quarta-feira, março 3, 2021

Saab Naval

Marinha do Brasil resgata tripulante enfermo em navio mercante

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A Marinha realizou, em 1º de setembro, o resgate de um tripulante do Navio Mercante (NM) “Azur”, de bandeira das Ilhas Marshall.

O NM “Azur” fez contato com o SALVAMAR Brasil, em 31 de agosto, solicitando a evacuação médica de um dos seus tripulantes, por conta de um ferimento na cabeça.

Quando o navio entrou no raio de ação adequado, a cerca de 150 milhas náuticas a sudoeste do Farol do Cabo Frio (RJ), um helicóptero UH-15 pertencente ao 2° Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral decolou da Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia (RJ), com a tripulação e o G-SAR (um médico e dois resgatistas), a fim de realizar uma evacuação aeromédica (EVAM) do tripulante.

A Aeronave de Serviço da Esquadra transportou o tripulante enfermo para o Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro (RJ), a fim de que fosse direcionado a uma unidade hospitalar.

Em virtude da pandemia do novo coronavírus, foram adotados os protocolos estabelecidos pela Diretoria de Saúde da Marinha para missões de busca e salvamento, com o uso de EPI pelos militares envolvidos diretamente no resgate.

FONTE: Marinha do Brasil

- Advertisement -

34 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Roberto Bozzo

Vendo a foto me veio a mente a questão, já solucionaram todos os problemas da mgb dos H-225 ? Não vi mais reportagens a respeito.

Camargoer

Olá Bozzo. Será que a MB empregaria um helicoptero em uma missão sobre o mar se ele oferecesse risco?

Paulo

Prezado,

Pra não parecer mal educado ou antipático ou grosseiro, caso não queira responder, um sim ou não bastaria ao outro colega. O que falta aqui é civilidade e respeito a opinião contrária. Nem todos são ex-militares, militares na ativa ou experts em assuntos das forças armadas. Vamos começar uma campanha “Educação em primeiro lugar”

Camargoer

Caro Paulo. Eu prezo muito pelo respeito e educação. Fiz uma pergunta simples ao Bozzo, que conheço há anos. Ele sabe que não há ironia em minha pergunta. Nas poucas vezes que fiz um comentário que pareceu ofensivo, pedi desculpas. Se foi o caso, peço desculpas á ele.

Roberto Bozzo

Paulo, agradeço muito a intervenção mas não me senti agredido pelo comentário do Camargoer; tem muitos debatedores aqui que são, realmente, mal educados mas o Camargoer não é um deles.

Roberto Bozzo

Camargoer, fiz a pergunta pois nunca li sobre a solução dos problemas apresentados pela aeronave, mas já explicaram mais abaixo.
Como falei ao MMerlin, ainda tinha em mente que este Heli tinha restrições de uso e que necessitava de manutenção a cada curto período de uso. Período este que não influenciaria no resgate relatado da matéria.

Last edited 5 meses atrás by Roberto Bozzo
Camargoer

Ola Bozzo. Eu também fiquei com está dúvida se a MB operária o HU15 em uma missão restrita, por isso minha pergunta para você. Obrigado pelo carinho das palavras. A estima e admiração e mútua.

Doug385

Acredito que a Airbus até tenha resolvido o problema, mas o fato é que o aparelho ficou muito queimado no mercado. É uma marca que ficou e não se apaga mais. A despeito dos defeitos, é sim uma boa aeronave com uma capacidade de carga respeitável e um bom alcance, embora o custo tenha sido por demais elevado.
Resumindo: a aeronave é boa, mas foi um mal negócio.

MMerlin

Doug. Lembro de a uns dois anos atrás ter feito uma analise em um estudo referente a expansão do contrato entre as FA, Helibras e Airbus. Não lembro de todos os detalhes, mas problemas de logística, manutenção e disponibilidade tinham sido todos resolvidos. A questão do ToT tinha sido bem avaliada e classificada como satisfatória. No fim do documento, veio a surpresa. Seria bem vinda, para todos os envolvidos, a renovação e expansão do ToT, para que fosse possível o desenvolvimento de uma nova categoria com alto grau de produção nacional. O link cheguei a postar aqui. Infelizmente, não vi… Read more »

Roberto Bozzo

MMerlin, poderia disponibilizar o link novamente ? Penso que se todos os defeitos foram resolvidos, um novo lote de helis seriam bem vindos pois o EB precisa substituir seus BH e os Cougar mais antigos (até mesmo podendo iniciar a substituição dos Panteras); a MB precisa de mais helis de transporte e SAR (a FAB não sei se tem planos de expansão das asas rotativas). Com maior participação da indústria nacional neste novo lote, ou até mesmo uma “nacionalização” de todas as partes e peças possíveis, seria um grande avanço. Eu li que está previsto no orçamento de 2021 um… Read more »

Cristiano de Aquino Campos

A má fama só pegou no Brasil poisbo helicoptero e mais vendido que o mais avançado e novinho em folha, NH-90. Quanto a ter sido um mal negôcio devido ao preço elevado, o felizmente tem duas questões a se avaliár: 1- Tirando os gripen com ressalvas, só fazemos mal negôcio. Mesmo as compras de prateleira são mais caras. 2- Queriamos fabricar/montar aqui no Brasil com repasse de técnologia não essencial criando empregos no país e só que se dispôs a fazer isso aqui, foi a Eurocopter e os Russos da MIL MIL. Como Russo no Brasil só na marra, optamos… Read more »

Flanker

Meu caro, o colega Bille colocou de forma muito clara a situação das MGB dessas aeronaves. A situação teve uma solução paliativa por parte da Airbus. E cobrou do cliente, ou seja, do MD! Solução definitiva? Ainda não há….e talvez não terá! Mas, os custos da solução paliativa foram cobrados e os custos de manutenção e operação, que já não eram baratos, ficaram maiores ainda.

MMerlin

A última atualização que li sobre o problema tinha sido em meados de 2016. Para evitar os problemas de fadiga era necessário avaliar as instalações das barras de suspensão (se estavam de acordo com instruções do fabricante) e efetuar exames nos MCDs. Se não me engano até filtros de óleo estava na jogada.
Se a história terminou assim o problema deve ter sido na manutenção.

Roberto Bozzo

MMerlin, que eu lembrava havia a recomendação de utilização da aeronave com manutenção a cada 10 hrs de uso, se não me engano. Por não ter visto mais notícias sobre o problema, e suas soluções, fiz a pergunta. Acho muito estranho ser problema apenas de manutenção pois outros países acusaram o problema, mas se foi resolvido então minha percepção que está errada.
Agradeço.

Pedro Rocha

Mestre Roberto Bozzo, saudações! Tanto a MB como a FAB (3/8) fazem regularmente voos sobre o mar com o Caracal. Uma reportagem que li sobre a operação do 3/8 já havia elucidado sobre as manutenções preventivas bem como sobre a solução definitiva da caixa de engrenagens! Não tenho ouvido mais nenhuma noticia de sinistro acerca do Caracal muito pelo contrario, acho que o Japão anunciou algumas aquisições para resgate em alto mar. Acredito inclusive que o 3/8 está executando treinamentos com revo.

Tomcat4,2

No vídeo do MD tocando o hino nacional(disponibilizado no 7 de Setembro) e mostrando feitos das forças armadas mostra o Caracal da FAB fazendo revo em um KC-130 Hercules.

Roberto Bozzo

Pedro Rocha, obrigado pela atenção.

Tutu

Pouco tempo atrás o Kuait se recusou a receber essas aeronaves, alegando problemas.

Cristiano de Aquino Campos

Depende dos problemas. Problema politico, problema financeiro, problema mecânico, problema de lógistica ou uma soma de vários desses problemas. E olha que ainda pode-se alegar um problema para justificar algo, motivado por outro problema só para ficar bonito com o país fornecedor.

Last edited 5 meses atrás by Cristiano de Aquino Campos
Bille

Buenas. Solucionaram em termos. Foram aplicados uma série de boletins de serviço para antecipar a detecção das falhas, mas não necessariamente “melhorou”. As inspeções que foram projetadas para serem feitas com 20.000h agora são feitas com 1.500h, ou seja, o custo subiu 1.300%, e a despachabilidade diminuiu. Não tem muitas MGB de giro, não dá pra trocar simplesmente e segue o jogo, até pq a Airbus tá passando esse custo não planejando pro cliente. Esse é um motivo porque o offshore ainda não voltou “de com força” com essa máquina. As pernas foram encurtadas e vários pousos em locais com… Read more »

Taso

já já aposenta com 15 anos de uso igual uns eurofighter por ai, caro demais para operar. Os europeus estão salgados na aviação.

Elcimar

uma pergunta,não sei se já existia ou foi colocado agora.
aquela extensão da saída dos gases do motor da aeronave ?

Pedro Rocha

Mestre Elcimar saudações! Uma ótima observação! Eu acho que esta extensão do escape seja para evitar ou diminuir a fuligem na pintura. Talvez gere algum arrasto mas é melhor a corrosão!

Camargoer

Ola Elcimar. Procurei imagens de UH15 da MB no google e a impressão que tive foi que o exaustor sempre esteve la. Parece que o ângulo da foto desta matéria destacou o equipamento.

Souto.

Quando será que a MB vai receber o helicoptero
UH-15B capaz de lançar AM-39 Exocet?

Koprowski

A Marinha receberá seu 1º AH-15B Super Cougar até o fim deste ano, cujo total da encomenda são 05 aeronaves desta versão.

Doug385

Difusor para diminuir a assinatura infravermelha da saída de gases do motor.

Bille

Buenas

Aquele não é o difusor em si, mas é o PN do escapamento para instalar o difusor. O Difusor (JDD) é um trambolho um pouco maior, e interfere na CAT A

Funcionario da Comlurb

“Quando o navio entrou no raio de ação adequado, a cerca de 150 milhas náuticas a sudoeste do Farol do Cabo Frio (RJ)”

Qual é a autonomia deste helicóptero ?

Tutu

Aproximadamente 463 milhas náuticas.

Cristiano de Aquino Campos

O que dá quase mil quilometros. De qualquer forma, 150 milhas e quase saindo do nosso mar territoria que é se 200 milhas. Talvez tenhe se escolhido essa distância dévido questões legais de territoriedade ou para o helicoptero ter autonomia de sobra para ir direto a outra cidade com mais infraestrutura se necessário.

Last edited 5 meses atrás by Cristiano de Aquino Campos
Apenascurioso

Eu pisso estar falando de mais sou leigo ,apenas curto muito maquinas de gerra .seja navais ,aereas ou terrestre.principalmente as nossas . Porem eu não sei pq o Brasil paga tao caro para junto com o produto obter a tecnologia para produzir aqui , se todos ficam só no primeiro lote .ou seja para uma força defasada como a nossa nao seria melhor comprar de prateleira pela metade do preço .

M65

H225M é a denominação do fabricante. Na FAB é H-36 Caracal, no EB HM-4 Jaguar, UH -15 na Marinha. Estão corretos estes nomes?

Koprowski

Sim.

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Londres teme que submarinos russos ‘super silenciosos’ operem em águas britânicas

Segundo o The Telegraph, novos submarinos russos supostamente representam uma ameaça à segurança britânica, rastreando a frota da Grã-Bretanha,...
- Advertisement -
- Advertisement -