segunda-feira, março 1, 2021

Saab Naval

Marinha inaugura base de submarinos na Ilha da Madeira, em Itaguaí

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Itaguaí – Estaleiro e Base Naval
Complexo Naval de Itaguaí – Estaleiro e Base Naval

Novo equipamento contribuirá para a segurança de instalações no Complexo Naval de Itaguaí

A Marinha do Brasil inaugura hoje a Base de Submarinos da Ilha da Madeira (BSIM). A Base Naval, localizada no Complexo Naval de Itaguaí (CNI), será utilizada para o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), cujo objetivo é a produção de quatro submarinos convencionais e do primeiro submarino brasileiro com propulsão nuclear. A cerimônia será transmitida pelo Youtube da Marinha a partir das 10h30.

A BSIM tem o propósito de contribuir em missões navais, principalmente dos submarinos, além de prestar apoio logístico às Organizações Militares (OM) apoiadas. A base oferecerá segurança de áreas e instalações do Complexo Naval de Itaguaí, incluindo os perímetros marítimo, terrestre e áreas comuns, em coordenação com as demais OM e empresas sediadas no Complexo, além de oferecer apoio básico de saúde.

A infraestrutura de rede de dados e centros de controle permite automatizar tarefas como a geração e distribuição de utilidades (água, óleo, energia elétrica), o controle de maquinário, a detecção e combate a incêndio, a segurança física das instalações e a proteção ambiental.

Submarino Riachuelo

FONTE: Jornal O Dia

- Advertisement -

90 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
90 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO

Muito bom… Não vejo a hora de um segundo lote de 4 unidades e até mesmo a venda de pelo menos duas embarcações para outros paises.

Funcionario da Comlurb

O PROSUB não contempla um segundo lote . Ja foi amplamente divulgado isso. Sao 4 Sbr’s e 1 subnuc.

Depois , a MB certamente vai focar em subnucs adicionais.

Felipe Morais

A END não diz isso. Pesquise e verá que está errado.

Funcionario da Comlurb

Bem, o que está descrito no PROSUB é o que escrevi acima.

Camaergoer

Olá Felipe. Esta é uma das discussões mais antigas do PN. O colega “Funcionário” está certo sobre o ProSub prever 4 SBR e 1 SBN. O que virá depois é um debate especulativo. Alguns colegas defendem mais submarinos convencionais. Outros (eu inclusive) defendem que a MB foque apenas em submarinos nucleares depois do SN10. Acho provável que o PMG dos Tupi remanescentes será feita em Itaguaí.

Funcionario da Comlurb

Boa tarde Camargoer,

Obrigado por corroborar o meu comentário. Fiquei surpreso pelos deslikes, já que o que escrevi consta do PROSUB.

Você sabe dizer quando a base de submarinos de Mocanguê será desativada?

Camaergoer

Olá F.C. “diga quem te negativas e eu direi que tu és”… é uma verdade bíblica. Acho que nem a MB sabe exatamente o que acontecerá depois de 2030 quando o SN10 for lançado. Eu não sei quais foram os prédios inaugurados na base MSIM, mas parece que o S40 já vai ficar ali, mas talvez algum colega da ativa na MB saiba algo sobre o cronograma de mudança. O que sei é que em algum momento todos os submarinos irão operar na MSIM.

rommelqe

Caro professor Camargoer: só recapitulando o que já foi amplamente comentado aqui, o Prosub só previu 4 SBR e 1 SNBR. Como vc sempre deixou claro sua predileção no sentido de que após a entrega destes cinco primeiros, ha a hipóstese de que os seguintes subs sejam todos nucleares (que poderia ser uma extensão do ProSub) ou, em alternativa, priorizar mais uns 4 convencionais após a entrega do 1 nuclear. Eu sou da opinião que o Alvaro Alberto terá que realmente ser submetido a muitos testes para validar e certificar este primeiro exemplar.(é só fazer uma comparação com um Gripen… Read more »

Camaergoer

Olá Rommelqe. Concordo. O que sabemos é que após os quatro Scorpenes, a MB começará a fabricação do SN10 (lembrando que o reator precisa ser homologado antes). Eu acredito que os PMG dos Tupi remanescentes serão feitos em Itaguaí (oficinas novas, amplas e modernas….) encerrando o ciclo do AMRJ com submarinos. Temos quatro torcidas aqui no PN… os nuclearistas (faço parte dessa turma), os scorpistas (que querem outro lote de SBR), os pessimistas (que achavam que o SBR iria virar de ponta cabeça no primeiro teste, que depois achavam que depois de submergir ele não voltaria á superfície, depois torceram… Read more »

Vovozao

17/07/2020 – sexta-feira, bdia, momento glorioso para a MB, porem aí vem a grande pergunta: para que??? Este dinheiro se fosse gasto para atualização de outras bases nao seria melhor empregado? Hoje quantos dos nossos 6 submarinos estao operacionais, ou podemos dispor deles em no maximo 1 semana?? Quantos cacas-minas temos na area para dar seguranca na saida dos submarinos da base??? Vejo isto como uma maneira de grandeza, nao temos meios, porem, temos a base??? Acho que o dinheiro gasto na construcao da base, seria muito mais bem empregado na construcao/compra de fragatas, caca-minas, navio reabastecedor, navio de apoio… Read more »

Marcelo

a base faz parte do compexo industrial para construção dos submarinos convencionais e nucleares, então não foi um gasto adicional extraordinário.

Zorann

Que só faz sentido, se tivermos submarinos operacionais em uma quantidade razoável (que dê utilidade a base) e se continuarmos a construí-los.

Quantos submarinos operacionais temos mesmo? E quantos vamos construir depois dos 4 que estão sendo concluídos?

Camaergoer

Olá Zoran. O ProSub prevê a construção de 4 SBR (o primeiro está em testes para entra em operação, o segundo será lançado em poucos meses, e os outros dois estão sendo fabricados). A construção do SBN demanda primeiro a homologação do Labgene (o vaso do reator do Labgene está sendo fabricado). O atual cronograma prevê que o SBN esteja pronto em 2030. A infraestrutura para a fabricação do SBN será a mesma que foi usada para a fabricação dos SBR, por outro lado, a operação do SBN demandará uma infraestrutura própria (para controle radiológico e para abastecer o reator… Read more »

Funcionario da Comlurb

Faslane, na Escócia, é a base de 4 SSBN’s.

Eventualmente um ou outro SSN passa por lá.

E ninguém, até onde sei, acha ruim.

GFC_RJ

Caro, Vovozão, Minha opinião sobre o assunto é que o projeto dessa base foi pensado, ao mesmo tempo que um complexo industrial conforme afirmou o amigo Marcelo, à operação de submarinos nucleares.  Não, não vejo que seria possível a operação de subnucs na Ilha do Mocanguê, muito menos estabelecer o complexo industrial em Niterói/São Gonçalo de forma barata, sem grandes desapropriações.   Fico imaginando aquelas imagens das partes do submarino em cima daquele veículo de mais de 20 eixos sendo transportadas pela Niterói-Manilha… Ou o elevador operando no belíssimo (#sqn) litoral sãogonçalense. Não, amigo, não rola.   Essa base de Itaguaí fica… Read more »

Leandro Costa

Na verdade, GFC, os Sumbarinos de origem alemã foram construídos no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, parte do complexo do Primeiro Distrito Naval, ali próximo à estação das barcas na Praça XV, e depois, já por meios próprios, eram deslocados até a Base de Submarinos no Mocanguê, sem a necessidade de transportar partes pesadas pela ponte, até porque eles não foram construídos lá. De qualquer maneira, concordo com você. A Base no Mocanguê e nem o AMRJ comportariam a infra-estrutura necessária para fabricação e operação de submarinos muito maiores do que os Subs alemães, e a necessidade de… Read more »

Rinaldo Nery

Excelente comentário.

Saldanha da Gama

Bom dia vovô, para quê? Se derem continuidade ao gasto com tot, se construírem outro lote, se exportarem, se desenvolverem um de última geração, terá valido muito a pena, se não derem continuidade, bilhões jogados na lata do lixo e a mesma coisa se aplica ao Gripen. Abraços

Demetrius

Como sempre, posicionamento equivocado…

Zorann

É isso aí Vovozao.

Eu vou mais além. Constrói uma base destas, gasta-se uma fortuna, para no fim dar nossos submarinos Tupis (na troca por qualquer porcaria) porque não tem dinheiro para mante-los. Tem Tupi aí parado a pelo menos uns 4/5 anos esperando manutenção.

E tem gente que acha isto bonito.

Camaergoer

Caro Zoran. É um equívoco pensar um programa militar de 50 anos ou mais em termos de ciclos econômicos que duram de 2 (otimista) a 10 anos (pessimista). Segundo a FGV, o país entrou em um ciclo de recessão (típico) em 2014 que durou 2 anos. Em 2016, foi iniciado um ciclo de recuperação econômica que foi afetado pela crise política, exibindo crescimentos um pouco maior que 1% ao ano. Um novo ciclo de recessão começou no fim de 2019 e que foi agravado pela crise de demanda devido a COVID19. Neste contexto econômico que não poderia ser previsto, é… Read more »

Marcelo Andrade

Amigo, já vi que você não é do RJ. O cais da Base atual nem comporta um Scorpene que aliás , tem um calado maior que os Tupis. e outra, não se estaciona um SubNuc dentro de uma Baía fechada com dois Grandes Centros urbanos em volta!

Camaergoer

Olá Vovozão. Acho que essa discussão sempre aparece. A base dos submarinos em Niterói é antiga e não teria condições de atender aos submarinos nucleares. O AMRJ também tem oficinas antigas e precisaria ser modificado para a construção, manutenção e operação dos submarinos nucleares. A frota de submarinos na MB é pequena o suficiente para ser atendida por apenas uma base (não faz sentido ter duas bases de submarinos ambas subutilizadas). Portanto é correta a opção da MB de construir uma nova base de submarinos para atender toda a frota, tando a convencional (Tupi e Scorpene) e os futuros submarinos… Read more »

Leandro Costa

Camargoer, está correto. Já visitei a Base de Submarinos no Mocanguê e passo por lá regularmente. Não há como ter naquele local a mesma infra-estrutura de construção, apoio e operação para os novos submarinos e o submarino nuclear lá na antiga base. Por motivos que já especifiquei acima, concordando com o GFC_RJ, a base foi um gasto inevitável que pode gerar muitos frutos. Claro que isso não significa o abandono imediato da base de submarinos no Mocanguê. Já que todo o material de apoio aos Tupi ainda se encontra por lá e no AMRJ, acho que os submarinos mais antigos… Read more »

Julio reis

Além de ser para a construcao dos novos submarinos eles nao poderiam ser feitos na baia de guanabara pois uma tecnologia como essa deve ser mais bem escondida além disso precisávamos tbm proteger melhor nossa futura frota essa base está muito melhor localizada para isso !

Tomcat4,2

Seu comentário até faz certo sentido Vovozao, mas…, lembre se que as forças planejam mirando o horizonte futuro não só o hoje, o complexo como um todo tbm atenderá a navios de outras classes(manutenção e fabricação) dentro de estipulada tonelagem. A demanda é grande mesmo pensando só em navios e submarinos pro Brasil(pode ser que apareçam compradores externos). Apenas mais uma futura encomenda de mais 4 subs diesel elétricos enquanto se testa a exaustão o SNBR já vai segurar a mão de obra que nesse meio tempo já vai dar manutenção nos 4 primeiros SBR e depois virá a encomenda… Read more »

Batlefield

Parabéns a todos os envolvidos, demorou muito mais que o previsto, mas a tempo de apoiar os novos submarinos! BZ
Agora uma curiosidade, agora com duas bases,teremos uma base de submarinos para cada classe ou os antigos irão para a nova base?

Dalton

Conforme divulgado os submarinos mais antigos, classe “Tupi” e o “Tikuna” todos ou os remanescentes, eventualmente irão para a nova base.

Funcionário dos Correios

Uma excelente noticia, que possamos em um futuro não tão longe, contar uma frota digna de submarinos nucleares e convencionais.

Rodrigo Maçolla

Muito bom parabéns a todos da M.B, Eu vi pela TV quando a Marcela Temer foi lá que a base é muito bonita … tanto quanto ela…..
Mais existe algum sistema de proteção por exemplo contra ataques aéreos ?? Não , Então deveria ter…. espero que no futuro pensem nisso…

Saldanha da Gama

Ahh meu caro, a marcela subindo e o vestido de tecido fino balançando ao sabor do vento…..I N E S Q U E C Í V E L

Camaergoer

Caro Rodrigo. A base aérea de Santa Cruz é ali pertinho. O complexo nuclear de Angra 1 e 2 também é alí perto. A interceptação do Vulcan inglês foi feito por caças de Santa Cruz. A FAB mantém caças em alerta. Isso para o caso de uma ameaça aérea. Outra possibilidade seria uma ameaça naval, mas como uma força tarefa navega devagar, a MB saberia disso com dias de antecedência. O risco de uma ameaça submarino em Itaguaí é similar ao de qualquer outro porto. Também não há o que fazer contra mísseis de cruzeiro. Nem contra bombas nucleares.

Fernando Turatti

Olha, há o que fazer sim na verdade. Não há o que o Brasil fazer.
A base, assim como literalmente todo o território amaldiçoado pelos deuses(A.K.A. Brasil) é completamente desprovido de defesa AA para médio ou longo alcance. E continuaremos assim, enquanto gastamos como a Itália e nosso Ministério da Defesa alucina com um aumento de mais de 30% no orçamento.

bjj

Camaergoer Acho que a base de submarinos, ainda mais se um dia nosso subnuc realmente sair do papel, não pode ter a defesa de sua estrutura dependente dos caças da FAB, por mais próximos que estejam. Primeiro porque em um cenário de guerra a FAB pode não ter aviões em número suficientes para proteger a base de forma quase permanente. Segundo que no caso da base ser ameaçada por mísseis de cruzeiro ou mísseis anti-navio com capacidade de ataque terrestre voando baixo, os caças da FAB teriam pouquíssimas chances de sucesso. Acredito que um sistema antiaéreo de médio alcance seria… Read more »

Camargoer

Olá Bjj. A médio prazo pode ser sim que seja instalado alguma defesa antiaérea. Neste momento a prioridade seria concluir os SBR, homologar o Labgene, iniciar da FCT, montar o centro radiológico na MIS e construir o SN10. Por enquanto a MB vai depender da defesa aérea da FAB como dependeu nos últimos 50 anos.

Leandro Costa

Um F-5 decolando com preguiça lá da BASC sobrevoa Itaguaí em…sei lá… talvez uns 30 a 45 segundos de vôo hehehehe

Fabio Araujo

Fora ter a possibilidade de colocar sistemas de alerta e armamentos defensivos na Restinga da Marambaia.

itaguai.PNG
Thomas

Interessante que é a base mais importante do Brasil e não tem um sistema de defesa aérea. Brasil deveria fazer parceria bom a SAAB, comprar pelo menos 2 sistemas.

Camaergoer

Olá Thomas (somos 2, somos 4, somos 6, somos 8… juntos na estação, Thomas e seus amigos…). A defesa aérea das bases da MB na baia de Guanabara é feita pelos caças da FAB em Santa Cruz, que continuará dando essa cobertura para Itaguaí.

Leandro Costa

Sério… Santa Cruz é MUITO perto de lá.

Marcelo Andrade

Tudo no seu tempo, amigo, Ela foi inaugurada pois já pode ser operacional. Ainda faltam outras costruções, fora todo o pessoal da Força de Submarinos que vai para lá aos poucos. Tem ainda os navios varredores, etc.

JSilva

Por enquanto a base de Santa Cruz dá conta, mas o ideal seria uma defesa em camadas. Acho que um ataque a esse tipo de base seria feito por misseis de cruzeiro, na camada mais distante atuaria o submarino nuclear, depois os caças de Santa Cruz, depois cairia bem um sistema de defesa aérea. E teria que proteger bem a base contra ataques de sabotagem realizados por comandos e snipers, essa vegetação fechada acima da base facilitaria muito a atuação deles.

Rinaldo Nery

Estamos em guerra com alguém? Crise?

Allan Lemos

É uma base única na América Latina,mas é uma pena que um complexo industrial-militar tão importante para a defesa e soberania nacional esteja completamente desprotegido.Uma chuva de tomahawks e a MB fica sem(os poucos) submarinos.Sem falar que é temerário deixar todos os Scorpénes baseados em apenas um único local como é desejo da MB,deveria haver uma outra base de submarinos no Nordeste.Como sempre,os militares brasileiros fazendo as coisas pela metade.

Camaergoer

Caro Allan. Se uma potência nuclear disparar um míssil nuclear sobre o Rio de Janeiro ou sobre Itaguaí, não há o que fazer. Esse míssil poderia ser lançado de um submarino no meio do Atlântico, de um navio no meio do Atlântico, de um base móvel colocada no Paraguaí, no Uruguai, na Argentina, talvez até na Bolívia. Um míssil de maior alcance poderia ser lançado da África ou do Chile ou até da Colômbia ou Venezuela. Creio alguns dos mísseis balísticos poderiam ser lançados dos EUA, da Rússia e da China e alcançar o Rio de Janeiro. Então não há… Read more »

Allan Lemos

Amigo,nenhum,repito nenhum país teria coragem de usar armas nucleares em um primeiro ataque.Armas atômicas,ao contrário do que possa parecer,são apenas para defesa,jamais serão usadas para ataque,nem mesmo contra um país que não as têm,como é o caso do Brasil.Então essa possibilidade não existe mesmo se alguém quiser atacar o Brasil de fato.

Agora,me fale como as forças armadas brasileiras interceptariam dezenas de tomahawks disparados de um submarino.Isso sim seria um cenário possível.Seria quase impossível mesmo se a base fosse cercada por Patriots.

Camaergoer

Caro Allan. A doutrina predominante durante a guerra fria era a MAD (que assegurava uma maciça resposta nuclear para qualquer agressão nuclear). Apenas Israel mantinha uma política de não-negar-não-admitir a posse de armas nucleares nem afirmar o princípio de não-atacar-primeiro com armas nucleares. Até mesmo a Coreia do Norte tem como princípio nunca ser a primeira a usar armas nucleares. Contudo desde o ataque contra as Torres Gêmeas, os EUA mudaram a sua política nuclear (a última revisão é de 2018) admitindo uma resposta nuclear mesmo para uma agressão não-nuclear aos EUA ou seus aliados de países que possuem armas… Read more »

Marcelo Andrade

Não sabia que estamos em guerra! Calma meu filho!!!!!

Allan Lemos

Verdade,né?!Vamos esperar entrarmos em guerra um dia,ai a gente se arma.É a típica mentalidade do brasileiro.Depois que o assaltante já tá dentro de sua casa,não adianta trancar a porta amigo.

Camargoer

Olá Allan. Qualquer guerra hoje traria mais problemas do que benefícios para o Brasil. As forças armadas devem servir primeiro para dissuadir. O outro lado dessa estratégia seria uma política externa antibelicista. O problema hojje parece estar nas ações provocativas e imprudentes do Itamaraty.

Allan Lemos

Caro Camargoer,a pior coisa para o Brasil seria uma política externa antibelicista.Devemos sempre tentar buscar a paz,mas grandes nações também devem estar dispostas a usar a força para defender seus interesses.

Uma política externa “paz e amor”,como a que o Brasil lamentavelmente sempre adotou,só serve para que os outros o enxerguem como fraco.Por mais que você deseje a paz,o outro pode não desejar,nessas horas só o que resta é a violência,mas essa é uma lição que o Brasil vai aprender da pior forma algum dia.

Camaergoer

Caro Allan. Como eu disse, é preciso ter uma estratégia dual. De um lado forças armadas com capacidade de dissuasão e do outro uma política externa antibelicista. O Itamaraty e o MinDefesa precisam estar afinados em torno destes dois pontos. Não é uma coisa ou outra. São as duas juntas. Tentar exercer uma política externa belicista sem capacidade militar é apenas estúpido, contudo a manutenção de um aparato militar suficientemente forte para sustentar uma política externa belicista só faz sentido se baseado em uma ampla industria de defesa, mas isso demandaria um nível de investimento tanto em pesquisa quanto em… Read more »

Marcelo Andrade

Amigo, fui irônico! Estou nesse site desde 2009! Antiguidade é posto!! Vocês querem que a MB já inaugure Base com 10 submarinos convencionais, 5 nucleares, sistemas AA em três camadas, etc. Calma, foi o que disse. Perenidade nos Projetos militares! Temos que pensar em curto, médio e longo prazo e não imediatismos, como os “brasileiros” que você citou.

Fabio Araujo

E vamos seguindo em frente. Agora a saída e chegada dos submarinos vão ser mais discretas o que é bem melhor.

Luiz Floriano Alves

Parabéns a empreiteira que realizou o seu objetivo. Quanto a concentrar os submarino nessa base não parece problema. Deve ter grutas submarinas como toda base do gênero. Não é qualquer bombinha de 500 libras que vai penetrar no abrigo.

Camaergoer

Caro Luiz. A MB sempre concentrou seus submarinos na base de Niterói. Por que isso seria um problema a partir de agora?

Rafa_Positronn

Já fui entusiasta

Mas depois de tanto desgosto, meio que perdi muito do interesse

a gota d’agua foi um comandante dos EUA dizer que o presidente Bolsonaro paga um general pra trabalhar pra ele

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/07/brasil-paga-para-ele-trabalhar-para-mim-diz-comandante-americano-sobre-brigadeiro-veja-video.shtml

Depois disso, meio que deixei de me importar

Parece que as FFAA do Brasil,quando fala pros brasileiros, é com ameaças e toda a valentia do mundo…. já pros gringos, é servindo cafezinho e água na bandeja

Last edited 7 meses atrás by Rafa_Positronn
Camaergoer

Olá Rafa. Tenho conversado bastante com meus alunos sobre tudo que estamos passando. Eu costumo falar para eles que um ciclo econômico dura poucos anos, enquanto que os ciclos políticos são um pouco mais longos, talvez uma década, no máximo duas décadas. Ao longo de uma vida é comum passar por vários ciclos econômicos e políticos, testemunhar um ou dois grandes eventos históricos (uma pandemia, uma grande guerra, o colapso de um império, uma revolução….). Acho que Mario Quintana resumiu bem “Eles passarão, eu passarinho”. Acredite, eles merecem apenas o seu desprezo.

Xico Bento

Mas o cara é um professor…

Camargoer

Olá Xico. Professor de química.

Marcelo Andrade

Da Folha só poderia vir isso mesmo! Eles pegam uma frase fora do contexto e editam. Não sei como um jornalista sério pode trabalhar em uma latrina dessa?

Rafa_Positronn

Que bacannnna o Comandante americano fala uma coisa dessas, 2 VEZES, e a culpa é da …. folha de São Paulo !!!!! ahhh ta … SENTA LÁ, CLÁUDIA !!!!!! DETALHE: ESTÁ GRAVADO !!!! SÓ PRA HUMILHAÇÃO SER AO VIVAÇO E EM CORES !!!!! E tem mais: as autoridades americanas nem sabia nome do militar brasileiro que tá la servindo café pros militares dos EUA … parece que até erraram o nome do sujeito…. O cara ta sendo tratado como empregado mesmo Curiosidade minha: agora eu te pergunto, pq vc ta querendo se enganar ? Ter respirador mecânico afanado…. ter mascaras… Read more »

Last edited 7 meses atrás by Rafa_Positronn
Sequim

Rafa, esperar o que de um (des)governo cujo energúmeno despreparado que por enquanto ocupa a presidência da República, quando era candidato, bateu continência pra bandeira dos States?

Marcelo Andrade

Senta que vai ficar mais 4 anos!!

Zorann

Uma base deste tamanho para submarinos, só faz sentido se tivermos submarinos para dar utilidade às instalações. Se for para manter 4 submarinos em operação (talvez 5 com o Ticuna, talvez 6 com algum Tupi remanescente), terá sido um desperdício de dinheiro. Pelos próximos 10/15 anos vai ser isto aí mesmo, de 1 a 6 submarinos ocupando uma base deste tamanho. Lógica maluca: prioridade principal é pagar salários, em seguida vem as obras para poder desviar dinheiro, seguida da compra dos submarinos (que é a desculpa/justificativa usada para os gastos). E por último, se sobrar, dinheiro para operar e manter… Read more »

Fabio Araujo

Li uma matéria faz algum tempo em que falam que o Arsenal de Guerra também iria para lá e depois a esquadra, um local mais discreto e cercado por bases militares, hoje se precisarmos fazer alguma operação discreta fica difícil pois todos os meios estão numa base no centro de uma das maiores cidades do país com todo mundo vendo o que ocorre, quem chega, quem sai quem esta em manutenção e por lá não terão tantos olhos assim.

Pavan

Não estamos em guerra nem temos ameaças previstas… Mas gostaria de saber de momento quais defesas a nova base possui caso fosse atacada a revelia…

Marcelo

Guerra é Guerra: se forem igual ou menor! Vamos pra cima deles. Se for maior, faz aliança com outra potência e manda o itamarati negociar e ganhar tempo.

Camaergoer

Olá Marcelo. Vamos imaginar um cenário no qual um outro país envie uma força-tarefa para uma operação agressiva contra o Brasil (pode ser um bloqueio naval em torno de um porto ou região, pode ser um bloqueio de uma rota comercial ou até uma ação mais agressiva que isso. São 4 cenários.Uma força-tarefa com poder naval inferior ou igual á MB. Uma força tarefa com poder naval superior á MB ou uma força-tarefa com um poder muito superior á MB. Os dois primeiros a gente pode descartar porque a MB estaria em uma condição vantajosa (por razões logísticas e táticas).… Read more »

ted

Obrigado Camaergoer! O esboço demonstra os desafios do nosso pais. E toda nossa vulnerabilidade.

Foxtrot

Outra no Rio de Janeiro!
O ideal seria a modernização dos Tupis e criação de outra base no nordeste ( Aratu etc).
Mas parabéns a MB.

Camaergoer

Olá Fox. O local de Itaguaí foi escolhido por estar próximo á Nuclep (a UFEM é ao lado da Nuclep) e do complexo radiológico de Angra 1 e 2, além do local ser adequado para operar um porto (ao lado da base tem um terminal de minérios). A frota de submarinos da MB é suficientemente pequena para operar em apenas uma base. Os submarinos podem ser desdobrados para o sul e para o nordeste, mas é uma excelente ideia ter a base de submarinos ao lado do estaleiro de construção e manutenção dos submarinos

Leandro Costa

A ‘Segunda Esquadra’ já está em planejamento faz tempo. O problema disso é que simplesmente não há dinheiro para essa empreitada agora ou até dentro de um futuro previsível.

Marcelo Andrade

Eu já desisti desse aí!

Gabriel Oliveira

Um questionamento,o que a MB planeja para a proteção de um ativo militar desse porte,outra observação,já deveria estar em curso a aquisição de navios anti minas.

filipe

O comandante da MB falou em a base ter submarinos com 15 mil toneladas, será que o objectivo final de longo prazo da MB é ter um SSBN ?

Camargoer

Caro Filipe. Eu creio que nunca li tal afirmação de um oficial da MB. Seria ótimo para o debate se você coçar a fonte. Nunca soube que a MB pretende ter submarinos para lançar mísseis balísticos. Onde você leu isso?

ted

filipe! Ele falou que o atracadouro suporta navios de até 15 mil t. e não sub.

Sequim

Essa base não é aquela que alguns “çábios” diziam aqui, nos idos de 2014/2015, que ela não passaria de um areal inútil? É essa? Ahh, tá!

Juarez

E com o tempo tu vais ver no alto da tua cegueira ideológica, que nos, os “cabios” temos razão.E so uma questão de tempo e de somar 2+2…..O tempo, senhor de todas as verdades e ela virão…..ahhj virão.

Sequim

Anrraãm. “Çei”…

Camargoer

Caro Juarez. Qual a discussão ideológica que cega o debate sobre o emprego de submarinos nucleares ou convencionais e a necessidade de uma nova base se submarinos?

Sequim

Professor… não perca seu tempo. Esse senhor é o dono da verdade. Nem adianta argumentar. Ele está certo o tempo todo. Só nos resta aplaudir.

Xerem

Certo de que ? De asneiras ?

Xerem

Tu nao cansa de choramingar nao sulista ? Esquece nao virao material “sucatas” por sinal americana que tu queres ver na MB nao !

Marcelo Andrade

Juarez, gosto muito de alguns comentários seus, mas, é vdd! Você escreveu há uns 2 anos que os subs só eram o casco oco, e que esse Prosub não ia dar em nada! Sinto muito!!!

Anderson

Acho que o Brasil deveria ter pelo menos 10 Sub convencionais com 4 no Rio, 03 em uma base naval no Sul e 03 em uma base no Norte ou Nordeste.

Luiz Floriano Alves

Se quiserem saber o porque dos projetos novos de submarinos contemplam reatores de sal fundido (Molted Salt) olhem no You Tube a palestra do jovem (e já, famoso) cientista Taylor Wilson.

Marcelo Andrade

Não há essa necessidade! Os navios fazem exercícios de patrulha e cobrem grandes áreas. Existem portos nestas localidades, mas toda logística de manutenção tem que ficar em um local .

Luiz Floriano Alves

Marcelo Quando os submarinos da MB chegavam no porto de Rio Grande traziam uma enorme lista de pedidos de reparações (fabricos). Nós, das oficinas de manutenção do Porto de Rio Grande fazíamos das tripas o coração para “‘nacionalizar” as peças sem, possibilidade de reparo. O pessoal de máquinas dizia que o nosso trabalho deveria ser copiado pelo AMRJ. Dai a minha impressão de que muito do que fazíamos deveria ter sido feito no AMRJ. O pior e que os antigos submarinos americanos possuíam conjuntos de válvulas, que os marinheiros chamavam de Pianos, que davam um trabalho imenso para desmontar, e,… Read more »

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Sea Dragon 2021: Exercício ASW multilateral entre os EUA e nações parceiras

De 14 a 28 de janeiro, Índia e Japão se juntarão ao 'Sea Dragon 2021', exercício de guerra antissubmarino...
- Advertisement -
- Advertisement -