Home Marinhas de Guerra Navios de guerra australianos e chineses se encontram no contestado Mar da...

Navios de guerra australianos e chineses se encontram no contestado Mar da China Meridional

6100
38
Navios australianos em exercícios com as Marinhas dos EUA e do Japão

Navios de guerra australianos encontraram a Marinha Chinesa no Mar da China Meridional durante uma viagem que os viu navegar perto das ilhas contestadas reivindicadas por Pequim.

O ABC News soube que um grupo-tarefa conjunto da Força de Defesa Australiana, composto por cinco navios de guerra viajou na semana passada pelas vias navegáveis ​​disputadas, incluindo perto das Ilhas Spratly, que a China reivindica como próprias.

Entende-se que os navios de guerra australianos não estavam a 12 milhas das ilhas contestadas, ao contrário dos navios de guerra americanos, que recentemente realizaram exercícios de liberdade de navegação para contestar as reivindicações territoriais de Pequim.

Em uma declaração, o Ministério da Defesa insistiu que todas as “interações não planejadas com navios de guerra estrangeiros durante todo o destacamento foram conduzidas de maneira segura e profissional”.

Os navios de guerra australianos, liderados pelo HMAS Canberra, estavam em trânsito pela região cada vez mais tensa enquanto se dirigiam ao mar das Filipinas para exercícios de treinamento com as Marinhas americana e japonesa.

Em breve, o HMAS Canberra, o HMAS Hobart, o HMAS Stuart, o HMAS Arunta e o HMAS Sirius chegarão ao Havaí para jogos de guerra maiores, conhecidos como RIMPAC.

“A Austrália está comprometida com uma região Indo-Pacífico segura, aberta, próspera e resistente. Trabalhamos rotineiramente com parceiros regionais para enfrentar desafios de segurança compartilhados”, disse um porta-voz da Defesa.

“As atividades conduzidas durante essa implantação de rotina fazem parte dos compromissos regulares entre forças militares da Força de Defesa Australiana em todo o Indo-Pacífico, que são realizados todos os anos.”

Não se sabe exatamente onde os militares chineses interagiram com o grupo-tarefa conjunto australiano, mas a Defesa confirmou que os navios de guerra navegavam perto das disputadas Ilhas Spratly na semana passada.

No ano passado, a Marinha Real Australiana foi seguida de perto pelos militares chineses durante um trânsito semelhante no Mar da China Meridional.

O secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, nesta semana sinalizou que os militares americanos realizariam mais operações de liberdade de navegação (FONOPS) para contestar as reivindicações territoriais de Pequim no mar da China Meridional.

“Em 2019, realizamos o maior número de operações de liberdade de navegação no Mar da China Meridional nos 40 anos de história do programa FONOPS, e manteremos o ritmo este ano”, disse ele.

FONTE: ABC News Australia

Subscribe
Notify of
guest
38 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
filipe
filipe
1 mês atrás

Mas o Mar é da China ou não é da China, senão for então devem mudar o nome do mar, agora se chamam de Mar da China é porque pertence a China.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  filipe
1 mês atrás

Se for seguir essa lógica absurda dos chineses, a Índia deveria então reivindicar todo o Oceano Índico!

JOSE DE PADUA VIEIRA
JOSE DE PADUA VIEIRA
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

Tem uma rua na minha cidade chamada São José, vou correr pelado nela…

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
1 mês atrás

Errado…
O sr é um Santo ! (São José)… rsrs
Não pode cometer esse tipo de pecado

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Alfredo Araujo
1 mês atrás

2,

Jack
Jack
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
1 mês atrás

ahahahahah

Teropode
Reply to  JOSE DE PADUA VIEIRA
1 mês atrás

🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣 Não da ideia não 😂😂😂😂😂😂😂😂😂😷😷, o pessoal falando sério e vc faz isso 😂😂😂😂😂😂😂👍👍👍👍👍👍👍

mendonça
mendonça
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk é…

Orivaldo
Orivaldo
Reply to  filipe
1 mês atrás

Meados de 2008 esse BLOG era excelente. Agora em 2020 olha o tipo de comentário

J R
J R
Reply to  filipe
1 mês atrás

o golfo do México então deveria mudar de nome também…

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

São muitos pretendentes por essas Ilhas, China, Taiwan, Vietnã, Brunei, Malásia e Filipinas. São muitos países não sei como é que vão conseguir resolver isso!

Davi
Davi
1 mês atrás

Deveria se chamar: Mar do Sul da Ásia e não Mar do Sul da China.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Davi
1 mês atrás

Verdade, se for seguir essa lógica dos chineses o oceano Índico deveria ser exclusivamente da Índia!

Davi
Davi
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

Isso

Heinz Guderian
Heinz Guderian
1 mês atrás

Uma hora algum dedo nervoso vai colocar fogo nesse pavio de pólvora, resultado: uma guerra mais sangrenta do que a Guerra do pacífico, na 2° Guerra Mundial.

Thiago
Thiago
1 mês atrás

Os Chineses são conhecidos por saber esperar e dar o golpe na hora certa, mas será que irão manter o sangue frio com toda essa pressão? Só no 2019 foram 9 operações FONOPS conduzidas apenas pelos EUA, faltando da soma as operações do Japão e Austrália. Já já chegarão operações sempre mais frequentes de franceses e britânicos para congestionar ainda a mais as águas reivindicadas pelos chineses. Parece que nem o covid vai freiar essa aglomeração .

Last edited 1 mês atrás by Thiago
Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Thiago
1 mês atrás

Sei não… enquanto os EUA e o mundo protestam a China vai construindo e armando as ilhas por todo o mar. Quando tudo aquilo estiver operacional e eles acharem que é hora de negar o mar, eles negam. E o mundo vai fazer o quê? Mergulhar numa nova guerra mundial? Acho que não. Vai ficar por isso mesmo.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Thiago
1 mês atrás

O Chines fará o que em águas internacionais??? Como diria o filosofo Zagalo, “vocês chineses, vão ter que me engulir”.

Não menosprezo a diplomacia Chinesa, vão ficar fazendo biquinho, mas não serão tolos de declarar guerra contro os seus principais destinos de exportação comercial

Guerra é busca por mais GRANA… no caso dessa guerra a China só cessaria o fluxo da GRANA para eles.

Se alguém sabe fazer “negócios da China”… esses são os chineses.

Jagderband#44
Jagderband#44
1 mês atrás

Xing ling fica bolado.

smichtt
smichtt
1 mês atrás

Documentário muito interessante sobre o Sr. Xi:

https://m.youtube.com/watch?feature=emb_title&v=m9Uz-9wQsBE

Apesar de ter sofrido muito durante a Revolução Cultural, curiosamente assumiu as ideias de seus “mestres”.

sub urbano
sub urbano
1 mês atrás

Vamos ver até quando os americanos conseguirão manter essa estrutura militar mastodôntica. Não será pra sempre que a Australia terá o amiguinho grandão dela por perto para protegê-la.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Se os EUA cortarem pela metade a sua marinha ela ainda será plenamente capaz de garantir a Austrália, sabe disso né? A gente tá falando de quase 70 submarinos nucleares, 10 porta aviões, 9 porta helicópteros com aviões e blá-blá-blá.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Fernando Turatti
1 mês atrás

Acho que o Blog nos deve uma matéria sobre as forças de submarinos dos EUA, essa é a mais temível ameaça para qualquer coisa que boie nos oceanos desse mundo.

Taso
Taso
Reply to  Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

Boio, é alvo! “Só existem dois tipos de navios: submarinos e alvos”

Kemen
Kemen
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

A Marinha australiana esta se armando muito bem, tem qualidade apesar de não ter muita quantidade. . O Camberra tem um irmão gêmeo, se armado para combate aéreo, pode levar 31 F-35 B (6 dos quais na coberta), se armado de forma mixta pode levar por exemplo 17 F-35 B e 12 helicópteros do porte dos NH 90, se armado para transporte de tropas, pode levar 31 helicópteros do tipo NH 90, falta comprar os F-35. Tudo isso multiplicado por dois. Estão comprando 10 submarinos de umas 3.000 tn cada e novas fragatas anti submarino, além de outros navios para… Read more »

Dalton
Dalton
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Provavelmente o que você viu Kemen são desenhos mostrando a capacidade de “spotting” de aeronaves, basicamente capacidade de transporte, o que não corresponde a realidade de opera-las. . Até o presente momento a US Navy exercitou com um máximo de 13 F-35Bs a bordo do USS América, navio maior que o “Camberra” e sem doca para embarcações o que permite embarque de muito mais combustível, gerando significativas surtidas. . Teoricamente o “América” pode operar com até 20 F-35B mais os dois “obrigatórios” helicópteros MH-60S então um “Camberra” não poderá embarcar 31 ou mesmo 17 F-35B mais 12 helicópteros. . Durante… Read more »

Kemen
Kemen
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Se a China por algum motivo tivesse uma guerra maritima com a Australia num futuro próximo, mesmo sem o apoio direto norte americano, sabe que poderia até ganhar, mas teria grandes perdas.

Paulotd
Paulotd
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Esse mereceu o negativo. Austrália tem uma marinha super competente 6.subs diesel, 3 Destroyers e 8 fragatas, os Destroyers são praticamente um AB, as fragatas estão meia vida mais ainda são modernas. Mais 2 porta helicópteros, e tudo indica que eles vão comprar algumas FREMM, a mais submarinos.

Pode não ser uma força capaz de parar uma invasão Chinesa de dezenas de type 55 e type 54 + subs nucleares, mas pode ter certeza que se isso acontecer o Japão e a Nova Zelândia vão ajudá-los e aí tenho certeza que conseguem detonar os Chineses sem apoio da US Navy

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Já perdi meu tempo fazendo essa conta(de submarinos na região). A China é um tanto quanto incógnita, mas encontrei números aproximados de 60 submarinos convencionais e 19 nucleares(7 dos quais balísticos). Enquanto isso, a soma de Japão, Coreia do Sul e Austrália tem somados 44 submarinos. A SK opera os menores submarinos dessa “coalizão”, incluindo aí os type 214, enquanto Japas e aussies vem com subs bem mais encorpados, pesando +4000 toneladas e +3000 toneladas, respectivamente. Não são números iguais, contudo os três países operam tecnologias de ponta e, em geral, tidas por todo mundo como superiores. No mais, é… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
1 mês atrás

Interessante que quando as interações não são exclusivamente entre americanos e chineses, as mesmas são profissionais e bem conduzidas… Estranho @_@

Allan Lemos
Allan Lemos
1 mês atrás

Me pergunto o que os EUA estão esperando para criar uma versão da OTAN no Pacífico.Está claro que todo mundo ali tem um inimigo em comum,assim como os países europeus tinham um inimigo em comum.Era só criar uma aliança militar formal estabelecendo que um ataque contra um é um ataque contra todos e distribuir battlegroups pelos países da região.Duvido a China ter coragem de tentar alguma coisa contra qualquer um ali se isso fosse feito.

sub urbano
sub urbano
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Indonesia, Tailandia, Filipinas, Camboja, Laos e afins abririam mão de exportar suas commodities para o gigantesco mercado Chinês só para defender os interesses americanos no Pacífico? Duvido muito. “Quem quer rir, tem que fazer rir” O Japão que é o Japão exporta mais para a China que para União Européia. Ainda mais agora que o governo chinês está financiando a industria de maior valor agregado que, na prática, em valores, tem mais componentes japoneses que chineses. A intenção do governo é forçar o mercado chinês a competir nesse ramo,que é o dos cachorros grandes: Japão e Alemanha. Se vc compra… Read more »

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Você pode escolher entre não exportar mais pra China por garantir sua integridade física… Ou por ser anexado pela China/ficar sem saída pro mar.
Boa escolha!

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

E desde quando uma coisa eliminaria a outra?A Alemanha faz parte da OTAN e mesmo assim compra muito gás russo.Da mesma forma,a venda de mercadorias não está diretamente ligada à política de defesa dos países. Uma OTAN do Pacífico não significaria que os países integrantes teriam que deixar de vender suas mercadorias à China.Como eu disse,seria apenas um acordo formal estabelecendo claramente que um ataque contra um,é um ataque contra todos.A China poderia protestar diplomaticamente,o que faz parte do jogo geopolítico,mas não faria nada além disso.Não iriam boicotar os países integrantes pois são muitos e isso também acabaria os prejudicando… Read more »

sub urbano
sub urbano
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Vc é otimista mesmo, hein? E de onde vc tirou que a China é ameaça a soberia dos países asiáticos e os USA não? Quem fez mais intervenções militares na Asia nos ultimos 50 anos? O próprio Jimmy Carter disse outro dia: “gastamos bilhões de dólares em guerras nos ultimos 30 anos. A China gastou isso fazendo Trem Bala, infraestrutura e educação padrão coreano”. Esquece OTAN cara, foi criada no contexto da guerra fria, quando foi criada todo mundo esperava uma Guerra Nuclear iminente. Quem vai entrar em uma aventura dessas? Afirmo aqui pra vc: nem o Japão! Hoje a… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Como assim “de onde eu tirei”?Você não acompanha as notícias,amigo?A China há anos constrói ilhas artificiais dentro da ZEE de outros países,envia para lá suas frotas de pesqueiros,fazem exercícios militares e clama para si todo o Mar do Sul da China.Como que isso não é uma ameaça à soberania dos países vizinhos?Se você for chinês,talvez pense que a China não é uma ameaça,mas todos os países da região consideram,tanto que já levaram suas reclamações à Corte Internacional.Quanto ao EUA serem uma ameaça à soberania de alguém ali,ninguém nunca os viu reivindicando nenhum território na região. Outra coisa,você é muito ingênuo… Read more »

carlos mendes
1 mês atrás

Como os EUA devem se arrepender de não ter a base de SUBIC BAY que ficaria a minutos dessa região !

Luiz Floriano Alves
Reply to  carlos mendes
1 mês atrás

A China, com o cacife que tem pode levar essa situação por longo tempo. Os demais players da área gastarão verbas crescentes e se debilitarão economicamente, desistindo, por fim. deste teatro do Mar da China.. A paciência foi a maior arma da China ao recuperar seus territórios da Inglaterra (HK) e Portugal ( Macau).