sexta-feira, março 5, 2021

Saab Naval

China realiza mais uma rodada de exercícios navais em águas disputadas

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Em desenvolvimentos recentes no Mar da China Meridional, a China anunciou novos exercícios navais após supostamente buscar novo apoio diplomático de países da Associação de Nações do Sudeste Asiático em face de novos desafios às suas reivindicações territoriais

PEQUIM — Uma análise dos desenvolvimentos recentes no Mar da China Meridional, onde a China é confrontada com vizinhos menores em várias disputas territoriais por ilhas e recifes de coral. As águas são uma importante rota de navegação para o comércio global e são ricas em peixes e possíveis reservas de petróleo e gás.

CHINA MANTÉM NOVOS EXERCÍCIOS MILITARES

A China está realizando outra rodada de exercícios militares no Mar do Sul da China em meio a um aumento dessa atividade na área, destacando as tensões crescentes.

A Administração de Segurança Marítima disse que os exercícios serão executados de segunda a domingo (24 a 30 de agosto). Ela alertou os navios de fora para navegarem a 5 milhas náuticas (9,26 quilômetros) da área do exercício, mas não deu mais detalhes.

A China anunciou no final do mês passado que havia realizado exercícios no Mar da China Meridional envolvendo bombardeiros de longo alcance e outras aeronaves.

As forças chinesas também enfrentaram embarcações da Marinha dos EUA conduzindo “operações de liberdade de navegação” perto de ilhas controladas pela China, bem como forças da Austrália e países que desafiam a reivindicação da China sobre todo o canal estratégico.

CHINA PROCURA SUPORTE RENOVADO DA ASEAN

A China supostamente convocou diplomatas da Associação das Nações do Sudeste Asiático no mês passado para buscar seu apoio após um novo desafio diplomático dos EUA.

Não está claro se a reunião, relatada na segunda-feira pelo jornal South China Morning Post de Hong Kong, rendeu algum ganho imediato, já que as negociações entre a China e a ASEAN permanecem no limbo.

A reunião em Pequim foi convocada três semanas depois que os EUA rejeitaram quase todas as reivindicações do Mar da China Meridional de Pequim e, na verdade, tomaram partido das Filipinas, Vietnã, Malásia, Indonésia e Brunei em cada uma de suas disputas territoriais com Pequim. A China respondeu dizendo que os EUA estavam tentando semear a discórdia e se intrometendo em uma disputa asiática para flexionar seus músculos e incitar um confronto.

De acordo com a reportagem do jornal, durante a reunião em Pequim no início de agosto, um oficial chinês expressou preocupação com o risco de atividades militares por “países não regionais”, um termo que Pequim usa para se referir aos EUA, bem como a seus aliados Japão e Austrália.

A "linha de nove traços" que descreve as reivindicações chinesas no mar do sul da China
A “linha de nove traços” que descreve as reivindicações chinesas no mar do sul da China

FILIPINAS PROTESTA CONTRA APREENSÃO DE EQUIPAMENTOS

O governo filipino entrou com um protesto diplomático depois que as forças chinesas apreenderam equipamentos de pesca instalados pelos filipinos no disputado Scarborough Shoal (ver mapa abaixo).

A China ocupou o banco de areia após um impasse tenso no mar em 2012, e as Filipinas levaram suas disputas à arbitragem internacional no ano seguinte. O tribunal em 2016 invalidou as reivindicações da China em praticamente todo o Mar do Sul da China, mas Pequim continua a ignorar e desafiar a decisão.

O Departamento de Relações Exteriores em Manila disse em um comunicado na quinta-feira que as Filipinas “também se opuseram resolutamente” à China continuar a fazer ameaças pelo rádio a aeronaves filipinas que patrulham as águas disputadas.

Um porta-voz do governo chinês respondeu na sexta-feira que sua guarda costeira estava aplicando a lei em águas chinesas e que a aeronave filipina havia ferido a soberania da China e ameaçado sua segurança.

VIETNÃ PEDE À MALÁSIA PARA INVESTIGAR TIROTEIO

O Vietnã pediu à Malásia para investigar um navio da guarda costeira que disparou contra dois barcos pesqueiros vietnamitas, matando um pescador.

A Agência de Execução Marítima da Malásia disse que policiais atiraram em autodefesa depois que dois barcos vietnamitas entraram em águas da Malásia no final de 16 de agosto. Pescadores a bordo jogaram bombas de gasolina e tentaram abalroar seu navio. Um pescador vietnamita foi morto e 18 outros foram detidos, disse a agência.

O Ministério das Relações Exteriores do Vietnã pediu que a Malásia investigasse e “repreendesse os oficiais que mataram o cidadão vietnamita e tratasse outros pescadores vietnamitas e suas propriedades de maneira humana”.

GRUPO DE ATAQUE DA MARINHA DOS EUA RETORNA AO MAR DO SUL DA CHINA

A Marinha dos EUA diz que o porta-aviões Ronald Reagan e seu grupo de ataque entraram no Mar da China Meridional no início deste mês e estão realizando operações aéreas.

A China costuma se opor à atividade naval dos EUA no mar, especialmente quando mais de um grupo de ataque está presente, como aconteceu no início deste ano, e quando eles envolvem operações com marinhas de outros países.

O grupo de ataque inclui o porta-aviões, sua aLa aérea, o cruzador de mísseis guiados USS Antietam e os destróieres USS Mustin e USS Rafael Peralta.

A força “conduziu operações de vOo com aeronaves de asa fixa e rotativa e operações e exercícios de estabilidade marítima de ponta”, disse seu comandante em um comunicado à imprensa.

“As operações no Mar da China Meridional continuam a demonstrar o compromisso duradouro dos EUA com aliados e parceiros e uma abordagem cooperativa para a estabilidade regional e a liberdade dos mares”, disse o comunicado.

FONTE: ABC News

- Advertisement -

27 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jagdverband#44

Esse PCC é um cara de pau mesmo.
Só meu sobrinho de 12 anos acredita que a China faz tais movimentos para “proteger rotas comerciais”. Ora bolas, os clientes continuam existindo, todos querem produtos chineses baratos (às custas do trabalho semi-escravo de milhões). Portanto as rotas continuarão abertas.

Jagdverband#44

Se quer garantir as rotas, por que não estenter mar territorial até o porto de Hamburgo, San Francisco ou NY?

Antoniokings

Fique calmo.
Aquela região é da China.
Afinal é o Mar do Sul da China.
Não é o Mar do Oeste das Filipinas ou do Leste do Vietnã.
a china só está assegurando que todos tenham livre acesso à região sem problemas de interferência de países que nem pertencem ao Continente.
Entende?

Falken666

Até parece, os barcos pesqueiros de outros países em suas ZEE atacados pela marinha (ou guarda costeira) chinesa que o digam. Livre acesso, sei. Que comentário patético esse. Realmente. Se pensar assim o Mediterrâneo seria todo da Itália (mare nostrum). Eu não sei se é cinismo ou burrice mesmo.

Jagdverband#44

Então filho, pelo teu raciocínio básico (6 ano primário), o Golfo Pérsico é do Irã, o Golfo do México inteiro é do México e o Mar Arábico é da Arábia Saudita?
Faça-me o favor.
Tu não duraria 2 dias vivendo num país como a China, Irã ou Coréia do Norte. Aliás, acho que nem em Cuba ou na Venefavela.

Jacinto

Se for assim está bom para a Índia, que vai ter um oceano inteiro para ela!

Antoniokings

Que a Índia vá lá e tome posse.
Se puder!

Jacinto

Como chama quem toma a posse do que e dos outros?

Antoniokings

O problema é que Irã, México e Arábia Saudita não têm o poder que a China tem para reivindicar esses espaços.
E ainda, os EUA não têm nada que estar lá a milhares de km de distância de seu território.
Vão se queimar.

Jacinto

Se a China tivesse tanto poder assim Taiwan deixaria de ser uma “província rebelde”…

PACRF

Concordo que as rotas continuarão abertas. Afinal, o que não falta na China são filiais de empresas norte-americanas e japonesas, dentre outras nacionalidades, em busca de trabalho “semi-escravo” para produzir mais barato.

Jagdverband#44

Não importa de quem seja a empresa. O que importa é que ela está na China.

Rogerio

Semi escravo aonde?? Só for aqui no Brasil.

Jagdverband#44

Rogério, já prestei serviço técnico para uma indústria metalúrgica chinesa. O normal, entre os trabalhadores, é visitar a família 2 vezes ao ano, nos feriados. O turno de trabalho era 12 horas, entre outras coisas. Considero isso semi-escravidão.
Porém tu tens razão em falar de tais condições no Brasil.
De qualquer maneira, um erro justifica o outro?

Kemen

Engraçado, consta no mapa que o nosso IDH é quase igual ao da China que tem quase 1,5 bilhão de habitantes?

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_Human_Development_Index

DOUGLAS TARGINO

Nada que 4 tamandaré não resolva (kkk)

Rogério Loureiro Dhierio

“A China respondeu dizendo que os EUA estavam tentando semear a discórdia e se intrometendo em uma disputa asiática para flexionar seus músculos e incitar um confronto”.

Sei que não são assim que as coisas acontecem más não dá vontade de vc sendo o presidente dos EUA dizer o seguinte:

“Isso mesmo. Estamos incitando o confronto. Vão vir pro pau ou não?. E aí? Vamo lá P#@#$…. Vcs não são os chinas todos fo$##$????. Tamo chamando pra pau. Vai dentro.”…..

Kkkkkkkkk

Falken666

Eles (os chineses) correriam, tem muito a perder e pouco a ganhar. Sabe aquele cara fanfarrão, mas que na hora do vamos ver diz que as coisas não são bem assim? O que fazem bem é ameaçar os pequenos mesmo, já vimos este filme.

Fabio Araujo

Tem muita gente de olho nesse pedaço de mar e fica até complicado chegar a uma solução e se continuar nessas provocações como no caso da guarda costeira da Malásia e pescadores do Vietnã pode terminar tendo guerra. E o pior é que ninguém quer ceder nem um pedacinho e mar!

Jota

Todos querem mais terra. A china tem força e pega o pedaço maior. Se a força estivasse com Taiwan ou a Filipinas, seriam elas que mostrariam poder.

Jacinto

Mas se é a China quem tem força, porque ela não retoma a província rebelde, que e como eles qualificam Taiwan?

Jota

A resposta é óbvia. Mas tudo bem, respondo.
A China tem poder, mas não tem todo o poder. Imagine se fosse o EUA ou se ela tivesse o poder dos EUA ou até mais. Aquela ilha já teria caído. Cada um busca seus interesses. Olhe o mapa, outros países querem terras disputadas. Quem não tem poder só faz reclamar.

Jacinto

Eu te recomendo ler Tucídides, especialmente o trecho que é conhecido como diálogo de Melos e te convido a refletir mais profundamente sobre como o que ocorreu em Melos influenciou o resultado da Guerra do Peloponeso para Atenas.

Jacinto

Se um chinês construir uma churrasqueira na Ilha de Paquetá é provável que eles digam que a Baia de Guanabara é mar territorial chinês…

Kemen

Ainda bem que os paises menores da região tem como aliado os Estados Unidos que não vai dar moleza em reivindicações discutiveis.
As melhores soluções seriam.

  • Votação em cada ilha.
  • Análise da origem da população.
Last edited 6 meses atrás by Kemen
Pablo Maroka

Socorro EUA, venha nos salvar!

Jota

Chamar o país que tomou metade do México no século 19???

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Doutrina de engajamento da US Navy contra submarinos inimigos

A doutrina de Guerra Antissubmarino (ASW) da US Navy (Marinha dos EUA) prioriza a destruição dos submarinos de um...
- Advertisement -
- Advertisement -