Home Asa fixa Chegou o primeiro CMV-22B da Marinha dos EUA

Chegou o primeiro CMV-22B da Marinha dos EUA

5619
38

O primeiro Osprey CMV-22B da US Navy para uso operacional chegou à Estação Aérea Naval em North Island, em 22 de junho

A aeronave é atribuída aos “Titans” do Fleet Logistics Multi-Mission Squadron (VRM) 30, primeiro esquadrão CMV-22B da Marinha dos EUA. O VRM-30 foi estabelecido em 2018 para iniciar a transição da Marinha do Greyhound C-2A para o Osprey CMV-22B.

“Hoje marca nosso aniversário como esquadrão”, disse o comandante Trevor Hermann, comandante do VRM-30. “Contamos com nossos irmãos e irmãs do Corpo de Fuzileiros Navais para nos ajudar em nosso treinamento. Hoje nossos esforços são tangíveis, como você pode ver com o pouso de nossa primeira aeronave.”

Nas últimas quatro décadas, o C-2A Greyhound fornece suporte logístico a porta-aviões em toda a Marinha. No entanto, o CMV-22B Osprey, com maior alcance operacional, carregamento/descarregamento mais rápido de carga, maior capacidade de sobrevivência e aprimoramento além da linha de visão, assumirá esta missão essencial. Herman também enfatizou a importância dos marinheiros altamente treinados que trabalharão nessas aeronaves.

“Este é o instrumento que trará letalidade à frota”, disse Hermann. “Sem os mantenedores, tripulantes aéreos e pilotos, esta aeronave nada mais é do que fibra de carbono e aço. Nós somos o coração e a alma desta aeronave. Somos a entrega a bordo de porta-aviões, somos aviação naval e carregamos a frota.”

O CMV-22B Osprey é uma variante do MV-22B Osprey e será responsável pela condução de serviços de alta prioridade de transporte de carga e passageiros em apoio a grupos de ataque e forças-tarefa. O Osprey é um avião tiltrotor capaz de decolar e pousar verticalmente, mas transitar como aeronave turboélice.

O capitão Dewon Chaney, comandante da Fleet Logistics Wing Multi-Mission, disse que esta aeronave é uma grande atualização e ele está surpreso com todo o trabalho duro de todos para entregá-la em um momento tão difícil.

“Entre o COVID-19 e o cronograma de entrega das aeronaves, todos ficaram focados em entregar essa carruagem para nós”, disse Chaney. “É tão incrível que tenhamos essa máquina capaz de desdobrar na frota para desenvolver letalidade de combate, e estou feliz por testemunhar isso como seu comandante”.

O CMV-22B é um componente crítico da ‘Ala Aérea do Futuro’ e oferece a versatilidade, flexibilidade e recursos necessários em uma luta de alto nível. A capacidade da aeronave de integrar-se às operações de asa fixa e operar à noite dará aos nossos porta-aviões um novo nível de flexibilidade para ajustar as operações, conforme necessário para cumprir a missão.

FONTE: Marinha dos EUA

Subscribe
Notify of
guest
38 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Esteves
Esteves
3 meses atrás

“somos aviação naval e carregamos a frota”

Não precisa dizer mais nada.

Gutex
Gutex
3 meses atrás

E as nossas super necessárias aeronaves COD, alguma notícia?

Mayuan
Mayuan
Reply to  Gutex
3 meses atrás

Ainda em processo de reforma para finalmente e infelizmente serem entregues pra MB. Todos sabem que o cancelamento seria mais caro que receber a essa altura mas a MB já deveria estar anunciando essas anv pra ver se alguém levaria. Quando terminasse a reforma ia direto para o comprador. Nem precisaria vir pra cá. A grana economizada não seria suficiente pra compra de um par de Ospreys mas se desse pra entrada já estaria ótimo.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
3 meses atrás

Esse tipo de aeronave teria condições de operar no PHM Atlântico?

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Alexandre Galante
3 meses atrás

Obrigado pela informação, seria bom alguns deles!

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Fabio Araujo
3 meses atrás

Mesmo problema do F-35. E caro para comprar, carissimo de manter e dificil dos EUA liberar, ainda mais se a compra for em pequena quantidade.

Mauro Oliveira
Mauro Oliveira
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
3 meses atrás

enganou-se amigo, ele é prá aprovado pra gente, o único problema é o custo mesmo

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Alexandre Galante
3 meses atrás

Melhor se contentarmos com os H225 mesmo…
comment image

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
3 meses atrás

Que diga-se de passagem, são em número insuficiente para encher o Atlantico e o Bahia se operados juntos. A não ser que não tenha nenhum em manutênção.
São 16 que seria a dotação total se operados nós dois.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Fabio Araujo
3 meses atrás

Existiria uma outra boa utilidade pra ela além do Atlantico que seria a ligação por via aérea de Trindade ao continente. Um par deles já faria o serviço e teria muito mais utilidade que as velharias que a MB tem ou as que está pra receber.

Mauro Oliveira
Mauro Oliveira
Reply to  Fabio Araujo
3 meses atrás

Aliás, ele é um dos equipamentros que são “prep-aprovados” para o Brasil. O problema é o custo de aquisição e manutenção. Custa tanto quanto um F/A-18E

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
3 meses atrás

Que destino terão os C-2 ?
Sempre achei uma aeronave interessante… Sua fuselagem poderia ter sido aproveitada em outras operações como cisterna, ASW e (porque não) AEW.
Será que a Aviação da Marinha estaria de olho no bicho?

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Ricardo da Silva
3 meses atrás

Da Silva,

Camarada…acho que os C2 quando chegarem terão como destino, o que tem a maioria dos equipamentos de nossa Gloriosa Marinha de Guerra do Brasil:

Paradas militares de 7 de Setemebro ou ainda ficar dando voltinha em São Gabriel (afinal para nossa MB o Brasil se resume a RJ).

Triste para mim escrever isso, mas com meus 51 anos de idade, tenho certeza que morrerei sem ver minha amada Marinha sem a pulgencia do passado.

CM

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  Claudio Moreno
3 meses atrás

Sobre a Marinha, foi meio que piada . . . . ou não ?

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Claudio Moreno
3 meses atrás

Boa tarde a todos.
Apenas uma correção que eu não notei antes e vi que isto se faz necessário :

Nossa MB adquiriu o KC1 Trader versão do S2 Tracker.

O povo está confundindo “tu com C…. ú! E lamentavelmente eu até certo ponto contribui para este equívoco, já que não corrigi o assunto antes.

CM

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Ricardo da Silva
3 meses atrás

Bem provável de esses C-2 estarem mais desgastados que os Tracker/Trader que a MB já está levando do deserto.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Leandro Costa
3 meses atrás

Leandro boa tarde,

Perdão camarada, mas a MB não adquiriu o C-2 Greyhound.

julio
Reply to  Ricardo da Silva
3 meses atrás

o E-2 Hawkeye usa essa mesma fuselagem.

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  julio
3 meses atrás

júlio, na verdade o C-2 foi baseadoo E-2. A Fuselagem é bem mais larga. Particularmente, não sei porque o E-2 não se desenvolveu usando essa mesma fuselagem, já que sendo mais espaçosa poderia acomodar mais equipamento, tripulação ou simplesmente mais conforto. quando a MB, foi só uma brincadeira. . . . .
Se bem que, se tivéssemos um porta-aviões operacional ou na iniciativa de termos um, até seria uma boa opção.[
Confesso: eu gosto do C-2 Greyhound.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Ricardo da Silva
3 meses atrás

Também gosto do C-2, mas ele já deu o que tinha que dar. Merece um descanso. Pelo menos conseguiram um substituto à altura.

Mayuan
Mayuan
Reply to  Ricardo da Silva
3 meses atrás

Não creio que fosse uma boa aquisição para nós pela idade, desgaste e principalmente ausência de um NAe.

Jagderband#44
Jagderband#44
3 meses atrás

Aeronave maravilhosa.
Surpreso pela China não tê-la copiado ainda, ou, pelo menos, não vi nenhuma ching ling do tipo.

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Jagderband#44
3 meses atrás

Em 2016 foi noticiado no China Daily que a AVIC estava desenvolvendo um tiltrotor, os lançamentos dos navios de assalto anfíbio Type 075 pode ser que dê uma motivação para a indústria acelerar esse desenvolvimento. Vamos aguardar.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Matheus Santiago
3 meses atrás

Sim,afinal eles hackearam e obtiveram dados sobre o V-22 Osprey…

Mauro Oliveira
Mauro Oliveira
3 meses atrás

O trabalho mais divertido de toda a Marinha dizem os tripulantes

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro Oliveira
3 meses atrás

Alguns anos atrás, um C-2 com alguns passageiros teve uma emergência. Não me lembro aonde foi, se foi na costa oeste ou na costa leste, mas tinha um helicóptero da TV filmando quando ele fez um pouso perfeito sem trem de pouso. Bons pilotos, acostumados à aterrissarem em porta-aviões, inclusive à noite ou com condições metereológicas nada boas e uma aeronave robusta… foi realmente um pouso muito bem feito. Até anticlimático hehehehehe

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro Oliveira
3 meses atrás

Norfolk, Virginia hehehehe

Diego
Diego
Reply to  Leandro Costa
3 meses atrás

Nesse vídeo a aeronave pousou só com um motor ligado? Como ela se controla no ar

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Diego
3 meses atrás

Salvo engano desligaram o motor para diminuir as chances de incêndio durante o pouso, e se observar direitinho é justamente o lado pelo qual foi feita a evacuação. Assim, caso um motor se incendiasse, com o outro desligado, as chances de uma evacuação bem sucedida seriam maiores. Aviões com mais de um motor funcionam bem caso um deles falhe, claro que fazendo os devidos ajustes para menor potência, mas acho que uma aeronave como o C-2 pode voar tranquilamente com um motor só durante um bom tempo. No caso acima, o motor desligado estava com as hélices embandeiradas, ou seja,… Read more »

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
3 meses atrás

Que bom para os americanos ! Mas espero que os Osprey fiquem por lá mesmo… Ospreys para quê ?! Para ficar bonito na foto e ter uma aeronave de custo elevado para manter?! Sim,é uma ótima aeronave,é capaz de transportar até 32 soldados, um máximo de 9.070 quilos de carga interna e 6,800 quilos de carga externa. Mas custa também USD84 milhões de dólares, e seu custo é de USD11.000 (£ 8500) por hora para voar, comparado a apenas US $ 4.600 (£ 3500) para um Chinook por exemplo, no entanto, vale a pena notar por todo o dinheiro extra,… Read more »

Last edited 3 meses atrás by ADRIANO MADUREIRA
SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
3 meses atrás

Faltou falar as características mais importantes que são alcance e velocidade, nenhum helicóptero vai ser melhor do que o Osprey nesses quesitos. E o custo mais atual é de U$ 9 mil, além de ter se mostrado ser mais seguro do que os helicópteros. Não é a toa que compram cada vez mais Osprey e voam com eles direto de um lado para outro, se fosse mais caro do que F-22, como alguns dizem, não fariam isso de jeito nenhum.

Cleber
Cleber
Reply to  SmokingSnake 🐍
3 meses atrás

Nem meia duzia conseguimos ter aqui , me pergunto : pra que entao Forças Armadas no Brasil ? Pra desfile ? Guarda costeira ? GLO ? Nao meus caros .Na CF/ 88 diz : defesa da patria . E ai ?

Mayuan
Mayuan
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
3 meses atrás

Tem pelo menos dois motivos. Atlântico e Trindade. Não precisariam nem deveriam ser muitos mas ele entrega ou busca onde ninguém mais consegue.

filipe
filipe
3 meses atrás

O Desenvolvimento desse avião foi a razão do NAE QE da Royal Navy não ter catapultas , acredito que poderá ser desenvolvida uma versão AWACS para AEW tal como é o E2C HawkEyes , uma das razões para as catapultas (Vapor ou EMALS) eram os grandes aviões , esse avião vem revolucionar tudo… Por cá a MB já pode começar a projectar um NAE STOBAR com ski-jump , esse avião vai tornar os LHA Wasp num NAE multiuso, eles são para a US Navy, mas foram desenvolvidos para os USMC, mas acho que é o futuro da aviação.

Dalton
Dalton
Reply to  filipe
3 meses atrás

filipe…o “V-22” não tem nada a ver com a decisão britânica de não instalar catapultas, maquinário e cabos de retenção para aeronaves nos 2 NAes e há muita matéria explicando o motivo, resumindo, o alto custo e não faria o menor sentido projetar um NAe na esperança de que alguém fizesse uma versão AEW no futuro o que pode não acontecer. . O “QE” foi pensado para operar o F-35B e uma série de helicópteros incluindo de transporte já que o mesmo terá também uma missão secundária anfíbia e/ou base móvel de operações. . O CMV-22 é uma versão de… Read more »

Pavan
Pavan
3 meses atrás

O Chinook seria uma boa opção para o Phm Atlântico ? Caso ele possa operar no mesmo…

Plinio Jr
Plinio Jr
3 meses atrás

Pode ser um vetor caro de adquirir e manter no momento, mas a flexibilidade tática e as diversas funções que pode exercer são muito importantes, velocidade, alcance, transporte de carga, missões especiais, resgate…enfim…