Home Indústria de Defesa Embarque de baterias no submarino Humaitá – S41

Embarque de baterias no submarino Humaitá – S41

5879
92

“Mar à vista”. Em uma delicada e complexa operação, a equipe do Estaleiro de Construção (ESC) finalizou o embarque dos 360 elementos de baterias no Humaitá – S41, uma atividade que exigiu grande concentração e comprometimento na ativação e manuseio dos elementos.

O primeiro passo, foi a energização das baterias nas oficinas de ativação. Em seguida, os elementos foram transportados até o ESC, onde foram içados por uma ponte rolante até o interior da embarcação.

Por último, a equipe de elétrica tem a missão de conectar os barramentos nos elementos de baterias para permitir a realização de carga a bordo.

S-BR Scorpène

DIVULGAÇÃO: Itaguaí Construções Navais (ICN)

Subscribe
Notify of
guest
92 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Camargoer
1 mês atrás

Olá Colegas. Sou fã do ProSub. Gostaria de saber se o Chile adquire as baterias da Espanha para os Scorpenes deles, ou se eles estão habilitados a recondicionar ou fabricar as próprias baterias. Fico imaginando que a MB deveria fazer um acordo com os chilenos para compartilharem o conhecimento e a fabricação destas baterias, por exemplo o Chile montando as baterias para seus Scorpenes empregando peças fabricadas no Brasil e no Chile.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer,de acordo com uma matéria postada aqui mesmo nesse site,as baterias dos nossos 2 últimos submarinos convencionais está sendo desenvolvida pela empresa paulista Newpower e já está na fase de testes. A matéria também fala que essa empresa já fornecia baterias para os IKL e que tem um contrato para fornecer baterias para outra marinha da América do Sul. Não sei se os chilenos fabricam as próprias baterias ou adquirem-nas de algum outro país,eu diria que a primeira opção é a mais provável,visto que os chilenos não são tão industrialmente avançados como o Brasil,mas é só um chute. De qualquer… Read more »

Renato
Renato
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Allan,
Acho que vimos a mesma informação.
Brasil a partir do 2º sub irá utilizar baterias fabricadas aqui mesmo.

Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Ola Allan. De fato, o Brasil já produz as baterias para os Tupi e há uma preocupação da MB para produzir as baterias para os Riachuelos também. Pelo que apurei, a Índia também produz as baterias para seus próprios submarinos de diversos modelos e origens (modelos alemães, franceses e russos). O submarino argentino foi perdido por problemas com as baterias recondicionadas. Portanto, é de interesse de todas as marinhas terem acesso à baterias de qualidade. O Brasil pode produzir 100% de suas baterias, mas as marinhas da Argentina e do Chile, que também possuem base industrial, poderiam fabricar parcialmente suas… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Concordo. Mas não sei se os nossos vizinhos confiariam no Brasil para lhes fornecerem esse tipo de equipamento tão sensível ao invés de buscá-los nas grandes potências,que têm industrias mais evoluídas. Nossa diplomacia deveria ser mais atuante nesse sentido já que não temos mais para quem vender produtos de alto valor agregado fora os países da América Latina,ou talvez da África.

Kemen
Kemen
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer, fabricar bancos de baterias chumbo-ácido no Brasil de grande A/H é coisa muito antiga, fabricar baterias para submarinos já tem algum tempo, o que poderia ser interessante é fabricar grandes baterias Li-ion de alta segurança e confiabilidade, para exportação acredito que teria uma boa demanda no mercado futuro. Uma das coisas que andamos discutindo em outro site era se os submarinos com baterias convencionais poderiam subtitui-las por baterias Li-Ion, não chegamos a nenhuma conclusão, porque envolveria uma série de modificações tais como, diferença no pêso (mais leves), na sua distribuição e na capacidade de carga em relação ao projeto,… Read more »

Kemen
Kemen
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Dependendo da área tecnológica, o Chile tem capacidade para fabricar algumas coisas, agora estão pensando em fabricar suas próprias fragatas, é um projeto audacioso, espero que tenham sucesso, pois até o momento apenas compraram fragatas desativadas por outras marinhas e depois modernizaram em algumas, parte de seus sistemas. Já fabricaram OPV´s de um projeto alemão e navios quebra gelos.

ERNANI BORGES
ERNANI BORGES
1 mês atrás

Pensei que a autonomia das baterias fosse maior…

Camargoer
Reply to  ERNANI BORGES
1 mês atrás

Olá Ernani. A demanda de energia para movimentar um Scorpene em velocidade máxima seria enorme. Se ele estiver em baixa velocidade, as baterias duram bastante. Quanto maior a cidade, maior o atrito e portanto maior a demanda de energia para manter a velocidade.

Kemen
Kemen
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Eu calculei a tempos que com baterias novas a baixissima velocidade ou desligando os motores, até uns 4 dias + ou -, o normal seriam uns 3 dias submerso a uns 4/5 nós com segurança, mas pode existir uma variação pequena em cada projeto de submarinos.___ Maior capacidade em A/H maior peso, mais bancos de baterias, mais espaço, fiação mais grossa, geradores de maior capacidade, motores com maior capacidade, etc, resulta em submarino maior.___ Se pretende ter a capacidade considerada comum em armamento (numero de torpedos, minas maritimas, e misseis também pesam bastante).

Last edited 1 mês atrás by Kemen
Carlos Alberto Soares
Reply to  ERNANI BORGES
1 mês atrás

Tem coisa errada aí, um U 212 da Marinha Alemã ficou 18 dias submerso a caminho dos USA….

Kemen
Kemen
Reply to  Carlos Alberto Soares
1 mês atrás

Olá Carlos, o que tem de errado?__ Veja, esse U-212 (designado U-32) tinha AIP (Air Independend Propulsion) com a tecnologia de Células de Combustivel, por isso é normal permanecer tanto tempo submerso sem utilizar o Snorkel.___ Coloco abaixo a informação do record de submersão do U-212 com AIP, foi num exercicio naval nos E.U.A.N.___É o mesmo U-212 (designado U-32) que foi anteriormente, da base de Kiel (Alemanha) a base naval de Rota (Espanha) submerso sem utilizar o Snorkel, em 14 dias. “In 2013, while on the way to participate in naval exercises in U.S. waters, the German Navy‘s U-32 established a new record… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Kemen
Wilson Look
Wilson Look
Reply to  ERNANI BORGES
1 mês atrás

A autonomia mostrada, é na velocidade máxima(como o texto menciona), em velocidades menores a autonomia aumenta.
Submarinos convencionais, normalmente operam a uma velocidade entre os 2 e 3 nós submersos, o que permite que a duração das baterias chegue a talvez uns 3 dias, com AIP nessa mesma velocidade a autonomia submerso chega a semanas, mas em velocidade máxima é de algumas horas mesmo.

Fernando Antonio de Faria Soares
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Com velocidades de 2-3 nós (3600 – 5400m/h) a influência das correntes marinhas deve ser muito significativa para a evolução (ou retardo) do submarino?

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Fernando Antonio de Faria Soares
1 mês atrás

Esse ponto eu não conheço muito, mas deve ter sim um importância bem grande, espero que alguém com mais conhecimento dessa área responda a sua pergunta com mais detalhes.

Kemen
Kemen
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Um submarino dependendo da tecnologia AIP utilizada, para permanecer submerso entre 14 a 18 dias não poderia ultrapassar os 10 nós de velocidade média. A tecnologia “célula de combustivel” é a que permite maior tempo de submersão e a mais moderna até hoje, existem dois tipos de “célula de combustivel” a PAFC e a PEMFC.

Kemen
Kemen
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Para ser mais concreto, o submarino U-32 alemão percorreu 1570 milhas nauticas sem snorkear em 14 dias o que lhe daria uma velocidade + ou – de 5 nós e não atingiu o limite do seu AIP.

Last edited 1 mês atrás by Kemen
Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  ERNANI BORGES
1 mês atrás

Pois é. Aí você veja que quando eu e poucos outros que defendem o subnuc somos detonados pelos “especialistas de google” e supostos sabichões aqui do blog, a verdade é que subs diesel / elétricos mesmo com AIP são altamente vulneráveis.

Kemen
Kemen
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Pelo contrario, os submarinos nucleares são os mais “vulneraveis” usando o termo real da palavra. Geralmente são usados para portar misseis balisticos, ai sim eles tem uma função apropriada na qual um submarino diesel não poderia levar a mesma quantidade de armamento e a tecnologia atual de AIP não permitiria ficar submerso por meses, e os sub nucleares podem disparar os misseis balisticos a uma distância enorme do objetivo. 1- Geram maior ruido.___ 2- Não podem desligar seus reatores permanecendo em silêncio total, dai não são apropriados para a uma das melhores formas de combate de um submarino, a tocaia… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Kemen
Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Prezado, se a sua teoria estivesse correta , nenhum país desenvolveria subs nucleares, e muito menos proibiram a exportação dessa tecnologia.

Kemen
Kemen
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Colega, acredite que não é minha teoria, submarinos nucleares são produzidos pelos paises que dispões de misseis de longo alcance ou balisticos.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Supondo que vc esteja correto, por que então existem os subs nucleares de ataque ? Por que a US Navy possuem em torno de 40 exemplares deste modelo ?

Claudio Moreno
Claudio Moreno
1 mês atrás

Boa tarde Senhores camaradas do Naval e da Trilogia!

Da-le MB! “Força total à vante!!!

CM

CRSOV
CRSOV
1 mês atrás

Milagrosamente esse Programa vai andando mesmo que aos trancos e barrancos !! Esperava muito mais desse Governo Bolsonaro com relação à nossa Defesa Nacional !! Esperava pelo menos mais um lote de Grippens, Artilharia Antiaérea de ponto, curta, média e longa distância, e muitas outras coisas mais !! De novo até agora apenas as 4 Tamandarés, de resto tudo da época da Petralhada !! Eita Putênfia da Porra !!

Roberto Pinheiro
Roberto Pinheiro
Reply to  CRSOV
1 mês atrás

CRSOV, lembro que o governo Bolsonaro ainda está atravessando a crise provocada pelo coronavírus, crise esta nunca enfrentada por outros governos.
O governo teve que liberar em torno de R$ 1,0 trilhão, para a economia do Brasil não entrar em colapso.
Lembro que se o congresso aprovar a solicitação do governo federal, o valor do orçamento do ministério da defesa poderá ser o maior percentualmente da sua história.

Camargoer
Reply to  Roberto Pinheiro
1 mês atrás

Ola Roberto. Eu e outros colegas temos apontado a excepcionalidade do ano de 2020 para a economia do país. Nada do que aconteceu este ano pode servir de parâmetro. O deficit este ano esta relacionado com a queda da arrecadação em todos os três níveis de governo. Contudo, cada coisa em seu lugar, cada coisa do seu tamanho. A proposta de renda básica emergencial do executivo foi rejeitada pelo congresso, que aprovou um projeto de lei de autoria de um deputado. O governo ainda vem retardando a concessão de aposentadorias, o que poderia ter ajudado a manter alguma atividade econômica… Read more »

Roberto Pinheiro
Roberto Pinheiro
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Boa tarde Carmagoer.
Você já defendeu em outros comentários o governo do Maduro, da Coréia do Norte, …. mostrando suas inclinações políticas, e misturando a questão militar com política, para favorecer seus pensamentos.
Amigo, me desculpe, mas não vou levar em conta seu comentário.

Camargoer
Reply to  Roberto Pinheiro
1 mês atrás

Caro Roberto. Não há razão para pedir desculpas. Acho que você estaria se lembrando do que alguns colegas interpretaram dos meus comentários. Eu tenho feito há anos uma defesa enfática da democracia, dos direitos humanos e da soberania popular. Minhas críticas sobre a política externa brasileira nunca significaram apoio a um regime nao-democrático, o que tem sido uma confusão comum (sem que seja deliberada). Alias, segundo o Senado, os gastos do executivo no combate á covid somam R$ 411 bilhões (procure por “Monitoramento dos Gastos da União com Combate à COVID-19” atualizado 23 de set) sendo R$ 217 bilhões pagos… Read more »

Nilo Rodarte
Nilo Rodarte
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Olá Camargoer, Gosto dos seus comentários, mesmo não concordando com algumas coisa, parece que temos inclinações politicas diferentes, o que não tem a menor importância. O que eu gosto do seu posicionamento é que você apresenta dados e fatos que você defende, não apenas achismos e verborragia violenta e que, ainda que eu não concorde com alguma coisa, eu te respeito. Isto posto, eu acho até injusto debitar apenas na conta do Bolsonaro todas as mazelas do governo levando em conta essa nefasta forma de governo cunhada pelo não menos nefasto Gilmar Mendes do tal “presidencialismo de coalizão”. O Presidente… Read more »

fewoz
fewoz
Reply to  Roberto Pinheiro
1 mês atrás

Olá, Roberto. Retiro o seguinte trecho da matéria da BBC, de 31 de agosto: “No entanto, apenas uma parcela dos R$ 5 bilhões propostos de aumento do orçamento da Defesa vão para esses gastos. A previsão do governo é que as despesas discricionárias (não obrigatórias, que incluem os investimentos) subam em R$ 1,6 bilhão para R$ R$ 11,7 bilhões. O restante do aumento (R$ 3,4 bilhões) está comprometido pela expansão das despesas obrigatórias (principalmente salários, aposentadorias e pensões).” Ou seja, nada mais que o afago (aumento) que o presidente faz, para manter sua base. Nada novo no front… E sobre… Read more »

Last edited 1 mês atrás by fewoz
Roberto Pinheiro
Roberto Pinheiro
Reply to  fewoz
1 mês atrás

Fewoz, boa noite.
Conforme noticiou o senado federal e o ministro da economia, foi gasto sim R$ 1 trilhão no combate à pandemia e sustentação da economia .

Paulo Guedes diz que governo federal gastou R$ 1 trilhão com pandemia

https://www12.senado.leg.br/noticias/audios/2020/06/paulo-guedes-diz-que-governo-federal-gastou-r-1-tri-com-epidemia?utm_medium=share-button&utm_source=whatsapp

Entre no site do ministério da defesa, e você verá que se o orçamento for aprovado, o valor será muito maior para aplicação em compras de novos equipamentos.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Roberto Pinheiro
1 mês atrás

eu não acredito que ainda tem gente que acredita no que o governo, deputados e senadores dizem… depois de tudo o que já vivemos… pode esperar, viu? Pode esperar que as nossas FFAA darão um salto enorme com esse aumento de orçamento…

sub urbano
sub urbano
Reply to  CRSOV
1 mês atrás

Pode ficar lá 8 anos que não vai mudar nada. Estava comparando esses dias o fardamento do EB com o Exército do Quênia!!!! Chega a dar pena do EB. Gripen sendo rebocado pelas ruas por uma empilhadeira elétrica. Quanto as Tamandarés: já soldaram alguma chapa? Por enquanto só estão no papel.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Rapaz, informe-se antes de tentar argumentar os teus pífios argumentos.

Rolagem de aeronaves por vias públicas é prática comum e sem detrimento a qualquer FFAA.
Tua referência aos meios doados e adquiridos pelo EB, cumprem o seu propósito a fim, não somente em nosso exército como igualmente em outros exércitos Europa, OM e Ásia afora.

CM

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

algumas pessoas são desinformadas ou realmente se fazem de estúpidas Claudio Moreno… Será que ainda não caiu a ficha de o porquê da aeronave ter sido rebocada até o aeroporto,QUE FICA A UM QUILOMETRO DE DISTÂNCIA DO PORTO?! Acho que desnecessário é pôr uma aeronave em um caminhão,possivelmente retirar as asas para fazer um trajeto minúsculo de A a B. Já vi muito desinformado criticando e falando que isso é exposição desnecessária,coisa de país subdesenvolvido. Os eua fazem isso,os belgas,franceses e alemães fazem isso,e sem dúvida eles não são subdesenvolvidos.. Mas só a FAB e a SAAB são amadores na… Read more »

navegantes.jpg
ted
ted
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

E ai Sub!… beleza!

MARS
MARS
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

É uma pena o site não permitir uma resposta à altura… Mas o colega ted já resumiu tudo: sub…

sagaz
sagaz
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Pincher misturado com poodle!?

_RR_
_RR_
Reply to  CRSOV
1 mês atrás

CRSOV, Programas militares não são obras de um governo de turno… São programas de Estado, levados a efeito de acordo com as exigências levantadas por cada Força, sempre limitadas pelas possibilidades reais de investimento. Nenhum governo faz isso unicamente por sua visão. O faz primeiramente por conta das leis que é obrigado a obedecer. Começa por aí… Outra: não se pode esperar que um simples governo, seja qual for, no decorrer de pouco mais de 18 meses, resolva questões que em situação normal já não se veria todos os resultados nem em uma década. No mais, pode-se dizer que o… Read more »

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  CRSOV
1 mês atrás

Olá,

Posso até entender em partes teu desabafo.
Mas não se esqueça que o atual governo (indiferente para mim de quem seja) pegou um país quebrado e não foi de passagem do último governo.
Não podemos esquecer ainda que ninguém esperava o Covid19 no mundo.
Não esperávamos o volume sem precedentes de ações ACISO por conta da pandemia, queimadas e outros desastres que assolam o meu, o nosso Amado País.
Só penso que você errou feio em baixar logo de cara a qualidade do debate, por se valer de palavras esdrúxulas.

Menos…

CM

ted
ted
Reply to  CRSOV
1 mês atrás

Com um ano e meio de governo consertar o Brasil! Vc esqueceu dos misseis balísticos e a estação espacial Brasileira.

Sequim
Sequim
Reply to  CRSOV
1 mês atrás

Se não fosse a ” petralhada” não tinha Gripen, não tinha Prosub, não tinha Gepard, etc, etc,etc…

Diogo Prado
Diogo Prado
Reply to  CRSOV
1 mês atrás

135 mil pessoas morreram, muitas mais morrerao, e milhoes foram salvas por conta dos gastos do governo (em todas as eferas) e o cara pensando em gasto militar uma hora dessas…

rommelqe
1 mês atrás

A figura divulgada pela Itaguai precisa ser revisada pois continua mencionando que ” … a (sic) hélice é movimentada por uma turbina…”.
É importante corrigir por que, logicamente, a O HÉLICE de propulsão dos SBR é acionado por meio de um motor elétrico alimentado ou pelo gerador elétrico acoplado ao motor diesel ou pelas baterias (motivo da presente matéria) ou até mesmo por ambos concomitantemente (caso não usual).

NightHawk
NightHawk
Reply to  rommelqe
1 mês atrás

À princípio me pareceu incorreto também, mas caso o eixo de potência utilize um acoplamento hidráulico, não estará incorreto no todo pois, o eixo motriz conectaria o gerador ao impulsor e o eixo movido (do hélice) recebe esta impulsão hidráulica por uma turbina montada à jusante do rotor de impulsao no conjunto do acoplamento.

Caberia esclarecer de que forma se realiza o acoplamento/engrazamento do eixo de potência (do hélice).

Foxtrot
Foxtrot
1 mês atrás

Ainda não acredito e nem me conformo que não sabemos fazer essa bateria de Chumbo ácido.
Poderiam ter usado a mesma tecnologia das baterias dos Tupis, porém com as parâmetros técnicos ( Tensão, corrente, tamanho, peso etc) das baterias Scorpone.
Mas parabéns pelo acelerado processo.
Precisamos de mais 4 unidades do SBR ou SNB-10 nacional, modernização dos Tupis e transferência dos mesmos para o nordeste.
Acorda almirantado, não dá para ficar sonhando com 4 barquinhos hiper caros, frota só de Subnuc, NAe, Sisgaaz etc.
Vamos para o básico primeiro, depois quando ou se houver verbas, vamos para o completo.

Anderson
Anderson
1 mês atrás

Esses submarinos já obrigatoriamente deveriam utilizar baterias de lítio, triplicando a autonomia, mas infelizmente está recebendo uma tecnologia de 100 anos.

Camargoer
Reply to  Anderson
1 mês atrás

Olá Anderson. A pólvora foi inventada na China há mais de 1000 anos… e continua importante. A dinamite foi inventada há bem mais de 100 anos e continua importante…

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Anderson
1 mês atrás

O problema das baterias de lítio Anderson é que elas ainda são muito caras. Custam quatorze vezes mais que uma convencional de chumbo.

A C
A C
Reply to  Anderson
1 mês atrás

Caro Anderson, dependendo do tipo de material usado na bateria, eh praticamente impossivel o controle de incendio caso aconteca. Em geral, baterias de carros eletricos/hibridos sao de litio-ion que em caso de incendio, se nao ha vitimas, os bombeiros deixam queimar pois e liberacao de energia eh muito grande para combater.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Anderson
1 mês atrás

só o japão usa esse tipo de bateria, somado ao AIP seriam fantásticos, porém, ainda são perigosas, o Japão pode ainda estar cometendo um erro acreditando que dominou o uso desse tipo de bateria, nos futuros subs, seria um caso a se pensar.

marcos r
marcos r
Reply to  Carlos Campos
1 mês atrás

quem ja viu uma baeria LIPO superaquecida pode imaginar a situação dentro de um submarino com a quantidade de fumaça que gera em uma queima quase que impossivel de ser debelada ate que se consuma toda.

Last edited 1 mês atrás by marcos r
Tiger 777
Tiger 777
1 mês atrás

Parabéns a Marinha, este programa é vital para o Brasil. Grato a trilogia pelas informações

Renan
Renan
1 mês atrás

Um marco importante
Parabéns pelo avanço.
Já imaginou o aperto para conectar os barramentos?

É impressionante este mês as realizações do ministério da defesa

Exercícios militares de grande relevância
Modernização de um caça
Recebimento de um caça
Evolução no programa de teste do s40, evolução da construção do S41
Evolução no cronograma S42
Recebimento de blindados
Compra de canhões para as Tamandaré

Se todos os meses fossem assim estaria feliz.

Last edited 1 mês atrás by Renan
Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
1 mês atrás

Mas, como eu disse anteriormente, 2019 foi um ano perdido no tempo para os 2 programas principais submarinos + Tamandaré que patinaram, mas ai veio 2020 e minhas esperanças se foram nessa pandemia … não acho que dará tempo para lançar ao mar o Humaitá ou corte do aço das Tamandaré ate 13 de Dezembro … espero estar enganado nisso, mas estou pessimista infelizmente. Mas, o que me aborrece mesmo é que pelo andar da carruagem me parece que o comando decidiu que tanto o tikuna tanto a barroso, não sofreram as modernizações significativas e profundas necessárias para trazerem os… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  Entusiasta Militar
1 mês atrás

As velhas e boas batearias de chumbo tem, seus dias contados. Diversos países já estão desenvolvendo projetos com baterias de alta capacidade, Japão, Coréia do Sul e China lideram a fabricação desses componentes. Nós, com a fabricação a meio caminho estamos perdendo a oportunidade de incluir essa tecnologia revolucionária, Com estas baterias, um sub convencional fica melhor e mais barato que um nuclear. Melhor pois mais silencioso, maior raio de ação e tempo reduzido de recarga sob snorkel. Além de permitir maior velocidade submerso pela maior carga disponível.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

“Com estas baterias, um sub convencional fica melhor e mais barato que um nuclear. ”

Pois é . Todos os países que possuem subs nucleares deveriam repensar suas estratégias.

Esteves
Esteves
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Então.

Aonde estão os fornecedores dessas baterias de última geração que poderiam entregar à MB, essas fantásticas oportunidades tecnológicas.

Esteves
Esteves
1 mês atrás

Baterias. “A Marinha escolheu a empresa paulista Newpower para desenvolver e fornecer baterias para o programa Prosub, mas as baterias do SBR-1 ainda são importadas da Exide da Alemanha. O segundo submarino, SBR-2 (Submarino Humaitá), também será equipado com baterias importadas, mas com a conclusão dos testes e a certificação da bateria nacional, os SBR-3 e SBR-4 já receberão as baterias nacionais produzidas pela Newpower.” A empresa escolhida para manter as baterias dos Tupi era a Saturnia. Faliu. A Excide daqui foi embora deixando o PROSUB sem baterias. Não há nada acontecendo aos trancos. Existe a inexistência de linhas logísticas não somente de… Read more »

Astolfo
Astolfo
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Emitir moeda para sair de crise fiscal, Esteves? Você quer dizer emitir moeda para aprofundar a crise fiscal, obviamente, correto?

Não existe “emitir moeda”. A riqueza de um país tem uma determinada quantidade finita. Quando se emite mais moeda, gera-se mais inflação e se desvaloriza a moeda. O que você apontou não é uma solução.

Esteves
Esteves
Reply to  Astolfo
1 mês atrás

Conceitos e teorias econômicas. O país não detém tecnologia, exporta commodities e 90% do PIB advém das atividades internas como o próprio estado. As prefeituras estão rolando e deitando nas contratações, nas despesas, no COVID, nas obras obsoletas. Eleições. O BRT aqui não passa debaixo dos pontilhões e das árvores. Liga os mesmos bairros atendidos pelo sistema tradicional. Irá somente competir. Não vai resolver. Mas as obras e as despesas… O país precisa disso. Demandas, encomendas, investimentos e juízo. Não precisa que juízes dobrem o próprio salário. O país deve reformar as previdências impedindo aumentos das pensões para inativos além… Read more »

Camargoer
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Olá Esteves. Segundo o Paulo Nogueira, os chineses aprenderam o modelo de “capitalismo de estado” com os militares brasileiros na década de 70. Os de hoje esqueceram. Confundem bolsa com fábrica de sacolas. O Posto “agora eles tem articulação política” Ypiranga foi colocado na coleira. Tolerado como a tia velha que fala besteira no soco de domingo.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Caro Camargoer, Eu custo a crer que o PNB tenha dito tamanha sandice. Vamos focar primeiro em DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL para depois partir outras questões.  O modelo de desenvolvimento chinês é muito, mas muito diferente do governo militar brasileiro. O desenvolvimento brasileiro se deu em bases Cepalistas com a premissa de substituição de importações, isto é, produzir internamente tudo que venho importando e diminuindo minha dependência de produtos externos. É um modelo de crescimento pra dentro, para o mercado interno.  O chinês é o contrário. É um modelo de crescimento para fora. Deng Xiaoping liderou uma abertura de mercado propondo que… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Para expandir o dito acima. Tem uma questão no desenvolvimento chinês que trona bem distinta da situação brasileira: a poupança interna. O país vai crescer economicamente se aumentar a sua produtividade. O aumento de produtividade se dá por investimentos.  Uma taxa de investimentos condizente a um crescimento sustentável (consistente ao longo dos anos e sem gerar inflação) pode-se dizer que é em torno de 25% do PIB. A China tem taxas de investimento em torno de 30% do PIB e o Brasil, em média, desde os anos 80, entre 15 e 20% do PIB. Apenas em alguns momentos da década… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Para complementar. 
O crescimento para fora, gerando excedentes nas transações correntes, somado ao excedente de poupança interna, tornam possível o acúmulo de reservas gigantescas. Que, por sua vez, impedem a GRANDE VULNERABILIDADE do Brasil nos anos 70 e 80 que foi… a DIVIDA EXTERNA que quebrou o país.

Parei.

Abraços.

Camargoer
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Caro GFC. O Paulo Nogueira tem publicado alguns videos, acho que quinzenais. Em um deles, há poucas semanas, ele comentou que ele estava no governo quando recebeu uma missão chinesa (na década de 70) que vieram entende como funcionava o “milagre brasileiro”, com o Estado sustentando a indústria de base e garantindo o fornecimento de energia, para as empresas privadas produtoras de bens de consumo abastecerem o mercado consumidor nacional (tem gente que chama isso de “capitalismo de estado”).

Luiz Floriano Alves
Reply to  Astolfo
1 mês atrás

O EB fabrica baterias em Santa Maria. PRManut. . Se ainda fabricam eu não sei. É uma possibilidade. A MB comprar baterias do EB financiando as instalações necessárias. A tecnologia é tosca. Tudo questão de escala.

Camargoer
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Caro Luiz. As baterias dos submarinos são imensas. O mais adequado seria que a mesma empresa que faz as baterias dos Tupi façam as baterias dos Riachuelo. Cada modelo de bateria precisa ser certificada e homologada. Estás baterias sao fabricadas sob encomenda. A escala não muda seu preço, mas uma empresa que já foi certificada para fazer as baterias dos Tupi terá a sua certificação facilitada para fazer as baterias dos Riachuelo.

Camargoer
Reply to  Astolfo
1 mês atrás

Astolfo. A emissão de moeda NAO gera dívida. Emissão de títulos geram dívida. A isso de moeda só gera inflação quando a demanda supera a oferta. Nos últimos anos a economia está ou em recessão ou estagnada. O desemprego está elevado e o crédito dificultado. A indústria está com praticamente 50% de capacidade ociosa. E os índices de inflação estão baixos quase deflacionarios. Pode emitir moeda sem risco enquanto atividade econômica estiver patinando. O governo dos EUA são sistematicamente deficitários e isso não preocupa. Por isso tem sido um erro colocar um banqueiro como ministro da economia porque ele pensa… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Já colocaram ministro da fazenda que hoje está nas grades, por formação de quadrilha. E o chefe está solto.. E o Brasil aguentou. Se retornarem os fundos depositados em paraísos fiscais como Panamá e Sheichelles poderíamos fazer até Porta Aviões.

Camargoer
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Caro Luiz. Os fundos depositados em paraísos fiscais podem ser legais ou ilegais. Imagino que você se refere aos recursos ilegais (que podem ter diversas origens, como tráfico, fraudes… corrupção é uma fração dos recursos ilegais depositados em paraísos fiscais). O desempenho econômico tem mais relação com as políticas econômicas adotadas do que com o caráter dos ministros, presidentes e diretores dos órgãos públicos, como o Banco Central. No caso brasileiro, assim como nos EUA, a economia formal é ordens de grandeza maior que a quantidade de recursos desviados por corrupção (ao contrário de países menores nos quais um caudilho… Read more »

Sequim
Sequim
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Perfeito, professor. Mas se bem que houve o Mário Henrique Simonsen, que era banqueiro, mas também foi um grande ministro. Ficam o Guedes e companhia limitada pregando arrocho fiscal e monetário, um discurso tão velho que nem o FMI adota mais, enquanto o mundo discute a Nova Teoria Monetária , que defende, dentre outras coisas, que divida pública não chega a ser um problema, pois o governo detém o monopólio da impressão de dinheiro. Como você bem explicou, em momentos de demanda , tanto simples quanto agregada baixas, emitir moeda não causa inflação e estimula a economia.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Sequim
1 mês atrás

“Nova Teoria Monetária”… Bem, como o próprio nome diz, ela é NOVA. Pode me chamar de conservador, mas ainda custo a acreditar que essa teoria esteja sólida o suficiente para ser a base da política monetária de um país como o Brasil. Ela virou a “cloroquina” dos novos keynesianos brasileiros. Po… Uma coisa é uma emissão monetária de moeda forte como DOLAR e EURO, para remediar uma crise de natureza FINANCEIRA, como ocorreu em 2008/2009. Outra coisa é a emissão monetária de moeda fraca como o REAL, para remediar uma crise de natureza NÃO-FINANCEIRA. É claro que essa m…da tem… Read more »

Sequim
Sequim
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Meu caro, certamente você conhece o conceito de demanda agregada via compras governamentais. O governo como grande comprador e estimulador da economia. Não é necessário moeda forte para isso. Basta vontade política de mudar políticas econômicas pró-cíclicas, isto é, políticas econômicas que reforçam o status quo , o que no momento específico que estamos passando aqui no Brasil, só faz aprofundar a recessão. Coisas estúpidas como o teto de gastos do governo só fazem podar a retomada da economia. Uma hora será necessário rever isso. Cordiais saudações.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Sequim
1 mês atrás

Caro, Sim, conheço o conceito de demanda agregada e sei o poder das compras governamentais.  Mas você sabe a diferença entre Política Monetária e Política Fiscal? “Não é necessário moeda forte” Você falou em EMISSÃO MONETÁRIA (política monetária) e isso enfraquece a moeda e desequilibra os preços relativos. No médio prazo ocorre a inflação, podendo chegar ao nível inercial. Essa premissa é mais velha que andar pra frente. Então tem TUDO a ver com a moeda ser forte ou fraca. Porque se os EUA fazem uma emissão monetária controlada, por sua moeda ter a confiança dos agentes globais, o potencial… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

“Coisas estúpidas como o teto de gastos do governo só fazem podar a retomada da economia. Uma hora será necessário rever isso”. O teto não é estúpido. Estúpido é o crescimento descontrolado de gastos públicos, que de tão estúpido, pôs-se na Constituição que ele tem de ter um limite. Oh Glória! Porque é isso que está segurando o afã populista do “Sumo Líder”. O gasto público hoje é de 40% do PIB. Então pra você qual é o limite? 45%? 50%?  100% do PIB! É socialismo puro e zero propriedade privada! Sim, o teto deverá ser ajustado. Existem regras ali… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Temos receio do desconhecido. As novas baterias quwe estão revolucioando a aviação e os automotores superaram a barreira de segurança. A problemática da formação de dendritos já está dominada. Temos até aviões comerciais, totalmente elétricos, à venda. As barreiras de grafeno no interior do Litio evita o fenômeno dos dendritos. O maior problema é que o meio naval é o mais conservador, e no mau sentido. A Marinha de Sua Majestade pre3cidsou perder par ao Exocet para reconhecer a inutilidade de artilharia AA, na era do míssil Já trabalhei com baterias de submarino. A MB chegava no Porto de Rio… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

The Estrategist da Austrália publicou esta matéria. Sem maiores comentários. .In contrast, the superior energy capacity and performance of light-metal batteries provide increased safety margins in all modes of operation. Naval Group regards lithium-ion battery technology as inherently safer than its lead–acid counterpart. This judgement is reinforced by South Korea’s decision, after 30 months of comprehensive study and evaluation, to use lithium-ion main batteries in the KSS-III batch 2 submarines. In East Asia, two designs of small, special-purpose submarines with light-metal power systems have recently been launched. These vessels will be in the water for up to a decade before HMAS Attack, but data on their operation… Read more »

Sequim
Sequim
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Não se engane com a atual queda de juros. Se o Brasil continuar perdendo dólares com vem perdendo, logo terá que aumentar a SELIC para atrair os dólares especulativos, infelizmente. A condução irresponsável da política ambiental do atual (des)governo só faz dificultar a atração de investimentos estrangeiros produtivos. O recente comunicado conjunto de vários países europeus já soou (ou deveria ter soado) o devido alarme.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Sequim
1 mês atrás

1 – Concordo com o que você disse. A política externa e ambiental está afugentando dólares e isso já está impactando nos juros futuros.

2 – Não estou me desenganando, apenas observei o passado recente. O futuro é outra análise, onde da mesma forma que a razão do ponto 1 acima, o fim do teto de gastos potencializará ainda mais a subida de juros.

Sequim
Sequim
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Políticas monetárias expansionistas são instrumentos monetários clássicos. Você esquece (ou omite) que inflação só desestabiliza os preços relativos da economia em um ambiente econômico onde a demanda não está deprimida. Não há esse risco em uma economia desaquecida. Quanto à inflação inercial , tal risco é atenuado com o enxugamento da base monetário a médio prazo, com, por exemplo, o aumento do recolhimento dos depósitos compulsórios dos bancos.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Sequim
1 mês atrás

“inflação só desestabiliza os preços relativos da economia em um ambiente econômico onde a demanda não está deprimida”. Conhece estagflação? Pois então, eu conheço e vivi ela. A demanda era reprimida e existia inflação (e muita inflação). Os anos 80 foram um primor de material de análise sobre. Aliás, a Argentina HOJE é outro caso. Portanto, essa assertiva tem de ser MUITO melhor elaborada. “Quanto à inflação inercial, tal risco é atenuado (…)”. Ah entendi, você libera de um lado e retrai de outro. Assim… uma roda vira para a direita e a outra para a esquerda (sem politicismos aqui,… Read more »

Camargoer
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Olá GFC. Um dos pontos que admiro em Keynes foi sua visão pragmática. As ferramentas estão á disposição do Estado para praticar a política econômica adequada para momento. Nem Keynes nem Marx eram dogmáticos. Aliás, 2020 é um ano atípico, cujo melhor comparação seria a crise de 1918 (da gripe espanhola) e da depressão de 1930. A emissão de moeda só faz sentido se direcionada para a geração de emprego, que irá ampliar o mercado consumidor, dando alguma perspectiva de lucro ao setor produtivo. Ampliar o crédito sem coordenar com o aumento da produção será inflacionária (porque haverá liquidez mas… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Marx e Keynes foram dois gênios, da mesma forma que Adam Smith. O que eu não aguento são os marxistas, keynesianos (e os clássicos também) de DCE. Que mais parece discussão de clubismo do que algo tão importante para melhorar o mundo de forma republicana.  “A emissão de moeda só faz sentido (…) Isso aí. Perfeito. Portanto, não é somente emitir e distribuir. Se fosse fácil assim, todo mundo fazia. Apenas que todas as vezes que nosso governo, há 40 anos, resolve ser muito criativo em suas medidas de política monetária, normalmente dá m… A Argentina é outro que gosta… Read more »

Camargoer
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Olá GFC. É um prazer ler seus comentários. Pois é. O melhor paralelo da crise da Covid foi a gripe espanhola em 1918. As autoridades da época cometeram muitos erros, o que acelerou a disseminação do vírus. Aqueles erros deveriam servir de orientação (não serviram nem no Brasil nem nos EUA). A enorme queda da atividade econômica em 2020 (devido ao covid) está impondo desafios novos, mas consequências parecidas (desemprego, redução da arrecadação, concentração de renda, etc). Novamente, alguma decisões tomadas ao longo da década de 1930 podem servir de modelo para várias ações. FDR tinha um método de trabalho… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Sequim
1 mês atrás

Nova Teoria Monetária parece coisa de argentino

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

a inflação tpa alta sim, só ta maquiada

Camargoer
Reply to  Carlos Campos
1 mês atrás

Caro Carlos. Acho difícil acreditar que o IBGE irá maquiar inflação. Como a taxa de inflação é medida mensalmente, pode ser que o último mês tenha ocorrido uma elevação. É preciso esperar o valor divulgado pelo IBGE (e pela FGV) para termos uma perspectiva real.

Esteves
Esteves
1 mês atrás

Baterias. Baterias.

Macronianos, Keynisistas, Marxcambrianos, Cepalistas, Simonetistas, Liberalistas, Chicaganos e Lambrusco’s…urgh!

Baterias.

jose luiz esposito
jose luiz esposito
29 dias atrás

Fabricamos Baterias para submarinos a muito tempo através da antiga Saturnia , com tecnologia adquirida da VARTA alemã , mas a Saturnia teve problemas e faliu , agora uma outra empresa esta fabricando estas baterias !

FARLEY VILACA
FARLEY VILACA
29 dias atrás

Bela discussão e, parabéns à todos os envolvidos ! Tenho algumas dúvidas caso algum de voces possa me responder :

  1. Qual a capacidade (Amperes/hora) do banco de baterias para os submarinos da classe TUPI ?
  2. Qual a capacidade para a classe SBR ?

Agradeço antecipadamente !

Luiz Floriano Alves
Reply to  FARLEY VILACA
26 dias atrás

Farley
As batarias dos nossos Scorpéne, não sei. Mas as dos submarinos alemães de longo curso tinham bancos de 372 células na potencia de 33900 A-h, cada banco. Os nossos, não devem ser muito diferentes. Abço.