa costa marítima, caso necessário. Não precisa ser grande e possuir longo alcance no momento. Primeiro precisamos proteger nossa ZEE e proximidades da nossa costa. Mais para frente pensamos em projetar poder longe de casa. O 2o para proteção contra ilícitos. Pesca ilegal. Crimes transnacionais, tráfico de armas, drogas, etc. Um navio que une essas 2 missões e possui um excelente equilíbrio entre poder de fogo e custos é a… Read more »

Rogério Loureiro
Rogério Loureiro
1 mês atrás

Os ingleses HMS Queen Elizabeth e HMS Prince of Wales somados aos porta aviões francês Charles De Gaulle e aos italianos Cavour e Trieste dispensam qualquer ajuda norte americana para a defesa da Europa ocidental.

Pensem no poder se fogo destes cinco vasos operando juntos.

dalton
dalton
Reply to  Rogério Loureiro
1 mês atrás

Rogério, nunca se terá os 5 navios que você citou certificados para combate ao mesmo tempo, além do mais, os britânicos terão que contar com alguns F-35Bs dos fuzileiros navais americanos na primeira missão do “Queen” pois não há nem haverá nos próximos anos números suficientes para os 2 NAes. . O “Charles de Gaulle” é um bom NAe de tamanho médio, mas, por ser único, quando encontra-se em manutenção seus aviões não podem operar a partir dos demais NAes europeus e muitas vezes treinam em NAes da US Navy que estejam de passagem pelo Mediterrâneo ou voam até a… Read more »

rui mendes
rui mendes
Reply to  Rogério Loureiro
1 mês atrás

Falta ainda o Espanhol Juan Carlos I, e os 3 LHD Franceses. Já o Charles de Gaulle leva 30 Rafales, e os porta aviões Britânicos contaram com os F35 da RN e da RAF, o mesmo o Cavour Italiano, que contará com os F35 da Marina e com os da aeronáutica militares, têm o LHD Trieste Italiano, e ainda cerca de 10 LPDs bem como o Argus Britânico.

dalton
dalton
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

O Rogério quis enfatizar apenas os NAes e não os navios anfíbios, alguns dos quais com uma capacidade secundária de operar aeronaves V/STOL como o “Juan Carlos I” que embarca o AV-8B e o futuro “Trieste” que contará com o F-35B, enquanto os “LHDs” franceses não foram projetados para operar com eles. . O “Charles De Gaulle” até pode embarcar 30 Rafales M, de um total de 44 , dois ainda precisam ser entregues, mas, na penúltima missão embarcou 21 e na última 18, as justificativas sendo aeronaves em manutenção e sendo atualizadas, manter um terceiro esquadrão em terra treinando… Read more »

Rodrigo Bueno
Rodrigo Bueno
1 mês atrás

Olhando a popa do Cavour, acho que a MB devia instalar nas plataformas do Atlântico os canhões Bofors 40 mm que sobraram da fragata Niterói.

Salim
Salim
Reply to  Rodrigo Bueno
1 mês atrás

Caro Rodrigo. Atlântico barco suporte para desembarque , posto medico avançado e ajuda humanitária. Ele fica retaguarda força. O Atlântico precisa de helicópteros de ataque para cumprir sua missão como quando operado pelos ingleses. Quando visitei atlântico tinha na popa instalado armamento e metralhadoras. Ele precisa recompor sua defesa pois os phalans foram retirados e nada equivalente foi colocado em sua substituição.

Bardini
Bardini
Reply to  Salim
1 mês atrás

“O Atlântico precisa de helicópteros de ataque para cumprir sua missão como quando operado pelos ingleses”

.

A MARINHA já tem helicópteros de ataque, para as missões que vai desempenhar com o Atlântico:

.

comment image

.

Quem operava Apache no HMS Ocean, era o UK Army.

Elden
Elden
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Foi noticiado que exercícios conjuntos entre as forças seriam realizados, tipo os Sabres da FAB seriam opção para operar no Atlantico. Mas nunca mais vi nada a respeito. Alguém sabe?

Salim
Salim
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Caro Bardini, o Atlântico e basicamente barco apoio a desembarque de fuzileiros, o heli citado e para ataque navio superfície que pela capacidade do Atlântico pode também oferecer, porem o principal uso do atlântico carece de suporte aéreo armado em desembarque fuzileiros. Os britânicos tem filosofia diferente operação ficando a cargo exercito este tipo aeronave. Sendo Atlântico derivado de uma versão civil e características do mesmo náo seria recomendado coloca lo naa linha de frente, sendo tarefa de barcos escolta e seus helis orgânicos.

João Bosco
João Bosco
1 mês atrás

O problema da história toda e a velha máxima do cachorro vira latas……desde a República nunca neste pensou grande, sempre ficou na subserviência dos EUA e do Reino Unido, submissão pura e simples. Temos uma das maiores, mais ricas e diversificadas biologicamente  costas  do mundo sob nossa responsabilidade e menos de 100 navios para patrulhá-la. nossos navios de superfície tem mais de 40 anos e nossos submarinos são antigos. Se não me engano, temos mais almirantes do que navios, e ainda conseguimos pensar pequeno…. No Brasil não se pensa no tamanho de nossa posição estratégica no mundo, sequer em defender… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  João Bosco
1 mês atrás

O projeto do Giuseppe Garibaldi é mais compacto e adequado para a nossa marinha. Uma versão atual ficaria de bom tamanho na esquadra. Desde que conseguíssemos que Tio Sam nos vendesse uma esquadrilha de F-35B para embarcar, no que seria o novo Minas Gerais. Um estaleiro nacional faria o casco e o que fosse possível nacionalizar..Seria uma fração do custo do projeto do SubNuc, porém com muito mais efeito dissuasório.

ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
1 mês atrás

Aos nossos leitores com mais conhecimento na matéria uma indagação: não seria essa opção MUITO interessante para o Brasil? Não sei se caberia com o Atlântico, mas, se for o caso, para os almejados Porta-aviões?
Um opção menor, compacta, porém, a depender das aeronaves à disposição, relevante no cenário atual?

Paulotd
Paulotd
Reply to  ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
1 mês atrás

Gostaria de saber o que esse efetivo de 80 mil da MB ficam fazendo? Tem fuzil para todo mundo, pelo menos? Daí dá pra reforçar o exército.

Se pegar todos os navios lanchas deve dar pra embarcar uns 8 mil no máximo.

Last edited 1 mês atrás by Paulotd
Alois
1 mês atrás

Muito se falou, mas a Marinha Italiana considero muito bem equilibrada, possui navios de primeira linha, e principalmente um plano de construção e substituição de meios, nos últimos anos sempre de forma perene, o que sem dúvida, da garantias aos construtores e a Marinha de planejar de forma séria novos projetos e o futuro, e olha que a Itália na economia vem atravessando uma longa crise, talvez muito pior que a brasileira.