Home Aviação Naval Marinha dos EUA desenvolve discretamente caça de próxima geração

Marinha dos EUA desenvolve discretamente caça de próxima geração

6452
57

Por Mallory Shelbourne – USNI News

Depois de quase uma década de trancos e barrancos, a Marinha dos EUA iniciou silenciosamente o trabalho para desenvolver seu primeiro caça baseado em porta-aviões em quase 20 anos, criando um novo escritório de programa e mantendo discussões iniciais com a indústria, soube o USNI News.

O esforço multibilionário para substituir o F/A-18E/F Super Hornet e o EA-18G Growler de ataque eletrônico começando na década de 2030 está dando os primeiros passos para desenvolver rapidamente um novo caça tripulado para estender o alcance da ala aérea do porta-aviões e trazer nova relevância para a frota de porta-aviões movidos a energia nuclear da Marinha.

O chefe de aquisições da Marinha dos EUA, James Geurts, disse a repórteres em meados de agosto que a Força criou um escritório de programas para a iniciativa Next Generation Air Dominance (NGAD).

“Estamos trabalhando para delinear esse programa e a abordagem de aquisição e tudo isso enquanto conversamos”, disse Geurts.

A recente criação do escritório do programa NGAD pelo Naval Air Systems Command (NAVAIR) ocorre no momento em que o Pentágono enfrenta um ambiente de orçamento restrito enquanto tenta se ajustar a uma nova estratégia de defesa focada no combate às ameaças russas e chinesas no teatro Indo-Pacífico.

Conceito do F/A-XX

Um novo caça tripulado

O serviço provavelmente está se movendo em direção à busca de um caça tripulado que incluiria muitas das capacidades do F-35C Lighting II Joint Strike Fighter, mas com tecnologia atualizada e alcance expandido, disse Bryan Clark, um analista naval e membro sênior da Hudson Institute, ao USNI News na semana passada.

“A ideia seria que você levasse esses mesmos recursos adiante e os fizesse em uma arquitetura projetada em torno de um modelo do século 21. Assim, você obteria fusão e integração mais perfeitas de todas essas entradas de sensor e melhores maneiras de interagir com o piloto e mais incorporação de operações autônomas”, disse Clark. “Então, ainda mais do que com o F-35, você acabaria com uma aeronave em que o piloto está realmente operando um computador que está pilotando o avião e operando seus sistemas, mais do que hoje.”

A Marinha planeja buscar um design totalmente novo, em vez de um design derivado de aeronaves já na linha de produção, para o caça de sexta geração, apesar do serviço receber sugestões para combinar os designs do F-35 da Lockheed Martin e F/A-18 da Boeing com tecnologia moderna para as aeronaves do futuro, disse Clark.

“Acho que não é uma boa ideia porque será inerentemente mais caro do que simplesmente um design derivado em um ambiente onde a Marinha não terá o tipo de flexibilidade de orçamento que teve no passado recente”, disse Clark.

Em comparação com o raio de combate de 700 milhas náuticas do F-35, Clark disse que sua “impressão” é que a Marinha espera construir um novo caça com um raio de mais de 1.000 milhas náuticas.

Slides de uma apresentação da Boeing de 2010 sobre os possíveis requisitos do futuro caça naval da Marinha dos EUA

Cronograma acelerado

Embora o objetivo da Força para colocar em campo a nova aeronave de caça é a década de 2030, quando os Super Hornets começariam a chegar ao fim de sua vida útil, a Marinha tentará acelerar esse cronograma porque os Super Hornets provavelmente atingirão seu limite máximo de horas de voo antes do previsto, de acordo com Clark.

A combinação de desejos de aceleração do programa e um novo design pode ser difícil para a Marinha em um momento em que o Pentágono está se preparando para orçamentos estagnados ou em declínio.

“A Marinha está tentando acelerar o cronograma para chegar ao NGAD para que possam começar a colocar em campo o novo avião para substituir os Super Hornets, e também quer um novo design que incorpore o que provavelmente terá que ser um novo motor,  aumentando o risco de tecnologia. E, ao mesmo tempo, vai pedir um cronograma acelerado que aumente o risco do cronograma em um ambiente onde não tem dinheiro adicional para cobrir isso”, disse Clark.

Conceito do F/A-XX
Conceito do F/A-XX

“Normalmente, se você aumenta o nível de sofisticação tecnológica ou quer acelerar o programa, você paga mais por isso, certo, então você apenas joga mais dinheiro no problema”, continuou ele. “Eles não têm mais dinheiro para jogar no problema, então você está criando desafios em todas as três dimensões de um novo programa: custo, cronograma e desempenho.”

Oficiais do Pentágono e da Marinha mencionaram repetidamente as restrições orçamentárias iminentes ao discutir programas e gastos no ano passado. Além dessas preocupações, a Marinha em sua apresentação de orçamento para o ano fiscal de 2021 procurou reduzir o programa Super Hornet e tornar o ano fiscal de 2021 o último ano em que o serviço compraria a aeronave, ao final do atual contrato plurianual em vigor com o fabricante Boeing. Na época, a Marinha disse que economizaria US$ 4,5 bilhões em seu plano de orçamento de cinco anos e aplicaria os fundos ao esforço do NGAD.

Embora a Marinha não tenha vinculado nenhuma avaliação de custo à iniciativa NGAD, um relatório de janeiro de 2020 do Escritório de Orçamento do Congresso estimou que o serviço poderia gastar cerca de US$ 67 bilhões para substituir a frota F/A-18E/F de 2032 a 2050 e US$ 22 bilhões para substituir os Growlers.

“Essa estimativa não inclui o custo potencialmente substancial para colocar em campo novos pods jammer ou atualizar os existentes que podem ser transportados por uma futura aeronave de ataque eletrônico”, diz o relatório. “Por exemplo, a Marinha atualmente estima que 128 pods de Jammer de última geração que planeja comprar para o EA-18G custarão cerca de US$ 4 bilhões.”

Conceito do F/A-XX
Conceito do F/A-XX

Novo Escritório do Programa

Depois que a Marinha finalizou uma análise de alternativas para o NGAD em julho de 2019, o escritório de Avaliação de Custos e Programas (CAPE) do secretário de defesa emitiu a “suficiência” do AOA em setembro de 2019, disse Connie Hempel, porta-voz da NAVAIR, ao USNI News.

Para dar início à iniciativa NGAD, a Marinha formalmente levantou o escritório do programa Next Generation Air Dominance, que a Força está chamando de PMA-230, em maio e contratou o Capitão Al Mousseau para servir como gerente do programa. Mousseau iniciou oficialmente o trabalho em maio, após atuar anteriormente como gerente de programa do Escritório de Integração de Missão e Programas Especiais, também conhecido como PMA-298.

A Marinha já começou a convocar dias da indústria para o NGAD, de acordo com uma fonte familiarizada com o processo em andamento. Boeing, Lockheed Martin e Northrop Grumman são os três prováveis ​​competidores do caça tripulado, entende o USNI News.

Questionado sobre quando a Marinha planeja emitir um pedido de informações, Hempel disse que o serviço está trabalhando em documentos subjacentes que informarão as etapas e prazos futuros para o programa.

A Marinha forneceu poucos detalhes nos últimos anos sobre como pode ser o sucessor dos Super Hornets e Growlers, mas o serviço em 2016 começou a prever planos para buscar uma abordagem de família de sistemas, agora conhecida como NGAD, em vez de comprar uma aeronave de caça, iniciativa conhecida como F/A-XX.

A abordagem da família de sistemas poderia ver a Marinha seguindo um caminho semelhante às concepções NGAD da Força Aérea, de acordo com Clark, em que a Marinha compra um caça tripulado e usa diferentes sistemas não tripulados para complementar a missão.

“Eles poderiam dizer, ‘bem, talvez recuemos em alguns dos requisitos quando se trata de carga útil de armas, e talvez furtividade ou algo assim, mas assim mantemos a velocidade. Nós mantemos o alcance. Nós mantemos a sofisticação do C4ISR, mas aliviamos alguns dos requisitos em termos de quanto ele carrega e talvez quão penetrante pode ser em qualquer espaço aéreo’”, disse Clark. “E nós os transferimos para sistemas não tripulados, então há esta família de sistemas agora que em vez de ter cinco F-35s para fazer alguma missão, você enviaria dois desses novos aviões com alguns sistemas não tripulados para fazer a mesma missão.”

Como o novo caça tripulado exigiria capacidades furtivas, velocidade e alcance, carregar equipamentos pesados ​​como mísseis poderia recair nas plataformas não tripuladas dentro da família de sistemas.

O Almirante Chefe de Operações Navais Michael Gilday disse em um fórum em Washington DC no final do ano passado, que o futuro caça da aviação da Marinha poderia incluir uma combinação de sistemas tripulados e não tripulados, mas admitiu que ainda não sabia que tipo de plataforma seria usada ​​para lançar a aeronave, deixando em aberto a possibilidade de que pudessem operar a partir de algo diferente dos atuais porta-aviões movidos a energia nuclear.

Apesar da Marinha esboçar um plano para sua nova aeronave de caça, Clark argumentou que a Força ainda precisa lidar com a capacidade do adversário de usar mísseis de longo alcance de baixo custo para atacar porta-aviões.

“A ideia de continuar a construir novas aeronaves tripuladas com alcance mais longo para tentar superar a capacidade de uma China ou mesmo de um Irã ou mesmo da Rússia de disparar mísseis de longo alcance contra o porta-aviões, é uma espécie de jogo perdido porque os mísseis são baratos”, disse ele. “Os aviões são caros. Então você está em uma situação ruim de troca de custos.”

Combinar o caça tripulado com sistemas não tripulados pode ajudar a Força a enfrentar esse problema.

“Essa pode ser uma maneira de contornar o problema de troca de custos, em que talvez o avião não precise voar tão longe”, disse Clark.

“Você sabe, o avião pode ir a mil milhas, e não importa se o inimigo tem um míssil balístico antinavio de 3.200 milhas, porque seu avião tripulado não vai voar essa distância toda. Ele vai parar a mil milhas e então esses sistemas não tripulados seguirão para o resto do caminho.”

FONTE: USNI News

Subscribe
Notify of
guest
57 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Esse “negócio” já deve estar voando. Daqui a 5 anos veremos o “protótipo”.

Tomcat4,2
Reply to  Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Penso a mesma coisa , o F-117 que o diga, já voava 10 anos antes de ser exposto no Golfo.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Nenhuma novidade, aviação seja ela civil ou militar e que nem qualquer outra indústria.
Você lança um produto no mercado e já esta desenvolvendo um novo.

Last edited 2 meses atrás by Cristiano de Aquino Campos
cwb
cwb
2 meses atrás

a volta do chance vought cutlass e do douglas skyray sem lemes em corpo sthealth

Luiz Paulo
Luiz Paulo
2 meses atrás

Esforço invejável. Sempre a frente. Eles não dormem.

Choro livre Kings….

Daqui a pouco ele vem dizer que a China já está desenvolvendo o J30 e a Russia o S700 que vão detectar e destruir esse caça à 2000km….

Last edited 2 meses atrás by Luiz Paulo
Dario
Dario
Reply to  Luiz Paulo
2 meses atrás

Quando o cara quer se enganar, a mulher dele coloca o amante no sofá da sala e ele jura que é o técnico da NET.

João Rodrigues Dos Santos
Reply to  Luiz Paulo
2 meses atrás

KKKKKKKK rsrsrs kkkkk

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Luiz Paulo
2 meses atrás

Não duvido que estejam. Ninguem e burro ao ponto de desenvolver algo e não fazer mais nada de novo por décadas.
Quer dizer, tirando nós e claro.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
2 meses atrás

A USNavy está tão descontente assim com o F-35?

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Será que o F-35C “Sea-Aadvark” ‘pousou” no telhado?

Teropode
Reply to  Ricardo da Silva
2 meses atrás

Das versões o C é o patinho feio , a Marinha foi entubada com ele , fizeram o mesmo com o F4 , F111 , a natureza das operações da USnavy requer um vetor especialista , deveriam cancelar a aquisição do F35c , não terá relevância na força .

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  Teropode
2 meses atrás

O F-4 é cria da USN, já o F-111B sté poderia ter servido como substituto do A-6 se não fosse tão caro.
Costumo dizer que o JSF é um ótimo conceito, o problema é em vez de ser “1 caça para 3 forças” se tornou “3 caças apenas parecidos”.
Talvez se usassem a experiência do F-4 poderiam ter um caça completamente diferente e com muito menos problemas.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Teropode
2 meses atrás

O que diz no texto, é que vai substituir o F18

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Teropode
2 meses atrás

Nada haver, eles usaram e ainda usam várias aeronaves de geração anterior. Mesmo fazendo o mesmo tipo de missão.
Todas as forças aéreas de porte grande fazem isso.

Maurício Veiga
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Se esse fosse o problema “Conformal Fuel Tanks” seriam a solução, o F-35 ficou abaixo das espectativas desde o princípio, quando começa errado acaba errado!!!

Washington Menezes
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Alexandre, o lance do alcance é só a desculpa ofício, pra não ficar feio.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

O grande problema dos aviões furtivos. A única linha de projeto que sana isso e a asa voadora. Não e cópia e solução viável universal.
Por isso, Russos e Chineses estão seguindo a linha do B-2 que seguiu o alemão Horten Ho 229 de 1945.

Wellington SM
Wellington SM
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Na minha humilde opinião, o F/A -XX deve ser maior que o F35, e mais pesado, devido o tanque de combustivel.
Em um porta aviões?
Acredito que seja a furtividade e novas tecnologias também.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Willber Rodrigues
2 meses atrás

Não tem nada disso. Todas as forças armadas de primeiro nível sempre estão investindo e pesquisando novas tecnologias e novos vetores. Os F-35 C estão substituindo os Hornets. Os F-35 B estão substituindo os Harrier. Os Super Hornets e Growlers vão operar ao lado dos F-35 por vários anos. Mas os SH e Growlers precisarão ser substituídos à partir de 2030. Pra que adquirir mais unidades do F-35 entre 2030 e 2040 se a tecnologia não para de evoluir? E sim, o Galante tem razão, eles querem um caça com um raio de ação maior. Mas não é só isso.… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Contente que tocou nesse ponto por mim, Luís Henrique. Está fácil hoje.^^

rommelqe
Reply to  Willber Rodrigues
2 meses atrás

Acho que é pior ainda do que simplesmente o alcance….por exemplo, a capacidade de carga bélica, a quantidade de homens-hora para repor em combate, etc…

Denis
Denis
Reply to  Willber Rodrigues
2 meses atrás

Isso só mostra aquilo que os fanboys insistem em negar: o F-35 é praticamente um fiasco. Não correspondeu às expectativas de ninguém.

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
2 meses atrás

Não e por nada não, más enquanto o mundo brinca de jogos militares, vem os EUA e mostra quem manda no playground.

Enquanto uns estão iniciando os caras mostram que estão no mínimo 10 passos a frente.

Sequim
Sequim
Reply to  Rogério Loureiro Dhierio
2 meses atrás

Até pode ser. Mas também tem o gigantesco lobby do complexo industrial-militar que necessita estar sempre desenvolvendo novos armamentos para justificar os trilhões de dólares gastos todos os anos.

Nadison Paz
Reply to  Sequim
2 meses atrás

Isso também movimenta a economia do pais, não é atoa que eles investem tanto no setor.
a construção de um porta aviões, dura cerca de 5 a 7 anos, quantos empregos não tem ali gerado diretamente e indireto ?
e os caras busca sempre esta há frente

Sequim
Sequim
Reply to  Nadison Paz
2 meses atrás

Tá. Mas quando chega na hora de enfrentar uma pandemia , falta dinheiro. A ponto dos EUA serem o país mais atingido pela pandemia. Mas esse não é o meu ponto. O que quero dizer é que é muita ingenuidade achar que todo esse dinheiro é gasto apenas para garantir a superioridade militar americana. Se reduzissem à metade o orçamento militar, os EUA ainda seriam osso duro de roer. Essa gordura existente nos gastos com armas também serve para manter os enormes lucros dos fabricantes, que são dependentes dos dólares do Tio Sam.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Reply to  Sequim
2 meses atrás

Os EUA é o país mais atingido pela pandemia não por falta de dinheiro para a saúde, mas porque é um país com tradição libertária, não há leis que obriguem os cidadãos a ficarem em casa e, quando há, no máximo são estaduais. A dinâmica da sociedade deles é que levou à situação, é parecida com a do Brasil, porque aqui, até existem leis que proíbam o cidadão de sair de casa ou o obrigue a tomar medidas de segurança, mas elas não são cumpridas e existe sempre um movimento (até liderado pelo presidente) no sentido de relativizar a doença.Não… Read more »

Tomcat4,2
Reply to  Sequim
2 meses atrás

Trilhões q sempre se revertem na primazia militar norte americana.

Teropode
Reply to  Sequim
2 meses atrás

Na Rússia e China é diferente ?

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Reply to  Sequim
2 meses atrás

O complexo industrial-militar dos EUA é como as empreiteiras no Brasil, dependem do Estado, e quando o Estado por alguma razão deixa de contratá-las, o PIB começa a cair. Uma das razões pela quais a economia do Brasil não decola e não sai do 1% de crescimento ao ano (quando consegue) é justamente a violenta retração de obras públicas por decorrência da corrupção generalizada dos últimos 15 anos. Se houvesse algo parecido com a industrias bélicas americanas, porque corrupção é certeza que há, mas não nos níveis estratosféricos do Brasil, os EUA também sofreriam uma estagnação do crescimento econômico.

Emmanuel
Emmanuel
2 meses atrás

Kings pira.

Tutu
2 meses atrás

F/A-XX Tomcat II

Last edited 2 meses atrás by Tutu
Tomcat4,2
Reply to  Tutu
2 meses atrás

Se receber este nome OH MY Goooooooood !!!!!!!

Teropode
Reply to  Tutu
2 meses atrás

Hellcat 2 , uma homenagem a um guerreiro da segunda guerra .

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Mas isso é o correto, você coloca um tipo de caça em produção já tem que começar a pensar nos caças que vão começar a substituí-los alguns anos a frente, até porque o desenvolvimento para ser bem feito não pode ser feito com pressa.

Tomcat4,2
2 meses atrás

Se ficar como este conceito das fotos ,vixe ,pode até receber, como mencionado acima , o nome de F-xx Tomcat II !!!

bit_lascado
bit_lascado
Reply to  Tomcat4,2
2 meses atrás

Aí o Tom Cruise leva mais 20 anos pra filmar Top Gun III – Ases Aposentados

Luís Henrique
Luís Henrique
2 meses atrás

Essa campanha internacional para “bater” no F-35 é muita chata.

O Rafale é ruim? O Eurofighter é ruim?
Claro que não. E Inglaterra, França, Alemanha, Itália estao desenvolvendo aeronaves de nova geração.

A indústria não para, as tecnologias evoluem e as forcas aéreas, marinhas e exércitos mais poderosos do mundo continuam evoluindo e adquirindo novos vetores e novas tecnologias para estarem à frente ou no mesmo nível dos inimigos.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Sensato.

Rodrigo Maçolla
2 meses atrás

F-14 Tomcat Next Generation , só que em vez de míssil Aim 54 phoenix, vai ser um lançador de Drones escravos e ou sistemas não tripulados

JuggerBR
JuggerBR
2 meses atrás

Se há um país com dinheiro e tecnologia pra fazer esse projeto, são os EUA. As imagens mostram um desenho bem limpo, sem quinas de ângulos retos, bonito se for assim. Tomcat II ficaria bem legal.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
2 meses atrás

Tão discreta e silenciosamente que já chegou na manchete da mídia especializada… Só rindo dessas infantilidades, mesmo. E tem outras no texto que dá até preguiça de abordar. Segue o bote pelos próximos dez anos com perna curta; se a América e o mundo ainda existirem, depois a gente vê o que restou disso, se veio o aviaozinhum milagroso ou a santa família de sistemas…

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 meses atrás

Você está a ser negativado, mas para variar, sem razão. Eu já leio sobre esse programa pelos menos a um par de anos ou mais, não o considero discreto muito menos novidade. Por fim, ah ai malta a considerar isto um golpe ao F35, mas notem que a integração do(s) novo(s) vector(es) está prevista para algures entre 2030 e 2050,presumo eu que parcelada. Falamos portanto de muito ano ainda de serviço para o F35 e um bom tempo para os caças ainda de 4ª geração. Não me é de todo inédito. Tenho dito inclusive que o F35 terá que que… Read more »

Dalton
Dalton
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 meses atrás

Pura semântica Alex…o “discreta” e “silenciosamente” vem do fato que “todos” estão concentrados no F-35 sendo que o modelo “C” ainda precisa estrear a bordo de um NAe em uma missão o que será feito apenas ano que vem, mesmo assim já iniciou-se ainda que de forma incipiente os estudos para substituir o
Super Hornet Block III, aliás, este também precisa estrear.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
2 meses atrás

Prefiro o FCAS, esse trambolho americano deve ser um Cruze ou Focus voador da vida.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

Provavelmente virá aí,mais um sugador de dólares do contribuinte americano…

Resta saber quem será o vencedor :Boeing, Lockheed Martin ou Northrop Grumman?!

Jefferson Ferreira
Jefferson Ferreira
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

São projetos totalmente diferentes, um é “genérico” o outro é “especializado” para uma força, nem tem comparação!

Andre
Andre
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

E mesmo com todos esses dólares do contribuinte sugados pelos militares, são o 6° melhor IDH. E graças a esse forte investimento em pesquisa e tecnológica, eles são os lideres nesses quesitos.

Enquanto seu primeiro avião furtivo lançou sua primeira bomba há mais de 30 anos, nenhum outro país fez o mesmo, com a russia nem tendo um avião furtivo operacional.

Provavelmente acontecerá o mesmo com a 6° geração, com os EUA tendo seu avião operacional décadas antes dos outros países.

Pablo Maroka
Pablo Maroka
2 meses atrás

O futuro chegando! apenas isso!

Sérgio Luis
2 meses atrás

Vamos nos por no lugar da navy!!
Esse F-35 é:
Monomotor o que implica em limitações na velocidade, carga útil e o pior de tudo ñ é um interceptador nato!
Outra coisa ninguém é obrigado a ficar com o que ñ gostou!
Tem que mandar fazer outro mesmo!!

Sergio
Sergio
2 meses atrás

A torneira está aberta !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Denis
Denis
2 meses atrás

Editores, seria interessante abrir a discussão também no Poder Aéreo. Há detalhes a serem discutidos que fogem ao escopo da turma do Naval.

Last edited 2 meses atrás by Denis
Diego
Diego
2 meses atrás

A economia americana é invejável, por mais que a China tente, seus produtos militares não serão melhores, por um motivo, concorrência. A estatal deles não tem concorrência, a forja de aviões americana tem 3 grandes empresas concorrendo entre si, isso estimula a melhora do produto.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
2 meses atrás

Uma das funções do Pentágono é pesquisar novos armamentos. Outra é pesquisar os requisitos dos armamentos do futuro e dar início aos projetos para construí-los e torná-los operacionais.

Sempre foi assim! O F-16 estava na prancheta de projetos 10 anos antes de ser revelado seu design inovador. O F-117, mesma coisa. O F-22, idem… é um processo contínuo.

E claro que isso foi copiado pela Rússia e pela China, eles também já estão pensando nos armamentos do futuro.

Luiz Floriano Alves
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
2 meses atrás

Cada noiva geração de caças se destaca tanto que remetem as gerações anteriores direto para o museu ou ao deserto das sucatas. Ir a combate com equipamento defasado é estar derrotado antes do inicio da luta.

Marcelo M
Marcelo M
2 meses atrás

Dúvida: o desenho indica que o design tailless representariam uma autonomia significativamente maior. Alguém sabe dizer o motivo disso?